• Save
Inovação Tecnológica e Cooperação Setor Produtivo e Universidades
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×
 

Like this? Share it with your network

Share

Inovação Tecnológica e Cooperação Setor Produtivo e Universidades

on

  • 782 views

Apresentação realizada em outubro de 2012, em Dourados/MS, no evento 6o. CanaSul. Demonstra porque inovar, como fazer através de parcerias com ICT's e um caso de sucesso.

Apresentação realizada em outubro de 2012, em Dourados/MS, no evento 6o. CanaSul. Demonstra porque inovar, como fazer através de parcerias com ICT's e um caso de sucesso.

Statistics

Views

Total Views
782
Views on SlideShare
782
Embed Views
0

Actions

Likes
0
Downloads
0
Comments
0

0 Embeds 0

No embeds

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Microsoft PowerPoint

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment
  • De dar ordens para incentivar e preparar para o futuro. Aumento de mudanças súbitas e inesperadas nas estratégias e produtos / serviços pelos concorrentes A   Globalização   mudou   completamente   o   cenário   dos   negócios   e   do   mercado.   Hoje   o   seu   concorrente,   que   antes   estava   no   bairro,   hoje   pode   estar   do   outro   lado   do  mundo   e   causar   problemas   para   sua   empresa,   inclusive   fazendo   com   que   você   perca   uma  parcela   dos   seus   clientes!   Produtos   no   mundo   todo,   de   grandes   e   reconhecidas  marcas   são   fabricados   no   Sudeste   Asiático,   Índia   e   outros   países   com   abundância   de   mão   de  obra,  requisitos  legais  e  trabalhistas  mais  "permissivos"  e  incentivos  fiscais  e  legais. Aumento da integração económica, social, cultural, politica facilitada pelo barateamento dos meios de transporte e comunicação, gerado pela necessidade de criar maiores mercados.
  • O termo “inovação tecnológica” é relativamente novo e sua definição conceitual ainda é bastante discutida. Apesar disso, já circula nos meios acadêmico e empresarial, ganhando credibilidade e sendo usado em documentos, projetos de pesquisa e notícias de jornal (RIGHETTI; PALLONE, 2007). De acordo com a PINTEC, Pesquisa de Inovação Tecnológica feita pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE, 2007), “a inovação tecnológica se refere a produto e/ou processo novo (ou substancialmente aprimorado) para a empresa, não sendo, necessariamente, novo para o mercado/setor de atuação, podendo ter sido desenvolvida pela empresa ou por outra empresa/instituição”. A pesquisa do IBGE também distingue a inovação para o mercado nacional, para inovação de produto ou de processo.
  • Por pesquisa pré-competitiva entende-se: [...] aquela cujo resultado fornece conhecimentos para o estágio pré-comercial do produto ou são de emprego genérico para a melhoria de produtos existentes. Essa característica é que permite que o desenvolvimento da tecnologia se dê de maneira cooperativa, inclusive podendo ter como participantes e cofinanciadores empresas competidoras ou rivais. O P&D pré-competitivo é o investimento entre a prova do conceito Inovador e a exploração em escala comercial do novo produto/serviço e envolve estudos de mercado, construção de protótipos, plantas piloto e de demonstração, engenharia de processos, avaliação de resultados/testes. Geralmente, é a fase mais cara do processo e é também a que menos recebe apoio do governo, o que a caracteriza como o “vale da morte” do processo inovador. Invenção é o resultado de uma atividade tecnológica; tem por objetivo a resolução de um problema prático e sua motivação é principalmente técnica Inovação tem por objetivo a exploração comercial de uma "novidade", e sua motivação é principalmente econômica. Atividades de P&D do Manual Frascati • A Pesquisa e Desenvolvimento - P&D engloba os trabalhos de criação empreendidos de modo sistemático com o objetivo de aumentar a soma de conhecimentos, incluindo-se o conhecimento do homem, da cultura e da sociedade, bem como o uso desse conhecimento para novas aplicações. • A pesquisa básica consiste na realização de trabalhos teóricos ou experimentais, cuja finalidade principal seja a aquisição de novos conhecimentos sobre os fundamentos de fenômenos e fatos observáveis, sem objetivo particular de aplicação ou utilização. • A pesquisa aplicada consiste na realização de trabalhos originais com finalidade de aquisição de novos conhecimentos, porém dirigida primariamente para um determinado fim ou objetivo prático. • O desenvolvimento experimental consiste na realização de trabalhos sistemáticos, baseados em conhecimentos preexistentes, obtidos por meio de pesquisa e/ou experiência prática, com a finalidade de produção de novos materiais, produtos ou dispositivos; a implantação de novos processos, sistemas e serviços; ou o aperfeiçoamento considerável dos preexistentes. • Pesquisa básica dirigida: os trabalhos executados com o objetivo de adquirir conhecimentos quanto à compreensão de novos fenômenos, com vistas ao desenvolvimento de produtos, processos ou sistemas inovadores; • Pesquisa aplicada: os trabalhos executados com o objetivo de adquirir novos conhecimentos, com vistas ao desenvolvimento ou aprimoramento de produtos, processos e sistemas; • Desenvolvimento experimental: os trabalhos sistemáticos delineados a partir de conhecimentos pré-existentes, visando a comprovação ou demonstração da viabilidade técnica ou funcional de novos produtos, processos, sistemas e serviços ou, ainda, um evidente aperfeiçoamento dos já produzidos ou estabelecidos; • Tecnologia industrial básica: aquelas tais como a aferição e calibração de máquinas e equipamentos, o projeto e a confecção de instrumentos de medida específicos, a certificação de conformidade, inclusive os ensaios correspondentes, a normalização ou a documentação técnica gerada e o patenteamento do produto ou processo desenvolvido; e • Serviços de apoio técnico: aqueles que sejam indispensáveis à implantação e à manutenção das instalações ou dos equipamentos destinados, exclusivamente, à execução de projetos de pesquisa, desenvolvimento ou inovação tecnológica, bem como à capacitação dos recursos humanos a eles dedicados;).

