INSTITUTO AVANÇADO DE ENSINO SUPERIOR DE BARREIRAS – IAESB        FACULDADE SÃO FRANCISCO DE BARREIRAS – FASB             ...
JORGE DA SILVA JÚNIORTRATORES AGRÍCOLAS            Apostila              acadêmica          de            complementação t...
SUMÁRIOLISTA DE FIGURAS......................................................................................................
LISTA DE FIGURASFigura 1. Principais partes constituintes do trator. ........................................................
1. Histórico do uso de tratores agrícolas       As propriedades agrícolas modernas apresentam cada vez mais um elevadoíndi...
2. Constituição da transmissão2.1.   Embreagem       A embreagem localiza-se entre o volante do motor e o eixo primário da...
chamada de eixo piloto, secundária e terciária, engrenagens, pinhão de ré,trambuladores (garfos) e alavancas.Seu funcionam...
sobre seu eixo e estão ligadas as semi-árvores, que transmitem o movimento as rodas,já as satélites, além de girarem sobre...
Constituição dos pneus:      - Lonas: exercem a função de suportar a carga e a pressão internas do pneu.      - Talões: co...
- Pneus de transporte- Pneus para motocultivadores       De acordo com a carcaça os pneus podem ser classificados em diago...
5. Classificação dos tratores       São utilizados inúmeros critérios na classificação de tratores como tipo derodado, con...
5.1.2. Trator Florestal       São máquinas destinadas principalmente nas operações para implantação demanejo e exploração ...
Figura 5. Trator Industrial, Retro-escavadeira em atividade de remoção de detritos          urbanos, ou industriais.5.2. S...
A esteira é o componente que permite o deslocamento do trator, a qual écomposta por um tipo se corrente formada por pinos,...
Figura 8. Trator utilizado na colheita, com sistema de rodado de esteiras metálicas e de          rodas pneumáticas para d...
5.2.3.1.2. Rodas Pneumáticas       As modernas rodas pneumáticas, rodas com pneus, vieram para substituir asantigas rodas ...
diâmetros menores que os do rodado traseiro, servindo apenas para a sustentação edirecionamento.                      Figu...
6.3. Trator de Tração Traseira/Dianteira Simultânea (4 X 4)      Nesse caso, a tração se dá de forma simultânea nos dois e...
7.2. Longarina      Esse sistema, com o uso de longarina, se caracteriza por ter uma estrutura tipopórtico que é o chassi ...
8. Números de eixos8.1. Mono-Eixo (monocultivador, trator de rabiça ou mula mecânica)      São conhecidos como tratores de...
8.3.Tratores Especiais      São tratores projetados e constituídos de características especiais, bem distintasao que os di...
utilizados principalmente na aplicação de defensivos fitossanitários sobre as copas dasplantas da cultura (Figura 20).    ...
15.TRATOR TRICICLO      Geralmente adaptável à trabalhos de pulverização ou cultivos. Possui uma ouduas rodas dianteiras m...
BibliografiaFURLANI, C. E. A., SILVA, R. P.Apostila Didática nº 3, Tratores Agrícolas.Jaboticabal-SP:UNESP2006.Disponívele...
