Conceitos energias renováveis

  • 1,808 views
Uploaded on

 

  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Be the first to comment
    Be the first to like this
No Downloads

Views

Total Views
1,808
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0

Actions

Shares
Downloads
20
Comments
0
Likes
0

Embeds 0

No embeds

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
    No notes for slide

Transcript

  • 1. Energias Renováveis: brevesconceitosFabiana Pacheco*No âmbito das discussões sobre a questão energética, A nova ordem energéticaaprofundada pelo cenário internacional de escassezdo petróleo e pelas mudanças no clima, ocasionadas mundialpela queima de combustíveis fósseis, surgem pesqui- Atualmente, a nova ordem mundial é a busca pelasas e estudos técnicos, econômicos e de impactos auto-suficiência em geração de energia, aliada asocioeconômicos e ambientais de empreendimentos uma diversificação da matriz energética, ou seja, ade energias alternativas ou renováveis voltados para o procura por diferentes fontes de energias alternati-desenvolvimento de alternativas na produção de ener- vas que supram a demanda interna dos países, nogia, a partir de matéria orgânica de origem animal e caso de uma escassez de combustíveis fósseis.vegetal, a biomassa; a partir da força dos ventos, a Para tanto, os países têm que ter sob controle fonteschamada energia eólica; através da captação da luz primárias de geração de energia elétrica, térmica edo sol, a energia solar, e a partir de pequenas centrais veicular e em um mundo globalizado é necessáriohidroelétricas, as quais atendem a demandas em áre- que haja uma interdependência entre os países eas periféricas ao sistema de transmissão. uma auto-suficiência em alguma fonte de energia (IGNATIOS, 2006). Essa diversificação trará para osNesta busca por fontes alternativas o Brasil apresen- países mais segurança à oferta de energia sem su-ta grande diferencial em relação a outros países, pois cumbir às pressões de preços de insumos ou adver-a sua imensa biodiversidade, permite a geração de sidades climáticas. É necessário que haja mais in-energia por vários meios, incluindo as fontes de ener- vestimentos direcionados para área de produção degia renováveis como a hidrelétrica e também a busca combustíveis e geração de energia, o que se con-pelo desenvolvimento de fontes alternativas como a figura como um problema, uma vez que o governoutilização da biomassa, para produção de combus- não teria recursos suficientes para a diversificaçãotíveis renováveis, como o álcool, o biodiesel, e, mais e ampliação da matriz energética. Segundo a EPErecentemente, o H-bio (AGRONEGÓCIOS..., 2006). (Empresa de Pesquisa Energética), estatal vinculadaNessa direção, este artigo tem por objetivo expor a ao Ministério de Minas e Energia, caso a demandadiscussão atual sobre a nova ordem energética mun- por energia venha a crescer anualmente na ordemdial, em que se aborda a preocupação pela busca da de 4,8%, o país precisará investir em torno de R$auto-suficiência em energia, em que também se con- 125 bilhões para a ampliação de geração e trans-ceituam as energias renováveis, definindo-as quanto missão de energia a fim de que haja fornecimentoaos tipos. Além disso, abordam-se os investimentos regular sem riscos de apagão.já realizados e em andamento, assim como as pes-quisas na área de combustíveis alternativos no Brasile no estado da Bahia. * Técnica em Análise Conjuntural - SEI Conjuntura e Planejamento, Salvador: SEI, n.149, p.4-11, Outubro/2006
  • 2. Fabiana Pacheco Esta questão energética vem gerando uma apreensão isso, são praticamente inesgotáveis e não alteram o mundial e ganhando sempre mais importância, seja pela balanço térmico do planeta e se configuram como questão ambiental, com a necessidade de se reduzir a um conjunto de fontes de energia que podem ser emissão de gases poluentes, e, conseqüentemente, o chamadas de não-convencionais, ou seja, aquelas consumo de combustíveis fósseis, seja pelo fato de uma não baseadas nos combustíveis fósseis e grandes possível e não muito distante, diminuição significativa das hidroelétricas. Atualmente, tem-se procurado mais fontes de energia não-renováveis, o que ocorre com o apropriadamente