• Share
  • Email
  • Embed
  • Like
  • Save
  • Private Content
Assédio Moral no Trablho
 

Assédio Moral no Trablho

on

  • 424 views

Monografia

Monografia

Statistics

Views

Total Views
424
Views on SlideShare
424
Embed Views
0

Actions

Likes
0
Downloads
10
Comments
0

0 Embeds 0

No embeds

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Microsoft Word

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

    Assédio Moral no Trablho Assédio Moral no Trablho Document Transcript

    • 11INTRODUÇÃO O tema a ser apresentado nesta monografia, diz respeito aoassédio moral no ambiente de trabalho, como bem sabemos, este é um temapouco abordado entre os acadêmicos, apesar de ocorrer, rotineiramente, os atosde constrangimentos na jornada laboral dos trabalhadores. O assédio moral é espécie de uma medida de constrangimentoque tem por finalidade: denegrir, causar dano à moral e à dignidade dotrabalhador, deixando-o em péssimo estado emocional, chegando ao grau dademissão. Tal conduta compromete a identidade do trabalhador, suasrelações afetivas e sociais, afetando sua saúde física e mental. Portanto, esse é um assunto de suma importância não só aosacadêmicos de direito como para a sociedade dos trabalhadores. No presente trabalho será demonstrada a forma de assédio moral,quando se caracteriza, qual as medidas para prevenção e repressão, apontando asleis, doutrinas e jurisprudências que tratam e explanam sobre o assunto.
    • 12 Como o sábio Mohandas Karamchand Gandhi expressou-se: “Oque mais me impressiona nos fracos, é que eles precisam de humilhar os outros,para se sentirem fortes”.
    • 131 ASSÉDIO MORAL1.1 Conceito doutrinário Definiremos o assédio moral em todos seus aspectos e formasvalendo-se dos conceitos doutrinários brasileiros e estrangeiros. Vejamos:1.2 No ordenamento Jurídico brasileiro O assédio moral nas relações de trabalho consiste na prática deatos humilhantes e constrangedores desferida contra o trabalhador nos exercíciosde suas funções de forma repetida e prolongada, de maneira que o deixe empéssimo estado emocional, até mesmo físico. Para dar ênfase ao conceito aqui explanado, mister se faz aspalavras de Hádassa Dolores Bonilha Ferreira: “Pode-se afirmar, sem medo errar, que o assédio moral nas relações de trabalho é dos problemas mais sérios enfrentados pela sociedade atual. Ele é fruto de um conjunto de fatores, tais como a globalização econômica predatória, vislumbradora somente da produção de lucro, e a atual organização do trabalho, marcada pela competição agressiva e pela opressão dos trabalhadores através do medo e da ameaça. Esse constante clima de terror
    • 14 psicológico gera, na vítima assediada moralmente, um sofrimento capaz de atingir diretamente sua saúde física e psicológica, criando uma predisposição ao desenvolvimento de doenças crônicas, cujos resultados a acompanharão por toda vida”.1 Portanto, vemos que são condutas abusivas, que atingi aintegridade psíquica da vítima, capazes de causar ofensa à dignidade, àintegridade do assediado. Vale ressaltar, que o agressor possui condutas autoritárias, ésoberbo, ignora o assediado para que o mesmo sinta-se isolado, desqualificado ea maioria das vezes induzindo ao erro de forma rotineira e duradoura. Nessa esteira, os atos mais comuns do assédio moral consistemem: a) reprovação constante de qualquer ato ou comportamentopraticado pela vítima; b) insultos e críticas de forma repetitivas e reiteradas a seusatributos e capacidade profissional;1 Hádassa Dolores Bonilha Ferreira, Assédio moral nas relações de trabalho, Campinas: Russel, 2004, p.37
    • 15 c) comunicações de forma incompleta ou errônea na imposiçãode tarefas, metas ou reuniões, para que leve a vítima a erro; d) plágio das ideias da vítima a serem apresentadas como se doagressor fosse; e) marginalizar o ofendido dos almoços, confraternizaçõeseventos da empresa; f) expor a vítima ao ridículo, lhe trazendo constrangimento,vergonha e humilhação; e g) apontar a vítima como fonte geradora das discórdias dentro doambiente laboral Entre outros atos que adiante no curso do trabalho constataremos.2 MODALIDADES DE ASSÉDIO MORAL2.1 Assédio descendente É o tipo mais comum de assédio, se dá de forma vertical, de cima(chefia) para baixo (subordinados). Principais causas são desestabilizar otrabalhador de forma que produza mais por menos, sempre com a impressão quenão esta atingindo os objetivos da empresa, o que na maioria das vezes já foiultrapassado e a meta revista por seus superiores.
    • 162.2 Assédio ascendente Tipo mais raro de assédio ocorre de forma vertical, mas de baixo(subordinados) para cima (chefia). É mais difícil de acontecer, pois, geralmenteé praticado por um grupo contra a chefia, já que dificilmente um subordinadoisoladamente conseguiria desestabilizar um superior. As principais causas sãosubordinadas com ambições excessivas, onde geralmente, existe um ou dois queinfluenciam os demais, objetivando alcançar o lugar do superior e já tendo ossubordinados como aliados, uma vez que estes o ajudaram a "derrubar" a antigachefia, e, sentem que faz parte do grupo que toma de decisão.2.3 Assédio paritário Ocorre de forma horizontal, quando um grupo isola e assedia ummembro - parceiro. Principais causas são eliminar concorrentes, principalmentequando este indivíduo vem se destacando com frequência perante os superiores.3 ETAPAS DAS CONDUTAS ABUSIVAS3.1 Primeira etapa É algo normal que nas empresas surjam conflitos devido àdiferença de interesses. Devido a isto surgem problemas que podem solucionar-
    • 17se de forma positiva através do diálogo ou que, pelo contrário, constituam oinício de um problema mais profundo, dando-se isto na seguinte fase.3.2 Segunda etapa Na segunda fase de assédio ou fase de estigmatização, o agressorpõe em prática toda estratégia de humilhação de sua vítima, utilizando uma sériede comportamentos perversos cuja finalidade é ridicularizar e isolar socialmentea vítima. Nesta fase, a vítima não é capaz de crer no que está passando, e éfreqüente que negue a evidência ante o resto do grupo a que pertence.3.3 Terceira etapa Esta é a fase de intervenção da empresa, onde o que em princípiogera um conflito transcende à direção da empresa. Solução positiva: Quando a direção da empresa realiza umainvestigação exaustiva do conflito e se decide trocar o trabalhador ou o agressorde posto e se articulam mecanismos necessários para que não voltem a produziro conflito.
    • 18 Solução negativa: Que a direção veja o trabalhador como oproblema a combater, reparando em suas características pessoais distorcidas emanipuladas, tornando-se cúmplice do conflito.3.4 Quarta etapa A quarta fase é chamada à fase de marginalização ou exclusão davida laboral, e pode desembocar no abandono do trabalho por parte da vítima.Em casos mais extremos os trabalhadores acuados podem chegar ao suicídio. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICASNASCIMENTO, Sônia Mascaro. Assédio moral, - 2 ed., São Paulo: Saraiva,2011.
    • 19FERREIRA, Hádassa Dolores Bonilha. Assédio moralnas relações de trabalho.Campinas: Russel, 2004.http://pt.wikipedia.org/wiki/Ass%C3%A9dio_moral, Acessado em: 15 desetembro de 2012.http://www.assediomoral.org/spip.php?article1, Acessado em: 18 de setembrode 2012.