Your SlideShare is downloading. ×
  • Like
  • Save
Unifacsmar
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×

Now you can save presentations on your phone or tablet

Available for both IPhone and Android

Text the download link to your phone

Standard text messaging rates apply
Published

Pós-graduação Direito Público Unifacs

Pós-graduação Direito Público Unifacs

Published in Education , Technology
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Be the first to comment
    Be the first to like this
No Downloads

Views

Total Views
629
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0

Actions

Shares
Downloads
0
Comments
0
Likes
0

Embeds 0

No embeds

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
    No notes for slide

Transcript

  • 1. UNIFACS
    Prof. Dr. Julio Cesar de Sá da Rocha
    Direitodo Mar
  • 2. 1. Introdução
    A área costeira possui habitats diversos para estabelecimentos humanos, 75% da população humana vive num raio de 60 km do litoral
    Brasil: a área marítima, com cerca de 8.500 km de costa linear (desprezando-se as reentrâncias)
    A temática das águas marinhas é extremamente relevante na perspectva sócio-econômica e ambiental.
    No Direito Internacional como no Direito Interno são estabelecidos mecanismos de proteção, como se observa na Constituição Federal.
  • 3.
  • 4. Regime dos bens da União – art. 20
    IV...as praias marítimas; as ilhas oceânicas e as costeiras, excluídas, destas, as que contenham a sede do Município, exceto aquelas áreas afetadas ao serviço público e a unidade ambiental federal, e as referidas no art. 26, II.
    V – os recursos naturais da plataforma continental e da zona econômica exclusive;
    VI – o mar territorial;
    VII – os terrenos de marinha e seus acrescidos
  • 5. Competência comum na proteção ambiental, inclusive o ambiente marinho, art. 23, VI
    Responsabilidade administrativa em matéria ambiental, inclusive am ambiente marinho, art, 24, VII
    Responsabilidade art. 225, CF, inclusive a zona costeira como “patrimônio nacional” (parágrafo 4º.)
  • 6. Lei 7.661/1988 disciplina legal do Plano Nacional de Gerenciamento Costeiro (GERCO)
    Lei 9.966/2000 dispõe sobre regras de prevenção, controle e fiscalização da poluição causada por lançamento de óleo e outras substâncias nocivas ou perigosas em águas sob jurisdição nacionais
  • 7. Dec. 83.540/79 que regulamenta aplicação da Convenção Internacional sobre Responsabilidade Civil em danos causados por poluição por Óleo;
    Lei 9.605/1998 que trata dos crimes ambientais e infrações administrativas, inclsuive em águas marinhas;
    Lei 9985/2000 que dispõe sobre o Sistema Nacional de Unidades de Conservação, inclusive marinhas.
  • 8. Lei 8.617/93 dispõe sobre o Mar Territorial, a Zona Contígua, a Zona Econômica Exclusiva e a Plataforma Continental.
    Dec.1.265/94 dispõe sobre a Política Marítima Nacional.
    Resoluções CONAMA: Res. 398/2008 poluição por óleo; Res. 393/2007 descarte de águas em plataformas marítimas de petróleo e gás natural; Res. 344/2004 material dragado em águas jurisdicionais; Res. 312/2002 licenciamento de carcinicultura na zona costeira; Res. 274/2000 critérios de balneabilidade em águas brasileiras
  • 9. Proteção das águas marinhas (meio ambiente marinho) tem sido disciplinada pela Convenção das Nações Unidas sobre o Direito do Mar de Montego Bay – 1982 (ONU).
    Estrutura Internacional: Organização Marítima Internacional (OMI), Comissão internacional da Baleia, Conselho Internacional para a Exploração do Mar (CIEM) e o PNUMA
    A Agenda 21 (Rio 92) estabelece em ser capítulo 17 “a proteção dos oceanos, de todos os tipos de mares e das zonas costeiras, e proteção, uso racional e desenvolvimento de seus recursos vivos”.
  • 10. Áreas do programa da agenda 21
    Gerenciamentp integrado e desenvolvimento sustentável das zonas costeiras,
    Proteção do meio ambiente marinho
    Uso sustentável e conservação dos recursos marinhos vivos do alto mar e internos
    Análise de incertezas críticas para manejo do ambiente marinho e amudança do clima
    Desenvolvimento sustentável das pequenas ilhas
  • 11. 2. Histórico do Direito do Mar
    Roma Antiga
    Jurisconsultos defendiam a concepção do mar como res communis ominium – insuscetível de apropriação mesmo pelo Estado
    Fase imperial reivindicação do dominium maris – de 27a.C. em diante
    Corpus juris civilis (séc. VI) reconhecia o direito sobre as águas do litoral, pertecendo regular o exercício da pesca e concessão do locatio piscatus; alto mar, poderes de policiamento contra a pirataria e para assegurar a liberdade de navegação
