Desenvolvimento e a questão demográfica

  • 1,807 views
Uploaded on

 

  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Be the first to comment
No Downloads

Views

Total Views
1,807
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0

Actions

Shares
Downloads
6
Comments
0
Likes
1

Embeds 0

No embeds

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
    No notes for slide

Transcript

  • 1. Escola Cooperativa de Vale S. CosmeDESENVOLVIMENTO E A QUESTÃO DEMOGRÁFICA México, Suíça e Timor Trabalho da disciplina de: ECONOMIAFig.1- Fases da Transição Fig.2- Globo e demografia Fig.3- Pirâmide Etária Demográfica Realizado por: Ana Silva Fátima Sousa Tânia Orientador: Professor Francisco Carvalho VALE S. COSME Março 2012
  • 2. Índice:Introdução ………………………………………………………………………… 1México. ……………………………………………………………. ………………2Suíça ………………………………………………………... ……………………..10Timor…………………………………………………………….............................19Conclusão ………………………………………………………………. …………27Bibliografia……………………………………………………………………….....28
  • 3. Introdução No âmbito da disciplina de Economia, o professor Francisco Carvalho, desafiou-nos para elaborar um trabalho sobre o “Desenvolvimento e a Questão Demográfica”.Dentro deste tema, foi nos proposto estudar alguns países como exemplos do temaprincipal, na qual a nossa opção recaiu sob o México, a Suíça e Timor. Com este trabalho não pretendemos focar-nos no conceito de demografia e dos seussubtemas pormenorizadamente, mas explicar esses mesmos conceitos de forma simples eprática através dos exemplos que iremos abordar. Como tal ao longo do trabalho iremosfocar-nos nos pontos essenciais de cada país, como a sua história, a sua evolução ealgumas características relevantes e como foco principal iremos expor a questãodemográfica, (causas e consequências), e a evolução/previsão da população. Contudo, é necessário, primeiramente fazer uma breve abordagem de quando seiniciou a Questão Demográfica, para contextualizar todo o trabalho produzido. Assim, aQuestão Demográfica iniciou-se, principalmente, em meados do século XIX e meados doséculo XX. Com o fim da segunda Guerra Mundial, as questões demográficas passam a terum outro tratamento, pois muitos passaram a compreender que o crescimento da populaçãotinha uma importância que transcendia as questões económicas e sociais. Surgindoconsiderações sobre a estreita relação entre a evolução demográfica e a transformação dosmodos de vida, das escolhas da sociedade e da dinâmica das relações entre os povos. Para finalizar, através dos nossos países pretendemos verificar que a questãodemográfica não está só ligada a questões económicas e sociais visto que os três paísesapresentam situações diferentes, ou seja, expõem características diferentes entre si, talcomo, a religião o modo de vida, os seus ideias e interesses. Fig.4 e 5 – Imagens alusivas à variação demográfica
  • 4. México México ou Estados Unidos Mexicanos é uma república constitucional federal localizada na América Central. Este país é dividido por trinta e um estados e um Distrito Federal, a cidade capital - Cidade do México. O México é considerado o 5º maior país das Américas por área total de 1.972.547 km2, e o 14º maior país do Fig.6- Mapa do México mundo. O país em estudo tem como língua, predominante, o espanhol e como principallíngua regional o náhuatl, visto que, apenas 5,4% da população fala uma língua indígena e1,2% não fala espanhol. Segundo os censos realizados em 2010, pelo Instituto Nacional de Estatística eGeografia, o México regista como religião predominante o catolicismo romano, com82,7% da população. A história deste país, iniciou-se háaproximadamente 20.000 anos, tendo atravessadograndes progressos e desenvolvimentos. Essesprogressos foram proporcionados pelos habitantesnativos até ao primeiro contacto com a civilizaçãoeuropeia. Nesta época as estimativas da população Fig.7- Bandeira do Méxicoapontavam para 6 a 25 milhões de habitantes na região do,(actual), México. A 1519, dá-se a primeira invasão ao território por parte dos espanhóis, comandadapor Hernán Cortez. Esta invasão foi marcada pela destruição da cultura da populaçãodaquele território, desde monumentos a crenças e ideais de vida dos nativos; pelas,milhares de, mortes e pela implantação da fé Cristã. Para além das mortes provocadas
  • 5. pela invasão, após um ano, em 1520, a população foi infestada pela varíola que devastouparte da população do território. O território apenas foi declarado independente dos espanhóis e constituído comouma república a 1824. Anos mais tarde de 1876 a 1910, o México passava pelo regime de Porfirio Díaz que foi responsável pelo desenvolvimento da indústria, do comércio e das ferrovias (período de grande progresso económico), no entanto, existiam graves desigualdades sociais, que provocou um movimento social, interrompendo assim, as estruturas sociais, políticas e económicas do México, na época. Fig.8- Porfirio Díaz A 1910 dá-se a revolução liderada por Zapata e Villas, que custou a vida a 10%, (aproximadamente 2milhões), de habitantes da população daquela época. Após uma história de sofrimento e inquietações para com os povos de origem doMéxico, actualmente este é estudado como um país em evolução e forte crescimentoeconómico e grande estabilidade populacional. A economia deste país latino-americano apenas começou ser visível para omundo com a entrada deste para a: “Organização para a Cooperação e DesenvolvimentoEconómico”, (OCDE), em 1994, com o intuito de ultrapassar de vez o fim da crise quepassava na época. Relativamente ao crescimento económico, este é caracterizado pelodesenvolvimento das principais actividades do México, isto é, indústria, petróleo (maiorfonte de renda externa), agricultura, serviços e turismo, sendo a sua economia orientadapara a exportação. Mais de 90% do comércio mexicano é através de acordos de livre comérciocom mais de 40 países.
