• Share
  • Email
  • Embed
  • Like
  • Save
  • Private Content
www.medicinauninter.blogspot.com
 

www.medicinauninter.blogspot.com

on

  • 749 views

Sida, sindromes guillerm.., y sjurgle

Sida, sindromes guillerm.., y sjurgle

Statistics

Views

Total Views
749
Views on SlideShare
749
Embed Views
0

Actions

Likes
0
Downloads
2
Comments
0

0 Embeds 0

No embeds

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Microsoft PowerPoint

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment
  • 10/04/11
  • 10/04/11
  • 10/04/11
  • 10/04/11 América do Norte: 890.000 Caribe: 330.000 América Latina: 1.4 milhão Europa Ocidental: 500.000 Europa Ocidental e Ásia Central: 270.000 África do Norte e Oriente Médio: 210.000 África Sub-Saariana: 22.5 milhões Ásia Oriental e Pacífico: 560.000 Sul e Sudeste da Ásia: 6.7 milhões Austrália e Nova Zelândia: 12.000
  • 10/04/11
  • 10/04/11
  • 10/04/11
  • 10/04/11
  • 10/04/11 Tipo de Exposição: Exposições ao sangue, a fluidos que visivelmente contém sangue e outros fluidos potencialmente infectantes (p. ex., semen, líquido amniótico) que penetram por uma efração na pele ou membrana mucosa são as que têm o maior risco. Além disso, a penetração profunda de uma agulha de grosso calibre é de maior risco do que a de uma agulha sólida (como uma agulha de sutura) ou um arranhão superficial. Quantidade de Sangue: uma gota de sangue tem menor risco do que várias gotas ou um respingo grande ou a exposição durante alguns minutos. Quantidade de Vírus: Pacientes fonte em estados avançados da doença tem mais possibilidades de transmitir o vírus do que pacientes assintomáticos com contagens elevadas de CD4. Tratamento Pós-Exposição: Acredita-se que a profilaxia pós-exposição instituida dentro de 24-36 horas é a mais eficiente com base em estudos em animais. Entretanto, o tempo após o qual não há benefícios, em humanos, é desconhecido. Apesar disto, recomenda-se que a profilaxia seja instituida mesmo depois de 36 horas se a exposição foi de alto risco porque o tratamento precoce pode ser beneficioso. Fonte: Centros para o Controle e Prevenção de Doenças. 1998. Pautas para o Manejo de Exposições de Trabalhadores da Saúde ao HIV e Recomendações para a Profilaxia Pós-Exposição. MMWR: 47(RR-7):1-28.
  • 10/04/11
  • 10/04/11
  • 10/04/11
  • 10/04/11
  • 10/04/11
  • 10/04/11
  • 10/04/11
  • 10/04/11
  • 10/04/11
  • 10/04/11
  • 10/04/11
  • 10/04/11
  • 10/04/11
  • 10/04/11
  • 10/04/11 As camisinhas são feitas com material sintético ou natural. Somente as camisinhas feitas com látex ou vinil comprovadamente protegem contra a transmissão do HIV.
  • 10/04/11 Com o objetivo de proteção durante o trabalho de parto, usar luvas, máscara, óculos ou viseiras faciais, aventais de mangas compridas, aventais frontais de plástico e botas de borracha.
  • 10/04/11 Os Centros para o Controle e Prevenção de Doenças dos EU consideram como de alto risco a exposição do trabalhador da saúde quando o ferimento é profundo, há sangue visível no artefato causador do ferimento, o ferimento é causado por artefato previamente colocado num vaso (veia ou artéria) da cliente ou quando a paciente em questão veio a falecer de AIDS até 60 dias após a exposição. Antes de iniciar o tratamento com agentes anti-virais, o indivíduo deve ser cientificado de que os conhecimentos atuais sobre a eficácia e a toxicidade deste tratamento e os seus potenciais efeitos colaterais são limitados.
  • 10/04/11

www.medicinauninter.blogspot.com www.medicinauninter.blogspot.com Presentation Transcript

