Seqdidaticas ef alfa

  • 12,476 views
Uploaded on

 

More in: Education
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Be the first to comment
No Downloads

Views

Total Views
12,476
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
10

Actions

Shares
Downloads
352
Comments
0
Likes
5

Embeds 0

No embeds

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
    No notes for slide

Transcript

  • 1. Sequência Didática ISequência Didática ISequência Didática ISequência Didática I1111 Competências:Competências:Competências:Competências: • Ampliar a competência comunicativa dos estudantes. • Utilizar diferentes linguagens e diferentes tipologias textuais. • Interatuar com dados, argumentos, fatos e informações contidos em diferentes textos. Habilidades:Habilidades:Habilidades:Habilidades: • Interpretar textos orais a partir de histórias ouvidas e gravuras. • Expressar-se oralmente com clareza e objetividade. • Identificar aspectos sonoros da língua. • Conhecer o alfabeto e a representação escrita de cada letra identificando-as na formação das palavras. • Ler, e reconhecer, textos variados e diferentes gêneros. • Produzir textos de vários gêneros, obedecendo às estruturas e os mecanismos de articulação da língua. • Reescrever textos lidos e ouvidos identificando os diferentes tipos de letra. Conteúdos:Conteúdos:Conteúdos:Conteúdos: • Atividades reflexivas de produção textual – reescrita e autocorreção de texto. • Estrutura e articulação do texto – segmentação das palavras no texto, letra maiúscula e minúscula, pontuação, paragrafação, margem e separação de palavras. • Produção de diversos gêneros textuais. PontoPontoPontoPontossss de contato:de contato:de contato:de contato: Ciências, Geografia, Matemática e Arte. Tempo de duração: 5 aulasTempo de duração: 5 aulasTempo de duração: 5 aulasTempo de duração: 5 aulas Conversando sobre...Conversando sobre...Conversando sobre...Conversando sobre... A escolha de bons textos é uma prática que deve estar presente no planejamento, pois facilitará o ensino da leitura e a exploração de conteúdos. Cada texto deve contemplar características básicas, como intencionalidade (estar carregado de significação) e interlocução (possuir linguagem adequada ao leitor- interlocutor, ou seja, propiciar entendimento). Momentos de leMomentos de leMomentos de leMomentos de leitura devem ser contempladitura devem ser contempladitura devem ser contempladitura devem ser contemplados diaos diaos diaos diariamente.riamente.riamente.riamente. 1 Regional Vila Velha: Oficineira: Maria Paixão Fracalossi. Professores: Lourdes Machado Cavalieri, Tercília dos Santos Gonçalves, Cremilda antunes Damasceno, Iva Maria de Souza Breda e Sônia Maria Sardi Beninca.
  • 2. Leitura da poesia Confusão no Jardim, realizada pela professora, com a visualização do texto escrito em um cartaz. Confusão no JardimConfusão no JardimConfusão no JardimConfusão no Jardim Uma estrelinha Caiu no meu jardim, Lá no meio do capim Se caiu do céu agora, Terá sido pouca cola? Quem será que mora Neste pedacinho de aurora? O sapo gordo Parou o seu coaxado E foi pulando Para ver o seu achado. O gato preto De susto ficou duro, Saiu correndo, Saltando pelo muro. Dona Barata Aprontou um sururu, Saiu gritando: - É fogo, é fogo no bambu! O grilo manco Calou o seu trilado, E foi saltando, Assim meio de lado. Uma estrelinha Caiu lá no canteiro, Piscando o tempo inteiro. Vejam como é brilhante Este corpo celeste! Se caiu do manto da noite, Despregou-se da sua veste? O caramujo Do sono despertou, Pensando alegre: - O dia já raiou! O vaga-lume Acendendo a lanterna: - Meu Deus do céu, Que será essa baderna? A mariposa Achou muita graça: - Ó minha gente, Estrela com fumaça? Mas a formiga Desfez a confusão: - É só a brasa Do charuto do João! 1ª aula1ª aula1ª aula1ª aula
  • 3. Vamos conhecer um pouco sobreVamos conhecer um pouco sobreVamos conhecer um pouco sobreVamos conhecer um pouco sobre o autor da poesia?o autor da poesia?o autor da poesia?o autor da poesia? Ferruccio Verdolin FilhoFerruccio Verdolin FilhoFerruccio Verdolin FilhoFerruccio Verdolin Filho nasceu em Barão de Cocais, MG, em 1960. Reside em Belo Horizonte desde 1974. Desenvolve atividades como artista plástico, escritor e ator. Formado pela Escola de Belas Artes da UFMG, tem passagem por alguns dos salões de arte mais importantes do país. Estreou em literatura publicando poemas no Suplemento Literário do Estado de Minas, onde colaborou durante anos. Tem livros infantis e infanto-juvenis publicados por várias editoras. Como ator, trabalhou ao lado dos mais expressivos nomes das artes cênicas em Minas, realizando, ainda, trabalhos para vídeo e para cinema. Aproveite a apresentação do texto escrito para visualizar várias situações de leitura com a turma. A leitura visa à busca de informações e à necessidade da leitura fluente para a compreensão do que foi lido, assim como ao ritmo e entonação adequadas ao gênero. Conversando sobre a poesiaConversando sobre a poesiaConversando sobre a poesiaConversando sobre a poesia Distribua uma cópia do texto para cada estudante. Leia o texto com ritmo, fluência e entonação e solicite que os estudantes o leiam juntos em voz alta. Leia, apontando palavra por palavra, chamando a atenção da turma para: título, direção da escrita, espaçamento entre as palavras e a organização das idéias. Leia novamente, questionando: quais palavras não são conhecidas no texto? (usar dicionário) neste texto, há perguntas ou só há afirmações? o texto informa alguma coisa? qual é a intenção deste texto? É divertido? É rimado? vocês já leram algum texto como este anteriormente? (do mesmo gênero) Organize com a turma um caderno para registro coletivo de palavras novas e seus significados à medida que forem contextualizados. Pergunte aos estudantes sobre o assunto tratado. Proponha a representação individual por meio de desenhos e exponha-os devidamente identificados.
  • 4. Atividade em grupoAtividade em grupoAtividade em grupoAtividade em grupo Organize a turma em grupos. peça para os alunos localizarem no texto “Confusão no Jardim” as palavras que apresentam finais semelhantes (rimas). circular no texto o nome dos animais. fazer reescrita do texto. Atividade integrada à disciplina de ArteAtividade integrada à disciplina de ArteAtividade integrada à disciplina de ArteAtividade integrada à disciplina de Arte Organize com os alunos um jogral utilizando a poesia “Confusão no Jardim” e proponha uma dramatização com a imitação dos animais que aparecem no texto. Ler para as crianças uma reportagem sobre animais retirada do site www.educacional.com.br - Notícias Comentadas. Cientistas calculam que existam entre 10 e 100 milhões de espécies de seres vivos no planeta. Muitas espécies estão ameaçadas de extinção. A divulgação da nova lista de animais ameaçados de extinção, que cresceu de 219 espécies para 395, provocou vários questionamentos, como: quais são as causas do aumento do número de espécies ameaçadas? Por que algumas espécies desapareceram e, hoje, podem ser encontradas apenas em cativeiro? Inúmeras são as causas do aumento do número de espécies animais ameaçadas de extinção. A redução dos habitats é uma das principais. Outros fatores que comprometem a sobrevivência de espécies são o tráfico de animais silvestres e a caça e a pesca predatórias. O tráfico internacional de animais é planejado e mantido por milionários, que pagam altas quantias como suborno para conseguirem espécies raras. Quanto mais rara é a espécie, maior é o valor dela. Já o tráfico interno é desenvolvido por pessoas que capturam animais silvestres e os vendem para caminhoneiros e motoristas de ônibus, que os levam até possíveis compradores. Quando a fiscalização encontra esses animais, muitos já estão mortos, dopados, maltratados e com fome, sede e frio. De dez animais capturados, somente um sobrevive aos maus-tratos. Quando uma espécie é extinta, um sistema inteiro fica comprometido, porque há um ciclo de vida de que muitas espécies se beneficiam. Se, por exemplo, um pássaro é extinto, podem desaparecer espécies de plantas que necessitavam dele para o transporte de pólen ou de sementes. A ararinha-azul não pode mais ser vista livre, somente em cativeiro. Até quando veremos esse desrespeito com as espécies silvestres? Até quando a lista de animais ameaçados de extinção vai crescer? Entre os 395 animais ameaçados de extinção, estão o pato-mergulhão, a jacutinga, o sabiá-castanho, o cervo-do-pantanal, o lobo-guará, a jaguatirica e a ariranha. Felizmente, já saíram da lista espécies como o jacaré-de-papo-amarelo e o gavião-real. Isso pode ser um sinal de que podemos salvar muitas espécies da extinção. A prevenção e o controle de queimadas — e uma intensa fiscalização para evitar o contrabando de animais, aliados à educação ambiental, podem ser o primeiro passo para a recuperação das espécies. Cervo do pantanalCervo do pantanalCervo do pantanalCervo do pantanal Ararinha azul Jacaré do papo amareloArarinha azul Jacaré do papo amareloArarinha azul Jacaré do papo amareloArarinha azul Jacaré do papo amarelo 2ª aula2ª aula2ª aula2ª aula
  • 5. ConvConvConvConversando sobre o textoersando sobre o textoersando sobre o textoersando sobre o texto Explique questões como: Extinção Habitat Cativeiro Discuta as principais causas apontadas pela reportagem para o aumento no número de espécies ameaçadas de extinção. O debate pode também contemplar: a ação de caçadores; as conseqüências do desaparecimento de espécies. Elaborar uma lista com os estudantes, a partir do texto, relacionando: Animais em extinção; Animais que só podem ser vistos em cativeiro; Animais que já não correm risco de extinção. Pedir que os estudantes escrevam a lista elaborada conjuntamente. Reler a poesia Confusão no Jardim e listar os animais que aparecem nesse texto. Estabelecer uma comparação entre os animais da poesia e os animais relacionados na reportagem: Os animais que aparecem na poesia foram citados na reportagem? Será que esses animais correm risco de extinção? Atividade no Laboratório de InformáticaAtividade no Laboratório de InformáticaAtividade no Laboratório de InformáticaAtividade no Laboratório de Informática Dividir a turma em duplas. Cada dupla deverá escolher um animal citado no texto “Notícias Comentadas” e realizar uma pesquisa sobre o animal escolhido. Roda de conversaRoda de conversaRoda de conversaRoda de conversa Apresentar para a turma o resultado da pesquisa feita no Laboratório de Informática. Atividade de casaAtividade de casaAtividade de casaAtividade de casa Solicitar que os estudantes realizem uma pesquisa sobre os animais em extinção no Brasil
  • 6. Exemplos abaixo: Roda de conversaRoda de conversaRoda de conversaRoda de conversa Coloque os estudantes em círculo e socialize a pesquisa sobre animais em extinção feita em casa. Peça para mostrarem o material pesquisado. Faça colagem em um painel das pesquisas e das fotos que trouxeram dos animais e afixe na parede da sala. 3ª aul3ª aul3ª aul3ª aulaaaa Onça pintadaOnça pintadaOnça pintadaOnça pintada Cervo do PantanalCervo do PantanalCervo do PantanalCervo do Pantanal Arara azulArara azulArara azulArara azul AriranhaAriranhaAriranhaAriranha BarbadoBarbadoBarbadoBarbado----guaribaguaribaguaribaguariba Onça pardaOnça pardaOnça pardaOnça parda
  • 7. Com o cartaz do texto “Confusão no Jardim”, faça uma leitura em voz alta com os alunos. QuestioneQuestioneQuestioneQuestione:::: Dos animais que foram pesquisados tem algum no texto? Quais animais aparecem no texto? Por que estes animais não estão em extinção? Organize a turma em duplas e peça para que escrevam uma história sobre os animais do texto e sobre os animais em extinção. Atividade individualAtividade individualAtividade individualAtividade individual Leitura dos textos produzidos pelos alunos. Professor: Neste momento faça as interferências que forem necessárias sobre as sequências lógicas, paragrafação e a unidade estrutural. Reescrita dos textos realizada pela dupla. Ilustração do texto feita pela dupla. Afixe em um painel os textos produzidos pelos alunos com os desenhos. Retome as pesquisas realizadas no laboratório de informática e as pesquisas realizadas em casa: Apresente um mapa do Brasil e peça aos alunos que mostrem os locais pesquisados e o que encontraram sobre os bichos deste habitat. Ajude-os recortando cartolinas coloridas em pequenos quadradinhos para que afixem no mapa os nomes dos bichos e o local. Após o trabalho, afixe este mapa no corredor da escola para que todos visualizem o trabalho sobre ”Os animais em extinção no Brasil”, e quais são os motivos da extinção e o que podemos fazer para salvá-los. Roda de conversaRoda de conversaRoda de conversaRoda de conversa 4ª aula4ª aula4ª aula4ª aula
  • 8. Organize os alunos em círculo e peça para que contem o que aprenderam com a pesquisa. Registre todo o trabalho. Trabalhando com músicaTrabalhando com músicaTrabalhando com músicaTrabalhando com música Escreva em um painel as cantigas e cante com os estudantes: Sapo CururuSapo CururuSapo CururuSapo Cururu Sapo cururu Da beira do rio Quando o sapo grita Oh! Maninha É porque tem frio A mulher do sapo Deve estar lá dentro Fazendo rendinha Oh! Maninha Pro seu casamento GatoGatoGatoGato Atirei o pau no gato to to Mas o gato to to Não morreu reu reu Dona Chica ca ca Admirou-se se Do miau, do miau Que o gato deu Miau BarataBarataBarataBarata A barata diz que tem Sete saias de filó É mentira da barata Ela tem é uma só Ah! Ah! Ah! Oh! Oh! Oh! Ela tem é uma só A barata diz que tem Sete saias de balão É mentira da barata Não tem dinheiro nem pro sabão Ah! Ah! Ah! Oh! Oh! Oh! Nem dinheiro pro sabão A barata diz que tem Um sapato de fivela É mentira da barata O sapato é da mãe dela Ah! Ah! Ah! Oh! Oh! Oh!
  • 9. Atividade em grupoAtividade em grupoAtividade em grupoAtividade em grupo Divida os estudantes em grupos e peça que cada grupo escolha uma das cantigas: Com o alfabeto móvel, pedir que o grupo escreva as palavras da cantiga que rimam e a partir delas forme outras palavras. Atividade integrada à disciplina de ArteAtividade integrada à disciplina de ArteAtividade integrada à disciplina de ArteAtividade integrada à disciplina de Arte Cada grupo irá montar dobradura do animal citado na cantiga escolhida. Leitura do livro A Borboleta e o Grilo. 5ª aula5ª aula5ª aula5ª aula
  • 10. Produção escritaProdução escritaProdução escritaProdução escrita Organizar os estudantes em dupla e solicitar que façam o reconto da história “A borboleta e o grilo”; Selecionar dois textos de alunos, escrevê-los no quadro, e proceder a revisão coletiva; Após a revisão do texto, entregar cópias para que os estudantes façam a ilustração. Expor no mural os textos revisados e ilustrados, com os nomes dos autores. HoraHoraHoraHora da brincadeirada brincadeirada brincadeirada brincadeira Divida os alunos em grupos para dramatização. Cada grupo deverá escolher uma das propostas para apresentação: História: A borboleta e o grilo Poesia: Confusão no jardim Cantigas: Sapo Cururu, Barata, Sapo
  • 11. Sequência Didática IISequência Didática IISequência Didática IISequência Didática II2222 CompetêncCompetêncCompetêncCompetências:ias:ias:ias: • Ampliar a competência comunicativa do aluno. • Utilizar diferentes linguagens e diferentes tipologias textuais. • Demonstrar capacidade de reflexão sistemática sobre a língua e a linguagem.... HabilidadesHabilidadesHabilidadesHabilidades:::: • Interpretar textos orais a partir de histórias ouvidas. • Ler e reconhecer os diversos gêneros textuais no contexto social. • Emitir opinião e fazer comentários pessoais. • Conhecer o alfabeto e a representação escrita de cada letra identificando-as na formação da palavra. • Reescrever textos lidos e ouvidos identificando os diferentes tipos de letra. • Compreender o valor sonoro das letras (grafemas/fonemas). • Reconhecer que a escrita é composta de símbolos e sinais diferentes. • Compreender que a escrita se dá da esquerda para a direita e de cima para baixo. Conteúdos:Conteúdos:Conteúdos:Conteúdos: • Produção de diversos genros textuais. • Atividades reflexivas de produção textual – reescrita e autocorreção de texto. • Direção e alinhamento da escrita na página. • Segmentação das palavras no texto. • Diferenciação das formas, sons e nomes das letras do alfabeto. • Pontuação, paragrafação e margem. Pontos de contato:Pontos de contato:Pontos de contato:Pontos de contato: Ciências, Matemática e Arte Tempo de duraçãoTempo de duraçãoTempo de duraçãoTempo de duração: 5 aulas 2 Regional Afonso Cláudio: Oficineira: Ister Madalena. Professores: Patrícia Jackline Wolf Serpa, Elani Maria Cardoso, Ana Ronilce Ramos Alexandrino Hond, Alzemia S. Velten, Leda Izabel Vitório, Elainy Zavarize Dala Costa.
  • 12. Conversando sobre:Conversando sobre:Conversando sobre:Conversando sobre: Roda de conversaRoda de conversaRoda de conversaRoda de conversa Explique para os alunos o que é fábula: As fábulas são contos tradicionais, transmitidos oralmente, que sempre trazem uma lição de vida para os leitores. Em muitas fábulas encontramos a presença de animais. Sugestões deSugestões deSugestões deSugestões de fábulasfábulasfábulasfábulas: A cigarra e a formiga. O lobo e o burro O corvo e o jarro A gansa dos ovos de ouro O leão e o mosquito O cão e o osso A rã e o touro O ratinho, o gato e o galo Os viajantes e o urso O galo e a raposa 1ª aula1ª aula1ª aula1ª aula A forma gráfica da escrita, citando Cagliari, comporta pelo menos dois tipos: o maiúsculo e o minúsculo. E a diferença pictórica entre AAAA e aaaa é tão grande quanto a que existe entre um triângulo e um círculo: em vários livros didáticos encontram-se, em uma única página, vários tipos de escrita, sem a menor explicação, como se tudo fosse a mesma coisa. A direção da escrita implica entender como a língua se organiza, por isso, o estudante faz seus primeiros registros (garatujas ou movimentos de escrita) sem a preocupação com a direção. É na escola que a convenção é internalizada, no uso de signos lingüísticos da esquerda para a direita e de cima para baixo. (Caderno Pedagógico – SEMEC) Devem ser proposta atividades de escrita de forma sistemática e diversificada. Nessa fase os alunos poderão produzir textos oralmente e no coletivo da turma (recontos de histórias ouvidas, convites, bilhetes, listas, etc.) tendo o professor como escriba. Ao escrever no quadro, o alfabetizador deve discutir com seus alunos todas as decisões tomadas: relativas às direções e alinhamento da escrita, passando pela própria escrita das palavras, até a construção do gênero textual. Os alunos devem ser incentivados a produzir frases e pequenos textos, cabendo ao professor orientar este processo. (revista do Educador, 2009 – PAEBES)
  • 13. Atividade de leitura e escritaAtividade de leitura e escritaAtividade de leitura e escritaAtividade de leitura e escrita No cantinho da leitura: • Exponha em um cartaz a lista de fábulas (trabalhar a direção da escrita, o espaçamento, letra maiúscula e minúscula e a leitura dos títulos); • Disponibilize várias cópias de fábulas para leitura dos alunos; • Distribua a lista de fábulas para cada aluno para que os mesmos marquem as que já foram lidas e possam acrescentar outras. Leitura da fábula:Leitura da fábula:Leitura da fábula:Leitura da fábula: Apresente o texto que deve estar escrito em letra caixa-alta em papel bobina e afixado na sala. Faça a leitura apontada do texto, destacando o espaçamento entre as palavras e a direção da escrita. O leão e o ratoO leão e o ratoO leão e o ratoO leão e o rato Um leão cansado de tanto caçar, Dormia espichado à sombra de uma boa árvore. Veio uns ratinhos passear em cima dele e ele acordou. Todos conseguiram fugir, menos Um, que o leão prendeu embaixo de sua pata. Tanto o ratinho pediu e implorou que o leão Desistiu de esmagá-lo, e deixou que fosse embora. Algum tempo depois, o leão ficou preso Na rede de uns caçadores. Não conseguia se soltar, e fazia a floresta Inteira tremer com seus urros de raiva. Nisso apareceu o ratinho. Com seus dentes afiados, roeu As cordas e soltou o leão. Moral da história: uma boa ação ganha à outra. Fonte: alfabetização- caderno do educador- projeto fundesescola/self-mec, 2007
  • 14. AAAApresentando o autor:presentando o autor:presentando o autor:presentando o autor: Questione os alunosQuestione os alunosQuestione os alunosQuestione os alunos: • Por onde eu começo a ler o texto? • Quando termino de ler uma das linhas do texto, para onde devo dirigir meu olhar para continuar lendo? • Cada vez que aponto no texto estou lendo uma palavra? • Observem que as palavras não estão escritas juntas. O que as separa? • Para quem vocês acham que o autor escreveu este texto? • Com que intenção ele escreveu esse texto? • Qual o assunto principal? • Do que fala esta fábula? • O que você mais gostou na fábula? • Se você fosse modificar a fábula o que você faria? Produção de textoProdução de textoProdução de textoProdução de texto Organizar os alunos em duplas e solicitar que procedam a reescrita da fábula. Circular na sala para observar a grafia das palavras e em seguida, solicitar que a dupla pesquise no dicionário a grafia correta. 2ª aula2ª aula2ª aula2ª aula Esopo era um lendário autor grego, que teria vivido na antiguiade, ao qual se atribui a paternidade da fábula como gênero literário. As Fábulas de Esopo serviram como base para recriações de outros escritores ao longo dos séculos, como Fedro e La Fontaine. Esopo teria sido um escravo, libertado pelo seu dono, que ficou encantado com suas fábulas. Ao que tudo indica, viajou pelo mundo antigo e conheceu o Egito, a Babilonia e o Oriente. Foi-lhe atribuído um conjunto de pequenas histórias, de carácter moral e alegórico, cujos papéis principais eram desenvolvidos por animais. Na Atenas do século V a.C., essas fábulas eram conhecidas e apreciadas. As fábulas que lhe são atribuídas sugerem normas de conduta que são exemplificadas pela ação dos animais (mas também de homens, deuses e mesmo coisas inanimadas). Esopo partia da cultura popular para compor seus escritos. Os seus animais falam, cometem erros, são sábios ou tolos, maus ou bons, exatamente como os homens. A intenção de Esopo, em suas fábulas, era mostrar como os seres humanos podiam agir, para bem ou para mal.As fábulas de Esopo faziam parte da tradição oral dos gregos, por isso não foram escritas pelo seu suposto autor. Mais de duzentos anos depois da suposta morte de Esopo é que as fábulas foram reunidas e escritas.