usar as denominações Energias petróleo, um bem finito e que atualmente não mais con- Renováveis e Novas Energias, para delimitar o con- segue acompanhar o crescimento da demanda. ceito naquelas com ciclos de renovação natural, que, em última análise, se originam da energia solar como fonte primária. Incluindo-se nesta categoria a energiaNo Brasil, cerca de % da sua eólica, de biomassa e a solar, estas são formas de energia que se regeneram de uma forma cíclica emmatriz energética é renovável, uma escala de tempo reduzida.considerando as grandes Estas energias renováveis podem e devem ser utiliza-hidrelétricas das de forma sustentada, de maneira tal que resulte em mínimo impacto ao meio ambiente. O desenvol- vimento tecnológico tem permitido que, aos poucos, Hoje, segundo dados do Ministério de Minas e Energia, elas possam ser aproveitadas quer como combustí- no Brasil, cerca de 45% da sua matriz energética é reno- veis alternativos (álcool, combustíveis) quer na produ- vável, considerando as grandes hidrelétricas, o que deixa ção de calor e de eletricidade, como a energia eólica, o País, em que a média mundial é de 14%,e nos países solar, da biomassa, e de pequenas centrais hidrelé- desenvolvidos não passa de 6%. Porém, quando se trata tricas (PCHs), separadas das grandes hidrelétricas, de energias alternativas, como a biomassa gerada a par- com características renováveis, constituindo-se em tir de matérias orgânicas, este percentual cai para 3,1%. fonte convencional de geração de eletricidade. O contra-senso é que o Brasil tem grande potencial para elevar esse percentual e investir mais em energias alter- nativas, pois possuí características bastante favoráveis, como a extensão territorial, a mão-de-obra e o desenvol- Estas energias renováveis podem vimento tecnológico, que possibilitariam tanto comple- e devem ser utilizadas de forma mentar o abastecimento das tradicionais redes elétricas como produzir combustíveis (MATRIZ..., 2006). sustentada, de maneira tal que resulte em mínimo impacto ao A Bahia, no que se refere à produção de biocombustí- veis, também possui uma situação privilegiada – uma meio ambiente extensão territorial de 567 km², o que equivale a 36,3% da área total da região Nordeste. Na produção de bio- diesel, o estado da Bahia, segundo especialistas, tem Estas energias estão passo a passo conquistando o condições suficientemente boas, o que incluí o clima espaço que antes era ocupado totalmente pelas fon- quente, ideal para o cultivo da mamona, oleaginosa tes fósseis, o que tem sido propiciado pelo desenvolvi- abundante no semi-árido baiano e utilizada como ma- mento tecnológico que permite o aproveitamento des- téria – prima para a produção do diesel alternativo. sas fontes renováveis como combustíveis alternativos. Essas fontes podem ser captadas com maior facili- As energias renováveis dade e integradas aos sistemas de abastecimento de energia de uma cidade ou região. Caracterizando Conceitos e definições cada uma delas, tem-se: As energias renováveis são provenientes de ciclos Energia Solar: A energia proveniente do sol. Pode naturais de conversão da radiação solar, fonte primá- ser utilizada diretamente para o aquecimento do am- ria de quase toda energia disponível na Terra e, por biente, aquecimento de água e para produção de Conjuntura e Planejamento, Salvador: SEI, 149, p.4-11, Outubro/2006 
  • 3. Energias Renováveis: breves conceitoseletricidade, com possibilidade de reduzir em 70% o teve início em 1992 e, através de conhecimentos daconsumo de energia convencional. Além disso, a ra- indústria aeronáutica, os equipamentos para geraçãodiação solar pode ser utilizada diretamente como fon- eólica evoluíram rapidamente em termos de idéias ete de energia térmica, para aquecimento de fluidos e conceitos preliminares para produtos de alta tecnolo-ambientes e para geração de potência mecânica ou gia. Atualmente, a indústria de turbinas eólicas vemelétrica. Pode ainda ser convertida diretamente em acumulando crescimentos anuais acima de 30% eenergia elétrica, por meio de efeitos sobre determina- movimentando cerca de dois bilhões de Dólares emdos materiais, entre os quais se destacam o termoelé- vendas por ano (PANORAMA, 2006).trico e o