Panorama semanal 190710

738 views
695 views

Published on

0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total views
738
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
10
Actions
Shares
0
Downloads
1
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Panorama semanal 190710

  1. 1. PANORAMA SEMANAL VEJA NESTA EDIÇÃO Macroeconomia e Mercados – Como encerramos a terceira semana de Julho Agenda Econômica Reforma Financeira Americana Fique de Olho – Análise Técnica (Ibovespa, S&P 500, Dólar e Petróleo)
  2. 2. PANORAMA SEMANAL 19 de Julho de 2010 O mercado começou a semana operando "expectativas". Quais seriam? A pesada agenda da semana, que incluiu importantes indicadores e o início da fase de balanços corporativos. Mas, chegando na sexta-feira e sem motivos palpáveis que sustentassem a alta da semana, o mercado se rendeu à desvalorização. Internamente, o Ibovespa encerrou a semana com quedas em torno de 2%. Em relação aos dados econômicos, os mais relevantes vieram da China, evidenciando que o crescimento econômico se desacelerou, na medida em que os gastos públicos de estímulo continuaram a diminuir gradualmente e a economia começou a sentir os efeitos dos controles sobre os empréstimos bancários e a especulação imobiliária. O Produto Interno Bruto (PIB) cresceu 10,3% no segundo trimestre em relação ao mesmo período do ano passado, comparado a uma taxa de 11,9% no primeiro trimestre. A produção industrial e as vendas no varejo também mostraram um crescimento menos expressivo. O desempenho econômico da China é observado com atenção em todo o mundo, em meio aos sinais de que o enfraquecimento da recuperação nas economias dos EUA e da Europa pode estar comprometendo o crescimento global. Com a China reprimindo sua expansão, espalha-se o “desgosto” de que ela ajudará menos a retomada econômica mundial. No cenário americano, os indicadores também decepcionaram, deixando mais claro o cenário esperado de desaceleração da economia americana nesse segundo semestre. Os números mais esperados eram de produção industrial, que apresentaram um crescimento de somente 0,1% em relação ao mês passado. A boa notícia é que ele veio ligeiramente melhor que as expectativas de queda de 0,1%. Mas, tivemos vários outros dados que vieram negativos, como os índices regionais de atividade, confiança dos consumidores e vendas no varejo. O que sustentou os mercados nessa semana foram os resultados corporativos americanos. A Alcoa abriu a temporada, apresentando números melhores que o esperado, seguida dos balanços positivos da Intel, Bank of America, Citigroup e GE. Até agora, entre as gigantes companhias americanas, a única que teve seu balanço abaixo das estimativas foi o Google. Para esta semana a agenda internacional é mais branda, inclusive nos Estados Unidos, mas os poucos indicadores do setor imobiliário que serão divulgados têm o poder de manter os mercados em tendência cautelosa, pois reforçam a avaliação da atividade econômica mais fraca no país nos próximos meses. Sem os estímulos governamentais, o setor imobiliário tem dificuldade de manter o ritmo de expansão observado até então, dada a fragilidade dos mercados de trabalho e crédito. Além da agenda, as atenções estarão voltadas para os resultados corporativos, e por fim, estará no foco das atenções, o teste de estresse dos bancos europeus, cujo resultado será divulgado no dia 23 de julho. No campo doméstico, o destaque é a reunião do Copom, para definir a taxa. Diante dos sinais de desaceleração da economia e inflação corrente muito benigna, o mercado começa a dividir as opiniões se o aumento da Selic será em 0,5% ou 0,75%, trazendo mais expectativa em torno da reunião do Copom, que se encerra na quarta-feira (21). Variações da Semana
