AGRICULTURA DE PRECISÃO NO CONTROLE DE PLANTAS                                            DANINHAS                   PRECI...
Moraes, P.V.D. de et al.          2plants, it is necessary to develop efficient methodologies of weed plants identificatio...
3   Agricultura de precisão...métodos de mapeamento e as perspectivas                   sociedade e aumentando a lucrativi...
Moraes, P.V.D. de et al.      4coletar automaticamente dados relacionados        dados relativos à variabilidade espacial....
5    Agricultura de precisão...         Atualmente, a tomada de decisão de                Por outro lado, devido ao fator ...
Moraes, P.V.D. de et al.      6conclusão      do        mapeamento       esteve   “krigagem”, e se verificou que podem ser...
7    Agricultura de precisão...        O     uso       de      fotografias         aéreas              Vários são os siste...
Moraes, P.V.D. de et al.      8potencialmente       o   uso       de     herbicidas   objetos,      técnica        conheci...
9   Agricultura de precisão...economizar em média 54% do herbicida                demonstraram potencial para o mapeamento...
Moraes, P.V.D. de et al.   10culturas e, potencialmente ofertar uma                         Os principais entraves ao uso ...
11   Agricultura de precisão...        A utilização racional de insumos e a            BARBOUR, L.G.; et al. Terrestrial p...
Moraes, P.V.D. de et al.     12EVERITT, J.H. et al. Using remote-sensing           corn. Computers and Electronics into   ...
13   Agricultura de precisão...LAMM, R.D. et al. Precision weed control              and Electronics in Agriculture, v.30,...
Moraes, P.V.D. de et al.     14de plantas daninhas com fertilidade dos             VILELA, M.F. et al. Mapeamento dasolos....
Upcoming SlideShare
Loading in …5
×

Agricultura de precisão plantas daninhas

1,891 views

Published on

Agricultura de Precisão no Controle de Plantas Daninhas

0 Comments
1 Like
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total views
1,891
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
2
Actions
Shares
0
Downloads
63
Comments
0
Likes
1
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Agricultura de precisão plantas daninhas

  1. 1. AGRICULTURA DE PRECISÃO NO CONTROLE DE PLANTAS DANINHAS PRECISION FARMING IN WEED CONTROL Pedro Valério Dutra de Moraes1; Dirceu Agostinetto2; Leandro Galon1; Rubia Piesanti3 RESUMO A agricultura de precisão vem ocupando espaço no setor agrícola, pela aplicação deinsumos em locais corretos e nas quantidades requeridas, constituindo-se em alternativa pararedução dos custos de produção, diminuição dos problemas ambientais e aumento daprodutividade das culturas. A revisão tem por objetivo descrever a viabilidade de uso, osequipamentos, os métodos utilizados para mapeamento e as perspectivas futuras daagricultura de precisão no controle de plantas daninhas. A adoção da agricultura de precisãono controle de plantas daninhas constitui-se na alternativa à agricultura tradicional, a qualprovoca impactos ambientais e custos desnecessários ao produtor. Para que possa ser utilizadacom sucesso a agricultura de precisão no controle de plantas daninhas, é necessáriodesenvolver metodologias eficientes de identificação de plantas daninhas, treinamento depessoal e redução de custo de implantação.Palavras-chave: Mapeamento, aplicação localizada, herbicidas. ABSTRACT Precision farming is being used in the agriculture sector, through the correct localapplication of agricultural inputs and in the recommended amounts, being the alternative forreduction in costs of production, environment problems decrease and increase in cropproductivity. The objective of this review is to describe the viability of the use of precisionfarming, the equipments, the methods used for mapping and the future perspectives ofprecision farming in weed control. The adoption of precision farming in weed plants controlconsists in the alternative to traditional farming, which causes environmental impacts andunnecessary costs to the farmer. To successfully use precision farming in the control of weed1. Eng. Agr. Aluno do Programa de Pós-graduação/FAEM/UFPel. E-mail: pvdmoraes@ig.com.br2. Eng. Agr. Dr. Professor do Departamento de Fitossanidade da FAEM/UFPel, bolsista do CNPQ.3. Bióloga .Aluna do Programa de Pós-graduação/FAEM/UFPel. Pelotas/RS Revista da FZVA. Uruguaiana, v.15, n.1, p. 01-14. 2008