fotovoltaico. Quase todas as fontes de ener-gia como já foi mencionado–hidráulica, biomassa, Biomassa: é a energia química produzida pelaseólica, combustíveis fósseis e energia dos oceanos plantas na forma de hidratos de carbono através da– são formas indiretas de energia solar. O aproveita- fotossíntese. Plantas, animais e seus derivados sãomento da iluminação natural e do calor para aqueci- biomassa. Sua utilização como combustível pode sermento de ambientes, denominado aquecimento solar feita na sua forma bruta ou através de seus derivados.passivo, decorre da penetração ou absorção da radia- Madeira, produtos e resíduos agrícolas, resíduos flo-ção solar nas edificações, reduzindo-se, com isso, as restais, excrementos animais, carvão vegetal, álcool,necessidades de iluminação e aquecimento. Assim, óleos animais, óleos vegetais, gás pobre, biogás sãoum melhor aproveitamento da radiação solar pode ser formas de biomassa utilizadas como combustível.feito com o auxílio de técnicas mais sofisticadas dearquitetura e construção.Energia Hídrica: energia cinética das massas de A decomposição ou a queimaágua dos rios, que fluem de altitudes elevadas para os da matéria orgânica ou de seusmares. Sabendo-se que a energia hídrica deriva doaproveitamento da água para produção de eletricida- derivados provoca a liberação dede e em se tratando de energia com características re- CO2 na atmosferanováveis, decorre da instalação de pequenas centraishidroelétricas (PCHs) as chamadas mini-hídricas, queatualmente estão sendo mais utilizadas devido ao fatode causarem menor impacto ambiental e de serem A renovação na biomassa se dá através do chamadomais facilmente introduzidas em infra-estruturas urba- ciclo do carbono. A decomposição ou a queima da matéria orgânica ou de seus derivados provoca a li-nas já existentes. A potência instalada dessas mini- beração de CO2 na atmosfera. As plantas, através dahídricas é superior a 1MW e igual ou inferior a 30MW fotossíntese, transformam o CO2 e água nos hidratose, por serem empreendimentos que buscam atender de carbono, que compõe sua massa viva, liberandodemandas em áreas periféricas ao sistema de trans- oxigênio. Desta forma, a utilização da biomassa, des-missão, as PCHs têm papel cada vez mais relevante. de que não seja de maneira predatória, não altera aA tendência, com o passar do tempo, é a substituição composição média da atmosfera ao longo do tempo.das barragens hidroelétricas de grandes dimensõespor aquelas de pequeno porte (ENERGIA...., 2006). A biomassa é utilizada nos processos para fabricação de biocombustíveis, destacando-se aí, o biodiesel.Energia Eólica: energia cinética das massas de ar(ventos) provocadas pelo aquecimento desigual nasuperfície da Terra. A energia eólica tem-se firma-do, como uma grande alternativa na composição da As energias renováveis nomatriz energética de diversos países. Aqui no Brasil, Brasil e na Bahia: uma breveessa fonte de energia tem se mostrado uma excelente análisesolução na busca de formas alternativas de geraçãode energia para a região Nordeste. É uma abundan- Nesta busca por fontes renováveis, o Brasil, como játe fonte de energia renovável, limpa e disponível em foi destacado, está em vantagem em relação ao restotodos os lugares. A utilização desta fonte de energia do mundo, pelas altas taxas de luminosidades e pe-para a geração de eletricidade, em escala comercial, las grandes dimensões territoriais, além disso, tem um Conjuntura e Planejamento, Salvador: SEI, n.149, p.4-11, Outubro/2006
  • 4. Fabiana Pachecoprograma de biomassa bem estruturado e viável, noque se refere ao outros países.O objetivo do governo é alcançar, em 2007, praticamenteo dobro de participação das energias alternativas na ma-triz energética brasileira, elevando-se de 3,1% para 5,9%.Para estimular o uso de energias renováveis, o gover-no federal desenvolveu o Programa Nacional de Pro-dução e Uso do Biodiesel (PNPB) e o Programa deIncentivos às Fontes Alternativas de Energia Elétrica(Proinfra), com o objetivo de diversificar a matriz ener-gética brasileira ( MATRIZ...., 2006).O Programa Nacional de Produção e Uso de Biodiesel(PNPB) é um programa interministerial do Governo Fede-ral que objetiva a implementação de forma