Your SlideShare is downloading. ×
A imagem dos jornalistas no mercado do interior
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×
Saving this for later? Get the SlideShare app to save on your phone or tablet. Read anywhere, anytime – even offline.
Text the download link to your phone
Standard text messaging rates apply

A imagem dos jornalistas no mercado do interior

2,699
views

Published on

Este artigo apresenta uma análise sobre a relação entre o jornalismo e a sociedade na segunda maior cidade do interior baiano, Vitória da Conquista, localizada a 500 km de Salvador. Pretende-se …

Este artigo apresenta uma análise sobre a relação entre o jornalismo e a sociedade na segunda maior cidade do interior baiano, Vitória da Conquista, localizada a 500 km de Salvador. Pretende-se identificar qual a percepção da população conquistense acerca dos profissionais dessa área, os desafios dessa categoria quanto a atuação no interior do Estado e importância dos jornalistas para a sociedade como um todo. Para tanto, foi realizada uma pesquisa exploratória e quantitativa discursiva, que aponta o Jornalismo como uma “ciência” indispensável para a sociedade, no que se refere às primícias de formar e informar.

Published in: Education, Technology, Travel

0 Comments
1 Like
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total Views
2,699
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
46
Comments
0
Likes
1
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. A imagem dos jornalistas no mercado do interior Jádia Filadelfo BRITO1 Graduanda em Comunicação Social/Jornalismo Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia Maria Thaís Firmino da SILVA2 Graduanda em Comunicação Social/Jornalismo Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia Rafael de Almeida OLIVEIRA3 Graduando em Comunicação Social/Jornalismo Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia Roberta Kelly Otoni LIMA4 Graduanda em Comunicação Social/Jornalismo Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia Simara Oliveira ANDRADE5 Graduanda em Comunicação Social/Jornalismo Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia Francis José PEREIRA6 Especializado em Gestão Estratégica de Marketing Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia Resumo: Este artigo apresenta uma análise sobre a relação entre o jornalismo e a sociedade na segunda maior cidade do interior baiano, Vitória da Conquista, localizada a 500 km de Salvador. Pretende-se identificar qual a percepção da população conquistense acerca dos profissionais dessa área, os desafios dessa categoria quanto a atuação no interior do Estado e importância dos jornalistas para a sociedade como um todo. Para tanto, foi realizada uma pesquisa exploratória e quantitativa discursiva, que aponta o Jornalismo como uma “ciência” indispensável para a sociedade, no que se refere às primícias de formar e informar. Palavras-chave: Jornalismo; sociedade; mercado; interior. 1 Aluna do sexto semestre do curso de Comunicação, habilitação em Jornalismo, da Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia. 2 Aluna do sexto semestre do curso de Comunicação, habilitação em Jornalismo, da Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia. 3 Aluno do sexto semestre do curso de Comunicação, habilitação em Jornalismo, da Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia. 4 Aluna do sexto semestre do curso de Comunicação, habilitação em Jornalismo, da Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia. 5 Aluna do sexto semestre do curso de Comunicação, habilitação em Jornalismo, da Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia. 6 Professor do curso de Comunicação, habilitação em Jornalismo, da Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia. Ministra a disciplina de Comunicação e Mercado Regional para os alunos do 6° semestre.