Inovação Tecnológica e Cooperação Setor Produtivo e Universidades Presentation Transcript

  • 1. Inovação Tecnológica e Cooperação Setor Produtivo e Universidades CPDTI Engenharia José Ricardo PATELLI Júnior CANASUL - Dourados/MS – outubro
  • 2. Inovação Tecnológica e Cooperação Setor Produtivo e Universidades Roteiro da conversa Incentivos à Inovação Cooperação Empresa Universidade Gestão da Inovação Invenção e Inovação Inovação Problemas, megatências e mudanças Onde estamos?
  • 3. Inovação Tecnológica e Cooperação Setor Produtivo e Onde Universidades Planeta Raio Rel estamos ??? Estrela (Km) Terra Plutão 1.160 0,18 Lua 1.738 0,27 Mercurio 2.439 0,38 Marte 3.397 0,53 Vênus 6.051 0,95 Terra 6.378 1 Netuno 49.538 7,77 Urano 51.108 8,01 Saturno 60.268 9,4 Jupiter 71.492 11,2 Planeta Raio Rel Obs. Sol 695.00 109 Estrela (Km) Terra 0 Sirius 1,7xsol 185 9 anos-luz (Mato mais brilhante a Grosso) noite brilho 23 do sol Constelação de Cão Alphard 25xsol 2.724 178 anos-luz (Mato Grosso Constelação de do Sul) Hydra Arcturus 25xsol 2.724 33 anos-luz Constelação de Pastor Aldebaran 45xsol 4.903 Constelação Touro Antares 700xsol 76.277 600 anos-luz (Piaui) brilho 10.000 do sol
  • 4. Inovação Tecnológica e Cooperação Setor Produtivo e Universidades Destruição do solo Desmatamento Poluição 2 mi de pessoas morrem por ano devido poluição do Rios e oceanos ar Tóxicos, Água Biodiversida químicos e 2 mi de Ton de metais de lixo diariamente em rios eO governo delagos Mudanças Bangladesh fez os Energia Área de Plantiocálculos: a cada 1ºC o país perde Climáticas Da área total terrestre (14910% de produtividade agricola. milhões de km 2 - 14 Mkm 2 daSão 4milhões ton. de alimentos Antarctica) menos de 25% são Resíduosque deixam de ser produzidas. A potencialmente produtivos. Dasnação deixa de ‘lucrar’ US$ 2,5 terras potencialmentebilhões, o mesmo que 2% de seu produtivas, mais da 1/2 jáProduto Interno Bruto. estão sendo cultivadas. Dos 17 2
  • 5. Inovação Tecnológica e Cooperação Setor Produtivo e Universidades Matriz Aeroportos Estradas Energética Ferrovias Oferta de engenheiros: Portos Brasil 40.000 Russia 120.000 Moradia... Índia 300.000 China 400.000 EDUCAÇÃO
  • 6. Inovação Tecnológica e Cooperação Setor Produtivo e Universidades Crescimento Megatendências e o futuro das populacional empresas Urbanização Mudanças climáticas População Mundial (bilhões) p õem Ano Total Urbana Urbana/Total su tal s 1800 0,9 n ) d ore bie ação da i s a s a m185 l f i m p u 1,2 s q u c a o e r p o0 a o Pe e o p par u , s u u 1900 i a 1,6Cidades mais populosas q s e c a b u i 195a do ( r i ç ã o M 2,6 0,7 0,2mundo nt iza co il 0 7 1961° Mumbai (Índia): civ 3 1 0,3313.900.000 02° Xangai (China): 197 3,7 1,3 0,3513.400.000 0 1980 4,5 1,7 0,383° Istambul (Turquia): 0,412.500.000 1990 5,2 2,3 44° Délhi (Índia): 12.200.000 * estima-se que 1/3 da população são 200
  • 7. Inovação Tecnológica e Cooperação Setor Produtivo e Universidades Mudanças e Transformações nos Situação Anterior Negócios Mudança Situação Atual Chefia Cultura Liderança Estável Ambiente Dinâmico Histórico e Estratégia e Informaçãon a i s o Operacional Financeiro o ã iz aci li zaç organ de o b a ç a sTecnologia da Sistemas Gl an Sistemas hos ud gan r Informação Integrados M ca po ade separados B us tivid custos u de o rod pLocalç ã o Competição Globalizada h R edu trabal o Custo+Lucro p r e s s ã ais m s Mudança Custo= =Preço a i . . . m s Preço-Lucro i Ma Apenas Recursos Força de Treinada, (Funções) Trabalho motivada e Valorizada