  • 6. Presentemente o México é considerado um dos países mais industrializados ecomo tal é uma potência emergente no mundo, bem como o segundo país maisdesenvolvido da América Latina, (atrás Brasil), e a quarta maior do continenteAmericano por PIB nominal (depois dos EUA, Brasil e Canadá). Para além de serconsiderada a 14.ª maior potênciaemergente, é a 11.ª maior economia domundo, medida em produto interno bruto(PIB) em Poder de Compra. Segundo asúltimas informações disponíveis a partir doFundo Monetário Internacional. A Cidade do México ocupa o 8.º lugardas cidades mais ricas do mundo ao possuir um PIB de 315 Fig.9- Rua do Méxicobilhões de dólares que deve se duplicar até 2020,colocando-a em 7.º lugar e em 4.º lugar no continente. O México é o primeiro e único país latino-americano a ser incluído no WorldGovernment Bond Index ou WGBI, que lista as economias globais mais importantesque circulam títulos da dívida pública. Este país possui uma renda média-altaconsolidada. Relativamente a demografia no México esta apresenta aumentos e diminuiçõesao longo da sua história. É possível verificar, segundo alguns dados antigos, que a taxa de crescimentoaumentou drasticamente entre 1930 a 1980, registando-se índices de crescimentomaiores de 3% entre os períodos de 1950 a 1980. Este forte crescimento, em apenas trintaanos, foi fundamental para uma previsão do que seria a população em 2000. Estaapresentava-se como drástica, ou seja, esperava-se em 2000, 120 milhões de mexicanos. Diante destes números, o governo federal criou o Conselho Nacional de População(CONAPO), com a missão de estabelecer políticas de controlo de natalidade e realizarinvestigações sobre a população do país.
  • 7. As políticas de controlo de natalidade tinham como principal objectivo a redução dataxa de natalidade na época. Estas medidas eram sobretudo na implantação de informaçõessobre métodos contracetivos; planeamento familiar; e campanhas educativas, no seio dasociedade. As medidas foram eficazes, visto que, a taxa de crescimento desceu até 1,6 noperíodo de 1995 a 2000. Além disso a expectativa de vida a nascença, passou de 71 anosem 2000, para 76 anos em 2011, segundo dados da CIA World Factbook Quanto aos dados mais recentes acerca da população do México, estes sãoassinalados pelos 113,7 milhões de habitantes (2011), como se comprova no gráfico abaixo.Fonte: CIA World Factbook Neste gráfico é possível visualizar o aumento da população desde 2000 até 2011.Este aumento deve-se ao forte desenvolvimento do país, bem como a sua economia. Estesagentes proporcionam a população melhores condições de vida, isto é, desenvolvimentona medicina; nas condições de vida e higiene, na melhoria da alimentação e daeducação. Além disso, apesar da Taxa de Natalidade estar a diminuir e a taxa de mortalidade aaumentar lentamente desde 2005, a Taxa de Natalidade permanece superior, aos valores daTaxa de Mortalidade, (como iremos verificar mais a frente), e como tal a populaçãocontinua a aumentar de forma natural.
  • 8. Entre 2003 e 2004, não se registou qualquer aumento da população, devido aosvalores de natalidade e mortalidade serem bastante similares. Uma outra causa relacionada com o aumento ou diminuição da população tem a vercom os movimentos migratórios. O primeiro fluxo migratório acentuado no México foi durante a década de 1970 a1980, quando o México abriu as suas portas aos imigrantes provenientes de quase toda aAmérica Latina e de outros continentes, devido a perseguições e refugiados políticos, depaíses como Argentina; Chile; Cuba; Espanha; Peru; Brasil; Colômbia; e Venezuela. A segunda onda de imigrantes contou essencialmente com um grande número deimigrantes vindos de países da região devido a dificuldades económicas. Relativamente a emigração, os mexicanos desde sempre que tem como referenciaprincipal os EUA, e como tal a região da fronteira do México com os EUA é consideradauma das mais violentas fronteiras. Esta preferência pelos mexicanos deve-se a atração pelariqueza de uma das maiores potências do mundo, a busca de uma vida melhor, eda utopia, pois não lhes é contado o verdadeiro conceito de viver nos Estados Unidos,como imigrante ilegal ou não. Estes fluxos migratórios apresentaram consequências positivas e negativas paracom o México, ou seja, como consequências positivas houve um aumento significativo daTaxa de Crescimento da População; e um reforço na população activa, (quando nosreferimos a imigração), como consequências negativas aceleração do processo deenvelhecimentos da população; escassez de mão-de-obra, (quando nos referimos aemigração). Embora os valores, relativamente, a população serem positivos, a Taxa deCrescimento regista outros dados, ou seja, desde 2000 até 2011 o Taxa de Crescimentocontinua a descer, como se comprava no gráfico seguinte.
