Your SlideShare is downloading. ×
0
Palestra sv2
Palestra sv2
Palestra sv2
Palestra sv2
Palestra sv2
Palestra sv2
Palestra sv2
Palestra sv2
Palestra sv2
Palestra sv2
Palestra sv2
Palestra sv2
Palestra sv2
Palestra sv2
Palestra sv2
Palestra sv2
Palestra sv2
Palestra sv2
Palestra sv2
Palestra sv2
Palestra sv2
Palestra sv2
Palestra sv2
Palestra sv2
Palestra sv2
Palestra sv2
Palestra sv2
Palestra sv2
Palestra sv2
Palestra sv2
Palestra sv2
Palestra sv2
Palestra sv2
Palestra sv2
Palestra sv2
Palestra sv2
Palestra sv2
Palestra sv2
Palestra sv2
Palestra sv2
Palestra sv2
Palestra sv2
Palestra sv2
Palestra sv2
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×
Saving this for later? Get the SlideShare app to save on your phone or tablet. Read anywhere, anytime – even offline.
Text the download link to your phone
Standard text messaging rates apply

Palestra sv2

1,599

Published on

0 Comments
1 Like
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total Views
1,599
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
60
Comments
0
Likes
1
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide
  • A HÁ é precurssora de : 49% das doenças coronarianas, 62% dos AVCs e, 75% da IC
  • SLIDE 3 Inicialmente, apresento alguns dados relevantes sobre as doenças CV. As DCVs são , mais prevalentes em homens, mas também em mulheres, nas diversas regiões do mundo, incluindo o Brasil, que ocupa um aposição intermediária, como mostrado nesta publicação de Yussuf e colab .
  • SLIDE 3 Inicialmente, apresento alguns dados relevantes sobre as doenças CV. As DCVs são , mais prevalentes em homens, mas também em mulheres, nas diversas regiões do mundo, incluindo o Brasil, que ocupa um aposição intermediária, como mostrado nesta publicação de Yussuf e colab .
  • Transcript

    • 1. Prof. Dr. Sérgio Nunes Pereira Prof. Marcelo Marques Duarte Prof. Dr. Luiz Osório cruz Portela Prevenção de Doenças Cardiovasculares através da mudança do estilo de vida
    • 2. Por quê prevenção? O que são Fatores de Risco? Como inicia a doença? Quando começar a prevenção?
    • 3. Doenças Cardiovasculares O tamanho do problema no Brasil
    • 4. Mortalidade por DCV (Taxas ajustadas para população padrão da OMS) Yusuf S et al. Circulation 2001; 104: 2746-2753 Doença Cardiovascular MULHERES HOMENS JAPÃO FRANÇA BRASIL CANADÁ REP. CHECA HUNGRIA FED. RUSSA UCRANIA MORTALIDADE CV POR 100.000 0 100 200 300 400 500
    • 5. PED PES Índia China Am Latina PED: Países de economia desenvolvida PES: Países de economia socialista 1990 2020 Estimativa de mortalidade por DAC , por região Yusuf S et al. Circulation 2001; 104: 2746-2753 Mortes (milhões) Doença Cardiovascular 0 20 40 60 80 100 120 140 160
    • 6. Leeder S et al – A race against time: The challenge of cardiovascular disease in developing economies. Earth Institute at Columbia University . 0 50 100 150 200 250 300 Brasil China Índia África do Sul Rússia Portugal EUA %
    • 7. Consenso Latinoamericano sobre Hipertensión Arterial- 2009 . País Prevalência Conhecimento Tratamento Controle Argentina 28.1 54 42 14.3 Brasil 26.8 50 30 10 Chile 22.8 43 26.1 8.2 Equador 28.7 41 23 6.7 México 26.5 28 38 22 Paraguai 30.5 33.5 18.3 7.8 Peru 22 40 20 10 Uruguai 33 68 42 11 Venezuela 32.4 47 37 8.7
    • 8. 2000 - 2004 2.000.000 1.800.000 1.600.000 1.400.000 1.200.000 1.000.000 800.000 600.000 400.000 200.000 0 Hospitalizações por DCV IC AVC HA DAC Outras <ul><ul><li>V Diretrizes Brasileiras de Hipertensão Arterial. Rev Bras Hipertens vol.13(4): 256-312, 2006 </li></ul></ul>
    • 9. Mortalidade Cardiovascular no Brasil Evolução nos ú ltimos 25 anos (1979 – 2004) WWW.DATASUS.GOV.BR
    • 10. Período:2004-2007 FONTE:SIM/DATASUS/MS D. cerebrovascular D. isquêmica coração IAM Outras d. cardíacas Doença hipertensiva