  2. 2. Moraes, P.V.D. de et al. 2plants, it is necessary to develop efficient methodologies of weed plants identification,training of workers and reduction in implantation cost.Key words: mapping, localized application, herbicides países como a Holanda e Dinamarca,INTRODUÇÃO estabelece metas para o produtor controlar A agricultura de precisão (AP) pode os níveis de insumos adicionados ao soloser definida como um sistema de (EMBRAPA, 2001). No final do séculogerenciamento da produção com base na XX, novas tecnologias, comovariabilidade espacial e temporal da lavoura computadores, satélites, programas dee visa a otimização do lucro, maior sistemas de informações geográficas (SIG),sustentabilidade e conseqüentemente sensores e outros conjuntos de ferramentasredução da agressão do meio ambiente em e técnicas de produção, tornaram-sefunção do uso mais racional dos insumos disponíveis para uso na agricultura, já que(GOEL et al., 2003). A AP engloba foram idealizados para outros finstecnologias e novos conhecimentos de (SHIRATSUCHI, 2001; JURADO-informática, eletrônica, geoprocessamento, EXPÓSITO et al., 2003).entre outros (TSCHIEDEL & FERREIRA, O conceito de gerenciamento2002). Pode ser definida como uma nova localizado de culturas pode ser estendidotecnologia que esta causando revolução na para o monitoramento de outras operaçõesagricultura convencional (BAIO et al, 2001) que não são necessariamente aquelas dee que contempla a aplicação da informação levantamento de mapas de fertilidade detecnológica aos processos produtivos solos, aplicações localizadas de fertilizantes(SANTOS et al., 2003). ou monitoramento de operações de colheita Por muito tempo o conhecimento (BALASTREIRE & BAIO, 2001; BAIO etdetalhado em AP foi inacessível ou al., 2001), mas também para mapeamento eproibitivamente caro para adquirir. Avanços controle de plantas daninhas, comem eletrônica, comunicações e programas pulverizações localizadas através decomputacionais, durante as últimas décadas, equipamentos de mapeamento ou detêm removido alguns destes impedimentos sistemas em tempo real e assim,(SCHMOLDT, 2001). racionalizar o uso de agrotóxicos e também A prática de AP não é recente, minimizar danos ao meio ambiente.nasceu na Europa decorrente da O objetivo desta revisão é descreverpreocupação ambiental. A legislação de a viabilidade de uso, os equipamentos, os Revista da FZVA. Uruguaiana, v.15, n.1, p. 01-14. 2008
  3. 3. 3 Agricultura de precisão...métodos de mapeamento e as perspectivas sociedade e aumentando a lucratividade dafuturas da AP no controle de plantas produção.daninhas. Equipamentos Para Implantação da APUtilização da AP no Controle de Plantas Uma das principais tarefas da AP éDaninhas monitorar as condições de crescimento das Um dos maiores custos da produção plantas, para que os insumos sejamagrícola esta relacionada à aplicação de aplicados nos locais corretos e nasagrotóxicos, sendo normalmente quantidades adequadas (ANDERSEN et al.,recomendados doses superiores às 2005; BALASTREIRE & BAIO, 2001).necessárias, para o controle eficiente de Alguns equipamentos utilizados napragas, doenças e plantas daninhas, o que AP têm por finalidade a melhoria dasalém de aumentar os custos de produção condições operacionais (BAIO et al., 2001)pode causar sérios danos aos recursos fazendo-se necessário a utilização intensivanaturais (DAINESE et al., 2004). do sistema de posicionamento global (GPS) A solução hoje utilizada é enfocar (STABILE & BALASTREIRE, 2006),grandes áreas e entendê-las como sistema de posicionamento globalhomogêneas, considerando a necessidade diferencial (DGPS), sistema de informaçõesmédia para a aplicação dos insumos, geográficas (SIG) e sensoriamento, o quetornando, por exemplo, a mesma permite coleta automática de dadosformulação e dose aplicável em toda área georeferenciados e sendo posteriormente(EMBRAPA, 2001). Ao contrário, a AP utilizados na aplicação localizada dosenfoca a variabilidade espacial e temporal insumos (SHIRATSUCHI, 2001;dos requerimentos de aplicação de insumos DAINESE et al., 2004). Os autores relatamdurante todo processo produtivo (GOEL et que a AP permite construir bancos de dadosal., 2003). espaciais e temporais visando à otimização O uso da AP permite a aplicação de da utilização dos insumos e uso racional daherbicidas, restritos às necessidades terra, com conseqüente redução de custos eespecíficas, e em taxas variáveis evitando impactos ambientais.excessos, tornando a agricultura A AP está intimamente associada aoambientalmente mais correta, colaborando uso do GPS, o qual é conectado a sensorescom a crescente preocupação ambiental da eletrônicos que identificam as áreas de maior e menor produtividade, além de Revista da FZVA. Uruguaiana, v.15, n.1, p. 01-14. 2008