  • 9. Fonte: CIA World Factbook Para além dos valores das Taxas de natalidade e Mortalidade, a Taxa deCrescimento está em queda devido ao crescimento urbano e consequentemente o elevadocusto que este crescimento proporciona; a emancipação feminina, correspondente aomelhoramento dos níveis educacionais; casamentos tardios e a difusão dos contraceptivos. A Taxa de Natalidade assume valores positivos, no entanto, com um declive atender para valores mais baixos, enquanto, que a Taxa de Mortalidade assume valorespositivos e com um declive positivo, isto é a tender para valores cada vez mais altos comose pode verificar no gráfico seguinte.
  • 10. Fontes: CIA World Factbook Através da análise dos gráficos relativamente a Taxa de Natalidade e Taxa deMortalidade, podemos concluir que o México encontra-se na fase 3 da transiçãodemográfica, apesar de a taxa de mortalidade estar a aumentar, visto que, verifica-se umadiminuição dos níveis de natalidade e um crescimento populacional continuo, isto é apopulação está a aumentar, mas de uma maneira reduzida. Para finalizar a questão demográfica relativamente ao México é necessário aindaesclarecer como está distribuída a população do México, ou seja, como é a estruturadaetariamente a população deste país latino-americano. A estrutura etária mais recente é de 2010 e é organizada da seguinte forma. Fonte: Instituto Nacional de Estatística e Geografia
  • 11. Através da análise da pirâmide etária representativa do México em 2010, podemosconcluir que o México possui uma base larga o que mostra que este país tem elevadas taxasde natalidade e como tal uma predominância de população jovem; e possui um topoestreito que corresponde a uma percentagem de idosos baixa. Podemos afirmar que estepaís e um país em desenvolvimento. Como a população no México é predominantemente jovem, esta implica algumascomplicações socioeconómicas, nomeadamente a nível: do mercado de trabalho; elevadapressão sobre o ambiente; das infra-estruturas sociais e das politicas de controlo denatalidade. Numa segunda análise mais pormenorizada, é possível verificar que a esperançamédia de vida nas mulheres é maior, mesmo sendo considerada baixa e verifica-se ummaior numero de mulheres do que homens. Para finalizar, este estudo intensivo sobre vários aspectos que caracterizam oMéxico, quero apenas referir duas curiosidades acerca do mesmo. A primeira curiosidadeestá relacionada com a capital deste país que representa 20.137.152 milhões de habitantesem 2011. A segunda curiosidade está relacionada com a localização do México enquantoum dos países mais populosos do mundo em três aspectos, ou seja, o México é assimlocalizado como o mais populoso país de língua espanhola, o 2º mais populoso país daAmérica Latina, depois do Brasil e o 11º mais populoso do mundo.
  • 12. Suíça A Suíça está situada na Europa Central.Apresenta uma superfície de 41.293 km2(1520 Km2 são cobertos por água) e umapopulação de 7.318.000 habitantes. Temfronteiras com a França, Alemanha, Itália,Áustria e Liechtenstein. A sua capital é Berna eas línguas oficiais são alemão (63,7%), francês(20,4%), italiano (6,5%) e romanche (0,5%). Apesar de estas Fig.10- Mapa da Suíçaserem as línguas oficiais, com a imigração de grandes gruposestrangeiros (sobretudo portugueses, espanhóis, italianos, sérvios e albaneses) permitiram apenetração de várias línguas estrangeiras como o português, espanhol, o sérvio e,recentemente o turco, entre outras. Este país é, atualmente composto por 26 estados, chamados cantões. As cidadessuíças são pequenas, nunca excedendo o meio milhão de habitantes (exceto zonasmetropolitanas), sendo as principais cidades: Zurique, Genebra, Basileia, Berna eLausanne. A geografia da Suíça é dominada pelas montanhas, pois 60% do território inclui ascadeias montanhosas dos Alpes a sul e do Jura a norte e entre as duas fica um planalto combastantes elevações. Esta apresenta um clima temperado, com verões amenos e invernos rigorosos. Emtermos climáticos pode-se dividir a Suíça em quatro regiões: extremo Sul, os Alpes, omaciço central e o Jura. A Suíça é uma importante potência industrial. As indústrias têxteis e alimentícias, arelojoaria e o artesanato de madeira são tradicionais no país. Mas, graças à energiahidroelétrica, favorecida pelo relevo, ao capital e a uma mão-de-obra hábil, os ramos maismodernos da indústria puderam desenvolver-se (metalurgia de transformação e química). Primitivamente, a Suíça era habitada pelos helvécios, de raça céltica, passandosucessivamente pelo domínio dos romanos, que se assenhoraram das rotas transalpinas, edos burgúndios. Constituiu-se uma Suíça alemã que foi englobada em 843 pelo Reino da