  • 15. Reapresentar o cartaz com a fábula O leão e o rato e realizar a leitura. Refletir com os alunos: • A moral da fábula: uma boa ação ganha à outra. O que podemos entender dessa afirmação? Registre a conclusão da turma e peça que os alunos o escrevam no caderno. Atividade coletivaAtividade coletivaAtividade coletivaAtividade coletiva Elabore com a turma uma lista com nomes de animais e registre no quadro. Peça para os alunos copiarem a lista elaborada e circularem os nomes que aparecem na fábula. PATO CACHORROPATO CACHORROPATO CACHORROPATO CACHORRO RRRRAPOSA RINOCERONTEAPOSA RINOCERONTEAPOSA RINOCERONTEAPOSA RINOCERONTE LEBRE LEÃOLEBRE LEÃOLEBRE LEÃOLEBRE LEÃO COBRA GATOCOBRA GATOCOBRA GATOCOBRA GATO RATO GIRAFARATO GIRAFARATO GIRAFARATO GIRAFA Atividade em grupoAtividade em grupoAtividade em grupoAtividade em grupo Com o alfabeto móvel peça para montarem as palavras. Entregue cópias aos alunos da atividade abaixo.Entregue cópias aos alunos da atividade abaixo.Entregue cópias aos alunos da atividade abaixo.Entregue cópias aos alunos da atividade abaixo. Numere as frases de acordo com os acontecimentos da fábula: O leão deixou que o ratinho fosse embora. O ratinho roeu a corda e soltou o leão. O leão acordou com os ratinhos em cima dele. O leão prendeu um ratinho com sua pata. A rede dos caçadores prendeu o leão. O leão dormia espichado à sombra de uma árvore.
  • 16. CaçaCaçaCaçaCaça----palavras:palavras:palavras:palavras: Conversando sobre:Conversando sobre:Conversando sobre:Conversando sobre: FATORESFATORESFATORESFATORES NECESSÁRIOS PARA FACILITAR AS AÇÕES DA ALFABETIZAÇÃONECESSÁRIOS PARA FACILITAR AS AÇÕES DA ALFABETIZAÇÃONECESSÁRIOS PARA FACILITAR AS AÇÕES DA ALFABETIZAÇÃONECESSÁRIOS PARA FACILITAR AS AÇÕES DA ALFABETIZAÇÃO (Escola Ativa(Escola Ativa(Escola Ativa(Escola Ativa ---- PDEPDEPDEPDE---- caderno do educador)caderno do educador)caderno do educador)caderno do educador) Ambiente alfabetizador:Ambiente alfabetizador:Ambiente alfabetizador:Ambiente alfabetizador: fazer da sala de aula um espaço em que ricos estímulos de aprendizagem estejam sempre presentes. É um ambiente que promove um conjunto de situações de uso real de leitura e de escrita. Um ambiente alfabetizador é aquele que tem diferentes tipos de textos que são consultados frequentemente, com diferentes funções sociais. Devem ser substituídos de acordo com sua funcionalidade, além de estarem ao alcance do grupo. Atividades significativasAtividades significativasAtividades significativasAtividades significativas: para uma alfabetização de qualidade é necessário propor atividades de leitura e escrita que fazem sentido para as crianças, contextualizada e de acordo com a realidade social dos educandos. AutoestimaAutoestimaAutoestimaAutoestima: o trabalho de autoestima dos educandos é outro fator relevante em qualquer aprendizagem. IntervençõesIntervençõesIntervençõesIntervenções: devem ser problematizadoras, ou seja, devem colocar bons problemas para serem resolvidos pelos educandos. A educadora poderá propor atividades desafiadoras, ou seja, ao mesmo tempo possíveis e difíceis Gênese da leitura e da escritaGênese da leitura e da escritaGênese da leitura e da escritaGênese da leitura e da escrita: conhecer profundamente a gênese da língua escrita possibilita identificar as mediações, as intervenções e atividades necessárias para se obter sucesso no processo de alfabetização e o resultado será bastante compensador. Encontre e escreva as palavras: LEÃO, RATO, CAÇADORES, DENTE, PATA, FLORESTA, ÁRVORE, REDE, RATINHO. _________________________________ _________________________________ _________________________________ _________________________________ _________________________________ _________________________________ _________________________________ _________________________________ C A Ç A D O R E S B U X P U L E Ã O Q A T B I O P U N R E D E X O G I P A T A D R S G I F L O R E S T A B O J Á R V O R E U T D C I H R A T I N H O E V J
  • 17. Atividade de casaAtividade de casaAtividade de casaAtividade de casa Peça para os alunos conversarem em casa com a família sobre a fábula O leão e o rato e o que ela ensina. Registre no caderno o que foi conversado com a família. Fazer por escrito pesquisa com a família: qual fábula eles conhecem e o que ensina essa fábula? Roda de conversaRoda de conversaRoda de conversaRoda de conversa Socializar a pesquisa feita em casa. No papel bobina peça para os alunos colarem as figuras dos bichos junto com a pesquisa das fábulas e afixe na parede da sala de aula ou no corredor da escola. Atividade de leitura:Atividade de leitura:Atividade de leitura:Atividade de leitura: Apresentação da fábula A cigarra e a formiga 3ª aula3ª aula3ª aula3ª aula
  • 18. ApresentadoApresentadoApresentadoApresentado o autor:o autor:o autor:o autor: Jean de La FontaineJean de La FontaineJean de La FontaineJean de La Fontaine foi um poeta e fabulista francês. Em 1668 foram publicadas as primeiras fábulas, num volume intitulado "Fábulas Escolhidas". O livro era uma coletânea de 124 fábulas, dividida em seis partes. La Fontaine dedicou este livro ao filho do rei Luís XIV. As fábulas continham histórias de animais, magistralmente contadas, contendo um fundo moral. Escritas em linguagem simples e atraente, as fábulas de La Fontaine conquistaram imediatamente seus leitores. Questione os alunosQuestione os alunosQuestione os alunosQuestione os alunos: • O que a cigarra fez durante o verão? E a formiga? • O que você achou da atitude da formiga com relação à cigarra? • Para quem vocês acham que o autor escreveu este texto? • Com que intenção ele escreveu esse texto? Era uma vez uma cigarra que vivia saltitando e cantando pelo bosque, sem se preocupar com futuro. Esbarrando numa formiguinha, que carregava uma folha pesada, perguntou: - Ei formiguinha, para que todo esse trabalho? O verão é para a gente aproveitar! O verão é para a gente se divertir! - Não, não, não! Nós, formigas, não temos tempo para diversão. É preciso trabalhar agora para guardar comida para o inverno. Durante o verão a cigarra continuou se divertindo e passeando por todo bosque. Quando tinha fome, era só pegar uma folha e comer. Um belo dia passou de novo perto da formiguinha carregando outra pesada folha. A cigarra então aconselhou: - Deixe esse trabalho para as outras! Vamos nos divertir. Vamos, formiguinha, vamos cantar! Vamos dançar! A formiguinha gostou da sugestão. Ela resolveu ver a vida que a cigarra levava e ficou encantada. Resolveu viver também como sua amiga. Mas, no dia seguinte, apareceu a rainha do formigueiro e, ao vê-la se divertindo, olhou veio para ela e ordenou que voltasse ao trabalho. Tinha terminada a vidinha boa da formiga. A rainha das formigas falou então para a cigarra: - Se não mudar de vida, no inverno você há de se arrepender, cigarra! Vai passar fome e frio. A cigarra nem ligou, fez uma reverência e comentou: - Hum! O inverno ainda está longe querida! Para a cigarra o que importa era aproveitar a vida e aproveitar o hoje, sem pensar no amanhã. Para que construir um abrigo? Para que armazenar alimento? Pura perda de tempo. Certo dia o inverno chegou, e a cigarra começou a tiritar de frio. Sentia seu corpo gelado e não tinha o que comer. Desesperada, foi bater na casa da formiga. Abrindo a porta, agasalhou-a e deu-lhe uma sopa bem quente e deliciosa. Naquela hora, apareceu a rainha das formigas que disse à cigarra: - No mundo das formigas, todos trabalham e se você quiser ficar conosco, cumpra seu dever: toque e cante para todas nós. Para cigarra e para as formigas, aquele foi o inverno mais feliz de suas vidas. Adaptado da obra de La Fontaine
  • 19. • Qual o assunto principal? • Do que fala esta fábula? • O que você observou nela? Atividade de grupoAtividade de grupoAtividade de grupoAtividade de grupo 1) Após a leitura do texto, separar os alunos em pequenos grupos. Nestes grupos os estudantes devem indicar uma relação de palavras que caracterizam as personagens cigarra e formiga. _________________________________________________ _________________________________________________ _________________________________________________ _________________________________________________ AtiviAtiviAtiviAtividade integrada com o professor de Arte.dade integrada com o professor de Arte.dade integrada com o professor de Arte.dade integrada com o professor de Arte. Confeccionar máscaras dos personagens da fábula A cigarra e a formiga com os alunos. Realizar uma dramatização da fábula com os alunos. Muitos são contra a formiga por ter procedido assim. Mas La Fontaine certamente explicaria que esse defeito é pequeno em face das virtudes, pois é trabalhadeira, diligente e precavida. Já o não foi a cigarra, que nada fez para garantir os dias futuros e lançou mão da mais simples das soluções: pedir emprestado. A lição de La Fontaine consiste em que devemos cuidar do dia de amanhã, e não contar com empréstimo para cobrir o que não produzimos. Que cante a cigarra, mas que trabalhe! Essa é a lição.
  • 20. Trabalhando a versão da fábula em forma de poesia:Trabalhando a versão da fábula em forma de poesia:Trabalhando a versão da fábula em forma de poesia:Trabalhando a versão da fábula em forma de poesia: A cigarra e a formiga A cigarra muito faceira Vivia somente a cantar Pensando que a vida inteira Fosse a ela abençoar A formiga incansável Pensava só no porvir Preparava seu arsenal de alimento Para o inverno que haveria de vir Um dia as duas se encontraram E começaram a conversar A cigarra perguntou a formiga O porquê de tanto labutar A formiga respondeu Na vida há tempo pra tudo Tu só vives a cantar Sem se dar conta do mundo. A cigarra zombeteira Falou em uma canção Tu trabalhas a vida inteira E não sabes o que é diversão. Tolinhas são vocês Que só vivem a trabalhar Não sabem tudo tem a sua hora Trabalham sem descansar Enquanto vocês trabalham Eu curto a vida sorrindo Não me importando com nada E você seu trabalho vai carpindo Cantar faz bem a alma Cantar alegra o coração Cantar e tudo que sei Cantar é para mim uma oração O inverno chegou com fúria A formiga tinha para onde ir A cigarra que cantava morreu de fome e frio Pois não tinha para onde fugir. 4ª aula4ª aula4ª aula4ª aula
  • 21. Afixar o cartaz com a cópia da poesia e ler, em voz alta, apontando as palavras. Leitura realizada pelos alunos. Agrupar os alunos em duplas, entregar uma cópia da poesia e solicitar que façam a leitura; Conversar com os estudantes sobre versos, estrofes e rimas; Pedir que cada dupla leia uma estrofe da poesia; Pedir que circulem as palavras que desconhecem o significado; Orientar quanto ao uso do dicionário; Confeccionar, junto com a turma, um pequeno dicionário da classe Atividade no Laboratório de InformáticaAtividade no Laboratório de InformáticaAtividade no Laboratório de InformáticaAtividade no Laboratório de Informática Pesquisar poesias sobre animais. Digitar as poesias encontradas para montar um livrinho com o resultado da pesquisa realizada pela turma. Inserir desenhos para ilustrar as poesias. A cada semana um aluno leva o livrinho para casa para ler com a família. Atividade de casaAtividade de casaAtividade de casaAtividade de casa Pedir que os alunos pesquisem, junto a família, novas poesias para registrar no livrinho. Roda de conversaRoda de conversaRoda de conversaRoda de conversa Conversar com os alunos sobre a pesquisa realizada com a família. 5ª aula5ª aula5ª aula5ª aula
  • 22. Reler com a turma a fábula A cigarra e a formiga e a poesia trabalhada na aula anterior. Comparando os textos: FábulaFábulaFábulaFábula PoesiaPoesiaPoesiaPoesia Personagens O que aconteceu no final. Atividade em duplaAtividade em duplaAtividade em duplaAtividade em dupla Recortar a poesia A cigarra e a formiga em versos e solicitar que, em duplas, os estudantes montem as estrofes; Peça aos alunos para fazerem uma lista das palavras do texto que rimam (os estudantes devem perceber a relação entre os sons que ouvimos e falamos). Com o alfabeto móvel montar as palavras do texto que rimam. Cabe ao professor:Cabe ao professor:Cabe ao professor:Cabe ao professor: Realizar atividades de rotina onde o aluno possa produzir e utilizar o alfabeto móvel, refletindo sobre suas hipóteses de escrita e leitura. Realizar rotina de leituras diárias: leitura pelo professor, leitura compartilhada (professor e aluno), leitura coletiva (vinculada ao prazer, à descontração), leitura virtual pelos alunos (pseudo-leitura), leitura dirigida (o aluno utiliza seus conhecimentos para localizar e ler palavras desconhecidas) e leitura individual.
  • 23. SSSSequência Didática IIIequência Didática IIIequência Didática IIIequência Didática III3333 CompetênciasCompetênciasCompetênciasCompetências:::: • Ampliar a competência comunicativa do aluno. • Utilizar diferentes linguagens e diferentes tipologias textuais. • Interatuar com dados, argumentos, fatos e informações contidos em diferentes textos. • Demonstrar capacidade de reflexão sistemática sobre a língua e a linguagem. Habilidades:Habilidades:Habilidades:Habilidades: • Expressar-se oralmente com clareza e objetividade. • Observar e descrever detalhes de diferentes situações cotidianas. • Identificar aspectos sonoros da língua. • Ler e reconhecer textos variados e de diferentes genros. • Produzir textos de vários gêneros, obedecendo às estruturas e os mecanismos de articulação da língua. • Reescrever textos lidos e ouvidos identificando os diferentes tipos de letra. • Utilizar os sinais de pontuação e acentuação na produção de texto. • Valorizar o convívio com os diversos grupos sociais, respeitando as diversidades. Conteúdos:Conteúdos:Conteúdos:Conteúdos: • Atividades reflexivas de produção textual – reescrita e autocorreção de texto. • Segmentação das palavras no texto. • Letras maiúsculas e minúsculas em articulação com o texto. • Pontuação, paragrafação, margem e separação de palavras no texto. PontoPontoPontoPontossss de Contato:de Contato:de Contato:de Contato: Ciências, Matemática, Geografia, Ensino Religioso Tempo de duração:Tempo de duração:Tempo de duração:Tempo de duração: 6 aulas 3 Regional Guaçui: Professora Anne Gabriela Sessa Fialho Meneguelli.
  • 24. Perguntar: Quem conhece a história dos três porquinhos? Sobre o que ela fala? Quem são os personagens? Vamos conhecer uma poesia com essa história? Distribuir a Poesia “Os três porquinhos em versos”. Realizar a leitura coletiva da poesia 1ª aula1ª aula1ª aula1ª aula
  • 25. 1) Conversando sobre a Poesia: Quais os nomes dos três porquinhos? De quem era casa mais segura para morar? Você acha que o Bolinha sentiu medo quando o lobo foi para casa dele? Por quê? O que aconteceu com o lobo no final? 2) Releia a 2ª estrofe: “estufando bem o peito, o lobão soprou num FUUUU”. Observe junto com os alunos como a autora brincou com o jeito de escrever a palavra FUUU. Faça junto com eles um levantamento das outras ocorrências desse tipo e peça que expliquem por que a autora explorou-a desse modo. Proponha aos alunos que, usando a mesma técnica, escrevam as palavras: fininho gordo bolinhas escadaria, e outras mais que quiserem Roda de conversaRoda de conversaRoda de conversaRoda de conversa Vamos conhecer outra versão da história dos Três Porquinhos? 2ª aula2ª aula2ª aula2ª aula
  • 26. Comparando os textos: PoesiaPoesiaPoesiaPoesia HistóriaHistóriaHistóriaHistória Nomes dos personagens Casa dos porquinhos O que aconteceu com o lobo no final AtividadeAtividadeAtividadeAtividade integrada à disciplina de Arteintegrada à disciplina de Arteintegrada à disciplina de Arteintegrada à disciplina de Arte Como era casa dos porquinhos? Vamos desenhá-la. Separar a turma em três grupos: Entregar papel cenário e tinta guache de cores variadas. Cada grupo reproduzirá uma das casas dos Três Porquinhos. Atividade coletivaAtividade coletivaAtividade coletivaAtividade coletiva Conversa com os estudantes, questionando: Será que as nossas casas são iguais as dos porquinhos? Quais as características das casas que conhecemos de nossa comunidade? Vamos fotografar algumas casas da nossa comunidade? Pesquisa de campo: passeio pela comunidade, elaborando previamente com os estudantes o que irão observar. Fazer o registro no quadro das questões levantadas pela turma. Sair com os alunos pelos arredores da escola fotografando algumas casas. 3ª aula3ª aula3ª aula3ª aula
  • 27. Produção de texto coletivoProdução de texto coletivoProdução de texto coletivoProdução de texto coletivo Perguntar: Quais os tipos de casas que encontramos? Casa térrea, sobrado, apartamento, outros. Quais as características das casas que fotografamos? Elaborar com a turma um texto referente à excursão que fizeram pelos arredores da escola relatando o que observaram sobre as casas da comunidade. As crianças irão registrar no caderno o texto coletivo e depois ilustrar o texto que ficará exposto na sala de aula. Atividade individualAtividade individualAtividade individualAtividade individual Fazer a contagem de cada tipo de casa. Montar um gráfico com os dados apurados. 4ª aula4ª aula4ª aula4ª aula 1- De que eram feitas as casas dos porquinhos? _____________________________________________________________________________ _____________________________________________________________________________ 2- De que é feita a sua casa? _____________________________________________________________________________ _____________________________________________________________________________ 3- Como é a casa que você mora? ( ) Casa térrea ( ) Sobrado ( ) Apartamento 0 2 4 6 8 10 12 14 16 alunos casa térrea apartamento sobrado
  • 28. O que nos mostra esse gráfico? Fazer o registro das conclusões. AtividadeAtividadeAtividadeAtividade integrada com o professor de Ensino Religioso:integrada com o professor de Ensino Religioso:integrada com o professor de Ensino Religioso:integrada com o professor de Ensino Religioso: Roda de conversaRoda de conversaRoda de conversaRoda de conversa As crianças deverão apresentar a atividade onde representaram seus medos. Conversa sobre os medos citados e como superá-los. Produção de textoProdução de textoProdução de textoProdução de texto Atividade realizada no laboratório de informática. Agora é com você! Reconte a história dos Três Porquinhos, use sua criatividade e capriche. Atividade integrada com o professor de Educação FísicaAtividade integrada com o professor de Educação FísicaAtividade integrada com o professor de Educação FísicaAtividade integrada com o professor de Educação Física 1- Na história dos três porquinhos eles tinham medo de quem? ______________________________________________________________________________ 2- E você tem medo de que? Escreva e faça desenhos representando seus medos: 5ª aula5ª aula5ª aula5ª aula ________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________ __________________________________________________________
  • 29. Convidar as crianças para brincarem de três porquinhos e o lobo. Ensinar a música: Orientá-los a fazer uma roda. Indicar uma criança para ser o lobo e três para serem os porquinhos. O lobo deverá ficar dentro da roda. Os porquinhos ficarão fora da roda As crianças rodam e cantam a música. O lobo tentará sair da roda para pegar um porquinho; se conseguir, aquele porquinho torna-se o lobo e continua a brincadeira. Atividade utilizando a Biblioteca EscolarAtividade utilizando a Biblioteca EscolarAtividade utilizando a Biblioteca EscolarAtividade utilizando a Biblioteca Escolar Atividade elaborada pelas professoras Silvia Aparecida de Carvalho Scussulin e Rosália Zandonade do Amaral - Regional Afonso Cláudio. Nessa atividade cada criança recebe: uma pasta decorada (ou outro suporte similar); folhas para registro: uma para registro do aluno e outra para registro da família. Visita a biblioteca da escola para cada aluno escolher um livro. Quem tem medo do lobo mau, Lobo mau, lobo mau. Quem tem medo do lobo mau Lobo mau, lobo mau. Lálálálálá...
