CANAIS
DE VENDAS E
DISTRIBUIÇÃO
Prof. Jorge Cavalcante
“O canal de distribuição é a forma por meio da qual o
vendedor comercializa o produto ao consumidor ou usuário.
O meio de ...
ESCOLHA OS CANAIS DE DISTRIBUIÇÃO PARA SEUS
PRODUTOS
A forma como o produto chega ao consumidor depende do
tipo de produto...
AS REDES DE DISTRIBUIÇÃO NO BRASIL
• Num país de dimensões continentais – 8,5 milhões de
quilômetros quadrados –, a soluçã...
TIPO DE PRODUTO E DE VENDA DEFINE O CANAL
Há diferentes canais de distribuição, conforme o tipo de
produto e o relacioname...
CONSUMIDOR “A”
O fabricante vende para o consumidor “A” através de:
 Catálogo;
 Mala direta;
 Telemarketing e Internet....
CONSUMIDOR “B”
O fabricante tem contrato com um varejista, que possui uma loja ou
escritório e estoque próprio com a merca...
CONSUMIDOR “C”
O fabricante tem contrato com um distribuidor, que possui estoque
próprio com as mercadorias para pronta en...
CONSUMIDOR “D”
O fabricante vende ao consumidor por meio de algum contato pessoal.
Pode ser através da própria força de ve...
EXPORTAÇÃO
O fabricante entrega seu produto para uma empresa identificada como
trading, que adquire o produto, encontra o ...
TELEMARKETING
A IMPORTÂNCIA DO ATENDIMENTO POR TELEFONE
Prof. Jorge Cavalcante
“Poderíamos chamar o telemarketing de uma forma de
conquistar, reter, fidelizar clientes por meio do telefone, ou
seja, é ...
A IMPORTÂNCIA DO TELEMARKETING
• Pode ser uma Ferramenta Estratégica: Serve para conquistar e manter clientes.
• Aliada a ...
TIPOS DE TELEMARKETING
• Ativo – Quando a Empresa liga para os clientes;
• Exige:
• Script detalhado
• Metas de fazer liga...
TELEMARKETING ATIVO
• Para começar: Treinamento – é a primeira coisa a ser feita para que
todo o processo funcione correta...
SCRIPT
• Apresentação: Nesta fase é preciso cativar os clientes e para isso é necessário: Sorriso,
Entusiasmo e Empolgação...
SCRIPT
Benefícios: “É a hora de vender o seu peixe”.
• Comece dizendo: O motivo do meu contato, estou ligando para, o moti...
SCRIPT
Oferta: Nesta fase é preciso transmitir a mensagem de vendas com:
• Apresentação do serviços/produto;
• Apresentaçã...
SCRIPT
Fechamento: é o momento que exige técnica.
• Por isso , faça perguntas fechadas, porque você pode prever a resposta...
SCRIPT
Objeções: Inclua no script possíveis perguntas dos clientes.
• Crie um guia de perguntas e respostas e vá alimentan...
TELEMARKETING RECEPTIVO
• É quando os clientes ligam para a empresa.
• Por que o cliente liga para a empresa?
• Porque que...
SCRIPT
Apresentação: Nesta fase é preciso cativar os clientes e para isso é
necessário: Sorriso, Entusiasmo e Empolgação;
...
SCRIPT
Oferta: Nesta fase é preciso transmitir a mensagem de vendas com:
• Apresentação do serviços/produto;
• Apresentaçã...
SCRIPT
Fechamento: é o momento que exige técnica.
• Por isso , faça perguntas fechadas, porque você pode prever a resposta...
SCRIPT
Objeções: Inclua no script possíveis perguntas dos clientes.
• Crie um guia de perguntas e respostas e vá alimentan...
MARKETING ELETRÔNICO
Prof. Jorge Cavalcante
COMPUTADORES
INTERNET
1600 - 1850
Escócia
Blaise Pascal
Charles Babbage
1890
Maquina de Tabular
Herman Hollerith
1936 – 1940 - 1947
Konrad Zuse
...