  4. 4. Moraes, P.V.D. de et al. 4coletar automaticamente dados relacionados dados relativos à variabilidade espacial. Naa disponibilidade de nutrientes, pH do solo, medida em que os dados são coletados,população de plantas daninhas, entre outros, cada parâmetro pode ser tratado como umasendo a área dividida em partes, num camada separada de informação. O SIGprocesso conhecido como “grid” oferece a possibilidade de se executar(EMPREENDEDOR, 2003). A idéia é operações aritméticas e lógicas por meio datratar cada metro quadrado da propriedade sobreposição da informação contida emde maneira personalizada, corrigir os diferentes camadas. Cada conjunto de dadosfatores limitantes da produção, e tornar a é agrupado em mapas, como por exemplo, olavoura mais uniforme possível. Para que se mapa da fertilidade do solo, pragas, plantaspossa utilizar um GPS para fins de AP, é daninhas, doenças, etc. e assim pode sernecessário que esse tenha acuraria de, no feitas comparações entre vários mapas,mínimo, dois metros, sendo essa suficiente possibilitando desta maneira o melhorpara a maioria das aplicações; em algumas entendimento do sistema de produçãoaplicações agrícolas, pode ser necessário agrícola (SHIRATSUCHI, 2001).acuraria maior (STABILE & O sensoriamento remoto é a técnicaBALASTREIRE, 2006). de coleta de informação à distância O DGPS é outro equipamento que (HENRY et al., 2004). O sensoriamentopode ser utilizado em veículo de campo, tem sido avaliado para distinção deequipado com um acessório chamado de espécies, ou grupo de espécies, de plantasbarra de luz, que tem como propósito daninhas partindo da premissa que cadadiminuir a sobreposição entre passadas espécie possui certas características queconsecutivas e otimizar a eficiência da podem ser utilizadas para diferenciá-la deoperação agrícola (BAIO et al., 2001). Os outra, geralmente forma, tamanho eautores observaram que a aplicação de refletância da folha (EVERITT et al., 1992;agrotóxicos, utilizando barra de luz e BROWN et al., 1994; VILELA et al.,DGPS, apresenta elevada acerácea para o 2006). A grande maioria dos mapas édirecionamento do pulverizador, alta obtida por meio de imagens de fotografiasadaptação dos operadores a nova aéreas, radar aéreo ou imagem de satélite.tecnologia, devido a facilidade operacional Métodos de Mapeamento de Plantasem relação ao marcador de espuma. Daninhas O SIG permite a armazenagem,processamento, análise e sintetização de Revista da FZVA. Uruguaiana, v.15, n.1, p. 01-14. 2008
  5. 5. 5 Agricultura de precisão... Atualmente, a tomada de decisão de Por outro lado, devido ao fator de escalacontrole de plantas daninhas, baseia-se em econômica, deve ser uma metodologia queavaliações visuais da necessidade de possa ser aplicada em áreas extensascontrole (VOLL, et al., 2003). Porém, sua (BALASTREIRE & BAIO, 2001). Assim,subjetividade impede uma precisa o mapeamento, em relação à aplicação dorecomendação de controle das plantas herbicida, pode ser prévio ou em tempodaninhas. real. Estudos têm mostrado que a Mapeamento prévioinfestação das plantas daninhasnormalmente não ocorre de modo uniforme O mapeamento prévio da infestaçãonas áreas agrícolas, sendo que muitas destas (reboleiras) de plantas daninhas pode serespécies estão agregadas ou freqüentemente realizado durante a colheita da culturaocorrem em “reboleiras” de diversas (SHIRATSUCHI et al., 2004). Durante opopulações (SHIRATSUCHI, 2001; deslocamento da colhedora, equipada comCHRISTENSEN, et al., 2003; monitor de produtividade e GPS, oSHIRATSUCHI et al., 2005). operador faz marcações quando entra e sai A habilidade de descrever e mapear das “reboleiras” de