Roteiro 2 - Abril - Violência e o jovem no campo.
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×
 

Roteiro 2 - Abril - Violência e o jovem no campo.

on

  • 1,374 views

 

Statistics

Views

Total Views
1,374
Views on SlideShare
1,374
Embed Views
0

Actions

Likes
0
Downloads
5
Comments
1

0 Embeds 0

No embeds

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Adobe PDF

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
  • hi dear,
    how are you today? i hope fine i wish to be your friend as i really like your profile here please kindly contact me(celinefredom@hotmail.com) through my email id i will also send you my photos yours friend celine
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

Roteiro 2 - Abril - Violência e o jovem no campo. Roteiro 2 - Abril - Violência e o jovem no campo. Document Transcript

  • Roteiro 2: Violência e o jovem no campo.Objetivo: Refletir sobre a realidade do jovem camponês.Ambientação: imagens da vida no campo, jovens trabalhando na terra.Materiais: imagens citadas acima, texto para o estudo do grupo (anexo), alimentosnaturais para partilha (frutas, pão), Bíblia.- Se o grupo for de uma realidade urbana, pedir com antecedência para que osjovens façam uma pesquisa em sua família ou vizinhança, ver se há algum familiarque tenha vivido na roça e como foi essa experiência? O que foi bom e o que foiruim? DICA: o tema da Semana da Cidadania deste ano é “Juventude, Terra Viva” que quer trazer presente as realidades dos/as jovens do campo e da roça. No final deste roteiro colocamos o endereço do blog da Campanha para você poder baixar os materiais da Semana da Cidadania.Acolhida: A coordenação do encontro dá boas vindas ao grupo e motiva as/osjovens a se acolherem por meio de um abraço. O grupo pode cantar alguma músicaenquanto acontece a acolhida.Olhando para a realidade a) O coordenador fala do tema do encontro e sobre as dificuldades da vida na roça. b) Motivar que os jovens partilhem as experiências vividas por seus familiares na roça. c) Dividir o grupo em 3 ou 4, para estudo dos texto: Violência e o jovem no campo. (pede-se que a coordenação ou o assessor, leia anteriormente o texto, e estude um pouco mais sobre o tema para poder responder possíveis duvidas do grupo) -Voltar a o grande grupo e partilhar o que cada um entendeu a partir da leitura do texto. d) Canto: Jovem da roça (ou outro conhecido pelo grupo, mas se o grupo não conhece , é uma ótima hora de aprender esta bela música)Luz da palavra de Deus:-Uma jovem faz a leitura de João 10,10-18.
  • - Motivados pela atitude de Jesus que veio pra que todas/os tenham vida, o queessas leituras nos fazem pensar sobre a violência sofrida pelos jovens no campo?- Qual o nosso compromisso diante de tanta violência? Oração do senhor e agradecimento dos alimentosRezemos esta oração com muita fé e amor, pedindo ao nosso Deus que nos dêforças e sustente nossa luta e teimosia, em construir um mundo sem violência paratodos. Agradeçamos também pelos alimentos que temos aqui, eles são frutos danatureza e do trabalho de muitos/as jovens. (ATENÇÃO: disponibilizar a oraçãopara todas/os) Pai nosso que estais no céu, Na terra, no sol, no ar, na água, em toda a natureza, no nosso grupo, nas comunidades, em cada um de nós. Santificado seja o vosso nome, Na oração, na nossa ação, no compromisso com a vida e na esperança dos jovens. Venha a nós o vosso reino, De mulheres e homens novos, evangelizados e evangelizadores Seja feita a vossa vontade, De que nós, jovens e todos os cristãos comprometidos sejamos construtores de novas relações no trabalho, na escola, na roça, no lazer, na família, na igreja e em toda a nossa cultura. Assim na terra como no céu, Na caminhada de nossas famílias, de nossos grupos e de nossa comunidade. O pão nosso de cada dia nos dai hojePorque quereis a vida plena conseguida quando se mata a fome de pão e de justiça. Perdoai-nos as nossas dívidas,Provocadas pela especulação financeira, concentração de renda, corrupção política e econômica, e pelo nosso comodismo. Assim como nós perdoamos aos nossos devedores, Quando pessoas, bancos e países credores forem mais humanos e solidários perdoando seus devedores, no espírito do jubileu e do novo milênio, evitando a acumulação, sofrimento, desigualdade social e exclusão, E não nos deixeis cair em tentação,De viver à custa dos outros e de acreditar em outros deuses que não seja o deus da vida.