sustentável,tanto técnica, como economicamente, a produção e usodo Biodiesel, com enfoque na inclusão social e no desen- Energia solarvolvimento regional, via geração de emprego e renda. No que tange à energia solar, o Programa de Universa-As principais diretrizes do PNPB são: implantar um pro- lização1 desenvolvido pelo MME e pela Agência Nacio-grama sustentável, promovendo inclusão social; garantir nal de Energia Elétrica (ANEEL), viabiliza o crescimentopreços competitivos, qualidade e suprimento; e produ- de painéis fotovoltaicos e traz entusiasmo às empresaszir o biodiesel a partir de diferentes fontes oleaginosas e que investem em energia solar. Representa uma pe-em regiões diversas (INVESTIMENTOS..., 2006). quena participação na matriz energética (estima-se 10 MW) e alto custo de instalação (US$ 8 mil por KW).De acordo com o Balanço Energético Nacional, do Mi-nistério de Minas e Energia (MME), o Brasil despontacomo líder em energia renovável. Somente em 2005, O país possui um ótimo índice de44,7% da energia ofertada no país originou-se de fon-tes renováveis, como a cana - de - açúcar e a hidráu- radiação solar, principalmente nalica (AGRONEGÓCIOS..., 2006). região Nordeste, especificamente noComparando-se os anos de 2004 e 2005, observa-se, semi-árido, onde, estão os melhorespela Tabela 1, que o Brasil registrou um aumento de índices, com valores típicos de2,5% aproximadamente na oferta de energia. 1.2 a 2.190 kWh/m², por ano deA oferta de energia não-renovável registrou um discre- radiação incidenteto incremento na sua oferta, de 1,0%, enquanto queas energias renováveis tiveram um aumento de 4,4%,destacando-se também os produtos de cana - de - O país possui um ótimo índice de radiação solar, prin-açúcar, na qual a oferta cresceu em 5,9%. cipalmente na região Nordeste, especificamente no semi-árido, onde, estão os melhores índices, comEsse panorama de maior crescimento das principais valores típicos de 1.752 a 2.190 kWh/m², por ano deenergias renováveis no Brasil deve-se, basicamente, radiação incidente. Isto coloca o Nordeste em posiçãoa um volume maior de investimentos em pesquisa e de destaque em relação às demais regiões do mundodesenvolvimento na produção de energias solar, eóli- com maior potencial de energia solar.ca e biomassa. O estado da Bahia também despontana produção de energia via fontes alternativas, desta-cando-se a geração de energia por meio da biomassa 1 O Programa de Universalização tem por objetivo implementar planos de acesso da energia elétrica em áreas rurais. A implementação desse pro-(biodiesel) e da energia solar. grama visa à melhoria das condições de vida das populações beneficiadas. Conjuntura e Planejamento, Salvador: SEI, 149, p.4-11, Outubro/2006 
  • 5. Energias Renováveis: breves conceitosEssas especificidades, como clima quente e alto índi- alternativas usadas por diversos governos para resol-ce de insolação ao longo do ano, compõem um qua- ver o problema de falta de energia elétrica em comu-dro altamente favorável ao aproveitamento, em larga nidades distantes das linhas de distribuição.escala, da energia solar (ENERGIA SOLAR..., 2006). O estado da Bahia vem se destacando, no Brasil, noNo Brasil, a produção anual de energia de um sis- uso desses sistemas fotovoltaicos. Ao todo, são 21tema fotovoltaico de pequeno porte fica entre 800 e mil sistemas solares instalados ou em processo de1.800 kWh/kWp. instalação no estado, através do Programa Luz Para Todos do governo federal, realizado em parceria comA PETROBRAS, através de estudos e pesquisas, vem o governo do estado e a Companhia de Eletricidadeinvestindo na área de energia renovável, particular- do Estado da Bahia (COELBA). Isto corresponde a ummente em energia solar, realizando projetos de substi- investimento de R$ 15 milhões, com previsão de maistuição parcial de sistemas de aquecimento, elétrico ou R$ 8 milhões para os próximos anos.a gás natural, de água para restaurantes e vestiáriosem várias unidades da empresa, como em refinarias, A energia solar já é uma alternativa para cerca de 33terminais, campos de produção e postos de serviços. mil domicílios do estado. Somente em 2006, foram instalados aproximadamente três mil sistemas, e a ex-Com esta iniciativa, a Companhia já