Your SlideShare is downloading. ×
Dinamica Da Agua Viva Jose Eduardo E Kleilma
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×

Introducing the official SlideShare app

Stunning, full-screen experience for iPhone and Android

Text the download link to your phone

Standard text messaging rates apply

Dinamica Da Agua Viva Jose Eduardo E Kleilma

16,211
views

Published on

Published in: Spiritual

0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total Views
16,211
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
1
Actions
Shares
0
Downloads
39
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. O encontro que gera vida. "Quem bebe desta água vai ter sede de novo. Mas aquele que beber a água que eu vou dar esse nunca mais terá sede. E a água que eu lhe darei, vai se tornar dentro dele uma fonte de água que jorra para a vida eterna." (Jo. 4, 13s) Boas Vindas •Agradecimento pela presença de todos e principalmente a presença de Jesus •Pedir por aqueles que não puderam vir •Preparar a todos para o clima de oração Vamos iniciar nosso encontro com um rito bem simples e que tem por finalidade recordar nosso Batismo. Vamos lembrar nesse rito dois momentos, a água e o sinal da cruz. Unindo os dois, estaremos nos aproximando ainda mais da santíssima trindade Todo o ser é tocado pela Trindade Por isso, proclamando que quem nos reúne é a Trindade santa, nós tocamos o nosso corpo em forma de cruz. Esse “toque” tem um sentido simbólico e espiritual profundo. Por ele, no fundo, testemunhamos que, pelo mistério pascal (cruz e ressurreição) fomos (e somos!) “tocados” pelo amor da Trindade. Ao fazer o sinal-da-cruz, asseguramos e antecipamos aquilo que celebramos na Eucaristia: que seremos tocados pelo amor de Cristo e que nada em nós fica excluído deste amor. NÓS ESTAMOS REUNIDOS ... Nossa glorificação foi para a Santíssima Trindade: ao Pai que é criador e nos chamou à vida; ao Filho que nos redimiu em sua cruz e ao Espírito de Amor que nos renova em sua graça. 3 – Invocação ao Espírito Santo Oração de invocação ao Espírito Santo Continuemos de pé ... e fiquemos em silencio enquanto ouvimos uma música INICIO DA DINAMICA Klei TOCA A MUSICA – FONTE DE ÁGUA VIVA Lavar a mãos dos casais Klei Fiquemos de joelhos e purificados pela água, peçamos a Deus para renovar nossa fé......., nosso animo de viver, ..........
  • 2. TOCA A MUSICA – RENOVA-ME José Eduardo A palavra “lavar” é derivada de uma raiz grega da palavra “baptizo”, que normalmente é traduzida como “batizado”. A palavra “purificação” é usada como baptismos, que normalmente é traduzida como “batismo”. E disse-lhes Pedro: Arrependei-vos, e cada um de vós seja batizado em nome de Jesus Cristo, para perdão dos pecados; e recebereis o dom do Espírito Santo. Porque a promessa vos diz respeito a vós, a vossos filhos, e a todos os que estão longe; a tantos quantos Deus nosso Senhor chamar. Com água e terra, Deus molda o humano. Também o homem imprime seu caráter a tudo que faz. A experiência mostra: a mão, reflexo e extensão fiel do cérebro, exprime também as interações desse último com o exterior Depois de recordar nosso compromisso batismal, sendo lavados pela água e assinalando nossa fronte com a cruz de Cristo e de ter entendido a cruz como a prova máxima da realização da vontade do Pai, convidaMOS todos a rezar o Pai nosso... Oração do Pai nosso... Oração da Ave Maria.... Coloquemos neste momento santo nossas intenções e os motivos pelos quais viemos aqui Acende a luz embaixo da mesa Renovemos mais uma vez nossa fé reafirmando a mesma em Cristo Jesus rezando o Credo Leitura do Evangelho de João Comentários do texto de João 4,