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Apostila de máquinas e mecanização agricola

63,686

Published on

Published in: Education
2 Comments
8 Likes
Statistics
Notes
No Downloads
Views
Total Views
63,686
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
1
Actions
Shares
0
Downloads
2,100
Comments
2
Likes
8
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Transcript of "Apostila de máquinas e mecanização agricola"

  1. 1. INSTITUTO AVANÇADO DE ENSINO SUPERIOR DE BARREIRAS – IAESB FACULDADE SÃO FRANCISCO DE BARREIRAS – FASB Curso de AgronomiaDisciplina de Máquinas e Mecanização Agrícola TRATORES AGRÍCOLAS Prof. MSc. Jorge da Silva Júnior Barreiras, BA 2011
  2. 2. JORGE DA SILVA JÚNIORTRATORES AGRÍCOLAS Apostila acadêmica de complementação teórica da Disciplina Máquinas e Motores Agrícolas, apresentada à Coordenação de Agronomia da FASB. Barreiras, BA 2011
  3. 3. SUMÁRIOLISTA DE FIGURAS.........................................................................................................41. Histórico do uso de tratores agrícolas ..........................................................................52. Constituição da transmissão ........................................................................................6 2.1. Embreagem .........................................................................................................6 2.2. Caixa de Cambio .................................................................................................6 2.3. Transmissão final ................................................................................................73. Rodados .......................................................................................................................8 3.1 Classificação dos pneus .........................................................................................94. Caracteríticas técnicas básicas do trator ....................................................................105. Classificação dos tratores ..........................................................................................11 5.1. Quanto a aplicação ..............................................................................................11 5.1.1. Trator Agrícola ..................................................................................................11 5.1.2. Trator Florestal..................................................................................................12 5.1.3. Trator Industrial .................................................................................................12 5.2. Sistema de Locomoçaõ e Direção (Rodado) .......................................................13 5.2.1. Trator De Esteira...............................................................................................13 5.2.2. Tratores de Semi-Esteiras ................................................................................14 5.2.3. Trator de Rodas ................................................................................................156. Transmissão Tratória..................................................................................................16 6.1. Trator de Tração Traseira (4 X 2) ........................................................................16 6.2 Trator de tração traseira com Tração Dianteira Auxiliar (4x2 TDA) ......................17 6.3. Trator de Tração Traseira/Dianteira Simultânea (4 X 4) ......................................187. Conformação do Chassi .............................................................................................18 7.1. Chassi Rígido Tipo Monobloco ............................................................................18 7.2. Longarina .............................................................................................................19 7.3 Chassi articulado ..................................................................................................198. Números de eixos.......................................................................................................20 8.1. Mono-Eixo (monocultivador, trator de rabiça ou mula mecânica) ........................20 8.2. Três Eixos ou mais Eixos (super-tratores) ...........................................................20 8.3.Tratores Especiais ................................................................................................21 8.1. Trator Cafeeiro e Fruteiro (bitola estreita) ............................................................21 8.2. Trampos ...............................................................................................................21 8.4. SISTEMATIZAÇÃO DE SOLOS DE VÁRZEAS ...................................................22
