Your SlideShare is downloading. ×
  • Like
TV Digital Javaneiros 2010
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×

Now you can save presentations on your phone or tablet

Available for both IPhone and Android

Text the download link to your phone

Standard text messaging rates apply

TV Digital Javaneiros 2010

  • 725 views
Published

Palestra apresentada pelo Vimerson B. Santos no Javaneiros 2010.

Palestra apresentada pelo Vimerson B. Santos no Javaneiros 2010.

  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Be the first to comment
No Downloads

Views

Total Views
725
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
1

Actions

Shares
Downloads
23
Comments
0
Likes
1

Embeds 0

No embeds

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
    No notes for slide

Transcript

  • 1. TV Digital Virmerson Bento dos Santos
  • 2. O que é Tv Digital?
  • 3. Analó gica X Digital
  • 4. Estrutura
  • 5. Set-Top-Box Set-top-box equipado com uma antena UHF interna
  • 6. Sistemas de Transmissão Padrão Europeu (DVB) • DVB (Digital Video Broadcasting) • O sistema privilegia a programaç ão múltipla. Entretanto, a tecnologia não agrada às grandes redes de TV. • Em tese, esse sistema vincularia a transmissão mó vel às redes das teles celulares, já que o sistema demandaria a utilizaç ão de uma estrutura em separado para as transmissões destinadas a receptores mó veis. • O conversor europeu seria o mais barato para o usuário entre os sistemas estudados pelo governo brasileiro. • Faz o uso do middleware MHP(Multimedia Home Plataform).
  • 7. Sistemas de Transmissão Padrão Americano (ATSC) • ATSC (Advanced Television Systems Committee) • Esse foi o primeiro padrão descartado pelo governo brasileiro, pois não teria condiç ões de mostrar imediatamente testes sobre as transmissões com mobilidade. O sistema privilegia as transmissões em alta definiç ão e também a interatividade. • Faz o uso do middleware DASE(DTV Aplication Software Enviroment).
  • 8. Sistemas de Transmissão Padrão Japonês (ISDB) • ISDB(Integrated Service Digital Broadcasting) é o padrão defendido pelas grandes redes de TV. Elas alegam que essa seria a tecnologia que melhor atenderia aos requisitos de alta definiç ão. • Ao privilegiar a alta definiç ão, o sistema também poderádificultar a entrada de novos canais de TV. Isso porque, para transmitir em alta definiç ão não seria possível dividir a programaç ão, jáque esse tipo de transmissão demandaria a utilizaç ão de toda a banda de espectro. • Uma das desvantagens desse sistema, é o preç o do conversor, que é o mais caro dos três sistemas. • Faz o uso do middleware ARIB(Association of Radio Industries and Business). –
  • 9. O Brasil Precisava de um Padrão • Transmissões em alta definiç ão; (1080p) • Interatividade; (votar numa enquete ) • Multiprogramaç ão; (vários programas simultaneamente) • Portabilidade e Mobilidade (celular, penTVs, TVs portáteis)
  • 10. Sistemas de Transmissão Padrão Japonês adotado pelo Brasil (ISDB) • Alguns dos motivos para a escolha do padrão japonês foi o compromisso do Japão em investir US$ 2 bilhões para a fabricaç ão de semicondutores e TV`s de plasma. • Além desse investimento, foi dado um prazo maior para a adaptaç ão do sistema digital em todo o país, o que resultaráem um menor custo ao consumidor, pois poderápermanecer com seu televisor por mais tempo sem comprar um conversor. Isso pesou muito, levando em consideraç ão que o Brasil é um país em desenvolvimento que tem em 90% das casas um televisor instalado. • Outro fator que pesou bastante para a escolha foi a aprovaç ão por parte das grandes emissoras televisivas do padrão japonês. O governo não achou inteligente contrariar a escolha das grandes emissoras, as quais revelaram que com esse sistema poderiam ter um maior controle do conteúdo a ser exibido.
  • 11. ISDB-TB ...
  • 12. Serviç os e Aplicaç ões • Serviç os são sistemas ou programas que operam em um servidor e fornecem alguma informaç ão ou efetuam alguma operaç ão quando requisitados. • Aplicaç ões são programas que executam na estaç ão do usuário e que interagem ou não com serviç os fornecidos pelos servidores
  • 13. Serviç os e Aplicaç ões TV Avanç ada (Enhanced TV): disponibiliza textos e elementos gráficos adicionais à programaç ão da televisão. Os dados são enviados juntamente com o sinal de vídeo. TV Individualizada (Individualized TV): permite a escolha de ângulos de câmera, replays,respostas a perguntas (resposta pode ser enviada à emissora ou apenas ser comparada à resposta correta no pró prio receptor). Personal TV: também chamado de PVR (Personal Video Recorder) DVR (Digital Video Recorder), permite a gravaç ão de conteúdo com o auxílio da grade de programaç ão, pausar transmissões, pular comerciais e possui um HD (hard disk) onde o conteúdo é armazenado.