1947 - 1953
LEO 1
1º Computador comercial
Inglaterra
CIRCUITOS IMPRESSOS
1954
Começa a produção em
escala comercial do
IBM...
1964
INTEL 4004
MICROPROCESSADOR
IBM 360
1968 - 1971
30.000 computadores vendidos
1976
MOUSE
DISQUETE Apple 1
INTERNET
Gue...
1977
Apple II
1981 - 1982 1983
MS-DOS / Windows
Osborne 1
1º Computador portátil
Apple lisa
Nos anos 80 a internet vai par...
1994 20001995 - 19971990
Internet chega ao brasil
RPN – Rede Nacional de
Pesquisa
Popularização no Brasil
1992
2005 2010 - 20122007 2013
E-BIT – confirmava no início
dos anos 2000
86,7%
R$ 24,12
bilhões
2013 ---------------------------------------------------------------2014 - 2015
Vendas pela internet crescem
+ 24%
Varejo ...
MERCADO DIGITAL
83 milhões
de brasileiros
49,2 % da
População
Fonte: IBGE
País
População
2011
Usuários de
Internet em
2000
Usuários de
Internet
em 2011
Penetração
%
No mundo
%
1 China 1,336,718,01...
DIGITAL COMMERCE - BRASIL
E-commerce R$ 22,526 45,3 %
Market Place R$ 6.582 13,2 %
Passagens aéreas,
Turismo e ingressos
R...
CONCEITO
A profusão de inovações tecnológicas e práticas em comércio eletrônico permitiu diversos
entendimentos para o mar...
CONCEITO
Reedy, Schullo e Zimmerman (2001, p. 26) colocam "marketing eletrônico como todas as atividades
on-line ou eletrô...
VANTAGENS DO E-COMMERCE
Vantagens Empresariais
• Possibilidade de se comunicar com outras
empresas, clientes e fornecedore...
DESVANTAGENS DO E-COMMERCE
Falta de contato por parte do cliente com o produto real, uma vez que quando o cliente adquire ...
RISCOS DO E-COMMERCE
Um dos desafios essenciais do comércio eletrônico é o gerenciamento de riscos
a) Gerenciamento da pri...
FUTURO E-COMMERCE
M-Commerce - Mobile Commerce
T-Commerce - Television Commerce
SNO (Social Network Optimization)
Lojas Vi...
M-COMMERCE
MOBILE-COMMERCE
T-COMMERCE
TELEVISION COMMERCE
T-COMMERCE
TELEVISION COMMERCE
SNO
(SOCIAL NETWORK OPTIMIZATION)
PRODUTOS VIRTUAIS - STREAMING
PRODUTOS VIRTUAIS – E-BOOKS
FORMAS TECNOLÓGICAS DE PAGAMENTO
FORMAS TECNOLÓGICAS DE PAGAMENTO
BIBLIOGRAFIA
• 1. http://www.sebrae.com.br/customizado/acesso-a-
mercados/distribua-seus-produtos/gestao-de-canais às 13:0...
Aula 6   canais de vendas e distribuição / Telemarketing / Marketing Eletrônico
Aula 6   canais de vendas e distribuição / Telemarketing / Marketing Eletrônico
Upcoming SlideShare
Loading in …5
×

Aula 6 canais de vendas e distribuição / Telemarketing / Marketing Eletrônico

9,823 views
9,334 views

Published on

Aulas sobre Canais de vendas e distribuição, seguidos dos slides sobre: telemarketing e marketing eletrônico com foco em internet!

