• Share
  • Email
  • Embed
  • Like
  • Save
  • Private Content
Eixo3 aline dauniz_sicca_resumo
 

Eixo3 aline dauniz_sicca_resumo

on

  • 155 views

 

Statistics

Views

Total Views
155
Views on SlideShare
152
Embed Views
3

Actions

Likes
0
Downloads
0
Comments
0

2 Embeds 3

http://28sape.blogspot.com.br 2
http://www.28sape.blogspot.com.br 1

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Adobe PDF

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

    Eixo3 aline dauniz_sicca_resumo Eixo3 aline dauniz_sicca_resumo Document Transcript

    • ANÁLISE DOS PRIMEIROS ANOS DE FUNCIONAMENTO DO COLLEGIO ELEMENTAR FELIX DA CUNHA (1913 – 1930) SICCA, Aline Dauniz Graduanda de Pedagogia FaE/UFPel. Bolsista de Iniciação Científica PROBIC/FAPERGS. aline.sicca@hotmail.com AMARAL, Giana Lange do Professora do PPGE/FaE/UFPel. Bolsista de produtividade em pesquisa do CNPq – nível 2. gianalangedoamaral@gmail.com Palavras-chave: Escola Elementar. Instituição Escolar. Félix da Cunha. Inserido no âmbito da História das Instituições Escolares, o presente trabalho faz parte do projeto “Histórias e Memórias de escolas da cidade de Pelotas/RS”1, desenvolvido sob orientação da Profª. Drª. Giana Lange do Amaral, e visa o estudo de aspectos da história e memória de uma instituição educacional, o antigo Collegio Elementar Felix da Cunha, atual Colégio Estadual Félix da Cunha, criado a partir do Decreto 1479 de maio de 1909. Dessa forma, a periodização do trabalho aborda a criação da instituição, em 1913, até o momento em que ele se constituiu como Grupo Escolar, na década de 1930. Vale destacar que o ensino ministrado nesse espaço escolar se caracterizava por ser laico e público, desvencilhado de preceitos do catolicismo ou de outras religiões, logo, no ano de sua fundação já contou com a matrícula de 240 alunos. Esse estudo encontra-se em andamento e visa recuperar aspectos da história desta instituição. Para tanto, estão sendo averiguadas fontes escritas tais como documentos localizados no acervo da própria escola, no Instituto Histórico e Geográfico de Pelotas – IHGPel e, principalmente, na Bibliotheca Pública Pelotense, onde, através do Jornal Diário Popular, periódico local, sendo o mais antigo do Rio Grande do Sul que ainda se mantém em funcionamento, de tiragem interrupta desde sua criação, em 1890, até os dias de hoje, vem sendo analisadas notícias 1 Projeto maior desenvolvido na Faculdade de Educação (FaE) da Universidade Federal de Pelotas (UFPel).
    • sobre a instituição. Como referencial teórico-metodológico utilizamos Amaral (2003, 2005), Julia (2001), Lopes e Galvão (2001), Luchese (2013), Magalhães (1998), Pesavento (2004), Werle (2004), entre outros, para respaldar o estudo de uma instituição educacional. Para fundamentar o uso de periódicos como fonte de pesquisa Carvalho; Araujo; Neto (2002), Luca (2005) e Neto (2002). Quanto ao contexto brasileiro e da cidade nas primeiras décadas do século XX, referenciam o estudo de Amaral (2003, 2005), Faria Filho (2011) e Gondra e Schueler (2008). Com o desígnio de abordar sobre a história deste educandário e engrandecer sua identidade, objetiva-se contribuir para a resignificação da mesma, com o intuito de salvaguardar e valorizar a história, as memórias e recordações da instituição, e busca-se contribuir na identificação de fatores que constituem sua identidade de escola pública estadual, hoje. A partir do levantamento das fontes e das análises realizadas no material