• Like
  • Save
As DST como problema de saúde pública
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×
 

As DST como problema de saúde pública

on

  • 4,941 views

 

Statistics

Views

Total Views
4,941
Views on SlideShare
4,941
Embed Views
0

Actions

Likes
0
Downloads
41
Comments
0

0 Embeds 0

No embeds

Accessibility

Upload Details

Uploaded via as Microsoft PowerPoint

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

    As DST como problema de saúde pública As DST como problema de saúde pública Presentation Transcript

    • As DST como problema de saúde pública Maria Josenilda G. da Silva ELETIVA 1° ano 16 de novembro 2009
    • “Problema de saúde pública”
      • O que é ?
    • Saúde pública
      • Um dos esforços organizados pela sociedade para proteger, promover e restaurar a saúde de populações .
      • (Last, A Dictionary of Epidemiology)
    • Problema de saúde pública:
      • Se expressa por meio de :
      Magnitude; Transcendência; Vulnerabilidade; e Factibilidade
      • Magnitude: elevada freqüência.
      • Transcendência:
      • facilitador da transmissão;
        • complicações graves e óbito;
        • impacto psicológico em seus portadores;
        • grande impacto social (custos indiretos para a economia do País e custos diretos decorrentes das internações, elevando os custos totais.
      • Vulnerabilidade :
        • por características epidemiológicas, são agravos vulneráveis a ações de prevenção primária.
        • Factibilidade :
        • seu controle é possível, desde que existam programas de prevenção bem estruturados e uma rede de serviços básicos resolutivos.
    • As doenças sexualmente transmissíveis – DST
      • apresentam-se como importante problema de saúde pública no Brasil e em todo mundo, ocasionando a infertilidade masculina e feminina, perdas gestacionais, doenças congênitas, além de aumentar o risco da infecção pelo vírus HIV.
      • (PN DST/AIDS-MS).
    • DST como problema de saúde pública
      • Nos últimos anos, após o agravamento da epidemia de aids, as DST readquiriram importância como problema de saúde pública.
    • Dificuldades na atenção às DST no Brasil
      • Dados epidemiológicos escassos;
      • Discriminação;
      • Serviços de saúde inadequados;
      • Profissionais despreparados;
      • Falta de insumos de prevenção e medicamentos.
    • CONDIÇÕES POLÍTICAS QUE AFETAM O CONTROLE DAS DST
      • Recursos para a Prevenção e Tratamento das DST :
      Alocações orçamentárias para o tratamento de DST Compromissos do setor privado com o tratamento das DST Aquisição de medicamentos recomendados, e Inclusão de antibióticos eficazes nas listas de medicamentos essenciais.
    • CONDIÇÕES POLÍTICAS QUE AFETAM O CONTROLE DAS DST
      • Políticas e Procedimentos Restritivos:
      • Mulheres: Políticas que restringem o acesso a serviços e requerem uma permissão do marido para exames, medicamentos e métodos preventivos.
      • Jovens: Políticas que restringem o acesso aos serviços clínicos para os casos de DST e para o planejamento familiar. Políticas que restringem o acesso a preservativos
    • CONDIÇÕES POLÍTICAS QUE AFETAM O CONTROLE DAS DST
      • Preservativos e Medicamentos: Tarifas que tornam as importações caras e lentas;
      • restrições na distribuição de preservativos para menores de idade e mulheres solteiras.
      • Serviços: Leis restritivas que proíbem que as enfermeiras façam o diagnóstico a o tratamento das DST, reduzindo o acesso aos serviços.Políticas que estimulam, de maneira exclusiva, que serviços de DST sejam baseados em estabelecimentos de saúde, dependentes de laboratórios e gerenciados por médicos.
      • TRATANDO UMA INFECÇÃO E PREVENINDO OUTRAS FUTURAS
      • Intervenções educativas, e informativas
      • Prevenção,Diagnóstico, tratamento e controle de parceiros
      • Educação em saúde (paciente) sobre o tratamento, transmissão durante infecção,
      • notificação do parceiro; mudanças comportamentais para evitar as DST no futuro.A promoção e a instrução do uso de preservativos.
      • Manejo dos casos de DST; abordagem sindrômica quando o diagnóstico laboratorial não é possível.
      • Prescrição apropriada de antibióticos
      • Disponibilidade dos medicamentos no serviço.
      • Sistema do contato com parceiros
      • Busca de casos de pacientes assintomáticos.
      • Diagnósticos disponíveis em laboratórios de referência.
    • população sexualmente ativa População com DST procuram atendimento Com sintomas cura Trat. correto Diag. correto parceiro notificação Modelo Operacional dos Serviços de Saúde para o controle das DST Diagrama de Piot
    • Conseqüências:
      • Tratamento em local inadequado;
      • Tratamento inadequado;
      • Não quebra a cadeia de transmissão;
    • O desafio do controle das DST
      • Princípios básicos:
      • Interrupção da cadeia de transmissão;
      • Prevenção de novas ocorrências.
    • Estratégias para o controle das DST
      • Prevenção;
      • Detecção de casos;
      • Tratamento imediato;
    • Manejo das DST
      • Triagem;
      • Espera;
      • Consulta médica;
      • Consulta de enfermagem;
      • Aconselhamento;
      • Comunicação aos parceiros;
      • Gerenciamento;
      • Insumos;
      • Capacitação;
      • Vigilância, monitoramento e avaliação;
      • Pesquisa.
    • Manejo das DST
      • Abordagem sindrômica( sintomáticos);
      • Diagnóstico clínico e etiológico;
      • Diagnóstico laboratorial.
    • Desempenho Esperado dos Profissionais
      • Realizar o atendimento a um (a) usuário (a) com a finalidade de recuperação/ prevenção de complicações e seqüelas, bem como quebra da cadeia de transmissão, levando em conta os contextos: familiar, social e epidemiológico da locorregional;
      • Estabelecer uma relação dialógica e empática com o usuário, considerando as necessidades individuais, estimulando a reflexão do processo saúde-doença e a sua autonomia.
    • Estratégias no enfrentamento das DST no DF
      • Investimento em capacitação de RH;
      • Criação da Liga de DST;
      • Criação da SBDST/DF;
      • Desenvolvimento de pesquisas
      • II SEMDST.
      • CONGRESSO BRASILEIRO DE PREVENÇÃO
    • [email_address] Obrigada