• Save
Folhas Soltas Nº2 (2011/2012)
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×
 

Folhas Soltas Nº2 (2011/2012)

on

  • 1,070 views

Edição Nº2 (março) do Jornal "Folhas Soltas" do Agrupamento de Escolas de Maceda e Arada (AEMA)

Edição Nº2 (março) do Jornal "Folhas Soltas" do Agrupamento de Escolas de Maceda e Arada (AEMA)

Statistics

Views

Total Views
1,070
Views on SlideShare
1,004
Embed Views
66

Actions

Likes
0
Downloads
0
Comments
0

3 Embeds 66

http://folhassoltas-aema.blogspot.pt 52
http://folhassoltas-aema.blogspot.com 7
http://folhassoltas-aema.blogspot.com.br 7

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Adobe PDF

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

Folhas Soltas Nº2 (2011/2012) Folhas Soltas Nº2 (2011/2012) Document Transcript

  • AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MACEDA E ARADA | FOLHAS SOLTAS | MARÇO 2012 FOLHAS SOLTAS | Ano XIV | Nº2 I folha e meia ÍNDICE AMBIENTE E SAÚDE ..................... 3 DESPORTO ESCOLAR ................... 4 ACTIVIDADES DO AGRUPAMENTO 5 ESCRITA CRIATIVA...................... 11 SOCIEDADE ................................ 14 HISTÓRIA E PATRIMÓNIO ..........14 MATEMÁTICA ..............................15 PASSATEMPOS .......................... 16 PRÉMIOS DOS QUADROS DE EXCELÊNCIA E DE VALOR A cerimónia de entrega dos prémios dos Quadros de Excelência e de Valor contada na primeira pessoa. Todos os pormenores no interior!!! ACTIVIDADES DO AGRUPAMENTO ESCRITA CRIATIVA MATEMÁTICAComemoração Dia da Árvore A Escola no tempo dos meus pais Porto – Cidade de ninguém Final do Campeonato Supertmatik
  • AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MACEDA E ARADA | FOLHAS SOLTAS | MARÇO 2012 EDITORIALEstamos no fim de mais um período letivo, durante o “As pessoas que passam em nossas vidas, ouqual aconteceram, naturalmente, muitas coisas, umas deixam fortes traços e histórias, ou nada nosboas, outras menos boas. As boas, foram com certeza os expressam, mas de certa forma aprendemosresultados positivos dos testes dos alunos que estuda- algumas coisas com elas”. (anónimo)ram e se esforçaram por ter os estudos em dia, os con-cursos e projetos ganhos por esta escola, o comporta- António Leitão, deixou fortesmento exemplar de respeito para com os funcionários e laços de amizade e fortes his-professores que aqui trabalham…, as menos boas, é o tórias no mundo do atletismoexemplo do fim-de-semana trágico para os alunos Belgas sendo um exemplo a seguirque saíram num pequeno período de férias e já não vol- pelos nossos alunos. A suataram a casa, não voltaram a ver os seus pais, não disse- força, a sua coragem, a suaram adeus aos seus melhores amigos…, a morte prema- dedicação, o seu espírito detura do nosso amigo e conhecido atleta António Leitão. sacrifício que a vida de umNo momento que escrevia as primeiras palavras para atleta obriga levaram-no aeste editorial, fui surpreendida pela triste notícia. Como fazer várias conquistastal, ainda a digerir o acidente trágico da Suíça, fiquei a enquanto atleta, sendo que a mais histórica e importan-pensar na forma de homenagear alguém com quem pri- te foi a Medalha de Bronze que ganhou nos 5.000vei, na minha fase de estudante, no antigo Liceu de Espi- metros dos Jogos Olímpicos de Los Angeles, em 1984.nho e que deixou marcas na nossa escola. Por isso não Que a sua alma descanse em paz.poderia deixar de alinhavar algumas palavras sobre estegrande Homem com quem tivemos o prazer de conviver Votos de uma Feliz Páscoa e bom descanso para todos!por duas vezes aquando da sua visita ao nosso Agrupa-mento na realização do Corta Mato anual. As palavras de A DiretoraAntónio Leitão foram sempre de incentivo aos nossos Brites Maria Ferreira Marquesalunos, motivação não só para a competição, mas tam-bém à sadia relação entre atletas, à vida saudável, aocumprimento de regras com respeito pelos outros que SOLUÇÕESnos acompanham na “corrida da vida”. CAMPEÃ MUNDIAL NA NOSSA ESCOLAA Catarina do 9ºA sagrou-se campeã mundial de Taekwondo, nopassado dia 25 de Fevereiro, na categoria de Juniores/Femininos - FICHA TÉCNICA59, no 14º Open de Zuid, na Holanda.É com imenso prazer que a felicitamos por esta belíssima presta- Propriedade Agrupamento de Escolas de Maceda e Aradação, a nível Mundial. E-mail "Dizem que o talento cria suas pró- Jornal.fsoltas.aema@gmail.com prias oportunidades. Mas às vezes, Blog parece que o desejo intenso cria não http://folhassoltas-aema.blogspot.com/ apenas suas próprias oportunidades, Coordenação e Execução gráfica Branca Santos mas seus próprios talentos." Paulo Santos (Eric Hoffer) ColaboradoresParabéns Catarina! És um orgulho para a nossa Escola! Comunidade Escolar Tiragem Sofia Ferreira 9º A 300 ExemplaresPÁGINA 2
  • AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MACEDA E ARADA | FOLHAS SOLTAS | MARÇO 2012 Ambiente e Saúde O CENTRO DE SAÚDE NA NOSSA ESCOLA R» O E AM ED M ORR SE ÉM AMB SÃ O «T sobre os diversos comportamentos de risco associados SES à transmissão das DST’s, nomeadamente a SIDA. Os alunos puderam, num ambiente informal e descon- traído colocar as suas dúvidas e debater algumas ideias e mitos subjacentes ao tema. Foram realizadas algu- mas dinâmicas de grupo que tornaram as aprendiza- gens muito mais significativas e enriquecedoras o que justificou a participação ativa e empenhada por parteNo dia 16 de Fevereiro, pelas 14h30m tivemos a visita dos alunos.da Enfermeira Paula Viana que nos veio falar sobre asdoenças de transmissão sexual . Esta ação destinou-se A Equipa da Promoção da Educação para a Saúdeaos alunos do 9º ano e teve como objetivo esclarecer VIOLÊNCIA NO NAMORO FEIRA DE MINERAIS E FÓSSEIS Nos dias 5 e 6 de Março, realizou-se no polivalente da nossa escola, uma feira de minerais e fósseis. Esta atividade ficou também aberta para os encarrega- dos de educação e os pais. Nesta feira podiam-se encontrar minerais dos mais variados tipos ametista, quartzo, âmbar, …) e fósseis tais como os de mosquito e dentes de tubarão. Nesses dois dias houve muita agitação, no polivalente, porque toda a gente queria ver e comprar o que lá havia. Rafael Ribeiro 6º BNo passado dia 14 de Fevereiro, as turmas do sétimoano participaram numa ação dinamizada pelas Dr.ªLília, Animadora Social do Centro Comunitário de Esmo-riz.Esta ação pretendeu constituir-se como um alerta paraque os alunos identifiquem contextos de violência, noâmbito de diferentes relacionamentos de intimidade eaprendam a desenvolver mecanismos de controlo edefesa para essas situações.Esta atividade caracterizou-se por um envolvimentoativo dos alunos, nas várias tarefas dinamizadas poraquela técnica, o que sem dúvida os motivou aindamais para o problema e tornou a atividade muito inte-ressante. A Equipa da Promoção da Educação para a Saúde PÁGINA 3
  • AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MACEDA E ARADA | FOLHAS SOLTAS | MARÇO 2012 Desporto Escolar CORTA-MATO DISTRITAL - VAGOS 2012No passado dia 17 de fevereiro de 2012 realizou-se o corta-mato distrital, na cidade de Vagos. Parti-ciparam cerca de dois mil alunos em representaçãode perto de 50 Escolas do Distrito de Aveiro. Numamanhã fria, mas com muito sol, todos sem exceçãodemonstraram um elevado espírito desportivo e umgosto especial pela modalidade. A nossa escola,participou mais uma vez, com 38 alunos(masculino e feminino) e pela terceira vez, levou aparticipar neste fase distrital, 4 alunos do 4º ano do1º ciclo do Agrupamento, apurados na fase escola.Desta forma, os alunos mais jovens integraram de Ilustração João Monteiro 7.º Dforma dinâmica as atividades desportivas - Fase CLASSIFICAÇÕES INDIVIDUAIS E COLETIVASDistrital do Corta-Mato / Desporto Escolar.Este ano os nossos alunos não subiram ao pódio INFANTIS A - FEMININOS INFANTIS A - MASCULINOS 39º CAROLINA SANTOS 5ºC 5’05’’ 9º RODRIGO OLIVEIRA 4ºO 4’06’’mas tiveram excelentes participações individuais e 42º MARIANA SANTOS 5ºC 5’06’’ 108º JOSÉ CAVADAS 4ºE 4’47’’coletivas. Assim, individualmente destacou-se o 43º MÓNICA SANTOS 4ºO 5’07’’ 137º TIAGO MONTEIRO 5ºA 4’55’’ 50º INÊS MOREIRA 5ºA 5’09’’ 141º JOÃO SANTOS 4ºO 4’56’’António Nunes do 6ºD, com um espetacular 4º 52º LILIANA ROCHA 5ºA 5’10’’ 183º JOÃO BRANDÃO 5ºA 5’12’’lugar, a Mara Resende do 6ºC com um promissor 6º 70º RITA MIRANDA 5ºB 5’19’’lugar, o “pequeno” Rodrigo Oliveira do 4º ano da Terminaram 199 alunas a prova. Terminaram 213 alunos a prova. 7ª Classificada entre 38 Escolas. 25ª Classificada entre 38 Escolas.EBI do Outeiral com um brilhante 9º lugar e o PedroNadais do 8ºC com um digno 12º lugar. INFANTIS B - FEMININOS INFANTIS B - MASCULINOSColetivamente salientaram-se as classificações dos 6º MARA RESENDE 6ºC 6’30’’ 4º ANTÓNIO NUNES 6ºD 5’46’’ 32º PATRÍCIA ADREGO 7ºB 7’03’’ 15º JOÃO AMARO 7ºB 6’02’’Iniciados masculinos com um brilhante 4º lugar, os 97º SARA SANTOS 7ºC 7’34’’ 53º NUNO SOARES 7ºC 6’26’’Infantis B masculinos com um 6º lugar e as meni- 140º RAFAELA RESENDE 6ºD 7’54’’ 101º BRUNO SANTOS 7ºB 6’43’’ 199º INÊS OLIVEIRA 6ºC 8’28’’ 168º JOÃO RESENDE 6ºA 7’01’’nas dos Infantis A, obtiveram um saboroso, 7º Terminaram 256 alunas a prova. Terminaram 266 alunos a prova.lugar. 15ª Classificada entre 44 Escolas. 6ª Classificada entre 49 Escolas.Os restantes alunos, não conseguiram resultadosde destaque, contudo, tiveram uma atitude muito INICIADOS - FEMININOS INICIADOS - MASCULINOSpositiva na sua participação. 56º ALÍCIA OLIVEIRA 8ºD 10’21’’ 12º PEDRO NADAIS 8ºC 9’03’’ 82º ANA PEREIRA 8ºA 10’39’’ 27º TIAGO FRAGOSO 8ºB 9’19’’O grupo de professores de Educação Física que 143º IRINA FERNANDES 8ºB 11’38’’ 44º LEANDRO GOMES 9ºB 9’34’’constituem o Clube do Desporto Escolar sente-se 172º INÊS SANTOS 8ºA 12’24’’ 58º RUI SILVA 9ºC 9’42’’ 173º BÁRBARA SILVA 8ºB 12’25’’ 142º JOÃO CARDOSO 8ºB 10’28’’orgulhoso com os resultados alcançados por estes 195º RAFAEL VASCONCELOS 7ºB 10’56’’alunos. Espera ainda, ao longo deste ano letivo, Terminaram 228 alunas a prova. Terminaram 262 alunos a prova.conseguir outros lugares de destaque, no Mega 22ª Classificada entre 39 Escolas. 4ª Classificada entre 46 Escolas.Distrital, o que confirma a excelente dinâmica da JUVENIS - FEMININOS JUVENIS – MASCULINOSatividade interna, do grupo de Educação Física que 22º DANIELA SÁ 9ºA 11’57’’ 83º CARLOS PEREIRA 9ºA 15’04’’se tem pautado pelo empenho e dedicação de 84º ANA VALENTE CEF3 14’33’’ LES CRISTIANO MOTA 9ºB - 108º MICAELA SANTOS CEF3 18’38’’todos. 109º MICAELA LARANJEIRA 8ºC 18’38’’ O Coordenador do Desporto Escolar Terminaram 123 alunas a prova. Terminaram 198 alunos a prova. António Natário 14ª Classificada entre 17 Escolas.PÁGINA 4
  • AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MACEDA E ARADA | FOLHAS SOLTAS | MARÇO 2012 Atividades do Agrupamento EB 2,3 ENTREGA DOS PRÉMIOS DOS QUADROS DE EXCELÊNCIA E DE VALORNo dia 13 de janeiro foi o dia em que eu concretizei o apresentaçõesmeu sonho. Nesse dia, a partir das 21h, no Auditório de por parte deMaceda decorreu a entrega dos prémios de “Quadros alunos, profes-de Excelência e Valor”. sores e orques-Estiveram presentes várias pessoas importantes como tra de Maceda.o Comandante dos Bombeiros Voluntários de Esmoriz, o Todos estive-Subcomandante da GNR de Esmoriz, um representante ram muito bem,da Porto-Editora e vários professores da minha escola, destaco a apre-entre outros. sentação dosAo longo da noite foram-se sucedendo as atuações/ professores (diretores de turma), que nos presentearam com um número musical, muito divertido. Houve, também, uma apresentação de um Rap e de uma dança por uma turma do 9º ano, a exibição de um “filme” sobre uma viagem, alusiva aos descobrimentos portugueses. Intercalada com os números musicais foi decorrendo a entrega dos prémios alusivos aos Qua- dros de Excelência que se iniciou com os do 5.º ano, sucessivamente até ao 9.º ano, tendo culminado com a entrega dos prémios do Quadro de Valor. Esta foi uma das melhores festas que já assisti. Bruno Mendes 6ºB CONCURSO DE SOLETRAÇÃO No dia treze de dezembro de 2011, decorreu o concurso de soletra- ção de Língua Portuguesa, que juntou crianças dos 10 anos aos 12 anos. Tudo se passou na nossa biblioteca, onde desde o início se notava que o nervosismo andava no ar. À medida que a prova ia decorrendo, como em todos os concursos, muitos dos participantes foram sendo desqualificados, ou seja, quando soletravam uma palavra mal, o jogo para eles acabava. Como é normal, o número de pessoasfoi diminuindo, diminuindo até que só restavam cinco pessoas, mas como só havialugar/prémio para três dos concorrentes, a única solução foi continuar a jogar e verquem ficava entre os três primeiros candidatos.Depois de muito jogarem conseguiram assim apurar-se os campeões daquele concur-so. Entre eles no primeiro lugar ficou a Mariana Pinto do 5.º B, no segundo ficou aJoana Rocha do 6ºB e em terceiro ficou o Marco Silva do 6.º A.Mas no final de tudo, o mérito vai para todos os que participaram e se divertiram asoletrar e a aprender. Patrícia Fonseca 6.º B PÁGINA 5
  • AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MACEDA E ARADA | FOLHAS SOLTAS | MARÇO 2012 Atividades do Agrupamento VISITA DE ESTUDO AO PORTO - 9º ANO EB 2,3No âmbito das disciplinas de Língua Portuguesa e História realizou-se, no passa-do dia 31 de janeiro, uma visita de estudo ao Porto com os alunos do 9.º ano.Da parte da manhã, os alunos puderam assistir à representação da peça deteatro “Auto da Barca do Inferno” de Gil Vicente. Da parte de tarde, os alunos usufruíram de uma visita guiada ao Museu Militar do Porto, inaugurado em 1977, onde puderam observar um conjunto valioso de coleções de armamento ligeiro e de artilharia, que cobrem um período entre o século XIV e os nossos dias. Toda a visita decorreu com muita animação e agradável con- vívio entre todos os participantes. Alda Batista Ana Rosa Duarte Fernando Neves BAILE DE CARNAVAL NA EB 2,3 DE MACEDANo passado dia 17 de Fevereiro decorreu, na nossa a comunidade, num envolvimento que proporcionouescola, um Baile de Carnaval, entre as 12h15m e as alegria e convívio entre todos. Os alunos revelaram13h15m. Enquanto organizador e dinamizador procurei entusiasmo e alegria ao longo de toda a atividade e,que a atividade fosse de encontro a algumas metas e apesar da presença das turmas na mesma não ser obri-objetivos do Projeto Educativo do nosso Agrupamento gatória, todas participaram, pelo menos numa parte dade Escolas, nomeadamen- festa, notando-se a ausência de algumas turmas,te: promover competências sociais sobretudo nos momentos em que estavam a(dinamizando atividades que promo- ter aulas de disciplinas às quais serão sub-vam condutas de saber ser e estar metidos a exame nacional e/ou a teste inter-e criando no espaço escolar um clima médio. Isto demonstra que houve interessede liberdade e respeito) e valorizar a dos alunos em participar na atividade e dis-imagem da Escola (melhorando as ponibilidade dos professores para acompa-relações interpessoais, entre todos os nharem os seus alunos.elementos da comunidade educativa, Finalmente, não posso deixar de realçar otornando-as mais enriquecedoras). papel das Professoras Carla Leite e IsabelAlém disso tentei fomentar a com- Moringa que me acompanharam na dinami-preensão do festejo como um evento zação desta atividade, permitindo desta for-cultural tendo na minha mente a ideia ma que fosse possível termos "brincado" umde que o Carnaval é uma festividade bocadinho ao Carnaval na nossa escola, tam-com grandes tradições no Concelho de Ovar (ao qual bém neste ano de 2012. Espero, agora, que apertencem as freguesias de Maceda e de Arada) e, nor- alegria de todos estes alunos permaneça durante omalmente, tem sido festejado no nosso Agrupamento restante ano letivo, não apenas nas muitas atividadesde Escolas, razão pela qual entendi que não o podería- que ainda vão ser realizadas (Desporto Escolar, Feiramos deixar de assinalar, também, neste ano. de Minerais, Visitas de Estudo, Atividades na BibliotecaChegada a altura de fazer um pequeno balanço, penso Escolar, etc.), mas também nas aulas das diferentesque a atividade foi de encontro aos objetivos a que se disciplinas, pois só essa alegria poderá dar a energia epropôs. Os alunos que assim o pretenderam fantasia- o alento que ajude todos esses alunos a conseguiremram-se e dançaram, realçando-se o papel do Clube de chegar ao final do ano com o sucesso escolar que dese-Música na animação, através de algumas coreografias jam. Cumprimentos para todos.de dança e da escolha de alguns temas musicais. Hou- Professor de Ciências Naturaisve momentos marcantes de interação entre a escola e José Carlos SilvaPÁGINA 6
  • AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MACEDA E ARADA | FOLHAS SOLTAS | MARÇO 2012 Atividades do Agrupamento VISITA DE ESTUDO AO MUSEU DA CHAPELARIA EB 2,3 No dia 28 de fevereiro de 2012, as turmas de 6º necessárias para fabricar ano fizeram uma visita os chapéus. de estudo ao Museu da Lá dentro vimos muitas e Chapelaria, em São variadas máquinas, todas João da Madeira. elas necessárias para fazer No dia da visita, de um único chapéu. Nós nãomanhã, todos os alunos de 6º ano, chegaram à esco- imaginávamos que o pro-la muito animados, esperaram um pouco enquanto cesso de fabrico de umse faziam os últimos preparativos, chapéu fos-e ao fim de pouco tempo entraram se tão complicado e difícil.no autocarro. A viagem, embora De seguida fomos ver uma exposi-curta, foi muito divertida, com ção temporária de olaria que estava,todos a conviverem uns com os também, nas instalações do museu.outros, a tirar fotos, tantas coi- No final da visita fomos à oficina desas que é impossível explicar. chapéus onde todos os alunosQuando chegámos ao museu, fomos lanchar, mas puderam fazer o seu próprio cha-ainda deu tempo para alguma brincadeira. Estáva- péu em miniatura, que levaram para casa, comomos todos ansiosos, mas finalmente estava na hora recordação.de entrar e iniciar a visita. Fomos recebidos por uma Foi uma viagem inesquecível!senhora que nos acompanhou e explicou as etapas Joana Rocha 6.º B COMEMORAÇÃO DO DIA DA ÁRVORENo âmbito das comemorações do dia mundial da árvo- como objetivo proporcionar uma visão diferente sobre are, decorreu entre os dias 20 e 23 de Março, na Biblio- utilidade das plantas pelo Homem.teca Escolar, uma exposição sobre a utilização das Ainda inserida nestas comemorações, os alunos do 6.ºBplantas pelo Homem, nomeadamente as Plantas e o e a Professora Isabel Almeida, no dia 21 de Março – diaVestuário, as Plantas e a Alimentação, as Plantas e a mundial da árvore, plantaram na nossa escola um aze- Medicina e a Plantas e a vinho oferecido pela Câmara Municipal de Ovar. Música. A Professora Rosa Rodrigues Os alunos do 6.º ano visi- taram a biblio- teca escolar, com o respeti- vo professor de Ciências da Natureza, onde tiveram a oportunidade de ver, não só a exposição, mas também uma apre- sentação sobre curiosida- des relativas às plantas.Esta atividade foi promovida pelo grupo de Ciências daNatureza, em parceria com a Biblioteca Escolar e teve PÁGINA 7
  • AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MACEDA E ARADA | FOLHAS SOLTAS | MARÇO 2012 Atividades do Agrupamento EB 2,3 DIRETORES DE AGRUPAMENTOS REÚNEM NA EB 2,3 DE MACEDA trocarem experiências e conhecimentos, bem como, desenvolverem mais-valias no âmbito da elaboração de Contratos Públicos, na aquisição de bens para as esco- las através das Plataformas Eletrónicas. O dia foi consi- derado bastante positivo e foi também engrandecido com a prestimosa colaboração do CEF de Serviço de Mesa que tomaram a seu cargo o serviço do almoço e coffee breaks da manhã e tarde. A todos os nossosNo passado dia 16 de março de 2012, a Direção do parabéns.Agrupamento em articulação com o CFIEMO – Centro A Diretora Brites Marquesde Formação Intermunicipal de Escolas de Murtosa eOvar, promoveu uma Ação de Formação sobre“Contratação Pública”, orientada pelo Eng.º Luís Mar-ques da Empresa de Consultadoria “Companhia Pró-pria”. Neste dia reuniram na Biblioteca da nossa escola,pouco mais de duas dezenas de Diretores, Subdireto-res, Coordenadores Técnicos e Assistentes Técnicos devárias escolas concelhias e concelhos vizinhos paraexporem as suas dúvidas, sobre o assunto em causa, Atividades do Agrupamento LANÇAMENTO DO LIVRO Biblioteca Escolar No dia 12 de janeiro, a Biblioteca Escolar "Além das Letras" foi palco, do lançamento do livro "Perspectiva Histórico-Contemporânea da Edu- cação Física em Portugal", da autoria de António Moreira. A recensão crítica da obra foi feita pela professora de História e Geo- grafia de Portugal, Branca Santos (elemento da Equipa da BE), que apresentou o autor e fez uma interessante resenha da obra. Esta obra permite a compreensão da evolução da Educação Física em Portugal e a formação dos seus profissionais, durante o século XX, bem como lança algumas interroga- ções quanto à futura formação destes professo-res, mercê do enquadramento do ensino superior, no processode Bolonha.Esta obra apresenta os principais momentos históricos da Educa-ção Física em Portugal e o modo como os seus profissionaisforam construindo uma identidade profissional. A Professora Bibliotecária Rosa RebeloPÁGINA 8
  • AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MACEDA E ARADA | FOLHAS SOLTAS | MARÇO 2012 Atividades do Agrupamento Biblioteca EscolarEXPOSIÇÃO A SALA DE AULA NO TEMPO DOS MEUS PAIS E AVÓS CONCURSO MAIS E MELHORES LEITORES Simultaneamente com o lança- mento do livro foi inaugurada a No dia 31 de janeiro decor- exposição "A sala de aula no reu na BE o Concurso Mais e tempo dos meus pais e avós", Melhores Leitores. também no espaço da BE, Foram muitos os concorren- patente até ao dia 26 de tes, essencialmente no esca- janeiro. Os alunos do 9º A, lão do 2,º ciclo. Os alunos Sofia Ferreira e Emanuel vencedores desta fase irão Ferreira, vestidos a rigor, disputar a fase concelhia no tornaram a nossa exposi- dia 17 de abril, na Biblioteca ção muito mais interes- Municipal de Ovar. sante, ou não fossem eles a ima- A Equipa da BEgem viva dos jovens com participação, sempre alegre eativa, nas atividades promovidas no Agrupamento . 2.º Ciclo 3.º Ciclo 1º Bruna Rodrigues 6º B 1º Daniela Felício 8º A A Professora Bibliotecária Rosa Rebelo 2º Vera Marques 6º D 2º Diana Cardoso 8º B 3º Jéssica Cunha 5º A 3º Sara Oliveira 8º B FLORBELA ESPANCA Fevereiro foi o mês dedica- do pela BE à poetisa portu- guesa Florbela Espanca. Foram várias as atividades desenvolvidas com o objeti- vo de dar a conhecer a vida e a obra desta escritora, nomeadamente uma expo- sição de objetos simbólicos da vida desta autora. O espólio exposto foi elabora- do por alunos da EscolaFlorbela Espanca, de Esmoriz e que amavelmente oscederam à nossa BE. A Professora Branca Santos SESSÃO DE POESIA NA BENo dia 28 de Fevereiro os alunos dos 8ºs anos da nossa escolavisitaram a exposição temática sobre a vida e obra da poetisa Flor-bela Espanca e também, ouviram com muita atenção algumas poesias, recitadas pela professora Alda Batista, quenos transportou, como só ela sabe fazer, para o mundo nostálgico da autora…A professora Carla Leite tocou, e encantou, uma melodia maravilhosa para que todos pudessem cantar a famosamúsica do Luís Represas."Ser Poeta..." A Professora Bibliotecária Rosa Rebelo PÁGINA 9
  • AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MACEDA E ARADA | FOLHAS SOLTAS | MARÇO 2012 Atividades do Agrupamento A ESCOLA NO TEMPO DOS MEUS PAIS E AVÓS Biblioteca Escolar No dia trinta e um de janeiro de A MANTA, UMA HISTÓRIA AOS QUADRADINHOS 2012, reali- zou-se um Dia 15 de Março, a evento que turma do 6º B, da pretendia qual eu faço parte, juntar avós, foi convidada a visi- filhos e netos tar a biblioteca para para falar de ouvirmos uma histó- um assunto ria. que todos têm em comum, ou seja a escola. A história foi-nos lida No início, a assistência estava um pouco tímida, mas ao pela professora longo do tempo que foi passando, todos se começaram Rosa Rebelo, a nossa Bibliotecária, e pertencia ao Livro a soltar e a abrir-se, participando ativamente expondo “A Manta, Uma História aos Quadradinhos de Tecido” as suas memórias. de Isabel Minhós Martins. A professora Branca Santos deu uma pequena aula de A narrat iva História, apresentando diapositivos elucidativos sobre o desenrolava-se tema. As imagens iam-se sucedendo e, simultaneamen- em volta de te, ouviam-se gargalhadas entre os presentes, pois os uma manta de mais idosos partilhavam algumas das memórias que retalhos, e era tinham sobre a sua escola e sobre a sua infância. narrada pela Já no final todos foram ver a exposição de brinquedos e neta da dona objetos escolares antigos. Esta mostra estava muito da Manta, a bem organizada e elucidava sobre a escola e brincadei- Avozinha como ras no período do Estado Novo, isto é sobre o período lhe chamava. da infân- Cada pedacinho de tecido da manta continha uma his- cia dos tória e contava um pequeno episódio relacionado com a meus pais família, que era contado pela avó aos seus netos, que a e avós. ouviam com muita atenção. Eu achei No final da história, a avozinha e s t e morreu e devido ao valor sen- encontro/ timental da manta, as suas atividade filhas agastaram-se, porque uma for- todas queriam ficar com ma muito ela. Por fim concordaram interes- que como a manta conti- sante para nha histórias de toda a se conhecer a escola de antigamente, que bem diferen- família deveriam reparti- te era da nossa, assim como foi também uma forma de la, daí que cada uma todos conviverem quer fossem, avós, filhos ou netos. ficaria um mês, alterna- Agora igualmente compreendo, porque é que a maior damente, com a manta. parte das vezes os nossos avós ou até mesmo os nos- Adoramos ouvir a histó- sos pais olham para nós crianças e se revêm a eles ria e no final a nossa turma foi con- próprios, na sua infância e recordam com saudade, os vidada a fazer uma “Manta” não de tecido, mas de bons momentos que passaram. palavras que simbolizavam a história que ouvimos. Telma Pinto 6.º B Patrícia Fonseca 6.º BPÁGINA 10
  • AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MACEDA E ARADA | FOLHAS SOLTAS | MARÇO 2012 Escrita Criativa ENTREVISTA A LUÍS VAZ DE CAMÕESLuís Vaz de Camões nasceu provavel- (E): Oh, sim, Os Lusíadas! Não sei semente em Lisboa, por volta de 1524, no sabe, pois, podem não mantê-lo informa-seio de uma família da pequena nobre- do, lá em cima, mas é a sua “imagem deza, de origem galega. marca”. Ninguém que conheça o nome “Luís Vaz de Camões” desconhece “OsEntrevistador (E): Bom dia, senhores Lusíadas”.telespetadores! Hoje, teremos um convi-dado especial, vindo de muito longe! (C): É bom saber que sou reconhecidoQuem será, quem será? É Luís Vaz de pelo meu trabalho! Viajei para Macau,Camões! Uma salva de palmas para este onde escrevi, na gruta hoje reconhecidagrande senhor! Seja Benvindo, meu pelo meu nome, mais seis Cantos dosgrande homem! Lusíadas. Voltei a Goa e naufraguei na viagem, na foz do Rio Mecom… mas sal-Camões (C): Muito obrigada, simplório… vei-me, nadando apenas com um braçonão sei bem o que venho aqui fazer, mas e erguendo no outro o manuscrito dasó pela apresentação já valeu o esforço! imortal epopeia, facto documentado no(E): Bem, mas ainda agora chegou e já me está a insul- Canto X, 128. Nesse naufrágio vi morrer a minhatar? Não interessa, adiante… Então, fale-nos um pouco "Dinamene", oh, rapariga chinesa tão formosa a quemde si. com tanta ternura me tinha afeiçoado…! A esta fatídica(C): Por onde devo começar?! Sou tão importante, tenho e inconsolável morte dediquei os famosos sonetos do ciclo Dinamene, entre os quais me gabam “Ah! Minhamil e uma coisas que posso dizer… Dinamene! Assim deixaste”.