  • 13. Germânia. A Suíça latinizada fazia parte na mesma época do Reino de Borgonha. Em 962,a Suíça alemã e mais tarde o Reino de Borgonha (1032) foram incorporados no SacroImpério Romano Germânico. A eleição de Rodolfo de Habsburgo ao trono do Império, em 1273, ameaçava astradicionais liberdades suíças de tal modo que em 1291 se assinou um Pacto Perpétuo entreos cantões de Uri, de Unterwald e de Schwyz, pato este que marcou o nascimento daConfederação Suíça. Em 1309, o imperador Henrique VII outorgou uma carta de confirmação dosdireitos dos cantões que contudo, continuaram a desenvolver uma violenta políticacontrária aos Habsburgos. A vitória de Morgarten (1315) foi seguida pela renovação doPacto Perpétuo. A Suíça tornou-se palco da guerra entre os franceses e os austro-russos, que foramderrotados em Zurique, em 1799. Em 1815, a Suíçacontava 22 cantões, cujo desenvolvimento era mais oumenos paralisado por governos conservadores. Durante as duas guerras mundiais, a Suíça,neutra, desenvolveu esforços no sentido de aliviar ossofrimentos dos beligerantes: ela é a sede da Cruz Fig.11- Bandeira da SuíçaVermelha Internacional e foi da Sociedade das Nações. A prosperidade económica do país,favorecida por sua tradicional neutralidade e pela abertura dos túneis de São Gotardo(1882) e de Simplon (1905), não cessou de se afirmar neste século. O poder executivo éexercido na Suíça por um Conselho Federal, cujo presidente é ao mesmo tempo presidenteda Confederação. O poder legislativo é representado por uma Assembleia Federal,composta de um Conselho Nacional e de um Conselho dos Estados. Cada cantão tem, alémdisso, seu governo particular para os assuntos que não são de interesse federal. Em 1986, os suíços vetaram a entrada do país na ONU. Em 1991, a Suíça celebrou700 anos da sua fundação. De seguida em 1992, foi aprovada a entrada da Suíça no FMI eno Banco Mundial e em 1994,esta recusou-se a aderir à União Europeia.
  • 14. O país é membro da Associação Europeia de Livre Comércio, mas não faz parte daUnião Europeia, apesar de todos países à sua volta serem integrantes do bloco europeu,excetuando-se o Liechtenstein. A Suíça negociou a integração no Espaço Económico Europeu (EEE) e a 20 deMaio de 1992, assinou o acordo para a adesão do país à União Europeia. No entanto, umreferendo nacional, realizado a 6 de Dezembro do mesmo ano, rejeitou a integração do paísao EEE por apenas 50,3% dos votos. Como consequência, as negociações com a UniãoEuropeia (na altura - Comunidade Económica Europeia) foram congeladas. A sua adesãopermanece em aberto e é vontade do Governo Federal a integração total da Suíça na UE. Ao longo da década de 1990, vários tratados foram assinados entre a UE e a Suíça sendo que vários acordos bilaterais estão em prática entre o bloco europeu e o país, referentes à livre circulação de pessoas, tráfego aéreo e terrestre, agricultura, ciência, segurança, cooperação em casos de fraudes, entre outros. Porém, os acordos da Suíça com a UE estão Fig.12- Rua da Suíça sujeito à chamada cláusula da guilhotina em que, se numreferendo um tratado for rejeitado, os acordos bilaterais I de 1999 são automaticamenteanulados. A 5 de Junho de 2005, um referendo aprovou por maioria a integração do país noEspaço Schengen para a livre circulação de pessoas, o que foi confirmado por outroreferendo, a 12 de Dezembro de 2008. A mentalidade dos suíços é sobretudo pro-europeia. Mesmo não estando integradana União Europeia, os suíços (sobretudos os da zona francófona) têm ideias europeias(sobretudo ocidentais): liberdade, tolerância e pluralismo. A população da Suíça tem vindoa sofrer um aumento, tal como se pode verificar no gráfico que se segue. Desde 2004/2005pode-se verificar que esta teve um aumento mais significativo e isso deve-se também aosacordos assinados para a livre circulação de pessoas.