  • 2. 1. Introdução As relações entre jornalismo e sociedade frequentemente são debatidas no meio jornalístico. Melo (1998) considerou o exercício jornalístico como a base da vida em sociedade, visto que consiste em um componente da comunicação. O jornalismo, enquanto difusor de informação, carrega consigo instrumentos fornecedores do conhecimento e que possibilitam a reflexão sobre a realidade. Em seu formato atual, tem se consolidado como um dos poucos instrumentos de compreensão dos fatos quotidianos da sociedade. Ainda que existam desafios para a inserção desses profissionais no mercado de trabalho do interior, precisamente em Vitória da Conquista no estado da Bahia, a população considera a atividade fundamental para seu desenvolvimento, seja ele social, cultural, político nas demais áreas de interesse público. Compreender como a sociedade avalia o jornalista é fundamental para buscar novas formas de atuação, por isso com a discussão fundamentada na “ciência” jornalística e na pesquisa de campo, o artigo proposto analisa uma possível compreensão populacional acerca do profissional de jornalismo. 2. Breve 7 histórico do jornalismo no Brasil Mesmo antes do registro oficial sobre o início da imprensa, buscava-se algum meio de informar e ser informado sobre os mais diversos acontecimentos. Esta necessidade de informação é própria da vida social, e desde os antigos contadores de história vê-se nítido o cumprimento desta função . Um exemplo eram os mensageiros da antiguidade que levavam, oralmente ou por escrito, notícias sobre acontecimentos diversos . Porém, foi a partir do século XV, com o surgimento dos correios e o nascimento da impressão, que abriram-se as portas para a imprensa periódica. Desde então é possível observar o poder que o jornalismo pode exercer. Na história pode-se detectar Napoleão Bonaparte, como exemplo de reconhecedor da importância da imprensa, pois além da leitura regular de impressos jornalísticos, utilizou o poder dos jornais a serviço de sua propaganda, afim de alcançar a França e o exterior. Mesmo no século XVII, Bonaparte entendeu o jornalismo como uma atividade profissional que mantém elo direto com a sociedade e a sua formação. 7 Dados históricos extraídos de Imprensa Brasileira – Dois séculos de história. Disponível em: http://www.anj.org.br; e http://pt.wikipedia.org/wiki/Escola_de_jornalismo
  • 3. No Brasil, em determinados momentos da história, a imprensa teve papel fundamental especialmente no que diz respeito à formação de opinião pública. Nos primeiros registros da imprensa brasileira encontra-se o “Correio Braziliense”, fundado em 1º de junho, e o “Gazeta do Rio de Janeiro”, em10 de setembro (ambos no ano de 1808). Nessa gênese, era notório o cunho político dos periódicos desde o seu surgimento. O “Correio”, por exemplo, foi criado por Hipólito José da Costa, republicano opositor à Família Real que se instalou no Brasil, e a “Gazeta”, criada por D. João VI e redigido pela Imprensa Régia, surgiu como forma de retaliação. Essa, portanto, consistiu em uma das primeiras formas de censura de imprensa em terras brasileiras. Desde a instalação da Impressão Régia no Rio de Janeiro foi estabelecida a ressalva (…) se imprimam exclusivamente toda a legislação e papéis diplomáticos que emanarem de qualquer repartição do meu real serviço,e se possam imprimir todas e quaisquer obras, ficando inteiramente pertencendo seu governo e administração à mesma Secretaria. A partir de então deu-se uma ferrenha discussão sobre a liberdade de imprensa. Diversos veículos impressos surgiram em busca de garantir o direito à informação. O “Sentinela da Liberdade”, criado por Cipriano José Barata de Almeida, parece como o primeiro jornal republicano brasileiro; o editor João Soares Lisboa se torna o primeiro a defender a convocação de uma constituinte brasileira e a primeira pessoa processada no Brasil por abuso da liberdade de imprensa; editor do “Observatório Constitucional”, Líbero Badaró, com críticas combateu o autoritarismo do Imperador, e foi o primeiro jornalista assassinado no Brasil em virtude do que escrevia. No Segundo Reinado, a imprensa finalmente conseguiu alguma liberdade, os jornais que pregavam a mudança da forma de governo não eram reprimidos, porém no decorrer da história essa liberdade se mantinha oscilante. Em alguns momentos, como na República Velha, no Estado Novo e na época do Regime Militar, os jornais tiveram que se submeter às imposições governamentais. Apesar da censura, o jornalismo foi reconhecido quanto à sua importância, e diante de todos estes acontecimentos, o curso de formação superior chegou ao Brasil. Quase um século depois da criação da primeira Escola de jornalismo, em 1869 na Virgínia, nasceu a Faculdade de Comunicação Social Cásper Líbero, em São Paulo, no