  3. 3. PANORAMA SEMANAL Agenda da Semana - Indicadores Horário País Indicador Período Unidade Estimativa Anterior Segunda-Feira, 19/07/2010 05:00 Zona do Euro Transações Correntes mai/10 EUR Bilhões - -5,1 07:00 Brasil FIPE: IPC (2ª Quadrissemana) jul/10 (% ) MoM - 0,1 08:30 Brasil Banco Central: Boletim Focus jul/10 nº índice - - 11:00 Brasil MDIC: Balança Comercial Semanal 18/jul USD Milhões - - - Brasil SERASA: Dem. das Empresas por Crédito jun/10 nº índice - 103,6 - Brasil BOVESPA: Vencto. de Opções sobre Ações - - - - 17:30 XP Investimentos BHG - Apresentação no Lector Terça-Feira, 20/07/2010 02:00 Japão Indicadores Antecedentes mai/10 nº índice - 98,7 / 101,2 03:00 Alemanha Preços ao Produtor jun/10 (% ) MoM / YoY 0,2 / 1,2 0,3 / 0,9 08:00 Brasil FGV: IGP-M (2ª Prévia) jul/10 (% ) MoM - - 09:00 Brasil IBGE: IPCA-15 jul/10 (% ) MoM 0,08 0,19 09:30 EUA Inicio de construções / Permissão para construir jun/10 (% ) MoM 2,9 / 4,5 -10,0 / -5,9 - Brasil SERASA: Cheques sem fundo jun/10 - - - Quarta-Feira, 21/07/2010 05:30 Reino Unido Ata do BoE - - - - 11:00 EUA Estoques de Petróleo 16/jul Mil Barris - -5058K 12:30 Brasil Fluxo Cambial Semanal 16/jul USD Milhões - - Brasil Copom - Taxa de Juros - (% ) a.a. 11 10,25 Quinta-Feira, 22/07/2010 04:00 Zona do Euro Índice de Manufatura (Preliminar) jul/10 nº índice 55,2 55,6 04:00 Alemanha Índice de Manufatura (Preliminar) jul/10 nº índice 58 58,4 05:30 Reino Unido Vendas no Varejo jun/10 (% ) MoM / YoY 0,5/ 1,0 0,6 / 2,2 06:00 Zona do Euro Novos pedidos industriais mai/10 (% ) MoM / YoY -0,2 / 19,5 0,9 / 22,1 08:00 Brasil FGV: Sondagem do Consumidor jul/10 nº índice - 118,5 09:00 Brasil IBGE: Taxa de Desemprego jun/10 (% ) 7,5 7,5 09:30 EUA Pedidos de Auxílio Desemprego 17/jul Mil pedidos 460 429 11:00 EUA Indicadores Antecedentes jun/10 (% ) MoM -0,3 0,4 11:00 EUA Vendas de casas existentes jun/10 (% ) MoM -8,1 -2,2 11:00 Zona do Euro Confiança do Consumidor jul/10 nº índice -17 -17 - Brasil TESOURO: Leilão Trad. - LTN, LFT e NTN-F - - - - - Brasil TESOURO: Resgate Antecipado - NTN-F - - - - Sexta-Feira, 23/07/2010 05:00 Alemanha Indicador de clima dos negócios jul/10 nº índice 101,5 101,8 05:30 Reino Unido PIB II/10 (% ) QoQ / YoY 0,6 / 1,1 0,3 / -0,2 08:00 Brasil FGV: IPC-S (3ª Quadrissemana) jul/10 (% ) MoM - - - Brasil SERASA: Indicador de Ativ. Econômica jun/10 - - - *Clientes que queiram participar dos eventos do Lector – compareçam ao escritório da XP mais próximo!
  4. 4. PANORAMA SEMANAL Reforma Financeira Americana Na semana que passou o senado americano aprovou a mais importante reforma do sistema financeiro americano desde a grande depressão de 1930. Foi mais uma vitória política importante do governo Obama, que está com sua popularidade em baixa em virtude da desaceleração econômica e das altas taxas de desemprego vigentes no país. A reforma do sistema financeiro americano tornou-se imprescindível após a crise que o país enfrentou em 2008. O projeto de lei com mais de 2300 páginas foi todo desenhado para dar maior controle sobre o sistema financeiro americano. O texto aprovado tem várias mudanças importantes, dentre as quais podemos destacar o maior poder de regulação do FED (Banco Central americano) sobre o sistema financeiro, controle sobre os produtos de derivativos e a “Regra Volker” que estabelece que bancos comerciais não poderão mais assumir riscos nos mercados de renda variável. O FED passa a ser uma espécie de supervisor geral, o que claramente ajudará a aumentar o grau de sinergias entre os responsáveis por regular e fiscalizar os mercados. Haverá avanço na qualidade da supervisão e elevação da transparência, criação de regras e fiscalização para aqueles produtos que estavam praticamente sem supervisão. No entanto, ainda existem vários aspectos a serem esclarecidos, que trazem incertezas