plantas daninhas,a distribuição espacial das plantas daninhas gerando um mapa de infestação da áreaé o primeiro passo para a determinação da (SHIRATSUCHI, 2001). Segundo o autor,melhor metodologia para a aplicação a metodologia para mapear plantaslocalizada de herbicidas (BAIO & daninhas durante a colheita é atualmente aBALASTREIRE, 2001; GARIBAY et al., mais utilizada, pois aproveita a operação da2001). colheita para a realização do mapeamento. A metodologia para o mapeamento O mapeamento de plantas daninhasde plantas daninhas, para posterior pode ser realizado contornando asaplicação localizada de herbicidas, deve “reboleiras” formadas pelas plantasproporcionar um mapeamento rápido, daninhas, com um veículo equipado comdevido ao dinamismo das suas populações. DGPS (BALASTREIRE & BAIO, 2001).Além disso, deve ser simples, facilitando a Segundo os autores, a metodologiaexecução do mapeamento, havendo um mostrou-se adequada às condiçõesperíodo ideal para a sua execução, levando- analisadas, onde se podem obter mapas dese em consideração o momento da plantas daninhas para a aplicação localizadarealização do controle das plantas daninhas. de herbicidas, sendo que o tempo para Revista da FZVA. Uruguaiana, v.15, n.1, p. 01-14. 2008
  6. 6. Moraes, P.V.D. de et al. 6conclusão do mapeamento esteve “krigagem”, e se verificou que podem serdiretamente relacionado a complexidade da utilizados mapas de solo como subsídiodistribuição das plantas daninhas. para a geração de mapas de banco de Outro método utilizado, porém sementes, assim como o inverso também émuito demorado e trabalhoso para ser verdadeiro (SHIRATSUCHI et al., 2005).realizado em grandes áreas, é a divisão da Através deste mesmo método, REW et alárea agrícola em quadrículos ou em (2001) estimaram populações de plantaspequenas células de amostragem daninhas para posterior controle. Ainda(Krigagem) gerando uma grade pré- para o controle de Convolvulus arvensis L.determinada e georeferenciada onde são técnicas geoestatística e mapas defeitas amostragens sistemáticas sobre a populações obtidos por “Krigagem”, foramcomunidade de plantas daninhas, gerando usados para estimar a porcentagem dedesta forma uma amostra que represente cobertura para aplicação em localuma subárea (SHIRATSUCHI, 2001). especifico e com isso consegui-se reduzirSendo posteriormente convertidas em um em 81% o custo do herbicida (JURADO-mapa de infestação de plantas daninhas. EXPÓSITO et al., 2004). No mapeamento de plantas daninhas Características espectrais de ramos epelo método de amostragem em grade, a folhas de várias culturas e plantas daninhasdefinição da área mínima de amostragem foram estudadas usando espectrômetro, quedentro da grade amostral é definida como através de características de comprimentosendo a área onde a composição de espécies de onda e sensores óticos formam índicesda comunidade de plantas daninhas em baseados na coloração e contribuem para oestudo é satisfatoriamente representada modelo de classificação para detecção de(BARBOUR et al., 1987). Áreas mínimas plantas daninhas (WANG, et al., 2001).amostrais para a realização do mapeamento Estes autores relatam ainda que a utilizaçãodas plantas daninhas foram realizadas de características espectrais de culturas eutilizando quadrados de 0,06 m2 a 0,38 m2 plantas daninhas usando espectrômetro,(GEHARDS et al., 1996). onde os comprimentos de onda serviram Com intenção de identificar possível como bases para diferenciar cultura dacorrelação entre banco de sementes de planta daninha, mostraram que o sensorplantas daninhas e atributos de fertilidade identificou trigo, solo ou plantas daninhas,dos solos foi realizada amostragem com taxas de classificação de 100, 100, ougeoreferenciada por GPS através de 72%, respectivamente. Revista da FZVA. Uruguaiana, v.15, n.1, p. 01-14. 2008
