Cuidados básicos de saúde

28,782 views
28,395 views

Published on

Published in: Technology, Business
0 Comments
2 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total views
28,782
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
17
Actions
Shares
0
Downloads
330
Comments
0
Likes
2
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Cuidados básicos de saúde

  1. 1. Comportamentos saudáveis Trabalhopara CLC, STC,CP José Gonçalves
  2. 2. • A alimentação é muito importante para vivermos, porque é ela que nos fornece energia. • Tem sofrido grandes alterações com a evolução da humanidade. • O desequilíbrio e o excesso constituem os principais problemas. • Hoje é variada, pois a ciência e a tecnologia permitem a utilização de má- quinas para facilitar a preparação dos alimentos. Práticasalimentares
  3. 3. • Alimentação saudável deve contribuir para o desenvolvimento saudável do ser humano • Completa _ Incluir alimentos diferentes de cada grupo • Equilibrada _ Alimentos nas proporções adequadas • Variada _ Diversificar os alimentos • A Roda dos Alimentos é a representa- ção de uma alimentação saudável e equilibrada. Alimentaçãosaudável
  4. 4. Alimentaçãosaudável • Na pirâmide/roda da alimentação, é feita referência ao que devemos comer mais (cereais, pão, tubérculos, raízes) e ao que devemos comer menos (açúcares, doces e gorduras). • Esta informação é-nos transmitida pelo tamanho de cada sector : quanto maior é, maior quantidade desses alimentos devemos ingerir. • É um guia com orientações fundamentais tendo como objectivo promover a saúde, os hábitos e qualidade de vida saudáveis.
  5. 5. Roda da Alimentação Lacticínios - 2 a 3 porções Carnes, pescado e ovos - 1,5 a 4,5 porções Cereais e derivados, tubérculos - 4 a 11 porções Hortícolas – 3 a 5 porções Fruta - 3 a 5 porções
  6. 6. A Minha alimentação Alimentação saudável
  7. 7. • Tomar sempre o pequeno almoço; • Evitar estar mais de 3 horas e meia sem comer; • Mastigar devagar e bem todos os alimentos; • Consumir diariamente leite ou derivados; • Comer diariamente sopa, legumes e hortaliças; • Comer pelo menos 3 peças de fruta por dia • Não beber bebidas alcoólicas; • Evitar os fritos ou ementas com muita gordura; • Preferir sempre o azeite a qualquer outro tipo de gordura; Boaspráticasalimentares
  8. 8. • Eliminar ou reduzir o sal, açúcar e produtos • Preferir pão escuro ( mistura de centeio e trigo) do tipo saloio ao pão mais branco ( trigo); • Comer peixe pelo menos quatro vezes por semana. • Utilizar alimentos de qualidade: limpos e frescos; • Variar o mais possível os alimentos e combiná-los de forma correcta • Fazer as refeições num local tranquilo e com um ambiente agradável. Boaspráticasalimentares
  9. 9. • Sente-se cada vez mais necessidade de uma alimentação próxima do local de trabalho para evitar perdas de tempo, o que conduz à substituição do almoço tradicional por lanches ou sanduíches. • Assim surgem as cadeias de comida rápida, com objectivo de atender consumidores que se alimentam fora de casa e têm pressa. Práticasalimentares
  10. 10. • Fast food é fruto do marketing publicitário e pretende satisfazer os desejos e necessidades da sociedade moderna, sempre ocupada e com pressa, oferecendo comodidade e conveniência a baixo custo • É constituído por lanches cheios de químicos, conservantes, açúcar, gorduras…ingredientes pouco saudáveis para o corpo. • Necessidade de diminuir ao máximo a nossa dependência dela vendo-a apenas como uma alternativa a uma dieta normal e saudável, pois… Fastfood
  11. 11. •…, As gorduras saturadas aumentam os níveis de colesterol, provocam coágulos nas artérias e elevam o risco de doenças coronárias. •O excesso de açúcar na “comida de plástico” interfere na saúde dentária, conduz à obesidade, é propício às doenças cardíacas e até ao cancro. •O sal em demasia é responsável pelo aumento da pressão arterial e aumenta o risco de ataques cardíacos. Fastfood
  12. 12. • Slow food, criado em 1986, na Itália, movimento “ecogastronómico”contra a vida em ritmo acelerado. “Fazer devagar mas com qualidade”. • visa salvaguardar o património agro-alimentar das regiões; • defender a biodiversidade vegetal e animal; • redescobrir a riqueza de aromas e sabores das cozinhas regionais. Slowfood
  13. 13. • “Somos aquilo que comemos”, as representações sociais sobre um alimento variam conforme os valores de cada sociedade ou grupo social. • Para os vegetarianos, a carne, deve ser evitada, significa o “sacrifício” e morte de animais; para as classes mais pobres, um aumento económico e sinal de ascensão social. Restriçõesculturais/religiosas
