C:\Documents And Settings\Genyjl\Desktop\Proposta SupervisãO Escolar
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Like this? Share it with your network

Share
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
No Downloads

Views

Total Views
12,566
On Slideshare
12,519
From Embeds
47
Number of Embeds
3

Actions

Shares
Downloads
230
Comments
1
Likes
6

Embeds 47

http://supervisaoescolarseduc.blogspot.com 45
http://www.supervisaoescolarseduc.blogspot.com 1
http://webcache.googleusercontent.com 1

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
    No notes for slide

Transcript

  • 1. PROPOSTA DA SUPERVISÃO ESCOLAR 2010
  • 2. GOVERNO DO ESTADO DO TOCANTINS SECRETARIA DA EDUCAÇÃO E CULTURA SUPERINTENDÊNCIA DE EDUCAÇÃO DIRETORIA DE GESTÃO PEDAGÓGICA COORDENADORIA DE GESTÃO EDUCACIONAL CARLOS HENRIQUE AMORIM Governador do Estado SUZANA SALAZAR DE FREITAS MORAES Secretária da Educação e Cultura NORANEY DE FÁTIMA FERNANDES DE CASTRO Subsecretária DANIEL RODRIGUES Secretário de Gabinete MARIA DE LOURDES VIEIRA Superintendente de Educação AGOSTINHO ARAUJO RODRIGUES JÚNIOR Superintendente de Gestão VALTERSON TEODORO DA SILVA Superintendente de Obras MARIA EUNICE COSTA RODRIGUES Diretora de Gestão Pedagógica LUCIENE ALVES PEREIRA Coordenadora de Gestão Educacional JÚLIO CESAR DA ROCHA Grupo de Trabalho da Supervisão Escolar
  • 3. EQUIPE DE REELABORAÇÃO ALESSANDRA DE FÁTIMA CAMARGO PEREIRA Coordenadora de Acompanhamento do Ensino Médio CELIA MARIA FERNANDES DE MORAES Supervisora Escolar EDIVA OLIVEIRA DE FARIAS Supervisora Escolar JÚLIO CESAR DA ROCHA Supervisor Escolar LUCIENE ALVES PEREIRA Coordenadora de Gestão Educacional MARIA EUNICE COSTA RODRIGUES Diretora de Gestão Pedagógica MARIA TERESINHA MONTEIRO NETA RIBEIRO Supervisora Escolar SIMONE CORREA SOUSA Supervisora Escolar
  • 4. EQUIPE DE COLABORADORES SUPERVISORES ESCOLARES DAS DIRETORIAS REGIONAIS DE ENSINO ARAGUAINA ARAGUATINS ARRAIAS COLINAS DIANÓPOLIS GUARAI GURUPI MIRACEMA PALMAS PARAISO PEDRO AFONSO PORTO NACIONAL TOCANTINÓPOLIS
  • 5. SUMÁRIO 1. APRESENTAÇÃO.............................................................................................2 2. JUSTIFICATIVA..................................................................................................3 3. TRAJETORIA DA SUPERVISÃO ESCOLAR.....................................................4 4. OBJETIVO GERAL.............................................................................................6 4.1 Objetivos Específicos...................................................................................6 5. ATRIBUIÇÕES DO SUPERVISOR/SEDUC.......................................................7 5.1 Monitoramento/SEDUC...............................................................................7 5.2 Operacionalização.......................................................................................8 5.3 Dos Instrumentos do Monitoramento/SEDUC.............................................9 6. ATRIBUIÇÕES DO SUPERVISOR/DRE..........................................................10 6.1. Monitoramento/DRE.................................................................................11 6.2. Operacionalização....................................................................................12 6.3. Dos Instrumentos do Monitoramento/DRE...............................................12 7. REFERÊNCIAS BIBLIOGRAFIAS....................................................................14 ANEXOS: INSTRUMENTOS DO MONITORAMENTO
  • 6. 1. APRESENTAÇÃO O presente documento visa delinear a proposta de trabalho da Supervisão Escolar, definindo as atribuições e o fazer do Supervisor. Sabe-se que o Supervisor é co-responsável nas ações das Unidades Escolares com uma visão ampla observando, orientando, refletindo com a equipe diretiva e fazendo os encaminhamentos necessários aos setores competentes, visando à resolução das problemáticas exististes no âmbito das Diretorias Regionais de Ensino/Unidades Escolares. A Proposta da Supervisão Escolar tem o intuito de provocar e promover a reflexão da equipe gestora quanto ao trabalho nas cinco Dimensões da Gestão Escolar – Gestão de Resultados, Gestão Pedagógica, Gestão Participativa, Gestão de Pessoas e Gestão de Serviços e Recursos, de forma coletiva e articulada com todos os setores da escola, primando sempre pela qualidade do ensino e da aprendizagem. Esse documento justifica e fundamenta a função do Supervisor Escolar, bem como as atribuições a serem desenvolvidas por esse profissional, que atuará de forma articuladora e precisa nas Diretorias Regionais de Ensino/Unidades Escolares.
