PSICOLOGIA:   ABORDAGENS TEÓRICAS                           Professor: Paulo Vinícius Carvalho SilvaMestre em Processos de...
HISTÓRIA DA PSICOLOGIA   Surgiu, como área da Ciência, apenas em 1875, com    Wilhelm Wundt (Alemanha):       Definição ...
HISTÓRIA DA PSICOLOGIA   As teorias científicas surgem influenciadas pelas    condições da vida social, nos seus aspectos...
PSICOLOGIA: ABORDAGENS TEÓRICAS                                  4
ABORDAGENS TEÓRICAS: BEHAVIORISMO   Terminologias: Behaviorismo, Comportamentalismo,    Análise Experimental do Comportam...
ABORDAGENS TEÓRICAS: BEHAVIORISMO   Em que consiste o comportamento?   Comportamento: interação entre aquilo que o sujei...
BEHAVIORISMO: COMPORTAMENTO RESPONDENTE   Comportamento reflexo ou respondente:    interações estímulos-resposta    incon...
BEHAVIORISMO: COMPORTAMENTO OPERANTE   Comportamento operante: o que    propicia a aprendizagem dos    comportamentos é a...
9Caixa de Skinner
BEHAVIORISMO: REFORÇAMENTO   Reforço: toda consequência que, seguindo uma    resposta, aumenta a probabilidade futura de ...
BEHAVIORISMO: REFORÇAMENTO E PUNIÇÃO                      Presença                   Remoção   Reforço positivo   Estímulo...
BEHAVIORISMO: REFORÇAMENTO   Reforço negativo: fuga e esquiva.   Eventos reforçadores:       Reforços primários: reforç...
BEHAVIORISMO: EXTINÇÃO E PUNIÇÃO   Extinção: procedimento no qual uma resposta deixa    abruptamente de ser reforçada.   ...
BEHAVIORISMO: PUNIÇÃO   Qual a eficácia da punição?   Punir leva à supressão temporária da resposta sem,    contudo, alt...
BEHAVIORISMO: CONTROLE DE ESTÍMULOS   Controle que o ambiente exerce sobre nós.   Controle de estímulos: quando a frequê...
ABORDAGENS TEÓRICAS: GESTALT   Percepção: ponto de partida e um dos temas    centrais da teoria.   Divergência entre Beh...
ABORDAGENS TEÓRICAS: GESTALT   A Gestalt encontra nos fenômenos da percepção as    condições para a compreensão do compor...
GESTALT: BOA-FORMA   O elemento que objetivamos compreender deve ser    apresentado em aspectos básicos, que permitam a s...
BOA-FORMA: FIGURA-FUNDO   A tendência da nossa percepção em buscar a boa-    forma permitirá a relação figura-fundo.   Q...
20
21
22
23
24
25
26
27
GESTALT: CAMPO PSICOLÓGICO   Campo psicológico: campo de força que nos leva a    procurar a boa-forma.   Esse campo de f...
GESTALT: CAMPO PSICOLÓGICO                             29
GESTALT: INSIGHT   A Gestalt vê a aprendizagem como a relação entre o    todo e a parte, onde o todo tem papel fundamenta...
GESTALT: INSIGHT   Insight: às vezes estamos olhando para uma figura que    não tem sentido para nós e, de repente, sem q...
ABORDAGENS TEÓRICAS: PSICANÁLISE   Psicanálise:       Teoria: conjunto de conhecimentos sistematizados        sobre o fu...
ABORDAGENS TEÓRICAS: PSICANÁLISE   Da utilização da hipnose à utilização da catarse:       Hipnose: induz o indivíduo a ...
PSICANÁLISE: A DESCOBERTA DO INCONSCIENTE   Associação livre: os pacientes dão livre curso às suas    ideias.       Resi...
PSICANÁLISE: A DESCOBERTA DO INCONSCIENTE   Inconsciente: exprime o conjunto dos conteúdos não    presentes no campo atua...
36
PSICANÁLISE: A SEXUALIDADE   Sexualidade no centro da vida psíquica.   O período de desenvolvimento da sexualidade é lon...
SEXUALIDADE: FASES DE DESENVOLVIMENTOPSICOSSEXUAL   Fase oral: a zona de erotização é a boca;   Faze anal: a zona de ero...
SEXUALIDADE: COMPLEXO DE ÉDIPO   Complexo de Édipo: em torno dele ocorre a    estruturação da personalidade do indivíduo....