  • 8. Inovação Tecnológica e Cooperação Setor Produtivo e UniversidadesCom tantas dificuldades, mudanças e oportunidades as empresas (eas pessoas) do futuro terão que se adaptar, inovar e se transformarpara se manter competitivas e bem-sucedidas. Precisamos nos desprender de velhos hábitos urgentemente e incorporar novas práticas , posturas e atitudes. Como os bens serão produzidos, onde serão produzidos e por quem, deverá mudar radicalmente nos próximos anos, mais uma vez. Hoje, bactérias modificadas geneticamente podem ser programadas para sintetizar couro bovino. Se essas bactérias forem cultivadas em moldes no formato de sapatos, surgirá uma indústria calçadista, que não precisa matar vacas, nem alimentá-las. Economizando em áreas de pasto e impasses éticos quanto aos
  • 9. Inovação Tecnológica e Cooperação Setor Produtivo e Universidades O Manual de Oslo, publicado pela Organização para a Cooperação e o Desenvolvimento Econômico - OCDE , define INOVAÇÃO como a implementação: de um PRODUTO (bem ou serviço) ou Um PROCESSO novos ou significativamente melhorados, ou novos MÉTODOS de MARKETING ou MÉTODOS ORGANIZACIONAIS nas práticas de negócio, na organização do local de trabalho ou nas relações externas. Sucesso significa resultado comercial , Aplicação, aumento de utilização ou faturamento, acesso a exploração de novos mercados, novas ideias com INOVAÇÃO aumento das margens sucesso. de lucro, etc.. Ideia implementaç Resultad
  • 10. Inovação Tecnológica e Cooperação Setor Produtivo e Universidades de inovação TiposInovação tecnológicase refere a concepção deProduto e ou Processo In ão de ovnovos (agregação de aç aç RESULTADO v Pr ãonovas funcionalidades ou o oc In e to escaracterísticas ao produto d ro du soou processo) com efetivo Pganho de qualidade ,produtividade ecompetitividade . Inovaçã o In de o na M ov o c i er aç ca ão çã za do d va ni e no ga I r O l
  • 11. Inovação Tecnológica e Cooperação Setor Produtivo e Universidades ç ão o va o In e ut d rod PBem ou serviço novo oumelhorado em relação às Inovaçsuas características ou usos ãoprevistos• especificações técnicas,componentes, materiais,software incorporados,facilidades de uso e outrascaracterísticas funcionais.• novos conhecimentos outecnologias, ou baseados emcombinações ou novos usosde conhecimentos outecnologias já existentes.
  • 12. Inovação Tecnológica e Cooperação Setor Produtivo e Universidades In de ov Pr aç oc ão es so Inovaç Implementação de método de ão produção ou distribuição novo ou melhorado. • inclui mudanças significativas em técnicas, equipamentos e/ou software. • Inovações de processo direcionadas para reduzir custos marginais de produção ou entrega, para aumentar a qualidade ou para produzir ou entregar produtos novos ou melhorados.
  • 13. Inovação Tecnológica e Cooperação Setor Produtivo e UniversidadesImplementação de um novométodo de marketing commudanças significativas nodesign ou embalagem, ouposicionamento, ou preço doproduto.• Inovações de mercadodirecionadas para atenderas necessidades dosclientes, abrir novosmercados ou posicionar de Inovaçnova forma um produto em ãoum mercado com o objetivode aumentar as vendas. In de ov M aç er ão ca do