  • 7. 2. JUSTIFICATIVA Em razão da importância do aprimoramento do monitoramento das atividades de ações estratégicas e pedagógicas, projetos e programas em vigência na rede Estadual de Ensino, por meio de coleta de dados e informações para análise, encaminhamentos e intervenções inerentes ao processo educacional desenvolvido nas escolas, propõe-se a revitalização do trabalho de Supervisão Escolar em todas as Unidades Escolares da Rede Estadual do Tocantins. A função de Supervisor Escolar não deve ser mecanizada, apenas de caráter de constatação das rotinas burocráticas a despeito do que acontecia em todo o país nas décadas passadas, simplesmente como agente controlador da escola ou sala de aula. O trabalho desenvolvido pelo Supervisor Escolar deve centrar-se nas ações de reflexão, orientação, encaminhamento e intervenção do processo pedagógico, com vistas, à promoção da melhoria do ensino e da aprendizagem. A idéia de reestruturação e implementação da função de Supervisão Escolar está baseada na melhoria dos processos de ensinar e de aprender, na prática reflexiva, na mediação entre o conhecer e o fazer e a partir destes, oferecer subsídios teórico-metodológicos para que a equipe gestora envolva-se na resolução dos problemas existentes nas Unidades Escolares. Por entender que o Supervisor Escolar é aquele profissional que atua na articulação do trabalho coletivo integrando os profissionais no processo educativo, é que esta função se faz necessária, visto que o profissional que nela atua visualiza a escola de forma global podendo contribuir significativamente para a melhoria da mesma. Nesse contexto, todos os agentes educativos presentes na escola, respaldam o trabalho do Supervisor Escolar, abre espaços e indica o objeto de ação><reflexão<>ação das políticas educacionais vigente para que o desenvolvimento da ação supervisora tenha sucesso, sendo necessária a articulação com os demais setores da SEDUC sede, bem como nas Diretorias Regional de Ensino, para socializar planejar e replanejar encaminhamentos e intervenções do que foi constatado nos monitoramentos realizados in loco e a distância para tomada de decisão.
  • 8. 3. TRAJETORIA DA SUPERVISÃO A função de Supervisão Escolar foi instituída no Estado do Tocantins no ano de 1997, com objetivo de fiscalizar a ação gestora e os processos de ensino e aprendizagem nas Unidades Escolares da Rede Estadual de Ensino. A Instrução Normativa nº 002 de 11 de janeiro de 2005 da Secretaria Estadual de Educação do Tocantins, instituiu o perfil e atribuições do então Supervisor Pedagógico. Houve processo seletivo para mapear o autoconhecimento desse profissional no que diz respeito à avaliação, a observação, a interação grupal do supervisor para atuação na função, tendo como base o documento denominado “Supervisão Pedagógica Integrada a Unidade Escolar” para orientar o trabalho destes nas escolas. Nos anos de 2000 a 2005 a nomenclatura utilizada era de STQ 1, com a função de supervisionar a escola com foco no trabalho pedagógico e administrativo, sendo responsável direto pelas intervenções realizadas na Unidade Escolar. No ano de 2006, houve reestruturação da concepção dessa função no âmbito da Secretaria de Educação do Estado do Tocantins, o STQ passa a ser Supervisor Pedagógico e intensifica o foco do seu trabalho no fazer pedagógico da Unidade Escolar. No período de 2007 a 2009, surgiu a figura do TAA 2, para os Técnicos lotados na SEDUC3 e TAE4 para os Técnicos lotados nas Diretorias Regionais de Ensino, onde o foco do trabalho era a aprendizagem, realizando o cruzamento de dados entre os resultados das avaliações internas e externas, para as devidas intervenções e nas cinco Dimensões da Gestão Escolar. Para 2010, tanto o TAA quanto o TAE, retoma a nomenclatura de Supervisor Escolar, permanecendo o trabalho em dupla com foco nas cinco Dimensões da Gestão Escolar: Gestão de Resultados Educacionais, Pedagógica, Participativa, Pessoas, Serviços e Recursos, com orientações, encaminhamentos e 1 Supervisor Técnico de Qualidade 2 Técnico de Avaliação e Acompanhamento 3 Secretaria de Educação e Cultura 4 Técnico de Acompanhamento Escolar
  • 9. procedimentos necessários, para que a equipe reflita sobre o trabalho coletivo e o fazer pedagógico. Segundo Ferreira (2003) “O supervisor, na atual realidade, é capaz de pensar e agir com inteligência, equilíbrio, liderança e autoridade, valores esses que requerem habilidade para exercer suas atividades de forma responsável e comprometida” (2003, p 74) Neste sentido, a supervisão escolar deve estar atrelada as suas atribuições, subsidiando a Unidade Escolar em suas ações, fazendo-se presente, sendo co- responsável pelos resultados, respaldando o gestor e os diversos segmentos, para que haja sintonia entre as funções.
  • 10. 4. OBJETIVO GERAL Aprimorar o monitoramento nas cinco dimensões da Gestão Escolar (Gestão Participativa, Gestão Pedagógica, Gestão de Pessoas, Gestão de Recursos e Serviços) nas Diretorias Regionais de Ensino e Unidades Escolares da Rede Estadual de Ensino do Tocantins, com vistas à sistematização dos dados e informações a partir de indicadores de ações pedagógicas e administrativas. 4.1- OBJETIVOS ESPECÍFICOS • Realizar diagnóstico, avaliação e autoavaliação das cinco dimensões da Gestão Escolar nas DRE5/UE6 com vistas a analisar, orientar e encaminhar, quando necessário, as problemáticas observadas aos setores competentes. • Socializar os monitoramentos realizados pela SEDUC/DRE para que seja feito a intervenção in loco pelos setores competentes. • Orientar a equipe das DRE/UE no exercício de liderança e do trabalho coletivo. • Orientar a equipe das DRE/UE, quanto à análise de dados e planos de melhoria no processo de ensino e de aprendizagem. 5 Diretoria Regional de Ensino 6 Unidade Escolar