TRÊS SISTEMAS DA PERSONALIDADE   Conceitos:       Id: reservatório da energia psíquica; regido pelo princípio do        ...
41
TRÊS SISTEMAS DA PERSONALIDADE   O ego e o superego são diferenciações do id, o que    demonstra uma interdependência ent...
SINTOMAS E MECANISMOS DE DEFESA   Sintoma: produção – comportamento ou pensamento –    resultante de um conflito psíquico...
ABORDAGENS TEÓRICAS: COGNITIVISMO   Importância das crenças e interpretações.   Alguns estudiosos acreditam que a causa ...
ABORDAGENS TEÓRICAS: COGNITIVISMO   As crenças constituem a base de comparação de que os    indivíduos possuem para inter...
ABORDAGENS TEÓRICAS: ABORDAGEM SISTÊMICA   O sistema não é a soma das partes. Para se    compreender um sistema, não é su...
ABORDAGENS TEÓRICAS: ABORDAGEM SISTÊMICA   A noção de contexto é primordial para se compreender a    proposta da abordage...
ABORDAGENS TEÓRICAS: ABORDAGEM SISTÊMICA   As pessoas participam de uma rede de relações onde    cada pessoa influi e é i...
ABORDAGEM SISTÊMICA: CARACTERÍSTICAS DE UMSISTEMA   O sistema funciona como um todo, com total    independência.   O com...
VYGOTSKY E A PSICOLOGIA SÓCIO-HISTÓRICA   Perspectiva histórico-cultural: homem como    constituído e constituidor do mei...
ABORDAGENS TEÓRICAS: SÍNTESE   Behaviorismo: comportamento.   Gestalt: percepção.   Psicanálise: inconsciente.   Cogni...
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Psicologia Jurídica (Aula II)

6,114

Published on

Slide da Aula II

Published in: Education
0 Comments
1 Like
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total Views
6,114
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
4
Actions
Shares
0
Downloads
113
Comments
0
Likes
1
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Transcript of "Psicologia Jurídica (Aula II)"

  1. 1. PSICOLOGIA: ABORDAGENS TEÓRICAS Professor: Paulo Vinícius Carvalho SilvaMestre em Processos de Desenvolvimento Humano e Saúde (IP, UnB) Curso de Direito Disciplina: Psicologia Jurídica
  2. 2. HISTÓRIA DA PSICOLOGIA Surgiu, como área da Ciência, apenas em 1875, com Wilhelm Wundt (Alemanha):  Definição do objeto de estudo;  Delimitação do campo de estudo;  Formulação de métodos de estudo;  Ideia de um homem autônomo, responsável pelo seu próprio desenvolvimento. 2
  3. 3. HISTÓRIA DA PSICOLOGIA As teorias científicas surgem influenciadas pelas condições da vida social, nos seus aspectos políticos, econômicos, culturais. A Psicologia não ficou estagnada ao longo do tempo. Ciência recente e em constante processo de construção. Tendências teóricas que constituem matrizes do desenvolvimento da ciência tecnológica: Behaviorismo, Gestalt e Psicanálise. 3
  4. 4. PSICOLOGIA: ABORDAGENS TEÓRICAS 4
  5. 5. ABORDAGENS TEÓRICAS: BEHAVIORISMO Terminologias: Behaviorismo, Comportamentalismo, Análise Experimental do Comportamento, Análise do Comportamento. Surgimento: objeto observável, mensurável, cujos experimentos poderiam ser reproduzidos em diferentes condições e sujeitos (objetividade, previsão e controle).  Características importantes para que a Psicologia se 5 firmasse como ciência.
  6. 6. ABORDAGENS TEÓRICAS: BEHAVIORISMO Em que consiste o comportamento? Comportamento: interação entre aquilo que o sujeito faz e o ambiente onde o seu fazer acontece.  Estudo das interações entre o indivíduo e o ambiente, entre as ações do indivíduo (respostas) e o ambiente (estímulos). Evolução do Behaviorismo: do comportamento 6 respondente ao comportamento operante.
  7. 7. BEHAVIORISMO: COMPORTAMENTO RESPONDENTE Comportamento reflexo ou respondente: interações estímulos-resposta incondicionadas, nas quais certos eventos ambientais confiavelmente eliciam certas Pavlov respostas do organismo que independem da aprendizagem. Reflexos condicionados: pareamento, o qual leva o organismo a responder a estímulos que antes não 7 respondia (Ex: jaleco e hospitalização).
