• Share
  • Email
  • Embed
  • Like
  • Save
  • Private Content
ApresentaçãO1
 

ApresentaçãO1

on

  • 455 views

Apresentação em Power Point

Apresentação em Power Point

Statistics

Views

Total Views
455
Views on SlideShare
455
Embed Views
0

Actions

Likes
0
Downloads
7
Comments
0

0 Embeds 0

No embeds

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Microsoft PowerPoint

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

    ApresentaçãO1 ApresentaçãO1 Presentation Transcript

    • MODELO DE AUTO-AVALIAÇÃO das Bibliotecas Escolares “ Aquilo que uma escola pensa sobre a sua biblioteca é a medida do que pensa sobre a educação” Maria Julita Baptista da Silva
    • A AVALIAÇÃO
      • A avaliação tem um papel determinante, permitindo-nos saber o que fazemos, como fazemos, onde estamos, para onde pretendemos ir e as mais-valias que acrescentamos.
      • Instrumento de regulação para uma melhoria contínua.
      • Atribuir à Biblioteca escolar o seu VALOR, como espaço em que a informação é transformada em conhecimento, contribuindo para o sucesso dos alunos.
      • Processo de auto-responsabilização- Biblioteca Escolar, professores e Escola
      • Aferir o impacto da BE nas atitudes, comportamento e competências dos nossos utilizadores.
      • Maria Julita Baptista da silva
    • O que se pretende
      • Saber gerir a mudança. Novos espaços de aprendizagem (TIC/Internet/documentos online)
      • Saber ultrapassar o modelo de Biblioteca Escolar como um centro de recursos de informação e transformá-la num espaço de trabalho, de acordo com o currículo dos alunos trabalhando para o sucesso educativo.
      • Trabalhar em articulação com todos os professores e áreas disciplinares.
      • Dar uma visibilidade cada vez maior à BE, de modo a modificar a visão dos outros.
      • Educar para o sucesso e para a cidadania.
      • Identificar pontos fortes e pontos fracos
      • Maria Julita Baptista da Silva
    • O modelo Domínios da Auto-Avaliação Domínios Indicadores A - Apoio ao Desenvolvimento Curricular A1- Articulação curricular da BE com as estruturas pedagógicas e os docentes A2 – Desenvolvimento da literacia da informação B – Leitura e Literacias C- Projectos, Parcerias e Actividades Livres e de Abertura à Comunidade C1 – Apoio a actividades livres, extra-curriculares e de enriquecimento curricular C2 – Projectos e parcerias D – Gestão da Biblioteca Escolar D1 – Articulação da BE com a Escola/Agrupamento D2- Condições humanas e materiais para a prestação de serviços D3 – Gestão da colecção/informação
    • O MODELO- Subdomínios e Indicadores A1. Articulação curricular da BE com as Estruturas Pedagógicas e os Docentes A.1.1. Cooperação da BE com os órgãos pedagógicos de gestão intermédia da escola/agrupamento. A.1.2. Parceria da BE com os docentes responsáveis pelas novas áreas curriculares não disciplinares (NAC). A.1.3. Articulação da BE com os docentes responsáveis pelos Apoios Educativos. A.1.4. Integração da BE no Plano de Ocupação Plena dos Tempos Escolares (OPTE). A.1.5. Colaboração da BE com os docentes na concretização das actividades curriculares desenvolvidas no seu espaço ou tendo por base os seus recursos.
    • O MODELO Subdomínios e Indicadores A2. Desenvolvimento da Literacia da Informação A.2.1. Organização de actividades de formação de utilizadores. A.2.2. Promoção do ensino em contexto de competências de informação. A.2.3. Promoção das TIC e da Internet como ferramentas de acesso, produção e comunicação de informação e como recurso de aprendizagem. A.2.4. Impacto da BE nas competências tecnológicas e de informação dos alunos. A.2.5. Impacto da BE no desenvolvimento de valores e atitudes indispensáveis à formação da cidadania e à aprendizagem ao longo da vida.
    • O MODELO Subdomínios e Indicadores B1. Leitura e Literacia B.1 Trabalho da BE ao serviço da promoção da leitura B.2 Trabalho articulado da BE com departamentos e docentes e com o exterior, no âmbito da leitura B.3 Impacto do trabalho da BE nas atitudes e competências dos alunos, no âmbito da leitura e das literacias.
    • O MODELO- Subdomínios e Indicadores C.1 Apoio a Actividades Livres, Extra-Curriculares e de Enriquecimento Curricular C.1.1. Apoio à aquisição e desenvolvimento de métodos de trabalho e de estudo autónomos. C.1.2. Dinamização de actividades livres, de carácter lúdico e cultural. C.1.3. Apoio à utilização autónoma e voluntária da BE como espaço de lazer e livre fruição dos recursos. C.1.4. Disponibilização de espaços, tempos e recursos para a iniciativa e intervenção livre dos alunos. C.1.5. Apoio às Actividades de Enriquecimento Curricular (AEC), conciliando-as com a utilização livre da BE.