  • 11. 5. ATRIBUIÇÕES DO SUPERVISOR ESCOLAR/SEDUC a) Apropriar-se da Legislação Educacional em âmbito Estadual e Nacional, bem como conhecer as políticas educacionais. b) Apropriar-se da Proposta de Trabalho da Coordenadoria de Gestão Educacional e Supervisão Escolar/SEDUC. c) Realizar o monitoramento nas Diretorias Regionais de Ensino, in loco/ distancia com o objetivo de orientar e intervir mediante a atuação da equipe de Supervisores Escolares e Coordenadores Regionais. d) Realizar juntamente com o Diretor de Gestão Pedagógica e Coordenador de Gestão Educacional a socialização do monitoramento realizado nas DRE, fazendo os encaminhamentos necessários. e) Apropriar-se do instrumento de autoavaliação contido no Prêmio Nacional de Referência em Gestão Escolar. f) Apresentar relatórios à Coordenação Regional com orientações e encaminhamentos aos Supervisores Escolares/DRE. g) Analisar os resultados das Diretorias Regionais de Ensino, subsidiando a equipe de Supervisores Escolares/DRE na tomada de decisões; h) Conhecer os cursos, programas e projetos ofertados pela Secretaria da Educação. i) Realizar estudo individual e coletivo, para melhoria da atuação profissional do Supervisor Escolar; j) Encaminhar relatório condensado dos monitoramentos ao secretario para avaliação, validação, orientação e intervenção. k) Realizar a formação continuada para o supervisor Escolar com encontros presenciais e a distância. l) Analisar os dados do Sistemas de Gestão Escolar. 5.1 Monitoramento – SEDUC De acordo com o diagnóstico situacional das Diretorias Regionais de Ensino os Supervisores Escolares/SEDUC realizarão o monitoramento em dupla, observando as especificidades com a seguinte finalidade:
  • 12. •Conhecer o Plano de ação da Coordenação que a Supervisão Escolar está jurisdicionada para verificar se está em consonância com o diagnóstico e metas a serem alcançadas. •Realizar monitoramento “in loco” e a distância através de Instrumentos próprios, verificando o andamento das ações. •Socializar o resultado do monitoramento realizado nas DRE, com a Diretoria de Gestão Pedagógica . •Encaminhar devolutiva do monitoramento às DRE, com as recomendações necessárias para tomada de decisão. •Analisar os resultados e desempenho obtido bimestralmente pelas DRE e avaliações externas7 realizando cruzamento de dados. Os monitoramentos à distância serão realizados pela SEDUC através de documentos oficiais, SGE8, webconferência, e-mails, fax e/ou telefone. Os monitoramentos in loco serão realizados trimestralmente nas Diretorias Regionais de Ensino. A periodicidade do atendimento poderá ser adequada de acordo com as especificidades de cada DRE. 5.2 – Operacionalização O monitoramento nas Diretorias Regionais de Ensino será realizado trimestralmente, sendo de quatro a seis períodos de efetivo trabalho, não incluindo o período de locomoção para realização das atividades. O trabalho será realizado em dupla de Supervisores Escolares/SEDUC, em que a dinâmica consiste em dois momentos: primeiro com toda equipe para análise, orientação, intervenção e acompanhamento das evidencias das ações realizadas pela coordenação regional, o segundo momento atendimento individualizado ao Supervisor DRE por UE e o registro condensado pelo grupo, bem como os encaminhamentos para o titular da pasta. O trabalho do Supervisor Escolar/SEDUC junto a DRE estende-se ao quantitativo de escolas. Vale ressaltar que o trabalho não está focado apenas na demanda de Supervisor/DRE e sim ao número de escolas jurisdicionadas, como demonstra o quadro abaixo: 7 ENEM, SAEB, PROVA BRASIL, PROVINHA BRASIL e SARE. 8 Sistema de Gestão Escolar
  • 13. Supervisor Diretorias Regionais de Ensino Períodos Nº de Escolas SEDUC 1 dupla Araguatins 06 45 Arraias 06 19 Tocantinópolis 06 40 1 dupla Dianópolis 06 27 1 trio Araguaína 06 80 Colinas 06 27 1 dupla Gurupí 06 66 Guaraí 06 27 1 dupla Porto Nacional 06 45 Miracema 06 60 1 dupla Palmas 06 41 Pedro Afonso 06 28 1 dupla 45 Paraíso 06 5.3. Dos Instrumentos do Monitoramento – SEDUC Instrumento 1 - Devolutiva SEDUC/DRE - para registro da situação constatada, orientações e recomendações com prazos definidos para realização das ações dos Supervisores Escolares/DRE, devidamente assinado pelo Supervisor Escolar/SEDUC, Coordenação Regional e Diretor Regional de Ensino, ficando uma cópia na DRE. O Supervisor Escolar/SEDUC deverá monitorar o cumprimento dos encaminhamentos solicitados neste instrumento. Instrumento 2 - Relatório Condensado do Monitoramento da Supervisão Escolar/SEDUC – condensar os resultados do monitoramento realizado nas Diretorias Regionais de Ensino contendo: situação constatada, orientações, recomendações e prazos estabelecidos, devidamente assinado pelo Supervisor Escolar/SEDUC, Diretoria de Gestão Pedagógica e encaminhá-lo ao Gabinete para apreciação do(a) Secretário(a) de Estado da Educação.