  • 30. Atividade de casaAtividade de casaAtividade de casaAtividade de casa As crianças irão levar a pasta para casa e junto com a família realizar a leitura do livro escolhido e o registro proposto.
  • 31. RodaRodaRodaRoda de conversade conversade conversade conversa As crianças apresentam para os colegas os livros que leram com a família e o seu registro. Atividade em duplasAtividade em duplasAtividade em duplasAtividade em duplas 1) Vocês se lembram dos personagens da história dos Três Porquinhos? Escrevam que animais ele eram: __________________________________________________________________________ 6ª aula6ª aula6ª aula6ª aula
  • 32. 2) Vamos fazer uma pesquisa sobre eles: o habitat, a alimentação e algumas curiosidades. Após o registro escrito, propor a elaboração de maquetes utilizando material de sucata e massa de modelar sintetizando as informações da pesquisa. Cada dupla irá apresentar o resultado de sua pesquisa. Para refletir:Para refletir:Para refletir:Para refletir: Habitat Alimentação Curiosidades O brincar é um dos pilares da infância, compreendidas como significações e formas de ação social específicas que estruturam as relações das crianças entre si, bem como os modos pelos quais interpreta , representam e agem sobre o mundo. Assim o plano informal das brincadeiras possibilita a construção e ampliação de competências e conhecimentos nos planos da cognição e das interações sociais o que certamente tem conseqüências na aquisição de conhecimentos no plano de aprendizagem formal. Ensino fundamental de nove anos – Orientações para a inclusão da criança de seis anos de idade – MEC, 2007
  • 33. Sequência Didática IVSequência Didática IVSequência Didática IVSequência Didática IV4444 CompetênciasCompetênciasCompetênciasCompetências:::: • Ampliar a competência comunicativa do aluno. • Conhecer a norma culta da língua. • Conviver, crítica e ludicamente, com situações de produção de textos, atualizado em diferentes suportes e sistemas de linguagem – escrita, oral, imagética, entre outras. Habilidades:Habilidades:Habilidades:Habilidades: • Ler, e reconhecer, textos variados e de diferentes gêneros. • Expressar-se oralmente com clareza e objetividade. • Interpretar histórias em quadrinhos, pequenos textos escritos, identificando idéias principais. • Identificar aspectos sonoros da língua. • Conhecer o alfabeto e a representação escrita de cada letra identificando-as na formação das palavras. • Produzir textos de vários gêneros, obedecendo às estruturas e os mecanismos de articulação da língua. • Utilizar os sinais de pontuação na produção de texto. ConteúdosConteúdosConteúdosConteúdos: • Leitura e interpretação de imagem. • Relações som e letra e letra e som. • Segmentação das palavras no texto. • Atividades reflexivas de produção textual - reescrita e autocorreção de texto. • Diferenciação das formas, sons e nomes das letras do alfabeto. • Letra maiúscula e minúscula, pontuação, paragrafação e margem. PontoPontoPontoPontossss de Contato:de Contato:de Contato:de Contato: Matemática e Arte Tempo de duraçãoTempo de duraçãoTempo de duraçãoTempo de duração: 5 aulas Apresentar um cartaz, sem imagem, com um fragmento do texto do livro O Menino Maluquinho de Ziraldo. Não apresentar o título do livro. 4 Regional Linhares: Kellis Nunes, Sandra Lúcia Magesky Soubel, Valdeceia Felipe Benedito Santos, Rosilene Lira Gama Silva, Adriana Aparecida da Silva Gomes, Josiane Libardi, Ildenice Gomes dos Santos da Cunha e Myrelle Queiros de Souza. 1ª aula1ª aula1ª aula1ª aula
  • 34. Questionar: Do que será que se trata o livro? Se você fosse o autor do livro, qual título daria a ele? Qual será a “bomba” a que se refere o menino? Vamos ler o livro para descobrir? Apresentar o livro e comparar o título dado pelo autor e os título sugeridos pelos alunos a partir do texto mostrado no cartaz pelo professor. Era uma vez um menino maluquinho. Tinha o olho maior que a barriga. Tinha fogo no rabo. Tinha vento nos pés. Umas pernas enormes que davam para abraçar o mundo. E macaquinhos no sótão (embora nem soubesse o que significava macaquinhos no sótão). Ele era um menino impossível. A melhor coisa do mundo na casa do menino maluquinho era quando ele voltava da escola. A pasta e os livros chegavam sempre primeiro voando na frente. Um dia no fim de ano o menino maluquinho chegou em casa com uma bomba: - “Mamãe, tou aí com uma bomba!”
  • 35. Apresentar o autor:Apresentar o autor:Apresentar o autor:Apresentar o autor: Leitura do livro O Menino Maluquinho. Explore as ilustrações do livro. Conversando sobre o texto:Conversando sobre o texto:Conversando sobre o texto:Conversando sobre o texto: Qual era a “bomba” citada pelo menino? Após conhecermos o livro, o título dado pelo autor (O Menino Maluquinho) se justifica? Por quê? Por que será que o autor termina o livro dizendo que “e foi aí que todo mundo descobriu que ele não tinha sido um menino maluquinho, ele tinha sido era um menino feliz!” Pedir que escrevam o início do texto reproduzido pelo professor no cartaz e façam a ilustração correspondente a cada frase. Ziraldo Alves Pinto nasceu no dia 24 de outubro de 1932 em Caratinga, Minas Gerais. Começou sua carreira nos anos 50 em jornais e revistas de expressão, como Jornal do Brasil, O Cruzeiro e Folha de Minas. Além escritor, é pintor, cartazista, jornalista, chargista ecaricaturista. Ziraldo tornou-se nacionalmente conhecido nos anos 60 com o lançamento da primeira revista em quadrinhos brasileira feita por um só autor: A Turma do Pererê. Em 1969 Ziraldo publicou o seu primeiro livro infantil, FLICTS,,,, que conquistou fãs em todo o mundo. A partir de 1979 concentrou-se na produção de livros para crianças, e em 1980 lançou O Menino Maluquinho,,,, um dos maiores fenômenos editoriais no Brasil de todos os tempos. O livro já foi adaptado com grande sucesso para teatro, quadrinhos, ópera infantil, video-game, Internet e cinema. Seus trabalhos já foram traduzidos para diversos idiomas como inglês, espanhol, alemão, francês, italiano e basco. Os trabalhos de Ziraldo representam o talento e o humor brasileiros no mundo. Estão até expostos em museu.
  • 36. Conversando sobreConversando sobreConversando sobreConversando sobre:::: Descrevendo o Menino Maluquinho Procure resgatar as características do menino, problematizando: - Como é o Menino Maluquinho? - Do que ele gosta? - Onde ele vive? - O que ele faz? Explore também informações que não constam no livro, pedindo para eles as imaginarem, por exemplo: - Como era a casa do Menino Maluquinho? - E a escola do Menino Maluquinho? - E a família dele? Produção de textoProdução de textoProdução de textoProdução de texto Agora escreva uma história sobre o Menino Maluquinho, descrevendo como ele é. Acrescente as características que você achar mais interessantes, mesmo que elas não constem na história. Fique atento para a pontuação. Dê um título para sua história. 2222ª aulaª aulaª aulaª aula Legibilidade: diz respeito às características lexicais das informações apresentadas nos textos, que dificultam ou facilitam a leitura e a compreensão da informação veiculada. A legibilidade faz com que o texto escrito seja entendido pelo leitor. Para que o aluno construa o conceito da legibilidade, ele precisa ter experiência de leitura e escrita de vários textos (literário, narrativo, informativo, humorístico, epistolar) para serem lidos e trabalhados em sala de aula. O trabalho de legibilidade objetiva não apenas a “letra legível”, mas também a organização e a apresentação dos materiais escolares e dos textos escritos. O texto feito em cartaz facilita a rotina, já que estará à mão toda vez que o retorno a ele se faça necessário. Ele deverá ficar exposto na sala, em lugar visível, durante todo o período em que o encaminhamento proposto estiver acontecendo. O estudante tem o professor como modelo, por isso lembre-se de que seu cartaz com o texto e todas as demais atividades escritas que forem expostas ou entregues aos estudantes devem ter a apresentação impecável. Caderno Pedagógico- Alfabetização- (SME-Curitiba)
  • 37. Trabalhando com histórias em quadrinhosTrabalhando com histórias em quadrinhosTrabalhando com histórias em quadrinhosTrabalhando com histórias em quadrinhos Apresente alguns quadrinhos do Menino Maluquinho. Proceda a leitura, utilizando a entonação adequada das falas dos personagens. Mude o tom de voz a cada personagem. Enfatize as expressões significativas Orientar os alunos a explorar visualmente:
  • 38. Colorido: primeiro plano e plano de fundo; Palavras: isoladas, em destaque e em textos: diálogos; Direção: indique a direção em que devem ser observadas as imagens: Imagens: em destaque, secundárias e balões: como percebemos o movimento dos personagens? que tipo de expressão os personagens estão demonstrando? como podemos perceber isso? Peça que os alunos realizem a leitura dos quadrinhos utilizando a entonação adequada das falas dos personagens. Atividade integrada a disciplina de ArteAtividade integrada a disciplina de ArteAtividade integrada a disciplina de ArteAtividade integrada a disciplina de Arte Converse sobre as expressões faciais (espanto, tristeza, susto) dos quadrinhos: Como estão representadas? Quais outras expressões faciais podemos representar? Oriente os alunos a apresentarem para os colegas as expressões para que a turma descubra qual é. Atividade em duplasAtividade em duplasAtividade em duplasAtividade em duplas Entregue as tirinhas do Menino Maluquinho para os alunos. Faça uma análise dos elementos das palavras: palavra escrita com menor número de letras; palavra escrita com maior número de letras; palavras que iniciam com letras iguais; palavras que terminam com a mesma letra; palavras com a mesma sílaba inicial; palavras com a mesma sílaba final; palavras formadas com a primeira sílaba de uma palavra escolhida com a primeira sílaba de outra palavra escolhida; Escrever a palavra que foi formada. Peça para fazerem os registros no caderno para que percebam a relação letra/som. Atividade de casaAtividade de casaAtividade de casaAtividade de casa
  • 39. Peça aos alunos para trazerem gibis de Ziraldo na próxima aula e que leiam as histórias. Roda de conversaRoda de conversaRoda de conversaRoda de conversa Socialização: peça aos alunos que mostrem os gibis que trouxeram e contem a história mostrando os personagens. Distribua para os alunos papel e lápis colorido para que desenhem e escrevam os nomes dos personagens que mais gostaram das histórias do Ziraldo. Todos os desenhos devem ser afixados em um painel na sala de aula. Peça ao professor de arte que participe nesta etapa. Montar uma dramatização sobre a história votada pelos alunos. Atividade de escritaAtividade de escritaAtividade de escritaAtividade de escrita ---- Trabalhando com a tirinha do Menino MaluquinhoTrabalhando com a tirinha do Menino MaluquinhoTrabalhando com a tirinha do Menino MaluquinhoTrabalhando com a tirinha do Menino Maluquinho Atividade em duplasAtividade em duplasAtividade em duplasAtividade em duplas Entregar uma cópia da tirinha e solicitar que façam a leitura; Pedir que escrevam o que entenderam da tirinha; Entregar a tirinha com os balões em branco e solicitar que criem outro diálogo. Vamos recordar os personagens do livro das tirinhas do Menino Maluquinho?Vamos recordar os personagens do livro das tirinhas do Menino Maluquinho?Vamos recordar os personagens do livro das tirinhas do Menino Maluquinho?Vamos recordar os personagens do livro das tirinhas do Menino Maluquinho? 3333ª aulaª aulaª aulaª aula
  • 40. Pedir que escrevam os nomes dos personagens: Atividade de casaAtividade de casaAtividade de casaAtividade de casa AtivAtivAtivAtividade de casaidade de casaidade de casaidade de casa Ler para a família a tirinha escrita em sala de aula. Trabalhando com as tirinhas do Menino MaluquinhoTrabalhando com as tirinhas do Menino MaluquinhoTrabalhando com as tirinhas do Menino MaluquinhoTrabalhando com as tirinhas do Menino Maluquinho Reproduza a tirinha do Menino Maluquinho e explore a linguagem utilizada. Lembre-se de colocar a fonte de onde foi retirada. Tirinha 1Tirinha 1Tirinha 1Tirinha 1 ____________________ _____________________ ____________________ _____________________ ____________________ ____________________ 4444ª aulaª aulaª aulaª aula
  • 41. Fonte: http://br.dir.groups.yahoo.com/group/tirinhas/message/653 Observe a tirinha e responda: 1) O traço de humor no texto está em: ( ) Deixa eu ajudar! ( ) Seu quarto vai ficar mais legal... ( ) ...Com um carrinho de cachorro quente no lugar da cama! 2) A expressão do Menino Maluquinho no último quadrinho demonstra: ( ) medo ( ) surpresa ( ) raiva 3) Retire da tirinha uma frase que utiliza o ponto de exclamação. 4) Escreva uma frase que você imagina que o Menino Maluquinho diria para seu amigo no último quadrinho. TirinhaTirinhaTirinhaTirinha 2222 1) Qual o traço de humor no texto? 2) Procure em jornais e revistas palavras em que os sons aparecem na mesma posição da palavra destacada na tirinha. Pesquise também palavras que tenham o c com som de s. Disponha as palavras em colunas.
  • 42. Nossa pesquisaNossa pesquisaNossa pesquisaNossa pesquisa Palavras comPalavras comPalavras comPalavras com CCCC Palavras comPalavras comPalavras comPalavras com SSSS Retome a pesquisa realizada pelos estudantes e explique o uso das letras. Tirinha 3Tirinha 3Tirinha 3Tirinha 3 Aproveite para trabalhar as onomatopéias, muito bem-vindas em grupos de alfabetização por implicarem uma relação direta entre o som real e a palavra que o representa. NHAC! NHAC! NHAC! Faz o Menino Maluquinho ao comer o sanduíche. E como faz o sapo? E um carro? Como faz Menino Maluquinho o pulando? (professor: lembre, junto com a turma, de outras situações em que podem criar onomatopéias).
  • 43. Peça que escrevam e ilustrem. CaçaCaçaCaçaCaça----palavraspalavraspalavraspalavras MMMM AAAA LLLL UUUU QQQQ UUUU IIII NNNN HHHH OOOO EEEE GGGG PPPP OOOO JJJJ BBBB IIII ZZZZ TTTT JJJJ NNNN TTTT XXXX EEEE SSSS AAAA CCCC IIII FFFF UUUU IIII JJJJ LLLL RRRR IIII BBBB BBBB RRRR DDDD LLLL NNNN LLLL UUUU CCCC IIII OOOO CCCC AAAA QQQQ IIII OOOO OOOO SSSS RRRR IIII CCCC WWWW LLLL CCCC EEEE BBBB EEEE BBBB ÊÊÊÊ CCCC AAAA TTTT DDDD LLLL TTTT TTTT UUUU PPPP RRRR VVVV OOOO VVVV ÓÓÓÓ SSSS AAAA Banco de palavras: Menino Maluquinho, Lúcio, Ziraldo, Saci, Bebê, Vovó, Bocão, Julieta. Brincando e aprendendo com a adedonhaBrincando e aprendendo com a adedonhaBrincando e aprendendo com a adedonhaBrincando e aprendendo com a adedonha Esta é uma brincadeira muito interessante, pois além de ser divertida permite trabalhar vários aspectos da escrita, como por exemplo, a escrita correta das palavras ou mesmo a classificação das palavras quanto ao número de sílabas, se este for um objetivo de sua aula. Veja as sugestões a seguir: Adedonha ou StopAdedonha ou StopAdedonha ou StopAdedonha ou Stop A brincadeira pode ter qualquer número de participantes. Precisa-se apenas de papel, caneta ou lápis. Faz-se uma lista ou quadro com 11 colunas e acima de cada uma coloca-se alguns dos itens, como: nome de pessoa, cidade, animal, cor, artista, fruta, objeto. Sorteia-se uma letra e marca-se um tempo máximo. Cada participante terá que preencher todos os itens com palavras iniciadas pela letra sorteada. Pode-se trabalhar com duplas ou trios de alunos. 5555ª aulaª aulaª aulaª aula
  • 44. Exemplo: palavras começadas com MMMM de Maluquinho: NomeNomeNomeNome CiCiCiCidadedadedadedade AnimalAnimalAnimalAnimal FrutaFrutaFrutaFruta CorCorCorCor ObjetoObjetoObjetoObjeto Total deTotal deTotal deTotal de pontospontospontospontos Maluquinho Muqui macaco maça marrom mala Quem preencher todos os itens primeiro, mesmo sem utilizar todo o tempo predeterminado, grita “Stop” e a rodada acaba. Ninguém pode escrever mais nada. Faz-se então a contagem dos itens preenchidos por cada participante. Cada item preenchido vale 10 pontos. Se mais de um/a participante tiver colocado a mesma palavra para um determinado item, em vez de 10 só terá 5 pontos cada um/a. Ganha o jogo quem obtiver maior número de pontos. Atividade de Matemática Proponha o registro do total de pontos do jogo realizado. Elabore com a turma situações problemas envolvendo questões do jogo Adedonha.
  • 45. Sequência Didática VSequência Didática VSequência Didática VSequência Didática V5555 CoCoCoCompetências:mpetências:mpetências:mpetências: • Ampliar a competência comunicativa do aluno. • Utilizar diferentes linguagens e diferentes tiologias textuais. • Demonstrar capacidade de reflexão sistemática sobre a língua e a linguagem. • Aproveitar os conhecimentos desenvolvidos na escola para elaboração de propostas de intervenção solidária na realidade, respeitando os valores humanos considerando sua diversidade sociocultural. Habilidades:Habilidades:Habilidades:Habilidades: • Perceber a importância das diversas culturas e sua influência em sua formação. • Valorizar o convívio com os diversos grupos sociais, respeitando a diversidade. • Expressar-se oralmente com clareza e objetividade. • Identificar aspectos sonoros da língua. • Ler e reconhecer textos variados e de diferentes gêneros. • Produzir textos de vários gêneros, obedecendo às estruturas e os mecanismos de articulação da língua. Conteúdos:Conteúdos:Conteúdos:Conteúdos: • Leitura e interpretação. • Reconhecer a diferença entre segmentação da fala e escrita, relação entre as letras, as sílabas, as rimas e suas correspondências na escrita. • Percepção das convenções gráficas do sistema e escrita. • Atividades reflexivas de produção textual - reescrita e autocorreção de texto. • Diferenciação das formas, sons e nomes das letras do alfabeto. • Letra maiúscula e minúscula, pontuação, paragrafação e margem. PontoPontoPontoPontossss de Contde Contde Contde Contato:ato:ato:ato: Matemática, Educação Física e Arte Tempo de duração:Tempo de duração:Tempo de duração:Tempo de duração: 5 aulas 5 Regional São Mateus: Professoras: Luciana Aguiar de Souza Duarte, Silvania Lopes Gripa Manthay, Maria das Graças Faria, Sheila Zani de Souza e Divani Dias Cabral.
