Your SlideShare is downloading. ×
Panorama semanal 120710
Panorama semanal 120710
Panorama semanal 120710
Panorama semanal 120710
Panorama semanal 120710
Panorama semanal 120710
Panorama semanal 120710
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×
Saving this for later? Get the SlideShare app to save on your phone or tablet. Read anywhere, anytime – even offline.
Text the download link to your phone
Standard text messaging rates apply

Panorama semanal 120710

410

Published on

Published in: Business, Technology
0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total Views
410
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
1
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. PANORAMA SEMANAL VEJA NESTA EDIÇÃO Macroeconomia e Mercados – Como encerramos a segunda semana de Julho Agenda Econômica Expectativas para o PIB brasileiro do segundo trimestre Fique de Olho – Análise Técnica (Ibovespa, S&P 500, Dólar e Petróleo)
  • 2. PANORAMA SEMANAL 12 de Julho de 2010 Macroeconomia a Mercados Semana passada foi curta. O mercado americano não abriu na segunda-feira e a bolsa brasileira encerrou a semana na quinta-feira, com os negócios fechados na sexta por causa do feriado em São Paulo, referente a revolução constitucionalista. A semana foi mais de projeções e expectativas, com fatos e indicadores deixados um pouco de lado. A agenda mais tranqüila deu espaço para os investidores olharem para o cenário macroeconômico. Na tentativa de equilibrar o otimismo com o medo de uma nova recessão, o mercado operou mais uma vez com a volatilidade ditando o clima dos negócios. Para o Ibovespa, o bom humor imperou e a bolsa brasileira encerrou com ganhos de 3,33%. Dentre as notícias que tivemos, os protagonistas foram China e Europa. Em relação ao gigante asiático (aparentemente tudo na China é em grandes proporções), o destaque é uma oferta inicial de ações de um banco estatal (AgBank), que pode chegar a bater recorde mundial, se captar mais de US$ 20 bilhões. Em relação a Europa, o destaque ficou por conta das expectativas dos testes de estresse que estão sendo feitos no sistema financeiro da região. O mercado aguarda ansioso esses resultados, uma vez que eles trarão mais transparência em relação a atual situação dos bancos da região. No âmbito americano, tivemos alguns indicadores - em linhas gerais os dados vieram conforme o esperado e não serviram como market mover para as bolsas. O que está no radar dos Estados Unidos é o início da safra de balanços corporativos referentes ao segundo trimestre de 2010. Nessa semana, projeções mais otimistas em relação aos resultados dos bancos impulsionaram as ações do setor nas bolsas americanas. Internamente o destaque ficou por conta do IPCA, principal indicador de inflação da economia brasileira, que surpreendeu positivamente o mercado ao mostrar estabilidade em relação ao mês anterior. Para a próxima semana, os investidores devem continuar ponderando os dados que saem, mas também ficam atentos as notícias de conjuntura. É de se esperar que a cautela predomine no comportamento nos mercados neste mês, dada (a) a espera pelos resultados do teste de estresse que estão sendo conduzidos com bancos europeus, (b) a expectativa em relação à rolagem do pesado vencimento de dívida da Espanha em julho, para o qual existe o planejamento de emitir 32 bilhões de euros para um prazo de 10 anos, (c) expectativa em relação à segunda tranche de liberação de recursos para a Grécia e (d) evidências de desaceleração da atividade econômica mundial, com sinais mais claros vindos de China e Estados Unidos. Ou seja, não há motivos para euforia. Essa semana terá também o inicio da temporada de balanços, tanto nos Estados Unidos quanto aqui, ajudando os investidores a analisar a saúde das empresas em meio a essa retomada da atividade econômica, e em termos de indicadores econômicos a China rouba a cena essa semana, anunciado o PIB, dados de produção industrial e inflação. Variações da Semana