    • 11. <ul><li>A doença cardiovascular é a principal responsável pela mortalidade de adultos, chegando a atingir mais de 40% nos Estados Unidos da América e mais de 30% no Brasil. </li></ul><ul><li>A sua origem pode começar na infância, em função de fatores genéticos e ambientais, como mudança de estilo de vida. </li></ul><ul><li>Estas mudanças de estilo de vida incluem o processo de urbanização, aumento do estresse, sedentarismo e mudança de hábitos alimentares que contribuem para o aparecimento dos fatores de risco cardiovascular . </li></ul>
    • 12. <ul><li>São chamados fatores de risco algumas condições ou doenças que contribuem para o desenvolvimento da arteriosclerose e a doença cardiovascular. Eles são classificados em não modificáveis e modificáveis: </li></ul><ul><li>Não modificáveis: </li></ul><ul><ul><li>Hereditariedade: Doença cardiovascular em familares próximos; </li></ul></ul><ul><ul><li>Gênero: predomina nos homens; </li></ul></ul><ul><ul><li>Idade: é mais frequente em idosos </li></ul></ul>
    • 13. <ul><li>Fatores de risco modificáveis: </li></ul><ul><ul><li>Obesidade; </li></ul></ul><ul><ul><li>Sedentarismo; </li></ul></ul><ul><ul><li>Tabagismo </li></ul></ul><ul><ul><li>Hipertensão arterial </li></ul></ul><ul><ul><li>Diabete Mellitus </li></ul></ul><ul><ul><li>Dislipidemia </li></ul></ul><ul><ul><li>Estresse </li></ul></ul><ul><ul><li>Obs: A obesidade e o sedentarismo são desencadeadores da Síndrome Metabólica que por sua vez pode causar doenças como hipertensão e diabete e a doença cardiovascular </li></ul></ul>
    • 14. <ul><li>Hoje sabe-se que a doença inicia com a nossa herança genética, é fortemente influenciada pelo nosso estilo de vida e vai evoluindo através dos anos até a manifestação dos sintomas, piora do quadro e morte. </li></ul><ul><li>Sabemos também que a herança genética não é o principal fator de risco. Muitas pessoas sem antecedentes de doença familiar, por seu estilo de vida são acometidos por enfartes e acidentes cerebrais isquêmicos. </li></ul>
    • 15. <ul><li>A prevenção deve iniciar já na infância, pois estas mudanças de estilo de vida, como sedentarismo e maus hábitos alimentares, estão desde tenra idade causando alterações metabólicas traduzidas por sobrepeso e obesidade, níveis pressóricos elevados para a idade e alterações nos lipídeos sanguíneos. Estes fatores são desencadeadores de doenças como diabete mellitus, hipertensão arterial e doenças cardiovasculares. </li></ul>
    • 16. <ul><li>Mudanças socioculturais no Brasil determinantes do aumento de risco cardiovascular na infância e adolescência. </li></ul><ul><li>Urbanização: </li></ul><ul><ul><li>Sedentarismo </li></ul></ul><ul><ul><li>Hábitos alimentares </li></ul></ul><ul><ul><ul><li>Maior consumo de gorduras, ácidos graxos e açúcares </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Redução do consumo de fibras </li></ul></ul></ul><ul><ul><li>Tabagismo </li></ul></ul><ul><ul><li>Estresse </li></ul></ul><ul><ul><li>Ingresso da mulher no mercado de trabalho </li></ul></ul><ul><ul><li>(11,12) </li></ul></ul><ul><ul><li>Refeições fora de casa(13). </li></ul></ul>
    • 17. <ul><li>“ A medida em que foram sendo compreendidos os mecanismos de origem e desenvolvimento da doença aterosclerótica, consolidou-se o conceito de que este tratamento deve começar na infância” </li></ul><ul><li>Diretrizes Brasileiras sobre Prevenção de Doenças Cardiovasculares na Infância e Adolescência. </li></ul><ul><ul><li>Arquivos Brasileiros de Cardiologia, 2008 </li></ul></ul>
    • 18. Evidências sobre dislipidemia na infância e adolescência Descrição Itens e resultados Observação e Referência 1600 escolares em (7 a 14 anos) Campinas (1998-99) Colesterol total – 160 Triglicerídeos – 79 Colesterol LDL – 96 Colesterol HDL - 49 Hipercolesterolemia (>170) – 35% Moura e col. – Rev. Saúde Pública 2000,34(5)499-505 Florianópolis, 2001 – 1053 escolares (7-18 anos) Colesterol total – 162 Triglicerídeos – 93 Colesterol LDL – 92 Colesterol HDL - 53 Hipercolesterolemia: 10% Hipertrigliciridema: 22% Colesterol LDL >: 6% Colesterol HDL <: 5% Giuliano e col., Arq. Bras. Cardiol. 2005,85(2):85-91