  • 46. ApApApAprofunde seu conhecimento:rofunde seu conhecimento:rofunde seu conhecimento:rofunde seu conhecimento: Escreva a cantiga de roda em papel bobina e afixe na sala. Faça a leitura e explique sobre as cantigas de roda que fazem parte da nossa cultura oral, transmitida através das gerações e que para preservá-las é necessário valorizá-las e transmiti-las aos nossos colegas e familiares. O cravo brigou com a rosa Debaixo de uma sacada O cravo saiu ferido E a rosa despedaçada O cravo ficou doente E a rosa foi visitar O cravo teve um desmaio E a rosa pôs-se a chorar A rosa fez serenata O cravo foi espiar E as flores fizeram festa Porque eles vão se casar Cantigas de rodaCantigas de rodaCantigas de rodaCantigas de roda Introduzida no Brasil pelos portugueses, as cantigas de roda foram difundidas como uma atividade típica de meninas. Durante muito tempo, as cantigas de roda ou brincadeiras de roda foram as principais atividades lúdicas de crianças, sendo largamente usada em todo o território brasileiro. Ao longo dos anos, as cantigas de roda deixaram de fazer parte do repertório de brincadeiras das crianças. Entretanto, as cantigas de roda retornaram aos círculos de brincadeiras infantis, numa valorização histórica na qual a escola tem sido uma forte parceira. Nesse processo de revitalização, as crianças aprendem a valorizar as relações interpessoais, o respeito mútuo, através da música. A ludicidade é o ponto de partida no trabalho com as cantigas e músicas infantis, onde movimentos, tais como: dar as mãos em um círculo, ouvir, cantar, tocar, incentivam o desenvolvimento infantil, promovem a socialização, colaborando para a conscientização do espírito de grupo. A cantiga de roda “O cravo brigou com a rosa” mostra uma característica de desenvolvimento infantil – o animismo infantil. Emprestar vida a seres inanimados, conceber as coisas como vivas e dotadas de intenção é uma das particularidades da criança na fase considerada por Piaget como pré-operacional, que vai dos dois anos de idade até os sete anos em média. 1ª aula1ª aula1ª aula1ª aula
  • 47. Converse com as crianças sobre a cantiga de roda, evidenciando: o que eles entenderam da cantiga; o nome das flores que estão na cantiga; a amizade entre as flores, e que depois da briga fizeram as pazes. Entregue cópias da cantiga aos alunos: quais as letras iniciais das palavras cravo e rosa? quantas letras tem a palavra cravo? E rosa? circule as palavras que rimam. Anote no quadro as respostas dos alunos e peça-os para circularem nas cópias que receberam. Entregue folhas de papel e lápis colorido para que as crianças desenhem o cravo e a rosa. Faça um mural afixando o desenho da rosa e o cravo acima. Atividade coletiva:Atividade coletiva:Atividade coletiva:Atividade coletiva: Faça um levantamento com a turma das cantigas de roda conhecidas pelos estudantes e elabore uma lista dos nomes das cantigas citadas. Apresente algumas cantigas de roda escrita em cartazes, explore a música, a escrita e o sentido dos textos. Explore neste momento a relação entre letra e seus sons. Explorar as relações entre grafemas e fonemas, perguntando aos alunos a letra inicial e final das palavras e pedindo sugestões sobre a grafia das palavras Atividade em grupoAtividade em grupoAtividade em grupoAtividade em grupo Divida a turma em seis grupos e entregue para cada grupo o cartaz com uma cantiga de roda. Peça para que o grupo ilustre a cantiga de roda, utilizando diversos recursos como, recorte e colagem, desenho, pintura, massa de modelar, etc. Sugestões de cantigas para a atividade de grupo:Sugestões de cantigas para a atividade de grupo:Sugestões de cantigas para a atividade de grupo:Sugestões de cantigas para a atividade de grupo: 2ª aula2ª aula2ª aula2ª aula
  • 48. Marcha soldado Cabeça de papel Se não marchar direito Vai preso no quartel O quartel pegou fogo A polícia deu sinal Acode, acode, acode A bandeira nacional Samba Lelê ta doente Ta com a cabeça quebrada Samba Lelê precisava É de umas boas palmadas Samba, samba, samba Lelê Samba, samba, samba Lelê Samba, samba, samba Lelê Samba na barra da saia Cai cai balão, cai cai balão Aqui na minha mão Não cai não, não cai não, Não cai não Cai na rua do sabão Cai cai balão, cai cai balão Aqui na minha mão Não vou lá, não vou lá, Não vou lá Tenho medo de apanhar Escravos de Jô Jogavam caxangá Tira, bota, Deixa o Zé Pereira ficar Guerreiros com Guerreiros Fazem zigue zigue zá Guerreiros com Guerreiros Fazem zigue zigue zá Grupo 1Grupo 1Grupo 1Grupo 1 Grupo 4Grupo 4Grupo 4Grupo 4Grupo 3Grupo 3Grupo 3Grupo 3 Grupo 2Grupo 2Grupo 2Grupo 2
  • 49. Atividade coletivaAtividade coletivaAtividade coletivaAtividade coletiva Apresentação pelo grupo do trabalho realizado. Explorar os cartazes com as cantigas de roda expostos na sala, realizando um trabalho com rimas. Faça a leitura com os alunos e incentive-os a buscarem no texto as palavras que terminam da mesma forma. Atividade individualAtividade individualAtividade individualAtividade individual Peça aos estudantes que escrevam no caderno a cantiga de roda do seu grupo e encontre nas cantigas as rimas. Destacar no texto as palavras que rimam. O trabalho com rimas auxilia na construção da consciência fonológica. Os estudantes aprendem que as palavras são formadas por diferentes sons. Grupo 5Grupo 5Grupo 5Grupo 5 Ciranda, cirandinha Vamos todos cirandar Vamos dar a meia volta Volta e meia vamos dar O anel que tu me deste Era vidro e se quebrou O amor que tu me tinhas Era pouco e se acabou Por isso, D.Fulana Entre dentro dessa roda Diga um verso bem bonito Diga adeus e vá embora A Ciranda tem três filhas Todas três por batizar A mais velha delas todas Ciranda se vai chamar Grupo 6Grupo 6Grupo 6Grupo 6 Capelinha de melão É de São João É de cravo, é de rosa É de manjericão São João está dormindo Não acorda, não Acordai, acordai, Acordai, João!
  • 50. Atividade de casaAtividade de casaAtividade de casaAtividade de casa Escrita coletiva de um bilhete aos familiares:Escrita coletiva de um bilhete aos familiares:Escrita coletiva de um bilhete aos familiares:Escrita coletiva de um bilhete aos familiares: Antes de iniciar à escrita explique aos alunos que o bilhete é para informar aos familiares que desenvolverão um trabalho com cantigas de roda e gostariam de saber se recordam de algumas cantigas e quais são elas. Para iniciar a escritaPara iniciar a escritaPara iniciar a escritaPara iniciar a escrita: Chame a atenção para os elementos importantes na construção do bilhete como, mensagem, assinatura e data. Questione: quem enviará o bilhete? qual o assunto? qual a mensagem? quem deverá ler o bilhete? qual é a data da mensagem? quem assina? Escrever um bilhete, junto com a turma, à família solicitando que mandem as cantigas de roda que conhecem. Registre o texto no quadro e peça aos alunos que escrevam em seus cadernos, explicando a função dos espaços em branco entre as palavras, reconhecendo a diferença entre segmentação da fala e da escrita e a direção da escrita da esquerda para a direita. Roda de conversaRoda de conversaRoda de conversaRoda de conversa Leia com os alunos as respostas dos bilhetes e à medida que forem lendo, pergunte se conhecem as cantigas de roda que a família mandou. Questione:Questione:Questione:Questione: para que o bilhete serviu? qual a importância de mandar à família? 3333ª aulaª aulaª aulaª aula
  • 51. Listar as cantigas citadas pelos familiares e fazer um comparativo com a lista feita anteriormente pela turma. Atividades com as cantigas enviadas pelos familiares que foram eleitas pela turma: escrever; ilustrar; destacar as palavras que rimam. Eleja algumas cantigas citadas pelos familiares para realizar um trabalho integrado com o professor de Arte e Educação Física.... Atividade integrada a disciplina deAtividade integrada a disciplina deAtividade integrada a disciplina deAtividade integrada a disciplina de Educação FísicaEducação FísicaEducação FísicaEducação Física No pátio da escola, faça uma roda e cante com os alunos as cantigas trabalhadas em sala de aula. Atividade coletAtividade coletAtividade coletAtividade coletiva:iva:iva:iva: Faça um gráfico em colunas constando o número de alunos e quantas cantigas foram pesquisadas. Explique aos alunos os dados do gráfico constando na coluna horizontal os nomes das cantigas e na vertical os números de cantigas apresentadas. Pedir que os estudantes registrem os gráficos nos cadernos. Confeccionar um gráfico com a turma para colar no painel e expor junto às cantigas. 4444ª aulaª aulaª aulaª aula
  • 52. Atividade integrada a disciplina deAtividade integrada a disciplina deAtividade integrada a disciplina deAtividade integrada a disciplina de ArteArteArteArte Confeccione, junto com as crianças, máscaras representando os personagens das cantigas, visando uma apresentação para a família e a escola. Atividade de casaAtividade de casaAtividade de casaAtividade de casa Envie as cantigas citadas pelos familiares e eleitas pela turma para apresentar à família. Peça para que leiam as cantigas com os familiares e proponha uma reescrita da cantiga que mais gostou. Roda de conversaRoda de conversaRoda de conversaRoda de conversa Faça uma roda para conversar com os alunos sobre as cantigas que apresentaram aos familiares. questione se cantaram em casa? qual delas mais gostou? Faça uma atividade com os nomes das cantigas em letras embaralhadas que vai ajudar a pensar na correspondência do oral com a escrita. Peça também para colocarem o número das letras usadas na palavra C V O A R _________________________ Quantas letras? _______ A O R S __________________________ Quantas letras? _________
  • 53. Atividade inteAtividade inteAtividade inteAtividade integradagradagradagrada àsàsàsàs disciplinadisciplinadisciplinadisciplinassss dededede Arte e de Educação FísicaArte e de Educação FísicaArte e de Educação FísicaArte e de Educação Física Elabore com professores de Arte e Educação Física coreografia das cantigas de roda eleitas pela turma e ensaie os estudantes para apresentação para a escola e familiares. Promova uma apresentação dos estudantes para a família e a escola das cantigas de roda, utilizando as máscaras e a coreografia desenvolvida no trabalho integrado com os professores de Arte e Educação Física. Use os painéis com as cantigas de roda criados com a turma na sala de aula para decorar o local da apresentação. A B L Ã O __________________________ Quantas letras? __________ S L D O A D O __________________________ Quantas letras? ________ Material adquirido pela Secretaria Estadual de Educação para subsidiar a prática pedagógica.Material adquirido pela Secretaria Estadual de Educação para subsidiar a prática pedagógica.Material adquirido pela Secretaria Estadual de Educação para subsidiar a prática pedagógica.Material adquirido pela Secretaria Estadual de Educação para subsidiar a prática pedagógica. CDCDCDCD CDCDCDCD
  • 54. Sequência Didática VISequência Didática VISequência Didática VISequência Didática VI6666 Competências:Competências:Competências:Competências: • Ampliar a competência comunicativa do aluno. • Utilizar diferentes linguagens e diferentes tipologias textuais; • Interatuar com dados, argumentos, fatos e informações contidos em diferentes textos. Habilidades:Habilidades:Habilidades:Habilidades: • Ler, e reconhecer, textos variados e de diferentes gêneros. • Interpretar textos orais (a partir de histórias ouvidas), gravuras, gráficos e outros. • Identificar aspectos sonoros da língua. • Conhecer o alfabeto e a representação escrita de cada letra identificando-as na formação das palavras. • Reconhecer a ordem das letras no alfabeto. • Reescrever textos lidos e ouvidos identificando os diferentes tipos de letra. Conteúdos:Conteúdos:Conteúdos:Conteúdos: • Atividades reflexivas de produção textual – reescrita e autocorreção de texto. • Diferenciação das formas, sons e nomes das letras do alfabeto. • Pontuação, paragrafação e margem. • Leitura e interpretação de imagem. • Relações sons e letras, letras e sons. • Ordem alfabética. Pontos de contato:Pontos de contato:Pontos de contato:Pontos de contato: Matemática e Ciências Tempo de duração:Tempo de duração:Tempo de duração:Tempo de duração: aulas Conversar com a turma sobre o filme que será assistido. Explorar o título e as imagens da capa do DVD: quem conhece a história pelo título, o que será tratado no filme? (levantamento de hipóteses) 6 Regional Cachoeiro de Itapemirim: Professora Cinthia Aparecida Meireles 1ª aula1ª aula1ª aula1ª aula
  • 55. Elaborar com a turma os combinados a respeito das atitudes e comportamento ao assistir o filme. Os combinados podem ser registrados no quadro ou em um cartaz. Levar as crianças para assistir o filme. Conversar sobre o filme: as hipóteses levantadas anteriormente sobre a história se confirmaram? os acontecimentos da história; onde se passou a história? Listar no quadro o nome dos personagens. Pinte, recorte e cole na ordem os acontecimentos da história. 2ª aula2ª aula2ª aula2ª aula
  • 56. Atividade em duplaAtividade em duplaAtividade em duplaAtividade em dupla Reescrita da história do filme assistiram. Revisão do texto produzido. Troca entre as duplas para leitura e ilustração dos textos produzidos pelos colegas. Atividade individualAtividade individualAtividade individualAtividade individual 1- Escreva os nomes de alguns dos personagens da história da Branca de Neve. 2- Escrever em ordem alfabética os nomes dos personagens da atividade anterior: 3- Escrever as características gerais dos personagens. 4- Vamos cantar a música dos sete anões?
  • 57. Atividade integrada com o professor de ArteAtividade integrada com o professor de ArteAtividade integrada com o professor de ArteAtividade integrada com o professor de Arte Organizar os estudantes em pequenos grupos. Propor que cada grupo pesquise no Laboratório de Informática um conto de fada. Cada grupo irá fazer um reconto da história pesquisada com as devidas ilustrações. Confecção de um mural com o resultado da pesquisa. 3ª aula3ª aula3ª aula3ª aula
  • 58. Apresentação da pesquisa que os estudantes realizaram no Laboratório de Informática. Depois de relacionar com as crianças os contos de fadas pesquisados, fazer uma votação das histórias preferidas; poderá ampliar o repertório das crianças com outros contos de fada 1- Construir um gráfico: Chapeuzinho vermelho Cinderela O gato de botas A Bela e a Fera Rapunzel A pequena sereia João e Maria 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 Reflita com os estudantes: o que o gráfico demonstra? qual o conto de fada ganhou mais votos? qual ganhou menos votos? Após a realização da eleição com a turma do conto preferido, fazer uma dramatização. 2- Encontre o caminho:
  • 59. 3- Descubra o nome dos sete anões. Seu professor escreve no quadro e você copia. 4- Qual nome tem mais letras? ______________ Qual nome termina com M? ______________ 5- Preencha o quadro com nomes que comecem com a mesma letra dos nomes de alguns anõezinhos: DUNGADUNGADUNGADUNGA MESTREMESTREMESTREMESTRE SONECASONECASONECASONECA ATCHIMATCHIMATCHIMATCHIM
  • 60. 6- Branca de Neve vai fazer comida para os sete anões durante uma semana. Para não repetir pratos, ela precisa fazer um cardápio. Vamos ajudar Branca de Neve a montar o cardápio da semana? Dias da semanaDias da semanaDias da semanaDias da semana AlmoçoAlmoçoAlmoçoAlmoço JantarJantarJantarJantar Roda de conversaRoda de conversaRoda de conversaRoda de conversa Recordando o filme Branca de Neve e os sete anões: Peça que as crianças citem os animais que aparecem no filme. Escreva no quadro os animais citados pelas crianças e em seguida peça que falem sobre as suas características. Relacione as características citadas pelos estudantes e aproveite esse momento para falar sobre animais vertebrados e invertebrados. Confeccione, com as crianças, um cartaz com os animais que aparecem no filme, classificando-os em Animais Vertebrados e Animais Invertebrados. 4ª aula
  • 61. Atividade na Biblioteca EscolarAtividade na Biblioteca EscolarAtividade na Biblioteca EscolarAtividade na Biblioteca Escolar Pesquisar com os estudantes sobre animais vertebrados e invertebrados. Classificar os animais que aparecem no filme e completar a tabela: Animais vertebradosAnimais vertebradosAnimais vertebradosAnimais vertebrados Animais invertebradosAnimais invertebradosAnimais invertebradosAnimais invertebrados Atividade de casaAtividade de casaAtividade de casaAtividade de casa Pesquise em revistas figuras de animais, recorte, cole no caderno e escreva sobre as características dos animais pesquisados, classificando-os em vertebrados e invertebrados. Roda de conversaRoda de conversaRoda de conversaRoda de conversa 5ª aula
  • 62. Apresentação pelas crianças da atividade de casa. Voltar ao cartaz confeccionado na aula anterior e complementar com os nomes de animais pesquisados em casa, completando as colunas de animais vertebrados e animais invertebrados. Relembrando o filme: A casa dos anões estava muito desorganizada. O que Branca de Neve e os animais fizeram para organizar a casa? Quando os anões chegaram em casa estavam com fome. Branca de Neve pediu que eles fizessem algo antes do jantar; vocês se lembram o que ela pediu? Faça uma lista do que devemos fazer para manter a nossa casa limpa e dos costumes de higiene pessoal. AtividadAtividadAtividadAtividade em grupoe em grupoe em grupoe em grupo Faça um texto falando da importância da higiene pessoal. Revisão coletiva dos textos. Reescrita dos textos e ilustração (desenhos, pintura, recorte e colagem). Expor os textos revisados no mural da escola. Atividade integrada com o prAtividade integrada com o prAtividade integrada com o prAtividade integrada com o professor de Educação Físicaofessor de Educação Físicaofessor de Educação Físicaofessor de Educação Física No filme Branca de Neve quando entrou na casinha da floresta pensou que ali moravam apenas crianças. Você sabe por quê? Quais as características que vocês observaram nos móveis e objetos da casa? 6ª aula
  • 63. Junto com o professor (a) de Educação Física proceder à medição das crianças. Elaborar uma ficha para cada aluno contendo nome, idade, altura, peso e número do sapato. Cada aluno deverá identificar na sua ficha o número do seu sapato. Colocar em ordem crescente: os nomes dos alunos e suas respectivas alturas; os nomes dos alunos e seus respectivos pesos; os nomes dos alunos e suas respectivas idades; os nomes dos alunos e seus números de sapatos. Conversando sobre:Conversando sobre:Conversando sobre:Conversando sobre: BrincadeiraBrincadeiraBrincadeiraBrincadeira ---- Dez coloridosDez coloridosDez coloridosDez coloridos Número de jogadores: grupos de 5 componentes. Material: canudinhos de plástico de diversas cores (podem ser cortados ao meio, para economizar material) e giz de cera das mesmas cores dos canudos. O jogo Dez Colorido permite trabalhar a contagem, a comparação de quantidades e a correspondência, além da fixação de cores e da socialização. Regras: os integrantes de cada grupo somarão esforços para vencer o jogo; cada aluno receberá 10 canudinhos com cores misturadas aleatoriamente. primeiro, o professor vai incentivar a contagem verbal, pedindo que cada um se certifique de que possui realmente 10 canudos. feito isso o professor sorteia um giz de cera. cada aluno vai então contar quantos canudinhos possui da cor apresentado pelo professor; o grupo, em seguida, deverá somar o total de seus canudos com cor idêntica ao do giz sorteado. Os jogos matemáticos são desafiadores e permitem a participação ativa dos alunos. Em situações de trabalho com pequenos grupos, várias habilidades e atitudes são exigidas, tais como considerar todos os pontos de vista, ser coerente e racional, justificar suas conclusões e ouvir o outro. E é nesse processo, por meio de uma negociação de significados, que se estabelece a aprendizagem dos estudantes. Existem cerca de 200 tipos de nanismo em todo mundo. O mais comum é a acondroplasia. Ela é uma anomalia genética, não necessariamente hereditária. A estatura dos anões varia de 70 cm e 1,40m, e sua capacidade intelectual é normal (Folha de São Paulo).