(E): Seja básico, se não se importa. Não temos o tempotodo. (E): É realmente uma história muito interessante! Agora cativou-me, e estamos todos curiosos. Quando foi,(C): Como queira. Bom, nasci por volta de 1524 e morri enfim, finalmente publicado “Os Lusíadas”?a 10 de Junho de 1580. Consta que existe um feriadocomo homenagem à minha pessoa, mas sinceramente (C): Creio que em 1572. Em 1569, após 16 anos de desterro, regressei a Lisboa, tendo os meus queridos enunca acreditei. Já agora, é verdade? fiéis amigos pago as minhas dívidas e comprado o pas-(E): É sim, veja lá a sua sorte! A mim ninguém me faria saporte.nada disso! Prossiga, por favor. (E): Espere, então os seus amigos é que pagam as suas(C): Que pessoas fantásticas… bem! Estudei Literatura e dívidas? Caramba! Parecem os dias de hoje…Filosofia em Coimbra, mas antes de terminar o cursoparti para Lisboa. Pertencia à pequena nobreza, no (C): Importa-se de não me interromper? Irra! Lá pró homem! Bom, depois do meu regresso, só três anosentanto, aborrecia-me por não poder trabalhar, nemganhar a minha vida, e fui então, defender a Pátria mais tarde, consegui obter a publicação da primeiracomo soldado, em Ceuta, onde em combate perdi o edição de Os Lusíadas, dedicado a D. Sebastião, caro senhor, que me ofereceu uma tença anual de 15 000olho direito. Depois de dois anos de guerra, voltei paraLisboa, onde resolvi ficar. réis pelo prazo de três anos.(E): Sempre pensei que estivesse a imitar o Capitão (E): Meu Deus, onde para esse Sebastião? Precisáva- mos dele era agora… Camões, a sua história é realmen-Gancho, afinal perdeu mesmo o olho… te chocante, e você é uma das marcas mais importan-(C): Vou fingir que não ouvi o seu comentário! Prosse- tes da História de Portugal, a quem jamais foi tirada aguindo: em 1522 fui preso por me envolver agressiva- honra e o valor. Quer contar-nos como morreu?mente com um funcionário da Corte, do qual o nomeme escapa, mas no ano seguinte fui libertado e perdoa- (C): Obrigada, meu caro, por reconhecer o meu prestí-do. Por essa altura, parti para a India, e se a memória gio. Sim, claro, porque não... Então, os últimos anos da minha vida foram amargurados pela doença e pelanão me falha, foi aí que escrevi o primeiro canto de “OsLusíadas”. miséria. Morri a 10 de Junho de 1580, como já referi, PÁGINA 11
  • AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MACEDA E ARADA | FOLHAS SOLTAS | MARÇO 2012 Escrita Criativa ENTREVISTA A LUÍS VAZ DE CAMÕESsendo o meu enterro feito a custos de uma instituição (E): Uma salva de palmas para este homem, grandede beneficência, a Companhia dos Cortesãos. Um fidal- marca na história de Portugal! Muito obrigada por tergo, meu amigo, mandou inscrever-me na campa rasa: vindo, Luís, foi uma honra tê-lo cá!"Aqui jaz Luís de Camões, príncipe dos poetas do seu (C): Ora essa, honra minha! Até me inspirou para escre-tempo. Viveu pobre e miseravelmente, e assim morreu", ver, sobre a mediocridade deste povo hoje em dia!o que eu nunca percebi se era uma homenagem ou uminsulto, mas acho que está belo. (E): Deus me dê paciência… bom, e assim termina o nosso programa de hoje, com Luís Vaz de Camões, o(E): BRAVO! Merece todo o protagonismo que lhe é maior ícone da Literatura Portuguesa.dado, sem dúvida! É uma honra poder conversar consi-go, Luís, e não quero abusar de si e do seu tempo, Nota do editor: Esta é uma entrevista imaginária, quemas… acha que pode ler um dos seus poemas para teve lugar na TVMaceda, a 30 de fevereiro de 2012,nós? Adoraríamos ouvi-lo ler uma das suas obras, seria qualquer semelhança com a realidade é mera coinci-uma honra! dência.(C): Ora, ora! Você deve ser bipolar! Tanto critica como Sara Cardoso e Emanuel Reis 9ºBengraxa… Mas bom, não me importo de ler para estaspessoas. Na verdade, já vim preparado para isso. Aquivai, então:“As armas e os barões assinalados…” O BULENum palácio, em Veneza, havia um conde chamado D. nião e disseram que iam telefonar aos seus parentesMarco de Abreu , e uma condessa chamada D. Marta loiças para os virem ajudar.de Abreu . O bule, como era muito orgulhoso, não concordou.Nesse palácio também existia um bule chamado orgu- As três chávenas decidiram fazer greve e as pessoaslhoso e três chávenas chamadas Fifi, Joaninha e Rose- como tinham de beber pelo bule não quiseram beberta, mas os condes não se lembravam deles. como ele não serviu para nada acabou por reconhecerO palácio era grande, lindo, tinha um salão de baile que o seu orgulho não lhe tinha servido de nada.todo forrado a ouro, com cortinas vermelhas de seda, lá O bule pedia desculpa às chávenas, elas então chama-fora havia um jardim enorme e colorido. ram os seus parentes loiça e ficaram todos unidos paraO conde e a condessa eram muito felizes, magrinhos e sempre.bonitos, o bule era redondinho e amarelo e muito orgu- O bule aprendeu a lição de que não servia ser orgulhoso.lhoso e as chávenas Fifi, Joaninha e Roseta eram ama-relo claro, redondas, tinham olhos grandes e eram mui- Maria João Teques 5º Cto amigas. As chávenas não se davam muito bem com obule, porque ele era muito orgulhoso.Um dia, os condes decidiram fazer um baile de carna-val.Os condes estavam muito preocupados por não teremloiça para o baile e lembraram-se da que tinham guar-dado no cofre, herança dos seus bisavós.A loiça foi partida durante a festa e os condes manda-ram o criado comprar mais, só que as lojas estavamfechadas, por isso os condes ficaram muito stressados.As chávenas Fifi, Joaninha e Roseta fizeram uma reu- Ilustração de Mariana Isabel 7.º DPÁGINA 12
  • AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MACEDA E ARADA | FOLHAS SOLTAS | MARÇO 2012 Escrita Criativa PORTO – CIDADE DE NINGUÉM PALAVRAS ENLAÇADASDemasiada movimentação,demasiada energia. Dema- Como num céu azulsiado, até, para quem em voam pombas brancas.tempos passou anos no cen- Numa fábrica velhatro de uma (pequena) cida- já não há alavancas.de. Engraçado, como o ar é As pessoas mudampesado, como as pessoas e os lugares também.são diferentes. Algumas, A única coisa que não mudacaminham apressadas, para é aquilo que vai e vem.apanharem o metro ou che-garem a tempo ao emprego; outras Podes ser pobrezinhocaminham aos pares: namorados, amigos, amigas. ou até ter muito dinheiro.Algumas falam ao telemóvel e dão gargalhadas, outras caminham Podes ser portuguêsdevagar e apenas veem. Algumas procuram entretenimento, outras ou mesmo brasileiro.fazem do próprio caminhar ou correr, a diversão. Algumas vão em gru-pos, dando a cada pequeno detalhe importância suficiente para conver- Aquilo que te distinguesas demoradas, e riem. Há os curiosos, que estudam todos os movimen- não é algo que tenhas na mãotos dos automóveis, das pessoas, dos pássaros, da água do Douro. Os é um grande aparelhosenhores caminham lentamente e de cabeça baixa, como quem procura denominado coração.nas pedras do chão e no meio do barulho uma juventude que há muitoperderam; ou então sentem-se abandonados e as ruas cheias da cidade Como o título deste poema é Palavras Enlaçadas,preenchem-lhes a solidão. E há aquelas pessoas, a quem a vida prova-velmente é madrasta, que saem à rua para ter a certeza que o mundo, vou agora contar-vosao contrário deles, não parou; para alimentarem uma pequena mas doce em quadras bem engraçadas.esperança que amanhã será melhor; ou, então, porque o barulho e a O ciclo desta vidamultidão são, no fundo, confortáveis. Todo o tipo de pessoas passa nas é fácil de entender:ruas da enorme cidade, cada uma com um destino – ou à procura dele, Viver é o essencial ou simplesmente sem ele. Há e o essencial é viver. sempre um cheiro novo, alguém que percorre uma rua pela pri- Para acabar agora meira vez. Há sempre mais uma basta só informar, pedra no chão à qual não resisti- que este poema é mos dar um pontapé. Há sempre uma nova forma de amar. pessoas a entrar e a sair da esta- Patrícia Fonseca 6.º B ção, a regressar a casa para os que amam ou ainda com o cora-ção apertado por ter deixado o lar; ou então, pessoas que procuram, também, na grande cidade, a adrenalina deumas horas com os companheiros de jornada, num sítio onde ninguém se conhece, onde toda a gente dorme sobre avida alheia. Oh, sim, se aquela grande cidade falasse! Quantos segredos estarão escondidos em cada esquina, quan-tas mãos foram dadas apenas e só naquelas ruas? Talvez seja nesses segredos que os senhores se debruçam e sor-riem, revivendo amores que agora se foram e só ficaram naquelas ruas, no chão gravados.Nunca ouvi chamarem à grande cidade “a minha casa”. Talvez porque ninguém se conhece, porque é enorme e glo-riosa, demasiado para um ser humano possuir. Ninguém quer saber, ninguém se interessa pelo mundo fora do seucampo áurico. É uma cidade de todos e de ninguém ao mesmo tempo, mas certamente a melhor amiga de muitos,pois a ela todos confiam os seus segredos. Por quê? Porque a cidade jamais trairá a confiança de alguém, esconderátodos os segredos que a ela lhe são contados em cada uma das pedras da calçada. E, é talvez essa a grande virtudeda grande cidade, que é de todos e de ninguém ao mesmo tempo. Sara Cardoso 9ºB PÁGINA 13
  • AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MACEDA E ARADA | FOLHAS SOLTAS | MARÇO 2012 Sociedade A FAMÍLIA Os alunos no âmbito do Ano Pastoral sobre a Família foram levados a refletir sobe a sua importância e chegaram a algu- mas conclusões das quais seguem três apontamentos: “A Família é o centro do Mundo”, Rui Silva, 9ºC; “Ter uma Família é uma dádiva”, Rui Silva, 9º C; “A Família é a base de toda a educação”, Tiago Fidalgo, 9ºB. A Professora de EMRC Susana Pardinhas História e Património MUSSOLINI E O FASCISMO EM ITÁLIAA Itália, após a 1ª Guerra Mundial, encontrava-se numforte clima de descontentamento. Não lhe tinham sidodados os privilégios e garantias que lhes foram prometi-dos pela sua participação na 1ª Guerra Mundial, a crisedos anos 30 tinha afetado fortemente o país e, por isso,a população permanecia revoltada e manifestava-se.O povo necessitava de alguém que pusesse ordem nopaís e daí surgiu o Partido Fascista, liderado por Musso-lini. Este partido, aos poucos, foi ganhando adeptos e aditadura fascista tornou-se um exemplo para outrospaíses (Alemanha e Portugal). Os princípios ideológicosdo fascismo eram: o antiparlamentarismo – desaprova-ção pelo parlamento, acusado de prejudicar a união dogoverno; o ultranacionalismo – que tinha como princípioa supremacia da nação; o culto ao chefe – isto é, erapreciso adorar e idolatrar Mussolini e prestar-lhe obe-diência (uma das frases de Mussolini era “Obedeçam,porque têm que obedecer!”); o monopartidarismo – O Partido