Your SlideShare is downloading. ×
Estética conceito de arte e obra de arte
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×

Introducing the official SlideShare app

Stunning, full-screen experience for iPhone and Android

Text the download link to your phone

Standard text messaging rates apply

Estética conceito de arte e obra de arte

20,040
views

Published on

Published in: Education, Travel, Technology

4 Comments
11 Likes
Statistics
Notes
No Downloads
Views
Total Views
20,040
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
13
Actions
Shares
0
Downloads
555
Comments
4
Likes
11
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. Conceito de Arte e de Obra de Arte Escola Secundária de Bocage Profª Júlia Martins 2010|11
  • 2.
    • O que é uma
    • Obra de Arte?
  • 3. Obra de arte
    • Segundo Michel Dufrenne para que um obra seja considerada obra de arte terá de ser analisada segundo os seguintes pontos de vista:
    • Material - qualquer obra de arte é construída de um material próprio que lhe dá a sua diferença especifica e que o artista escolheu como veículo de comunicação da sua obra de arte;
    • Sensível – ao escolher um determinado suporte físico para construir a sua obra de arte, o artista está também a determinar um tipo próprio de sensibilidade para comunicar o que pretende, para criar o efeito desejado;
    • Representativo – estes dois primeiros aspectos fazem com que a obra de arte ganhe dinamismo, comunique algo, adquira significado( para quem produz e para quem o recebe);
    • Expressivo – criação do artista, após estar realizada, ganha uma pluralidade de significados e de interpretações possíveis…. É este o carácter aberto da obra de arte, permitindo sempre uma multiplicidade de interpretações possíveis.
  • 4. Tipos de obras de arte…
  • 5.
    • O que é a Arte?
  • 6. Arte Rupestre
    • Há milhares de anos os povos antigos já se manifestavam artisticamente . Embora ainda não conhecessem a escrita, eles eram capazes de produzir obras de arte.
    O homem pré-histórico era capaz de se expressar artisticamente através dos desenhos que fazia nas paredes de suas cavernas. Suas pinturas mostravam os animais e pessoas do período em que vivia, além de cenas de seu quotidiano
  • 7. Três Teorias sobre a Arte
    • 1ª - Teoria da arte como imitação
    • 2ª - Teoria da arte como expressão
    • 3ª - Teoria da arte como forma significante
  • 8. 1ª - Teoria da arte como imitação
    • Esta é uma das mais antigas teorias da arte. Foi, aliás, durante muito tempo aceite pelos próprios artistas como inquestionável. A definição que constitui a sua tese central é a seguinte:
    • Uma obra é arte se, e só se, é produzida pelo homem e imita algo.
    • A característica própria desta teoria não reside no facto de defender que uma obra de arte tem de ser produzida pelo homem, o que é comum a outras teorias, mas na ideia de que para ser arte essa obra tem de imitar algo. Daí que seja conhecida como teoria da arte como imitação .
  • 9. Platão
    • O belo é identificado com o bem, com a verdade e a perfeição. A beleza existe em si, separada do mundo sensível. Uma coisa é mais ou menos bela conforme a sua participação na ideia suprema de beleza. Neste sentido criticou a arte que se limitava a "copiar" a natureza, o mundo sensível, afastando assim o homem da beleza que reside no mundo das ideias. 
    • As obras de arte deviam seguir a razão, procurando atingir tipos ideais, desprezando os traços individuais das pessoas e a manifestação das suas emoções. Platão ligou a arte à beleza. 
  • 10.
    • Aristóteles concebe a arte como uma criação especificamente humana. O belo não pode ser desligado do homem, está em nós. Separa todavia a beleza da arte. Muitas vezes a fealdade, o estranho ou o surpreendente converte-se no principal objectivo da criação artística.
    • Aristóteles distingue dois tipos de artes :
    • a) as que possuem uma utilidade prática, isto é, completam o que falta na natureza.
    •  
    • b) As que imitam a natureza, mas também podem abordar o que é impossível, irracional, inverosímil.
    • O que confere a beleza a uma obra é a sua proporção, simetria, ordem, isto é, uma justa medida. Aristóteles associou a arte à imitação da natureza. 
    Aristóteles
  • 11. Vantagens da teoria - arte como imitação …