  • HIV/AIDS Vírus da Imunodeficiência Humana/ Síndrome da Imunodeficiência Adquirida
  • O que éHIV/AIDS?
    • A Síndrome da Imunodeficiência Adquirida (AIDS) é causada pelo vírus da Imunodeficiência Humana (HIV).
    • O HIV ataca e destrói os glóbulos brancos do sangue, causando um defeito no sistema imunológico do corpo.
    • O sistema imunológico de uma pessoa infectada pelo HIV torna-se tão enfraquecido que ela não pode proteger-se de infecções sérias. Quando isto acontece, do ponto de vista clínico esta pessoa contraiu a AIDS.
    • A AIDS pode manifestar-se tão precocemente quanto em 2 anos ou tão tardiamente quanto em 10 anos depois da infecção pelo HIV.
  • Estado Global do HIV/AIDS
    • 33,4 milhões de pessoas estão vivendo com o HIV
    • Calcula-se que 5,8 milhões de pessoas foram infectadas em 1998
      • 2,1 milhões são mulheres
      • 590,000 são crianças
    • Aproximadamente 16.000 novas infecções ocorrem diariamente
      • 90% em países em desenvolvimento
    • A maioria dos adultos neo-infectados pelo HIV tem menos de 25 anos
    • 10,7 milhões de adultos e 3,2 milhões de crianças morreram desde o início da epidemia
    Fonte : UNAIDS/OMS 1998.
  • Número de Pessoas com HIV/AIDS por Região América do Norte 890.000 Caribe 330.000 América Latina 1.4 milhão Europa Ocidental 500.000 África Sub- Saariana 22.5 milhões Europa Oriental & Ásia Central 270.000 Ásia Oriental & Pacífico 560.000 Sul e Sudeste da Ásia 6.7 milhões Austrália e Nova Zelândia 12.000 África do Norte & Oriente Médio 210.000 Fonte : UNAIDS/OMS 1998.
  • Modos de Transmissão do HIV
    • Relação sexual entre:
      • heterossexuais
      • Homossexuais (masculinos) – não há casos documentados de transmissão sexual entre mulheres
    • Exposição acidental a sangue ou a objetos/procedimentos relacionados com sangue (p. ex., transfusões de sangue, agulhas compartilhadas, instrumentos contaminados)
    • Transmissão mãe-criança durante:
      • gravidez
      • parto
      • aleitamento
  • Transmissão do HIV pelo Contato Sexual
    • De cada 100 adultos infectados pelo HIV, 75-85 contrairam a infecção durante uma relação sexual não protegida
      • 70% destas infecções resultam de uma relação heterossexual
    • As DSTs, especialmente as lesões ulceradas da genitalia, aumentam o risco de transmissão
    Fonte : UNAIDS/OMS 1996.
  • Transmissão do HIV pelo Sangue, Produtos do Sangue e Fluidos Corporais
    • Agulhas compartilhadas/contaminadas por usuários de drogas
      • Corresponde a 5-10% de todas as infecções em adultos
    • Transfusão de sangue ou produtos de sangue contaminados
      • Corresponde a 3-5% de todas as infecções em adultos
    • Instrumentos cirúrgicos contaminados
    • Práticas tradicionais (tatuagens, perfuração das orelhas, circuncisão)
    • Semen doado por homem contaminado pelo HIV
    Fonte : UNAIDS/OMS 1996.
  • Transmissão do HIV a Trabalhadores da Saúde Fonte : CCD 1996, Gerberding 1995; Seelf 1978.
  • HIV e Trabalhadores da Saúde
    • A maioria das exposições não resulta em infecção
    • O risco varia com:
      • Tipo de exposição
      • Quantidade de sangue envolvida
      • Quantidade de vírus no sangue do doente no momento da exposição
      • Instituição (ou não) de tratamento após a exposição
  • Transmissão da Mãe para a Criança
    • Pré-natal
      • Intrauterina transplacentária
    • Intraparto
      • Exposição ao sangue materno e secreções vaginais durante o trabalho de parto e o parto
    • Pós-parto
      • Durante a lactação
    • 25-35% de todas as crianças nascidas de mulheres infectadas pelo HIV em países em desenvolvimento se tornam infectadas
    • 90% de recém-nascidos e crianças foram infectados pela mãe
    Fonte : UNAIDS/OMS 1996; UNAIDS/OMS1998.
  • Transmissão do HIV
    • O HIV não é transmitido por:
      • Contato ocasional pessoa-a-pessoa em casa, no trabalho ou em locais públicos ou sociais