  4. 4. LISTA DE FIGURASFigura 1. Principais partes constituintes do trator. ...........................................................5Figura 2. Constituição dos pneus radiais. ........................................................................9Figura 3. Trator Agrícola com implemento de plantio. ...................................................11Figura 4. Trator Florestal em atividade de transporte de toras recém-cortadas. ...........12Figura 5. Trator Industrial, Retro-escavadeira em atividade de remoção de detritos urbanos, ou industriais. ...................................................................................13Figura 6. Trator Charllenger com sistema de rodado de esteiras de borracha, podem desempenhar atividades agrícolas ou industriais. ..........................................13Figura 7. Trator Komatsu D50 com sistema de rodado de esteiras metálicas autolimpantes - A, e de esteiras metálicas planas– B. ...................................14Figura 8. Trator utilizado na colheita, com sistema de rodado de esteiras metálicas e de rodas pneumáticas para direcionamento. .......................................................15Figura 9. Trator utilizado na produção de culturas em várzeas, possui rodas pneumáticas para direcionamento, e rodado metálico para a tração. .............15Figura 10. Trator com sistema de rodado simples, e de rodado duplo. .........................16Figura 11. Trator standart, com tração simples. ............................................................17Figura 12. Trator com Tração Dianteira Auxiliar (4x2 TDA). ..........................................17Figura 13. Trator Agrícola com tração 4x4, com todos os rodados com garras e mesmas dimensões. .......................................................................................18Figura 14. Trator com sistema de monobloco. ..............................................................18Figura 15. Trator com sistema de chassi, para a montagem de seu componentes. ......19Figura 16. Trator com Chassi Articulado. ......................................................................19Figura 17. Monocultivador, com somente 1 eixo. ..........................................................20Figura 18. Trator Florestal com chassi alongado e 4 eixos. ..........................................20Figura 19. Trator fruteiro gabinado para a aplicação de defensivos. .............................21Figura 20. Pulverizador Uniporte para apliacação de defensivos. .................................22 4
  5. 5. 1. Histórico do uso de tratores agrícolas As propriedades agrícolas modernas apresentam cada vez mais um elevadoíndice de mecanização, devido ao aumento do custo da mão-de-obra, porém, o custoda mecanização na produção agrícola também é alto, podendo atingir até 40% do custototal. Diante deste fato é necessário que as operações agrícolas apresentem máximaeficiência. Nos tratores, normalmente perde-se entre 20 e 45% da energia gerada no motor,para os equipamentos, portanto a primeira reação a isso é a aquisição de tratores maispotentes, o que acarretam redução do tempo de trabalho. O trator agrícola é a principal fonte de potência na agricultura, utilizado emconjunto com diversos equipamentos na realização de várias tarefas, desde o preparodo solo, semeadura e transporte,dentre outras. Segundo MIALHE (1980) “o tratoragrícola é uma máquina autopropelida provida de meios que, além de lhe conferiremapoio estável sobre uma superfície horizontal e impenetrável,capacitam-no a tracionar,transportar e fornecer potência mecânica, para movimentar os órgãos ativos demáquinas e implementos agrícolas (Figura 1). Figura 1. Principais partes constituintes do trator. 5
  6. 6. 2. Constituição da transmissão2.1. Embreagem A embreagem localiza-se entre o volante do motor e o eixo primário da caixa decâmbio, é um dispositivo destinado a efetuar o acoplamento ou separação entre estas.O acoplamento faz-se necessário para que a potência do motor seja transmitida à caixade câmbio. Esse acoplamento inicialmente é feito gradualmente, quando do tratorparado para iniciar o movimento e quando das mudanças de marchas, isso éimportante para que não ocorra um esforço brusco no sistema de transmissão. A interrupção do movimento de rotação do motor para o restante da transmissãoé necessário para que o trator possa parar sem desligar o motor e para selecionar acombinação de engrenagens na caixa de câmbio. Outro ponto é permitir que se dê apartida no motor, com este desacoplado da transmissão, tornando a