encontrado, procura-se contextualizar a origem e o desenvolvimento histórico da instituição bem como sua inserção na comunidade. Acreditamos na importância para as instituições educativas da identificação e da valorização de suas histórias. Assim, temos o intuito de decifrar as lacunas do passado deste educandário e contribuir na consolidação de sua identidade no presente. Até o momento constatou-se que sua fundação se deu a partir do contexto de incentivo do governo estadual gaúcho na criação dos colégios elementares e da necessidade de uma escola primária pública de ensino laico, desvencilhada de preceitos do catolicismo ou de outras religiões ou identificações ideológicas, tão em voga no período estudado. Referências AMARAL, Giana Lange do. Gatos pelados x galinhas gordas: desdobramentos da educação laica e da educação católica na cidade de Pelotas: décadas de 1930 a 1960. 2003. Tese. Programa de Pós-Graduação em Educação, UFRGS, 2003. ______. Gymnasio Pelotense e a Maçonaria: Uma Face da História da Educação em Pelotas. 2ª ed. Pelotas: Seiva, 2005. CARVALHO, C. H., ARAUJO, J. C. S., NETO, W. G.. Discutindo a história da educação. In: Novos temas em história da educação brasileira: instituições escolares e
    • educação na imprensa. José Carlos Souza Araujo (org.), Campinas, SP: Autores Associados; Uberlândia, MG: EDUFU, 2002, cap. 4, p. 66-89. FARIA FILHO, Luciano Mendes de. Instrução elementar no século XIX. In: 500 anos de educação no Brasil. LOPES, Eliane Marta de Teixeira; FARIA FILHO, Luciano Mendes de; VEIGA, Cynthia Greive. 5 ed. Belo Horizonte: Autêntica, 2011. GONDRA, José Gonçalves; SCHUELER, Alessandra. Educação, poder e sociedade no Império Brasileiro. São Paulo: Cortez, 2008. JULIA, Dominique. A Cultura Escolar como Objeto Histórico. Tradução: Gizele de Souza. Rev. Bras. Hist. Educ., n. 1, jan./jun. 2001. LOPES, Eliane Marta Teixeira; GALVÃO, Ana Maria de Oliveira. História da Educação. Rio de Janeiro: Editora DP&A, 2001. LUCA, Tania Regina de. História dos, nos e por meio dos periódicos. In: Fontes Históricas. Carla Bassanezi Pinsky (org.), São Paulo: Contexto, 2005, p. 111-153. LUCHESE, Terciane Ângela. Da prescrição à realização: os Colégios Elementares como um novo modelo de Escola Primária no Rio Grande do Sul (1909 – 1927). In: VII CONGRESSO BRASILEIRO DE HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO, 2013, Cuiabá-MT. Circuitos e Fronteiras da História da Educação no Brasil. Disponível em: http://sbhe.org.br/novo/congressos/cbhe7/pdf/07%20HISTORIA%20DAS%20INSTITUICOES%20E%20PRATICAS%20EDUCATIVAS/ DA%20PRESCRICAO%20A%20REALIZACAOOS%20COLEGIOS%20ELEMENTARES.pdf . Acesso em: 02 jul. 2013. MAGALHÃES, Justino. Um Apontamento Metodológico sobre a História das Instituições Educativas. In: Práticas Educativas, Culturais Escolares, Profissão Docente. SOUSA, Cynthia Pereira de e CATANI, Denice Barbara. São Paulo: Escrituras Editora e Distribuidora de Livros, 1998, p. 51-69. NETO, Wenceslau Gonçalves. Discutindo a história da educação. In: Novos temas em história da educação brasileira: instituições escolares e educação na imprensa. José Carlos Souza Araujo (org.), Campinas, SP: Autores Associados; Uberlândia, MG: EDUFU, 2002, cap. 9, p. 197-225.
    • PESAVENTO, Sandra Jatahy. História & História Cultural. 2ª ed. Belo Horizonte: Autêntica, 2004. WERLE, Flávia. História das Instituições Escolares: do que se fala? In: LOMBARDI, José Claudinei & NASCIMENTO, Maria Isabel Moura (org.). 2004. p. 13-36.