      • Alimentos, ar, água
      • Picadas de insetos/mosquitos
      • Tosse, espirro, cuspidela
      • Aperto de mãos, carícias, beijo seco ou abraço
      • Piscinas, banheiros, etc.
  • Quem tem Alto Risco de Contrair AIDS
    • A pessoa que:
      • Usa agulhas e seringas compartilhadas/contaminadas
      • É portadora de uma DST
      • Prática sexo anal com sua/seu parceiro(s)
      • Prática sexo por dinheiro ou drogas
      • Possui vários parceiros sexuais
      • Vive separada do marido devido a obrigações profissionais (p. ex., caminhoneiros, trabalhadores, migrantes)
  • As Mulheres e o HIV
    • Fatores de risco sociais
      • Analfabetismo
      • Desconhecimento de medidas preventivas
    • Fatores de risco biológicos
      • Mulheres tem risco duas vezes maior de contrair HIV de homens
      • Fisiologia feminina (p. ex., menstruação, coito)
      • Condições relacionadas à gravidez (p. ex., anemia, hemorragia) aumentam a necessidade de transfusão de sangue
  • Espectro Clínico da AIDS
    • Grupo 1: Infecção aguda 0-3 semanas
    • Janela imunológica: soroconversão 3-12 semanas
    • Grupo 2: Infecção assintomática 0-10 anos
    • Grupo 3: Linfadenopatia generalizada persistente
    • Grupo 4: Outras doenças relacionadas ao HIV
      • Doenças constitucionais
      • Distúrbios neurológicos
      • Infecções oportunistas
      • Neoplasias secundárias
      • Outras condições
  • Sinais e Sintomas da AIDS
    • Febre de origem desconhecida
    • Nódulos linfáticos aumentados
    • Erupção cutânea e tosse
    • Diarréia persistente
    • Grande perda de peso
    • Lesões cutâneas
    • Perda do apetite e fadiga
  • AIDS e a Criança
    • Os sintomas geralmente se manifestam aos 6 meses de idade
      • Diarréia
      • Deficiência do crescimento
    • A maioria destas crianças morre antes de completar seu 2º ano
    • As crianças que nascem de pais infectados pelo HIV freqüentemente tornam-se órfãos
  • Diagnóstico do HIV
    • Feito principalmente pela sorologia
      • Através do teste dos anticorpos (ELISA); se positivo, confirmação pelo Western Blot
      • Cultura do sangue e tecidos
  • Tratamento dos Pacientes Infectados pelo HIV
    • Atualmente, nenhum medicamento ou tratamento pode curar a AIDS
    • A disponibilidade de vacinas anti-AIDS parece improvável em futuro próximo
    • Uma combinação de três agentes antirretrovirais (ARVs) é o padrão ouro de tratamento
    • Os ARVs não estão universalmente disponíveis, custam muito caro e devem ser corretamente administrados
  • Efeitos da AIDS sobre a Gravidez
    • Infertilidade
    • Abortos de repetição
    • Prematuridade
    • Retardo do crescimento intrauterino
    • Natimortos
    • Anomalias congênitas
    • Embriopatias
  • SIDA e Aleitamento
    • OMS, UNAIDS e UNICEF recomendam que todas as mulheres:
      • Sejam informadas do risco de transmissão do HIV pelo aleitamento,
      • Tenham acesso ao aconselhamento voluntário e a exames para determinar o estado de sua infecção pelo HIV e
      • Recebam apoio em sua escolha pelo aleitamento ou pela alimentação artificial.
  • Transmissão do HIV da Mãe para a Criança
    • 90% dos recém-nascidos e crianças infectados pelo HIV contrairam o vírus de suas mães
    • 2/3 dos recém-nascidos de mulheres infectadas pelo HIV não são infectados
    • Dos recém-nascidos infectados:
      • 2/3 são infectados intra-útero ou no parto
      • 1/3 é infectado durante o aleitamento
  • Risco de Transmissão do HIV pelo Aleitamento
    • O risco é aumentado se:
      • A mãe adquire a infecção durante a gravidez ou a lactação
      • A mãe tem fissuras nas aréolas, abcessos ou outras doenças mamárias
      • A mãe tem sintomas de doenças relacionadas ao HIV
      • A criança tem feridas na boca ou infecção intestinal
  • Imunização de Crianças Infectadas pelo HIV
    • Todas as crianças infectadas pelo HIV e assintomática devem receber as imunizações costumeiras