  • 14. Inovação Tecnológica e Cooperação Setor Produtivo e Universidades Implementação de um novo método organizacional, nas práticas do negócio, organização do local trabalho ou relações externas . • redução de custos de aquisição, de acesso a ativos, melhoria da satisfação de trabalho (produtividade do trabalho), Inovaç • implementação de um método ão organizacional que não utilizado antes pela empresa, resultado de uma decisão de ion ão ac estratégica da direção. aç iz ov an In rg O l a
  • 15. Inovação Tecnológica e Cooperação Setor Produtivo e Universidades Então...o céu é o limite:Criar novos mercados para os nossos produtos;Inovar a forma de liderar as equipes e projetos!Criar novas formas de vender o produto!Re-criar o atendimento aos clientes!Inovar o modo de atrair e reter os melhores talentos!Re-pensar o ambiente de trabalho , propiciando a geração deideias!Criar novas formas de relação com instituições, associações, etc.! Então...inovar leva a: Vantagem estratégica e competitiva. Liderança no mercado. Uma rota segura para satisfazer os clientes. Uma base sólida para o crescimento
  • 16. Inovação Tecnológica e Cooperação Setor Produtivo e Universidades Mas pesquisa é transformar dinheiro em conhecimento e Inovação é transformar conhecimento em dinheiro. Resultado de atividade científica Visa empurrar a fronteira do Conhecimento Motivação é intelectual Resultado de atividade Gra tecnológica u m enor Visa a resolução de um de I n cproblema ertePesquisa za, Visa a exploração Motivação é técnica frac comercial daFundamental e asso e cuAplicada s t o invenção A motivação é Demonstração e econômica Phenom ™ 100 Prêmio FINEP de Inovação 2007 comprovação Inovação não é invenção. EUA: 0,2% das invenções Desenv. chegam ao mercado Produto,
  • 17. Inovação Tecnológica e Cooperação Setor Produtivo e Universidades ProdutoA inovação pode se dar em qualquer Cadeia de valor (Reciclato) (Fornecedores) Proces Gestão e so organização (Hbio) (Produção enxuta)das áreas da empresa Processo/produto/mercado Modelo de negócio (Produto/Comercialização) (Des.Produto/processo/distribuição) Distribuição, Modelo de negócio/processo/ logística e produto/mercado comercialização (Des. Produto/Comercialização/Fornecedores) (Exportação de minérios) Processo/produto/mercado Processo/produto/mercado (Gestão) (Gestão) Produto/mercado (Gestão/Comercialização)
  • 18. Inovação Tecnológica e Cooperação Setor Produtivo e Universidades A invenção vem de qualquer ideia...
  • 19. Inovação Tecnológica e Cooperação Setor Produtivo e UniversidadesO que abrange a Gestão da Inovação: Planejamento estratégico da inovação Estrutura organizacional Prospecção tecnológica Informação para inovação Análise de mercado Ferramentas de desenvolvimento de produtos Propriedade intelectual (Patentes/Contratos) Financiamento para a inovação Redução de Custos e Incertezas: Gestão parcerias (ICT’s, Centros 7 ideias pesquisa, fornecedores e clientes) 3 projetos Gestão de pessoas para inovação 1,5 executados Gestão Fazendo a Gestão de projetos 1 é sucesso Não fazendo a Gestão: 21 ideias
  • 20. Inovação Tecnológica e Cooperação Setor Produtivo e Universidades Inovação envolve investimento e a utilização de novos conhecimentos ou a combinação nova de conhecimentos existentes, que multiplica o resultado do esforço empresarial. ores que influenciam a decisão de inovar primeiro trimestre de 2012, a decisão de inovar por parte das empresaseve mais fortemente associada a três fatores:xigências dos clientes ;usca por maior participação no mercado ; eressões adicionais de custo . es fatores têm sido consistentemente apontados, desde a primeira ediçãondagem, como principais motivadores da decisão de inovar.ndagem de Inovação da ABDI – 1º. Trim 2012)