  7. 7. 7 Agricultura de precisão... O uso de fotografias aéreas Vários são os sistemas que usamproporciona alta resolução espectral e refletância espectral, câmeras com imagensespacial e também distorções relacionadas a digitais, como: as câmeras de vídeos;projeções cônicas, ao posicionamento da câmara de iluminação; imagens múltiplasaeronave e ao relevo da superfície terrestre. de vídeo; visão computadorizada; imagensComo conseqüência, os objetos não digitais de pequeno formato; e, imagensaparecem na fotografia em suas posições digitais multispectral e sensoriamentoreais, acarretando variações de escala remoto. Como vantagem, apresenta maior(CARVER, 1988). A coleta de imagens rapidez na aplicação do herbicida, nãoaéreas para identificação de manchas de necessita de mapeamento prévio, consideraplantas daninhas pode ser realizada a partir a população estabelecida e possui facilidadede inúmeras plataformas, como de mapeamento para planejamento deaeromodelos radiocontrolados, pequenas futuras aplicações (SHIRATSUCHI, 2001).aeronaves e balões. As fotografias aéreas As limitações do método consistem decompuseram um mosaico insuficiente sensibilidade dos sensores, altoaerofotogramétrico que foi georeferenciado custo de equipamentos e necessidade dee classificado, gerando um mapa de constante calibração em função dasdistribuição de plantas daninhas com variações das características das superfíciesexatidão de 88% (VILELA et al., 2006). de aplicação (ANTUNIASSI, 2002). O princípio da refletância espectralMapeamento em tempo real se baseia na luz vermelha que é absorvida Sistemas visuais de imagens têm pela clorofila da planta em contraste com acomo propósito facilitar aplicações proporção de luz infravermelha próximoagrícolas através de informações precisas que é refletida (SCOTFORD & MILLER,sobre as condições de solo, resíduo de 2005). Os autores relatam ainda que acobertura, doenças de plantas, identificação maioria das medidas usadas parae população de espécies e estatura de comprimento de onda visível varia entreplantas (HEMMING & RATH, 2001). 400-700 nm e regiões do infravermelho Na aplicação localizada em tempo próximo 700-2500 nm do espectroreal, a pulverização é baseada em sensores eletromagnético. Técnicas de refletânciasacoplados ao pulverizador que detectam a espectrais podem ser utilizadas paraplanta daninha, acionando a pulverização detecção e identificação de plantas(ANTUNIASSI, 2002). daninhas, e com isso diminuir Revista da FZVA. Uruguaiana, v.15, n.1, p. 01-14. 2008
  8. 8. Moraes, P.V.D. de et al. 8potencialmente o uso de herbicidas objetos, técnica conhecida como(SCOTFORD & MILLER, 2005). Um segmentação por limiarização.sistema em tempo real, para distinguir O uso de visão computadorizadacultura de plantas daninhas, baseado em para estimar automaticamente o número dereflexo multi-espectrográfico juntamente plantas da cultura e de plantas daninhas écom uma imagem espectrográfica foi outro método que pode ser utilizado, ondedescrito por FEYAERTS & GOOL (2001). as imagens são adquiridas com uso deEm condições de campo, a metodologia do câmara de vídeo acoplada a um trator oureflexo multi-espectrográfico com imagem outra máquina, permitindo o mapeamentoespectrográfica, classificou corretamente em tempo real no campo (TILLETT et al.,80% da cultura e 91% de plantas daninhas, 2001).promovendo uma redução de até 90% na Um sistema de real-tempo comdose herbicida. câmara de iluminação, desenvolvido para Câmeras digitais podem ser usadas controle de plantas daninhas em algodão,conjuntamente com GPS, em processos de foi capaz de distinguir as plantas daninhas“crop scouting” para ajudar em das plantas de algodão e permitiu realizardiagnósticos e no manejo de áreas (REETZ uma única aplicação herbicida. O sistemaJr., 1998). As principais características aplicou corretamente em 88.8% das plantasdestes sistemas são a reprodutividade, a daninhas e não aplicou em 78.7% daspossibilidade de se operar em praticamente plantas de algodão na velocidade de 0.45 mem todo o espectro de radiações s-1 (LAMM et al., 2002).eletromagnéticas e a capacidade de medir Um pulverizador com sensores eobjetivamente a cor dos objetos imagens múltiplas de vídeo, foi(MARQUES FILHO & VIEIRA NETO, desenvolvido e testado, com o objetivo de1999). Esses sistemas se constituem calcular a população e o tamanho dasbasicamente de uma câmera conectada a um plantas daninhas para realizar a aplicaçãocomputador por meio de uma placa de localizada do herbicida, e assim reduzir aaquisição de vídeo e de programas aplicação na cultura do milho e soja. Com ocomputacionais específicos de sistema, foi reduzida em 48% a aplicaçãoprocessamento de imagens (SENA Jr. et al., do herbicida nessas culturas (TIAN et al.,2003). Estes autores relataram que neste 1999). Através de um pulverizadorsistema é importante a subdivisão da equipado com GPS para aplicação em localimagem em suas partes constituintes ou específico, pode-se em quatro anos Revista da FZVA. Uruguaiana, v.15, n.1, p. 01-14. 2008