partida mais leve.Nos tratores que possuem tomada de potência (TDP), pode existir a embreagem dupla,que tem por finalidade a movimentação do trator e da TDP conjuntamente ou, apenas aTDP em funcionamento. A embreagem tem seu funcionamento baseado no atrito entre duas partes, umamotora e outra movida. O acoplamento e desacoplamento da embreagem ao volante éfeito pelo acionamento do pedal de embreagem, localizado no lado esquerdo dooperador.Em tratores de esteiras existem mais duas embreagens, ditas embreagens direcionais,uma para cada esteira, e além das funções já descritas, é utilizada para dardirecionamento ao trator.2.2. Caixa de Cambio A caixa de câmbio situa-se após a embreagem, suas funções são seleçãoadequada de velocidade e torque transmitida as rodas motrizes, e ainda alterar osentido do movimento do trator. A caixa de câmbio não multiplica a potência, apenasmodifica torque e rotação. É composta de três árvores (eixos) - primária, também 6
  7. 7. chamada de eixo piloto, secundária e terciária, engrenagens, pinhão de ré,trambuladores (garfos) e alavancas.Seu funcionamento baseia-se no recebimento, pela árvore primária, da rotação domotor por meio da embreagem, está transmite a rotação para a árvore secundária. Asengrenagens da árvore secundária combinam-se com as da terciária, transmitindoassim a rotação a esta. Dependendo da combinação de engrenagens, a rotação nestaárvore final pode ser maior ou menor, sendo então transmitida para o restante datransmissão. Para que a caixa de marchas execute a função de alterar o sentido demovimento do trator, existe o pinhão da ré, que encontra-se acoplado a últimaengrenagem da árvore secundária. O acoplamento da primeira marcha com essaengrenagem do pinhão da ré, faz com que ocorra a inversão do movimento na árvoreterciária, conseqüentemente essa inversão chega às rodas. Em tratores a mudança develocidade é feita por meio da mudança de marchas, quando aumenta-se amesma, o torque é menor e vice-versa.2.3. Transmissão final A transmissão final do trator é composta de pinhão e coroa, diferencial e reduçãofinal, estas são responsáveis pela transmissão do movimento de rotação da caixa decâmbio até os rodados motrizes.2.3.1. Pinhão e coroa O movimento de rotação da árvore terciária da caixa de câmbio é recebido pelopinhão, que é uma engrenagem de pequeno tamanho, acoplado ao pinhão existe acoroa, uma engrenagem maior, que tem como funções, redução na rotação e aumentode torque e mudança em 90o a direção do movimento, ou seja, altera o plano derotação do movimento de transversal ao trator, que ocorre na caixa de câmbio, emlongitudinal nas rodas.2.3.2. Diferencial O mecanismo de diferencial é composto de duas engrenagens, as planetárias (2)e as satélites (4), esse sistema está acoplado a coroa. As planetárias giram apenas 7
  8. 8. sobre seu eixo e estão ligadas as semi-árvores, que transmitem o movimento as rodas,já as satélites, além de girarem sobre seu eixo, também giram ao redor das planetárias. A principal função do diferencial é a compensação em curvas, ou seja, quandono eixo dos rodados uma roda tem rotação diferente da outra. Quando o trator está emlinha reta não existe atuação das satélites. O diferencial na maioria das vezes tem benefícios, porém, existe uma situaçãoem que é importante que ele não atue, é o caso de quando o trator esta com uma dasrodas em terra solta e a outra em solo firme, neste caso a maior parte da rotação étransmitida a roda que necessita menor torque, podendo até fazer com que o trator nãose desloque. Sendo assim, para que o trator continue deslocando-se é necessário fazerque o mecanismo diferencial não atue, acionando-se então o bloqueio do diferencial,que faz com que as rodas motrizes girem a mesma velocidade.2.3.3. Redução final O movimento de rotação advindo do diferencial é transmitido às semi-árvores,que conduzem o mesmo à redução final. Sua função é de reduzir a rotação comconseqüente aumento de torque nas rodas motrizes.3. Rodados Os rodados constituem o elemento de interface máquina-solo e têm comoprincipais funções oferecer aos tratores apoio, sustentação, direcionamento eautolocomoção, além serem responsáveis por gerar esforço de tração. Os rodados detratores podem ser de dois tipos: esteiras ou pneumáticos. A constituição dos rodados pneumáticos é a seguinte: - Cubo de roda - Aro: Liga o cubo de roda ao pneu e é formado por base e disco. - Pneus: um pneu pode ser definido como a coroa circular de seção transversalcilíndrica, constituída de materiais flexíveis, de forma a envolver a base do aro. - Os pneus são constituídos por lonas, talões, parede lateral, liner e banda derodagem, ver Figura 2 a seguir. 8