obtém, anual- pectativa é que se implante mais de 18 mil sistemasmente, uma economia de 519 MWh nas suas quatro de energia solar no interior baiano (A TARDE, 2006).unidades industriais que utilizam o aquecimento porenergia solar: a REGAP RECAP REDUC, e FAFEN. , , A implantação desses sistemas de fornecimento de energia solar gera uma economia para o estado de R$ 310 milhões, em relação ao sistema convencional que tem custo de instalação de R$ 400 milhões, segundo dados da Coelba (Companhia de Eletricidade do Es- tado da Bahia). Energia eólica A energia eólica vem se constituindo uma realidade no Brasil. Em um cenário de poucas opções essa ener- gia, vem se configurando como uma alternativa viável para suprir parte do abastecimento e escapar de um racionamento futuro (MATRIZ..., 2006). Caracterizada por ser uma energia limpa, renovável e disponível em todos os lugares, a utilização dessaA área total dos coletores já implantados é de 1.527 m² fonte energética para a geração de energia, em es-e o volume de água é de cerca de 29.930 m³ por ano. cala comercial, iniciou-se em 1992, com a instalação de uma turbina de 75 kW ,em Fernando de Noronha,Em relação ao mercado, a expectativa é de cresci- através de iniciativa do Centro Brasileiro de Energiamento na produção de energia solar, com atendimen- Eólica-CBEE. Segundo pesquisas desenvolvidas, noto às metas do programa de universalização até 2015. território nacional existem diversos pontos com gran-Segundo estimativas do MME, cerca de 90% desse de potencial eólico ainda não explorados.mercado está em comunidades isoladas e moradiasem zonas rurais, locais em que a instalação das linhas Hoje, a capacidade instalada no Brasil é de 20,3MW,de transmissão são inviáveis. com turbinas eólicas de médio e grande porte conec- tadas à rede elétrica. As instalações de grande porteAs empresas que fabricam painéis solares de geração encontram-se nos estados do Ceará, Pernambuco,elétrica (fotovoltaicos) esperam poder levar energia Minas Gerais e Paraná. Além disso, existem dezenaspara cerca de 10 milhões de famílias que não pos- de turbinas eólicas de pequeno porte funcionandosuem energia elétrica, sendo a energia solar uma das em locais isolados de rede convencional para aplica- Conjuntura e Planejamento, Salvador: SEI, n.149, p.4-11, Outubro/2006
  • 6. Fabiana Pacheco ra agrícola nos próximos anos. O Brasil, como país abundante em biomassa, vai se beneficiar com es-Hoje, a capacidade instalada no sas mudanças. O ganho será tanto como produtorBrasil é de 20,3MW, com turbinas de bioenergia e como produtor de grãos, uma vez que essa situação levará a um impulso na produçãoeólicas de médio e grande porte da cana-de-açúcar, soja, milho.conectadas à rede elétrica No País, a redescoberta do álcool com a chega- da dos carros bicombustíveis, permite que a cana avance sobre outras culturas tradicionais como o ções diversas, como bombeamento, carregamento café e a laranja. de baterias, telecomunicações e eletrificação rural (PANORAMA, 2006). As pesquisas apontam a cana como a segunda principal fonte energética nacional, a partir de 2010, Porém, apesar de incentivos na área, o estado do Ce- quando parte das usinas sucroalcooleiras previstas ará, pioneiro na exploração comercial da energia eóli- estiverem em operação. ca no Brasil, enfrenta problemas. Há uma lentidão nos projetos por conta do fornecimento de equipamentos, Segundo dados do MME, de 1970 até o ano de 2005, devido à exigência de que as empresas produtoras a produção de energia primária da cana registrou um dos equipamentos, os aerogeradores, tenham 60% aumento de 744,4%, passando de 3,6 milhões de to- de capital nacional (CEARÁ.....2006). neladas equivalentes de petróleo (TEP) para 30,4 mi- lhões, observado no Gráfico 01 (UMA ITAIPU..., 2006). Além disso, mesmo tendo interesse em investir, as fá- bricas esbarram em uma legislação firme do governo No que se refere ao biodiesel (oriundo da biomas- federal. Os gargalos do setor também são entraves sa), pode-se afirmar que é um combustível renovável ao desenvolvimento da energia eólica no estado. O e biodegradável e ambientalmente correto, obtido a mercado mundial, pouco aquecido, leva a preços partir de uma reação de óleos vegetais com