  9. 9. 9 Agricultura de precisão...economizar em média 54% do herbicida demonstraram potencial para o mapeamentoutilizado. A economia de herbicida foi de plantas daninhas, revelando serfortemente dependente da cultura e ano. As importante em processos de tomada deeconomias eram 90% em cereais de decisão, devido principalmente a reduçãoinverno, 78% em milho, e 36% em de custos, trânsito de máquinas,beterraba açucareira. Para plantas daninhas compactação de solo e impacto comdicotiledôneas, foram economizadas 60% agrotóxicos no meio ambiente.em cereais de inverno, 11% em milho, e A detecção de espécies de plantas41% em beterraba açucareira daninhas em soja através de imagens(TIMMERMANN et al., 2003). digitais multispectral foi utilizada por Técnicas de visão computadorizadas GIBSON et al. (2004) e baseou-se em doisoferecem a vantagem de permitir análise da critérios: presença ou ausência de plantascultura em uma simples escala de plantas. daninhas e identificação individual daANDERSEN et al. (2005) investigaram o espécie. Este método mostrou que temuso potencial da visão estéreo binocular potencial para detecção de plantas daninhastridimensional (3-D) para análise de plantas na cultura da soja, particularmente quandoindividuais e estimação de atributos o manejo das plantas daninhas não requergeométricos como estatura de plantas e área diferenciação sobre as espécies daninhas.foliar e em condições de laboratório testes O sensoriamento remoto, através deforam conduzidos com plântulas de trigo e imagens obtidas por satélites, apesar de jáos resultados mostraram que estatura e área possuir precisão razoável para uma partefoliar das plantas podem ser estimadas pelo das necessidades da AP, ainda sãométodo proposto. deficientes com respeito ao tempo A incidência espacial de plantas transcorrido entre a passagem do satélite e odaninhas do milho em seu estádio inicial de resultado interpretado da imagem, que hojedesenvolvimento foi avaliada por meio de é aproximadamente de dois meses. Espera-identificação por redes neurais, com base se que com entrada em funcionamento deno reconhecimento de seus padrões por satélites comerciais tenham-se imagens commeio de imagens digitais de pequeno maior precisão e interpretadas num tempoformato, adquiridas por aeromodelo, a fim máximo de uma semana.de serem recomendadas aplicações em taxa O sensoriamento remoto pode servariada de herbicidas (DAINESE et al., utilizado como uma técnica promissora para2004). Através da metodologia os autores identificar e mapear plantas daninhas e Revista da FZVA. Uruguaiana, v.15, n.1, p. 01-14. 2008
  10. 10. Moraes, P.V.D. de et al. 10culturas e, potencialmente ofertar uma Os principais entraves ao uso da APsolução no manejo de plantas daninhas, isto referem-se ao alto custo da implantação, aoé, habilidade para gerar pontualidade e desenvolvimento de metodologias eficienteprecisão no controle de plantas daninhas de identificação de plantas daninhas e a(LAMB & BROWN, 2001; GOEL et al., formação de recursos humanos treinados2003). para corresponder a alta tecnologia A utilização de imagens de satélites utilizada.permitiu localizar áreas com infestação de Parcerias e formação de consórciosplantas aquáticas superficialmente e de empresas públicas e privadas, comsubmersas (VELINI et al., 2006). envolvimento de órgãos de pesquisa ePosteriormente e com o uso de DGPS, produtores, sem dúvida, devem se tornarcomputador portátil e registradores de num futuro próximo, a melhor forma deinformação podem-se desenvolver um gerar avanços rápidos na AP no Brasil.sistema de navegação para orientar a Ainda, a motivação para adoção damáquina coletora, que realiza o trabalho de tecnologia de AP pode vir da aplicação decoleta com maior precisão. rígidas legislações ambientais, preocupação pública pelo uso excessivo dePerspectivas Futuras da Utilização da AP agroquímicos, e reduzido ganho econômicono Controle de Plantas Daninhas com os cultivos e melhoria