  • 14. 6 - ATRIBUIÇÕES DO SUPERVISOR ESCOLAR/DRE a) Apropriar-se da Proposta de Trabalho da Coordenadoria de Gestão Educacional e Supervisão Escolar. b) Apropriar-se da Legislação Educacional em âmbito Estadual e Nacional. c) Realizar monitoramento nas Unidades Escolares, com o objetivo de orientar e intervir na atuação da equipe diretiva. d) Apropriar-se e monitorar o Projeto Político Pedagógico das Unidades Escolares. e) Socializar monitoramento com o Coordenador, Diretor Regional e com os demais setores da DRE, fazendo os encaminhamentos necessários para tomada de decisão pelos setores competentes. f) Realizar intervenção in loco a partir da tomada de decisão dos setores competentes na UE. g) Participar dos cursos, programas e projetos ofertados pela Secretaria de Educação. h) Orientar a autoavaliação das práticas de gestão escolar conduzida pelos integrantes da Associação de Apoio às Escolas. i) Validar os resultados da autoavaliação por meio da verificação de evidências das práticas de gestão escolar. j) Analisar os resultados da Unidade Escolar e apresentar relatórios com orientações e encaminhamentos a partir do monitoramento in loco e à distância. k) Participar das reuniões de Trabalho de Diretores Escolares, promovidas pela Diretoria Regional de Ensino. l) Participar dos encontros promovidos pela SEDUC, de acordo com a especificidade da atribuição de Supervisor Escolar. m) Inserir os dados no Sistema de Gestão Escolar. 6.1- Monitoramentos/ DRE
  • 15. Para realizar o trabalho na Unidade Escolar é imprescindível que o Supervisor Escolar conheça o processo educacional e a realidade da escola em que irá atuar para que possa direcionar o trabalho que será desenvolvido durante o ano letivo. Contudo o Supervisor Escolar/DRE deve: •Realizar monitoramento à distância e in loco para orientações gerais as Unidades Escolares. •Apropriar-se do Projeto Político Pedagógico e verificar se estão em consonância com o diagnóstico e metas a serem alcançadas, identificando a necessidade de elaborar novas ações. •Monitorar a realização e efetividade das ações do Projeto Político Pedagógico. •Analisar o resultado do IDEB9 e o desempenho obtido pela unidade escolar em avaliações internas e externas, realizando cruzamento de dados com vistas a orientar a equipe gestora nas intervenções. •Intervir com orientações e encaminhamentos ao Diretor de Unidade Escolar e Coordenador Pedagógico, considerando as atribuições inerentes à função. •Acompanhar a efetividade dos encaminhamentos propostos no monitoramento in loco. •Socializar o resultado do monitoramento junto ao Diretor Regional de Ensino e demais setores da DRE para conhecimento e tomada de decisão. •Encaminhar, após monitoramento, para o Coordenador(a) e Diretor(a) Regional de Ensino o Instrumento de Monitoramento e Intervenção (ANEXO 2 e 3) com todos os registros. •Encaminhar à SEDUC semestralmente os relatórios de monitoramento. •Alimentar periodicamente o Sistema de Gestão Escolar (SGE). As intervenções à distância realizadas pela DRE serão através de documentos oficiais, e-mails, instrumentos de monitoramento, devolutivas e orientações gerais via fax e telefone. Os monitoramentos à distância serão realizados pela DRE através de documentos oficiais, SGE, webconferência, e-mails, fax e/ou telefone. 9 Índice de Desenvolvimento da Educação Básica
  • 16. Os monitoramentos in loco serão realizados trimestralmente nas Diretorias Regionais de Ensino. A periodicidade do atendimento poderá ser adequada de acordo com as especificidades de cada DRE. O monitoramento às Unidades Escolares será realizado bimestralmente na sede e trimestralmente nos municípios jurisdicionados a DRE. A permanência do Supervisor Escolar será de no mínimo quatro períodos e no máximo a seis períodos, em cada unidade escolar. Ressalta-se a importância da DRE identificar a necessidade desta periodicidade, considerando as especificidades de cada escola. Com isso, uma unidade escolar poderá ser monitorada pelo Supervisor Escolar mais vezes que outra, assim como permanecer mais tempo em determinada escola, a partir do mapeamento situacional. 6.2 - Operacionalização O monitoramento do Supervisor Escolar/DRE às Unidades Escolares consiste em análise, orientação, intervenção e acompanhamento das evidencias das ações realizadas pela escola, atendimento individualizado a equipe diretiva da UE e o registro dos instrumentos, socialização do monitoramento na DRE, bem como os encaminhamentos aos setores competentes. A operacionalização do trabalho do Supervisor Escolar/DRE pode ser visualizada a partir do quadro de distribuição: Nº de UE por município Supervisor Período por UE 01 a 03 01 04 a 06 02 04 a 06 A partir de 7 03 ou mais 6. 3 - Dos Instrumentos do Monitoramento - DRE Auto-Avaliação (Escola) De posse do diagnóstico da autoavaliação da Escola, o supervisor analisará as cinco dimensões, para visualizar o trabalho da equipe diretiva. Instrumento 1 - Monitoramento e intervenção DRE/UE – (Supervisor). Para registro e acompanhamento do resultado das ações do Projeto Político
  • 17. Pedagógico da escola para fazer intervenções diante das dificuldades e/ou irregularidades constatadas nas U.E. Instrumento 2 - Encaminhamento DRE/UE – (Supervisor). Registrar situação constatada, as orientações e prazos estabelecidos. Assinado pelo Supervisor e Diretor de Unidade, ficando uma cópia na escola. Instrumento 3 - Monitoramento de sala de aula – (Equipe Diretiva) Supervisor deverá orientar o Diretor de Unidade Escolar a monitorar sistematicamente a gestão de sala de aula utilizando o referido instrumento. É importante considerar que as unidades escolares que possuem instrumentos próprios e de programas para o monitoramento da sala de aula podem continuar fazendo uso dos mesmos, desde que contemple os aspectos inerentes ao ensino e a aprendizagem, acompanhado pelo Supervisor/DRE. Para as turmas e/ou disciplinas que não possuem instrumento de monitoramento de sala de aula será utilizado o instrumento 3: Monitorar a Gestão da Sala de Aula, considerando alguns critérios: salas com elevados e baixos índices de aprovação; salas com problema de disciplina e outros que a equipe gestora julgar pertinente. Assinado pelo Diretor de Unidade e professor. A equipe diretiva deve considerar a observação de sala de aula, ou seja, turma /disciplina de forma gradativa e periódica. O Diretor deverá reunir com a equipe da escola apresentando a sistemática de monitoramento da sala de aula, ressaltando que o mesmo se dará desde o planejamento até a aula propriamente dita. Os Supervisores/DRE deverão monitorar a efetividade do instrumento 3 realizado pela equipe diretiva, comparando o indicador rendimento escolar (Dimensão 1 - Gestão de resultados educacionais) com o resultado das disciplinas críticas e das disciplinas com 100% de aprovação. É importante considerar que o trabalho do Supervisor/DRE acontecerá diretamente com a equipe diretiva, podendo este verificar em casos específicos, o trabalho realizado por esta equipe desde o planejamento até o monitoramento da sala de aula. 7. REFERÊNCIAS BIBLIOGRAFICAS
  • 18. Proposta Supervisão Pedagógica Integrada a Unidade Escolar. SEDUC. 2005. FERREIRA, Nara Syria Carpeto. Supervisão Educacional para uma escola de qualidade. 4ª ed. São Paulo: Cortez, 2003. Manual de Monitoramento, SEDUC, 2009. Prêmio Nacional de Referência em Gestão Escolar, Manual de Orientações, 2009.