  • 64. ganha o grupo que tiver a maior quantidade de canudinhos daquela cor. A etapa seguinte do jogo consiste na retomada, pelas crianças, dos canudinhos que haviam colocado no centro do círculo. Mais uma vez se manifesta o individualismo e o sentimento de posse. As crianças brigam para pegar o maior número possível de canudos e muitas vezes solicitam a intervenção do professor. Deve-se usar a Matemática como mediadora, estimulando-se a contagem até que todos constatem que têm cada um 10 canudinhos. Se um aluno juntar mais de 10, deve-se questioná-lo sobre o que fazer. O jogo termina dando vez ao grupo que ainda não venceu. O próprio grupo escolhe o giz de cera, dando-lhe a oportunidade de pegar a cor cujos canudinhos possui em maior quantidade. Pode-se na seqüência estimular as crianças a desenharem com o giz de cera que ganharam no jogo. Em caso de escassez de material, o professor pode recolher os gizes e os canudinhos e guardar para uma próxima rodada da brincadeira. Atividades envolvendo situaçõesAtividades envolvendo situaçõesAtividades envolvendo situaçõesAtividades envolvendo situações----problemasproblemasproblemasproblemas 1) Os anões resolveram presentear Branca de Neve e foram colher frutas para ela: o Mestre deu 1 dezena de goiabas, Dunga meia dezena de laranjas e Dengoso 1 dúzia de bananas. Quantas frutas Branca de Neve ganhou? 2) Elaborar junto com os alunos (o professora será a escriba) situações-problemas relacionado ao conto Branca de Neve e os sete anões. Para ajudar na fixação das cores, pode-se usar no jogo canudinhos e giz com cores próximas, como, por exemplo, amarelo e alaranjado. As crianças devem fazer a classificação correta e, se houver dúvida, o professor pode levantar a discussão, nos grupos. Para trabalhar a socialização, o professor pode pedir às crianças que coloquem os canudinhos da cor selecionada no meio da roda, junto com os dos colegas do grupo, trabalhando assim o sentimento de posse que as crianças demonstram fortemente nesta fase.
  • 65. Sequência Didática VIISequência Didática VIISequência Didática VIISequência Didática VII7777 Competências:Competências:Competências:Competências: • Ampliar a competência comunicativa do aluno. • Conviver, crítica e ludicamente, com situações de produção de textos, atualizado em diferentes suportes e sistemas de linguagem – escrita, oral, imagética, entre outras. • Organizar informações representadas em diferentes formas de conhecimento disponíveis para construção de argumentação consistente. Habilidades:Habilidades:Habilidades:Habilidades: • Ler, e reconhecer, textos variados e de diferentes gêneros. • Identificar aspectos sonoros da língua. • Observar e descrever detalhes de diferentes situações cotidianas. • Identificar aspectos sonoros da língua. • Produzir textos de vários gêneros, obedecendo às estruturas e os mecanismos de articulaçãoda língua. • Reescrever textos lidos e ouvidos identificando os diferentes tipos de letras. ConteúdosConteúdosConteúdosConteúdos • Atividades reflexivas de produção textual – reescrita e autocorreção de texto. • Diferenciação das formas, sons e nomes das letras do alfabeto. • Pontuação, paragrafação e margem. • Relações sons e letras, letras e sons. • Relação entre texto verbal e imagético; • Categorização gráfica e funcional da letra s(som de S e Z); Pontos de Contato:Pontos de Contato:Pontos de Contato:Pontos de Contato: Matemática, Geografia, Educação Física e Arte Tempo:Tempo:Tempo:Tempo: 5 aulas Roda de conversaRoda de conversaRoda de conversaRoda de conversa 7 Regional Cariacica: Professora Jeany Kerlley Aprígio. 1ª aula
  • 66. Podemos encontrar atos de comunicação nas ilustrações a seguir:::: Perguntar aos alunos: Vocês já viram algumas destas placas antes? Em que local? Para que servem as placas que aparecem nas imagens? É possível entender a mensagem das placas que só têm desenho? (explorar diversos tipos de sinalização que aparecem em lojas, ruas, transportes) Apresentar o livro “As Aventuras do Bonequinho do Banheiro” de Ziraldo.
  • 67. Ler para a turma o livro apresentado. Conhecendo o autor:Conhecendo o autor:Conhecendo o autor:Conhecendo o autor: Essas figuras são personagens que foram criados pelo autor Ziraldo no livro “As Aventuras do Bonequinho do Banheiro”. Refletir com os estudantes: O que se vê nas duas placas acima? O que querem dizer essas placas? Vocês já encontraram esses sinais em algum lugar? Onde? Qual a mensagem que o autor Ziraldo quer nos transmitir com as imagens no seu livro? Você conhece a sinalização próxima a sua casa? E na sua escola existe algum tipo de placa? Se você tivesse que usar um banheiro público, que porta abriria? Atividade de casaAtividade de casaAtividade de casaAtividade de casa Ziraldo Alves Pinto nasceu no dia 24 de outrubor de 1932 em Caratinga, Minas Gerais. Começou sua carreira nos anos 50, trabalhando em jornais e revistas de expressão, como o Jornal do Brasil e Folha de Minas Gerais. Além de escritor, é pintor, cartazista, jornalista, teatrólogo, chargista, caricaturista.
  • 68. Pesquise no caminho da escola algumas placas de trânsito, desenhe e escreva o que elas significam. Roda de conversaRoda de conversaRoda de conversaRoda de conversa Socialização da pesquisa realizada como atividade de casa. Explorando outros textos: Sabemos que existem várias maneiras de nos comunicarmos. Sabemos também que ao transmitirmos uma mensagem estamos realizando um ato de comunicação: Realizar com os alunos a confecção de cartazes simbolizando a linguagem sonora, visual e gestual, utilizando recortes de revistas e jornais e escrevendo o significado dessas linguagens. 2ª aula
  • 69. Carta enigmáticaCarta enigmáticaCarta enigmáticaCarta enigmática Verificar se os alunos conhecem carta enigmática. Apresentar uma carta enigmática bem simples para a classe. Propor que escrevam um bilhete enigmático para um amigo. Pedir que troquem os bilhetes enigmáticos para decifrá-los. Atividade em grupo:Atividade em grupo:Atividade em grupo:Atividade em grupo: Criando histórias: depois que já treinaram com o bilhete, proponha que escrevam, em grupo, uma história em forma de carta enigmática. Se quiserem, poderão escolher uma história já conhecida ou criar outra (recomenda-se que não seja um texto muito longo). Atividade coletiva:Atividade coletiva:Atividade coletiva:Atividade coletiva: Cada grupo irá apresentar para a turma a história em forma de carta enigmática que foi elaborada. O desafio da turma é decifrar as histórias que foram criadas pelos grupos. Atividade em duplas:Atividade em duplas:Atividade em duplas:Atividade em duplas: 1) Decifrar: Os , as e o são - ´ + ssos a - lho + gos. O que diz esta carga enigmática? Escreva. _________________________________________________________________________
  • 70. 2) Criar uma carta enigmática sobre os sinais de trânsito e trocar com outra dupla para decifrar. Produção de placas de sinalizaçãoProdução de placas de sinalizaçãoProdução de placas de sinalizaçãoProdução de placas de sinalização Criar com o grupo uma lista de frases sugestivas, como: Respeite a fila Não jogue papel no chão Lugar de lixo é na lixeira Não grite no refeitório Aguarde a sua vez de falar Proibido andar de bicicleta Banheiro feminino e masculino Atividade em duplasAtividade em duplasAtividade em duplasAtividade em duplas Criar placas para distribuir pela escola, onde poderão utilizar as frases elaboradas coletivamente. conversem sobre a mensagem que consideram importante destacar na placa que será fixada. pensem no formato, na cor e no tamanho da placa. Atividade integrada com o professor (a) de Educação FísicaAtividade integrada com o professor (a) de Educação FísicaAtividade integrada com o professor (a) de Educação FísicaAtividade integrada com o professor (a) de Educação Física Propor um circuito que poderá ser traçado no chão ou ser feito em tabuleiro 3ª aula
  • 71. Atividade de casaAtividade de casaAtividade de casaAtividade de casa Bancando o repórterBancando o repórterBancando o repórterBancando o repórter Que tal dar uma de repórter para tentar entender o comportamento das pessoas no trânsito? Legal? Então visite o Laboratório de Informática, e consulte junto com a professora, o CódigoCódigoCódigoCódigo Nacional de TrânsitoNacional de TrânsitoNacional de TrânsitoNacional de Trânsito. Depois, faça a seguinte pergunta ao maior número de pessoas que puder: - O que você faz para não se envolver em acidentes de trânsito? Entreviste pessoas com mais de 10 anos, inclusive adultos que sejam motoristas. Roda de conversaRoda de conversaRoda de conversaRoda de conversa Socialização das entrevistas realizadas em casa. Compare as respostas das entrevistas com o que está escrito no Código. Apresentação do texto informativo publicado na revista Ciência Hoje para Crianças, no. 93, pags. 11-13 4ª aula Acidentes e ViolênciasAcidentes e ViolênciasAcidentes e ViolênciasAcidentes e Violências ---- Olhe por onde anda!Olhe por onde anda!Olhe por onde anda!Olhe por onde anda! Sabendo que brincar é tão bom, alguém quer se arriscar a parar no hospital ou até mesmo a perder a vida? Não é exagero, não! As estatísticas mostram que, no Brasil, a cada quatro horas, tempo equivalente ao que você está na escola, uma criança morre e 30 ficam feridas em acidentes de trânsito. Neste mesmo tempo, o trânsito mata 10 adultos e fere 120, aproximadamente. O comportamento dos motoristas é a maior causa desses acidentes: ao dirigir em alta velocidade e desrespeitar a sinalização. Mas os pedestres, devido a sua desatenção e seu comportamento são também grandes causas de acidentes. Sem olhar para os dois lados da rua antes de cruzá-la, atravessando fora da faixa de segurança, não usando as passarelas, subindo e descendo dos ônibus quando ainda estão em movimento, eles arriscam suas vidas e contribuem para aumentar o número das tragédias no trânsito.
  • 72. Conversando sobre o texto: Para quem foi escrito esse texto? Justifique. Quais as atitudes que os pedestres devem adotar para evitar acidentes no trânsito e assim, preservar a vida? E os motoristas, quais as atitudes devem demonstrar para termos um trânsito seguro? Produção de texto:Produção de texto:Produção de texto:Produção de texto: Com base no texto, produza um texto destacando as regras de segurança que todos devem seguir para evitar acidentes e colaborar para um trânsito mais solidário. Atividade de pesquisaAtividade de pesquisaAtividade de pesquisaAtividade de pesquisa 1- Vamos estudar a letra S. a) Que sons ela tem nas palavras sinal e desatenção? ______________________________ b) A letra S tem o mesmo som nessas palavras? ___________________________________ c) Releia o texto ““““Acidentes e ViolênciasAcidentes e ViolênciasAcidentes e ViolênciasAcidentes e Violências ---- Olhe por onde anda!”Olhe por onde anda!”Olhe por onde anda!”Olhe por onde anda!” e pinte de azul as palavras com S (som de S) e de vermelho as palavras com S(som de Z). _________________________________________________________________________ _________________________________________________________________________ _________________________________________________________________________ _________________________________________________________________________ _________________________________________________________________________ _________________________________________________________________________ _________________________________________________________________________ _________________________________________________________________________ _________________________________________________________________________ _________________________________________________________________________ _________________________________________________________________________ _________________________________________________________________________ ______________________________________________________ ______________________________________________________ ______________________________________________________ ______________________________________________________ ______________________________________________________ ______________________________________________________ ______________________________________________________ ______________________________________________________ ______________________________________________________ ______________________________________________________
  • 73. d) Recorte de jornais ou revistas palavras em que a letra s aparece na mesma posição de sinal e desatenção e cole no espaço abaixo. SINALSINALSINALSINAL S com som de SS com som de SS com som de SS com som de S DESATENÇÃODESATENÇÃODESATENÇÃODESATENÇÃO S com som de ZS com som de ZS com som de ZS com som de Z e) Vamos construir a regra que explica o uso da letra s nas palavras acima: __________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________ Atividade integrada à disciplina de ArteAtividade integrada à disciplina de ArteAtividade integrada à disciplina de ArteAtividade integrada à disciplina de Arte Confeccionar com a turma maquetes e realizar um circuito simulando situações do trânsito, incentivando os alunos a refletirem sobre a importância do respeito às placas de sinalização, conhecendo seus deveres como pedestres e ciclistas. Exposição das maquetes e apresentação as outras turmas da escola 5ª aula5ª aula5ª aula5ª aula
  • 74. CruzadinhaCruzadinhaCruzadinhaCruzadinha Para refletir:Para refletir:Para refletir:Para refletir: 1- Nome da pessoa que anda na via. 2- Nome da pessoa que dirige o veículo. 3- Nome popular dos semáforos. 4- Sinal amarelo significa _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ 5- Sinal vermelho significa _ _ _ _ _ _ _ _ _ 6- Sinal verde significa _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ 1 4 5 3 2 6 Sugerimos muitas, constantes e variadas atividades com palavras significativas para as crianças e adolescentes e com as quais eles se deparem com frequência. Tais palavras estáveis (ou fixas) ajudam o estudante a ir percebendo as regularidades do nosso sistema de escrita e a utilizar conhecimentos (adquiridos quando as leram e escreveram), ao se defrontarem com novas palavras que tenham semelhanças com aquelas que, em sua mente, estão mais estáveis e sobre as quais refletiram mais. Ensino Fundamental de nove anos – Orientações para a inclusão da criança de seis anos de idade – MEC, 2007
  • 75. Sequência Didática VIIISequência Didática VIIISequência Didática VIIISequência Didática VIII 8888 Competências:Competências:Competências:Competências: • Ampliar a competência comunicativa do aluno. • Demonstrar capacidade de reflexão sistemática sobre a língua e a linguagem. • Utilizar diferentes linguagens e diferentes tipologias textuais. Habilidades:Habilidades:Habilidades:Habilidades: • Expressar-se oralmente com clareza e objetividade. • Identificar aspectos sonoros da língua. • Conhecer o alfabeto e a representação escrita de cada letra identificando-as na formação das palavras. • Reconhecer a ordem das letras no alfabeto. • Ler, e reconhecer, textos variados e de diferentes gêneros. Conteúdos:Conteúdos:Conteúdos:Conteúdos: • Diferenciar as formas, os sons e os nomes das letras do alfabeto • Ordem alfabética. • Reconhecer o alfabeto em diferentes contextos • Ler textos de vários gêneros, estabelecendo relação fonema/grafema e compreendendo o sentido • Reconhecer a diferença entre segmentação da fala e escrita, relação entre as letras, as sílabas, as rimas e suas correspondências na escrita. • Percepção das convenções gráficas do sistema e escrita. Pontos de Contato:Pontos de Contato:Pontos de Contato:Pontos de Contato: Matemática Tempo de duraçãoTempo de duraçãoTempo de duraçãoTempo de duração: 5 aulas Para refletir:Para refletir:Para refletir:Para refletir: Aprofunde seu conhecimentoAprofunde seu conhecimentoAprofunde seu conhecimentoAprofunde seu conhecimento: 8 Regional Nova Venécia: Professores: Ireni Pessin Mendes, Neuza Roberto, Helena Kohlz de Paula Bichi, Jane Kátia dos Santos Ferreira e Adriana Soares de Lima Cardoso. O trabalho com a leitura no ambiente escolar não pode ser uma tarefa exclusiva de “conteúdo escolar” é necessário que os estudantes sintam o caráter vivo da língua pela interação com os textos. Isso acontece principalmente quando os estudantes têm a possibilidade de refletir sobre os textos e conversar em grupo, por isso a experiência da leitura do mundo – cultural e lingüística. (Robeck, Wallace, 1990)
  • 76. Roda de conversa:Roda de conversa:Roda de conversa:Roda de conversa: Fazer as perguntas: Você conhece o nosso alfabeto? Conhece alguma letra do nosso alfabeto? Qual é essa letra? Quem ensinou essa letra para você? Você sabe quantas letras tem nosso alfabeto? Em quais materiais podemos encontrar letras? Para avaliaçãoPara avaliaçãoPara avaliaçãoPara avaliação:::: Anote as respostas de cada aluno por meio da fala e da escrita dos estudantes, observe se eles reconhecem as letras do alfabeto como símbolos convencionais da escrita e se conseguem estabelecer algumas relações entre fonemas e grafemas. Identifique quais relações eles estabelecem. Escreva o poema em um cartaz e afixe na sala. Desde que foi criada, há seis mil anos, a escrita passou por várias transformações ao longo de sua história. As mais importantes podem ser descritas em três fases, conforme Cagliari,em A escrita na alfabetização. Ed. Diante as Letras Campinas – São Paulo, 1999. Fase pictóricaFase pictóricaFase pictóricaFase pictórica –––– aparecem os desenhos figurativos associados à representação da imagem. Esses desenhos podem ser observados em inscrições antigas de cavernas e monumentos. Fase ideográficaFase ideográficaFase ideográficaFase ideográfica –––– caracterizada pelo aparecimento de representações de idéias, os ideogramas. São exemplos de escritas ideográficas: a egípcia, a mesopotâmica e a chinesa. Fase alfabética – caracterizada pelo uso das letras. Estas tiveram sua origem nos ideogramas, mas perderam o valor ideográfico, assumindo uma nova função de escrita: a representação puramente fonográfica. O ideograma perdeu seu valor pictórico e passou a ser simplesmente uma representação fonética. No sistema fonográfico, para ler e escrever utiliza-se diferentes estratégias: na escrita, cada som da fala relaciona-se a uma letra e na leitura é necessário associar a cada letra um som, integrar os sons segundo uma ordem e inferir que palavra está escrita. Fonemas:Fonemas:Fonemas:Fonemas: são as menores unidades sonoras da fala (Cegalla, D.P. – Novíssima Gramática da Língua Portuguesa – Ed.: Nacional São Paulo, 2005) Grafema:Grafema:Grafema:Grafema: Unidade de um sistema de escrita que, na escrita alfabética corresponde às letras (e também a outros sinais distintos, como hífen, o til, sinais de pontuação, os números, etc.) HOUAISS, A. Dicionário Houaiss da Língua Portuguesa. Ed.Objetiva, Rio de Janeiro, 2001. 1ª aula1ª aula1ª aula1ª aula
  • 77. Poema: Um bichinho diferente . Faça a leitura do poema “Um bichinho diferente””””.... Mostre as patinhas do bichinho com as letras do alfabeto para os alunos e peça que identifique as letras em ordem alfabética, entregue para os alunos colorirem as letras/patinhas e vá colando em ordem, no bichinho já afixado na parede, em lugar visível. Faça a leitura apontada, chamando a atenção dos estudantes para a direção da escrita. A relação oralidade/escrita e o espaçamento entre as palavras. Solicite que os estudantes localizem palavras no texto e identifiquem o som da letra inicial de algumas delas. Incentive-os a tentar ler palavras. Fale das características do poema, como versos e rimas. Brincadeira com rimaBrincadeira com rimaBrincadeira com rimaBrincadeira com rima É importante lembrar que o poema possui uma estrutura fixa – versos, estrofes e rimas (nem todos possuem rimas) – e que poemas devem ser lidos com a intenção de extrapolar na intensidade, na superposição de sons, visando criar beleza, sentimentos (agradáveis ou não), ironia ou comicidade (humor). Logo, ler um poema é destacar a sua estrutura, pois é o que o distingue de outros gêneros textuais.
