Estrutura física da terra
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Like this? Share it with your network

Share

Estrutura física da terra

  • 6,937 views
Uploaded on

Estrutura física da terra

Estrutura física da terra

More in: Education
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Be the first to comment
    Be the first to like this
No Downloads

Views

Total Views
6,937
On Slideshare
6,934
From Embeds
3
Number of Embeds
1

Actions

Shares
Downloads
40
Comments
0
Likes
0

Embeds 3

https://twitter.com 3

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
    No notes for slide

Transcript

  • 1. ESTRUTURA FÍSICA DA TERRA
  • 2. DIVISÕES INTERNA DA TERRA A crosta da Terra é formada por Placas tectônicas que são enormes blocos rochosos que compõem a superfície terrestre. Elas são movidas por correntes de convecção geradas pela transmissão do calor contido no interior do planeta. O calor aquece o material do manto, que dilata, torna-se mais leve e sobe. No topo, quando esfria, torna-se mais denso e tende a descer
  • 3. As figuras amostram a localização de vários sismos e o arranjo dos continentes sobre as Placas Tectônicas São nessas linhas de fronteiras extremamente instáveis que se concentram os vulcões, os terremotos, as grandes cordilheiras e as profundas fossas submarinas.
  • 4. A costa oeste da América do Sul é um exemplo desse processo geológico, onde a placa Sul-Americana, que se move para o oeste, encontra a placa submarina Nazca, que se move para leste. Essa colisão que já dura, pelo menos, uns 130 milhões de anos, deu origem aos Andes, que, por condições específicas, é extremamente vulcânica. As provas se espalham da Colômbia até o extremo sul do continente
  • 5. Na área dos Andes compreendida entre o sul do Peru, sudoeste da Bolívia e norte do Chile - uma região a mais de 4.000 metros de altitude - encontra-se uma das maiores concentrações de vulcões do mundo; um exemplo são os vulcões Pallachatas no Parque Nacional Lauca, próximo à fronteira com a Bolívia: o mais alto deles, o primeiro da foto, tem 6.348 metros de altitude.
  • 6. Relevo submarino
  • 7. O relevo submarino pode ser classificado em três grandes unidades: margem continental; bacia oceânicas e sistema de cordilheiras mesoceânicas.
  • 8. Plataforma continental: É um prolongamento da área continental emersa (o continente) com profundidade de até 200 m apresenta-se na forma de planície submersa que margeia todos os continentes, sua extensão varia de 70 km a 1.000 km. Talude continental: É outra unidade do relevo submarino, que se forma imediatamente após a plataforma continental. Tem origem sedimentar e inclina-se até o fundo oceânico, atingindo entre 3.000 e 5.000 metros de profundidade. O relevo do talude continental não é regular, ocorrendo freqüentemente cânions e vales submersos.
  • 9.
    • Planície abissal ou bacias oceânicas : São áreas extensas com mais de 5.000 m de profundidade. Estendem-se desde o talude continental até as encostas das cordilheiras oceânicas. Por vezes, essa planície é interrompida por montes submarinos (com alturas entre 200 metros e 1.000 metros) ou mesmo por montanhas submarinas, de origem vulcânica com elevações acima de 1.000 metros, dando origem por vezes a ilhas oceânicas
  • 10. Cordilheira oceânica: São elevações que ocorrem de forma regular ao longo dos oceanos. Estendem-se por 84 mil quilômetros no total, com uma largura por volta dos mil quilômetros. Nessa área encontramos intensa atividade sísmica (tremores) e vulcânica. A cordilheira oceânica divide a crosta submarina em duas partes, representado uma ruptura ou cicatriz produzida durante a separação dos continentes. Fossas oceânicas: São depressões alongadas (compridas) e estreitas, com grande declividade que ocorrem ao longo das áreas de subducção de placas tectônicas, ou seja, são fendas que atingem grandes profundidades entre 7.000 e 11.037 m, onde a placa oceânica mergulha de volta para o manto.
  • 11. As macro formas do relevo terrestre
  • 12. O relevo terrestre é fruto da atuação das grandes forças opostas a endógenas e exôgenas, sedo que a primeira é geradora das grandes formas estruturais e a segunda é responsável pelas formas esculturais. As macroformas do relevo terretre estão representadas pelas plataformas, pelas cadeias orogênicas e pelas bacias sedimentares: Leitura página: 25
  • 13. A crosta continental se constitui de uma grande variedade de tipos de rochas estruturais de diferentes idades e gênese, que são agrupadas em três grupos: Sedimentares, metamórficas e ígneas.