Your SlideShare is downloading. ×
Cap 01 Etica E Humanizacao
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×

Introducing the official SlideShare app

Stunning, full-screen experience for iPhone and Android

Text the download link to your phone

Standard text messaging rates apply

Cap 01 Etica E Humanizacao

8,442
views

Published on

A abordagem e a postura são tão importantes quanto a precisão técnica, …

A abordagem e a postura são tão importantes quanto a precisão técnica,
http://www.primeiroelemento.com

Published in: Education, Technology, Business

0 Comments
1 Like
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total Views
8,442
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
102
Comments
0
Likes
1
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. Manual do Atendimento Pré-Hospitalar – SIATE /CBPR CAPÍTULO 1 A ÉTICA E HUMANIZAÇÃO NO ATENDIMENTO PRÉ-HOSPITALAR 1. Ética Toda pessoa é dotada de uma consciência moral que a faz distinguir entre o certo e o errado, entre o bem e o mal, capacitando-a a avaliar suas ações no contexto a que é so- licitado, ou seja, é capaz de nortear suas atitudes pela ética, a qual pode-se dizer é um conjunto de valores, que se tornam deveres em determinadas culturas ou grupos, sendo expressos em ações. A ética é, normalmente, uma norma de cunho moral que obriga a conduta de uma determinada pessoa, sob pena de sanção específica, mas pode também regulamentar o comportamento de um grupo particular de pessoas, como, por exemplo, bombeiros, polici- ais, médicos, enfermeiros, etc. A partir deste momento, estamos nos referindo à ética pro- fissional, mais conhecida como deontologia, que caracteriza-se como conjunto de normas ou princípios que têm por fim orientar as relações profissionais entre pares, destes com os cidadãos, com sua guarnição de serviço, com as instituições a que servem, entre outros. Como a sua margem de aplicação é limitada ao círculo profissional, faz com que estas normas sejam mais específicas e objetivas, gerando o advento dos Códigos de Ética ela- borados por associações de classe, como, por exemplo, o Código de Ética Médica Brasi- leiro. No caso do Corpo de Bombeiros do Paraná, o Decreto Estadual nº 5.075/98 (Regu- lamento de Ética Profissional dos Militares Estaduais do Paraná), prescreve em seu artigo 5º, que a “... deontologia militar é constituída pelo elenco de valores e deveres éticos, tra- duzidos em normas de conduta, que se impõem para que o exercício da profissão militar atinja plenamente os ideais de realização do bem comum, através da preservação da or- dem pública.” Assim como a atividade do médico e do enfermeiro possuem codificações próprias, o bombeiro militar também tem sua conduta pesada em Código próprio, que o obriga a prestar seu serviço de atendimento pré-hospitalar calcado em valores e deveres militares, não menos importantes, que o dos códigos dos profissionais de saúde. Ao longo do Curso de Socorristas, são ensinadas normas técnicas que indicam fórmulas do fazer, que são apenas meios de capacitação, levando o homem a atingir re- sultados. Todavia a técnica não deve perder sua correlação natural com as normas éticas, que atenuam o sofrimento da vítima e humanizam o atendimento. O socorrista deve saber equilibrar os dois pratos da balança que formam seu cará- ter profissional: o lado técnico e o lado emocional. Caso haja uma prevalência de qual- quer um dos lados, o atendimento pode ser comprometido tanto pelo lado humano, quan- -1-
  • 2. Ética e Humanização to pelo lado científico. O bombeiro militar que tenha completo domínio do atendimento pré-hospitalar, mas que não tenha o discernimento necessário para atuar com atenção es- pecial nos casos que assim requeiram, não possui o caráter ético-profissional para ser so- corrista. O mesmo se aplica àquele que possua um equilíbrio emocional e não saiba as técnicas pré-hospitalares. Para um atendimento pré-hospitalar satisfatório o socorrista deve possuir, além do equilíbrio emocional e da competência técnico-científica, uma competência ética, funda- mental para a humanização do serviço. A competência ética no atendimento pré-hospitalar é formada por quatro vertentes de relacionamento, sendo elas: ● Socorrista e outros militares; ● Socorrista e profissionais de saúde; ● Socorrista e vítima; ● Socorrista e parentes/conhecidos/outros envolvidos. As relações dos socorristas com outros militares e profissionais de saúde não tra- zem muitos problemas, pois a formação militar facilita o relacionamento. Resta-nos anali- sar e fundamentar os princípios para um relacionamento ético entre bombeiros e vítimas, e bombeiros e parentes/conhecidos/outros envolvidos no trauma. Estes dois tipos de rela- cionamentos estão baseados em três princípios fundamentais: ● Respeito à pessoa; ● Solidariedade; ● Sentimento do dever cumprido. Tendo por base estas três premissas, o socorrista saberá pautar suas atitudes e considerar as alterações emocionais decorrentes do trauma. Não se deixará influenciar pela conduta social da vítima incorrendo num julgamento errôneo (fará um atendimento imparcial), atentará para os cuidados com a exposição da vítima, terá atenção especial com crianças, e terá a seriedade como base para uma postura profissional que se espera. Um atendimento perfeito ocorre quando, mesmo com o sucesso do emprego de to- das as técnicas dominadas pelo socorrista, atende-se a dignidade da pessoa humana em todo seu alcance, angariando o respeito e a admiração da vítima e outras pessoas envol- vidas, pelo elevado grau de profissionalismo existente na corporação. 