  • 15. Fonte: CIA World Factbook Além disso, apesar da Taxa de Natalidade estar a diminuir e a taxa de mortalidade aaumentar lentamente desde 2004, a Taxa de Natalidade apresenta valores superiores aosvalores da Taxa de Mortalidade, e como tal a população continua a aumentar. No decorrerdo ano 2003 temos um aumento elevado da população suíça, devido ao facto de nessemesmo ano ter existido uma maior Taxa de Natalidade. A evolução populacional é distinta nos vários cantões pertencentes à Suíça, o estudo“Tendencia” refere que a população residente na Suíça do ano 2011 até 2040 vai aumentarrelativamente 2%. No ano de 2026 haverá cerca de 7.556.000 pessoas a viver naConfederação Helvética (Suíça), sendo que a partir daí e até 2040 vai-se verificar umadiminuição da população com 7.431.000 pessoas.Fonte: CIA World Factbook Apesar do aumento da população suíça ser constante ao longo dos anos, através destegráfico podemos verificar que a Taxa de Crescimento não apresenta valores muitosatisfatórios. Em 2003 temos um aumento significativo, isto porque neste ano houve um
  • 16. aumento do número de nascimentos mas, a partir de 2004 esta teve um decréscimocontinuo.Fontes: CIA World Factbook Através da análise destes gráficos verificámos, tal como já foi referido que a Taxa deNatalidade apresenta valores superiores que a Taxa de Mortalidade. Inicialmente, em 2000,os valores de ambas as Taxas apresentavam valores mais distintos entre elas, o querecentemente já não se verifica, visto que apesar de a Taxa de Natalidade ser sempresuperior à Taxa de Mortalidade os seus valores estão cada vez mais próximos devido aoaumento da Taxa de Mortalidade e à diminuição da Natalidade. Através da análise dos gráficos, relativamente, à Taxa de Natalidade e Taxa deMortalidade, é possível concluir que a Suíça se encontra na fase 4 da transiçãodemográfica, visto que, este apresenta um crescimento populacional pequena e ambas astaxas estão atingir valores muito parecidos.
  • 17. O aumento abrupto que se verifica na passagem do ano 2003 para 2004 no estudoda demografia da Suíça é muito devido à migração deste.Fonte: CIA World Factbook Nesse ano, a Taxa de migração passou de 1,37 para 4,05, o que determinou umamaior Taxa de Nascimentos, que consequentemente levou ao aumento da população. Para terminar o estudo demográfico da Suíça é necessário ainda esclarecer comoestá distribuída a sua população, ou seja, como é esta estruturada etariamente. Através da análise da pirâmide etária de 2009, podemos concluir que possui umabase larga e um topo estreito o que mostra que tem elevadas taxas de natalidade e como taluma predominância de população jovem e a uma percentagem de idosos baixa. Além dissoapresenta valores maiores no centro da pirâmide o que mostra que existe um númeroelevado de pessoas adultas.
  • 18. Esta pirâmide mostra ainda que existe muita mão-de-obra, o que leva ao aumentode pessoas trabalhadoras e que faz com que exista um aumento do desemprego. Istopreocupa a população suíça, pois o estado da Suíça agrava-se muito devido às elevadastaxas de migração. Podemos afirmar que este é um país desenvolvido. Mas, apesar disso, segundo o Departamento Federal de Estatística, o futurodemográfico na Suíça vai trazer para os próximos anos um escasso crescimentopopulacional, mudanças nos grupos de idade e a manutenção de uma elevada percentagemde estrangeiros.Notícia:02. Julho 2010 - 11:26Estudo revela como será Suíça em 2060Haverá energia suficiente para suprir uma população de11 milhões de habitantes em2060? (Keystone)SOBRE O MESMO ASSUNTOEspecialistas do governo suíço calcularam como o país deve mudar nas próximasdécadas. Em alguns cenários, o país poderá ter 11,3 milhões de habitantes até 2060.Um desenvolvimento quase certo é o do envelhecimento geral da população: a proporçãode pessoas com mais de 65 anos de idade irá passar de 17 a 28%, ou seja, quase um terçoda população.
