Your SlideShare is downloading. ×
Cervejas
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×
Saving this for later? Get the SlideShare app to save on your phone or tablet. Read anywhere, anytime – even offline.
Text the download link to your phone
Standard text messaging rates apply

Cervejas

273
views

Published on

Beers

Beers

Published in: Food

0 Comments
1 Like
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total Views
273
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
33
Comments
0
Likes
1
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. ESTILOS ???
  • 2. Cerveja de trigo.
  • 3. DUNKEL WEIZEN Origem • Cerveja de Trigo do sul da Alemanha, Produzida com Maltes tostados, o que confere uma coloração escura. Originalmente todas as cervejas de trigo eram escuras. Características • Cerveja escura, com coloração que varia de tons de marrom-claros e escuros, bastante turva, por não ser filtrada. Apresenta espuma muito persistente. Os mesmos aromas frutados e fenólicos (bananas e cravo) que aparecem também nesse estilo, mas aliados a notas de chocolate e tostadas devido ao uso de Malte torrado. De corpo médio, caracteriza-se como uma cerveja de alta carbonatação com um amargor mais acentuados. • Temperatura de Degustação = 4 a 6°C • Teor alcoólico = 4,3 a 5,6
  • 4. WEISSBIER Origem • Cerveja de trigo alemã, que utiliza geralmente uma proporção de 50% de malte de trigo e 50% de malte de cevada. Típica do sul da Alemanha, perdeu popularidade ao longo dos anos, mas retornou com força total nos últimos 10 anos sendo produzidas por diversas cervejarias no mundo todo. Características • Cerveja de coloração clara a âmbar, bastante turva, por não ser filtrada. Apresenta espuma muito persistente. Destacado o aroma de banana resultante da fermentação, em algumas exemplares notas defumadas e tuti-fruti. De corpo médio-leve a médio, é uma cerveja de alta carbonatação, muito refrescante, com sabor frutado acompanhado de leve acidez e amargor muito baixo. • Temperatura de Degustação = 3 a 6°C • Teor alcoólico = 6,2
  • 5. WEIZENBOCK Origem • Como o nome já diz, trata-se de uma cerveja que alia características de dois estilos clássicos, a Bock e a Weizenbier. Da Bock buscou a cor escura e a Weizenbier, a levedura e o uso do trigo. É originária do sul da Alemanha. Características • Cerveja escura com coloração que varia de tons marrom- claros e marrom- escuros, em alguns casos, avermelhados e rubi. Apresenta espuma muito persistente. Destacam-se os aromas de frutas secas e frutas passa, como banana, aliados ao fenólico (cravo) e adocicados de malte. Uma cerveja bem encorpada, de alta carbonatação, macia, caracteriza-se pelo baixo amargor e sabor frutado. Aromas e sabores tostados também podem aparecer. O equilíbrio pende ao lado do malte doce. • Temperatura de Degustação = 6 a 10 °C • Teor alcoólico = 6,5 a 8
  • 6. KRISTALL WEISSBIER Características • A cerveja KristallWeissbier é a versão filtrada da cerveja tradicional Weissbier. Apresenta um sabor intenso do malte de trigo. É uma cerveja refrescante que obtém seu brilho cristalino de um procedimento especial de filtragem das leveduras. Como e filtrada não apresenta o aspecto turvo característico de uma cerveja de trigo. Visualmente assemelha-se a uma lager, porém, mantém os aromas frutados e a baixa acidez da Weiss. • Temperatura de Degustação = 3 a 6 °C • Teor alcoólico = 6,5 a 8
  • 7. Irish red ale e Stout.