  • 78. Destaque algumas palavras do poema para fazer brincadeira com rimas. Escreva cada uma delas em papel (pode utilizar o papel bobina). Coloque todas as palavras em uma caixa. Peça para que os estudantes sentem em círculo, passe a caixa ao som de uma música e quando a música parar o estudante que tiver com a caixa, deverá retirar a palavra, ler e encontrar outra palavra que com ela rime. Vá anotando no quadro as palavras tiradas da caixa e a palavra sugerida como rima pelo estudante. Ex: letrinha - perninha passava - cantava palavrinha – perninha Atividade de casaAtividade de casaAtividade de casaAtividade de casa Peça aos alunos para trazerem caixas de creme dental vazias, para confecção de crachá Construindo crachás com os nomes dos alunosConstruindo crachás com os nomes dos alunosConstruindo crachás com os nomes dos alunosConstruindo crachás com os nomes dos alunos Utilize a caixa de creme dental para fazer o crachá. Em cada face da caixa, o nome completo do estudante deverá ser escrito com um tipo diferente de letra. Coloque em uma caixa todos os crachás dos estudantes; retire um de cada vez e em seguida pergunte: De quem é este crachá? Com que letra começa? Que outras palavras iniciam com esta letra? 2ª aula2ª aula2ª aula2ª aula Nome próprioNome próprioNome próprioNome próprio –––– o texto principalo texto principalo texto principalo texto principal No início do processo de alfabetização, trabalhe com o nome dos estudantes. “O primeiro texto que uma criança quer reconhecer (ler) e escrever é seu próprio nome. Também se interessa pelo nome de seus pais e irmãos, de seus colegas e professores, dos animais de estimação e dos objetos preferidos” (Curto. M. Escrever e ler; como as crianças aprendem e como o professor pode ensiná-las a escrever a ler. Porto Alegre: Artmed, 2000)
  • 79. Pedir para que cada aluno construa, com o alfabeto móvel, o seu nome e deixar exposto em um mural para todos visualizarem. O aluno pode construir com o auxílio da professora. Verificar, com a turma: qual nome é maior; qual o nome menor. Estabelecer comparações entre quantidade de letras presentes em cada nome. Mostrar para os alunos que nem sempre o tamanho da pessoa corresponde ao tamanho de seu nome, bem como o nome de animais, objetos e coisas correspondem ao tamanho da escrita de seus nomes. Contar o número de letras de cada nome e escrever ao lado o número correspondente. Após a contagem de letras dos nomes, construir um gráfico relacionando os nomes com a quantidade de letras. GráficoGráficoGráficoGráfico 13131313 12121212 11111111 10101010 9999 8888 7777 6666 5555 4444 3333 2222 1111 AnaAnaAnaAna LiaLiaLiaLiaMaraMaraMaraMaraCarlosCarlosCarlosCarlos MartaMartaMartaMartaLúciaLúciaLúciaLúcia FábioFábioFábioFábio MateusMateusMateusMateus
  • 80. Roda de conversaRoda de conversaRoda de conversaRoda de conversa Organize a turma em círculo sentados no chão, coloque os crachás no centro e peça a cada estudante que pegue um e tente ler o nome escrito. Ajude se necessário. Escrever no quadro alguns nomes de alunos sem as letras iniciais e finais. Pedir aos alunos para identificarem qual é a letra. Peça para que anotem em seus cadernos. Conversar com as crianças:Conversar com as crianças:Conversar com as crianças:Conversar com as crianças: Tudo e todo mundo tem um nome? Cadeira é nome? Mesa é nome? Porque as coisas e as pessoas têm um nome? Quem escolheu seu nome? Atividade coletivaAtividade coletivaAtividade coletivaAtividade coletiva Poema “O nome da gente de Pedro Bandeira”. Escrever o poema em um cartaz fixando-o na sala e realizar a leitura apontando as palavras. 3333ª aulaª aulaª aulaª aula O nome da genteO nome da genteO nome da genteO nome da gente Eu não gosto do meu nome não fui eu quem escolheu. Eu não sei por que se metem com um nome que é só meu. O nenê que vai nascer vai chamar como o padrinho vai chamar como o vovô mas ninguém vai perguntar o que pensa o coitadinho. Foi meu pai quem decidiu que o meu nome fosse aquele isso só seria justo se eu escolhesse o nome dele. Quando eu tiver um filho não vou por nome nenhum quando ele for bem grande ele que procure um.
  • 81. Apresentando o autor:Apresentando o autor:Apresentando o autor:Apresentando o autor: Conversando sobre o textoConversando sobre o textoConversando sobre o textoConversando sobre o texto Vocês conhecem o autor da poesia? Já ouviram alguma história escrita por ele? Quem vocês acham que é o personagem do texto? É um adulto, ou uma criança? Que trecho do poema te chamou mais a atenção? Você concorda com a opinião do personagem sobre a escolha dos nomes? Produção de texto:Produção de texto:Produção de texto:Produção de texto: Que tal reescrever, em dupla, o poema? Depois, cada dupla irá apresentar o texto elaborado para a turma Atividade na biblioteca da escolaAtividade na biblioteca da escolaAtividade na biblioteca da escolaAtividade na biblioteca da escola Pesquisar um livro do autor da poesia “O nome da gente” e promover a contação de história com o livro encontrado. Atividade no Laboratório de InformáticaAtividade no Laboratório de InformáticaAtividade no Laboratório de InformáticaAtividade no Laboratório de Informática Dividir a turma em duplas e propor: Pesquisa de poesias de outros autores. Ilustração da poesia. Apresentação para a turma a poesia pesquisada e exposição na sala de aula. Eleição de uma das poesias apresentadas. Montagem de um jogral com a poesia eleita pela turma. Pedro Bandeira de Luna Filho nasceu em Santos, no dia 9 de março de 1942. É o autor de literatura juvenil mais vendido no Brasil (vinte milhões de exemplares até 2006). Já escreveu setenta e sete livros. Além de professor, trabalhou em teatro como ator, diretor, cenógrafo e com teatro de bonecos. Também trabalhou na área de jornalismo e publicidade. Seu primeiro livro foi O dinossauro que fazia au-au, voltado para crianças, e fez grande sucesso. Mas foi com A droga da obediência, voltado para adolescentes, que ele considera seu público alvo, que se consagrou. Este foi seu livro com a maior vendagem de exemplares. 4444ª aulaª aulaª aulaª aula
  • 82. PesqPesqPesqPesquisa de poesias da turmauisa de poesias da turmauisa de poesias da turmauisa de poesias da turma Construindo o alfabetoConstruindo o alfabetoConstruindo o alfabetoConstruindo o alfabeto Apresente letra por letra do alfabeto (utilizar o alfabeto móvel). Atividade em grupoAtividade em grupoAtividade em grupoAtividade em grupo Construa com os estudantes o “alfabeto concreto”: Mural com divisão para encaixe de objetos, rótulos, palavras, desenhos, com a primeira letra seguindo a ordem alfabética. Atividade desenvolvida pela professora Ângela Pacanhã Eler- Regional Vila Velha.
  • 83. Nosso Alfabeto de ObjetosNosso Alfabeto de ObjetosNosso Alfabeto de ObjetosNosso Alfabeto de Objetos Varie diariamente o uso dos crachás em brincadeiras:Varie diariamente o uso dos crachás em brincadeiras:Varie diariamente o uso dos crachás em brincadeiras:Varie diariamente o uso dos crachás em brincadeiras: Trabalhar a ordem alfabética construindo uma agenda com os nomes das crianças. Atividade de casaAtividade de casaAtividade de casaAtividade de casa Enviar uma atividade para casa sobre a história dos nomes: como foi a escolha do nome das crianças, quem escolheu, se elas gostam do nome dado a elas, que nome elas gostariam de ter. Solicitar aos alunos para trazerem revistas ou jornais para a próxima aula.
  • 84. Roda de conversaRoda de conversaRoda de conversaRoda de conversa Reunir os alunos em círculo e socializar as questões feitas em casa: Como foi a escolha do nome das crianças? Quem escolheu? Gostam do nome dado a elas? Que nome elas gostariam de ter? Anote as respostas. Entregue aos alunos, papel-bobina recortado no tamanho 30x10cm. Peça que encontrem as letras de seus nomes nas revistas e jornais que trouxeram de casa e colem no papel bobina. Produção de textoProdução de textoProdução de textoProdução de texto “A história do meu nome”: produzir um texto baseado na pesquisa sobre o nome realizado em casa, tendo como ilustração a montagem do nome feito com os recortes das letras dos jornais ou revistas. DDDDinâmica do barbante:inâmica do barbante:inâmica do barbante:inâmica do barbante: Cada letra em ordem alfabética será representada por nós feitos no barbante. Ex: A N A A letra A: um nó no barbante. A letra N: quatorze nós no barbante. A letra A: um nó no barbante. Com a ajuda dos alunos, vá fazendo os nós correspondentes às letras de seus nomes. Cole o barbante embaixo de cada letra. Confeccione um painel dos nomes com os barbantes na sala de aula e exponha este trabalho no corredor para ser visualizado por todos os colegas da escola. Para refletir:Para refletir:Para refletir:Para refletir: O nome próprio, como modelo de escrita, cumpre uma função muito especial no processo de alfabetização. Cabe ao professor registrar o desempenho individual de cada criança, para desenvolver estratégias de estímulos, aprendizagens e superação de dificuldades. Nesse sentido, a avaliação deve ser reflexiva e mediadora. É preciso observar os estudantes individualmente e em grupo, sempre os auxiliando a superarem suas dificuldades, oferecendo-lhes oportunidades de descobrirem as melhores soluções. 5555ª aulaª aulaª aulaª aula
  • 85. Sequência DidáticaSequência DidáticaSequência DidáticaSequência Didática IXIXIXIX9999 Competências:Competências:Competências:Competências: • Ampliar a competência comunicativa do aluno. • Utilizar diferentes linguagens e diferentes tipologias textuais. • Conviver, crítica e ludicamente, com situações de produção de textos, atualizado em diferentes suportes e sistemas de linguagem – escrita, oral, imagética, entre outras. Habilidades:Habilidades:Habilidades:Habilidades: • Ler, e reconhecer, textos variados e de diferentes gêneros. • Produzir textos de vários gêneros, obedecendo às estruturas e os mecanismos de articulação da língua. • Reescrever textos lidos e ouvidos identificando os diferentes tipos de letra. • Expressar-se oralmente com clareza e objetividade. • Emitir opinião e fazer comentários pessoais. Conteúdos:Conteúdos:Conteúdos:Conteúdos: • Leitura em diversos gêneros textuais, atribuindo-lhes significação e reconhecendo a intencionalidade e o processo de interlocução. • Produção de diversos genros textuais. • Atividades reflexivas de produção textual – reescrita e autocorreção de texto. • Estrutura e articulação do texto – segmentação das palavras no texto, letras maiúsculas e minúsculas. • Pontuação, paragrafação, margem e separação de palavras no texto. Pontos de contato:Pontos de contato:Pontos de contato:Pontos de contato: Matemática, Educação Física e Arte Tempo de duraçãoTempo de duraçãoTempo de duraçãoTempo de duração: 4 aulas Conversando sobre:Conversando sobre:Conversando sobre:Conversando sobre: 9 Regional Colatina: Professores: Luzitania Paulo Salvador, Evania Marciano de Freitas, Iramaia Lorenzoni Bozzetti, Solenir Dalmaso de Oliveira e Elen Carla Arpini Turi. O que são parlendas?O que são parlendas?O que são parlendas?O que são parlendas? As parlendas são versinhos com temática infantil recitadas em brincadeiras de crianças. Possuem uma rima fácil e, por isso, são populares entre as crianças. Muitas parlendas são antigas e algumas delas foram criadas há décadas. Elas fazem parte do folclore brasileiro, pois representam uma importante tradição cultural do nosso povo.
  • 86. Roda de conversaRoda de conversaRoda de conversaRoda de conversa Atividades de leituraAtividades de leituraAtividades de leituraAtividades de leitura Fazer um cartaz da parlenda “A galinha do vizinho” e afixar na sala. Realizar a leitura da parlenda. Questionamentos orais, feitos pelo professor, sobre a parlenda: Qual o nome da parlenda? Qual a cor do ovo da galinha? Quais os números que aparecem no texto? Leitura coletiva com o acompanhamento do aluno. Entregar aos alunos folhas xerocadas da parlenda “A galinha do vizinho” e pedir que façam uma leitura silenciosa. Pedir aos estudantes para: 1ª aula1ª aula1ª aula1ª aula A galinha do vizinhoA galinha do vizinhoA galinha do vizinhoA galinha do vizinho A galinha do vizinho Bota ovo amarelinho. Bota um, Bota dois, Bota três, Bota quatro, Bota cinco, Bota seis, Bota sete, Bota oito, Bota nove, Bota dez.
  • 87. pintar os espaços em branco entre as palavras contar o número de palavras que formam cada frase (linha) da parlenda, registrando na frente de cada linha o numeral. destacar palavras do texto e contar as sílabas, marcando ao lado o numeral correspondente. Atividade integrada a disciplina de Educação FísicaAtividade integrada a disciplina de Educação FísicaAtividade integrada a disciplina de Educação FísicaAtividade integrada a disciplina de Educação Física 1) Ensaiar com os alunos uma coreografia da parlenda com professor(a) de Educação Física. 2) Realizar a brincadeira “A galinha do vizinho”: As crianças formam uma grande roda e dão-se as mãos. Depois correm em círculo cantando: A galinha do vizinho. Bota ovo amarelinho. Bota um, Bota dois, Bota três, Bota quatro, Bota cinco, Bota seis, Bota sete, Bota oito, Bota nove, Bota dez. Nesse momento todos devem agachar-se. Quem ficar por último é ovo gorado que vai para o meio da roda e tem de ficar agachado enquanto os outros continuam a cantiga. E assim a brincadeira prossegue. Atividade integradaAtividade integradaAtividade integradaAtividade integrada àààà disciplina de Artedisciplina de Artedisciplina de Artedisciplina de Arte Fazer a dobradura da galinha. Enrolar bolinhas de papel crepom. Contar as bolinhas e colar a quantidade ao numeral. 2222ª aulaª aulaª aulaª aula
  • 88. Atividade coletivaAtividade coletivaAtividade coletivaAtividade coletiva Confeccionar o cartaz abaixo colando tampinhas de garrafa para representar os numerais, relacionando números com quantidades. Pedir que os estudantes façam esse mesmo registro no caderno, representando as quantidades com colagens.
  • 89. Para refletir:Para refletir:Para refletir:Para refletir: Entregar aos alunos o texto fatiado da parlenda “A galinha do vizinho”. Solicitar aos alunos que colem em uma folha e conte quantas palavras existem em cada frase e represente com o número ao lado de cada uma. Trabalhar com o alfabeto móvel, montando na carteira as palavras fatiadas que foram entregue aos alunos. Peça para os alunos escreverem as palavras e responder as perguntas: quantas letras tem a palavra? quantas vogais? quantas consoantes? Produção de textoProdução de textoProdução de textoProdução de texto Separar os alunos em dupla e solicitar que criem uma história com a personagem do desenho. Trocar os textos, entre as duplas, e solicitar que façam a leitura e o reescrevam buscando melhorá-lo, fazendo as correções que julgarem necessárias. É importante utilizar parlendas em atividades variadas de leitura, expressão oral e escrita por ser um texto de fácil domínio oral, palavras agrupadas com ritmo e sonoridade, possibilitando assim a integração da língua com brincadeiras, a aquisição de habilidades de leitura e a ampliação do volume de escrita. 3333ª aulaª aulaª aulaª aula
  • 90. Selecionar o texto de uma das duplas, registrar no quadro e proceder a revisão coletiva. Expor o texto no mural da sala. Atividade deAtividade deAtividade deAtividade de casacasacasacasa Pedir que os alunos perguntem a família sobre as parlendas que conhecem. Anotar no caderno. Roda de conversaRoda de conversaRoda de conversaRoda de conversa Socializar a pesquisa sobre parlenda feita em casa. Listar as parlendas citadas pelos estudantes. Eleger, com a turma, uma das parlendas, escrevê- la no quadro e recitar com os alunos. Realizar um jogral com a parlenda selecionada. Atividade deAtividade deAtividade deAtividade de MatemáticaMatemáticaMatemáticaMatemática 1) Elaborar, junto com os alunos, situações problemas envolvendo adição e subtração e que tenham palavras do texto. (galinha, ovos...) 2) Bingo de numerais Material necessário: cartolinas numeradas semelhantes às cartelas de bingo. marcadores (grãos de feijão, tampinhas, etc.) e giz. 4444ª aulaª aulaª aulaª aula
  • 91. Objetivo: este jogo, além de auxiliar a memorização, atenção e raciocínio, desperta o gosto pela matemática de maneira lúdica. Procedimento: o educador deverá entregar para cada aluno uma cartela contendo vários números e alguns marcadores. no quadro, o educador escreverá operações, elaboradas a partir de situações problemas envolvendo a parlenda “A galina do vizinho”, como por exemplo: 7+4, 3x5; 8-2. os alunos deverão procurar em suas cartelas os resultados das operações. Caso encontrem, deverão marcar os números. diversas operações serão escritas pelo educador, até que algum aluno complete a cartela. o vencedor será aquele que, ao completar a cartela, gritar BINGOBINGOBINGOBINGO. Atividade de leituraAtividade de leituraAtividade de leituraAtividade de leitura Expor o cartaz da música A galinha magricela. A galinha magricelaA galinha magricelaA galinha magricelaA galinha magricela Eu conheço uma galinha A galinha da vizinha Avezinha magricela e depenada Quem tem pena da galinha Avezinha depenada A galinha magricela da vizinha? Bota ovos pela sala No banheiro e na cozinha Ela bota, bota, bota Sem parar A galinha magricela Bota ovos sem parar A galinha magricela É magrela de botar A galinha magricela E bota um e bota dois e bota três A galinha magricela Vira cambota e bota quatro de uma vez A galinha magricela E bota dez e bota cem e bota mil A galinha magricela Bota ovo bota banca De mais bela do Brasil. 5555ª aulaª aulaª aulaª aula
  • 92. Explorar o texto: ler a letra da música para os alunos; cantar à música A galinha magricela; solicitar que os alunos façam a leitura; ensaiar com os alunos uma coreografia com a letra da música. Entregar uma cópia da música para cada aluno: pedir que circulem no texto palavras desconhecidas; solicitar que copiem no caderno as palavras desconhecidas com o seu significado (trabalhar com os alunos o uso do dicionário; entregar aos alunos o texto, em tiras (frases) e pedir que montem o texto, em duplas. Atividade em duplasAtividade em duplasAtividade em duplasAtividade em duplas Vamos escrever uma história para a ilustração acima? Após a conclusão dos trabalhos:Após a conclusão dos trabalhos:Após a conclusão dos trabalhos:Após a conclusão dos trabalhos: solicitar que cada dupla leia seu texto para o colega. revisar coletivamente os textos. reescrever o texto. expor os textos revisados. ... é importante:... é importante:... é importante:... é importante: Oportunizar aos alunos o convívio diverso e intenso em situações de leitura e escrita, a fim de facilitar o processo de alfabetização. Revisar as atividades coletivamente, com a participação ativa dos alunos, porque o sonhecimento e o domínio da linguagem oral e escrita se dão junto com a representação e reflexão sobre a realidade (leitura e escrita de textos) e desta forma possibilitar-se-á a conscientização dos seus “erros” (hipóteses).
  • 93. Roda de conversaRoda de conversaRoda de conversaRoda de conversa Perguntar aos estudantes: vocês se recordam o que é uma parlenda? quais parlendas conhecem? Registrar no quadro o título das parlendas ditadas pelos alunos. Proceder à leitura da lista de parlenda junto com os alunos. AtividAtividAtividAtividade de leituraade de leituraade de leituraade de leitura Apresentar, em um cartaz, a parlenda do jacaré.... Realizar a leitura para os alunos, com ritmo e entonação. Realizar a leitura compartilhada (professor e aluno). Solicitar que os alunos façam a leitura silenciosa do texto. Pedir que os alunos anotem, no caderno, as palavras que rimam (consciência fonológica). Organizar situações didáticas de escrita coletiva das parlendas conhecidas. 6666ª aulaª aulaª aulaª aula Jacaré foi ao mercado não sabia o que comprar comprou uma cadeirinha para comadre se sentar A comadre se sentou A cadeira esborrachou Jacaré chorou, chorou O dinheiro que gastou
  • 94. SequênciaSequênciaSequênciaSequência DidáticaDidáticaDidáticaDidática XXXX10101010 Competências:Competências:Competências:Competências: • Ampliar a competência comunicativa do aluno. • Utilizar diferentes linguagens e diferentes tipologias textuais. • Demonstrar capacidade de reflexão sistemática sobre a língua e a linguagem. Habilidades:Habilidades:Habilidades:Habilidades: • Interpretar textos orais (a partir de histórias ouvidas), gravuras e outros. • Expressar-se oralmente com clareza e objetividade. • Conhecer o alfabeto e a representação escrita de cada letra identificando-as na formação das palavras. • Reconhecer a ordem das letras no alfabeto. • Ler, e reconhecer, textos variados e de diferentes gêneros. Conteúdos:Conteúdos:Conteúdos:Conteúdos: • Distinção entre as formas, os sons e os nomes das letras do alfabeto. • Estrutura e articulação do texto – segmentação das palavras no texto, letra maiúscula e minúscula, paragrafação e separação de palavras. • Leitura em diversos gêneros textuais, atribuindo-lhes significação e reconhecendo a intencionalidade e o processo de interlocução. Pontos de Contato:Pontos de Contato:Pontos de Contato:Pontos de Contato: Arte e Educação Física Tempo de duração:Tempo de duração:Tempo de duração:Tempo de duração: 5 aulas Para refletir:Para refletir:Para refletir:Para refletir: 10 Regional Barra de São Francisco: Professores: Carmem Helena V. da Cruz Batista, Leaci Vieira Onofre, Dilciléia Lima da Silva, Elida Denarde Santos, Genice Trindade Medeiros e Valdecina Cirilo de Paula Biazetti O objetivo do ensino da língua materna é desenvolver a comunicação oral, a leitura autônoma e o domínio da escrita. Por isso, requer um trabalho sistematizado, e a escola é a instituição responsável por essa efetivação. As competências de falar, ler e escrever dependem das situações de uso e de reflexão sobre essas práticas, no âmbito das vivências sociais cotidianas, em que acontecem de forma não dissociada.