  • 4. ano de 1947. A partir da década de 60, outras instituições passaram também a ministrar o curso de jornalismo. No decorrer da história jornalismo se propôs a uma adaptação. Desde às notícias políticas, informes sociais, culturais e esportivos, até às exigências do mercado. A concorrência pela preferência do cidadão na escolha de suas fontes de informação intensificou-se com o surgimento de novas mídias, como a internet, porém essa profissão continua a ocupar espaço significativo diante dos cidadãos. 3. O jornalismo e sua importância Mesmo com o avanço tecnológico e as inovações na área da comunicação, o jornalista permanece em destaque devido a seu perfil de elemento catalisador e transmissor de informações. Formar e informar com qualidade e responsabilidade deve ser uma das primícias desse profissional que desenvolve uma investigação profunda de cada acontecimento, a fim de repassar informações corretas e completas. Em consonância com essa abordagem, Melo (1998) afirma que o jornalismo pode ser definido como ciência que estuda o processo de transmissão oportuna de informações da atualidade, através dos veículos de difusão coletiva. Mas Rocha (1999) vai além, e define o jornalismo como uma ciência utilizadora de veículos que materializam ideias, com vida e destinos próprios, e usufrui de uma estrutura e recursos humanos Dada a importância dessa área de conhecimento, em cada sociedade os profissionais de jornalismo são determinantes para elevar ou diluir movimentos coletivos, legitimar ou contestar as relações de poder vigentes. São fundamentais para contribuir com o desenvolvimento humano, social, econômico e cultural. Por isso, o jornalista não deve ser caracterizado como um mero tecnicista à executar atividades rentáveis - o foco está no conhecimento produzido, e não nas características da atividade - existe uma reflexão acerca do exercício diário da profissão, pois a complexidade não está nas ferramentas, mas na capacidade intelectual de apreender e compreender os acontecimentos. jornalismo é ciência, ainda que a Escola de Frankfurt o tenha como uma “ciência mal feita”, devido a superficialidade (algo a se corrigir) para falar de diversos assuntos, trata-se da base de estudo das ciências da comunicação, informação e humanas em geral (GENRO FILHO,1987). O teórico alemão Otto Groth, um dos pioneiros a reconhecer a “ciência jornalística” revelou que, diariamente, um profissional dessa área é imbuído por uma metodologia científica, passos que se repetem independente da sociedade e da
  • 5. cultura específica. O jornalista possui algo em destaque: a forma diferente de revelar a realidade, ele ilustra detalhes que outros profissionais de diversas áreas de conhecimento, possivelmente, não conseguiriam perceber, pois não estão habituados com o relato de fatos singulares, mas no estabelecimento de leis que se apliquem no todo. Dentre as ciências o jornalismo se destaca, pois a a comunicação é a base da vida em sociedade (MELO, 1998). Não há como viver sem informação, sem o trabalho do jornalismo diário, em tempo real. jornalismo e a sociedade fazem parte de uma mesma engrenagem, possuem relação estreita e coesa, um depende do outro. A sociedade caminha juntamente com os avanços na área da comunicação, e os sistemas de comunicação se desenvolvem de acordo com as demandas dela, po isso, em relato ao blog Polimídia, Eduardo Meditsch declarou que seria difícil viver sem o jornalista. (…) se tivéssemos uma greve dos jornalistas de todos os meios, ou seja, se a sociedade passasse alguns dias sem o jornalismo. Provavelmente viveríamos uma sensação de grande insegurança, a boataria seria incontrolável, e as instituições ficariam ameaçadas. (MEDITSCH,Disponível:http://polimidia.blog.br/soci edade-emjornalismo-por-um-dia acesso em maio de 2010) A comunicação jornalística tem sua importância refletida na organização da vida quotidiana, o produto jornalístico, entre outras funções, proporciona pontos de vista sobre a realidade, podem gerar conhecimento e também sugerir, direta ou indiretamente, respostas para os problemas sociais. De acordo com Sousa (2002) a ação dos meios jornalísticos, participam da realidade social existente, configuram referentes coletivos e geram determinados processos modificadores dessa mesma realidade. 