  • 19. ANEXO- 1 ESTADO DO TOCANTINS SECRETARIA DA EDUCAÇÃO E CULTURA SUPERINTENDÊNCIA DE EDUCAÇÃO DIRETORIA DE GESTÃO PEDAGÓGICA COORDENADORIA DE GESTÃO PEDAGÓGICA INSTRUMENTO 1: DEVOLUTIVA SEDUC/DRE Diretoria Regional de Ensino: __________________ Data: ____/____/____ Diretor (a): ______________________________________________________ 1º Monitoramento ORIENTAÇÃO E/OU SITUAÇÃO CONSTATADA PRAZOS INTERVENÇÃO OBS: 2º Monitoramento SITUAÇÃO RESOLVIDA (Resultado Alcançado) SITUAÇÃO COM RESULTADO ORIENTAÇÃO E/OU PRAZOS PARCIAL INTERVENÇÃO SITUAÇÃO NÃO RESOLVIDA SITUAÇÃO / MOTIVO:
  • 20. ORIENTAÇÃO E/OU INTERVENÇÃO PRAZO NOVA SITUAÇÃO ORIENTAÇÃO E/OU PRAZOS CONSTATADA/SETOR INTERVENÇÃO 3º Monitoramento SITUAÇÃO RESOLVIDA (Resultado Alcançado) SITUAÇÃO COM RESULTADO ORIENTAÇÃO E/OU PRAZOS PARCIAL INTERVENÇÃO SITUAÇÃO NÃO RESOLVIDA SITUAÇÃO / MOTIVO: ORIENTAÇÃO E/OU INTERVENÇÃO PRAZO NOVA SITUAÇÃO ORIENTAÇÃO E/OU PRAZOS CONSTATADA/SETOR INTERVENÇÃO _____________________________ ______________________________________ SUPERVISOR/SEDUC COORDENADOR REGIONAL ___________________________________________________ DIRETOR (A) REGIONAL DE ENSINO
  • 21. ANEXO- 2 ESTADO DO TOCANTINS SECRETARIA DA EDUCAÇÃO E CULTURA SUPERINTENDÊNCIA DE EDUCAÇÃO DIRETORIA DE GESTÃO PEDAGÓGICA COORDENADORIA DE GESTÃO PEDAGÓGICA INSTRUMENTO 2: RELATÓRIO CONSOLIDADO Monitoramento SITUAÇÃO ORIENTAÇÃO E/OU ENCAMINHAMENTOS PRAZOS CONSTATADA INTERVENÇÃO OBS: _____________________________ ______________________________________ SUPERVISOR/SEDUC COORD. DE GESTÃO EDUCACIONAL ___________________________________________________ DIRETOR (A) DE GESTÃO PEDAGÓGIC
  • 22. AUTO-AVALIAÇÃO DA GESTÃO ESCOLAR (ESCOLA) GESTÃO DE RESULTADOS EDUCACIONAIS Abrange processos e práticas de gestão para a melhoria dos resultados de desempenho da escola – rendimento, freqüência e proficiência dos alunos. Destacam-se como indicadores de gestão de resultados: a avaliação e melhoria contínua do projeto pedagógico da escola; a análise, divulgação e utilização dos resultados alcançados; a identificação dos níveis de satisfação da comunidade escolar, com o trabalho da sua gestão; e a transparência de resultados. NÍVEL DE ATENDIMENTO Abaixo Acima da Média Superior INDICADORES Inferior da média média (50%a (90% a (até 20%) (21% a (70% a 69%) 100%) 49%) 89%) São realizadas, periodicamente, práticas de avaliação e socialização dos Avaliação do objetivos e metas Projeto alcançados pelo pedagógico projeto pedagógico, com o envolvimento de representantes da comunidade escolar? A escola nos últimos três anos tem realizado registros, análises e socialização das Rendimento taxas de aprovação, escolar reprovação e abandono, identificando necessidades e implementando ações de melhoria? A escola, nos últimos três anos tem realizado acompanhamento e controle da Freqüência freqüência dos escolar alunos e adotado medidas para assegurar a sua permanência, com sucesso, na escola?
  • 23. A escola analisa os resultados de seu desempenho (IDEB,SAEB, outros), de forma comparativa Uso dos com os resultados resultados de das avaliações desempenho nacionais, estaduais escolar e/ou municipais, identifica necessidades e propõe ações de melhoria? São levantados e analisados de forma sistemática, índices Satisfação dos de satisfação dos alunos, pais, alunos, pais, professores e professores e demais demais profissionais da profissionais da escola, em relação à escola gestão, às práticas pedagógicas e aos resultados da aprendizagem? São divulgados, periodicamente, aos pais e à comunidade, os resultados de Transparência e aprendizagem dos divulgação dos alunos e as ações resultados educacionais implementadas para a melhoria do ensino? Indicação das evidências: Descrever, a seguir, de forma analítica e comentada, as ações, práticas e processos que evidenciem o atendimento a cada um dos indicadores de qualidade. Apresentar as evidências nas páginas subseqüentes a cada ficha das dimensões de avaliação.