    • 19. Sobrepeso e obesidade na infância e adolescência Região Obesidade crianças Sobrepeso adolescentes Obesidade adolescentes Sudeste 11,9 % 10,4 % 4,2 % Nordeste 8,2 % 8,2 % 1,7 % Brasil 10,1 % 8,5 % 3,0 %
    • 20. <ul><li>Correlação entre obesidade na infância e adolescência e obesidade na vida adulta </li></ul><ul><ul><li>Fatores ambientais estão mais implicados na perpetuação da obesidade durante o crescimento e desenvolvimento do que fatores genéticos. Esta correlação se intensifica a partir da segunda década da vida, aumentando o risco de distúrbios no metabolismo dos lipídios e hipertensão arterial mais tarde. </li></ul></ul>
    • 21. <ul><li>A atividade física na prevenção da aterosclerose da infância: </li></ul><ul><ul><li>A atividade física não está limitada a adultos </li></ul></ul><ul><ul><li>O exercício fortalece a articulações, músculos e ossos </li></ul></ul><ul><ul><li>Ajuda no controle de peso </li></ul></ul><ul><ul><li>Previne ou retarda o aparecimento de HAS </li></ul></ul><ul><ul><li>Reduz a depressão e ansiedade </li></ul></ul><ul><ul><li>Promoção da atividade física: </li></ul></ul><ul><ul><li>Praticar a atividade física de forma prazerosa, lazer, exercício físico ou esporte, no mínimo 30 min, 3-4 vezes por semana </li></ul></ul>
    • 22. <ul><li>Papel do médico na promoção da atividade física na infância – investigar: </li></ul><ul><ul><li>A atividade física em ambiente escolar ou fora dele </li></ul></ul><ul><ul><li>Atitude da família diante de atividade física e sedentária </li></ul></ul><ul><ul><li>Acesso a local próprio para atividade física </li></ul></ul><ul><li>Recomendações ao profissional de saúde: </li></ul><ul><ul><li>Atividade física como rotina </li></ul></ul><ul><ul><li>Enfatizar para a família os benefícios da atividade física </li></ul></ul>
    • 23. <ul><li>Papel da família na promoção da atividade física na infância </li></ul><ul><ul><li>Papel crítico na formação da criança para atividade física </li></ul></ul><ul><ul><li>Exemplo dos pais </li></ul></ul>
    • 24. <ul><li>Papel da família na promoção da atividade física na infância </li></ul><ul><ul><li>Recomendações à família </li></ul></ul><ul><ul><ul><li>Encorajar as crianças e adolescentes para a atividade física regular </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Planejar e participar de atividades familiares que envolvam atividade física </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Ser modelo de estilo de vida ativo </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Estabelecer limites no tempo para atividades que não exigem dispêndio energético (TV, computador) </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Reivindicar programas de atividade física na escola </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Participar da escolhas de locais para atividades físicas </li></ul></ul></ul>
    • 25. <ul><li>Recomendações à comunidade: </li></ul><ul><ul><li>Reivindicar das autoridades competentes a criação, manutenção e avaliação de uma política de promoção à saúde que inclua a atividade física; </li></ul></ul><ul><ul><li>Reivindicar das escolas o cumprimento de decisões governamentais que incorporem a atividade física no processo educacional; </li></ul></ul><ul><ul><li>Participar dos programas de atividades físicas oferecidos à comunidade, incorporando um estilo de vida ativo que possa funcionar com um modelo para crianças e adolescentes; </li></ul></ul>
    • 26. <ul><li>Figura 2. Escore de Framingham Revisado para Homens </li></ul>
    • 27.  