    • Disponibiliza um critério de classificação das obras de arte bastante rigoroso, o que nos permite distinguir com facilidade uma obra de arte.
    • Disponibiliza um critério de valoração das obras de arte. Uma obra de arte seria tão boa quanto mais se conseguisse aproximar do objecto imitado.
  • 12. Será que imita na perfeição as figuras de Platão e Aristóteles? A Escola de Atenas, de Rafael
  • 13. Será uma boa imitação? O Nascimento de Vénus, de Botticelli
  • 14. Objecções à teoria - arte como imitação
    • Que imita esta obra?
  • 15. Objecções à teoria - arte como imitação
    • Segundo este critério Picasso seria, com certeza, um artista menor …..
    • Segundo esta teoria e à luz dos nosso dias teríamos de reconhecer que a fotografia é a mais perfeita de todas as artes. Só que não é isso que acontece.
    • Vemos, assim, que também em relação ao critério valorativo esta teoria está longe de dar resposta satisfatória a todas as objecções que se lhe colocam.
  • 16. 2ª - Teoria da arte como expressão
    • Insatisfeitos com a teoria da arte como imitação (ou representação), muitos filósofos e artistas românticos do século XIX propuseram uma definição de arte que procurava libertar-se das limitações da teoria anterior, ao mesmo tempo que deslocava para o artista, ou criador, a chave da compreensão da arte. Trata-se da teoria da arte como expressão. Teoria que, ainda hoje, uma enorme quantidade de pessoas aceita sem questionar. Segundo a teoria da expressão
    • Uma obra é arte se, e só se, exprime sentimentos e emoções do artista.
  • 17.
    • O beijo
  • 18. La Fête / 2003 - Paula Rego The Scream (The Cry) – 1893 / Munch
  • 19. Objecções à teoria - arte como expressão Que emoção é expressa aqui? Vasarely
  • 20. 3ª - Teoria da arte como forma significante
    • Verificando que a diversidade de obras de arte é bem maior do que as teorias da imitação e da expressão fariam supor, uma teoria mais elaborada, e também mais recente, conhecida como teoria da forma significante (abreviadamente referida como «teoria formalista»), decidiu abandonar a ideia de que existe uma característica que possa ser directamente encontrada em todas as obras de arte. Esta teoria, defendida, entre outros, pelo filósofo Clive Bell, considera que não se deve começar por procurar aquilo que define uma obra de arte na própria obra, mas sim no sujeito que a aprecia.
    • Isso não significa que não haja uma característica comum a todas as obras de arte, mas que podemos identificá-la apenas por intermédio de um tipo de emoção peculiar, a que chama emoção estética , que elas, e só elas, provocam em nós.
    • Uma obra é arte se, e só se, provoca nas pessoas emoções estéticas.
  • 21. Piet Mondrian Segundo Mondrian , cada coisa, seja ela uma casa, uma árvore ou uma paisagem possuí uma essência que está por trás de sua aparência. E as coisas em sua essência estão em harmonia no universo. O papel do artista para ele seria revelar essa essência oculta e essa harmonia universal.
  • 22.
    • A criação artística
  • 23.  
  • 24. O Processo Criativo http://www.youtube.com/watch?v=eJcEplic6aY
  • 25. http://www.youtube.com/watch?v=G6yNlNJYJas http://www.youtube.com/watch?v=6Wu8JsPGmSc&feature=related
  • 26. Salvador Dali … um expoente da criatividade. http://www.youtube.com/watch?v=QHH28cRXu0U&feature=related
  • 27.
    • O artista ao produzir uma obra de arte exprime a sua criatividade enquanto inventivo, original e livre.
    • Inventivo … porque é uma novidade em relação às outras obras;
    • Original …revela a singularidade do artista;
    • Livre ... é a expressão, a comunicação do artista.
    O Processo Criativo
  • 28.  
  • 29. http://www.youtube.com/watch?v=iL2PxD4BoQ0&feature=related
  • 30. Vermee r segue um método que não contempla linhas, mas pontinhos de luz… Este método é evidente em “A Criada de Cozinha”, especialmente no contorno da abertura da jarra de leite, um mosaico de manchinhas. Vermeer é mestre na variação de intensidade da cor em relação à distância entre o objecto e a fonte de luz. O pão crocante captura a luz mais forte e a reflecte através de toques precisos de impasto ( tinta aplicada em camada grossa ). Atento demais aos pormenores, para evitar a monotonia da parede caiada de branco. Vermeer acrescentou-lhe manchas, buracos e até um prego. A composição é tão equilibrada e coesa que remover apenas um dos elementos ameaçaria a estabilidade do quadro.