  • 95. LeiLeiLeiLeitura da quadrinhatura da quadrinhatura da quadrinhatura da quadrinha Apresente a quadrinha em papel bobina afixando no quadro e entregando cópias aos alunos e verificar: o que eles acham que está escrito no texto? quem conhece? Fazer a leitura apontada, primeiro pelo professor, depois pelos alunos. Conversando sobre:Conversando sobre:Conversando sobre:Conversando sobre: Fazer a interpretação da quadrinha, primeiro oralmente e depois solicitar que a escrevam e ilustrem. Neste momento trabalhar com a argumentação: como a batatinha nasce na terra? ela se esparrama? Como? Mostre imagens ou vídeos de batatas sendo colhidas e depois conte aos alunos que este versinho sofreu alterações ao longo dos anos, há quem diga que o original é “bota raiz pelo chão” ou “deita raiz pelo chão”, que teria mais lógica, pois a batata é um tubérculo. 1111ª aulaª aulaª aulaª aula A quadrinhaquadrinhaquadrinhaquadrinha é uma espécie de trova popular, cuja letra é formada por quatro versos, normalmente de sete sílabas cada um, muito usada para desafios, provérbios populares e adivinhas.
  • 96. Atividade em duplaAtividade em duplaAtividade em duplaAtividade em dupla 1) Com a ajuda do alfabeto móvel forme novas palavras a partir da palavra BATATINHABATATINHABATATINHABATATINHA e escreva:::: ________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________ 2) Relacione palavras que rimam com BATATINHABATATINHABATATINHABATATINHA.... ________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________ 3) Monte a quadrinha. (Solicitar que a partir de tiras, montem a quadrinha. Neste momento reforçar o espaçamento e a sequência lógica). Atividade coletivaAtividade coletivaAtividade coletivaAtividade coletiva Selecione quadrinhas que considere interessantes: 1- Distribua uma cópia para cada estudante e leia com a classe. Para que os leitores não convencionais participem da atividade, garanta que saibam o texto de cor. 2- Informe onde se inicia o texto e proponha que todos leiam juntos, acompanhando o que está escrito com o dedo enquanto cantam ou recitam. O desafio será ajustar o falado ao escrito. 3- Peça que procurem algumas palavras e socializem com o grupo as pistas usadas para encontrá-las. Faça com que justifiquem as escolhas e explicitem o procedimento para descobrir o que estava escrito. Nessas atividades são utilizados textos que já se sabe de cor para antecipar o que está escrito e letras e partes de palavras conhecidas para verificar escolhas. 4- Entregue as quadrinhas recortadas em versos ou em palavras e peça que sejam ordenadas. Para dar conta da tarefa, os estudantes terão de acionar os conhecimentos que possuem sobre o texto, os procedimentos de leitura já adquiridos e utilizar pistas gráficas (letras iniciais, finais etc.). 2222ª aulaª aulaª aulaª aula Avaliação:Avaliação:Avaliação:Avaliação: Registre suas observações sobre a participação dos estudantes: quais foram as pistas utilizadas e como eles justificaram escolhas. Anote também quais foram as suas intervenções mais importantes para a orientação da turma. Essas observações são fundamentais para o planejamento de outras atividades.
  • 97. Releia os títulos das quadrinhas trabalhadas na aula anterior. Coloque os títulos das quadrinhas em ordem alfabética. Atividade de leituraAtividade de leituraAtividade de leituraAtividade de leitura Apresentar o ABC da Turma da Mônica – endereço eletrônico http://dicasmil.com/atividades- de-alfabetizacao-alfabeto-de-textos.html 3333ª aulaª aulaª aulaª aula O trabalho com os livros deve envolver ações de enriquecimento curricular e de sistematização da atividade de leitura, tais como: - conversar sobre o objeto livro (texto, ilustração e projeto gráfico); - discutir sobre os personagens e o ambiente da história; - imaginar finais e situações diferentes para a trama; - criar personagens novos para a história e /ou novos finais para o texto; - ler diferentes versões da mesma história; - fazer leituras de outras obras do mesmo autor; - conhecer a biografia e sites dos autores; -confeccionar livros de histórias e varais de poesias; - trabalhar com livros sem textos verbais para depois criá-los oralmente. São muitas as possibilidades com o texto literário, e sua leitura deverá fazer parte do cotidiano escolar, uma vez que envolve o imaginário, diferentes visões de mundo, a criticidade, além da interação com a linguagem escrita, importante ferramenta para a alfabetização. Por meio da leitura de diversos textos, constrói-se a compreensão de diferentes visões de mundo e de caminhos lingüísticos para a expressão de ideias, propósitos, sentimentos e fazeres. Por essa razão, a prática de leitura na escola precisa ser priorizada diariamente. Caderno pedagógico-alfabetização-SME- Curitiba
  • 98. Roda de conversaRoda de conversaRoda de conversaRoda de conversa ReúReúReúReúnananana os alunos em círculoos alunos em círculoos alunos em círculoos alunos em círculo:::: Leve para a sala de aula uma caixa surpresa. (dentro deve conter as letras coloridas do alfabeto) Peça aos alunos para retirarem da caixa letras que fazem parte do nome do aluno. Peça que cada aluno monte seu nome. Pergunte a cada um quais as letras que utilizaram para montar o seu nome. Quantas letras tem o nome? Quais letras se repetem? Quais as vogais? Quais são as consoantes? Entregue a cada um uma folha de papel para colarem as letras formando o nome. Cole os trabalhos dos alunos em ordem alfabética em um mural e afixe na sala. Monte um mural relacionando os nomes dos estudantes da turma com a data de aniversário Para refletir:Para refletir:Para refletir:Para refletir: Partindo de aprendizagem de palavras próximas, como os próprios nomes, os meninos e meninas são capazes de incrementar seu universo de palavras e sons a partir de letras e sons conhecidos. Ao mesmo tempo em que se vão desenvolvendo nesse processo, são capazes de gerar outras palavras jogando com as letras, as sílabas e os sons, e dotando-os de sentido com os demais a cada nova palavra gerada. Ensino Fundamental de 9 anos, página 80
  • 99. Distribua cartolina cortada em retângulos para confeccionar crachás com os nomes dos alunos. Peça que cada aluno escreva seu nome, sendo que a primeira letra deve ser colorida. Ajude os alunos a guardarem os crachás no cartaz de pregas em ordem alfabética Atividade em duplaAtividade em duplaAtividade em duplaAtividade em dupla Reúna os alunos em duplas e faça uma atividade com o nome dos colegas entregando folhas pautadas: peça para que cada aluno vá até o cartaz de pregas e pegue o nome do colega. escreva o nome do colega, sendo que a primeira letra deve ser colorida. desenhe nesta folha a figura do colega e a sua brincadeira preferida. afixe no mural esta atividade. Bingo dos nomesBingo dos nomesBingo dos nomesBingo dos nomes Material: fichas de cartolina e cartela para cada aluno. Instruções: Entregue uma cartela em branco para cada aluno. Apresente à classe fichas contendo os nomes dos alunos. Exemplo: apresente a ficha com a palavra Depois de apresentar todos os nomes, pedir que escolham alguns e escrevam os mesmos para preencher a cartela. O professor irá sortear as fichas com os nomes e os alunos marcarão em suas cartelas. Vencerá o aluno que completar a cartela. 4444ª aulaª aulaª aulaª aula MarceloMarceloMarceloMarcelo
  • 100. Cartela doCartela doCartela doCartela do BingoBingoBingoBingo Para refletir:Para refletir:Para refletir:Para refletir: Atividade integrada à disciplina de Educação FísicaAtividade integrada à disciplina de Educação FísicaAtividade integrada à disciplina de Educação FísicaAtividade integrada à disciplina de Educação Física Propor a brincadeira de pular corda para trabalhar a ordem alfabética: Organizar os estudantes em fila, sendo que duas crianças ficam responsáveis para bater a corda. Cada criança irá pular corda e recitar as letras do alfabeto em sequência. A letra em que errar o pulo, deverá dizer uma palavra que inicia com aquela letra. Depois da atividade desenvolvida com o professor (a) de Educação Física: 1) Organizar os estudantes em duplas e solicitar que registrem no caderno as palavras mencionadas na brincadeira de pular corda. 2) Entregar a cada dupla a ficha e solicitar que completem procurando as palavras e as figuras em revistas ou jornais Para aprender a ler e a escrever é preciso pensar sobre a escrita, pensar sobre o que a escrita representa e como ela representa graficamente a linguagem. Algumas situações didáticas favorecem especialmente a análise e a reflexão sobre o sistema alfabético de escrita e a correspondência fonográfica. São atividades que exigem uma atenção à análise - tanto quantitativa como qualitativa - da correspondência entre segmentos falados e escritos. São situações privilegiadas de atividades epilinguistica em que basicamente, o aluno precisa: ler, embora ainda não saiba ler, escrever, apesar de ainda não saber escrever.
  • 101. LetraLetraLetraLetra PalavrasPalavrasPalavrasPalavras Figura ou desenhoFigura ou desenhoFigura ou desenhoFigura ou desenho Escrita deEscrita deEscrita deEscrita de uma frase que tenhauma frase que tenhauma frase que tenhauma frase que tenha uma das palavras recortadasuma das palavras recortadasuma das palavras recortadasuma das palavras recortadas AAAA BBBB CCCC DDDD EEEE FFFF GGGG HHHH IIII JJJJ KKKK LLLL MMMM NNNN OOOO PPPP QQQQ RRRR SSSS TTTT UUUU VVVV XXXX WWWW YYYY ZZZZ Atividade em duplaAtividade em duplaAtividade em duplaAtividade em dupla Produzindo um alfabetário. Propor à turma a produção de um livro com poemas para cada uma das letras do alfabeto. Faça um sorteio das letras e distribua uma letra para cada dupla. A dupla irá escolher uma palavra que inicia com a letra sorteada, e a partir dela, escrever um poema. 5555ª aulaª aulaª aulaª aula
  • 102. Atividade integradaAtividade integradaAtividade integradaAtividade integrada àààà disciplina de Artedisciplina de Artedisciplina de Artedisciplina de Arte Depois de elaborado os poemas, cada dupla cria a ilustração, usando técnicas diversas (pintura, recorte e colagem, dobradura, desenho, mosaico, colagem com material de sucata). Promover uma votação para selecionar um poema e ensaiar um jogral a ser apresentado para outras turmas. Atividade de casaAtividade de casaAtividade de casaAtividade de casa Propor que a cada dia um aluno leve o livro de poemas da turma para ler em casa para a família. Para refletir:Para refletir:Para refletir:Para refletir: É pela mediação da linguagem que a criança aprende os sentidos atribuídos pela cultura às coisas, ao mundo e às pessoas; é usando a linguagem que constrói sentidos sobre a vida, sobre si mesma, sobre a própria linguagem. Essas são as principais razões para, da perspectiva didática, tomar como ponto de partida os usos que o aluno já faz da língua ao chegar à escola. É possível aprender tanto sobre a linguagem verbal quanto sobre as práticas sociais por meio da troca interpessoal. Por isso as atividades de Língua Portuguesa ganham muito quando se realizam em situações de cooperação e de interação grupal. A interação grupal é, em toda a escolaridade, um importante recurso pedagógico: trabalhar verdadeiramente em colaboração possibilita maior produtividade na aprendizagem.
  • 103. Sequência Didática XISequência Didática XISequência Didática XISequência Didática XI11111111 CompetênciasCompetênciasCompetênciasCompetências • Ampliar a competência comunicativa do aluno. • Utilizar diferentes linguagens e diferentes tipologias textuais. • Conviver, crítica e ludicamente, com situações de produção de textos, atualizado em diferentes suportes e sistemas de linguagem – escrita, oral, imagética, digital, entre outras. HabilidadesHabilidadesHabilidadesHabilidades • Ler, e reconhecer, textos variados e de diferentes gêneros. • Interpretar textos orais, gravuras outros. • Expressar-se oralmente com clareza e objetividade. • Conhecer o alfabeto e a representação escrita de cada letra identificando-as na formação das palavras. • Reconhecer a ordem das letras no alfabeto. • Produzir textos, obedecendo às estruturas e os mecanismos de articulação da língua. ConteúdosConteúdosConteúdosConteúdos • As formas, os sons e os nomes das letras do alfabeto. • Ordem alfabética. • A diferença entre letras, desenho e número. • Atividades reflexivas de produção textual – reescrita e autocorreção de texto. • Estrutura e articulação do texto – segmentação das palavras no texto, letra maiúscula e minúscula, pontuação, paragrafação e separação de palavras. Pontos de contato:Pontos de contato:Pontos de contato:Pontos de contato: Ciências, Arte e Educação Física Tempo de durTempo de durTempo de durTempo de duração:ação:ação:ação: 5 aulas Para refletir:Para refletir:Para refletir:Para refletir: 11 Regional Carapina: Professora Rosiane Rocha Gomes. A concepção de alfabetização articula quatro dimensões muito importantes para o processo de apropriação da linguagem escrita: • a leitura; • a produção de texto; • o estudo sobre conhecimento do sistema, incluindo as relações sons e letras e letras e sons; • a formação da consciência crítica. O eixo articulador dessas dimensões é o texto, seja na modalidade oral, seja na escrita. O texto é, portanto a unidade de ensino da língua materna. Alfabetização Teoria e prática (pág.69)- Claudia Mendes Gontijo; Cleonara Maria Schwartz
  • 104. Apresentar a frase e a foto: O que esta foto mostra? O que as pessoas fotografadas têm em comum, em sua opinião? O título tem alguma relação com a foto? Vamos observar o texto que será lido agora. Preste bastante atenção a maneira como está organizado. Apresentar um cartaz com a poesia “A minha turma”. Você já localizou o título? Então leia. 1111ª aulaª aulaª aulaª aula
  • 105. Apresentando a autora:Apresentando a autora:Apresentando a autora:Apresentando a autora: A minha turmaA minha turmaA minha turmaA minha turma A Rita Se me visita, Traz na marmita Batata frita. O Caio Comprou em maio Um papagaio Que é paraguaio. O Nando, De vez em quando, Sai com o bando Do Zé Armando. A Lina É dançarina, Usa botina Até na piscina. O Alfredo Tem um segredo: Quando tem medo Mama no dedo. O Dado Quer ser soldado Ou magistrado Ou deputado E o Rodrigo, Que é meu amigo, Não tem umbigo Mas eu não ligo... É pessoal De alto-astral: Brinca, legal No meu quintal. Ciça. O livro Dono da língua. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2002. Ciça (Cecília Vicente de Azevedo Alves Pinto) nasceu em São Paulo, em 1939. Já foi jornalista e autora de tirinhas e hoje escreve poesia infantil. Nos poemas, ela brinca com sons e formas tiradas de trava-línguas, criando rimas engraçadas e diferentes.
  • 106. Conversar sobre o texto:Conversar sobre o texto:Conversar sobre o texto:Conversar sobre o texto: A poesia lida está organizada em vários blocos, separados por um espaço; cada bloco é chamado de estrofe. Cada linha de uma poesia é chamada de verso, que pode ter rima ou não. O que cada estrofe conta? Escolha uma estrofe de que você tenha gostado. Leia em voz alta para a turma e explique sua escolha. Atividade individualAtividade individualAtividade individualAtividade individual O que o texto diz sobre cada amigo da turma? Escreva o nome da personagem correspondente ao número que aparece em cada balão. Atividade em duplasAtividade em duplasAtividade em duplasAtividade em duplas Algumas personagens do texto tem apelido. 1- Quais são os apelidos? ________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________ 2 1 comprou um . é meu amigo. 3 4 5 6 7 tem um segredo. é dançarina. gosta de . quer ser . sai com o bando do Zé Armando.
  • 107. 2- Quais serão os nomes que deram origem a esses apelidos? __________________________________________________________________________ 3- A autora da poesia também tem um apelido. Qual é o nome e o apelido dela? __________________________________________________________________________ Vamos reler juntos: E o Rodrigo, Que é meu amigo, Não tem umbigo Mas eu não ligo... É pessoal De alto-astral: Brinca, legal No meu quintal. 4- Quem será Rodrigo? ___________________________________________________________________________ 5- A turma da poesia lida é “pessoal de alto-astral”. Que característica tem uma pessoa de alto- astral? __________________________________________________________________________ 6- Sabemos que um conjunto de versos é chamado de estrofe. Quantas estrofes tem a poesia que lemos? __________________________________________________________________________ 7- Quantos versos tem a estrofe abaixo? É pessoal De alto-astral: Brinca, legal No meu quintal. Reapresentar o cartaz com a poesia “A minha turma”. 2222ª aulaª aulaª aulaª aula
  • 108. Realizar uma leitura coletiva. Um colega vai ler em voz alta a estrofe a seguir. Preste atenção nos sons que se repetem no final dos versos. O Dadoadoadoado Quer ser soldadoadoadoado Ou magistradoadoadoado Ou deputado.ado.ado.ado. Essa repetição de sons se chama rima.rima.rima.rima. 1-Copie a estrofe abaixo e sublinhe as rimas: O Alfredo Tem um segredo: Quando tem medo Mama no dedo. 2- Escreva uma estrofe de uma poesia, ou de uma cantiga ou de parlenda que tenha rima. Pinte a parte das palavras que tem som rimado. Produção de textoProdução de textoProdução de textoProdução de texto Agora é com você! Pergunte a um colega se ele faz alguma atividade fora da escola, como esporte, dança, etc. Pergunte o que ele quer ser quando for adulto, escreva uma ou duas estrofes sobre ele contando o que você descobriu. Roda de conversaRoda de conversaRoda de conversaRoda de conversa Apresentação e discussão dos textos produzidos anteriormente. AtividAtividAtividAtividade individual:ade individual:ade individual:ade individual: Eu e o textoEu e o textoEu e o textoEu e o texto Você também tem uma turma de amigos na escola ou no bairro? 1) Escreva os nomes de seus amigos. 2) Organize a relação dos nomes de seus amigos em ordem alfabética.
  • 109. Atividade de casaAtividade de casaAtividade de casaAtividade de casa Escreva sobre sua turma de amigos da escola ou do bairro. Se quiser, escreva uma estrofe. Depois, faça uma ilustração ao lado do seu texto. Leia o seu texto para sua família. Roda de conversaRoda de conversaRoda de conversaRoda de conversa Socialização dos textos produzidos em casa. Atividade coletivaAtividade coletivaAtividade coletivaAtividade coletiva Na poesia “A minha turma”, Caio comprou um animal. Vamos reler a poesia e descobrir? Por que será que a autora se referiu ao papagaio dessa forma? O que nos diz a legislação sobre a posse de animais silvestres? Apresentando outra poesiaApresentando outra poesiaApresentando outra poesiaApresentando outra poesia Leitura da poesia “Barriga cheia” de José Paulo Paes. 3333ª aulaª aulaª aulaª aula Barriga cheiaBarriga cheiaBarriga cheiaBarriga cheia Olha lá o tamanduá tomando ar! Sua língua comprida entra feito lombriga no formigueiro pra comer formiga. Olha lá, olha lá! Quem disse que formiga não enche barriga de tamanduá?