  • 21. Inovação Tecnológica e Cooperação Setor Produtivo e Universidades...um resultado possível(premio), o valor doconhecimento: Mas... Inexiste processo para guiar a inovação. A empresa possui uma cultura de obediência e poucas pessoas ficam comprometidas.1 Barril = 117,347765litrosBarril de petróleo US$ 100Barril de etanol US$ 70*Coca Cola US$ 120Água mineral PerrierUS$400 Os 3 principais desafios:Budweiser US$ 500 • estabelecer um canal de comunicaçãoTinta de impressora US$ para inovação;2.500 • limitação de pessoas focadas em Johnnie Walker US$ inovação;30.000 • falta de ferramentas para gestão daChanel Nº 5 US$ 90.000 inovação.
  • 22. Inovação Tecnológica e Cooperação Setor Produtivo e Universidades Como tudo na vida..."No que diz respeito ao empenho,ao compromisso, ao esforço, àdedicação, não existe meiotermo. Ou você faz uma coisabem feita ou não faz.”“Eu sou parte de uma equipe. “Precisamos estabelecerEntão, quando venço, não sou eu relação de parceria,apenas quem vence. De certa demonstrar transparência,forma, termino o trabalho de um desenvolver a relação degrupo enorme de pessoas.” confiança, instigar o inconformismo e ter esta proximidade com a equipe”
  • 23. Inovação Tecnológica e Cooperação Setor Produtivo e Universidades Dos cenários mostrados Nota-se um aumento da competitividade global, uma grande agilidade econômica, suportados pela ampliação da demanda de produtos, serviços e processos diferenciados e inovadores, por meio do desenvolvimento intensivo e acelerado de novas tecnologias e novas formas de organização. É muito difícil para uma empresa isolada se aperceber de oportunidades e de ameaças, latentes ou manifestas, de um ambiente cada dia mais complexo. Através da inovação Ou seja, com a aplicação, utilização ou exploração de novas ideias com sucesso, alavanca-se oportunidades e vantagens. Gestão da Inovação é implantada para aumentar a possibilidade de sucesso e reduzir as incertezas e custos. Você já usou? Pessoas fazem inovação, máquinas não.
  • 24. Inovação Tecnológica e Cooperação Setor Produtivo e UniversidadesInstrumentos ou formas de acesso a Cópia ou ser Associação e subcontratada alianças Compra de Contratação de equipamento especialistas Inovação Importação de Formação de Tecnologia pessoal próprio Licenciar Pesquisa e Desenvolvimenent Tecnologia o próprios Terceirizar a Parceria e Pesquisa e Cooperação Desenvolvimento Universidades e ICT’s A atividade de P &D &I é um enorme desafio. Transforma-se essa limitação em oportunidade com o desenvolvimento de parcerias com Universidades, instituições de ensino, pesquisa e fomento à inovação.
  • 25. Inovação Tecnológica e Cooperação Setor Produtivo ePorque Inovação em UniversidadesParcerias...Aumentar chances de inovação radicalInternalizar conhecimentos de pesquisa básica e conhecimentocientíficoExternalizar conhecimento de P &D EmpresarialReduzir tempo de desenvolvimento de tecnologiasDividir riscos e custos e infra-estruturaAcessar novas linhas de financiamento para P &DAgilizar o uso , resultado e valorização da tecnologiaGerar capacitaçãoFatores de sucesso...Os parceiros devem possuir interesse estratégico na pesquisa edevem ser capazes de cumprir suas atribuições.Planejar a realização dos resultados desde o início do projeto,garantir que sejam atingidos, dando importância à realização debenefícios mútuos , tanto para a universidade quanto para aempresa.Confiança, comprometimento e continuidade de pessoal facilitamo sucesso dos acordos, além de manterem os parceiros engajados