  • 3. O tema da reflexão que nos propusemos a fazer é: “Quem beber desta água nunca mais terá sede”. Este trecho bíblico é retirado do Evangelho de João, ele faz parte do primeiro “bloco” de capítulos que chamados de “Primeiro sinal”, ou seja, o Evangelho de João é conhecido como “livro dos sinais”. João escreveu seu evangelho para a comunidade dos seguidores de Jesus Cristo de origem grega, mas especificamente pode-se dizer que foi para a comunidade dos cristãos de Éfeso, no final do século primeiro da era cristã. Essas informações são importantes, pois vamos entendendo o porquê de algumas imagens e informações que encontramos no evangelho atribuído a São João. O texto do encontro entre Jesus e a samaritana está entre os quatro primeiros capítulos do evangelho de João. O tempo dos sinais começa com o testemunho de João Batista: sobre quem era o Cristo, o “batismo na água” e o “batismo do espírito”, que ele pregava como caminho de salvação e de renovação no reino que chegava. João mesmo dá testemunho de que Jesus era o ungido, o Cristo. Depois o evangelho continua relatando o chamado dos primeiros discípulos, ou seja, as testemunhas que o acompanhariam no ministério de proclamação da salvação e da libertação do povo oprimido pelas ideologias e pela pressão das autoridades que dominavam em última instância a própria consciência das pessoas. Situação Versículo Texto Elementos Pedido de Jesus 7 Então chegou uma mulher da Samaria para tirar água. Culturais (os judeus Jesus lhe pediu: "Dê-me de beber." não se davam com Resposta da mulher 9 A samaritana perguntou: "Como é que tu, sendo os samaritanos – judeu, pedes de beber a mim, que sou samaritana?" marginalização e exclusão). Proposta de Jesus 10 Jesus respondeu: "Se você conhecesse o dom de Materiais, Deus, e quem lhe está pedindo de beber, você é que circunstanciais (ele lhe pediria. E ele daria a você água viva." não tinha balde e o Resposta da mulher 11 A mulher disse a Jesus: "Senhor, não tens um balde, e poço era profundo). o poço é fundo. De onde vais tirar a água viva?
  • 4. Proposta de Jesus 13-14 Jesus respondeu: "Quem bebe desta água vai ter sede Experiencial de novo. Mas aquele que beber a água que eu vou dar (síntese vital). A esse nunca mais terá sede. E a água que eu lhe darei, mulher compreende vai se tornar dentro dele uma fonte de água que jorra e ela agora pede a para a vida eterna." água viva. Pedido da mulher 15 A mulher disse a Jesus: "Senhor, dá-me dessa água, para que eu não tenha mais sede, nem precise vir aqui para tirar. A água que Jesus começa a falar não é mais aquela que sacia a sede física, mas a água que renova a vida e dá um sentido mais profundo à existência. No versículo dez, o evangelista usa o verbo conhecer. “Se conhecesse o dom de Deus, e quem lhe está pedindo...” O conhecimento de algo ou de alguém é fundamental para que o contato, o diálogo se tornasse mais pleno. O conhecimento passa por dois aspectos da razão humana: a sensibilidade (os sentidos) e a inteligência (intus leggere – ler a partir de dentro). Isso abarca toda a capacidade perceptiva da pessoa. Conhecer o dom de Deus e quem lhe pede, ou seja, o Messias - é o primeiro passo para uma renovação interior. Nos capítulos anteriores do Evangelho de João lemos que muitos iam atrás de Jesus pelo testemunho de João Batista e ali muitos eram batizados. O verbo conhecer está intimamente relacionado com o sentido de intimidade de vida. É ele quem dá a água viva, água da renovação, da mudança de vida e do encontro consigo mesmo, e com o Transcendente.
  • 5. . O Senhor soube que os fariseus tinham ouvido dizer que ele recrutava e batizava mais discípulos que João 2. (se bem que não era Jesus quem batizava, mas os seus discípulos). 3. Deixou a Judéia e voltou para a Galiléia. 4. Ora, devia passar por Samaria. 5. Chegou, pois, a uma localidade da Samaria, chamada Sicar, junto das terras que Jacó dera a seu filho José. 6. Ali havia o poço de Jacó. E Jesus, fatigado da viagem, sentou-se à beira do poço. Era por volta do meio-dia. 7. Veio uma mulher da Samaria tirar água. Pediu-lhe Jesus: Dá-me de beber. 8. (Pois os discípulos tinham ido à cidade comprar mantimentos.) 9. Aquela samaritana lhe disse: Sendo tu judeu, como pedes de beber a mim, que sou samaritana!... (Pois os judeus não se comunicavam com os samaritanos.) 10. Respondeu-lhe Jesus: Se conhecesses o dom de Deus, e quem é que te diz: Dá-me de beber, certamente lhe pedirias tu mesma e ele te daria uma água viva. 11. A mulher lhe replicou: Senhor, não tens com que tirá-la, e o poço é fundo... donde tens, pois, essa água viva? 12. És, porventura, maior do que o nosso pai Jacó, que nos deu este poço, do qual ele mesmo bebeu e também os seus filhos e os seus rebanhos? 