Tectonica de placas

2,825 views

Published on

Published in: Education, Technology, Automotive
0 Comments
1 Like
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total views
2,825
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
1
Actions
Shares
0
Downloads
83
Comments
0
Likes
1
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Tectonica de placas

  1. 1. A TECTÔNICA GLOBAL E O RELEVO TERRESTRE Profa. Msc. LUZIANE MESQUITA DA LUZ Faculdade de Geografia e Cartografia Universidade Federal do Pará
  2. 2. DERIVA CONTINENTAL 4. Argumentos paleoclimatologicos: conglomeradas glaciários de mesma idade – tilito - encontrados em diferentes continentes como evidencias de glaciações antigas. <ul><li>Alfred Wegener (1880-1930) – formulou a Teoria da Deriva Continental com base em evidencias geológicas e paleontológicas. </li></ul><ul><li>Hipótese : baseada nas rochas basálticas do fundo do mar. </li></ul><ul><li>Em sua obra “A origem dos continentes e oceanos” (1915): </li></ul><ul><li>A existência de um único continente PANGEA – deslocando-se e fragmentando-se, flutuando em magma semi-fluído. </li></ul>2. A semelhança entre a fauna/flora dos diferentes continentes; 3. A semelhança entre perfis geológicos (rochas) e geomorfologicos (relevo) da América do Sul e da África.
  3. 3. TEORIA DA PLACAS TECTÔNICAS <ul><li>Tectônica vem do grego significa “arte de construir” – construção de grandes estruturais do relevo terrestre </li></ul><ul><li>Integrada a partir de vários ramos das geociências (geofisica, geologia histórica, paleogeografia, paleontologia) </li></ul><ul><li>Inicialmente sugerida a partir da geologia e paleontologia </li></ul><ul><li>Conceito que revolucionou as Geociências – década de 50 </li></ul><ul><li>Mapeamentos (sonares) e sondagens submarinas durante a Segunda Guerra Mundial – relevo submarino e tipo de rochas </li></ul><ul><li>Teoria da expansão do assoalho oceânico – Harry Hess (1962) </li></ul><ul><li>A ascensão do material proveniente do manto ao atingir a superfície, se movimentaria lateralmente provocando a afastasmento continuo do assoalho oceanico. </li></ul>
  4. 4. <ul><li>A litosfera é segmentada por fraturas, formando um mosaico de grandes e pequenas placas tectônicas. </li></ul><ul><li>As placas tectônicas podem ser de natureza oceânica ou continental. </li></ul><ul><li>A crosta oceânica é formada por assembléia de </li></ul><ul><li>rochas derivadas de lavas basálticas (máficas e/ou </li></ul><ul><li>ultramáficas), com idade de até 200 milhoes de anos, espessura DE 5/8Km. </li></ul><ul><li>A crosta continental é formada por assembléia de rochas ígneas e/ou metamórficas de composição graníticas e granitóides, com idades de 3,8 bilhões de anos, de espessura entre 30/100km. </li></ul>CARACTERÍSTICAS GERAIS DAS PLACAS
  5. 5. MOSAICO DAS PLACAS TECTÔNICAS
  6. 7. TIPOS DE BORDAS DE PLACAS <ul><li>Construtiva ou divergente : quando duas placas estão se movendo separadamente uma da outra e em sentido contrário, a partir da cadeia meso-oceânica, onde nova crosta é formada; </li></ul><ul><li>Destrutiva ou convergente: quando duas placas estão se movendo mutuamente uma em direção à outra. Fossas oceânicas são formadas, originando uma zona de subducção, onde a placa mais densa mergulha sob a outra para ser consumida no manto, e nova cadeia montanhosa é formada; </li></ul><ul><li>Colisional ou sutura: são também regiões de convergência, porém sem consumo de placas, como, por exemplo a cadeia do Himalaia, formada pela colisão da placa indiana com a placa eurasiana. </li></ul><ul><li>Conservativa: formada ao longo de uma falha transformante, onde o movimento relativo da placa é horizontal e paralelo ao seu limite, como, por exemplo, a falha de Santo André, na Califórnia, onde o lado do Pacífico desloca-se para o norte, com relação ao bloco continental a este. </li></ul>
  7. 8. Limite Convergente do tipo Oceano-Continente Limite Convergente do tipo Oceano -Oceano
  8. 9. Limite convergente Continente–Continente
  9. 10. Limite conservativos
  10. 11. Falha Transformante /transcorrente do Rio Jordão Junção Tríplice – ponto geografico onde se iniciou a fragmentação dos continentes
  11. 12. Limite divergente – dorsais meso-oceânicas <ul><li>Nova crosta é formada pela atividade magmática </li></ul><ul><li>Vulcões submarinos </li></ul><ul><li>Atividade sísmica </li></ul>
  12. 13. ZONA DE SUBDUCÇÃO OCEANO - OCEANO Arcos de Ilhas: • Cinturão Tectônico de intensos sismos. • Alto fluxo de calor, arco com vulcões ativos (andesíticos). • Bordejado por uma trincheira submarina.
  13. 14. ZONA DE SUBDUCÇÃO OCEANO-CONTINENTE <ul><li>Arcos Continentais: </li></ul><ul><li>Vulcões ativos (andesito e riolito) </li></ul><ul><li>Geralmente acompanhado por compressão da crosta superior </li></ul><ul><li>Nos limites da convergência, a colisão é responsável pela </li></ul><ul><li>subducção (±cavalgamento). </li></ul>
  14. 15. <ul><li>HIMALAIA E PLATÔ DO TIBET </li></ul><ul><li>Produto da colisão entre a Índia e a Ásia. </li></ul><ul><li>Colisão inicial começa a 45 Ma atrás, e continua até o presente. </li></ul><ul><li>Antes da colisão, o sudeste da Ásia a região era semelhante aos Andes </li></ul><ul><li>Formação de grandes cavalgamentos e empurrões . </li></ul>
  15. 17. Relevo Brasileiro
  16. 18. <ul><li>Evidencias Paleontológicas </li></ul><ul><li>Supercontinente - Gondwana </li></ul><ul><li>Presença de fósseis Glossopteris </li></ul><ul><li>(gimnosperma primitiva); </li></ul><ul><li>Fósseis de Mesossaurus (lagarto </li></ul><ul><li>aquático), encontrados na África </li></ul><ul><li>e no Brasil. </li></ul>Evidencias Paleoclimáticas – Glaciação permo-carbonífera: Sudeste do Brasil, Sul da África, Índia, Oeste da Austrália e Antártida.

×