  • 19. Segundo os cálculos dos especialistas do Departamento Federal de Estatísticas (BFS, nasigla em alemão), a população da Suíça deve passar de 7,8 milhões, na atualidade, para 9milhões em 2060.Esses e outros possíveis dados futuros foram registrados em um estudo intitulado"Cenários para o desenvolvimento populacional na Suíça entre 2010 e 2060", lançado hojepelo BFS.Concretamente, o crescimento populacional deve ocorrer até 2055 graças a um nível deimigração na mesma base da média das últimas cinco décadas, uma taxa de nascimentosestabilizada (de 1,5 filhos por mulher) e uma elevação da esperança de vida em seis anos.Caso os parâmetros sejam absolutamente "positivos", ou seja, uma imigração ainda maior,as mulheres tendo mais filhos do que na atualidade e um forte aumento da expectativa devida, os estatísticos chegaram a imaginar uma Suíça com 11,3 milhões de habitantes.Envelhecimento da sociedadeO crescimento populacional não irá ocorrer até 2060 de uma maneira equilibrada. Ocenário criado pelo estudo prevê um aumento leve da faixa de habitantes entre 0 e 19 anose de 20 a 64 anos. Nessa ordem, a Suíça poderá ter, em 2060, entre 1,6 e 1,7 milhões dejovens com idades até 19 anos e entre 4,8 e 5,1 milhões de pessoas entre os 20 e 64 anos.Porém o grupo de idosos é que crescerá mais. A proporção de pessoas com mais de 65anos de idade deve passar de 17 a 28%, ou seja, quase um terço da população. Isso, pois achamada geração dos "babyboomer" (originária dos anos de forte crescimentopopulacional entre 1950 e 1960) irá se aposentar continuamente entre 2010 e 2035.Graças ao aumento da expectativa de vida, o número de idosos será maior. Na perspectivade maior crescimento, a Suíça em 2060 poderá ter até 3,1 milhões de pessoas com mais de65 anos de idade. No cenário "mais fraco", este número seria de dois milhões. No final de2009, 1,3 milhões de habitantes da Suíça estavam nessa faixa etária.Força de trabalho
  • 20. No estudo também está a previsão de que a força de trabalho do país passe de 4,5 milhões(final de 2009) para 4,7 milhões de pessoas em 2021. No final de 2060, esse número cresceaté 4,6 milhões.A taxa de ocupação também aumentará até 2060: para o grupo de homens na faixa etáriade 15 a 64 anos, ela cresce em 1,2%, passando a ser de 83,9%; já para as mulheres oaumento é maior ainda (2,7%), passando para 80,2%.Em 2021 haverá a maior taxa de ocupação da Suíça: 4,7 milhões de pessoas, o quecorresponde a 4,2% a mais do que na atualidade. Depois dessa fase de crescimento deveocorrer uma pequena baixa.Ao mesmo tempo, o nível educacional da população pode aumentar consideravelmente. Sehoje 35% das pessoas com idades entre 25 e 64 anos têm uma formação universitária ou denível superior, em 2045 essa proporção passará para 60%.Alexander Thoele, swissinfo.ch com agências
  • 21. TimorHistória: De acordo com alguns antropólogos, um pequeno grupo de caçadores e agricultoresjá habitava a ilha de Timor por volta de 12 mil anos a.C. O nome Timor provem do nomedado pelos Malaios à Ilha. O primeiro contato europeu com a ilha foi feito pelosportugueses quando estes lá chegaram em 1512. Durante quatro séculos, os portuguesesapenas utilizaram o território timorense para fins comerciais, explorando os recursosnaturais da ilha. Em 1960 Timor-Leste foi considerado pelasNações Unidas como um território não autónomo sobadministração portuguesa. Após a Revolução de 25 deabril de 1974 em Portugal, as colónias portuguesasficaram independentes, e o mesmo se pensariaacontecer com Timor Oriental. Em 28 de Novembro Fig.13- Bandeira de Timorde 1975 a administração portuguesa abandonou Timor. A ONU decide criar uma força internacional para intervir na região. Em 22 desetembro de 1999, soldados australianos sob bandeira da ONU entraram em Díli eencontraram um país totalmente incendiado e devastado. Grande parte da infra-estrutura deTimor-Leste havia sido destruída e o país estava quase totalmente devastado. Em abril de 2001, os timorenses foram novamente às urnas para a escolha do novolíder do país. As eleições consagraram Xanana Gusmão como o novo presidente timorensee, em 20 de Maio de 2002, Timor-Leste tornou-se totalmente independente.Politica: O Chefe de Estado de Timor-Leste é o Presidente do mesmo, que é eleito pelo votopopular para um mandato de cinco anos. Como chefe do governo, o primeiro-ministropreside o Conselho de Estado ou de governo.
  • 22. O parlamento de câmara única é o Parlamento Nacional, cujos membros são eleitospelo voto popular para um mandato de cinco anos. A Constituição timorense foi decalcadada de Portugal. O país ainda está no processo de construção da sua administração einstituições governamentais. O Presidente da República, Xanana Gusmão, além de suas atividades internas, temrepresentado seu país no exterior, para promover as relações de Timor-Leste com acomunidade internacional.Clima: Timor-Leste possui um clima de características equatoriais, com duas estações anuaisdeterminadas pelo regime de monções. A fraca amplitude térmica anual é comum a todo oterritório e só o regime pluviométrico tem alguma variabilidade regional.Geografia: Timor-Leste possui um território de 18mil km², ocupando a parte oriental da ilha,fazendo parte do continente asiático. O país émuito montanhoso e tem um clima tropical.A montanha mais alta de Timor é oTatamailau, com 2.963 metros de altitude. Opaís possui 800 mil habitantes. Este país temuma densidade de 51,3 hab./Km. Fig.14- Mapa Timor
  • 23. Fonte: CIA World Factbook Em Timor houve um aumento da população a partir de 2002, pois apesar da taxa denatalidade e da taxa de mortalidade ambas terem diminuído, a taxa de natalidade consegueser maior que a taxa de mortalidade, daí o aumento da população timorense.Fonte: CIA World Factbook Deste modo, este país encontra-se na fase 2, pois a sua taxa de natalidade é maiorque a taxa de mortalidade.Fonte: CIA World Factbook
  • 24. Deste modo, podemos dizer que com o passar dos anos, a população timorense irácontinuar a aumentar, uma vez que tal já vem a acontecer desde há alguns anos.Economia: O investimento secular de Portugal na sua colónia não foi suficiente para adesenvolver adequadamente o país e a sua economia. Foram, no entanto, construídas algumas infra-estruturas de saúde, ensino etransportes depois da Segunda Guerra Mundial. O comércio de sândalo (madeiraaromática) é uma das principais mercadorias do território e ao perder a importância tornoua sua única fonte de rendimento a produção de café. A contribuição dada pela Indonésia na construção de infra-estruturas foi superior aode Portugal, apesar de corresponder também a interesses próprios, como o do transportemais rápido das tropas ou da absorção sociocultural indonésia e descaracterização dacultura própria timorense. Timor é o país mais pobre da Ásia em termos de desenvolvimento financeiro ehumano.
