Aula 6e 7

10,454 views
10,075 views

Published on

Published in: Business
0 Comments
2 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total views
10,454
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
492
Actions
Shares
0
Downloads
254
Comments
0
Likes
2
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Aula 6e 7

  1. 1. Módulo 4 - A EUROPA NOS SÉCULOS XVII E XVIII – SOCIEDADE, PODER E DINÂMICAS COLONIAIS 11ºAno Unidade 1 – A População da Europa nos séculos XVII e XVIII: crises e crescimento As ordens sociais do Antigo Regime, segundo pintura francesa do século XVII.
  2. 2. Aula de História 11ºAno Sumário: A Europa Dos Parlamentos: Sociedade e Poder Político
  3. 3. Afirmação política da burguesia nas Províncias Unidas <ul><li>No século XVII, a Holanda e a Inglaterra constituíram dois modelos de sociedades e de Estados diferentes dos restantes países europeus. No século XVII mais de metade da população holandesa era já urbana. A estrutura da sociedade holandesa apresentava um aspecto diferente: </li></ul><ul><li>A sua nobreza era numericamente reduzida </li></ul><ul><li>A maior parte da sua população pertencia à burguesia </li></ul><ul><li>O nível de vida da sua população era dos mais elevados da Europa </li></ul><ul><li>A Burguesia Holandesa teve um papel fundamental na formação de uma “república de mercadores” no século XVII. </li></ul>
  4. 4. O PODERIO DA HOLANDA As Províncias Unidas eram uma pequena república que se tinha libertado do domínio espanhol em 1581. Os seus habitantes dedicavam-se sobretudo ao comércio e à construção naval. Os Holandeses dispunham de grandes navios que lhes permitiam fazer fretes baratos. Deste modo, tornaram-se intermediários do comércio europeu: levavam, para os países do Sul, cereais, madeira e minérios das costas do Báltico e têxteis da Inglaterra e dos Países Baixos. Transportavam para o Norte, o açúcar e o sal de Lisboa e a prata de Sevilha . BURGUESIA PRÓSPERA E AUSTERA O comércio fez crescer uma activa burguesia nas cidades, sobretudo em Amsterdão. Era uma burguesia de hábitos simples e austeros, maioritariamente protestante, que investia todos os seus lucros no desenvolvimento do negócio. Por outro lado a tolerância religiosa, que se fazia sentir em todo o país, atraía muitos capitalistas estrangeiros, entre os quais numerosos judeus. Dispondo de apoios do estado e de capitais a burguesia holandesa fundou companhias de comércio e lançou-se no tráfico colonial. A HEGEMONIA MARÍTIMA HOLANDESA Na Ásia a Companhia das Índias Orientais desalojou os portugueses de quase todos os seus pontos estratégicos. Passaram a dominar a Rota do Cabo, tornando-se a principal fornecedora da Europa em especiarias, sedas, chá e porcelanas. No Atlântico, a Companhia das Índias Ocidentais apoderou-se da Mina e de algumas antilhas. Mas a sua ambição de controlar o comércio de açúcar e de escravos não foi bem sucedida. Ao longo do século XVII, a Holanda manteve a supremacia dos mares.
  5. 5. <ul><li>A prosperidade da Holanda assentou em duas vertentes: </li></ul><ul><li>Incremento das actividades produtivas internas </li></ul><ul><li>Alargamento das redes marítimo-comerciais externas: a nível europeu, com o transporte de produtos entre o Báltico e a Europa Ocidental; a nível mundial, com o tráfico dos produtos das Caraíbas e do Oriente. </li></ul>
  6. 6. <ul><li>Em 1568, impelidos por um forte desejo de liberdade política e religiosa, sete províncias dos Países Baixos do Norte, revoltaram-se contra o domínio espanhol. À revolta seguiu-se uma longa guerra pela independência, durante a qual nasceu e se consolidou a República das Províncias Unidas. </li></ul><ul><li>Sob o signo da tolerância religiosa, da liberdade de pensamento e do valor do individuo, edificou a Holanda. </li></ul>
  7. 7. A burguesia nas estruturas do poder <ul><li>A República das Províncias Unidas era uma federação de estados com uma estrutura bastante descentralizada, o que multiplicava os cargos e as oportunidades de interferir na governação. </li></ul><ul><li>Aos nobres cabiam: </li></ul><ul><li>Funções militares </li></ul><ul><li>► À burguesia : ricas famílias que dominavam os conselhos das cidades e das províncias </li></ul><ul><li>Era a elite burguesa que assumia a condução dos destinos da Província da Holanda e, por via dela, de toda a República. </li></ul>
  8. 8. <ul><li>Épocas houve em que o domínio institucional da burguesia se fez sentir claramente </li></ul><ul><li>O poder centralizado do rei e á preponderância da nobreza que marcaram o século XVII europeu, opunham as Províncias Unidas a descentralização governativa e o domínio da burguesia </li></ul>
  9. 9. Grotius e a legitimação da liberdade dos mares <ul><li>Os holandeses lançaram-se, desde finais do século XVI, na aventura comercial ultramarina </li></ul><ul><li>Os holandeses nunca aceitaram verdadeiramente o monopólio mercantil ultramarino dos povos ibéricos e foram das primeiras nações a contestá-lo com o frequente corso que faziam nas suas rotas. </li></ul><ul><li>No século XVII, foi um jurista Holandês, Hugo Grotius, quem mais contribuiu, com a sua argumentação, para o fim da doutrina do mare clausum e definitiva aceitação do mare liberum. </li></ul><ul><li>Um dos textos publicados por Grotius rejeitava o direito das nações ibéricas à exclusividade das navegações transoceânicas, alegando entre outros aspectos que os mares eram inesgotáveis e essenciais à vida, pelo que constituíam propriedade comum de toda a humanidade. </li></ul>
  10. 10. A Recusa do absolutismo na Sociedade Inglesa <ul><li>Na Inglaterra, o poder do teu foi, desde cedo, limitado pelos seus súbditos. </li></ul><ul><li>Tal como na Holanda, também na Inglaterra a afirmação da burguesia contribuiu para a desagregação da sociedade de ordens </li></ul><ul><li>O absolutismo não era bem aceite pelos ingleses que, desde o século XIII, com Magna Carta – 1215 – negavam ao rei o direito de, só por si, fazer leis e aumentar impostos, sendo obrigado a convocar regularmente o Parlamento. </li></ul><ul><li>As tentativas de impor o absolutismo em Inglaterra deu origem a revoluções violentas que, conduziriam à execução de um rei (Carlos I, em 1649), à deposição de Jaime II, em 1689 e à instauração de um regime republicano (1649-1659) </li></ul>

×