no manejo da As perspectivas futuras para a propriedade agrícola (ZHANG et al., 2002).utilização da AP no Brasil para o controlede plantas daninhas são promissoras. A CONSIDERAÇÕES FINAISmedida que se realizem estudos que A adoção da AP no controle deintegram as várias áreas de conhecimento plantas daninhas constitui-se em umaenvolvidas surgem equipamentos mais alternativa a agricultura tradicional, quebaratos e com tecnologia compatível com as atualmente provoca impactos ambientais eimportadas, garantindo menor custo. custos desnecessários ao produtor. A AP é um método promissor, e que O elevado custo de implantação, ajá vem sendo adotado por alguns falta de metodologias eficiente deprodutores. A utilização racional de identificação de plantas daninhas, deinsumos e a redução dos custos de produção pessoal treinado e de informação dassão os principais estímulos ao uso desta vantagens da AP, são os principais fatorestecnologia. que limitam a sua expansão. Revista da FZVA. Uruguaiana, v.15, n.1, p. 01-14. 2008
  11. 11. 11 Agricultura de precisão... A utilização racional de insumos e a BARBOUR, L.G.; et al. Terrestrial plantredução dos custos de produção são os ecology. Menlo park: Theprincipais estímulos ao uso da AP. Benjamim/Cummings, 1987. 634p.REFERÊNCIAS BROWN, R.B.; et al. Remote-sensing forANDERSEN, H.J. et al. Geimetric plant identification of weeds in no till corn.properties by relaxed stereo vision using Transactions of the Asae, v.37, n.1, p.297-simulated annealing. Computers and 302, 1994.Eletronics in Agriculture, v.49, n.2,p.219-232, 2005. CARVER, A.J. Fotografias aéreas para planejadores de uso da terra. Trad. RuthANTUNIASSI, U.R. Agricultura de Ferraz Amaral. Brasília:Precisão: precisão na aplicação para MA/SNAP/SRN/CCSA, 1988. 77p.controle de plantas daninhas. In:SEMINÁRIO NACIONAL SOBRE CHRISTENSEN, S. et al. A decisionPLANTAS DANINHAS, 3, 2002, Passo algorithm for patch spraying. WeedFundo. Resumos... Passo Fundo. p.53, Research, v.43, n.4, p.276-284, 2003.2002. DAINESE, R.C. et al. Avaliação daBAIO, F.H.R. et al. Avaliação da acuraria incidência de plantas invasoras por meio dede uma barra de luz utilizada na Agricultura segmentação de imagens e redes neurais.de Precisão, em relação ao marcador de In: CONGRESSO BRASILEIRO DE AP,espuma. Revista Brasileira Engenharia 2004, Piracicaba. Resumos...Agrícola Ambiental, v.5, n.2, p.357-360, Piracicaba/SP: ESALQ/USP, 2004, 14 p.2001. EMBRAPA, 2001 - Disponível em:BALASTREIRE, L.A.; BAIO, F.H.R. www.portaldoagronegocio.com.br.Avaliação de uma metodologia pratica para Acessado em: 04 set. 2005.o mapeamento de plantas daninhas. RevistaBrasileira Engenharia Agrícola EMPREENDEDOR – Disponível em:Ambiental, v.5, n.2, p.349-352, 2001. www.empreendedor.com.br. Acessado em: 04 set. 2005. Revista da FZVA. Uruguaiana, v.15, n.1, p. 01-14. 2008
  12. 12. Moraes, P.V.D. de et al. 12EVERITT, J.H. et al. Using remote-sensing corn. Computers and Electronics into distinguish common (Isocoma Agriculture, v.38, n.2, p.99-124, 2003.coronopifolia) and Drummond Goldenweed(Iscoma drummondi). Weed Science, v.40, HEMMING, J.; RATH, T. Computer-n.4, p.423-428, 1992. vision-based weed identification under field conditions using controlled lighting.FEYAERTS, F.; GOOL L.V. Multi-spectral Journal Agricultural Engineeringvision system for weed detection. Pattern Research, v.78, n.3, p.233-243, 2001.Recognition Letters, v.22, n.6-7, p.667-674, 2001. HENRY, W.B. et al. Remote sensing to distinguish soybean from weeds afterGARIBAY, S.V. et al. Extent and herbicide application. Weed Technology,implications of weed spatial variability in v.18, n.3, p.594-604, 2004.arable crop fields. Plant ProductionScience, v.4, n.4, p.259-269, 2001. JURADO-EXPÓSITO, M. et al. Discrimination of weed seedlings, wheatGERHARDS, R. et al. Spatial Stability of (Triticum aestivium) stubble and sunflowerweed patches in agricultural fields. In: THE (Helianthus annuus) by near-infraredINTERNATIONAL CONFERENCE ON reflectance spectroscopy (NIRS). CropPRECISION AGRICULTURE, 3, Protection, v.22, n.10, p.1177-1180, 2003.Minneapolis, 1999. Proccedings,Wisconsin: ASA, CSSA, SSSA. 1996. JURADO-EXPÓSITO, M. et al. Spatialp.495-504. and temporal analysis of Convolvulus arvensis L. populations over four growingGIBSON, K.D. et al. Detection of weed season. European Journal of Agronomy,species in soybean using multispectral v.21, n.3, p.287-296, 2004.digital images. Weed Technology, v.18,n.3, p.742-749, 2004. LAMB, D.W.; BROWN, R.B. Remote- sensing and mapping of weed in crops.GOEL, P.K. et al. Potential of airborne Journal Agricultural Engineeringhyper spectral remote sensing to detect Research, v.78, n.2, p.117-125, 2001.nitrogen deficiency and weed infestation in Revista da FZVA. Uruguaiana, v.15, n.1, p. 01-14. 2008
