• Share
  • Email
  • Embed
  • Like
  • Save
  • Private Content
O homem cuja orelha cresceu - Inácio de Loyola Brandão
 

O homem cuja orelha cresceu - Inácio de Loyola Brandão

on

  • 5,059 views

 

Statistics

Views

Total Views
5,059
Views on SlideShare
5,025
Embed Views
34

Actions

Likes
0
Downloads
19
Comments
0

2 Embeds 34

http://www.slideshare.net 23
http://jstenico.wordpress.com 11

Accessibility

Upload Details

Uploaded via as Microsoft PowerPoint

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

    O homem cuja orelha cresceu - Inácio de Loyola Brandão O homem cuja orelha cresceu - Inácio de Loyola Brandão Presentation Transcript

    •  
    • TEORIA LEITURA DO CONTO O Conto Música Conclusão Ignácio de Loyola Brandão Contexto Histórico/Político Um pouco mais de ... Finalizar
    • Ignácio de Loyola Brandão
    • O leitor e o escritor em formação
      • Nasceu na cidade de Araraquara – SP no dia 31 de julho de 1936 .
      • Seu pai, contador e funcionário da estrada de ferro Araraquarense, o incentivava ler, para tanto, formou uma biblioteca com mais de 500 volumes.
      • Aos 10 anos participa de um concurso de desenho patrocinado pelo Consulado da França com o tema “Como você vê a Paris libertada”, recebendo pela participação os livros “Pinóquio” e “O barba azul”.
      • Primeiros passos como escritor: aos 12 anos escreve seu primeiro romance, num caderno, intitulado “Dias de Glória”.
      • Em 1955 inicia o curso científico .
    • À caminho da literatura
      • Escreveu em diversos jornais de sua cidade.
      • Aos 20 anos, mudou-se para São Paulo e passou a trabalhar no Jornal Última Hora : repórter, colunista e editor de variedades.
      • Revista Cláudia , editora Abril.
      • Revista Realidade : destaque nos anos 60.
      • Revista Setenta : tentativa de uma Vogue brasileira.
      • Editora Três : Revista Planeta, Lui e Ciência e Vida e na organização dos Clássicos da Literatura Brasileira e na Biblioteca Planeta.
    • Contos
      • Pega ele, Silêncio , Símbolo, 1976
      • Cadeiras proibidas , Símbolo, 1976
      • Cabeças de segunda-feira , Codecri, 1983
      • O homem do furo na mão , Ática, 1987
      • O homem que odiava segunda-feira , Global, 1999
      Lança seu primeiro livro: "Depois do sol“ (1965)
    • Produção Literária
      • Produziu 32 livros entre contos, romances, relatos autobiográficos, cartilhas, crônicas, biografias. Possui livros traduzidos para sete outras línguas.
    • Literatura Infanto-Juvenil Lançado em 1995 Lançado em 1989 Lançado em 2007 Prêmio Fundação Biblioteca Nacional Melhor Livro Infantil do Ano Lançado em 2005
    • “ Pega ele, Silêncio” Prêmio Especial do 1°Concurso Nacional de Contos do Paraná (1968) “ Não verás país nenhum” Premiado pelo Instituto Ítalo Latino Americano (1984) e encenado no teatro José de Alencar em Fortaleza (1987) “ O homem que odiava a segunda-feira” Prêmio Jabuti Melhor livro de contos (2000) “ O ganhador” Prêmios Pedro Nava (Academia Brasileira de Letras) e Associação Paulista de Críticos de Arte (APCA), Categoria “ Melhor Romance”(1988) Reconhecimento:
    • Lançado primeiramente pela editora italiana Feltrinelli (1974) Em 1975 foi lançado no Brasil e no ano seguinte censurado pelo Ministério da Justiça , porém antes recebeu o Prêmio de “ Melhor Ficção” concedido pela Fundação Cultural do Distrito Federal. Vendas liberadas em 1979. Foi traduzido para diversas línguas: Italiano, inglês, húngaro, espanhol, coreano, alemão. Destaque:
    • Adaptações
      • Teatro: Não verás país nenhum . Direção de Júlio
      • Maciel, Fortaleza, Teatro José de
      • Alencar, 1987 (baseado no romance
      • homônimo).
      • Cinema: Bebel, a garota-propaganda.
      • Direção de Maurice Capovilla, 1986
      • (baseado no romance “ Bebel que a cidade comeu” ) Anuska, manequim e mulher. Direção de
      • Francisco Ramalho, 1969 (baseado no conto
      • “ Ascensão ao mundo de Annuska ").
    • O conto em questão... 1ª edição 1976 1993 2002 voltar
    • Contexto Histórico/Político CADEIRAS PROIBIDAS 24 CONTOS METÁFORAS DA VIDA BRASILEIRA DITADURA MILITAR ATO PENSAMENTO CADA LINHA ESCRITA CONDENAR UM HOMEM 1ª EDIÇÃO: 1976 época de censura medo REÚNE
    • “ Nos anos setenta, a situação brasileira me parecia bastante irreal. Ainda parece, hoje. No entanto, era diferente naquela época, com o regime ditatorial, a censura, o amordaçamento geral. Eu via os jornais contemplando uma realidade e estampando outra. Como jornalista, era testemunha de fatos que não podia imprimir. Portanto, observava a realidade sendo distorcida e uma outra realidade sendo fabricada, impingida. A percepção desta situação me levou à descoberta (óbvia) de que as coisas eram, mas não eram. E, desta maneira, na observação do dia-a-dia, foram surgindo as histórias que compõem Cadeiras Proibidas.” (BRANDÃO, 1987) voltar
    • Um pouco mais de...
      • Ignácio de Loyola Brandão
    • 44 anos de carreira
    • Obscenidades para uma dona de casa Escrever Viver Ler Muito Saber Português Sentido de Vida Mergulhar na Vida O Estado de São Paulo Site
      • “ Eu só escrevo. Cada história que você escreve tem mil interpretações.”
      • “ A crase que é a principal causadora dos distúrbios que andam por aí: os sem terra invadindo, os lucros do bancos, a queda da bolsa, o aumento do preço do álcool, a degradação do ensino, o aumento da violência. A culpa de tudo? A existência da crase. Dia desses, encontrei na rua um homem que se dirigia as (tem crase?) pessoas falando sem crases. Foi espantoso, mas excelente experiência, todos o entendiam.”
    • “ Cadeiras Proibidas é quase Kafkiano.” “ Tinha medo de ter outro livro proibido.” “ Os censores não entenderam, e eu sabia que eles não iam entender. O leitor entendeu.” “ Fiz um livro de conto que era inteiro metafórico.” voltar
    • Música MOZART CAMARCO GUARNIERI (1907-1993) 02 Chôro for Cello & Orchestra (1961) II. Calmo e triste 03 Chôro for Cello & Orchestra (1961) III. Com alegria voltar
    • Conclusão: Uma certa visão da realidade naturalmente absurda insólita voltar Proposta do realismo mágico deformar o real mostrá-lo na sua transfiguração em forjar a condição do humano como algo naturalmente absurdo propor um olhar de transcendência em relação ao real. não consiste mas por meio da ficção