    • Todas as crianças infectadas pelo HIV com sintomas e portadoras do complexo relacionado à AIDS (CRA) ou da AIDS devem receber vacinas inativadas
  • HIV e Anticoncepção
    • Anticoncepção com proteção
      • Camisinha masculina (látex e vinil)
      • Camisinha feminina
      • Nonoxynol-9 (creme espermaticida anti-vírus)1
      • Diafragma vaginal1
    • Métodos apropriados para o uso de mulheres com o HIV. Elas devem usar camisinha para proteger seu parceiro.
      • Hormonais (AOCs, Implantes, Progestágeno injetável)
      • Esterilização voluntária
    1 A proteção é parcial se usado sem camisinha
  • Proteção dos Trabalhadores da Saúde contra o HIV Durante o Trabalho de Parto e o Parto
    • Precauções durante o trabalho de parto:
      • Proteger-se do sangue e do líquido amniótico
      • Proteger-se de instrumentos afiados/pontudos
    • Reanimação do recém-nascido:
      • Não fazer sucção boca-a-boca
      • Não fazer respiração boca-a-boca
    • Precauções após o parto:
      • Desinfecção apropriada do instrumental
      • Descarte apropriado da placenta e outros elementos
  • Tratamento Pós-Exposição dos Trabalhadores da Saúde
    • Pele intada, boca e nariz: lavar imediatamente com água e sabão e enxaguar profusamente para remover todas as partículas potencialmente infectadas.
    • Pele cortada ou perfurada: deixa sangrar livremente.
    • Olhos: lavar imediatamente com água e, a seguir, irrigar com solução salina durante 30 minutos.
    • Considerar profilaxia pós-exposição (PPE) se houver alto risco de transmissão:
      • Tratamento com Zidovudina (ZDV) durante 4 semanas
      • Iniciar, de preferência dentro de 1-2 horas
    Fonte : CDC 1996.
  • Tratamento Pós-Exposição dos Trabalhadores da Saúde continuação
    • Exames para o diagnóstico de HIV, imediatamente, 6 semanas, 6 meses e 12 meses apó a exposição
    • O tratamento, se iniciado, deve continuar durante 4 semanas. A pessoa exposta pode declinar de qualquer uma ou de todas as drogas.
    • Frente a exposições de menor importância, a profilaxia não é recomendada.
  • SINDROME DE GUILLAIN-BARRÉ
  • Nombres Alternativos
    • * Polineuritis idiopática aguda
    • * Polineuropatía inflamatoria aguda
    • * Polineuritis infecciosa
    • * Sindrome de Guillain- Barré- Landry
  • GUILLAIN BARRE
    • Representa entre el 25 y el 40% de todas las polineuropatías de la edad adulta, yla mitad de los pacientes refieren un cuadro catarral de vías respiratorias altas los días precedentes; un número reducido de ellos presenta el cuadro tras una vacunación, intervención quirúrgica, picadura de insecto o en relación a un embarazo
  • DEFINICIÓN
    • Forma aguda y en general rápidamente progresiva de polineuropatía inflamatoria caracterizada por debilidad muscular y déficit sensitivo distal leve, en la que aproximadamente 2/3 de los casos comienzan entre 5 d y 3 sem después de una infección banal, una intervención quirúrgica o una vacunación.
  • ETIOLOGÍA
    • No se conoce con exactitud su etiopatogenia aunque se ha demostrado la existencia de mecanismos autoinmunes, mediados por la inmunidad celular con un papel más discutible de la inmunidad humoral.
    • También según algunos autores éste síndrome es desencadenado por virus de tipo inespecífico
  • Sintomas
    • Los sintomas tipicos son:
    • Debilidad muscular o parálisis (el síntoma más común) o movimientos descoordinados
    • la debilidad comienza en los pies y las piernas y puede progresar hacia arriba hasta los brazos y a los nervios craneanos (cabeza)
    • puede progresar rápidamente entre 24 y 72 horas
  • Sintomas
    • puede comenzar en los brazos y progresar hacia abajo
    • puede ocurrir en los brazos y las piernas al mismo tiempo
    • puede ocurrir únicamente en los nervios craneanos
    • es posible que no ocurra (casos leves)
  • Sintomas
    • Cambios en la sensibilidad
    • entumecimiento , disminución de la sensibilidad