4. Desafios na atuação do jornalista no interior A figura do jornalista está se transformando. O defensor da opinião pública, o revolucionário, o investigador que está sempre à frente dos acontecimentos e alerta a toda novidade para prontamente passá-la à sociedade já não é mais o mesmo. O que se depreende de uma análise da atual situação do ofício do produtor de notícias é que o mesmo torna-se um trabalhador cada vez mais versátil, que tenta se adaptar às diversas segmentações do mercado. A demanda é por profissionais cada vez mais desembaraçados, já que no Brasil as esferas do jornalismo e da comunicação mesclam-
  • 6. se, obrigando o jornalista a adequar-se também a outras funções como assessor, publicitário e designer. O problema central da dificuldade de inserção no mercado da comunicação é que o número de profissionais que se formam é superior às vagas de emprego disponíveis. Consequentemente, os profissionais tendem a procurar opções alternativas, penetrando em outros campos da comunicação, ou mesmo tentando fazer o trabalho de mais de um profissional, o que caracteriza a chamada multifuncionalidade. Na região sudoeste da Bahia, os jornais em sua maioria funcionam com esse tipo de profissional, que faz desde a parte jornalística de investigação, redação, fotografia e diagramação da página até a distribuição do produto final. Em 17 de Junho de 2009, a obrigatoriedade do diploma em jornalismo para exercer a profissão foi derrubada pelo Supremo Tribunal Federal (STF). Este fato só veio acrescentar dificuldade na penosa inserção do jornalista no mercado de trabalho, já que, passará a competir com os colegas graduados, com profissionais provisionados ou com qualquer cidadão que se denomine como tal. A pressão decorrente desta competição contribui para que o profissional busque trabalhar em vários locais, a fim de conseguir uma melhor remuneração. Segundo Rainho (2008, p. 18), a atividade freelance é a que mais cresce na área do jornalismo. Inúmeros fatores contribuem para esta situação, como a precarização do trabalho, que atinge diversas categorias nessa era de competitividade acirrada e a já citada desregulamentação das relações trabalhistas. A conjuntura mercadológica em Vitória da Conquista assemelha-se muito ao quadro geral. Existem muitos profissionais exercendo a função como freelancers. A competitividade, o mercado restrito e o tempo são os grandes inimigos do jornalista na cidade. Outro problema para a classe em âmbito regional, é a falta de um piso salarial para os profissionais. A falta de um jornalista, principalmente no Brasil, não é motivo preponderante para que um veículo de comunicação exista ou não. O que muitas vezes vale nesse meio é a possibilidade de lucro que tal veículo de comunicação vai dar aos seus proprietários. O que rege os veículos de comunicação - mesmo os grandes, "dotados" de excelentes jornalista - são políticas de interesses, onde os principais beneficiários não são os leitores, mas os posseiros da mídia.(2005, FAGGION). Observa-se ainda que não há fiscalização nem jornada de trabalho definida e na maioria das vezes não há carteira assinada. O proprietário do jornal, é também o
  • 7. “jornalista” responsável pela publicação, levando-o muito mais como um negócio, dando enfoque a publicidade e deixando a produção jornalística de lado. Macário (2005 p. 140) comenta que no sudoeste da Bahia predomina o semanário, e acrescenta que as redações dos pequenos jornais geralmente não têm mais que quatro repórteres, sendo a grande maioria destes não efetivados e não formados. O mercado de jornalismo impresso é muito restrito na região e um dos maiores impedimentos ao seu crescimento é a falta de interesse do público em relação à leitura. Os jornais têm poucos assinantes e raras pessoas o compram. O desinteresse da população pelo impresso em Vitória da Conquista pode ter sua parcela de contribuição no desenvolvimento do webjornalismo, pois atualmente a cidade conta com vários blogs que discutem e informam sobre os acontecimentos locais e regionais. Além da dificuldade existente com o público, o jornalismo regional acaba quase sempre tendo que se envolver com a política local, fato que pode acabar comprometendo a liberdade que deveria ser assegurada ao profissional que trabalha com a informação. Em Vitória