um in- poucos favoráveis e, somando-se a isso, têm-se termediário ativo, formado pela reação de um álcool ainda as dificuldades na entrega dos equipamentos com um catalisador, processo conhecido como tra- (CEARÁ.....2006). sesterificação. Uma das grandes vantagens do biodiesel é sua Biomassa adaptação aos motores do ciclo diesel, pois enquan- A bioenergia, produção de energia pela biomassa to o uso de outros combustíveis limpos como o gás vem ocasionando uma busca por energia prove- natural ou biogás, necessita de uma adaptação dos niente da agricultura, o que deverá mudar a estrutu- motores, isso não é necessário para a combustão Conjuntura e Planejamento, Salvador: SEI, 149, p.4-11, Outubro/2006 9
  • 7. Energias Renováveis: breves conceitos de biodiesel, o que torna o biodiesel uma alternativa A Bahia tem concentrado mais investimentos pelo técnica bastante viável capaz de atender à frota mo- fato de ser o maior estado produtor de mamona vida a óleo diesel. e pela oferta disponível de soja, algodão e palma. Outro fator que favorece o estado é a possibilidade Pela ótica econômica, a viabilidade está relacionada de escoar parte da produção para o Sudeste, devi- à substituição das importações e às vantagens am- do à proximidade. bientais, que possibilitam uma redução da emissão de gases poluentes e de enxofre, que evitará custos No estado, as iniciativas criadas para estimular ações com saúde pública e a emissão de gases responsá- e pesquisas na área de energias alternativas, princi- veis pelo efeito estufa. palmente voltadas para o biodiesel, partiram da Se- cretaria de Ciência, Tecnologia e Inovação (SECTI) e O aproveitamento energético de óleos vegetais se da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado da mostra rentável, do ponto de vista social, uma vez Bahia (FAPESB), através do Instituto de Energia e Am- que gera postos de trabalho e aumenta a oferta de biente (ENAM), uma rede virtual criada em 2004, que fração protéica das oleaginosas, importante insumo tem como objetivo integrar e disseminar informação para a indústria de alimentos e ração animal, além de entre pesquisadores da área. nitrogenar o solo durante o crescimento, viabilizando o plantio de outras culturas. O estado baiano tem grande potencial de atender a mais da metade da demanda nacional de biocombus- Em relação à capacidade instalada no País, atual- tível, com a mistura de 2,0% no diesel (B2), segundo mente pode-se ofertar 1,7 bilhões de litros de bio- estudos da FAPESB. diesel- em 2005 essa oferta chegou a apenas 736 milhões de litros. Focando nas oleaginosas disponíveis no estado e aptas para produção de biodiesel como a mamona, De acordo com cálculos do governo federal, a meta era dendê, soja e algodão, o estudo sinalizou que a Bahia produzir, por ano, 800 milhões de litros para mistura de teria condições de produzir 440 milhões de litros de 2% ao diesel, até 2008 e ampliar para 2,4 bilhões, por biodiesel por ano. ano, até 2013, quando a mistura passará a ser de 5%. Atualmente existem quatro empresas com intenção De acordo com a coordenação do PNPB, dois terços de investir na instalação de plantas de biodiesel no do biodiesel produzido no Brasil utiliza a soja como estado, o que o leva a Bahia a ser um dos estados matéria-prima. Em seguida aparece a mamona (25% mais adiantados na criação do parque fabril para do total processado) e itens não previstos pelo Pro- atender ao segmento. grama, como pinhão-manso e o sebo natural (INVES- TIMENTOS..., 2006). A primeira empresa a anunciar investimento foi a fran- cesa Dagris, que prevê um investimento de R$ 160 milhões para produzir, inicialmente, 13 milhões deDe acordo com a coordenação do litros de combustível, a partir do caroço de algodãoPNPB, dois terços do biodiesel plantado na região oeste do estado. A planta ficará no município de Luís Eduardo Magalhães.produzido no Brasil utiliza a sojacomo matéria-prima A PETROBRAS também anunciou investimento para a instalação de uma usina produtora de biodiesel em Candeias, com capacidade prevista de 150 milhões Ao todo, são 29 usinas de biodiesel em operação no de litros por ano e um investimento de R$ 74 milhões. país ou em fase de construção, com capacidade para oferecer o biocombustível a partir de 2007. Outra empresa é a Brasil Ecodiesel que vai investir R$ 8 milhões. O projeto prevê ainda a construção de uma Os estados que receberam mais investimentos na ins- fábrica de óleos vegetais. Por fim, a empresa Orbitra- talação de usinas foram a Bahia, com investimentos de, com um investimento previsto de R$ 40, 5 milhões da ordem de R$ 280 milhões e o Rio Grande do Sul, na instalação de uma usina de biodiesel em Feria de com R$ 160 milhões em investimentos anunciados. Santana, com capacidade prevista para a produção de 10 Conjuntura e Planejamento, Salvador: SEI, n.149, p.4-11, Outubro/2006