  • 12. Idade Média (Alta)
    Destruído o Império as unidades políticas assumiam posicionamento sobre as águas do Mediterrâneo: Veneza conclamaria o mar fechado (mare clausum) sobre o Adrático; Gênova, sobre o Mar da Ligúria
    Noruega (séc XIII) exercia o monopólio da pesca nas suas costas, da Islândia e Groelnândia
    Bártolo (séc XIV) defendia no Tractatus de Insulis que a jurisdição de estendia, mar fora, por 80 milhas (extensão arbitrária)
  • 13. Defesa do domínio exclusivo pela Inglaterra e França ( séc. XIV) e pela Espanha e Portugal (séc. XV)
    Portugal: domínio dos mares meridionais invocando a concessão pontifícia (1474) – disciplina das Ordenações Manuelinas e Filipinas “severas penas para a quebra do monopólio”
    Discussão do mare clausum (península itálica, Inglaterra, França, Espanha e Portugal, com a doutrina do monopólio de navegação e comércio do Atlântico Sul e Índico) e do mare liberum
  • 14. Inglaterra e França (1792) – 3 milhas marítimas (alcance de um tiro de canhão)
    séc. XIX – tese das 03 milhas marítimas como costume
    Conferência de Haia (1930) – acolhida pela esmagadora maioria dos Estados, contudo não consignado
    Após II Guerra Mundial: disciplina sobre a plataforma continental (zona imersa, de declive suave, cessa geralmente à profundidade de 130 a 200 metros)
  • 15. Conferência sobre Direito do Mar (1958, Genebra), disciplina sobre mar territorial, zona contígua - não permissão do mar para além de 12 milhas marítimas
    Tese defendida por parte dos Estados Maríítimos – 200 milhas marítimas
    Conferência de Montego Bay (1982) – marco atual
    (concepção das 12 milhas marítimas mitigada com zona contígua e zona econômica exclusiva)
  • 16. Como resultado da adesão à Convenção de Montego Bay ou Convenção do Mar, a Lei 8.617/93 estabelece como parâmteros:
    Mar territorial com 12 milhas (água interior – art. 1º);
    Zona contígua – faixa que se estende do mar territorial até 24 milhas marítimas. Medidas de fiscalização. (art.5º);
    Zona Econômica Exclusiva – faixa que se estende das doze às duzentas milhas marítimas.
  • 17. O Estado tem “direitos de soberania para conservação e gestão dos recursos naturais, vivos ou não vivos , das águas (...)” art. 7º”
    (...) e direito exclusivo de regulamentar “ a proteção e preservação do meio marinho” art. 8º; Plataforma continental – o leito e o subsolo das áreas submarinas que alcançam até 200 milhas. Direito de “regulamentar a proteção e preservação do meio marinho.” art.13.
  • 18. Por sua vez, como perspectivas da proteção marinha, a necessidade de proteção dos recursos vivos do mar, da fauna marinha, programas de conservação (exemplo, TAMAR ICMBio), unidades de conservação, como o Parque Nacional Marinho dos Abrolhos, Parque Nacional Marinho de Fernando de Noronha, Reservas Extrativistas Marinhas de Cassurubá, Canavieiras (Lei 9985/2000)
  • 19. O Sistema Nacional de Unidades de Conservação da Natureza (Lei 9985/2000)
    O SNUC é estabelecido através da lei. 9985/2000, indicando construção sistemática da matéria. Unidades de conservação são espaços territoriais e seus recursos ambientais, incluindo as águas jurisdicionais, com características naturais relevantes, legalmente instituído pelo Poder Público, com objetivos de conservação
  • 20. O SNUC é constituído pelo conjunto das unidades de conservação federais, estaduais e municipais. Objetivos (art. 4o ) e gestão do SNUC (art. 60 ). As unidades de conservação integrantes do SNUC dividem-se em dois grupos, com características específicas: a) Unidades de Proteção Integral - preservar a natureza, sendo admitido apenas o uso indireto dos seus recursos naturais. Por sua vez, as Unidades de Uso Sustentável devem compatibilizar a conservação da natureza com o uso sustentável de parcela dos seus recursos naturais
  • 21. Licenciamento Ambiental
    Atividades em mar licenciadas pelo órgão ambiental federal diante da dominialidade do bem (União), com fundamento na Res. 237/1997 (CONAMA)
    Exemplo: atividades de petróleo e gás no mar (off shore)
    Toda e qualquer atividade em bem da União deveria ser licenciada no âmbito federal?
    Exemplo: piers dos edifícios do Corredor da Vitória e as barracas de praia
  • 22. O licenciamento para parcelamento e remembramento do solo, construção, instalação, funcionamento e ampliação de atividades, com alterações das características naturais da Zona Costeira, deverá observar, além do disposto na Lei 7661/88, as demais normas específicas federais, estaduais e municipais, respeitando as diretrizes dos Planos de Gerenciamento Costeiro.