  • Mais livrai-nos do mal,Do poder, da ganância, da violência, da desigualdade, da morte e fazei-nos senhor, mulheres e homens novos, construtores da nova humanidade, sinal do reino de deus. Porque vosso é o reino, O poder e a glória para sempre. Amém...Encerramento:Encerrar o encontro com uma saborosa partilha de frutas e pão.Anexo1: Violência e o jovem do campo. Os jovens do meio rural estão mais do que nunca em busca de ampliar seuespaço. Lutam pelo acesso á cultura, á educação, á tecnologias e á renda, semdeixar, no entanto, de valorizar suas raízes campesinas. No campo notamos relações de violência que estão profundamenteenraizadas na vida de cada jovem, devido às diversas mazelas que os afligem, taiscomo o latifúndio, a monocultura, a produção para exportação, o trabalhosubordinado, o trabalho escravo, os produtos transgênicos, o preconceito, o medo,a miséria, a corrupção, a imposição cultural e educacional. Uma dessa formas de violência é a relação do trabalho, a maioria dos jovenscamponeses necessita ir pra roça trabalhar pra ajudar no sustento da família,tendo muitas vezes que abandonar os estudos para isso. Às vezes esses jovens sãosubmetidos a diárias estafantes que podem chegar a 12,14, ou 16 horas na colheitada safra e sequer recebem hora extra pelo serviço. Nesses últimos anos pela falta de atenção do governo, falta de professores eestruturas decentes para atender aos estudantes rurais, foram fechadas muitasescolas de nível básico, forçando crianças e jovens a freqüentar escolas em áreasurbanas longe de suas realidades. Na escola, na tentativa de diminuir o preconceitoe a vergonha tentam confundir-se com os amigos urbanos e sentem-se satisfeitosao dizerem que os colegas não sabem que eles são camponeses! “Às vezes sinto vergonha de dizer que sou do interior para os meus colegas de escola. Estudo numa escola na cidade vizinha porque aqui não tem Ensino Médio. Temos muitas dificuldades em casa, o trabalho é muito puxado e exige demais da gente! Ficamos horas embaixo do sol, na roça. Ficamos cheios de calos nas mãos! Meus colegas riem de mim e fazem piadinhas de mau gosto. Só que nada vai me fazer sair da roça, apesar de todo o preconceito que sofro e dificuldades de acesso à escola e saúde, aqui a gente vive bem!” J. N, 17 anos.
  • Outro grave problema é o êxodo rural que devido à concentração depropriedades de terras nas mãos de poucos, à política agroindustrial intensivapara a exportação, à limitação de créditos e serviços, força muitas famílias a saíremdo campo. Por meio da mídia foi alimentada uma falsa imagem promissora dascidades para os trabalhadores rurais, que migraram crentes de melhoresoportunidades e condições de vida para suas famílias, com esperanças de trabalho,educação para os filhos, moradia, prosperidade, dentre outras. O resultado desseprocesso migratório intenso se configura hoje nas nossas favelas e periferias sobuma ausência quase total de serviços básicos, e a juventude é quem mais sofre.Problemas sociais como a violência no meio urbano têm suas raízes no campo, apartir do êxodo rural. “O êxodo rural conduz a uma série de outras implicações sociais, culturais e principalmente, o da violência.” (Manoel Gomes). Cabe a nós agora empenhar-nos na luta por políticas publicas que geremmudanças na realidade juvenil camponesa. Devemos batalhar por uma educaçãodo campo e no campo: ajudando a derrotar o analfabetismo, ocupando vagas nasescolas técnicas públicas de nível médio, (re) abrindo muitas escolas de nívelbásico, reivindicando a interiorização das universidades, com regimediferenciado...Incentivar a permanência do jovem no campo, mas com condições para que elespossam ter acesso á educação de qualidade, transporte, saúde, lazer, entre outras.Anexo 2: Jovem da roça. Não é preciso ser filho de doutor. Jovem da roça também tem valor Esse sistema que esta nos dominando. Expulsa o jovem que trabalha no interior; Faz o jovem viver lá na cidade, Desaprendendo a vida de agricultor. O jovem que trabalha na cidade, Não tem emprego ou é mal remunerado. O jovem que trabalha no campo, Vive segurando o arado. No interior a juventude é muito unida, Se reúne no grupo pra conversar. Eles debatem, trabalham e se divertem, Todos assumem e fazem o grupo andar.
  • A esperança de um mundo novo é jovem,Porque a sua força faz um mundo transformar.O jovem do campo e da cidade bem unidos,Ninguém mais vai conseguir pisar. MAIS MATERIAIS SOBRE A REALIDADE DA JUVENTUDE RURAL: *Cartaz 2011 - http://migre.me/4gIbw *Livro Semana da Cidadania 2011: http://migre.me/4gIbN *Roteiros para grupos: http://migre.me/4gIcE COMITÊ ESTADUAL DO RS juventudecontraviolencia@gmail.com www.juventudecontraviolencia.blogspot.com