  • 24. GESTÃO PARTICIPATIVA Abrange processos e práticas que respondam ao princípio de gestão democrática do ensino público. São destacados como indicadores de qualidade: o planejamento e a avaliação do projeto pedagógico e dos planos de ação da escola, de forma participativa; a atuação de órgãos colegiados – conselhos escolares, APMs, grêmios estudantis e outros; o estabelecimento de articulações e parcerias; e a utilização de canais de comunicação com a comunidade escolar. NÍVEL DE ATENDIMENTO Abaixo Acima da Média INDICADORES Inferior da média média Superior (50%a (até 20%) (21% a (70% a (90% a 100%) 69%) 49%) 89%) O projeto pedagógico da escola é formulado ou validado, anualmente, com a participação de todos os segmentos da comunidade Projeto escolar e expressa a Pedagógico missão, os valores, os objetivos, as metas e estratégias propostas como marcos orientadores da educação oferecida pela escola? Os planos de ação e as práticas pedagógicas são acompanhados e avaliados de forma participativa e Avaliação sistemática, envolvendo participativa representantes dos pais, alunos, professores e da comunidade, de modo a orientar propostas de melhoria? Os organismos colegiados são atuantes e expressam comprometimento, iniciativa Atuação dos e efetiva colaboração na colegiados construção, no desenvolvimento e na avaliação do projeto pedagógico da escola? Integração São realizadas articulações escola- e parcerias com as famílias, sociedade com os demais serviços públicos (saúde, infra- estrutura, trabalho, justiça, assistência social, cultura, esporte e lazer), associações locais,
  • 25. empresas e profissionais, visando à melhoria da gestão escolar, ao enriquecimento do currículo e à aprendizagem dos alunos? São utilizados canais de comunicação com a comunidade escolar a respeito dos planos e Comunicaçã realizações da escola e o e resultados das informação aprendizagens dos alunos, com vistas a prestar contas e dar transparência à gestão escolar? Existem práticas bem- sucedidas de estímulo e apoio à organização de alunos para que atuem em Organização ações conjuntas, solidárias, dos alunos cooperativas e comunitárias, visando ao desenvolvimento de suas potencialidades e à formação para a cidadania? Indicação das evidências: Descrever, a seguir, de forma analítica e comentada, as ações, práticas e processos que evidenciem o atendimento a cada um dos indicadores de qualidade. Apresentar as evidências nas páginas subseqüentes a cada ficha das dimensões de avaliação.
  • 26. GESTÃO PEDAGÓGICA Abrange processos e práticas de gestão do trabalho pedagógico, orientados diretamente para assegurar o sucesso da aprendizagem dos alunos, em consonância com o projeto pedagógico da escola. Destacam-se como indicadores de qualidade: a atualização periódica da proposta curricular, o monitoramento da aprendizagem dos alunos, o desenvolvimento da inovação pedagógica, as políticas de inclusão com eqüidade, o planejamento da prática pedagógica e a organização do espaço e tempo escolares. NÍVEL DE ATENDIMENTO Acima da Abaixo da Média Superior INDICADORES Inferior média média (50%a (90% a (até 20%) (70% a (21% a 49%) 69%) 100%) 89%) A proposta curricular é atualizada, periodicamente, para atender os interesses e as necessidades dos alunos e da comunidade, em Proposta consonância com o projeto curricular pedagógico da escola, as contextual Diretrizes e Orientações izada Curriculares Nacionais e Estaduais bem como com os avanços científicos, tecnológicos e culturais da sociedade contemporânea? São realizadas práticas de análise dos resultados de aprendizagem (avanços Monitora alcançados e dificuldades mento da enfrentadas pelos alunos); e aprendiza são desenvolvidas ações gem pedagógicas, tendo por objetivo a melhoria contínua do rendimento escolar? São desenvolvidas práticas pedagógicas inovadoras para atender as diferentes necessidades e ritmos de aprendizagem dos alunos, Inovação com a utilização adequada pedagógi de recursos didáticos e ca tecnologias educacionais que favoreçam o trabalho em equipe, a interdisciplinaridade, a contextualização e a apropriação dos saberes? Inclusão São realizadas práticas com pedagógicas inclusivas que
  • 27. traduzam o respeito e o atendimento eqüitativo a todos os alunos, eqüidade independentemente de origem sócio-econômica, gênero, raça, etnia e necessidades especiais? As práticas de planejamento das aulas pelos professores Planejam são realizadas de forma ento da sistemática, coletiva e prática cooperativa, em consonância pedagógi com a proposta curricular da ca escola e com base nos avanços e necessidades individuais dos alunos? São realizadas práticas de organização dos ambientes, horários de aula e atividades Organizaç extra-classe, de modo a ão do assegurar práticas espaço e pedagógicas que aprimoram tempo a qualidade do ensino e o escolares atendimento às necessidades de aprendizagem dos alunos? Indicação das evidências: Descrever, a seguir, de forma analítica e comentada, as ações, práticas e processos que evidenciem o atendimento a cada um dos indicadores de qualidade. Apresentar as evidências nas páginas subseqüentes a cada ficha das dimensões de avaliação.
  • 28. GESTÃO DE PESSOAS Abrange processos e práticas de gestão visando ao envolvimento e compromisso das pessoas (professores e demais profissionais, pais e alunos) com o projeto pedagógico da escola. São considerados como indicadores de qualidade: a integração entre os profissionais da escola, pais e alunos; o desenvolvimento profissional contínuo; o clima organizacional; a avaliação do desempenho; a observância dos direitos e deveres e a valorização e o reconhecimento do trabalho escolar. NÍVEL DE ATENDIMENTO Abaixo Média Acima da Superior INDICADORES Inferior da média (50%a média (90% a (até 20%) (21% a 69%) (70% a 89%) 100%) 49%) É promovida, regularmente, a integração entre os profissionais da escola, Visão pais e alunos, visando Compartilhada a uma concepção educacional comum e à unidade de propósitos e ações? São promovidas, por iniciativa da escola, ações de formação continuada com base na identificação de necessidades dos Desenvolvimen docentes e demais to profissional profissionais em relação aos conhecimentos, habilidades e atitudes requeridos para a implementação do projeto pedagógico? São promovidas dinâmicas e ações, para desenvolver equipes e lideranças, elevar a motivação e a Clima auto-estima dos organizacional profissionais e mediar conflitos, em um clima de compromisso ético, cooperativo e solidário? Avaliação do São adotadas, por desempenho iniciativa da escola, práticas avaliativas do desempenho de professores e dos
  • 29. demais profissionais, ao longo do ano letivo, para promover a melhoria contínua desse desempenho, no cumprimento de objetivos e metas educacionais? São desenvolvidas práticas de conhecimento e observância da legislação educacional, Observância de do regimento da escola direitos e e demais normas deveres legais que orientam os direitos e deveres de professores, demais profissionais, pais e alunos? São promovidas práticas de valorização e reconhecimento do trabalho e esforço dos Valorização e professores e demais reconheciment funcionários da escola, o no sentido de reforçar ações voltadas para melhoria da qualidade do ensino? Indicação das evidências: Descrever, a seguir, de forma analítica e comentada, as ações, práticas e processos que evidenciem o atendimento a cada um dos indicadores de qualidade. Apresentar as evidências nas páginas subseqüentes a cada ficha das dimensões de avaliação.