  9. 9. Constituição dos pneus: - Lonas: exercem a função de suportar a carga e a pressão internas do pneu. - Talões: constituem-se de cabos de aço revestidos de cobre para evitar aoxidação,isolados individualmente por compostos de borracha para evitar atrito erevestidos de tecido tratado.Sua função é fazer a amarração do pneu no aro, devendoapresentar alta resistência à ruptura. - Parede lateral (Flanco): é a parte da carcaça que vai da rodagem ao talão. - Liner: é o revestimento protetor da carcaça na parte interna do pneu. - Rodagem: é a parte do pneu que faz sua aderência com o solo. Seus desenhosdevem proporcionar frenagem e tração e seu composto de borracha deve resistir àabrasão e ruptura. Figura 2. Constituição dos pneus radiais.3.1 Classificação dos pneus Podemos classificar os pneus, segundo sua utilização, e função, assim temos:- Pneus de tração- Pneus direcionais 9
  10. 10. - Pneus de transporte- Pneus para motocultivadores De acordo com a carcaça os pneus podem ser classificados em diagonais eradiais. Os pneus diagonais apresentam lonas dispostas diagonalmente ao plano médioda banda de rodagem; as camadas se cruzam em ângulos menores que 90º, o quefavorece a rigidez dos flancos e da banda de rodagem. Já os radiais apresentam lonas dispostas de talão a talão, em ângulos de 90ºcom o plano médio da banda de rodagem, permitindo que os flancos e banda derodagem sejam mais flexíveis. Os pneus radiais possuem as seguintes vantagens emrelação aos diagonais: - Aumento do coeficiente de tração; - Superfície de contato 15 a 20% superior (diagonal de mesma medida); - Diminuição da resistência ao rolamento: - Flancos mais flexíveis _banda de rodagem se molda às irregularidades do solo; - Possibilidade de emprego de pressões menores para uma mesma carga.4. Caracteríticas técnicas básicas do trator Um trator poder ser definido como sendo uma unidade móvel de potência,constituída basicamente por um motor, um sistema de transmissão e elementos dedireção e locomoção, seria:  Sistema de tração;  Sistema hidráulico de levantamento por três pontos;  Tomadas de potência (tomada de força). Fabricantes utilizam como catálogo, ensaios, que facilitam compreensão einteresse para com os produtores, que são:  Potência e aumento de força (torque) no motor e na tomada;  Potência, força de tração e velocidade para as diversas marchas do motor;  Consumo específico e horário de combustível;  Rendimento em trabalho de campo. 10
  11. 11. 5. Classificação dos tratores São utilizados inúmeros critérios na classificação de tratores como tipo derodado, conformação do chassi, potência do motor, função de trabalho, dentreoutras, em que de forma didática podemos separar essa classificação em tres partes:  Quanto à aplicação;  Quanto ao sistema de rodado;  Quanto a potência.5.1. Quanto a aplicação Os tratores podem ser classificados em função do tipo de exploração a queserão utilizados como fonte trabalho nas operações motomecanizados, exemplo: - Trator agrícola; - Trator florestal; - Trator industrial.5.1.1. Trator Agrícola São máquinas destinadas a realizar operações motomecanizadas para aimplantação, manejo e cultivo de culturas agrícolas anuais e permanentes, pastagens etrabalhos de (pré) processamento, colheita, controle de vegetação, condicionamento desolo, tratos culturais e transporte de implementos e produtos (Figura 3). Figura 3. Trator Agrícola com implemento de plantio. 11
  12. 12. 5.1.2. Trator Florestal São máquinas destinadas principalmente nas operações para implantação demanejo e exploração de florestas naturais e comerciais/reflorestamento, tais comoabertura de covas/sulcos, tratos culturais, desbaste, corte, pré-processamento,transporte e destocas. Esse tipo de trator é muito robusto e geralmente vem equipados com ganchos eoutros meios próprios para manejo e transporte de toras dentro da floresta e geralmenteé constituída de tração nas quatro rodas, suspensão independente e chassis articulado,como pode ser visualizado na Figura 3, a seguir . Figura 4. Trator Florestal em atividade de transporte de toras recém-cortadas.5.1.3. Trator Industrial São especialmente destinadas às operações de movimentos e transporte dematérias em atividades de escavação, carregamento, compactação, tração, estocagem,terraplenagem. Estes equipamentos de tratores se caracterizam por possuírem bitolafixa, conversor de torque, caixa de marchas especial, tração nas quatro rodas, e,geralmente é adequada a montagens de pás carregadoras e retro-escavadoras (Figura5). 12