em relação ao que está por vir e de que forma essa regulamentação será implementada. Vale notar que riscos e crises fazem parte da evolução econômica. Neste sentido, as autoridades devem estar sempre atentas às novidades do mercado, investigar seus riscos e, se necessário, tomar medidas preventivas ou corretivas. Mas, se houver exagero nos mecanismos de controle dos negócios, no caso atual, os bancos americanos podem perder competitividade, quebrando parte da dinâmica do capitalismo. Em uma entrevista, o ex-presidente do Banco Central, Gustavo Loyola exemplifica: “Os carros hoje são muito mais perigosos que os do início do século XX. Em sua evolução, eles se tornaram espantosamente mais potentes e velozes. Conseqüentemente, causam estragos maiores também. Em compensação, possuem hoje muito mais itens de segurança. Aí, eu pergunto. O que as pessoas vão preferir? Os carros de hoje ou os do século passado? Ocorre a mesma coisa com a indústria financeira. O grande risco é justamente o de destruir ou diminuir o ritmo natural do progresso da intermediação financeira, aumentar seus custos, etc.” Em uma primeira análise, esta reforma trará mais burocracias e engessamento ao sistema financeiro, o que acarretará em menos dinheiro circulando, em menos crédito ao mercado e menos negócios aos participantes. Pelo menos é assim que o mercado interpretou nos primeiros dias após a aprovação da reforma. Porém, acreditamos que no médio/longo prazo esta reforma é essencial para trazer segurança e credibilidade ao um sistema que sofreu sérios abalos em sua estrutura na última crise que enfrentamos. Mas, não descartamos os riscos de que a proibição ou uma excessiva regulação de operações especulativas podem incentivar os investidores e instituições a encontrar novas formas de realizar suas operações, sobretudo em mercados novos, com fiscalização e regras mais frouxas.
  5. 5. PANORAMA SEMANAL Análise Semanal Ibovespa O Ibovespa está em um triângulo, com resistência em 63.800 e suporte nos 60.900. A tendência atual está indefinida, e o rompimento do triângulo deve dar a direção da nova tendência. A indefinição também aparece nos indicadores, assim como o volume vem diminuindo, as médias móveis mostram a indefinição começando a cruzar e descruzar. Na semana passada o índice fechou abaixo do suporte de uma congestão de curto prazo em 62.700, e abaixo das linhas das médias móveis, que estão cruzadas para alta, trazendo um padrão negativo para a bolsa caso permaneça abaixo dos 62.700. Se voltar a subir pode testar o topo do triângulo ou o topo anterior nos 65.800. SP500 O SP500 fechou a semana passada respeitando a resistência de uma LTB (linha de tendência baixista) nos 1.100 pontos, o que pode testar suportes em 1.040 ou 1.010 pontos. As médias cruzaram para baixa na última barra que formou um Candle também baixista chamado Morubozu, aumentando a probabilidade de queda na semana que entra, mas se o mercado reagir e voltar a subir, pode deixar novo suporte em 1.063 e testar os 1.100 ou 1.131 no topo anterior.
  6. 6. PANORAMA SEMANAL Petróleo Futuro O Petróleo futuro está testando a resistência de um triângulo nos 78,15, que se for superada pode testar resistências em 78,55 ou 83,00. Se não subir, pode recuar para suportes em 74,25 ou 72,25 no fundo do triângulo ou o Pivô de baixa deixado nos 71,09. As médias estão cruzadas para alta e o volume tem sido melhor nas altas favorecendo o rompimento para cima do triângulo. Dólar Comercial O Dólar comercial fechou a semana em alta, deixando suportes em 1,751 e 1,725, e rompeu a média de 9 sinalizando uma possível recuperação para cima no curto prazo, aonde pode testar resistências em 1,813 ou 1,836 aonde ficou um GAP. O movimento altista ganha mais força com a linha de suporte inclinada para cima.