  • 8. Originalmente produzida desde 1856 pela Lady's Well Brewery acumula mais de 150 anos de tradição. Possui uma cor cobre- avermelhada que deixa uma espuma espessa ao ser servida, e um sabor de maltes com um toque de caramelo que é sobreposto pelo leve amargor dos lúpulos ao final. Murphy's Irihs Red Beer
  • 9. É uma cerveja tipo Stout, de alta fermentação, feita com percentual de malte torrado, que lhe confere sua marcante cor rubi-vermelho escura e um paladar tostado. O lúpulo utilizado confere à Guinness um distinto sabor, com excelente balanço entre o amargor e a doçura. Sua espuma densa e cremosa torna a Guinness uma cerveja extremamente saborosa e mais robusta que qualquer cerveja super- premium. A cervejaria St. James Gate está localizada na cidade de Dublin na Irlanda desde 1759. A Guinness é dita como a cerveja Stout mais consumida no mundo. Guinness Draught
  • 10. Este tipo de cerveja é originário da Irlanda, produzido à partir de cevada torrada, possui um sabor amargo conferido pelo lúpulo associado ao adocicado do malte. Enquadrado como cerveja de alta fermentação possui um alto teor alcoólico entre (5% e 7%). Possui também elevado teor de extrato primário, cerca de 15%. Harmoniza muito bem com carne vermelha, pratos bem condimentados e algumas sobremesas a base de chocolate. Magnus Prime Beer
  • 11. Cerveja de alta fermentação com origem na Irlanda. Ao contrário das escuras mais conhecidas no Brasil, que são adocicadas e escurecidas com caramelo, a Stout da Klein é feita com maltes torrados importados que conferem a cerveja um sabor de café e chocolate. Outro diferencial é a utilização de gás nitrogênio em sua composição resultando em um verdadeiro creme delicioso Klein Bier
  • 12. CERVEJAS BELGAS.
  • 13. 16A. Witbier História: Estilo de cerveja com 400 anos de idade e que morreu nos anos 50. Foi, mais tarde, ressuscitada por Pierre Celis em Hoegaarden e cresceu firmemente em popularidade com o tempo. Aroma: Dulçor moderado de grãos, leve acidez, ervas, especiarias ou apimentadas, moderado aroma de laranja. Aparência: Coloração de amarelo palha a dourado claro, intensa turbidez, colarinho denso e branco como mousse, com boa persistência. Sabor: Dulçor agradável , mel e/ou baunilha com frutado cítrico de laranja. Refrescância com final bem definido com uma finalização seca, frequentemente com acidez agradável.
  • 14. 16B. Belgian Pale Ale História: Produzida em cervejarias com raízes de meados do século XVIII. Os exemplares mais conhecidos foram aperfeiçoados após a Segunda Guerra Mundial com alguma influência da Grã-Bretanha,incluindo variedades de lúpulos e linhagens de leveduras. São consideradas cervejas “cotidianas”. Aroma: malte, frutado moderado, biscoito, laranja ou pera, Lúpulo moderado, leve apimentado. Aparência: Coloração de cobre a âmbar, brilhante, Colarinho quase branco, cremoso e com persistência média. Sabor: Frutada, pouco condimentada,maltosidade macia, caráter de lúpulo leve. Pode apresentar um frutado semelhante a laranja ou pera, Pouco amarga. Corpo médio. Carbonatação média.
  • 15. 16C. Saison História: Um estilo sazonal de verão produzido na Valônia, Bélgica. Produzido originalmente ao final da estação fresca para que perdurasse durante os meses mais quentes. Tinha que ser robusta o suficiente para durar por quarto meses, mas não tão forte a ponto de deixar de ser refrescante e apropriada para o verão. Aroma: Frutado intenso, lúpulo moderado, condimentado e alcoólico de baixo a nenhum, frutas cítricas como laranjas ou limões. Aparência: A coloração alaranjado pálido, mas pode variar para dourado ou âmbar. Colarinho de branco a marfim, denso e muito persistente Sabor: frutados cítrico e condimentos, sustentados por um delicado caráter maltoso, baixa a moderada presença de álcool, lúpulo varia de baixo a moderado, Carbonatação alta, corpo varia de leve a médio.
  • 16. 16D. Bière de Garde História: O nome significa, literalmente, “cerveja que pode ser guardada ou maturada por longos períodos a frio. Uma ale artesanal de casa de fazenda, tradicional do norte da França, produzida no início da primavera e mantida em caves frias para ser consumida no verão. Aroma: Dulçor maltoso ,caramelização é aceitável. Aparência: loura, âmbar e marrom, do amarelo dourado a bronze avermelhado e castanho. A limpidez varia de boa a turva, frequentemente não filtrada. Espuma com boa formação e intensa carbonatação. Sabor: Malte marcante, torrada, toffee ou caramelo. O amargor de lúpulo médio-baixo, Corpo de médio, Carbonatação de moderada a alta.