  • 25. Moeda Dólar americanoForça de trabalho 341,9 MilExportações 46 Milhões de dólaresImportações 82 Milhões de dólaresParceiros comerciais IndonésiaAjuda pública para o 219,8 MilhõesdesenvolvimentoPrincipais exportações CaféPrincipais importações Combustíveis minerais, borracha, cereais, tabaco e vinagresFonte: CIA World Factbook O crescimento económico em Timor sofreu uma diminuição durante o ano de 2002,mas a partir de 2003 até agora, o crescimento manteve-se igual. No entanto, o ProdutoInterno Bruto desta ex-colónia portuguesa foi aumentando gradualmente a partir de 2004,descendo um pouco entre 2007 e 2008 e a partir daí foi aumento aos poucos até agora.
  • 26. Fonte: CIA World FactbookCultura: A cultura de Timor-Leste reflete inúmeras influências, incluindo de Portugal, datradição Católica Romana. A cultura timorense é fortemente influenciada pelas lendasaustronésicas, embora a influência católica também seja forte. O analfabetismo ainda é generalizado, mas há uma forte tradição de poesia. No quediz respeito à arquitectura, alguns edifícios de estilo português podem ser encontrados,junto com os tradicionais totens em casas da região orientalLíngua: De acordo com a Constituição de Timor-Leste, o tétum e o português têm o estatutode línguas oficiais. O inglês e o indonésio têm o estatuto de línguas de trabalho nas provisõestransicionais da Constituição.Religião: As religiões praticadas no país são catolicismo (90%), islamismo (4%),protestantismo (3%), hinduísmo (0,5%) e o budismo (2,5%).
  • 27. Apesar de maioritariamente católicos, os timorenses não se podem considerarinteiramente convertidos, a avaliar pela rica tradição oral composta por lendas e mitologiasque remontam a tempos pré-coloniais.Pirâmide etária: A pirâmide etária de Timor mostra-nos os homens representados do lado esquerdo eas mulheres do lado direito o que nos dá a entender que existe um número de homens umpouco maior que o número de mulheres. Além disso, mostra-nos uma base larga e um topoestreito, logo uma pirâmide típica de países em desenvolvimento. Também nos informaque há predominância de população jovem, sendo a esperança média de vida baixa e apercentagem de idosos igualmente baixa.Fluxos migratórios: Como Timor é um país ainda em desenvolvimento a sua taxa de imigração épraticamente nula. Porém alguns portugueses nos últimos anos imigraram para lá para setornarem professores. No entanto a sua taxa de emigração é um pouco mais elevada, poisos timorenses partem para países como Inglaterra, Irlanda, Portugal e Indonésia á procurade melhores condições de vida.Curiosidades:Capital: Díli (cidade mais populosa)Hora local: mais 11h que PortugalNome Oficial: República Democrática de Timor-Leste
  • 28. Nacionalidade: timorense (maubere)Sistema Político: República ParlamentaristaGoverno República parlamentarista: - Presidente: José Ramos-Horta - Primeiro-ministro: Xanana GusmãoIDH 0,513População com menos de 15 anos 42,5%População com mais de 65 anos 2,2%Taxa de Natalidade 27,46 Nascimentos por cada 1000 habitantesTaxa de Mortalidade 6,36 Óbitos por cada 1000 habitantesTaxa de Mortalidade infantil 87 Por 1000 nados vivosEsperança média de vida 55,5 anos para as mulheres e 54,5 anos para os homensFecundidade 3,85 Filhos por mulherPIB per capita 389 USD Com este pequeno estudo deste país que só agora “acordou” para o mundo,conseguimos perceber um pouco melhor como tudo funciona. Mostra-nos um país comuma cultura muito próxima da nossa, logicamente por ter sido uma colónia portuguesadurante muitos anos. Além disso podemos entender um pouco mais da sua demografia edescobrir alguns pontos que até agora desconhecíamos, como o facto de a sua moeda ser odólar americano e por ser um país com uma taxa de migração nula desde 2003. Para terminar, é importante referir que Timor apesar de tudo está aos poucos adesenvolver-se e muito por mérito deles que sozinhos estão a tentar tornar-se num paíscomo aqueles que até agora o exploraram!