  8. 8. BEHAVIORISMO: COMPORTAMENTO OPERANTE Comportamento operante: o que propicia a aprendizagem dos comportamentos é a ação do organismo sobre o meio e o efeito dela resultante – a satisfação de alguma Skinner necessidade: R S Agimos ou operamos sobre o mundo em função das consequências criadas pela nossa ação. 8
  9. 9. 9Caixa de Skinner
  10. 10. BEHAVIORISMO: REFORÇAMENTO Reforço: toda consequência que, seguindo uma resposta, aumenta a probabilidade futura de uma resposta.  Reforço positivo ou negativo. A função reforçadora de um evento ambiental qualquer só é definida por sua função sobre o comportamento do indivíduo. 10
  11. 11. BEHAVIORISMO: REFORÇAMENTO E PUNIÇÃO Presença Remoção Reforço positivo Estímulo reforçador ------------------------ Punição positiva Estímulo aversivo ------------------------ Reforço negativo ------------------------ Estímulo aversivo Punição negativa ------------------------ Estímulo Reforçador 11
  12. 12. BEHAVIORISMO: REFORÇAMENTO Reforço negativo: fuga e esquiva. Eventos reforçadores:  Reforços primários: reforçadores de toda uma espécie – água, alimento e afeto, por exemplo.  Reforços secundários: adquirem a função quando pareados temporariamente com os primários.  Reforçadores generalizados: reforçadores secundários, quando emparelhados com muitos outros: dinheiro e aprovação social. 12
  13. 13. BEHAVIORISMO: EXTINÇÃO E PUNIÇÃO Extinção: procedimento no qual uma resposta deixa abruptamente de ser reforçada.  Como consequência, a resposta diminuirá de frequência ou deixará de ser emitida. Punição: toda consequência que, seguindo uma resposta, diminui a probabilidade futura de uma resposta. 13  Punição positiva ou negativa.
  14. 14. BEHAVIORISMO: PUNIÇÃO Qual a eficácia da punição? Punir leva à supressão temporária da resposta sem, contudo, alterar a motivação. Relação entre punição e o sistema prisional.  Substituição das práticas punitivas por procedimentos de instalação de comportamentos desejáveis. 14
  15. 15. BEHAVIORISMO: CONTROLE DE ESTÍMULOS Controle que o ambiente exerce sobre nós. Controle de estímulos: quando a frequência ou a forma da resposta é diferente sob estímulos diferentes.  Discriminação: quando uma resposta se mantém na presença de um estímulo, mas sofre certo grau de extinção na presença de outro.  Generalização: respostas semelhantes a um conjunto de estímulos percebidos como semelhantes. 15
  16. 16. ABORDAGENS TEÓRICAS: GESTALT Percepção: ponto de partida e um dos temas centrais da teoria. Divergência entre Behaviorismo e Gestalt. Köhler  Para a Gestalt, entre o estímulo que o meio fornece e a resposta do indivíduo, encontra-se o processo de percepção.  O que o indivíduo percebe e como percebe são dados importantes para a compreensão do comportamento humano.  O comportamento deveria ser estudado nos seus aspectos mais globais, levando em consideração as condições que 16 alteram a percepção do estímulo.