  • 30. GESTÃO DE SERVIÇOS E RECURSOS Abrange processos e práticas eficientes e eficazes de gestão dos serviços de apoio, recursos físicos e financeiros. Destacam-se como indicadores de qualidade: organização dos registros escolares; a utilização das instalações e equipamentos; preservação do patrimônio escolar; interação escola/comunidade; captação e aplicação de recursos didáticos e financeiros. NÍVEL DE ATENDIMENTO Abaixo da Média Acima da Superior INDICADORES Inferior média (50%a média (90% a (até 20%) (21% a 69%) (70% a 89%) 100%) 49%) São realizadas práticas de organização, atualização da documentação, Document escrituração, registros dos ação e alunos, diários de classe, registros estatísticas, legislação e escolares outros, para um atendimento ágil à comunidade escolar e ao sistema de ensino? São utilizados de forma apropriada as instalações, os equipamentos e os Utilização materiais pedagógicos, das incluindo os recursos instalações tecnológicos, para a implementação do projeto pedagógico da escola? São promovidas ações que assegurem a conservação, Preservaçã higiene, limpeza, o do manutenção e preservação patrimônio do patrimônio escolar instalações, equipamentos e materiais pedagógicos? É disponibilizado o espaço da escola, nos fins de semana e período de férias, Interação para a realização de escola/com atividades que congreguem unidade a comunidade local, de modo a garantir maximização de seu uso e socialização de seus bens? Captação São buscadas formas de alternativas para criar e recursos obter recursos, espaços e materiais complementares para a melhoria da
  • 31. realização do projeto pedagógico da escola? São realizadas ações de planejamento participativo, acompanhamento e avaliação da aplicação dos Gestão de recursos financeiros da recursos escola, levando em conta financeiros as necessidades do projeto pedagógico, os princípios da gestão pública e a prestação de contas à comunidade? Indicação das evidências: Descrever, a seguir, de forma analítica e comentada, as ações, práticas e processos que evidenciem o atendimento a cada um dos indicadores de qualidade. Apresentar as evidências nas páginas subseqüentes a cada ficha das dimensões de avaliação.
  • 32. ANEXO- 1 ESTADO DO TOCANTINS SECRETARIA DA EDUCAÇÃO E CULTURA SUPERINTENDÊNCIA DE EDUCAÇÃO DIRETORIA DE GESTÃO PEDAGÓGICA COORDENADORIA DE GESTÃO PEDAGÓGICA INSTRUMENTO 1: MONITORAMENTO DO SUPERVISOR ESCOLAR DRE/UE DRE: MUNICÍPIO: DATA: UNIDADE ESCOLAR: DIRETOR: COORDENADOR PEDAGÓGICO: METAS/PES DE ACORDO COM AS MODALIDADES E NÍVEIS DE ENSINO: Exemplo: Elevar em 4,5% o índice de aprovação do 6º ano e reduzir em 14% o índice de abandono do 6º ao 9º ano do Ensino Fundamental até 2009. Reduzir em 10% o índice de abandono nos 1º, 2º e 3º Segmentos da Educação de Jovens e adultos. SUPERVISOR(A) ESCOLAR DA DRE: INDICADORES 1-Gestão de Resultados Educacionais 1º 2º 3º MONITORAMENTO MONITORAMENTO MONITORAMENTO Avaliação do Projeto pedagógico Rendimento escolar Freqüência escolar Uso dos resultados de desempenho escolar Satisfação dos alunos, pais, professores e demais profissionais da escola Transparência e divulgação dos resultados Situação atual Intervenções Prazos Outras Situações encontradas
  • 33. 2-Gestão Participativa INDICADORES 1º 2º 3º MONITORAMENTO MONITORAMENTO MONITORAMENTO Projeto pedagógico da Escola Avaliação participativa Atuação dos colegiados Interação escola / comunidade Comunicação e informação Organização dos alunos Situação atual Intervenções Prazos Outras Situações encontradas 3-Gestão Pedagógica INDICADORES 1º 2º 3º MONITORAMENTO MONITORAMENTO MONITORAMENTO Proposta Curricular contextualizada Monitoramento da aprendizagem Inovação Pedagógica Inclusão com equidade Planejamento da prática pedagógica Organização do espaço e Tempo escolares Situação atual Intervenções Prazos Outras Situações encontradas 4-Gestão de pessoas INDICADORES 1º 2º 3º MONITORAMENTO MONITORAMENTO MONITORAMENTO Visão compartilhada Desenvolvimento profissional Clima organizacional Avaliação do desempenho Observância de direitos e deveres
  • 34. Valorização e Reconhecimento Situação atual Intervenções Prazos Outras Situações encontradas 5-Gestão de serviços e recursos INDICADORES 1º 2º 3º MONITORAMENTO MONITORAMENTO MONITORAMENTO Documentação e registros escolares Utilização das instalações Preservação do patrimônio Interação escola / comunidade Captação de recursos Gestão de recursos financeiros Situação atual Intervenções Prazos Outras Situações encontradas ANEXO- 2 GOVERNO DO ESTADO DO TOCANTINS SECRETARIA DA EDUCAÇÃO E CULTURA DIRETORIA REGIONAL DE ENSINO DE _________________________ COORDENAÇÃO DE GESTÃO PEDAGÓGICA INSTRUMENTO 2: ENCAMINHAMENTO DRE/UE Escola: _________________________________________________ Diretor (a): ______________________________________________ SITUAÇÃO ORIENTAÇÃO E/OU PRAZOS CONSTATADA/SETOR INTERVENÇÃO