Published in: Education
0 Comments
4 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total views
9,823
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
8
Actions
Shares
0
Downloads
395
Comments
0
Likes
4
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Aula 6 canais de vendas e distribuição / Telemarketing / Marketing Eletrônico

  1. 1. CANAIS DE VENDAS E DISTRIBUIÇÃO Prof. Jorge Cavalcante
  2. 2. “O canal de distribuição é a forma por meio da qual o vendedor comercializa o produto ao consumidor ou usuário. O meio de distribuição deve ser definido de acordo com o produto, o público-alvo e o fornecedor do negócio.” "As empresas têm várias opções para fazer seus produtos chegarem até os compradores: venda direta, representante comercial, telemarketing e internet“ Texto para leitura: http://goo.gl/BNyBMF
  3. 3. ESCOLHA OS CANAIS DE DISTRIBUIÇÃO PARA SEUS PRODUTOS A forma como o produto chega ao consumidor depende do tipo de produto em questão. --------------------------------------------------------------------------- O processo de distribuição refere-se às atividades de movimentação de produtos acabados, desde o final da linha de produção até o consumidor. Canal de distribuição é a forma por meio da qual o vendedor comercializa (e às vezes entrega) o produto ao consumidor ou usuário. SEBRAE
  4. 4. AS REDES DE DISTRIBUIÇÃO NO BRASIL • Num país de dimensões continentais – 8,5 milhões de quilômetros quadrados –, a solução para um empresário ter cobertura de mercado eficiente sem desembolsar recursos na montagem de uma rede própria, é contar com parcerias de distribuidores e representantes. SEBRAE
  5. 5. TIPO DE PRODUTO E DE VENDA DEFINE O CANAL Há diferentes canais de distribuição, conforme o tipo de produto e o relacionamento entre o consumidor e seu fornecedor.
  6. 6. CONSUMIDOR “A” O fabricante vende para o consumidor “A” através de:  Catálogo;  Mala direta;  Telemarketing e Internet. O contato direto entre fabricante e consumidor se restringe ao ato da venda, pois a entrega é geralmente realizada por terceiros. Exemplo:  Editora que vende livros por reembolso postal, com entrega a cargos dos Correios;  Pizzaria com serviço de atendimento pelo telefone e entrega em domicílio sob responsabilidade do entregador.
  7. 7. CONSUMIDOR “B” O fabricante tem contrato com um varejista, que possui uma loja ou escritório e estoque próprio com a mercadoria para pronta entrega ao consumidor “B”. Exemplo:  supermercados que compram diretamente do fabricante/produtor
  8. 8. CONSUMIDOR “C” O fabricante tem contrato com um distribuidor, que possui estoque próprio com as mercadorias para pronta entrega ao consumidor “C”. O distribuidor pode ter um ou mais representantes, dependendo da área geográfica que atende. O representante faz a prospecção de vendas, visita o cliente, fecha a venda e remete o pedido ao distribuidor, que embala o produto, entrega, faz a cobrança e paga comissão de vendas ao representante. Exemplo:  Empresas de bebidas e refrigerantes de médio e grande porte
  9. 9. CONSUMIDOR “D” O fabricante vende ao consumidor por meio de algum contato pessoal. Pode ser através da própria força de vendas, pronta-entrega ou porta- a-porta. Exemplo:  Força de vendas: equipamentos e produtos cujo ciclo de venda é mais demorado (tornos, retroescavadeiras, impressoras offset) e que exigem a presença do vendedor para fins de esclarecimento e negociação.  Pronta-entrega/porta-a-porta: vestuário, cosméticos e produtos de maquiagem. Exemplo clássico é a Avon (www.avon.com.br), que possui 600 mil representantes em todo o Brasil.
  10. 10. EXPORTAÇÃO O fabricante entrega seu produto para uma empresa identificada como trading, que adquire o produto, encontra o comprador no mercado externo, cuida de toda a documentação e do pós-vendas. Uma trading exportadora típica atua como um “departamento de exportação” de uma empresa sem experiência nesse tipo de comércio. A trading realiza vários serviços, como pesquisa de mercado, definição do canal de distribuição, negociação com bancos para obtenção de financiamento, embarques e preparação de todos documentos necessários. Algumas tarefas, especialmente difíceis de serem feitas no exterior, incluem análise de risco político, administração de vendedores e fluxo eficiente de comunicação entre o distribuidor e a matriz no Brasil.