  13. 13. Figura 5. Trator Industrial, Retro-escavadeira em atividade de remoção de detritos urbanos, ou industriais.5.2. Sistema de Locomoçaõ e Direção (Rodado)Quanto ao sistema de locomoção e direção, os tratores podem ser classificados, em:  Trator de esteira;  Trator de semi-esteira;  Trator de rodas.5.2.1. Trator De Esteira São sistemas conhecidos como lagartas, que podem ser de borracha (Figura 6)ou metálicas autolimpantes (Figura 7A) para uso em regiões pantanosas, e sapatasplanas (Figura 7B).EX:Figura 6. Trator Charllenger com sistema de rodado de esteiras de borracha, podem desempenhar atividades agrícolas ou industriais. 13
  14. 14. A esteira é o componente que permite o deslocamento do trator, a qual écomposta por um tipo se corrente formada por pinos, buchas e elos, nas quais sãofixadas as sapatas dotadas de garras, que se põe, como fixadoras de apoio, onde aesteira pode se afirmar na superfície para impulsionar e direcionar o trator por meio desuas rodas motrizes e guias, facilitando no contato como solo, causando menor pressãosobre o mesmo, que se diferencia dos outros tratores. A BFigura 7. Trator Komatsu D50 com sistema de rodado de esteiras metálicas autolimpantes - A, e de esteiras metálicas planas– B. Outra vantagem dos tratores de esteira é o seu centro de gravidade causadopela sua altura de vão livre em relação a superfície do solo, tendo também melhorestabilidade em terrenos acidentados ou inclinados. Geralmente esses tratores sãoadequados a trabalhos que exigem muita força, como destocas, terraplanagem e traçãode equipamentos pesados.5.2.2. Tratores de Semi-Esteiras São tratores que utilizam dos dois sistemas de rodado, as esteiras e os pneus.(Figura 8). Representam um esforço no sentido de melhorar as condições de tração esustentação dos tratores de rodas em solos extremamente úmidos. Com este tipo detrator, o agricultor poderá dispor de vantagens dos dois tipos de tratores: trator de rodase de esteiras, porém são ainda pouco utilizados. 14
  15. 15. Figura 8. Trator utilizado na colheita, com sistema de rodado de esteiras metálicas e de rodas pneumáticas para direcionamento.5.2.3. Trator de Rodas Na mecanização agrícola é, predominantemente na aplicação de tratores deroda, pois comercialmente, os tratores de rodas são encontrados em grandesquantidades e de vários modelos, com características divididas a parte, podendo ser:5.2.3.1. Tipos de rodas5.2.3.1.1 Rodas metálicas: São utilizados em tratores para o cultivo de em várzeas, e tem como objetivo oaumento da sustentação do trator sobre a superfície do solo, o que também evita suacompactação, como pode ser visualizado na Figura 9.Figura 9. Trator utilizado na produção de culturas em várzeas, possui rodas pneumáticas para direcionamento, e rodado metálico para a tração. 15
  16. 16. 5.2.3.1.2. Rodas Pneumáticas As modernas rodas pneumáticas, rodas com pneus, vieram para substituir asantigas rodas metálicas, principalmente por apresentarem notáveis vantagens como porexemplo:  Ampla superfície de apoio, diminuindo a pressão sobre o solo sem diminuir a capacidade de tração;  Boa adaptação às irregularidades do terreno;  Boa absorção das vibrações, diminuindo fadiga do operador;  Boa aderência ao solo devido ao desenho dos pneus;Os tratores agrícolas de rodas pneumáticas podem ser encontrados nas seguintesversões:  Rodado simples: Convencional e rodado duplo ou triplo, que visa o aumento de sustentação, de forma a diminuir a compactação do solo, ver Figura 10. Figura 10. Trator com sistema de rodado simples, e de rodado duplo.6. Transmissão Tratória6.1. Trator de Tração Traseira (4 X 2) Também conhecido como trator Standard, apresenta tração apenas no rodadotraseiro, e, portanto, os pneus do rodado dianteiro são desprovidos de garras e de 16
  17. 17. diâmetros menores que os do rodado traseiro, servindo apenas para a sustentação edirecionamento. Figura 11. Trator standart, com tração simples.6.2 Trator de tração traseira com Tração Dianteira Auxiliar (4x2 TDA) Apresentam tração no rodado traseiro, podendo ter o auxilio da tração dianteiraquando necessário (Figura 12). Neste caso, o diâmetro do rodado dianteiro ainda émenor que o traseiro, porém com as garras, conhecido como tratores 4x2 auxiliar,sistema diferencial dianteiro é auxiliar do diferencial traseiro (principal). Figura 12. Trator com Tração Dianteira Auxiliar (4x2 TDA). 17
  18. 18. 6.3. Trator de Tração Traseira/Dianteira Simultânea (4 X 4) Nesse caso, a tração se dá de forma simultânea nos dois eixos, e permanecenos rodados dianteiros e traseiro, sendo, neste caso, todos os pneus providos de garrase apresentam as mesmas dimensões nas quatro rodas (Figura 13).Figura 13. Trator Agrícola com tração 4x4, com todos os rodados com garras e mesmas dimensões.7. Conformação do Chassi7.1. Chassi Rígido Tipo Monobloco O monobloco se caracteriza por apresentar o bloco do motor, a caixa de câmbioe transmissão final diretamente interligadas, formando um único bloco de sustentação,dispensando o emprego de uma estrutura como chassi. Figura 14. Trator com sistema de monobloco. 18