    • O MODELO- Subdomínios e Indicadores C.2. Projectos e Parcerias C.2.1. Envolvimento da BE em projectos da respectiva Escola/Agrupamento ou desenvolvidos em parceria, a nível local ou mais amplo. C.2.2. Desenvolvimento de trabalho e serviços colaborativos com outras escolas, agrupamentos e BEs. C.2.3. Participação com outras Escolas /Agrupamentos e com outras entidades (por ex. DRE, RBE, CFAE), em reuniões da BM/SABE ou outro Grupo de Trabalho a nível concelhio ou inter-concelhio. C.2.4. Estímulo à participação e mobilização dos Pais/EE’s em torno da promoção da leitura e do desenvolvimento de competências das crianças e jovens que frequentam a escola. C.2.5. Abertura da Biblioteca à Comunidade.
    • O MODELO- Subdomínios e Indicadores D.1. Articulação da BE com a Escola/Agrupamento. Acesso e serviços prestados pela BE D1.1. Integração da BE na Escola/ Agrupamento D.1.2. Valorização da BE pelos órgãos de gestão e de decisão pedagógica D.1.3. Resposta da BE às necessidades da escola e dos utilizadores. D.1.4 Avaliação da BE.
    • O MODELO-Subdomínios e Indicadores D.3. Gestão da Colecção D3.1 – Planeamento da colecção de acordo com a inventariação das necessidades curriculares e dos utilizadores. D3.2 - Adequação dos livros e de outros recursos de informação (no local e online) às necessidades curriculares e de informação dos utilizadores. D3.3 - Alargamento da colecção aos recursos digitais online. D3.4 – Uso da colecção pelos utilizadores. D3.5 – Organização da informação. Informatização da colecção. D3.6 - Gestão Cooperativa da Colecção. D3.7 – Difusão da informação.
    • Como avaliar Para cada indicador é definido um PERFIL DE DESEMPENHO Orientador para a definição do plano de acção da BE
    • Como avaliar Perfil de desempenho Nível Descrição 4 A BE é bastante forte neste domínio. O trabalho é desenvolvido é de grande qualidade e com um impacto bastante positivo. 3 A BE desenvolve um trabalho de qualidade neste domínio mas ainda é possível melhorar alguns aspectos. 2 A BE começou a desenvolver trabalho neste domínio, sendo necessário melhorar o desempenho para que o seu impacto seja mais efectivo. 1 A BE desenvolve pouco ou nenhum trabalho neste domínio, o seu impacto é bastante reduzido, sendo necessário intervir com urgência
    • Como avaliar
      • Em cada ano, o professor Bibliotecário, juntamente com a sua Equipa e o Órgão de Gestão escolhe um destes domínios para avaliação. Ao fim de 4 anos a BE deve estar avaliada em todos eles.
      • Recolher evidências
      • Estabelecer prioridades ( nem tudo se pode medir).
      • Identificar as evidências mais significativas
      • Gerir as evidências
      • Planificar para a melhoria
      • Elaborar um relatório de Auto-Avaliação
      • Discutir os resultados
      • Auto-Avaliação da escola
    • INSTRUMENTOS DE RECOLHA DE EVIDÊNCIAS
      • Desenvolver uma actividade sistemática de recolha de informação que nos permita ajuizar e decidir de forma fundamentada o rumo a dar à nossa acção.
      • COMO se vai medir?
      • Estabelecer prioridades - nem tudo se pode medir
      • Através de informação que já existe e de informação específica:
      • Registos de Observação.
      • Registos estatísticos.
      • Informação contida em documentação que rege e estrutura a vida da escola e da BE.
      • Planificações.
      • Análise de trabalhos dos alunos.
      • Registos de reuniões/ contactos.
      • Materiais de apoio produzidos e editados.
      • Questionários aos professores, alunos, pais/EEs.
    • Gestão de Evidências
      • Gestão e interpretação da informação recolhida - transformação da informação em conhecimento.
      • Gestão dessas evidências ao nível da escola
      • Trabalhar para a melhoria
    • RESULTADOS
      • Objecto de análise colectiva e de reflexão na Escola/Agrupamento
      • A análise deverá identificar os sucessos - pontos fortes e as limitações - pontos fracos
      • Relatório e Plano de melhoria discutido e aprovado em Conselho Pedagógico
      • Do relatório da avaliação da BE deverá sair uma síntese que integrará o relatório de avaliação da escola.
      • Através deste relatório poder-se-á avaliar, interna e externamente, o impacto que a BE tem na escola e nas aprendizagens dos alunos.
    • QUEM ESTÁ ENVOLVIDO NO PROCESSO
      • Director - ser líder coadjuvante no processo, empenhar-se desde o início
      • Professor Bibliotecário – Função de catalisador junto da equipa e de todos os outros agentes
      • Conselho Pedagógico
      • Professores, alunos e Encarregados de Educação - chamados a participar