    • sensibilidad o dolor muscular (puede ser similar al dolor por calambres)
    • usualmente acompaña o precede la debilidad muscular
    • es posible que no ocurra
  • Sintomas Adicionales
    • Visión borrosa
    • Dificultad para mover los músculos de la cara
    • Mareo
    • Palpitaciones (sensación táctil de los latidos del corazón)
    • Dificultad para empezar a orinar
    • Sensación de vaciamiento incompleto de la vejiga
    • Incontinencia (fuga) urinaria
    • Estreñimiento
    • Contracciones musculares
  • Sintomas
    • Sintomas que indican que se presenta una emergencia:
    • Dificultad para deglutir , babeo
    • Dificultad respiratoria
    • Ausencia temporal de la respiración
    • Sensación de "incapacidad de respirar profundamente"
    • Desmayo
  • LABORATORIOS
    • Las pruebas de laboratorio son de poca ayuda al inicio del proceso. Al cabo de 7 días se detecta una elevación de las proteínas en el LCR, que es máxima entre la segunda y la cuarta semanas. Por el contrario, las células prácticamente no se modifican, configurando la denominada disociación albuminocitológica.
    • La biopsia de nervio no está indicada para el diagnóstico
  • TRATAMIENTO
    • La plasmaféresis puede ser beneficiosa si se administra precozmente con afectación aguda severa.
    • La administración diaria de globulina inmune i.v. (g-globulina), 400 mg/kg/d durante las dos primeras semanas es tan efectiva como la plasmaféresis y más segura.
  • Complicaciones
    • Dificultad respiratoria (insuficiencia respiratoria )
    • Aspiración de comida o líquidos a los pulmones
    • Neumonía
    • Aumento del riesgo de infección
    • Trombosis venosa profunda
    • Pérdida del movimiento permanente en un área
    • Contracturas de las articulaciones u otras deformidades
  • Expectativa (pronostico)
    • Casi todos los casos (95%) sobreviven y la mayoría se recuperan completamente. Se puede presentar una debilidad leve que persiste en algunas personas, pero el resultado puede ser muy favorable cuando los síntomas se tratan dentro de las tres primeras semanas después de su aparición.
  • SINDROME SJOGREN
  • Síndrome de Sjogren
    • Trastorno de glándulas exocrinas que provoca:
    • Ojo seco
    • Boca seca
  • Síndrome de Sjogren
    • Primario: cursa aisladamente
    • Secundario: asociado a otra EDTC.
    • Después de AR. Es la enfermedad más frecuente
    • Afecta más a mujeres entre la 4ta y 5ta década.
  • Síndrome de Sjogren
    • Infiltrado linfocitario : células T CD4 -CD8 y B CD19-CD5
    • Hiperreactividad de los linfocitos B
  • Síndrome de Sjogren
    • GENETICA
    • HLA-B8, DR3,DRw52
    • HLA-DR2
    • HLA-DR4
  • SINDROME SJOGREN
  • Síndrome de Sjogren
    • COMPROMISO LOCAL
    • Sequedad o picazón en ojos
    • Sequedad de la boca
    • Dificultad para tragar
    • Pérdida del sentido del gusto
    • Caries dental severa
    • Ronquera
  • Síndrome de Sjogren
    • MANIFESTACIONES CLINICAS
    • MALESTAR GENERAL
    • ARTRALGIAS-MIALGIAS
    • FENOMENO DE RAYNAUD
    • COMPROMISO PULMONAR
    • COMPROMISO RENAL
    • COMPROMISO SNC Y SNP
    • COMPROMISO CUTANEO
    • COMPROMISO DIGESTIVO
  • SINDROME SJOGREN
  • Síndrome de Sjogren
    • LABORATOTIO
    • ANTI-Ro : 50 – 80%
    • ANTI-La : 30 – 60%
    • FR : 60 – 80%
    • HIPERGAMMAGLOBULINEMIA: 80%
  • Síndrome de sjogren
    • DIAGNOSTICO
    • EXPRESION CLINICA
    • LABORATORIO
    • EVALUACION LOCAL
    • Schirmer
    • Rosa de bengala
    • Sialografia
    • scintigrafia
    • BIOPSIA
  • SINDROME SJOGREN
  • SINDROME SJOGREN
  • Síndrome de Sjogren
    • Complicaciones
    • Infección pulmonar
    • Insuficiencia renal
    • Linfoma
  • Síndrome de Sjogren
    • Tratamiento
    • Sustitución de líquidos
    • Lágrimas artificiales
    • Glucocorticoides
    • Inmunosupresores
    • Evitar medicamentos que aumenten la hipofunción
  •  
  • Gracias por su atención