  7. 7. PANORAMA SEMANAL Para mais informações contate o seu assessor XP ou acesse nosso chat diário - www.xpi.com.br XP Investimentos - Área de Análise www.xpi.com.br Rio de Janeiro | RJ Av. das Américas 3434 | Bloco 7 | 2º andar DISCLOSURE 1. O atendimento de nossos clientes pessoas físicas e jurídicas (não-institucionais) é realizado por escritórios parceiros de agentes autônomos de investimento. Todos os agentes autônomos de investimento que atuam através da XP Investimentos CCTVM S/A (“XP Investimentos Corretora”) encontram-se devidamente registrados na Comissão de Valores Mobiliários. A relação completa dos agentes autônomos vinculados à XP Investimentos Corretora pode ser consultada no site www.cvm.gov.br <http://www.cvm.gov.br/> > Agentes Autônomos > Relação dos Agentes Autônomos contratados por uma Instituição Financeira > Corretoras > XP Investimentos. Na forma da legislação da CVM, o agente autônomo de investimento não pode administrar ou gerir o patrimônio de investidores. O agente autônomo é um intermediário e depende da autorização prévia do cliente para realizar operações no mercado financeiro. 2. Este relatório foi elaborado pela XP Investimentos CCTVM S/A (´XP Investimentos Corretora´) e tem como único propósito fornecer informações que possam ajudar o investidor a tomar sua decisão de investimento. Este relatório não constitui oferta ou solicitação de compra ou venda de qualquer instrumento financeiro. As informações contidas neste relatório são consideradas confiáveis na data da divulgação deste relatório e foram obtidas de fontes públicas consideradas confiáveis. 3. Rossano Foresti Oltramari (´Rossano´), analista de investimento responsável pela elaboração deste relatório, em conformidade ao artigo 5º, na Instrução Normativa/CVM 388/03, declara: - que as recomendações expressas neste relatório refletem única e exclusivamente suas opiniões pessoais e foram produzidas de forma independente e autônoma, incluindo no que se refere à XP Investimentos Corretora; - que não mantém vínculo com qualquer pessoa natural que atue no âmbito das companhias cujos valores mobiliários foram objeto de análise no relatório divulgado; - que detém participação indireta no capital social da XP Investimentos Corretora, mas referida sociedade nem os clubes de investimentos por ela administrados possuem participação acionária direta ou indireta igual ou superior a 1% (um por cento) do capital social de quaisquer das companhias cujos valores mobiliários foram alvo de análise no relatório divulgado, estando a corretora, contudo, envolvida, na atividade de intermediação de tais valores mobiliários no mercado; - que não é titular, direta ou indiretamente, de valores mobiliários de emissão da companhia objeto de sua análise, que representem 5% (cinco por cento) ou mais de seu patrimônio pessoal, nem está envolvido na aquisição, alienação e intermediação de tais valores mobiliários no mercado; - que nem ele nem a XP Investimentos Corretora recebem remuneração por serviços prestados ou apresenta relações comerciais com qualquer das companhias cujos valores mobiliários foram alvo de análise no relatório divulgado, ou pessoa natural ou pessoa jurídica, fundo ou universalidade de direitos, que atue representando o mesmo interesse desta companhia; - que sua remuneração não está atrelada à precificação de quaisquer dos valores mobiliários emitidos por companhias analisadas no relatório, ou às receitas provenientes dos negócios e operações financeiras realizadas pela instituição a qual está vinculado. Contudo, considerando que Rossano participa, de forma indireta, no capital social da XP Investimento Corretora, as receitas provenientes dos negócios e operações financeiras realizadas pela referida corretora, porque impactam o resultado da empresa, lhe trazem benefício econômico. 4. Os instrumentos financeiros discutidos neste relatório podem não ser adequados para todos os investidores. Este relatório não leva em consideração os objetivos de investimento, situação financeira ou necessidades específicas de cada investidor. Os investidores devem obter orientação financeira independente, com base em suas características pessoais, antes de tomar uma decisão de investimento. A rentabilidade de instrumentos financeiros pode apresentar variações, e seu preço ou valor pode aumentar ou diminuir. Os desempenhos anteriores não são necessariamente indicativos de resultados futuros e nenhuma declaração ou garantia, de forma expressa ou implícita, é feita neste relatório em relação a desempenhos futuros. A XP Investimentos Corretora se exime de qualquer responsabilidade por quaisquer prejuízos, diretos ou indiretos, que venham a decorrer da utilização deste relatório ou seu conteúdo. 5. Este relatório não pode ser reproduzido ou redistribuído para qualquer pessoa, no todo ou em parte, qualquer que seja o propósito, sem o prévio consentimento por escrito da XP Investimentos Corretora. Informações adicionais sobre os instrumentos financeiros discutidos neste relatório se encontram disponíveis quando solicitadas. 6. O analista Rossano é, ainda, sócio da empresa de administração de recursos XP Gestão de Recursos Ltda. (´XP Gestão´). Não há, contudo, interferência dele na administração ou nos processos de tomada de decisão de investimento da XP Gestão. Os relatórios/análises de Rossano não influenciam ou são influenciados, sob qualquer forma, pelas posições assumidas pela XP Gestão. 7. A Ouvidoria da XP Investimentos Corretora tem a missão de servir de canal de contato sempre que os clientes que não se sentirem satisfeitos com as soluções dadas pela empresa a seus problemas. Para contato, ligue 0800 725 5534.

×