      A falta ou o descumprimento, mesmo parcial, das condições do licenciamento previsto neste artigo serão sancionados com interdição, embargo ou demolição, sem prejuízo da cominação de outras penalidades previstas em lei.
       Para o licenciamento, o órgão competente solicitará ao responsável pela atividade a elaboração do estudo de impacto ambiental e a apresentação do respectivo Relatório de Impacto Ambiental - RIMA, devidamente aprovado, na forma da lei.
  • 23. Conflitos em terrenos de marinha x terrenos da marinha
    Terreno de marinha é uma faixa em toda a costa brasileira de 33 metros contados para o lado da terra a partir de onde chega a maré alta (a média das marés altas), mas tendo como referência as marés de 1831, época em que foi criado o conceito de terrenos de marinha.
    Terreno de marinha, bem da União, é a faixa de terra com 33 metros de largura, contada a partir da linha da preamar média de 1831, adjacente ao mar, no continente ou em ilhas, desde que no local se observe o fenômeno das marés
  • 24.
  • 25. Controle patrimonial sobre os terrenos de marinha, pertence a Secretaria do Patrimônio da União, Órgão do Ministério do Planejamento Orçamento e Gestão (MPOG)
    O Plano Nacional de Gerenciamento Costeiro – Lei 7661/88 e o projeto Orla
    As questões atuais mais relevantes o acesso e a balneabilidade das praias e do mar. Lei 7.661/88, art. 10 “As praias são bens públicos de uso comum do povo, sendo assegurado, sempre, livre e franco acesso a elas e ao mar (...)”
  • 26. O PNGC deverá prever o zoneamento de usos e atividades na Zona Costeira e dar prioridade à conservação e proteção, entre outros, dos seguintes bens:
            I - recursos naturais, renováveis e não renováveis; recifes, parcéis e bancos de algas; ilhas costeiras e oceânicas; sistemas fluviais, estuarinos e lagunares, baías e enseadas; praias; promontórios, costões e grutas marinhas; restingas e dunas; florestas litorâneas, manguezais e pradarias submersas;
            II - sítios ecológicos de relevância cultural e demais unidades naturais de preservação permanente;
            III - monumentos que integrem o patrimônio natural, histórico, paleontológico, espeleológico, arqueológico, étnico, cultural e paisagístico.
  • 27. O PNGC será elaborado e executado observando normas, critérios e padrões relativos ao controle e à manutenção da qualidade do meio ambiente, estabelecidos pelo CONAMA, que contemplem, entre outros, os seguintes aspectos: urbanização; ocupação e uso do solo, do subsolo e das águas; parcelamento e remembramento do solo; sistema viário e de transporte; sistema de produção, transmissão e distribuição de energia; habitação e saneamento básico; turismo, recreação e lazer; patrimônio natural, histórico, étnico, cultural e paisagístico.
    Os Estados e Municípios poderão instituir, através de lei, os respectivos Planos Estaduais ou Municipais de Gerenciamento Costeiro, observadas as normas e diretrizes do Plano Nacional e o disposto nesta lei, e designar os órgãos competentes para a execução desses Planos.
  • 28. Poluição do Mar
  • 29. A poluição das águas pode ser conceituada como qualquer alteração de suas propriedades físicas, químicas ou biológicas, que possa importar em prejuízo à saúde, à segurança e ao bem-estar das populações, causar dano à flora e à fauna, ou comprometer seu uso para fins sociais e econômicos. (Dec. 73.030/73 – art. 13, §1º)
    “No litoral brasileiro (...) a poluição costeira é intermitente, principalmente nos seguintes estados: Pernambuco(estuário Recife-Suape), Rio de Janeiro(Baía da Guanabara, São Paulo (Baixada Santista) e Rio Grande do Sul (Lagoa dos Patos).
  • 30. A contaminação das águas é nitidamente percebida diante do despejo direto dos esgotos domésticos, contaminação das águas subterrâneas pela infiltração de excretas, infiltração de compostos tóxicos de depósitos industriais e depósitos de lixo (altas concentrações de matéria orgânica, substâncias tóxicas e plástico), derramamento de substâncias no ambiente marinho: diariamente 300 milhões de toneladas de esgotos,11 milhões de lixo industrial etc (Conferência Rio1992).
  • 31. O conceito de poluição do meio marinho pode ser entendido como a “introdução pelo homem, direta ou indiretamente, de substância ou de energia no meio marinho, incluindo os estuários, sempre que a mesma provoque ou possa vir a provocar, riscos à saúde do homem, entrave às atividades marítimas, incluindo a pesca e as utilizações legítimas do mar, alteração e deterioração dos locais de recreio.” (art. 1º Convenção do Mar ONU).
     
  • 32. Muito Obrigado!
    Professor Julio Rocha
    rochajulio@hotmail.com
    www.slideshare.net/juliorochaufba