Fascista efetuava a sua propaganda atravéshavia apenas um partido, o Partido Nacional Fascista; o de posters, cartazes, emissões de rádio, manuais esco-corporativismo – que anulava, basicamente, o direito à lares, inaugurações e discursos fascistas.greve; o militarismo – tudo era resolvido, essencialmen- Como obras do Fascismo, podemos destacar: a criaçãote, com violência e o imperialismo – realçava o objetivo das primeiras auto-estradas na Europa, a criação dede possuir um grande império. grandes obras públicas, a valorização dos produtosHavia organizações de apoio desse regime como, por nacionais – aumentando as taxas alfandegárias, a cam-exemplo, a Juventude Fascista, que integrava os jovens, panha do trigo, a construção de barragens, pontes, etc.mais tarde, nos quadros do governo e na vida militar; e Sara Cardoso Ferreira 9º Bos “Camisas Negras”, que eram o exército do PartidoFascista.PÁGINA 14
  • AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MACEDA E ARADA | FOLHAS SOLTAS | MARÇO 2012 Matemática OLIMPÍADAS DA MATEMÁTICA Estão de parabéns os alunos Inês Ferreira do 7.ºC, Rodrigo Ferreira e Daniela Felício do 8.ºA que foram apurados para participar na segunda fase das Olimpíadas da Matemática. Já disputaram, no passado dia 11 de Janeiro, a segunda fase das referidas olimpíadas, os alunos Inês Ferreira e a aluna Daniela Felício que aguardam pelos resultados. A Professora Rosa Rodrigues CAMPEONATO DO JOGO DO 24 Realizou-se no passado dia 14 de Fevereiro, na Biblio- teca Escolar, a final do Campeonato inter-turmas do JOGO do 24 e do JOGO do 24 Avançado. Esta fase foi disputada por ano de escolaridade, sendo que cada turma do 2.º ciclo esteve representada por quatro alunos e do 3.º ciclo por um aluno. Finalistas do 5º ano – João Silva, Finalistas do 6º ano – Margarida Este Campeonato foi promovido pelo grupo de Mate- Mariana Pinto, Patrícia Costa e Pais, Tiago Costa, Patrícia Fonseca mática, no âmbito do Plano da Matemática, e teve Sérgio Santos. e Rúben Coelho. como principais objetivos estimular o estudo e gosto pela Matemática, assim como, desenvolver nos alu- nos o cálculo mental. Estão de parabéns todos os participantes, em espe- cial os campeões, que formam os alunos João Silva do 5.ºB, Margarida Pais do 6.ºA, João Amaro do 7.ºB e Iúri Teques do 8.ºB. A Professora Rosa Rodrigues Finalistas do 7º ano - João Amaro, Finalistas do 8º ano - Iúri Teques, Paulo Batatel, Ricardo Oliveira e Dário Lucas, Luciano Oliveira e Joana Oliveira. Rúben Alves. FINAL DO CAMPEONATO SUPERTMATIK No dia 20 de Março, na Biblioteca Escolar, decorreu a final do Campeonato inter-turmas do jogo ”Supertmatik”. Participaram, nesta fase final, os cam- peões de cada turma, previamente selecionadosFinalistas do 5º ano – João Silva, Finalistas do 6º ano –Leonardo Andrade, pelos respetivos professores.Daniela Rodrigues e Igor Oliveira. Joana Rocha, Tiago Costa e Vera Marques. Estão de parabéns todos os participantes, em espe- cial os campeões, que forma os alunos João Silva doFinalistas do 7.º ano – Ricardo Oliveira, João Amaro, Diogo 5.ºB, Leonardo Andrade do 6.ºA, Ricardo Oliveira do Silva e Hugo Pereira. 7.ºC, Pedro Nadais do 8.ºC e Emanuel Reis do 9.ºB. A Professora Rosa RodriguesFinalistas do 9.º ano – Emanuel Reis, Rúben Barreiro e Pedro Jorge. Finalistas do 8.º ano – Pedro Nadais, Hugo Costa, Rodrigo Ferreira e Iúri Teques PÁGINA 15
  • AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MACEDA E ARADA | FOLHAS SOLTAS | MARÇO 2012 Passatempos SOPAS DE LETRASNa sopa de letras seguinte identifica os números: a) 11; b) 16; c) 18; d) 21; e) 31; f) 700; g) 101000; h) 1000001 Atividades do Agrupamento ABERTURA DO RESTAURANTE PEDAGÓGICO EB 2,3 No último mês de dezembro o C.E.F. de Serviço de Mesa foi convidado a realizar o servi- ço de mesa, no jantar de Natal, dos cursos EFA e no almoço de Natal do Agrupamento. O desempenho dos alunos, na execução dos mesmos, foi considerado pela “crítica” um sucesso e, com regozijo no trabalho efetuado, foi pensada uma nova iniciativa. Meteu-se “mãos à obra” e, do nada, nasceu um novo espaço pedagógico. Desta forma, no passado dia 14 de Fevereiro foi inaugurado o “Restaurante Pedagógi- co” que funcionará sob a responsabilidade do C.E.F. de Serviço de Mesa. A inauguração ficou assinalada pela “oferta” de um almoço romântico ao vencedor do concurso “Message in a Bottle” e ao respetivo par.Entre os objetivos principais para esta atividadeencontra-se a possibilidade de disponibilizar umespaço onde os alunos deste C.E.F. possam praticar,com frequência semanal, a destreza operacional,num estabelecimento de restauração tradicional clás-sico, em termos de tipos de serviço de mesa e bar. Aomesmo tempo, poderão praticar e aplicar o apropria-do relativamente à atitude, protocolo adequado etécnicas de serviço, para satisfazer as expectativasdo cliente. O espaço, de momento, reservado a docentes, funciona todas as terças-feiras, sob a orientação do professor Carlos Lopes, na sala 21 e disponibiliza dois horários pos- síveis para almoço (12:30h-13:30h e 13:30h-14:30h) tendo capacidade para 8 pessoas, em simultâneo, em cada um. Os seus clientes poderão saborear a sua refeição, num espaço renovado, aprazível e com música ambiente, gozando de um serviço de qualidade. Todos os interessados deverão adquirir a senha de refeição normal da cantina, para o dia e fazer a marcação, na folha disponível para o efeito, na sala de professores. O Diretor de Curso Paulo SantosPÁGINA 16