da Conquista a imprensa surgiu atrelada à política e em meio a tragédias promovidas pelos coronéis que não aceitavam denúncias. Sobre isso, comenta Macário (2005, p. 152) que “não é possível que uma profissão de tamanha responsabilidade continue sendo maculada em nome de uma falsa liberdade de expressão, sem que haja uma limpeza em nome da moralidade e da ética”. Muitas vezes, a saída mais próxima é migrar para os mercados menos explorados, como o jornalismo empresarial ou as assessorias de comunicação, o que tem acontecido com muita frequência. De acordo com Rainho (2008, p.107), em qualquer situação que se encontre o jornalista, é importante conhecer o mercado autônomo. Se não é freelancer hoje, pode ser a médio ou curto prazo. O profissional empreendedor tem mais chances de conseguir seu espaço, porque a inovação é a grande exigência do mercado. No interior, encontramos cada vez mais presente esta realidade, o profissional de comunicação deve estar preparado para desempenhar diversas funções e lutar pelo seu lugar. 5. Metodologia A seguinte pesquisa foi realizada de acordo a metodologia da pesquisa quantitativa discursiva. Em primeiro momento foi utilizada a pesquisa exploratória de dados com a população da cidade de Vitória da Conquista, que ultrapassa 300 mil habitantes. Para a coleta de dados, foram aplicados 246 questionários em cinco bairros
  • 8. residenciais e comerciais - Bairro Brasil, São Vicente, Centro, Recreio e Alto Maron - a fim de obter coerência nos resultados, no que se refere à diversidade social e cultural. A pesquisa deixou evidente algumas questões discutidas, que até então não possuíam dados comprovatórios. Através dela foi possível detectar algumas facetas da atual conjuntura do jornalismo produzido e consumido no interior do Estado. Ideias pré- concebidas, estereotipadas, idealizadas e também realistas a respeito de questões que circundam a relação da sociedade com o jornalismo puderam ser avaliadas através de uma amostra com 5% de margem de erro. 5.1 Análise e discussão dos dados O primeiro dado encontrado refere-se ao hábito de leitura do conquistense. Apenas 1,6% dos entrevistados afirmaram que leem jornais diariamente, 12,6% garantiram que fazem a leitura algumas vezes por semana e a maior parte está entre os que raramente fazem uso desse veículo e os que nunca o utilizam, respectivamente 47,5% e 35,8%. Dado que pode ser confirmado a partir de outro quesito da pesquisa, o qual constatou que 55,2% dos entrevistados utilizam a televisão como fonte de informação diária e 34,9% a internet (o que mostra a evidência da consolidação do jornalismo digital na contemporaneidade), sendo a parcela final dividida entre rádio, jornal e revista. Gráfico 1. Você lê Jornais? Sim, diariamente - 1,6% Sim, algumas vezes por semana - 12,6% Somente aos domingos - 2% Sim, mas raramente - 47,5% Nunca - 35,8% Fonte: Pesquisa de campo executada pelos alunos do 6° semestre de Comunicação Social/Jornalismo da Uesb. Maio de 2010
  • 9. Gráfico 2. Que meio você mais utiliza para se manter atualizado sobre os acontecimentos do mundo contemporâneo? Jornais - 3% Revistas - 3,6% Televisão - 55,2% Rádio - 5,6% Internete - 34,9% Outros - 0,4% Fonte: Pesquisa de campo executada pelos alunos do 6° semestre de Comunicação Social/Jornalismo da Uesb. Maio de 2010 Acerca da profissão de jornalista a amostra demonstrou imagens estereotipadas quanto à indagação: “você gostaria de ser um jornalista?”. No leque de respostas obtido pôde-se observar conclusões como: “Sim, porque jornalista ganha bem”, “Não, porque eu não tenho cara de pau”. Contudo, quando o questionamento voltou-se para o que é necessário para ser um jornalista, a maioria a considerou a necessidade do curso superior em jornalismo, em contrapartida ao serem solicitados para citar o nome de algum jornalista atuante, a maioria das respostas contemplaram profissionais sem formação acadêmica, provisionados e estudantes de jornalismo. No entanto, constata-se também que para a maioria da população o jornalista é um profissional detentor de muito conhecimento, corajoso, honesto, preocupado com a sociedade, que se comunica de forma clara. A natureza e a finalidade do jornalismo continuam sendo apurar tudo que está acontecendo para contar à sociedade, da forma mais honesta possível. Esta é a função do jornalista, quaisquer que sejam as plataformas, as tecnologias.(CASTRO, 2008) Gráfico 3: Você sabe o que é preciso para ser um jornalista?