  • 3. PANORAMA SEMANAL Agenda da Semana - Indicadores Horário País Indicador Período Unidade Estimativa Anterior Segunda-Feira, 12/07/2010 05:30 Reino Unido PIB (Revisão Final) I/10 (% ) QoQ / YoY 0,3 / -0,2 0,4 / -3,1 07:00 Brasil FIPE: IPC (1ª Quadrissemana) jul/10 (% ) MoM - -0,08 08:30 Brasil Banco Central: Boletim Focus 09/jul - - - 11:00 Brasil ANFAVEA: Vendas e Produção de Veículos jun/10 - - - 11:00 Brasil MDIC: Balança Comercial Semanal 11/jul USD Milhões - 224 - Brasil SERASA: Inadimplência do Consumidor jun/10 nº índice - 97,79 Terça-Feira, 13/07/2010 01:30 Japão Produção Industrial mai/10 (% ) MoM / YoY - 1,3 / 25,9 02:00 Japão Confiança do Consumidor jun/10 nº índice 42,5 42,7 05:30 Reino Unido Preços ao Consumidor jun/10 (% ) MoM / YoY 0,1 / 3,2 0,2 / 3,4 06:00 Alemanha Índice de Sentimento Econômico jul/10 nº índice 25,3 28,7 09:00 Brasil IBGE: Vendas no Varejo mai/10 (% ) MoM / YoY 1,8 / 10,7 -3,0 / 9,1 09:30 EUA Balança Comercial mai/10 USD Bilhões -39 -40,3 15:00 EUA Orçamento Mensal jun/10 USD Bilhões -69,5 -135,9 15:00 Brasil FIESP: Índice de Emprego (1ª Quinzena) jun/10 - - - - Brasil TESOURO: Leilão Tradicional - NTN-B - - - - - Brasil TESOURO: Resgate Antecipado - NTN-B - - - - Quarta-Feira, 14/07/2010 06:00 Zona do Euro Preços ao Consumidor jun/10 (% ) MoM / YoY 0,0 / 1,4 0,1 / 1,4 06:00 Zona do Euro Produção Industrial mai/10 (% ) MoM / YoY 1,2 / 11,4 0,8 / 9,5 09:30 EUA Vendas no Varejo jun/10 (% ) MoM -0,2 -1,2 11:00 EUA Estoque das Empresas mai/10 (% ) MoM 0,3 0,4 11:30 EUA Estoques de Petróleo 09/jul - - -4961K 12:30 Brasil Fluxo Cambial Semanal 09/jul USD Milhões - -736 15:00 EUA Ata do FOMC - - - - 17:00 Brasil Arrecadação Federal jun/10 BRL Milhões 64120 61114 23:00 China PIB II/10 (% ) YoY 10,5 11,9 23:00 China Produção Industrial jun/10 (% ) YoY 15,1 16,5 23:00 China Vendas no Varejo jun/10 (% ) YoY 18,8 18,7 23:00 China Preços ao Consumidor jun/10 (% ) YoY 3,3 3,1 - Brasil SERASA: Perspectivas de Inadimplência mai/10 - - - - Brasil TESOURO: Leilão de Troca - NTN-B - - - - Quinta-Feira, 15/07/2010 09:30 EUA Inflação ao Produtor (PPI) jun/10 (% ) MoM / YoY 0,1 / 1,1 -0,3 / 5,3 09:30 EUA Pedidos de Auxílio Desemprego 10/jul Em Milhares 447 454 09:30 EUA NY Fed - Índice de Manufatura jul/10 nº índice 18 19,57 10:15 EUA Produção Industrial jun/10 (% ) MoM -0,1 1,3 10:15 EUA Utilização da Capacidade Instalada jun/10 (% ) 74,2 74,1 11:00 EUA Philadelphia Fed - Índice de Manufatura jul/10 nº índice 10 8 - Japão Reunião do BoJ - Taxa de Juros - (% ) a.a. 0,1 0,1 - Brasil TESOURO: Leilão Tradicional - LTN e NTN-F - - - - Sexta-Feira, 16/07/2010 06:00 Zona do Euro Balança Comercial mai/10 EUR Bilhões - 1,8 08:00 Brasil FGV: IGP-10 jul/10 (% ) MoM 0,36* 1,3 08:00 Brasil FGV: IPC-S (2ª Quadrissemana) jul/10 (% ) MoM 0,10* -0,08 09:30 EUA Inflação ao Consumidor (CPI) jun/10 (% ) MoM -0,1 / 1,2 -0,2 / 2,0 10:00 EUA Treasury International Capital Flows mai/10 USD Bilhões - 15 10:55 EUA Confinça do Consumidor - Univ. de Michigan jul/10 nº índice 74 76 11:00 México Reunião do Banxico - Taxa de Juros - (% ) a.a. 4,5 4,5
  • 4. PANORAMA SEMANAL Expectativas para o PIB brasileiro do segundo trimestre Segundo projeções, a economia brasileira deve retornar para a trajetória de crescimento a partir do segundo semestre de 2010 em um ritmo menor que o observado no início do ano. Os principais indicadores de atividade econômica já divulgados vêm mostrando expressiva desaceleração da atividade brasileira no segundo trimestre deste ano. Dados de produção industrial e comércio varejista mostraram desaceleração, revertendo a tendência de forte crescimento observada nos primeiros meses do ano. Nesse contexto, surgem dúvidas sobre os rumos de atividade ao longo do segundo semestre e também do próximo ano. Os números bastantes expressivos observados no início do ano, evidenciados