13. Respondeu-lhe Jesus: Todo aquele que beber desta água tornará a ter sede, 14. mas o que beber da água que eu lhe der jamais terá sede. Mas a água que eu lhe der virá a ser nele fonte de água, que jorrará até a vida eterna. 15. A mulher suplicou: Senhor, dá-me desta água, para eu já não ter sede nem vir aqui tirá-la! 16. Disse-lhe Jesus: Vai, chama teu marido e volta cá. 17. A mulher respondeu: Não tenho marido. Disse Jesus: Tens razão em dizer que não tens marido. 18. Tiveste cinco maridos, e o que agora tens não é teu. Nisto disseste a verdade. 19. Senhor, disse-lhe a mulher, vejo que és profeta!... 20. Nossos pais adoraram neste monte, mas vós dizeis que é em Jerusalém que se deve adorar. 21. Jesus respondeu: Mulher, acredita-me, vem a hora em que não adorareis o Pai, nem neste monte nem em Jerusalém. 22. Vós adorais o que não conheceis, nós adoramos o que conhecemos, porque a salvação vem dos judeus. 23. Mas vem a hora, e já chegou, em que os verdadeiros adoradores hão de adorar o Pai em espírito e verdade, e são esses adoradores que o Pai deseja. 24. Deus é espírito, e os seus adoradores devem adorá-lo em espírito e verdade. 25. Respondeu a mulher: Sei que deve vir o Messias (que se chama Cristo); quando, pois, vier, ele nos fará conhecer todas as coisas. 26. Disse-lhe Jesus: Sou eu, quem fala contigo. 27. Nisso seus discípulos chegaram e maravilharam-se de que estivesse falando com uma mulher. Ninguém, todavia, perguntou: Que perguntas? Ou: Que falas com ela? 28. A mulher deixou o seu cântaro, foi à cidade e disse àqueles homens:
  • 6. 29. Vinde e vede um homem que me contou tudo o que tenho feito. Não seria ele, porventura, o Cristo? 30. Eles saíram da cidade e vieram ter com Jesus. 31. Entretanto, os discípulos lhe pediam: Mestre, come. 32. Mas ele lhes disse: Tenho um alimento para comer que vós não conheceis. 33. Os discípulos perguntavam uns aos outros: Alguém lhe teria trazido de comer? 34. Disse-lhes Jesus: Meu alimento é fazer a vontade daquele que me enviou e cumprir a sua obra. 35. Não dizeis vós que ainda há quatro meses e vem a colheita? Eis que vos digo: levantai os vossos olhos e vede os campos, porque já estão brancos para a ceifa. 36. O que ceifa recebe o salário e ajunta fruto para a vida eterna; assim o semeador e o ceifador juntamente se regozijarão. 37. Porque eis que se pode dizer com toda verdade: Um é o que semeia outro é o que ceifa. 38. Enviei-vos a ceifar onde não tendes trabalhado; outros trabalharam, e vós entrastes nos seus trabalhos. 39. Muitos foram os samaritanos daquela cidade que creram nele por causa da palavra da mulher, que lhes declarara: Ele me disse tudo quanto tenho feito. 40. Assim, quando os samaritanos foram ter com ele, pediram que ficasse com eles. Ele permaneceu ali dois dias. 41. Ainda muitos outros creram nele por causa das suas palavras. 42. E diziam à mulher: Já não é por causa da tua declaração que cremos, mas nós mesmos ouvimos e sabemos ser este verdadeiramente o Salvador do mundo. 43. Passados os dois dias, Jesus partiu para a Galiléia. 44. (Ele mesmo havia declarado que um profeta não é honrado na sua pátria.) 45. Chegando à Galiléia, acolheram-no os galileus, porque tinham visto tudo o que fizera durante a festa em Jerusalém; pois também eles tinham ido à festa. 46. Ele voltou, pois, a Caná da Galiléia, onde transformara água em vinho. Havia então em Cafarnaum um oficial do rei, cujo filho estava doente. 47. Ao ouvir que Jesus vinha da Judéia para a Galiléia, foi a ele e rogou-lhe que descesse e curasse seu filho, que estava prestes a morrer. 48. Disse-lhe Jesus: Se não virdes milagres e prodígios, não credes... 49. Pediu-lhe o oficial: Senhor, desce antes que meu filho morra! 50. Vai, disse-lhe Jesus, o teu filho está passando bem! O homem acreditou na palavra de Jesus e partiu. 51. Enquanto ia descendo, os criados vieram-lhe ao encontro e lhe disseram: Teu filho está passando bem. 52. Indagou então deles a hora em que se sentira melhor. Responderam-lhe: Ontem à sétima hora a febre o deixou. 53. Reconheceu o pai ser a mesma hora em que Jesus dissera: Teu filho está passando bem. E creu tanto ele como toda a sua casa. 54. Esse foi o segundo milagre que Jesus fez, depois de voltar da Judéia para a Galiléia.