  • 8. Fabiana Pacheco90 milhões de litros por ano. Além disso, essa empresa BAHIA concentra maior parcela dos aportes em usi-tem ainda uma unidade de extração de óleo de mamo- nas. Valor Econômico. Caderno Agronegócios, 9 maiona e uma planta piloto de produção de biodiesel locali- 2006, p. B14.zada no município de Ourolândia (BAHIA...., 2006). BIOENERGIA anima e muda o agronegócio. Folha deDe acordo com a SECTI, o número de empreendi- São Paulo. Caderno Dinheiro, 9 jul. 2006, p. B1.mentos do gênero tende a aumentar em função docrescente interesse de investidores estrangeiros em CEARÁ aposta na força dos ventos. Gazeta Mercan-ter unidades de biodiesel no estado. til. Caderno Especial Balanço Setorial Energia, jun. 2006, p. 32.Considerações finais ENERGIA renováveis: o que são e porque utilizá-las. Disponível em: www.aondevamos.eng.br. AcessoO País vem despontando na produção de energia via em: 24 jul. 2006.fontes alternativas. Destaca-se aí o crescimento dageração de energia a partir da biomassa, com o apro- ENERGIA renováveis. Energia solar. Disponível em :veitamento de resíduos vegetais, como o bagaço de www.petrobras.com.br. Acesso em : 10 nov. 2006.cana, casca de arroz e madeira. Além disso, o Brasil GERAÇÃO solar ganha impulso no Brasil. Disponívelavança nas pesquisas e projetos pioneiros na produ- em: www.herbário.com.br. Acesso em: 30 out. 2006.ção de energia eólica e solar. IGNATIOS, Miguel. Um governo auto-suficiente. Gaze-Com isso, o Brasil registra atualmente, 45% da oferta ta Mercantil, 11 maio 2006, p. A-3.interna de energia de origem em fontes renováveis. INVESTIMENTOS em biodiesel superam R$ 600 mi-Sendo assim, a dependência em relação ao petróleo lhões. Valor Econômico. Caderno Agronegócios, 9torna-se menor, no que tange à geração de energia maio 2006, B14.elétrica, isso por conta das energias renováveis. Umoutro ponto importante foi o desenvolvimento dos mo- MATRIZ brasileira tem apenas 3% de energias alterna-tores bicombustível e a maior preocupação ambiental tivas. A Tarde. Caderno de Economia, 30 abr. 2006.que fizeram o álcool firmar-se no mercado brasileiro eganhar espaço no mercado internacional. O biodiesel, O que são as energias renováveis? Disponível em:que aos poucos vem se destacando, deverá seguir o www.energaia.com.br. Acesso em 24 jul. 2006.mesmo nível de desempenho do álcool. OS DESAFIOS do setor energético. Gazeta Mercan-Os benefícios são muitos na geração de energia atra- til. Caderno Especial Balanço Setorial Energia, jun.vés das fontes renováveis, como a emissão nula ou 2006, p. 4.reduzida de gases de efeito estufa, a diversificação damatriz energética, o que contribui para aumentar a se- PANORAMA da energia eólica. Disponível em: www.gurança energética, a criação de maiores oportunida- eolica.com.br. Acesso em: 24 out. 2006.des de trabalho, com o aproveitamento da biomassa. PROJETOS de energia eólica no Brasil. Disponível em:Porém, apesar dos investimentos, dos estudos e pes- www.eolica.com.br. Acesso em 31 out. 2006.quisas desenvolvidos na área das energias alternati-vas para geração de energia, o Brasil ainda necessita QUESTÃO energética ganha importância. Gazeta Mer-de uma política pública estruturada para garantir uma cantil. Caderno Especial Balanço Setorial Energia, jun.participação compatível com a dimensão do nosso 2006, p. 6.potencial energético renovável. UMA ITAIPU surge nos canaviais do país. Gazeta Mer- cantil. Caderno Especial Balanço Setorial Energia, jun.Referências 2006, p. 25.AGRONEGÓCIOS e tecnologias. Gazeta Mercantil, 24maio 2006, p. A-3. Conjuntura e Planejamento, Salvador: SEI, 149, p.4-11, Outubro/2006 11