  • 10. Não sei - 23,1% Estudo - 15% Curso superior - 28,8% Coragem e honestidade - 5,6% Vocação/aptidão - 10,5% Redigir e se comunicar bem - 3,6% Outros - 15,8% Fonte: Pesquisa de campo executada pelos alunos do 6° semestre de Comunicação Social/Jornalismo da Uesb. Maio de 2010 A representação gráfica apresenta os profissionais mais citados no que se refere à atuação em Vitória da Conquista, Herzem Gusmão e Judson Almeida, porém trata-se de provisionado e estudante de jornalismo respectivamente. Apesar de 28,8% dos entrevistados considerarem que o diploma de jornalismo é necessário para que uma pessoa se torne jornalista, essa amostra evidencia que os mesmos não sabem distinguir entre o profissional que concluiu a graduação e o não formado. Gráfico 3: Você poderia citar um nome de algum jornalista que atua na cidade de Vitória da Conquista? Não sabe, não lembra - 30,8% Herzen Gusmão - 19,5% Judson Almeida - 18,2% Nildo Freitas - 4% Liliane Lourenço - 3,6% Daniela Oliveira - 4,4% Zenon Barbosa - 5,1% Daniel Silva - 2% Outros - 10,9% Fonte: Pesquisa de campo executada pelos alunos do 6° semestre de Comunicação Social/Jornalismo da Uesb. Maio de 2010 Outra questão, que para essa análise possui maior relevância, aprecia a opinião da sociedade quanto à importância do jornalismo. Nesse quesito ficou evidenciado que, apesar do desconhecimento de um conceito específico para a profissão, 98,7% dos entrevistados apontaram a profissão como importante para a sociedade, principalmente pelo seu caráter de utilidade pública, quando este expõe à sociedade os acontecimentos de relevância à população.
  • 11. Gráfico 4: A profissão de jornalismo é importante para a sociedade? Sim - 98,7% Não - 1,3% Não sei Fonte: Pesquisa de campo executada pelos alunos do 6° semestre de Comunicação Social/Jornalismo da Uesb. Maio de 2010 6. Considerações finais Esta breve análise bibliográfica e pesquisa populacional mostra que há uma reflexão no meio acadêmico, mas também na população sobre as relações entre jornalismo e sociedade. Uma possível leitura comum dos autores e dos resultados da pesquisa é de que o jornalismo tem papel fundamental, visto que é essencial na transmissão de informações e na construção formadora de opinião frente à sociedade. Quanto ao mercado de trabalho do jornalista em Vitória da Conquista, à semelhança nacional, ele está ligado à lógica de extensas jornadas de trabalho, altas oscilações salariais e contratações sem vínculo empregatício. Contudo, fica sabido que a profissão e formação do jornalista é de interesse da sociedade, visto que ela avalia a profissão como responsável pela disseminação coerente do conhecimento e das informações. Portanto, procurou-se através desse estudo integrar a discussão que, em muitos momentos é vista como corriqueira, através da análise teórica amparada por considerações sociais, afim de obter coerência nos resultados apresentados e desmitificar a ideia de que a sociedade não reconhece o jornalista como ele o é para a academia.
  • 12. 7. Referências Bibliográficas CASTRO,Eduardo. Futuro da comunicação – Brasília – Banco do Brasil. Edição de palestras do XII Seminário de Comunicação Banco do Brasil, 2008. CHAPARRO, Carlos. De como a ciência pode ajudar a notícia. Midiamix – Assessoria de Imprensa. Disponível: www.midiamix.com/assessoria/nota2. htm. acessado em maio de 2010. GIL, Antônio Carlos. Métodos e técnicas de pesquisa social. 4º edição. Atlas 1994. MEDITSCH, Eduardo. O jornalismo é uma forma de conhecimento? Mídia & Jornalismo,Vol.1, p.9-22, 2002. MEDITSCH, Eduardo. Sociedade sem jornalismo por um dia. Disponível: http://polimidia.blog.br/sociedade-em-jornalismo-por-um-dia acessado em maio de 2010. MELO, José Marques. Teoria da Comunicação: paradigmas latino-americanos, Petrópoles, Ed. Vozes, 1998. MELO, José Marques. Comunicação e modernidade. São Paulo, Edições Loyola, 1991. MOTTA, L. G. (org.). 2002. Ideologia e processo de seleção de notícias. In: Imprensa e poder. Brasília, Editora Universidade de Brasília. São Paulo, Imprensa Oficial. NOBREGA DA CUNHA. C. A. (s.d.) A imprensa americana e seus reflexos no Bra- sil. Lições da vida americana. Rio de Janeiro, Instituto Brasil-Estados Unidos. OLIVEIRA, Jeremias Macário. A imprensa e o Coronelismo no sertão do sudoeste. Vitória da Conquista, Edições UESB, 2005. RAINHO, João Marcos. Jornalismo Freelance : empreendedorismo na comunicação. São Paulo, Summus, 2008. ROCHA, Paula Melani. A profissionalização em um jornal popular, in BONELLI, M. da G. (org): Teoria & Pesquisa. São Carlos, n.28/29, p.63-95, 1999.