  • 35. ________________, ____/____/____ (Local e Data) SUPERVISOR(A) ESCOLAR– DRE DIRETOR(A) DE UNIDADE ESCOLAR Obs. Instrumento utilizado ao final de cada monitoramento ANEXO- 3 - ESCOLA ESTADO DO TOCANTINS SECRETARIA DA EDUCAÇÃO E CULTURA SUPERINTENDÊNCIA DE EDUCAÇÃO DIRETORIA DE GESTÃO PEDAGÓGICA COORDENADORIA DE GESTÃO PEDAGÓGICA INSTRUMENTO 3: MONITORAMENTO DA SALA DE AULA Escola: ________________________________________________________________
  • 36. Diretor(a): ______________________________________________________________ Coordenador Pedagógico: _________________________________________________ Professor (a): ________________________________ Turma: _____ Data: __/___/___ Número de alunos matriculados:_________ Alunos freqüentes do dia: ______________ Ano/Série/Período:___________________ Turno:______________________________ 1. Objetivos da aula 2. Organização do contexto (Estratégias de envolvimento dos alunos para a aula a ser realizada) 3. Conteúdos principais (Breve descrição do conteúdo e estrutura da aula) 4. Rotinas básicas: (Marcar nas colunas: Observado (O) ou Não observado O NO (NO) Os alunos são acompanhados e recebidos na chegada à sala de aula A aula tem início no horário previsto. Caso ocorram os atrasos, estes são administrados? É verificada e registrada a freqüência dos alunos à aula? É feita revisão dos conteúdos da aula anterior e dos exercícios de casa? É feita pelo professor a observação do desempenho dos alunos e são usadas novas estratégias diante das dificuldades? O professor elogia, reforçando, o desempenho positivo dos alunos? É dada atenção à finalização da aula, mediante revisão e reforço da aprendizagem. O ambiente da sala de aula é favorável à aprendizagem? Observações:
  • 37. 5. Conhecimento do conteúdo e entendimento 1 - Demonstração de domínio do Comentários e exemplos (evidências): conteúdo pelo professor. 2- Demonstração de habilidade para fazer perguntas interessantes e estimulantes ao raciocínio do aluno. 3 - Capacidade de apresentar explicações claras sobre o conteúdo e exercícios propostos. 4- Utilização adequada de recursos didáticos conforme os objetivos da aula? 6. Planejamento 1- Planejou as atividades sabendo Comentários e exemplos previamente as dificuldades dos alunos? (evidências): 2- Os objetivos da aula são claros? Favorecem a aprendizagem? 3- Atende as especificidades dos alunos com dificuldades de aprendizagem? 4- Prevê a utilização de instrumentos e estratégias diversificadas? 5- Foram planejados exercícios para reforço da aprendizagem? 7. Ensino 1- Despertou inicialmente a atenção dos Comentários e exemplos (evidências): alunos diante do assunto a ser abordado? 2- O tempo é utilizado de forma adequada e a aprendizagem é estimulada durante toda a aula? 3- A aula é realizada mediante ritmo estimulante e adequada ao nível de dificuldade proposto? 4- A aula apresenta desafios adequados? 5- As instruções são dadas de forma clara? 6- O professor demonstra ter alta expectativa quanto à aprendizagem de todos os alunos? 7- As atividades são diversificadas durante a aula? 8. Alunos/Aprendizagem
  • 38. 1- Trabalham de forma produtiva durante a Comentários e exemplos (evidências): aula? 2- Demonstram habilidade de aprender de forma independente ou coletiva? 3- Há bom relacionamento interpessoal? 4- Questionam idéias e pontos de vista de forma apropriada e respeitam opiniões dos colegas na sala? 5- Demonstram entusiasmo pela disciplina? 6- Utilizam os conhecimentos de forma contextualizada? 7- Os alunos sabem o que precisam fazer para melhorar suas habilidades e competências? 9. Avaliação 1- O professor ouve e observa Comentários e exemplos (evidências): atentamente todos os alunos? 2- O professor dá feedback aos alunos orientando-os a melhorar seu desempenho? 3- O professor utiliza fichas de registro das observações de desempenho dos alunos? Feedback da observação Data: Pontos fortes: Áreas para aprimoramento: Sugestões para a capacitação em serviço: Comentários do professor: Data da próxima observação: Período:
  • 39. ANEXOS
  • 40. GUARAÍ GURUPI PALMAS COLINAS ARRAIAS PARAÍSO MIRACEMA DRE ARAGUAINA DIANÓPOLIS ARAGUATINS PEDRO AFONSO TOCANTINÓPOLIS PORTO NACIONAL SIMONE SIMONE SIMONE SIMONE JÚLIO/EDIVA JÚLIO/EDIVA JÚLIO/EDIVA JÚLIO/EDIVA SUPERVISOR JÚLIO/TERESINHA CÉLIA/TERESINHA CÉLIA/TERESINHA CÉLIA/TERESINHA CÉLIA/TERESINHA AUTO AVALIAÇÃO DA EQUIPE - SEDUC/DRE/ESCOLA JAN DRE/UE – A DISTANCIASEDUC /DRE - A DISTANCIA FEV DRE/UE – A DISTANCIASEDUC/DRE - IN LOCO MAR DRE/UE – IN LOCOSEDUC/DRE – A DISTANCIA ABR DRE/UE – A DISTANCIASEDUC/DRE – A DISTANCIA MAIO DRE/UE – IN LOCOSEDUC/DRE – A DISTANCIA JUN PREÍODO DRE/UE – A DISTANCIASEDUC/DRE – IN LOCO AGO DRE/UE – A DISTANCIASEDUC/DRE – A DISTANCIA SET CRONOGRAMA DE MONITORAMENTO SUPERVISÃO ESCOLAR DRE/UE – A DISTANCIASEDUC/DRE – IN LOCO OUT DRE/UE – IN LOCOSEDUC/DRE – A DISTANCIA NOV DRE/UE – A DISTANCIASEDUC/DRE – A DISTANCIA DEZ