    • 28. O que é sedentarismo? <ul><li>Segundo o Colégio Americano de Medicina do Esporte (ACSM), sedentarismo é caracterizado pela prática de atividades físicas leves inferior a 150 minutos por semana. </li></ul><ul><li>Recomenda-se: </li></ul><ul><ul><li>Três a cinco vezes por semana; </li></ul></ul><ul><ul><li>Sessões de vinte a sessenta minutos de duração; </li></ul></ul><ul><ul><li>Com intensidade de aproximadamente 55/65% a 90% da FCmáx; </li></ul></ul>
    • 29. O que é atividade Física? <ul><li>É todo movimento corporal voluntário humano, que resulta num gasto energético acima dos níveis de repouso, caracterizado pela atividade do cotidiano e pelos exercícios físicos. </li></ul>
    • 30. Capacidades Físicas <ul><li>Resistência Cardiorrespiratória; </li></ul><ul><li>Força; </li></ul><ul><li>Flexibilidade; </li></ul><ul><li>Coordenação. </li></ul>
    • 31. Por quê ser ativo fisicamente? <ul><ul><li>A atividade ajuda a: </li></ul></ul><ul><li>Reduzir riscos de morte por doenças cardiovasculares; </li></ul><ul><li>Diminuir a probabilidade de reincidência de ataques cardíacos; </li></ul><ul><li>Reduzir colesterol total e triglicerídeos, com elevação do HDL; </li></ul><ul><li>Controlar e reduzir a pressão arterial; </li></ul>
    • 32. <ul><li>Minimizar o risco de diabetes tipo 2 (não dependente de insulina); </li></ul><ul><li>Reduzir os níveis de estresse, promovendo o bem-estar psicológico; </li></ul><ul><li>Reforçar articulações, músculos e ossos saudáveis; </li></ul><ul><li>Minimizar o risco de quedas em idosos; </li></ul><ul><li>Auxiliar no controle da massa corporal. </li></ul>
    • 33. Qual Atividade Física escolher? <ul><li>Comece praticando atividades físicas leves e que sigam os seguintes quesitos: </li></ul><ul><ul><li>Preferência Pessoal: escolher uma atividade confortável e agradável, que não desestimule o praticante. </li></ul></ul><ul><ul><li>Desenvolva a Aptidão de modo Integral: ou seja, realizar atividades que contemplem as capacidades físicas; </li></ul></ul><ul><ul><li>Planejar e escolher atividades que possam ser mantidas ao longo da vida. Isso significa a inclusão do movimento no estilo de vida. </li></ul></ul>
    • 34. Quem pode nos ajudar? <ul><li>As orientações devem ser passadas por um profissional da área, o qual será responsável pela adequação da atividade aos objetivos do aluno. </li></ul><ul><li>Lembre-se: A atividade deve ser realizada com consciência, o praticante deve entender o objetivo e os benefícios que o exercício possui. </li></ul>
    • 35. Como dosar o exercício? <ul><li>O organismo se adapta ao esforço conforme a intensidade e o volume do exercício; </li></ul><ul><li>A adaptação ocorre, até chegar a um platô, no qual não haverá mais adaptações, se o exercício não for alterado; </li></ul><ul><li>Exemplo: Caminhada. </li></ul><ul><ul><li>Intensidade – pode ser aumentada a velocidade da caminhada; </li></ul></ul><ul><ul><li>Volume – pode ser aumentada a frequência do exercício e/ou duração da caminhada. </li></ul></ul>
    • 36. Como dosar a intensidade? <ul><li>Pela FC: </li></ul><ul><li>Pela FC: </li></ul><ul><ul><li>FCprev: 220 – idade = FCmáx. </li></ul></ul><ul><ul><li>FC alvo: 50%; 60%; 70%; 75%. </li></ul></ul><ul><li>Exemplo: Homem de 60 anos de idade; </li></ul><ul><ul><li>FCmáx = 220 – 60 = 160 bpm </li></ul></ul><ul><ul><li>FC alvo: 80 bpm; 96 bpm; 112 bpm; 120 bpm. </li></ul></ul>
    • 37. Exemplo de melhora da saúde através da pratica de atividade física:
    • 38. Melhora no tempo de corrida
    • 39. Melhora na Frequência Cardíaca Velocidade FC1 FC2 5,4 141,40 135,00 5,4 123,00 121,40 5,4 127,00 121,40 5,4 108,00 101,00 5,4 115,60 108,20 5,4 104,00 97,60 5,4 108,60 109,00 5,4 145,20 129,40 5,4 151,80 118,60 Média 124,96 115,73 DP 16,6 11,9
    • 40. Melhora no Capacidade Física Pré teste Pré teste Pós teste Pós teste Tempo Teste Distância Tempo Teste Distância 20:00 2,10 24:38 2,64 19:00 1,95 19:00 1,90 20:00 2,10 22:50 2,64 09:30 0,93 17:24 2,16 23:00 2,64 23:00 2,64 20:00 2,10 25:00 3,00 19:00 1,95 17:00 1,65 12:00 1,35 12:00 1,35 25:00 2,25 25:00 2,25 24:00 3,54 27:00 4,23 28:00 4,15 20:00 2,70
    • 41. Melhora no desempenho físico (qualitativo)
    • 42. RESULTADOS
    • 43. RESULTADOS
    • 44. Obrigado pela Atenção. Mantenha-se Ativo!

    ×