  • 26. Inovação Tecnológica e Cooperação Setor Produtivo e Universidades Como toda parceria ou casamento... Para a Universidade, a empresa: • tem interesse apenas em resultados e lucros • irá explorar a Universidade Gera e detém conhecimentos • os objetivos são diferentes Forma pessoas • descaracterizará a Instituição Depende de recursos • não entende nada de ensino e pesquisa • não procura a Universidade para cooperar.Depende de conhecimentos Para a Empresa, a Universidade:Emprega pessoas • é burocratizada;Investe recursos • não tem os pés no chão; • é desorganizada; • não procura a empresa para cooperar; • é uma “torre de marfim” • não quer criar compromissos com o mercado.
  • 27. Inovação Tecnológica e Cooperação Setor Produtivo e UniversidadesPor que não trabalhar com a Necessidadeacademia? são ações complementares !A princípio Universidade faz Pesquisa , transforma recursos em conhecimento. Empresa faz Inovação , transforma conhecimento em riqueza… Facilidade Por que trabalhar em parceria com a Academia?Os resultados tem sido consistentes e muito bonsRedução dos riscos e custos envolvidos no processoinovativoRedução do tempo de desenvolvimento de tecnologias SegurançaAcesso aos laboratórios e equipamentos disponíveisAcesso a conhecimento de pesquisadores não disponívelna empresaAcesso à rede de pesquisadores do professor PrazerFormação e aproveitamento de mão-de-obra qualificadaNucleação de novos grupos de pesquisas em temas deinteresseAcesso aos fomentos fornecidos por orgãos públicos
  • 28. Inovação Tecnológica e Cooperação Setor Produtivo e UNIVERSIDADE Universidades X EMPRESADificuldades a superar de ambos O quê pode ajudar a romper essas lados! barreiras? Entender as necessidades das empresasProblemas culturais.....Falta deEntender as competências das universidad Liberdade acadêmica diálogo! Para ontem Criar a cultura do ‘resultado aplicado’ , Planejar coml d a d e s horizontes vários Cultura do ‘artigo’ i cu m á dif ncia e Universidade Empreendedora Cultura do ‘concreto’ ão h xperiê to na ç Empresa empreendedora Estabilidadeo o s c pera com e qua n da ssoa de çã ida o Regulamentar Inovação/Escritório Patente Luta para sobrevivere vers n t a a d e p u n i Estabelecer critérios de sigilo Divulgação i pla enç mde resultadosa c e s s o . n N a a p r e s t a n t o Institucionalizar o relação com empresas o pr o s , m a e r a çe oPatentes Sigilo ã ta c i l i Institucionalizar relação com universidad a Processoo p r e s a , f lento c o decisório emp Decisões rápidas Equipes multifuncionais Diálogo Equipes multidisciplinares
  • 29. Inovação Tecnológica e Cooperação Setor Produtivo e UniversidadesA inovação concorre com as necessidades de capital de giro esustentação no curto prazo. MECANISMOS PÚBLICOS DE APOIO À INOVAÇÃO Técnicos • Encomendas tecnológicas • Poder de compra Incentivos • Isenções fiscais fiscais – • Reduções tributárias Lei 11.196 Financiamento • Capital sementeA Lei do Bem e a Lei de • Financiamento com participaçãoInovação são dois nos resultados – Riscoimportantes mecanismos • Projetos cooperativos com ICT’sde incentivo à inovação do • Empréstimos em condiçõesGoverno Federal. favoráveis Subvenção: a aplicação •de recursos públicos 10.973 Subvenção – Lei não-reembolsáveis diretamente em empresas, para compartilhar com elas os custos e riscos inerentes as atividades