  • 14. Serviç os Interativos EPGs: Guias eletrô nicos de programaç ão (Eletronic Program Guides), ou IPGs, Guias Interativos de Programaç ão (Interactive Program Guides). Permitem consultar a grade de programaç ão das emissoras. Internet TV: e-mail, chat, navegaç ão na Web Play TV: Jogos mono ou multiusuários, a exemplo dos existentes para computador. Banking & Retail: aplicaç ões de banco e comércio eletrô nico
  • 15. Aplicativos Interativos T-learning ou Educational TV: aplicaç ões de Ensino a Distância (EAD). Community TV: votaç ões, veiculaç ão de informaç ões, suporte a comunidades virtuais, informaç ões direcionadas a grupos específicos, como imigrantes, pais de alunos de um mesmo colégio. Global TV: programaç ão internacional com traduç ão automática de língua.
  • 16. Aplicativos Interativos T-Commerce: comércio eletrônico através da TV T-Governo: aplicaç ões de interesse da populaç ão e governo, cidadania e interesses coletivos,como por exemplo: declaraç ão e restituiç ão de imposto de renda, consultas a saldos de FGTS e Aç ões da Previdência Social, voto ou consulta à opinião popular. T-mail: correio eletrô nico através da TV. Visa atingir a populaç ão sem acesso à Internet e complementa as demais aplicaç ões. TV saúde: serviç os oferecidos por hospitais e postos, como marcaç ão de consultas, programas de imunizaç ão, campanhas de esclarecimento e educaç ão em saúde coletiva.
  • 17. O que é Middleware? • Middleware ou mediador, é um programa de computador que faz a mediaç ão entre outros softwares. É utilizado para mover informaç ões entre programas ocultando do programador diferenç as de protocolos de comunicaç ão, plataformas e dependências do sistema operacional. • Seu objetivo é mascarar a heterogeneidade e fornecer um modelo de programaç ão mais produtivo para os programadores de aplicativos. Além disso, facilitar o desenvolvimento de aplicaç ões.
  • 18. O que é Middleware? COFDM MPEG2 H.264 HP@L4.0 H.264 BP@L1.3 MPEG - 4 HE-AAC@L4 MPEG - 4 HE- AAC@L3 Ginga APP1 APP2 APPn... Transporte Modulação Compressão Middleware Aplicativos
  • 19. Paradigmas • Linguagem Declarativa – mais intuitivas – mais simples por programadores – enfatiza a descriç ão declarativa do problema – mais alto nível de abstraç ão – Programador fornece um conjunto das tarefas a serem realizadas
  • 20. Paradigmas • Linguagem Imperativa – mais apropriadas para aplicaç ões genéricas – orientadas a eventos – maior controle do có digo – maior poder sobre o có digo – Linguagem Java
  • 21. Middleware Ginga-NCL • Ginga-NCL foi desenvolvido pela PUC-Rio visando prover uma infra-estrutura de apresentaç ão para aplicaç ões declarativas escritas na linguagem NCL. • NCL é uma aplicaç ão XML com facilidades para a especificaç ão de aspectos de interatividade, sincronismo espaç o-temporal entre objetos de mídia, adaptabilidade, suporte a múltiplos dispositivos e suporte à produç ão ao vivo de programas interativos não-lineares. • Ginga-NCL é software livre.
  • 22. Middleware Ginga-J • Ginga-J foi desenvolvido pela UFPB (Universidade Federal da Paraíba). • Ele provêuma infra-estrutura de execuç ão de aplicaç ões baseadas na linguagem Java, com facilidades especificamente voltadas para o ambiente de TV digital.
  • 23. Arquitetura Básica do Ginga Sistema Operacional Ginga – Núcleo Comum JVM Máquina de Apresentação (Ginga-NCL) Máquina de Execução (Ginga-J) Ginga – Serviços Específicos Ponte
  • 24. Bibliotecas do Ginga
  • 25. Software Livre Ginga-NCL Máquina de apresentação Ginga-NCL - Desenvolvida em linguagem C++ - Compatível apenas com Linux - Versão de alto desempenho a ser embarcada em receptores - Exige alto grau de conhecimento para instalação - Dedicada a desenvolvedores de middlewares e receptores - Usada também para testes de aplicações interativas
  • 26. Ambiente NCL • 1- Instalar Emulador - Software de Virtualizaç ão (VMWare) - Emulador Virtual Ginga NCL - Set Top Box - Plugin Eclipse NCL
  • 27. Ambiente NCL • 2 -Instalar Aplicaç ão de Console Remoto (SSH) - Pacote Open SSH no Linux - SSH secure shell client ou WinSCP no Windows - Executando pelo terminal /misc/launcher.sh /misc/ncl30/sample03/sample03.ncl
  • 28. Ambiente Ginga-J 1- Emulador Ginga-J http://ginga.lavid.ufpb.br/projects/show/gingaj-emulator 2- Executar no Eclipse
  • 29. Exemplo NCL • Viva mais Peso Ideal • Comerciais Proview • João
  • 30. Exemplos Ginga J • Nemo
  • 31. Dúvidas?
  • 32. Agradecimentos Raoni Kulesza e Erisvaldo Junior
  • 33. Grupo Gingams • www.gingams.com.br • gingams@googlegroups.com.br • Incentivo e Apoio:
  • 34. Referências • http://www.ginga.org.br/ • http://www.lavid.ufpb.br/ • http://dev.openginga.org/