2. Humanização: Um Abrandamento do Caráter Técnico da Medicina A Portaria GM/MS n.º 1.863, de 29 de setembro de 2003, trata da “Política Nacional de Atenção às Urgências” trazendo novos elementos conceituais, como o princípio da hu- manização. Parece estranho falar de humanização num campo em que deveria ser implícito o “amor ao próximo”, como é o caso da medicina. Todavia, com o advento da vida moderna, -2-
  • 3. Manual do Atendimento Pré-Hospitalar – SIATE /CBPR a explosão demográfica e os parcos e poucos recursos e investimentos na área da saúde, fazem com que o profissional, muitas vezes, tenha uma sensação de impotência frente ao sofrimento de milhares de pessoas, e, com isso faz crescer no seu íntimo, mesmo que de modo imperceptível, mecanismos de defesa em que cria uma verdadeira “casca”, não vendo na vítima uma pessoa, mas um objeto que necessita de seus cuidados profissio- nais, visto que não tem a solução para todas as mazelas criadas por falta de políticas pú- blicas de saúde. Necessário foi ao Ministério da Saúde humanizar o serviço, através de um progra- ma próprio, visando atenuar os efeitos desumanizantes, que retira da pessoa humana seu mais importante valor: a dignidade. No caso do atendimento pré-hospitalar, o conhecimento cientifico deveria ser, por si só, motivo de sucesso para um resultado positivo quando no socorro à vítima. O que se tem observado recentemente é que este fator, somado à estressante rotina dos numero- sos atendimentos diários nos grandes centros, bem como a fragilidade do ser humano, tanto do paciente como do socorrista (ambos envolvidos com sentimentos de respeito, simpatia, empatia, angústia, raiva, medo, compaixão), o que tem gerado problemas no atendimento à vítima. Deixamos de ver nele muitas vezes o ser humano que está necessi- tado, hora pelo enfoque direto no trauma, hora pela banalização do acidente. Necessário, então, é falar em humanização no atendimento pré-hospitalar. Então: o que é humanização ? Podemos entende-la como valor, na medida em que resgata o res- peito à vida humana, levando-se em conta as circunstâncias sociais, éticas, educacionais e psíquicas presentes em todo relacionamento humano. Humanizar o atendimento não é apenas chamar a vítima pelo nome, nem ter um sorriso nos lábios constantemente, mas também compreender seus medos, angústias e incertezas, dando-lhe apoio e atenção permanente. O profissional humanizado deve apresentar algumas características que tornam o atendimento a um traumatizado mais digno: ● Focalizar não somente o objeto traumático, mas também os aspectos globais que envolvem o paciente, não se limitando apenas às questões físicas, mas também aos aspectos emocionais; ● Manter sempre contato com a vitima, buscando uma empatia por parte da mesma; ● Prestar atenção nas queixas do paciente, tentando sempre que possível aliviar a dor do paciente; ● Manter a vitima, sempre que possível, informada quanto aos procedimentos a serem adotados; ● Respeitar o modo e a qualidade de vida do traumatizado; ● Respeitar a privacidade e dignidade do paciente, evitando expor o mesmo sem necessidade. -3-
  • 4. Ética e Humanização Os profissionais da área da saúde e não oriundos da área da saúde, como os bom- beiros militares, por sua formação, dedicam-se ao atendimento humanitário. E, assim sendo devem ter sempre uma conduta humanista, no entender de Pablo González Blas- co1: "humanista é o homem que define atitudes concretas diante da vida, fruto da sua reflexão e como conseqüência de uma filosofia que norteia sua existência. Se este homem humanista é médico, essas atitudes que envolvem a sua própria vida atingirão as outras vidas, aquelas que ele tem que cuidar, e portanto implicarão uma postura concreta diante da vida humana, da vida doente, do sofrimento e da dor, da vida que se acaba". Humanizar também é, além do atendimento fraterno e humano, procurar aperfeiço- ar os conhecimentos continuadamente; é valorizar, no sentido antropológico e emocional, todos os elementos implicados no evento assistencial. Na realidade, a humanização do atendimento, seja em saúde ou não, deve valorizar o amor ao próximo, prestigiando a me- lhoria nos relacionamentos entre pessoas em geral. 1 Diretor Científico da SOBRAMFA- Sociedade Brasileira de Medicina de Família. Coordenador do Programa Eletivo em Medicina de Família do Centro de História e Filosofia das Ciências da Saúde- EPM, UNIFESP. Membro Internacional da Society of Teachers of Family Medicine (STFM). -4-