por um crescimento de 2,7% do PIB no primeiro trimestre, devem ser entendidos como pontuais. Apesar dos bons fundamentos da economia brasileira, boa parte da forte expansão no início do ano estava fortemente ligada aos incentivos fiscais e monetários implementados desde o início da crise econômica. Adicionalmente, por conta do anúncio do fim dos benefícios fiscais, um forte processo de antecipação de consumo impulsionou comércio e produção naquele período. Por essa razão, a partir do segundo semestre, nossa expectativa é de que a atividade volte a crescer baseada em fundamentos como massa salarial e confiança, de forma que deve mostrar números mais modestos dos que os vistos no começo do ano, porém, mais sustentáveis. Segundo projeções, o PIB deve crescer 0,4% no segundo trimestre, e em média 1,2% nos trimestres seguintes, resultando em uma expansão anual de 6,6% do PIB brasileiro. Na abertura do produto interno bruto brasileiro, esperamos que pelo lado da oferta os destaques continuem sendo o PIB industrial e de serviços. O PIB industrial será determinado, principalmente, pelos componentes da indústria de transformação e construção civil. A indústria de transformação deve continuar reagindo à demanda doméstica, enquanto a construção civil, ao mercado imobiliário aquecido com boas condições de crédito e aos investimentos em infra-estrutura. Já na abertura pelo lado da demanda, os principais componentes que devem contribuir mais para o crescimento da economia brasileira são o consumo das famílias e os investimentos. Nesse cenário, merece destaque a forte retomada de investimentos na economia brasileira, trajetória que vem se mantendo consistente mesmo com a desaceleração do consumo no segundo trimestre. No entanto, a contribuição externa deve permanecer negativa, como vem ocorrendo nos últimos anos - o crescimento da economia brasileira acima da expansão global deve continuar determinando o crescimento das importações acima do das exportações. Em suma, a economia brasileira deve retornar para a trajetória de crescimento a partir do segundo semestre em um ritmo menor do que o observado no início do ano. Os condicionantes de demanda doméstica são muito positivos e, mesmo que sofram desaceleração com o fim dos incentivos fiscais e o aperto monetário promovido pelo Banco Central, deve sustentar a expansão da economia brasileira no curto prazo.
  • 5. PANORAMA SEMANAL Análise Semanal IBOVESPA O Ibovespa, nesta curta semana brasileira, definiu um padrão altista por CANDLE em 01 de julho. Esta formação é valida enquanto permanecer acima dos 60.000, e voltou a fazer topo e fundos ascendentes, o que pode testar os 64.400 ou 65.830. Para baixo tem suportes em 61.800 e 60.000. Pelo lado dos indicadores, o IFR, o estocástico, o OBV e o ADX fecharam com sinais altistas e as médias voltaram a cruzar para alta, reforçando a tendência altista. S&P500 O S&P foi testar um suporte em 1000 pontos deixado em novembro de 2008, e após esse teste voltou a subir rompendo a resistência nos 1040, e pode testar as próximas em 1100 em uma LTB ou em 1130 no último pivô de alta. Pelo lado dos indicadores, tanto o estocástico como o IFR fecharam altistas, sugerindo o teste das resistências.
  • 6. PANORAMA SEMANAL PETRÓLEO O Petróleo também fechou em alta, deixando suporte em 71,00, e se passar da resistência em 75,50 pode testar níveis de 80,00 ou 83,00. Os indicadores como estocásticos e IFR fecharam altistas reforçando o movimento de alta. Caso o mercado perca força pode testar níveis de 69,50 ou 67,15. DÓLAR O Dólar comercial está perto de suporte em 1,755, que se for respeitado pode levar a testar resistências em 1,792 ou 1,858 aonde ficou um GAP, (um hiato de preços sem negociação ) que pode vir a ser fechado, mas se perder os 1,755, poderia recuar para suportes em 1,717 ou 1,699. Por médias móveis o mercado está em tendência de baixa, já os indicadores estão indefinidos.