  11. 11. TELEMARKETING A IMPORTÂNCIA DO ATENDIMENTO POR TELEFONE Prof. Jorge Cavalcante
  12. 12. “Poderíamos chamar o telemarketing de uma forma de conquistar, reter, fidelizar clientes por meio do telefone, ou seja, é uma ferramenta comercial e estratégica, quando bem utilizada.”
  13. 13. A IMPORTÂNCIA DO TELEMARKETING • Pode ser uma Ferramenta Estratégica: Serve para conquistar e manter clientes. • Aliada a outras mídias, pode dar suporte a campanhas de com E-mail, Site, Mala direta. • Atinge os clientes em diversas frentes: Televendas, Atendimento aos clientes, retenção, pesquisa, cobrança, promoção, atualização de cadastro, SAC, agendamento de visitas, Pós- venda, Assistência Técnica, Prospecção. • Setor em crescimento: um dos que mais contrata no setor de serviço. • Produtividade: Enquanto um vendedor faz 4 contato com clientes, pelo telefone pode-se fazer até 120 contatos. • Atendimento a Legislação: Lei 6523/2008, que trata do SAC. • Ligações gratuitas, dar opção de cancelamento, devolução no menu principal.
  14. 14. TIPOS DE TELEMARKETING • Ativo – Quando a Empresa liga para os clientes; • Exige: • Script detalhado • Metas de fazer ligações • Precisa de mais técnicas, para despertar o interesse dos clientes e têm mais objeções • Requer Database Marketing • Receptivo – Quando os clientes ligam para a Empresa • Exige: • Script mais simples e objetivo • Meta de atender as ligações • Traz e forma o Database Marketing
  15. 15. TELEMARKETING ATIVO • Para começar: Treinamento – é a primeira coisa a ser feita para que todo o processo funcione corretamente; • É essencial que os profissionais tenham conhecimento da campanha, dos produtos, das suas características, benefícios e diferenciais; • Monte um Script, com as seguintes fases: • Apresentação; • Relacionamento; • Benefícios ; • Perguntas; • Oferta; • Fechamento; • Encerramento
  16. 16. SCRIPT • Apresentação: Nesta fase é preciso cativar os clientes e para isso é necessário: Sorriso, Entusiasmo e Empolgação; • E ainda: Cumprimento Identificação Pessoal e da Empresa • Exemplo: Boa tarde, Meu nome é João, Sou da Empresa A. • Nunca diga “oi” ou “alô”, nem fale correndo... • Relacionamento: É o momento identificar a pessoa que deseja falar; • Se sabe o nome, por favor, o Sr. João; • Se não sabe o nome, “com que eu falo, por gentileza?” • Tente ver se o cliente esta disponível, procure ver se o horário é adequado e use sempre o nome do cliente no diálogo .
  17. 17. SCRIPT Benefícios: “É a hora de vender o seu peixe”. • Comece dizendo: O motivo do meu contato, estou ligando para, o motivo da minha ligação. • Use palavras importantes na solução de problemas ou atendimento de necessidades, por exemplo: economia de tempo, economia de dinheiro, comodidade, praticidade, novidade. • Se for para empresas; o que elas buscam? Aumentar clientes, diminuir custos, simplificar processos, aumentar a produtividade, conhecer melhor os clientes. Perguntas: Ajudam a descobrir as necessidades e perfil dos clientes e ajudam na alimentação do banco de dados • Não faça mais do que três perguntas seguidas, afinal não é um interrogatório! • Tipos: • Abertas: O que mais gosta de fazer? • Fechadas: Tem filhos? • Persuasivas: Atualmente existem muitas pessoas que desejam ter uma vida mais tranquila, não é mesmo?
  18. 18. SCRIPT Oferta: Nesta fase é preciso transmitir a mensagem de vendas com: • Apresentação do serviços/produto; • Apresentação da Promoção • Principais Vantagens • Diferencial Competitivo • Apresentação do Preço • Formas de Pagamento • Entrega • Tente mostrar que é uma solução, algo que veio para acabar com algum problema, que a empresa criou, como exemplo: “foi pensando nisso que a empresa...”