  • 17. Biere Brut Aroma: Maçãs frescas, hortelã, tomilho, gengibre, malte, pêras, lúpulo, pimenta-da-jamaica e cravo-da-índia. Aparência: cor clara, dourada, brilhante, colarinho b branco.
  • 18. Remuage
  • 19. Dégordement
  • 20. CERVEJAS INGLESAS.
  • 21. 8. English Pale Ale • 8A. Standard/Ordinary Bitter • 8B. Special/Best/Premium Bitter • 8C. Extra Special/Strong Bitter
  • 22. 8A. Standard/Ordinary Bitter História: Originalmente uma ale de barril servida bem fresca, sem pressurização (pela gravidade ou bombeado a mão) e à temperatura de adega (uma "real ale"). Aroma: Aroma de malte lembrando caramelo. Aroma frutado moderado. Baixo aroma de lúpulo. Aparência: Coloração de amarelo claro a cobre claro. Colarinho de baixo a moderado. Sabor: Amargor de médio a alto. Possui ésteres frutados. Lúpulo moderado de variedades inglesas terrosos e resinosos. Sabor de malte de baixo a médio.
  • 23. 8B. Special/Best/Premium Bitter Historia: Originalmente uma ale de barril servida bem fresca, sem pressurização (pela gravidade ou bombeado a mão) e à temperatura de adega (uma "real ale"). Aroma: Aroma de malte. Um aroma frutado leve. Aroma de lúpulo baixo. Aparência: Coloração de dourado médio a cobre, bem límpida a brilhante. Colarinho pequeno devido à baixa carbonatação. Sabor: Amargor de médio a alto. A maioria possui ésteres frutados. Lúpulo terroso, resinoso. Sabor de malte de baixo a médio, com uma finalização seca.
  • 24. 8C. Extra Special/Strong Bitter História: Strong Bitters podem ser vistas como versões de densida demais alta das Best Bitters. Atualmente na Inglaterra o termo “ESB” é uma denominação pertencente à Fullers. Aroma: Aroma de lúpulo moderado a alto. Aroma de malte médio-alto, frequentemente com notas de caramelo variando de baixas a moderadamente fortes. Presença de ésteres frutados de médio-baixa a médio-alta. Aparência: Coloração de dourada a cobre profundo. Transparência de límpida a brilhante. Colarinho quase branco de moderado a baixo. Sabor: Amargor de médio-alto a médio, com sabores maltosos dando suporte. Normalmente apresenta um dulçor maltosocaramelado forte. Sabor de lúpulo de moderado a moderadamente
  • 25. 12. PORTER • 12A. Brown Porter • 12B. Robust Porter • 12C. Baltic Porter
  • 26. 12A. Brown Porter História: Originaria da Inglaterra a Porter evoluiu de uma mistura de cervejas. Precursora da Stout. Preferida pelos estivadores e outros trabalhadores braçais. Aroma: O aroma de malte com leve torrado deve ser evidente e pode apresentar uma qualidade que remete a chocolate. Aroma de lúpulo inglês médio. Aparência: Coloração de marrom claro a marrom escuro. Colarinho de quase branco com formação moderada. Sabor: O sabor de malte torrado com caráter significativo de caramelo, nozes e/ou toffee. Lúpulos ingleses de moderados e amargor médio.
  • 27. 12B. Robust Porter História: Uma versão mais forte, lupulada e/ou torrada da Porter. Aroma: Aroma torrado lembrando toffee, caramelo, chocolate, café. Aroma de lúpulo de baixo a alto. Aparência: Coloração de marrom médio a marrom muito escuro, podendo ser quase negra. Colarinho bege, abundante. Sabor: Sabor maltoso moderadamente forte, normalmente contendo um leve caráter de malte preto queimado (algumas vezes sabores de chocolate e/ou café) com final apresentando um toque seco e torrado. Fim seco a médio-doce. Pode apresentar um caráter acentuado dos grãos escuros torrados. Amargor de médio a alto, que pode ser acentuado pelos maltes torrados.
