Exportação na Meio Byte por Jorge Lascas

575 views
503 views

Published on

Artigo sobre exportação na revista Meio Byte de Fevereiro de 2011 por Jorge Lascas

Published in: Business
0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total views
575
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
69
Actions
Shares
0
Downloads
2
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Exportação na Meio Byte por Jorge Lascas

  1. 1. Distribuição gratuita Portugal | Brasil www.meiobyte.net Edição n.º 9 Fevereiro 2010 passaTempO Meio Byte / Panda Security Portugal - parTicipe!A nova onda dos tablets O usO das redes sOciais nas empresas iTiL serviçOs - a pOnTa dO iceberg Os meLianTes que nOs descuLpem, mas eLes chegaram! esTamOs reaLmenTe fazendO a incLusãO digiTaL? e a sOciaL?
  2. 2. (( MEIO E )) GESTãO ExPORTAçÃO Jorge Lascas Licenciado em Engenharia Civil e Pós-Graduado em Gestão a expOrTaçãO esTá na Ordem dO diaNão só em Portugal, mas na maioria dos países que mais tro de Portugal, não vamos resolver os problemas do país.sentiram a crise financeira, sabe-se que necessitam equili- Precisamos gerar fluxos de divisas de fora para dentro.brar a balança comercial, diminuindo as importações e au- Cabe a cada empresário encontrar a melhor forma de omentando as exportações. fazer, em função da sua realidade, dos recursos disponí-Centremo-nos no aumento das exportações. Como pode veis e dos mercados alvo, mas deixo uma sugestão. Comisso ser conseguido? Devemos ter meia dúzia de empre- investimento reduzido é possível iniciar um processo desas a exportar muito, ou milhares de empresas a exportar internacionalização através de parcerias, representantes epouco cada uma? A primeira opção é a que dá efeitos mais distribuidores para os nossos produtos e serviços. Pensoimediatos, mas a segunda é sem dúvida a situação mais que esta pode ser uma boa solução para as empresas comsustentável. Lento a crescer, lento também a decair em menor capacidade de investimento, ou que queiram mini-caso de crise. mizar o risco.Como podemos então colocar as PME a exportar mais? Desejo a todos um fantástico 2011, certo que o futuro estáDevemos começar por libertar algumas amarras. uma das muito mais em nossas mãos do que muitas vezes possa-principais é a dependência de apoios do governo para fa- mos pensar.zer algo. Dizia-me um amigo italiano que a Itália só cresceà noite, quando o governo está a dormir. É uma forma decaricatura, mas a mensagem dos empresários é simples.Deixem-nos trabalhar. Se não atrapalharem, já ajudam.As últimas décadas deixaram muitas empresas dependen-tes de subsídios para tomar acções. Pior foi o embrenharna mente dos empresários que os apoios e subsídios sãofundamentais para o avanço das suas empresas. A minhaopinião é que quem se centra demasiado nos recursos enão na inovação, no produto e nos clientes, tem perna cur-ta. Os apoios podem dar a oportunidade de começar, masa taxa de sucesso é muito baixa. Projectos que conseguemir para o mercado com recursos reduzidos, têm maior taxade sucesso.As empresas que têm produtos e serviços com potencialde exportação, mais do que uma oportunidade, têm o deverde o fazer. Se continuarmos a vender uns aos outros, den-
  3. 3. COMUNICAMOS TECNOLOgIA www.meiobyte.net

×