  17. 17. ABORDAGENS TEÓRICAS: GESTALT A Gestalt encontra nos fenômenos da percepção as condições para a compreensão do comportamento humano. Percepção: ponto de partida e um dos temas centrais da teoria. 17
  18. 18. GESTALT: BOA-FORMA O elemento que objetivamos compreender deve ser apresentado em aspectos básicos, que permitam a sua decodificação, ou seja, a percepção da boa forma (equilíbrio, simetria, estabilidade e simplicidade). 18
  19. 19. BOA-FORMA: FIGURA-FUNDO A tendência da nossa percepção em buscar a boa- forma permitirá a relação figura-fundo. Quanto mais clara estiver a forma (boa-forma), mais clara será a separação entre a figura e o fundo. Quando isso não ocorre, torna-se difícil distinguir o que é figura e o que é fundo. 19
  20. 20. 20
  21. 21. 21
  22. 22. 22
  23. 23. 23
  24. 24. 24
  25. 25. 25
  26. 26. 26
  27. 27. 27
  28. 28. GESTALT: CAMPO PSICOLÓGICO Campo psicológico: campo de força que nos leva a procurar a boa-forma. Esse campo de força tem uma tendência que garante a busca da melhor forma possível em situações que não estão muito estruturadas. 28
  29. 29. GESTALT: CAMPO PSICOLÓGICO 29
  30. 30. GESTALT: INSIGHT A Gestalt vê a aprendizagem como a relação entre o todo e a parte, onde o todo tem papel fundamental na compreensão do objeto percebido. Nem sempre as situações vividas por nós apresentam- se de forma tão clara que permita sua percepção imediata. Essas situações dificultam o processo de aprendizagem, pois não permitem uma clara definição de figura-fundo, impedindo a relação parte/todo. 30
  31. 31. GESTALT: INSIGHT Insight: às vezes estamos olhando para uma figura que não tem sentido para nós e, de repente, sem que tenhamos feito nenhum esforço especial para isso, a relação figura-fundo se revela. 31
  32. 32. ABORDAGENS TEÓRICAS: PSICANÁLISE Psicanálise:  Teoria: conjunto de conhecimentos sistematizados sobre o funcionamento da vida psíquica. Freud  Método de investigação: caracteriza-se pelo método interpretativo, que busca o significado oculto daquilo que é manifesto por meio de ações e palavras ou pelas produções imaginárias, como os sonhos, os delírios, as associações livres, os atos falhos.  Análise: busca o autoconhecimento ou a cura, que ocorre por 32 meio desse autoconhecimento.
  33. 33. ABORDAGENS TEÓRICAS: PSICANÁLISE Da utilização da hipnose à utilização da catarse:  Hipnose: induz o indivíduo a um estado alterado de consciência e, nesta condição, investiga as conexões entre condutas e/ou entre fatos e condutas que podem ter determinado o surgimento de um sintoma.  Método catártico:Tratamento que possibilita a liberação de afetos e emoções ligadas a acontecimentos traumáticos que não puderam ser expressos na ocasião da vivência desagradável ou dolorosa. Essa liberação de afetos leva à 33 eliminação dos sintomas.
  34. 34. PSICANÁLISE: A DESCOBERTA DO INCONSCIENTE Associação livre: os pacientes dão livre curso às suas ideias.  Resistência: força psíquica que se opõe a revelar um pensamento;  Repressão: visa encobrir, fazer desaparecer da consciência uma ideia ou representação insuportável e dolorosa que está na origem do sintoma. 34
  35. 35. PSICANÁLISE: A DESCOBERTA DO INCONSCIENTE Inconsciente: exprime o conjunto dos conteúdos não presentes no campo atual da consciência.  Constituído por conteúdos reprimidos, que não têm acesso aos sistemas pré-consciente/consciente. 35
  36. 36. 36
  37. 37. PSICANÁLISE: A SEXUALIDADE Sexualidade no centro da vida psíquica. O período de desenvolvimento da sexualidade é longo e complexo até chegar à sexualidade adulta. Sexualidade: reprodução e obtenção do prazer. 37
  38. 38. SEXUALIDADE: FASES DE DESENVOLVIMENTOPSICOSSEXUAL Fase oral: a zona de erotização é a boca; Faze anal: a zona de erotização é o ânus; Fase fálica: a zona de erotização é o órgão sexual; Período de latência: diminuição das atividades sexuais; Fase genital: o objeto de erotização não está mais no próprio corpo, mas no outro. 38
  39. 39. SEXUALIDADE: COMPLEXO DE ÉDIPO Complexo de Édipo: em torno dele ocorre a estruturação da personalidade do indivíduo. Entre 3 e 5 anos, durante a fase fálica:  A mãe é o objeto de desejo do menino, e o pai é o rival que impede o seu acesso ao objeto desejado. Ele procura então ser o pai para ter a mãe, escolhendo-o como modelo de comportamento, passando a internalizar as regras e as normas sociais representadas e impostas pela figura paterna. 39
  40. 40. TRÊS SISTEMAS DA PERSONALIDADE Conceitos:  Id: reservatório da energia psíquica; regido pelo princípio do prazer (pulsões de vida e de morte);  Ego: estabelece o equilíbrio entre as exigências do id, as exigências da realidade e as normas do superego; regido pelo princípio da realidade; é um regulador.  Funções básicas do ego: percepção, memória, sentimentos, pensamento.Complexo de Édipo: em torno dele ocorre a estruturação da personalidade do indivíduo. 40  Superego: exigências sociais e culturais; origina-se com o complexo de Édipo.