  • 110. Conhecendo o autor:Conhecendo o autor:Conhecendo o autor:Conhecendo o autor: Conversando sobre o texto: Quais as características do tamanduá que podemos perceber por meio do texto? O que será que o autor quis dizer com os versos “quem disse que formiga/ não enche barriga/ de tamanduá”? Explore: Quantidade de estrofe. Número de versos em cada estrofe. Palavras que rimam. AtividadeAtividadeAtividadeAtividadessss em duplaem duplaem duplaem dupla 1) Releia a poesia"Barriga cheia". a) Que animais aparecem na poesia "Barriga cheia"? b) Vamos ler o alfabeto e copiar. Depois pinte as letras que formam o nome do inseto citado na poesia. c) Quantas vogais e quantas consoantes vocês encontraram? 2) Desafio: você e seu colega são bons observadores? Então vamos resolver os desafios a seguir. José Paulo Paes nasceu em Taquaritinga, São Paulo, em 1926. Foi poeta, tradutor e crítico literário. Estudou Química Industrial e durante muitos anos trabalhou em laboratório farmacêutico, mas paralelo a essa profissão jamais deixou de lado a literatura, cujo interesse foi lhe passado pelo avô que era livreiro. Na década de 1980 passa a interessar-se pela poesia infantil, com a qual alcançou grande êxito entre as crianças. Na década de 1990 dá sequência ao seu trabalho, lançando livros com poemas infantis, sendo um dos mais bem recebidos “Prosas seguidas de odes mínimas”, livro no qual reflete um momento difícil de sua vida, quando tem uma perna amputada, como se pode ler no poema “Ode à minha perna esquerda”. AAAA BBBB CCCC DDDD EEEE FFFF GGGG HHHH IIII JJJJ KKKK LLLL MMMM NNNN OOOO PPPP QQQQ RRRR SSSS TTTT UUUU VVVV WWWW XXXX YYYY ZZZZ
  • 111. a) Descubram sete insetos na figura abaixo e anotem o nome deles. b) Agora rescrevam a lista dos insetos, colocando os nomes em ordem alfabética. c) Dos insetos que vocês encontraram na figura, qual tem o nome que começa com vogal? d) Pintem: • de azul, os nomes de insetos que terminam com a vogal a; • de vermelho, os nomes de insetos que terminam com a vogal o. e) Qual palavra tem mais vogais: barrigabarrigabarrigabarriga ou cheiacheiacheiacheia? f) Na poesia, qual o verso em que a última palavra não termina com vogal? Copiem no caderno, sublinhando a última palavra. E aí? Você e seu colega venceram todos os desafios? Então a dupla está de PARABÉNS! Atividade no Laboratório de InformáticaAtividade no Laboratório de InformáticaAtividade no Laboratório de InformáticaAtividade no Laboratório de Informática Dividir a turma em duplas e propor uma pesquisa sobre os animais citados nas poesias “Minha Turma” e “Barriga Cheia”: papagaio e tamanduá. Pesquisar: habitat natural, curiosidades, alimentação, etc.
  • 112. Roda de conversaRoda de conversaRoda de conversaRoda de conversa Apresentação e discussão das pesquisas realizadas no Laboratório de Informática. Elaboração, junto com a turma, de um mural com a conclusão das pesquisas. Vamos reler a poesia "A minha turma“. 1) Procure o nome dos amigos citados no texto "A minha turma“: a) Escreva os nomes no caderno na mesma ordem em que aparecem no texto. b) Pinte a primeira letra de cada nome que você escreveu. c) Agora escreva esses nomes em ordem alfabética. Você encontrou alguma dificuldade na atividade anterior? Explique. 4444ª aulaª aulaª aulaª aula
  • 113. Mostre uma agenda e um catálogo de telefones. Observe, junto com a turma, a agenda e o catálogo e questione: O que é uma agenda de telefones? Para que serve? E o catálogo de telefone, como está organizado? Para que serve? Por que foi organizado dessa maneira? Que tal organizar uma agenda só da nossa classe? Forme um grupo e veja como é simples: Escreva num pedaço de papel seu nome, número de telefone e data de aniversário. Entregue-o ao professor. (O professor redistribuirá os papéis: por exemplo, 10 para cada grupo) Agora cada grupo ordenará os papéis pela letra inicial dos nomes. O professor diz a primeira letra do alfabeto e os alunos entregam a ele os papéis com nomes iniciados por essa letra. Todos juntos ordenam os nomes no quadro. O professor diz a letra seguinte, e assim prossegue a atividade até terminarem todos os nomes. (Depois, o professor passará os dados para uma folha única e fará cópias para toda a classe.) Vamos brincar?Vamos brincar?Vamos brincar?Vamos brincar? Você já está craque no alfabeto? Vamos conferir! No quadrinho, Magali e Humberto conversam. Maurício de Sousa. Cascão — Brincadeiras. São Paulo: Globo, 2003.
  • 114. Você não conseguiu saber o que a Magali perguntou? Para descobrir, siga o código apresentado no quadro abaixo. Escreva no caderno as letras correspondentes a cada símbolo da fala da Magali. Reler a poesia “A minha turma”. Refletir com os estudantes que a autora cita o hábito da turma de brincar no quintal. Perguntar quais as brincadeiras que podemos realizar no quintal. Listar as brincadeiras citadas pelo grupo. Atividade integrada à disciplina de ArteAtividade integrada à disciplina de ArteAtividade integrada à disciplina de ArteAtividade integrada à disciplina de Arte Mostrar reproduções de telas de Portinari que retratam brincadeiras de crianças. CódigoCódigoCódigoCódigo Correspondência entre símbolos e letrasCorrespondência entre símbolos e letrasCorrespondência entre símbolos e letrasCorrespondência entre símbolos e letras 5555ª aulaª aulaª aulaª aula
  • 115. Tela: Grupo de meninas brincando Discuta com os estudantes as formas, as imagens e as cores usadas pelo artista. Veja se a turma reconhece a brincadeira retratada na tela. Proponha uma releitura da obra “Grupo de meninas brincando” de Portinari. Atividade no laboratório de InformáticaAtividade no laboratório de InformáticaAtividade no laboratório de InformáticaAtividade no laboratório de Informática Divida a turma em grupos e proponha que: um grupo pesquise outras obras de Portinari. um grupo pesquise sobre a vida do pintor. Roda de conversaRoda de conversaRoda de conversaRoda de conversa Socialização das descobertas realizadas no Laboratório de Informática. Exposição das releituras da obra “Grupo de meninas brincando” realizadas pelos estudantes. Atividade integrada à disciplina de Educação FísicaAtividade integrada à disciplina de Educação FísicaAtividade integrada à disciplina de Educação FísicaAtividade integrada à disciplina de Educação Física Promova a realização das brincadeiras listadas pelas crianças a partir da poesia “A minha turma” e as brincadeiras retratadas nas telas por Portinari.
  • 116. Sequência Didática XISequência Didática XISequência Didática XISequência Didática XIIIII12121212 CompetênciasCompetênciasCompetênciasCompetências • Ampliar a competência comunicativa do aluno. • Utilizar diferentes linguagens e diferentes tipologias textuais. • Demonstrar capacidade de reflexão sistemática sobre a língua e a linguagem. • Interatuar com dados, argumentos, fatos e informações contidos em diferentes textos. HabilidadesHabilidadesHabilidadesHabilidades • Emitir opinião e fazer comentários pessoais. • Ler, e reconhecer, textos variados e de diferentes gêneros. • Produzir textos de vários gêneros, obedecendo às estruturas e os mecanismos de articulação da língua. • Perceber a importância das diversas culturas e sua influência em sua formação. • Relatar experiências de situações vividas e presenciadas. ConteúdosConteúdosConteúdosConteúdos • Leitura e interpretação de texto. • Textos de gêneros diversos • Produção de diversos gêneros textuais. • Atividades reflexivas de produção textual – reescrita e autocorreção de texto. • Estrutura e articulação do texto – letra maiúsculas e minúsculas, pontuação, paragrafação e separação de palavras. Pontos de contato:Pontos de contato:Pontos de contato:Pontos de contato: História Tempo de duração:Tempo de duração:Tempo de duração:Tempo de duração: 5 aulas Apresentar o texto “Identidade” de Pedro Bandeira. 12 Regional Linhares- Professora Rosane de Oliveira Couto Ramos 1111ª aulaª aulaª aulaª aula
  • 117. O texto “Identidade” será trabalhado oralmente: leitura apontada; leitura voluntária; leitura por estrofes; jogral. Conversa sobre o poema: Tipo de texto e estrutura. Questionamentos sobre o texto: O texto conta o desabafo de um menino ou uma menina? Que elementos contidos no poema podem confirmar esta resposta? Quem, provavelmente, diz “meu queridinho” e “moleque malcriado”? E vocês, em casa, passam por situações semelhantes ao do personagem do poema? Contem.
  • 118. Como pode o menino ser tanta coisa: herói, caubói, jogador, pulga, mosca, Hércules, Sansão? E vocês? Também brincam assim? De que vocês brincam? O que vocês acharam do poema? O que quer dizer o título “Identidade”? Atividade individualAtividade individualAtividade individualAtividade individual 1- No próprio texto: a) Numerar os versos. b) Pintar cada estrofe de uma cor. c) Contar e escrever na frente da 2ª estrofe a quantidade de palavras. d) Contar as sílabas das palavras HÉRCULES, VENCEDOR, GOLEADOR, SANSÃO, PEITO, EU e separar com traços. 2- Reescrever a 1ª estrofe como se o personagem fosse uma menina. 3- Segundo o menino do poema, qual era a característica, quando ele era: a) Herói b) Caubói c) Jogador d) Sansão Para refletir:Para refletir:Para refletir:Para refletir: Apresentação de livroApresentação de livroApresentação de livroApresentação de livro Identidade - Livro: ““““Maria Vai com as Outras” de Sylvia Orthof 2222ª aulaª aulaª aulaª aula Quando lemos algo, temos sempre um objetivo: buscar informação, ampliar o conhecimento, meditar, entreter-nos. O objetivo da leitura é que vai mobilizar as estratégias que o leitor utilizará. Sendo assim, ler um artigo de jornal é diferente de ler um romance, uma história em quadrinhos ou um poema.
  • 119. Questionamentos prévios: observando o título e a capa do livro, qual o tema deverá ser tratado no livro? Após a leitura, discutir o tema do livro: nossas hipóteses se confirmam? conhecem pessoas que são como Maria-vai-com-as-outras? O que pensam dessa atitude? Conversar sobre a capacidade que temos de escolher o que é melhor para nós e que, se a temos, não podemos deixar de usar. Para refletir:Para refletir:Para refletir:Para refletir: Fazer a leitura do texto abaixo para esclarecer de onde provavelmente vem a expressão Maria- vai-com-as-outras A ovelha Maria era mesmo uma Maria-vai-com-as-outras. Até o dia em que descobriu que cada um pode ter o seu próprio caminho, basta querer. Este gracioso livro escrito e ilustrado por Sylvia Orthof e publicado pela Ed. Ática conta a história de uma ovelha que sempre seguia o rebanho, até o dia em que as opções do rebanho não lhe pareciam mais tão boas assim e ela resolveu fazer o que lhe dava vontade. O registro é muito importante para o professor aperfeiçoar o seu trabalho. Ele ajuda a fazer questionamentos e descobrir soluções que fazem avançar. Anote as atividades desenvolvidas, suas impressões e dificuldades e as reações do grupo. Como diz a educadora Madalena Freire (1996): “O registrar de sua reflexão cotidiana significa abrir-se para seu processo de aprendizagem”.
  • 120. MARIAMARIAMARIAMARIA----VAIVAIVAIVAI----COCOCOCOMMMM----ASASASAS----OUTRASOUTRASOUTRASOUTRAS A origem dessa expressão tem versões diferentes, e a mais aceitável delas conta que a partir de 1777 reinou em Portugal a rainha Maria I (1734-1816), mas a morte do marido e a do filho, impressionaram o espírito da rainha e perturbaram seu juízo. Quando já não havia mais nenhuma esperança de que sua mãe pudesse ser curada, o príncipe João assumiu a regência. Em 1807, assim que as tropas de Napoleão invadiram Portugal pela primeira vez, a família real e a corte lusitana aceitaram o conselho dos ingleses e se mudaram com armas e bagagens para o Brasil, viajando numa esquadra que navegou até a cidade do Rio de Janeiro escoltada durante todo o percurso por navios de guerra britânicos. Em seu novo lar Maria I era quase uma reclusa, pois em virtude do seu estado mental recomendar cuidado e atenção, pouco lhe permitiam sair às ruas, precaução cuja finalidade era evitar que a possibilidade de algum constrangimento pudesse surgir enquanto ela estivesse passeando por perto do palácio, observada por gente do povo que talvez não entendesse corretamente o problema de sua insanidade. Nas poucas vezes que isso acontecia, a mãe do príncipe caminhava ao lado de damas de companhia devidamente orientadas sobre a necessidade de evitar ou contornar problemas, porque, afinal de contas, tratava-se da rainha, e disso ninguém poderia esquecer. Mas o povo é observador, e por isso enxerga, avalia e comenta o que acontece com as pessoas, sejam elas nobres ou plebéias. Sendo assim, a cada vez que a rainha passeava pelas ruas da cidade cercada pelas inúmeras acompanhantes, os que a viam diziam simplesmente “lá vai a Maria com as outras”, porque sabiam que a nobre dama circulava pelas redondezas do palácio imperial fazendo somente o que suas damas de companhia permitiam. E assim surgiu a expressão “maria-vai-com-as-outras”, que foi se tornando cada vez mais conhecida até passar a ser empregada para indicar pessoas sem convicção do que fazem, sem vontade própria, ou até mesmo sem coragem para defender suas idéias, suas opiniões e seus posicionamentos. FERNANDO KITZINGER DANNEMANN- http://www.fernandodannemann.recantodasletras.com.br Refletir com os alunos: qual a semelhança entre o livro ““““Maria Vai com as Outras” de Sylvia Orthof e o poema “Identidade” de Pedro Bandeira? Produção de texto em duplasProdução de texto em duplasProdução de texto em duplasProdução de texto em duplas
  • 121. Propor um reconto do livro ““““Maria Vai com as Outras” de Sylvia Orthof. Após a elaboração do texto: as duplas deverão trocar a produção e realizar a leitura do trabalho dos colegas; sugerir alterações para enriquecer a produção de texto; revisar os textos; apresentar os trabalhos para a turma; escolher o texto que será afixado no mural da escola, constituindo assim um convite para que todas as turmas se interessem em ler o livro. Reler a poesia “Identidade” e apresentar a obra de Tarsila do Amaral “A Família”. Refletir com a turma? Qual a relação da poesia e a obra A família de Tarsila do Amaral. Discuta as formas, as imagens e as cores usadas pela artista na tela “A Família”: O que vêem? Sobre o que trata a obra? Quantas pessoas são? Existem apenas pessoas? Quem, provavelmente, são estas pessoas? O que cada uma está fazendo? Quem é o homem da cena? O que ele segura? Quais os objetos retratados? Como estão as expressões das pessoas? Quem é a mulher que está amamentando? ___________________________________________________________ ___________________________________________________________ ___________________________________________________________ ___________________________________________________________ ___________________________________________________________ ___________________________________________________________ ________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________ _ 3333ª aulaª aulaª aulaª aula
  • 122. Tela: A família (óleo/tela 79 x 101,5 cm) Apresentando a artista:Apresentando a artista:Apresentando a artista:Apresentando a artista: Vamos dar nomes aos personagens da obra A família de Tarsila do Amaral. AdultosAdultosAdultosAdultos CriançasCriançasCriançasCrianças AnimaisAnimaisAnimaisAnimais Tarsila do Amaral nasceu em 1º de setembro de 1886 na Fazenda São Bernardo, município de Capivari, interior do Estado de São Paulo. Era neta de José Estanislau do Amaral, cognominado “o milionário” em razão da imensa fortuna que acumulou abrindo fazendas no interior de São Paulo. Seu pai herdou apreciável fortuna e diversas fazendas nas quais Tarsila passou a infância e adolescência. Estudou em São Paulo no Colégio Sion e completou seus estudos em Barcelona, na Espanha, onde pintou seu primeiro quadro, “Sagrado Coração de Jesus”, aos 16 anos. Em 1928 pinta o “Abaporu” para dar de presente de aniversário a Oswald que se empolga com a tela e cria o Movimento Antropofágico. É deste período a fase antropofágica da sua pintura. Em 1929 expõe individualmente pela primeira vez no Brasil. Em 1933 pintou o quadro “Operários” e deu início à pintura social no Brasil. No ano seguinte participa do I Salão Paulista de Belas Artes.
  • 123. Atividade integrada à disciplina de ArteAtividade integrada à disciplina de ArteAtividade integrada à disciplina de ArteAtividade integrada à disciplina de Arte Propor uma releitura da obra A família de Tarsila do Amaral. Apresentar em cartaz o poema Família de Carlos Drummond de Andrade. Leia o texto com ritmo, fluência e entonação e solicite que os estudantes o leiam juntos em voz alta. Leia chamando a atenção da turma para o título, direção da escrita e a organização das idéias. Leia novamente, questionando: quais palavras não são conhecidas no texto? (usar dicionário) qual é a intenção deste texto? É divertido? É rimado? 4444ª aulaª aulaª aulaª aula FamíliaFamíliaFamíliaFamília Três meninos e duas meninas, sendo uma ainda de colo. A cozinheira preta, a copeira mulata, o papagaio, o gato, o cachorro, as galinhas gordas no palmo de horta e a mulher que trata de tudo. A espreguiçadeira, a cama, a gangorra, o cigarro, o trabalho, a reza, a goiabada na sobremesa de domingo, o palito nos dentes contentes, o gramofone rouco toda a noite e a mulher que trata de tudo. O agiota, o leiteiro, o turco, o médico uma vez por mês, o bilhete todas as semanas branco! Mas a esperança sempre verde. A mulher que trata de tudo e a felicidade. Carlos Drummond de Andrade, in 'Alguma Poesia'
  • 124. vocês já leram algum texto como este anteriormente? (do mesmo gênero) o que perceberam ao ouvir/ler o poema? o que ele despertou em vocês? Vamos reler o poema: relendo o poema, vocês compreendem melhor o sentido? qual a rotina dessa família citada no texto? você vê o assunto do poema da mesma forma que o poeta? vamos reler a 3ª estrofe. O que será que o autor quis dizer nesta estrofe? Organize com a turma um caderno para registro coletivo de palavras novas e seus significados à medida que forem contextualizadas. Atividade em duplaAtividade em duplaAtividade em duplaAtividade em dupla Retomar a apreciação da tela A Família de Tarsila do Amaral e o poema Família de Carlos Drummond de Andrade. Traçar uma análise das obras: TítuloTítuloTítuloTítulo AutorAutorAutorAutor Tema ouTema ouTema ouTema ou assuntoassuntoassuntoassunto PersonagemPersonagemPersonagemPersonagem (ns)(ns)(ns)(ns) Impressões pessoaisImpressões pessoaisImpressões pessoaisImpressões pessoais Atividade de casaAtividade de casaAtividade de casaAtividade de casa Proponha uma coleta de poemas que a comunidade conhece. Pesquise na própria escola, com professores, funcionários, colegas mais velhos. E como tarefa de casa, pesquisar com pais, avós, parentes e vizinhos. A ideia é entrevistar pessoas, perguntando se conhecem poemas, se gostam de poemas, se sabem o nome de algum poeta. Em caso afirmativo, o aluno vai pedir às pessoas que escrevam esse poema ou o ditem para que ele o anote. Se na cidade morar algum poeta, é interessante convidá-lo a visitar a escola para conversar com os alunos, ou ainda, pedir-lhe que envie um de seus poemas para a turma.
  • 125. Roda de coRoda de coRoda de coRoda de conversanversanversanversa Apresentação da coleta de poemas e seleção dos poemas que a turma considera mais interessantes. Converse com os alunos sobre as impressões que tiveram de cada um dos poemas. Atividade em grupoAtividade em grupoAtividade em grupoAtividade em grupo Divida a classe em grupos e distribua para cada um deles cópias da seleção que a turma organizou. Diga-lhes que deverão apresentar para a classe um dos poemas que receberam. Para isso, devem se preparar lendo várias vezes o poema e ensaiando as várias formas de interpretar o texto. Poderão utilizar gestos, movimentos, efeitos sonoros, fundo musical etc. Deverão dizê-lo em voz alta, de modo claro, seja em forma de jogral ou de coro falado, sempre atentando para o ritmo, as pausar e a entonação. Organize o ambiente para a apresentação com a ajuda dos alunos. Disponha as carteiras em semicírculo ou escolha outro espaço da escola. O local escolhido pode ser organizado com o apoio do professor de Arte. Depois das apresentações, peça aos alunos que escolham alguns poemas apresentados para afixar no mural da sala de aula. Para refletir:Para refletir:Para refletir:Para refletir: 5555ª aulaª aulaª aulaª aula Ensinar a escrever textos torna-se uma tarefa muito difícil fora do convívio com textos verdadeiros, com leitores e escritores verdadeiros e com situações de comunicação que os tornem necessários. Fora da escola escrevem-se textos dirigidos a interlocutores de fato. Todo texto pertence a um determinado gênero, com uma forma própria, que se pode aprender. Quando entram na escola, os textos que circulam socialmente cumprem um papel modelizador, servindo como fonte de referência, repertório textual, suporte de atividade intertextual. A diversidade textual que existe fora da escola pode e deve estar a serviço da expansão do conhecimento letrado do aluno. Parâmetros Curriculares Nacionais – Língua Portuguesa