  14. 14. • Os católicos praticantes costumam jejuar na quarta-feira de cinzas e na semana santa, quando se abstêm de comer carne vermelha. • Adventistas, mórmons, judeus e islâmicos (muçulmanos) não comem carne de porco, nem alimentos que contenham sangue. • A maioria dos evangélicos segue os preceitos judaicos de não comer alimentos com sangue. Restriçõesculturais/religiosas
  15. 15. • É característica de países como Portugal, Espanha, França, Marrocos, Israel. • É considerada a mais saudável. • Apresenta menor índice de doenças cardiovasculares. • Difere das outras pelo baixo consumo de carnes, doces, gordura de animal (ausência de lacticínios). Dieta Mediterrânica
  16. 16. • O uso de azeite, como única gordura alimentar • Abundante uso de legumes, vegetais e frutas frescas – pratos cozinhados, sopas e saladas. • Ausência de lacticínios e consumo reduzido de carnes vermelhas. • Consumo moderado e regular de vinho às refeições • Grande quantidade e variedade de ervas aromáticas usadas como tempero • Presença de peixe nas refeições • Refeições normalmente acompanhadas de grandes quantidades de pão. Dieta Mediterrânica
  17. 17. • As normas de uma boa alimentação dos desportista são semelhantes às necessárias a um indivíduo normal e saudável. • Devem ser respeitados os aspectos quantitativos (calorias totais) e qualitativos (distribuição por hidratos de carbono, gorduras e proteínas sem esquecer os aportes minerais, de água e vitaminas) e a repartição da alimentação ao longo do dia, o que deve ser função do programa de treino e competição. Dieta no Desporto
  18. 18. • É importante vigiar os atletas quanto ao seu peso, rendimento e estado de saúde já que as necessidades calóricas e de nutrimentos variam entre indivíduos. • A quantidade de proteínas não deve ser superior a 1,5 g / kg / dia, sendo o consumo de bebidas alcoólicas completamente contra-indicado. • As gorduras acrescidas devem ser repartidas pelas refeições principais e intercalares tornando-se mais escassas na refeição anterior à prova ou ao treino. • Os hidratos de carbono ser bem distribuídos abundando na refeição que precede a competição ou o treino. Dieta no Desporto
  19. 19. • Na base do estilo de vida saudável em conjunto com a alimentação saudável, está a pratica de desporto e a actividade física. • Na pluralidade a actividade física é um forte meio de prevenção de doenças. Actividadesde lazer/desporto
  20. 20. • Redução de risco de morte por doenças cardíacas, AVC • Ajuda na prevenção/redução da hipertensão • Ajuda no controle do peso • Ajuda no bem estar psicológico e redução do “stress” Benefícios da práticade desportoe de actividade física
  21. 21. • Não deixar medicamentos, fósforos, isqueiros, bebidas alcoólicas ao alcance das crianças; • Fixar às paredes as estantes, vasos e floreiras; • Não colocar vasos ou floreiras nos peitoris das janelas; • Colocar objectos mais pesados ou de maior volume no chão ou nas estantes mais baixas. Regras de segurançaem casa
  22. 22. Na rede eléctrica • Evitar sobrecarga – não ligue demasiados aparelhos na mesma tomada, principalmente os de elevado consumo (ex: máquina de lavar roupa ou loiça e aquecedores). • Não faça reparações improvisadas. • Substitua os fios eléctricos em mau estado. • Evite sobrecarga – não ligue demasiados aparelhos na mesma tomada, principalmente os de elevado consumo (ex: máquina de lavar roupa ou loiça e aquecedores). • Use fusíveis adequados. Regras de segurançaem casa
  23. 23. Na rede eléctrica • Nunca apague com água um incêndio de origem eléctrica. Há perigo de curto-circuito. • Não aproxime água de instalações eléctricas. Há perigo de ficar electrocutado. Regras de segurançaem casa
  24. 24. Na rede de gás • Faça a revisão periódica das tubagens. Para verificar se há fugas aplique água com sabão. Nunca utilize a chama. • Se detectar alguma fuga chame de imediato um técnico qualificado. Regras de segurança em casa
  25. 25. Não deve: • Instalar o esquentador na casa de banho; • Sair de casa com o esquentador ou outros aparelhos a gás ligados; • Deixar o fogão em funcionamento quando se ausenta de casa; • Deitar as garrafas de gás Regras de segurançaem casa
  26. 26. Se cheirar a gás • Não ligue nem desligue interruptores ou equipamentos eléctricos; • Não fume, nem faça qualquer tipo de chama; • Abra todas as janelas e portas para ventilar o local. • Feche as válvulas de segurança de contador e de corte do redutor; • Contacte de imediato um técnico qualificado. Regras de segurançaem casa
  27. 27. • É importante e urgente adoptar um estilo de vida saudável. • Para isso é necessário cuidar dos nossos hábitos alimentares, fazer actividade física e ter cuidados com a segurança. Conclusão
  28. 28. • www.proteccaocivil.pt • www.portaldasaude.pt • www.conselhos.proteste.pt • http://pt.wikipedia.org/wiki/Slow_Food • http://energiaelectrica.no.sapo.pt/norsegur.htm Bibliografia

×