  • 30. Inovação Tecnológica e Cooperação Setor Produtivo e UniversidadesLei de Inovação - 10.973 Dez. 2004 / regulamentada emOut. 2005 pelo Decreto nº 5.563 caCria um ambiente propício às parcerias estratégicas entre poder a ICT ológipúblico, instituições científicas e T e c n o é e tecnológicas e organizações de çã ten íficadireito privado sem fins lucrativos voltadas para atividades de o de a ientP &D. ce ntr ão C çEstimula a s t i t u i O pesquisa e o desenvolvimento de novos processos e Inprodutos na empresa privada, a partir da integração de esforçosentre universidades , instituições de pesquisa e empresas de basetecnológica.Lei do Bem – 11.196 Nov. 2005 / regulamentada emFavorece a contratação de pesquisadores pelas empresas.Jun. 2006 pelo Decreto nº 5.798Oferece incentivos fiscais para apoiar ase atividades de pesquisa , a p r s emdesenvolvimento e inovação tecnológica nas empresas. a oéDespesas com pesquisa e desenvolvimento, aquisição de bens de ã t enç e acapitais e intangíveisdvoltados à inovação, construção de o n rinstalações fiscais tvoltadas à pesquisa, aquisição e cooperação e Ocpara desenvolvimento de P &D, registro e manutenção de patentes,marcas e cultivares e contratação de pesquisadores.
  • 31. Inovação Tecnológica e Cooperação Setor Produtivo e Universidades 2008/200 Exemplo de 9 Contratos com sucesso Fundações/ICT’s 2007/200 BNDES-FUNTEC , 8 IPT, PMSJC, PQT - 2007/200 LEL ITA 8 Revisão dos Planos de Trabalho UNICAMP 2007 Submissão à EP-USP FINEP 2006 Submissão à FEI FAPESP 2005/200 EESC-USP 6 Elaboração Projeto com ICT’s 2000/200 IPT 1 Curso de Gestão de 10 Pesquisadores L.E.L. Projeto – Fundação Vanzolini 1999/200 7 Iniciação 1 Workshop Parceria 15 Mestrados 9 Doutorados Empresa Universidade 3 Pós- em P &D
  • 32. Inovação Tecnológica e Cooperação Setor Produtivo e Universidades ITO CPDTI EngenhariaMU AD BR IGO José Ricardo PATELLI Júnior O Eng. Mecânico, MSc. Atuação em P,D&I e Consultoria email: jrpjunio@uol.com.br Mobil & Viber: (12) 9776 7846 em Dourados-MS: (67) 3902-2421 (FENIX/UEMS) SKYPE: jrpatellijr MSN: jrpatellijr@hotmail.com LinkedIn/Facebook: Jose Ricardo Patelli Junior Lattes: http://lattes.cnpq.br/7128159739205
  • 33. Inovação Tecnológica e Cooperação Setor Produtivo e Universidades Outras Relatorio: Empresa de Renováveis; Pesquisa Energética – EPE 3,90% Energia Renovável: 45,4% Produtos e Biomassa da Cana-de-açúcar; Petróleo e 17,70% Derivados; 38,00% Lenha e Carvão Vegetal; 9,60% Energia Hidráulica e Eletricidade; Gás Natural; 14,20% 10,20% Energia não Renovável: 54,6% Urânio (U3O8) e Carvão Mineral Derivados; e Derivados; 1,30% 5,10%
  • 34. Inovação Tecnológica e Cooperação Setor Produtivo e Universidades Tipos de Incentivos Fiscais à inovação tecnológica:Dedutibilidade Dedução dos dispêndios nacionais classificáveisde dispêndios como despesas operacionaisExclusão Exclusão do LR e da base de cálculo da CSLL dosadicional 60% dispêndios com atividades de inovaçãoa 100%Exclusão de Exclusão do LR e da base de cálculo da CSLL dos50% a 250% dispêndios com atividades de inovação a ser executado por ICT’sIRRF Crédito do IRRF incidente sobre os contratos de royalties e assistência técnica com exterior Redução a zero da alíquota de IRRF sobre remessas ao exterior para registro ou manutenção de marcas e patentesDepreciação / Depreciação integral de máq. e equipamentosamortização utilizados para P &D Amortização acelerada para bens intangíveis Depreciação / amortização do saldoRedução IPI Redução de 50% do IPI sobre máq. e equipamentos