  41. 41. 41
  42. 42. TRÊS SISTEMAS DA PERSONALIDADE O ego e o superego são diferenciações do id, o que demonstra uma interdependência entre esses três sistemas. Esses sistemas não existem enquanto uma estrutura vazia, mas são sempre habitados pelo conjunto de experiências pessoas e particulares de cada um, que se constitui como sujeito em uma relação com o outro e em determinadas circunstâncias sociais. 42
  43. 43. SINTOMAS E MECANISMOS DE DEFESA Sintoma: produção – comportamento ou pensamento – resultante de um conflito psíquico entre o desejo e os mecanismos de defesa. Mecanismos de defesa: processos inconscientes realizados pelo ego, ocorrem independentemente da vontade do indivíduo.  Recalque, formação reativa, regressão, projeção, racionalização. 43
  44. 44. ABORDAGENS TEÓRICAS: COGNITIVISMO Importância das crenças e interpretações. Alguns estudiosos acreditam que a causa de problemas humanos encontra-se em crenças irracionais, que levam as pessoas a um estado de não adaptação ao ambiente. Crenças arraigadas desempenham um papel fundamental na maneira de ver o mundo e responder aos estímulos. 44
  45. 45. ABORDAGENS TEÓRICAS: COGNITIVISMO As crenças constituem a base de comparação de que os indivíduos possuem para interpretar os acontecimentos. Muitas crenças, principalmente as ligadas a princípios morais, tornam-se parte do caráter do indivíduo e passam a dirigir seus comportamentos. Há associação direta entre crenças e valores que a pessoa considera como seu e que orientam seus comportamentos. 45 Atuações: mudanças de padrões de pensamentos.
  46. 46. ABORDAGENS TEÓRICAS: ABORDAGEM SISTÊMICA O sistema não é a soma das partes. Para se compreender um sistema, não é suficiente conhecer as partes isoladamente. O que define um sistema é a relação das partes com o todo e do todo com as partes. Capacidade de autoproteção, autoequilíbrio e autocrescimento. Todo sistema possui a capacidade de autocontrole. 46
  47. 47. ABORDAGENS TEÓRICAS: ABORDAGEM SISTÊMICA A noção de contexto é primordial para se compreender a proposta da abordagem sistêmica, que consiste numa maneira de abordar, de ver, de situar, de pensar um problema em relação a seu contexto. Faz com que a situação-problema seja vista de outras maneiras: multicausalidade. É sempre interativa, ensinando as pessoas a perceberem as outras em sua relação com a família, 47 sociedade, valores e crenças.
  48. 48. ABORDAGENS TEÓRICAS: ABORDAGEM SISTÊMICA As pessoas participam de uma rede de relações onde cada pessoa influi e é influenciada pelas demais. Em um sistema, o que acontece com qualquer integrante afeta a todos. O comportamento resultante, visto como um todo, não é a simples soma do comportamento de cada uma das partes. A definição precisa do que seja um sistema inclui a 48 determinação de seus limites, sendo sempre relativa.
  49. 49. ABORDAGEM SISTÊMICA: CARACTERÍSTICAS DE UMSISTEMA O sistema funciona como um todo, com total independência. O comportamento de cada elemento influencia e também sofre influência por parte do todo. Há uma influência recíproca. É importante destacar que só é possível compreender um elemento ou uma das partes do sistema se houver conhecimento acerca do sistema como um todo. 49
  50. 50. VYGOTSKY E A PSICOLOGIA SÓCIO-HISTÓRICA Perspectiva histórico-cultural: homem como constituído e constituidor do meio social no qual encontra-se inserido. Interação do ser Vygotsky humano em seu meio social. Relação entre aprendizagem e desenvolvimento. Zona de desenvolvimento proximal. Impacto no campo educacional. 50
  51. 51. ABORDAGENS TEÓRICAS: SÍNTESE Behaviorismo: comportamento. Gestalt: percepção. Psicanálise: inconsciente. Cognitivismo: crenças. Abordagem sistêmica: sistemas/relações. Abordagem sócio-histórica: interação. 51
  1. Gostou de algum slide específico?

    Recortar slides é uma maneira fácil de colecionar informações para acessar mais tarde.

×