  • 28. 12C. Baltic Porter História: Cerveja tradicional dos países que fazem fronteira com o Mar Báltico. Aroma: Dulçor maltoso remetendo a caramelo, toffee, nozes, tostado profundo. Alcoóis e ésteres de força remetem, ameixa seca, uva passa, cereja e vinho do porto. Apresenta caráter de malte escuro que remete a chocolate profundo, café ou melado. Aparência: Coloração de cobre avermelhado escuro a marrom escuro opaco. Colarinho bege, grosso e persistente. Sabor: Assim como no aroma, apresenta um rico dulçor maltoso com uma complexa combinação de maltes profundos, ésteres que lembram frutas secas e álcool. O torrado é proeminente mas macio.
  • 29. 14. India Pale Ale • 14A. English IPA • 14B. American IPA • 14C. Imperial IPA
  • 30. 14A. India Pale Ale História: Feita para sobreviver à viagem da Inglaterra até a Índia. As temperaturas extremas e a agitação do mar resultavam em uma cerveja altamente atenuada no desembarque. Aroma: Aroma de lúpulo moderadamente alto e de natureza floral, terrosa ou frutada é típico, leve aroma de dry-hopping. A presença moderada de malte com notas de caramelo ou tostado é comum. Aparência: A cor varia de âmbar dourado até cobre claro. Deve ser límpida. Boa retenção de colarinho de cor quase branca e que deve persistir. Sabor: Sabor de lúpulo de médio a alto, com amargor de lúpulo moderado a assertivo. O sabor do lúpulo deve ser similar ao aroma (floral, terroso, frutado, e/ou levemente gramíneo). O sabor do malte deve ser de médio-baixo a médio-alto
  • 31. 14B. American IPA História: Uma versão americana do histórico estilo inglês, produzida com ingredientes e atitude americanos. Aroma: Proeminente a intenso aroma de lúpulo com caráter cítrico, floral, como perfume, resinoso, derivado dos lúpulos americanos. Aparência: A cor varia de dourado médio até cobre avermelhado. Deve ser límpida, embora algumas versões Boa retenção de colarinho de cor branco que deve persistir. Sabor: Amargor de lúpulo de médio a alto, que deve refletir caráter de lúpulos americanos com aspectos cítricos, florais. O sabor de malte deve ser de baixo a médio.
  • 32. 14C. Imperial IPA História: Uma inovação americana recente que reflete a vontade dos cervejeiros artesanais americanos. Aroma: Aroma de proeminente a intenso de lúpulo derivado de variedades americanas, inglesas e/ou nobres (embora um caráter cítrico de lúpulo. A maioria das versões passa por dry-hopping. Aparência: A cor varia de âmbar dourado a cobre avermelhado médio; algumas versões podem ter tons alaranjados. Sabor: Sabor forte e complexo de lúpulo, que pode refletir variedades americanas, inglesas e/ou nobres. Amargor de alto a absurdamente alto de lúpulo.
  • 33. LAMBIC.
  • 34. 17D. Straight (Unblended) Lambic. Historia: • As Lambics são cervejas belgas, criadas na cidade de Lembeek, e atualmente a produção dos exemplos mais conhecidos ocorre na região próxima a Bruxelas, no vale do Sena. Acreditavam que a transformação da cerveja era “Bênçãos de Deus”. Aroma: • Predominância de aroma marcadamente ácido/azedo em exemplares mais jovens e menos evidente com o envelhecimento, onde se encontram aromas similares a celeiro, feno. Aromas suaves de carvalho e/ou cítrico são considerados favoráveis. Sabor: • Exemplares mais novos apresentam sabor distintamente ácido e/ou lático, embora o envelhecimento tenda a equilibrar estes sabores juntamente com o malte. Sensação na Boca: • Corpo de leve a médio-leve. Apesar da densidade final baixa, uma variedade de sabores enchem a boca prevenindo que a cerveja seja similar a água. • Tempo de fermentação. • Possui duas varições, Gueuze e Fruit Lambic. • Teor alcóolico:5,0 a 6,5%.