  • 7. PANORAMA SEMANAL Para mais informações contate o seu assessor XP ou acesse nosso chat diário - www.xpi.com.br XP Investimentos - Área de Análise www.xpi.com.br Rio de Janeiro | RJ Av. das Américas 3434 | Bloco 7 | 2º andar DISCLOSURE 1. O atendimento de nossos clientes pessoas físicas e jurídicas (não-institucionais) é realizado por escritórios parceiros de agentes autônomos de investimento. Todos os agentes autônomos de investimento que atuam através da XP Investimentos CCTVM S/A (“XP Investimentos Corretora”) encontram-se devidamente registrados na Comissão de Valores Mobiliários. A relação completa dos agentes autônomos vinculados à XP Investimentos Corretora pode ser consultada no site www.cvm.gov.br <http://www.cvm.gov.br/> > Agentes Autônomos > Relação dos Agentes Autônomos contratados por uma Instituição Financeira > Corretoras > XP Investimentos. Na forma da legislação da CVM, o agente autônomo de investimento não pode administrar ou gerir o patrimônio de investidores. O agente autônomo é um intermediário e depende da autorização prévia do cliente para realizar operações no mercado financeiro. 2. Este relatório foi elaborado pela XP Investimentos CCTVM S/A (´XP Investimentos Corretora´) e tem como único propósito fornecer informações que possam ajudar o investidor a tomar sua decisão de investimento. Este relatório não constitui oferta ou solicitação de compra ou venda de qualquer instrumento financeiro. As informações contidas neste relatório são consideradas confiáveis na data da divulgação deste relatório e foram obtidas de fontes públicas consideradas confiáveis. 3. Rossano Foresti Oltramari (´Rossano´), analista de investimento responsável pela elaboração deste relatório, em conformidade ao artigo 5º, na Instrução Normativa/CVM 388/03, declara: - que as recomendações expressas neste relatório refletem única e exclusivamente suas opiniões pessoais e foram produzidas de forma independente e autônoma, incluindo no que se refere à XP Investimentos Corretora; - que não mantém vínculo com qualquer pessoa natural que atue no âmbito das companhias cujos valores mobiliários foram objeto de análise no relatório divulgado; - que detém participação indireta no capital social da XP Investimentos Corretora, mas referida sociedade nem os clubes de investimentos por ela administrados possuem participação acionária direta ou indireta igual ou superior a 1% (um por cento) do capital social de quaisquer das companhias cujos valores mobiliários foram alvo de análise no relatório divulgado, estando a corretora, contudo, envolvida, na atividade de intermediação de tais valores mobiliários no mercado; - que não é titular, direta ou indiretamente, de valores mobiliários de emissão da companhia objeto de sua análise, que representem 5% (cinco por cento) ou mais de seu patrimônio pessoal, nem está envolvido na aquisição, alienação e intermediação de tais valores mobiliários no mercado; - que nem ele nem a XP Investimentos Corretora recebem remuneração por serviços prestados ou apresenta relações comerciais com qualquer das companhias cujos valores mobiliários foram alvo de análise no relatório divulgado, ou pessoa natural ou pessoa jurídica, fundo ou universalidade de direitos, que atue representando o mesmo interesse desta companhia; - que sua remuneração não está atrelada à precificação de quaisquer dos valores mobiliários emitidos por companhias analisadas no relatório, ou às receitas provenientes dos negócios e operações financeiras realizadas pela instituição a qual está vinculado. Contudo, considerando que Rossano participa, de forma indireta, no capital social da XP Investimento Corretora, as receitas provenientes dos negócios e operações financeiras realizadas pela referida corretora, porque impactam o resultado da empresa, lhe trazem benefício econômico. 4. Os instrumentos financeiros discutidos neste relatório podem não ser adequados para todos os investidores. Este relatório não leva em consideração os objetivos de investimento, situação financeira ou necessidades específicas de cada investidor. Os investidores devem obter orientação financeira independente, com base em suas características pessoais, antes de tomar uma decisão de investimento. A rentabilidade de instrumentos financeiros pode apresentar variações, e seu preço ou valor pode aumentar ou diminuir. Os desempenhos anteriores não são necessariamente indicativos de resultados futuros e nenhuma declaração ou garantia, de forma expressa ou implícita, é feita neste relatório em relação a desempenhos futuros. A XP Investimentos Corretora se exime de qualquer responsabilidade por quaisquer prejuízos, diretos ou indiretos, que venham a decorrer da utilização deste relatório ou seu conteúdo. 5. Este relatório não pode ser reproduzido ou redistribuído para qualquer pessoa, no todo ou em parte, qualquer que seja o propósito, sem o prévio consentimento por escrito da XP Investimentos Corretora. Informações adicionais sobre os instrumentos financeiros discutidos neste relatório se encontram disponíveis quando solicitadas. 6. O analista Rossano é, ainda, sócio da empresa de administração de recursos XP Gestão de Recursos Ltda. (´XP Gestão´). Não há, contudo, interferência dele na administração ou nos processos de tomada de decisão de investimento da XP Gestão. Os relatórios/análises de Rossano não influenciam ou são influenciados, sob qualquer forma, pelas posições assumidas pela XP Gestão. 7. A Ouvidoria da XP Investimentos Corretora tem a missão de servir de canal de contato sempre que os clientes que não se sentirem satisfeitos com as soluções dadas pela empresa a seus problemas. Para contato, ligue 0800 725 5534.

×