  19. 19. 7.2. Longarina Esse sistema, com o uso de longarina, se caracteriza por ter uma estrutura tipopórtico que é o chassi propriamente dito do trator, sendo que as demais partes (motor,câmbio e transmissão) que são montados e fixados sobre o mesmo, e no Brasil o únicotrator que se caracterizou com este tipo de chassi foi o CBT (Figura 15), da CompanhiaBrasileira de Tratores. Figura 15. Trator com sistema de chassi, para a montagem de seu componentes.7.3 Chassi articulado Caracterizam-se como tratores agrícolas de alta potência, principalmente nostratores florestais e industriais, onde, pode a inclinação pode variar de trator para trator,chegando a uma inclinação de 30° com facilidade (± 15°), geralmente constituinte detratores com sistema de tração tipo 4X4, Figura 16. Figura 16. Trator com Chassi Articulado. 19
  20. 20. 8. Números de eixos8.1. Mono-Eixo (monocultivador, trator de rabiça ou mula mecânica) São conhecidos como tratores de baixa potência, agitando até cerca de 12 CVno motor.Em instância,utilizados geralmente em pequenas propriedades, até porque seconstitui de um baixo preço, em termos de aquisição. Geralmente este tipo de máquinasão adequados para operações de cultivo, onde conseguem realizar sem problemas,como exemplo, os monocultivadores ou “mulas mecânicas” (Figura 17), usadosprincipalmente na horticultura. Figura 17. Monocultivador, com somente 1 eixo.8.2. Três Eixos ou mais Eixos (super-tratores) Os motores de três ou mais eixos se aderem a supertratores, utilizados emtrabalhos florestais, para áreas agrícolas muito extensas e para movimentação deterras, ou de produtos que requerem maior disponibilidade de potência (Figura 18). Figura 18. Trator Florestal com chassi alongado e 4 eixos. 20
  21. 21. 8.3.Tratores Especiais São tratores projetados e constituídos de características especiais, bem distintasao que os distinguem dos demais, tanto pela sua forma,como pelo seu emprego.8.1. Trator Cafeeiro e Fruteiro (bitola estreita) São tratores agrícolas especialmente adaptados aos trabalhos nas lavourascafeeiras e de fruticultura, cuja a principal característica é a pequena distância entre asrodas do mesmo eixo, com a bitola bem estreita (Figura 19). Sendo um trator utilitário,4x2, mais estreito e leve, que surgiu para facilitar a pulverização dos cafeeiros, contradoenças, e que foi projetado para trafegar com mais facilidade nas ruas das lavouras epor sua vez o trator da fruteira possui as mesmas características do trator de cafeeiro. Figura 19. Trator fruteiro gabinado para a aplicação de defensivos.8.2. Trampos Tipo especial de trator, com característica é de apresentar um “pórtico” de alturade vão livre bastante elevado para tratores (0,80 a 2,500m). Esses tratores são 21
  22. 22. utilizados principalmente na aplicação de defensivos fitossanitários sobre as copas dasplantas da cultura (Figura 20). Figura 20. Pulverizador Uniporte para apliacação de defensivos.8.4. SISTEMATIZAÇÃO DE SOLOS DE VÁRZEAS É um tipo especial de trator destinado a trabalhar na sistematização de solos devárzeas, onde tem característica a alta capacidade de sustentação em solosextremamente encharcados. 22
  23. 23. 15.TRATOR TRICICLO Geralmente adaptável à trabalhos de pulverização ou cultivos. Possui uma ouduas rodas dianteiras muito próximas uma da outra, um trator de fácil manuseio nascarreadoras, grande vão livre sobre o solo e de boa visibilidade, geralmente no cultivoem linhas.EX:16. UPF ( Field Power Unit) Esse tipo de máquina agrícola é bastante incomum foi desenvolvido nos USA eem Israel para operações agrícolas múltiplas, ou seja, seu chassi é um portaferramentas de grande largura operacional (atinge cerca de 12 metros de bitola), o qualtem a finalidade de diminuir o “pisoteio” pelas rodas, evitando assim a compactação dosolo. Sua aplicação é indicada para grandes áreas com sistema de controle de tráfego,ou seja, compactação localizada.EX: 23
  24. 24. BibliografiaFURLANI, C. E. A., SILVA, R. P.Apostila Didática nº 3, Tratores Agrícolas.Jaboticabal-SP:UNESP2006.Disponívelem:http://fcav.unesp.br/download/deptos/engenharia/furlani/apostila_nr3-tratores.pdf . Acesso em: 22 de fevereiro de 2008.BIANCHINI, A. Máquinas Agrícolas. Cuiabá-PR: UFMG 2002. Disponível em:http://rodrigopengo.eng.br/faculdade/maquinas_agrícolas/trator_agricola.pdf. Acessoem: 22 de fevereiro de 2008. 24

×