  • 35. 17E. Gueuze. Historia: • A cerveja desse estilo é na verdade uma mistura (blend) de cervejas Lambics jovens (pelo frescor) e Lambics envelhecidas (por seu aroma e corpo), o resultado é uma cerveja da cor dourada que torna-se cada vez mais escura com o tempo. Aroma: • O moderado aroma ácido/azedo combina com aromas similares a celeiro, terroso, de cabra, feno, lembrando cavalo suado ou cobertor de cavalo. Enquanto alguns exemplares possam ser predominantemente ácidos, o equilíbrio é a chave de uma boa Gueuze. Sabor: • O caráter moderadamente ácido é equilibrado com o malte, o trigo e as características de celeiro. Um baixo dulçor complementar pode estar presente, embora níveis mais altos não sejam comuns. Sensação na Boca: • Corpo de leve a médio-leve. Apesar da baixa densidade final, vários sabores enchem a boca prevenindo que a cerveja tenha acidez e sensação adstringente.
  • 36. 17F. Fruit Lambic Historia: • Por ser muito azeda, a Lambic sempre foi muito testada para que seu sabor fosse melhorado. A maneira mais adequada de melhorar seu sabor foi adicionando frutas as cerveja durante o processo de fermentação, desta forma podemos falar • Ela recebe um volume de 10% a 30% em frutas. • As frutas podem ser cerejas, amoras, framboesas, pêssegos, damasco e uvas. Aroma: • O aroma da fruta adicionada à cerveja deve ser dominante. Sabor: • O sabor da fruta adicionada à cerveja deve ser sempre evidente. Sabor ácido deve estar presente, variando de baixo a moderado podendo ser até alto. Sensação na Boca: • Algumas versões podem ser levemente quentes (devido ao álcool). Intensamente carbonatada, com o sabor da fruta predominante. • A cerveja ganhou uma maior “Drinkability”. • Teor alcóolico: 5,0 a 7,0%.
  • 37. STRONG ALE.
  • 38. 19. Strong Ale Denominação genérica que inclui uma variada grande de cervejas que podem ser claras ou escuras. Possuem alto teor alcoólico, que vai de 6 a 12%. Saborosas e balanceadas, “inserindo” harmoniosamente o álcool no conjunto ou fortes e desbalanceadas, evidenciando a gradação alcoólica. Dentro deste subtipo estão as Barley Wines - quase tão fortes quanto vinho - e também as Old Ale.
  • 39. 19A.Old Ale Uma Ale de significativo teor alcoólico, maior que o de Strong Bitters e Brown Porters, embora usualmente não seja tão forte ou rica quanto um Barley Wine. Usualmente inclinada em relação a um balanço mais doce e maltado. Deve ser uma cerveja que aqueça, do tipo que é melhor bebida em Half Pints em uma noite fria de inverno – Michael Jackson.
  • 40. 19B.English Barley wine A mais rica e forte English Ale. Uma demonstração de riqueza maltada e sabores complexos e intensos. O caráter dessas Ales pode mudar significativamente ao longo do tempo; tanto versões jovens como velhas devem ser apreciadas pelo que são. O perfil de malte pode variar imensamente; nem todos os exemplos terão todos os sabores ou aromas possíveis. embora geralmente seja uma cerveja lupulada, o Barley Wine inglês dá menor ênfase ao caráter de lúpulo que sua contrapartida norte-americana, e apresenta lúpulos ingleses.
  • 41. 19C.American Barley wine Uma bem lupulada interpretação americana do estilo mais rico e mais forte de English Ale. O caráter de lúpulo é evidente todo o tempo porém não é desbalanceado. Teor alcoólico e amargor de lúpulo geralmente se combinam para formar um final bem duradouro.
  • 42. Abadia & Trapista.
  • 43. São cervejas feitas em abadias. Existem diversos estilos típicos, entre eles Blond, Dubbel e Tripel e normalmente são cervejas belgas. As abadias são mosteiros onde residem os monges. Eles fabricam cervejas para consumo próprio e também para serem comercializadas com a ideia de ser uma fonte de renda para o mosteiro. Existem também as cervejas do tipo Abadia, que reproduzem esses estilos tradicionais. Elas são de cervejarias e marcas comerciais, como é o caso da Leffe e da Maredsous que são do tipo Abadia e possuem diferentes estilos.
  • 44. Belgian Dark Strong Ale Álcool (%) 9% ABV Temperatura 8-12 °C Belgian Dubbel Álcool (%) 7% ABV Temperatura 8-12 °C Belgian Tripel Álcool (%) 8% ABV Temperatura 5-7 °C

×