  13. 13. 13 Agricultura de precisão...LAMM, R.D. et al. Precision weed control and Electronics in Agriculture, v.30, n.1-system for cotton. American Society of 3, p.5-7, 2001.Agricultural and Biological Engineers,v.45, n.1, p.231-238, 2002. SCOTFORD, I.M.; MILLER, P.C.H. Applications of spectral techniques inWANG, N. et al. Design of an optical weed northern European cereal production: asensor using plant spectral characteristics. review. Biosystems Engineering, v.90, n.3,American Society of Agricultural and p.235-250, 2005.Biological Engineers, v.44, n.2, p.409-419,2001. SENA Jr., D.G. et al. Avaliação de métodos automáticos de limiarização para imagensMARQUES FILHO, O.; VIEIRA NETO, de plantas de milho atacadas porH. Processamento digital de imagens. Rio Spodoptera frugiperda. Revista Brasileirade Janeiro: Brasport, 1999, 406 p. Engenharia Agrícola Ambiental, v.7, n.2, p.359-366, 2003.REETZ Jr., H.F. Digital cameras – a newdiagnostic/record tool. Better crops SHIRATSUCHI, L.S. Mapeamento danorcross, v. 82, n.1, p.27, 1998. variabilidade espacial das plantas daninhas com a utilização deREW, L J. et al. Does kriging predict weed ferramentas da agricultura de precisão.distributions accurately enough for site- Piracicaba: Escola Superior de Agriculturaspecific weed control? Weed Research, “Luiz de Queiroz”, 2001. 96p. Dissertaçãov.41, n.3, p.245, 2001. (Mestrado em Fitotecnia) – Universidade de São Paulo, 2001.SANTOS, A.O. et al. Prospecção de zonaspotenciais para o manejo diferenciado em SHIRATSUCHI, L.S. et al. Mapeamento daagricultura de precisão utilizando-se distribuição espacial da infestação depadrões de solo-planta-clima. Revista Panicum maximum durante a colheita daBrasileira Engenharia Agrícola cultura de milho. Planta Daninha, v.22,Ambiental, v.7, n.3, p.463-468, 2003. n.2, p.269-274, 2004.SCHMOLDT, D.L. Precision agriculture SHIRATSUCHI, L.S. et al. Correlação daand information technology. Computers distribuição espacial do banco de sementes Revista da FZVA. Uruguaiana, v.15, n.1, p. 01-14. 2008
  14. 14. Moraes, P.V.D. de et al. 14de plantas daninhas com fertilidade dos VILELA, M.F. et al. Mapeamento dasolos. Planta Daninha, v.23, n.3, p.429- distribuição espacial de plantas daninhas no436, 2005. sistema milho-soja por meio de fotografias aéreas não convencionais. In:STABILE, M.C.C. BALASTREIRE, L.A. CONGRESSO BRASILEIRO DEComparação de três receptores GPS para CIÊNCIA DAS PLANTAS DANINHAS,uso em agricultura de precisão. 25, 2006, Brasília, CD...Embrapa Cerrado,Engenharia Agrícola, v.26, n.1, p.215- 2006. 4p.223, 2006. VELINI, E.D. et al. Desenvolvimento deTIAN, L. et al. Development of a precision programa de monitoramento e manejo desprayer for site-specific weed management. plantas aquáticas submersas no Brasil. In:American Society of Agricultural and CONGRESSO BRASILEIRO DEBiological Engineers, v.42, n.4, p.893-900, CIÊNCIA DAS PLANTAS DANINHAS,1999. 25, 2006, Brasília, CD...Botucatu: Unesp, 2006 a. 4p.TILLETT, N.D. et al. A field assessment ofa potential method for weed and crop VOLL, E. et al. Amostragem do banco demapping on the basis of crop planting sementes da flora emergente de plantasgeometry. Computers and Electronics in daninhas. Pesquisa AgropecuáriaAgriculture, v.32, n.3, p.229-246, 2001. Brasileira, v.38, n.2, p.211-218, 2003.TIMMERMANN, C. et al. The economic ZHANG, N. et al. Precision agriculture – aimpact of site-specific weed control. Plant worldwide overview. Computers andProduction Science, v.4, n.3, p.249-260, Eletronics in Agriculture, v.36, n.1,2003. p.113-132, 2002.TSCHIEDEL, M.; FERREIRA, M.F.Introdução à agricultura de precisão:conceitos e vantagens. Ciência Rural, v.32,n.1, p.1-9, 2002. Revista da FZVA. Uruguaiana, v.15, n.1, p. 01-14. 2008

×