  • 29. Conclusão: Com este trabalho nós achamos que conseguimos atingir os objetivos que nos forampropostos no início da elaboração do mesmo. Mas ainda assim, um dos nossos últimosobjetivos para finalizar o trabalho deste período, é a sua apresentação. E através delapretendemos que os nossos colegas fiquem esclarecidos sobre os países que escolhemos,visto que todos eles são países diferentes e muito distintos uns dos outros. Se isso ocorrer onosso último objetivo é atingido. Além disso, desde o país desenvolvido até ao país em desenvolvimento, vimos quetodos eles se encontram em fases de Warren Thompson diferentes como já referimosanteriormente, Timor tem uma taxa de natalidade superior á sua taxa de mortalidade mas,no entanto ainda se encontra na fase 2. A Suíça tem uma taxa de natalidade inferior á taxade mortalidade estando ambas as taxas com valores muito próximos, estando assim na fase4. Por último o México, que tem uma taxa de natalidade superior á taxa de mortalidade, daío facto de estar na fase3. Face a isto, podemos dizer que a questão demográfica destes três países é bastantediferente uns dos outros. Para terminar, é importante referir que este dossier não termina por aqui, visto que oseguinte trabalho a realizar no próximo período irá dar prolongamento a este mesmodossier temático.
  • 30. Bibliografiahttp://pt.wikipedia.org/wiki/Su%C3%AD%C3%A7ahttp://www.swissinfo.ch/por/Capa/Archive/A_Suica_e_um_pais_de_imigracao.html?cid=3300250http://tanarede01.blogspot.com/2009/06/piramides-etarias-do-brasil-e-o-mundo.htmlhttp://www.sncweb.ch/portugues/reportagens/evolucao-populacional-2040.htmhttp://www.swissinfo.ch/por/economia/Estudo_revela_como_sera_Suica_em_2060.html?cid=15336398http://www.swissinfo.ch/por/especiais/a_suica_e_a_uniao_europeia/Suica_cogita_frear_imigracao_da_Uniao_Europeia.html?cid=856230http://www.google.pt/search?hl=pt-PT&q=demografia&rlz=1R2ADSA_pt-PTPT365&bav=on.2,or.r_gc.r_pw.,cf.osb&biw=1280&bih=626&wrapid=tlif133210641019011&um=1&ie=UTF-8&tbm=isch&source=og&sa=N&tab=wi&ei=qlRmT6-9MorM0QWNsNySCAhttp://pt.worldstat.info/Europe/Switzerlandhttp://www.indexmundi.com/http://pt.wikipedia.org/wiki/Timor-Lestehttp://pt.wikipedia.org/wiki/M%C3%A9xicohttp://dethaflamexico.blogspot.pt/2009/05/cultura-do-mexico.html
  • 31. Mapa de ConceitosTaxa de natalidade: é o número de crianças que nascem anualmente por cada milhabitantes, numa determinada área num dado intervalo de tempo.Taxa de mortalidade: é um dado demográfico do número de óbitos registados, em médiapor mil habitantes, numa dada região num período de tempo.Taxa de mortalidade infantil: frequência com que ocorrem os óbitos infantis, ou sejacrianças com menos de um ano numa população, em relação ao número de nascidos vivosnum dado ano.Taxa de fecundidade: número de filhos que uma mulher tem até ao final da sua idadereprodutiva.Esperança média de vida: é o número médio de anos que um grupo de indivíduosnascidos no mesmo ano pode esperar viver, desde o seu nascimento até á sua morte.Estrutura etária: composição da população por idades e por sexo. É representada por umapirâmide etária.Taxa de crescimento económico: para se medir o crescimento económico de um país épreciso medir o crescimento do seu Produto Interno Bruto (PIB).Taxa de alfabetização: é uma avaliação pelos estados ou por instituições de pessoas comcapacidade de ler e escrever na população de um paísTaxa de desemprego: permite definir o peso da população desempregada sobre o total dapopulação activa.IDH: o Índice de Desenvolvimento Humano é uma medida comparativa usada paraclassificar os países pelo seu grau de "desenvolvimento humano" e para separar os paísesdesenvolvidos e os países em desenvolvimento. A estatística é composta a partir de dadosde expectativa de vida ao nascer, educação e PIB per capita.
  • 32. PIB per capita: é um indicador económico que permite avaliar a evolução da riquezaproduzida e não o modo como essa riqueza é utilizada para melhorar as condições de vidada população.Pirâmide etária: é uma ilustração gráfica que mostra a distribuição de diferentes gruposetários de uma população. É constituída por dois conjuntos de barras que representam osexo e a idade de um determinado grupo populacional.