  19. 19. SCRIPT Fechamento: é o momento que exige técnica. • Por isso , faça perguntas fechadas, porque você pode prever a resposta dos clientes, como abaixo: • “ O Senhor prefere pagar com cheque ou cartão?” • “O melhor dia para agendarmos a visita é na segunda ou quarta?” • “O Sr. deseja um ou dois produtos x?” • Nesta fase, nunca faça perguntas que induzem negativas: “gostaria de comprar?” o Sr. Tem interesse no serviço/produto?” Encerramento: saia com “chave de ouro”. • Confirme os dados, tente agendar uma ligação após a compra, se for o caso, o chamado pós-venda, Agradeça em Nome da Empresa. e Encerre com uma saudação (tenha um bom dia, boa noite...)
  20. 20. SCRIPT Objeções: Inclua no script possíveis perguntas dos clientes. • Crie um guia de perguntas e respostas e vá alimentando a medida que surjam novas perguntas; • A objeção não quer dizer negativa do cliente, e sim interesse, no entanto ele tem um problema. A tarefa é entender a questão e ajuda-lo a resolver para fechar o negócio; • Tenha “jogo de cintura”: se você vende jornais e o cliente diz “estou desempregado!”, fale do caderno de empregos, facilite o pagamento. Diga que a assinatura proporciona vantagens em relação a outros candidatos, e que ele sai na frente se atualizando...
  21. 21. TELEMARKETING RECEPTIVO • É quando os clientes ligam para a empresa. • Por que o cliente liga para a empresa? • Porque quer comprar, pedir informação ou fazer uma reclamação • Monte um Script, com as seguintes fases: • Apresentação; • Relacionamento; • Oferta ; • Fechamento; • Encerramento
  22. 22. SCRIPT Apresentação: Nesta fase é preciso cativar os clientes e para isso é necessário: Sorriso, Entusiasmo e Empolgação; • E ainda: Identificação Pessoal e da Empresa e Cumprimento, ou seja, é ao contrário do Telemarketing Ativo • Exemplo: Empresa A, João, Boa tarde. • Nunca diga “oi” ou “alô”, nem fale correndo... Relacionamento: É o momento identificar a pessoa que deseja falar; • “Com que eu falo, por gentileza?”, Em que posso ajudar? Como o Sr. Conheceu nosso produto/serviço?(feedback do que esta atraindo os clientes)...
  23. 23. SCRIPT Oferta: Nesta fase é preciso transmitir a mensagem de vendas com: • Apresentação do serviços/produto; • Apresentação da Promoção • Principais Vantagens • Diferencial Competitivo • Apresentação do Preço • Formas de Pagamento • Entrega No entanto, seja mais objetivo do que no telemarketing ativo. Em caso de cancelamento, suspensão, devolução, procure entender a situação e aproveite a oferta para tentar reverter, no entanto, respeite a decisão do cliente e seja eficiente nos procedimentos
  24. 24. SCRIPT Fechamento: é o momento que exige técnica. • Por isso , faça perguntas fechadas, porque você pode prever a resposta dos clientes, como abaixo: • “ O Senhor prefere pagar com cheque ou cartão?” • “O melhor dia para agendarmos a visita é na segunda ou quarta?” • “O Sr. deseja um ou dois produtos x?” • Nesta fase, nunca faça perguntas que induzem negativas: “gostaria de comprar?” o Sr. Tem interesse no serviço/produto?” Encerramento: saia com “chave de ouro”. • Confirme os dados, tente agendar uma ligação após a compra, se for o caso, o chamado pós-venda, Agradeça em Nome da Empresa. e Encerre com uma saudação (tenha um bom dia, boa noite...). Não esqueça de relacionar no cadastro do cliente, que foi ele quem ligou para empresa. Se cancelou ou suspendeu o serviço/produto, coloque o motivo
  25. 25. SCRIPT Objeções: Inclua no script possíveis perguntas dos clientes. • Crie um guia de perguntas e respostas e vá alimentando a medida que surjam novas perguntas; • A objeção não quer dizer negativa do cliente, e sim interesse, no entanto ele tem um problema. A tarefa é entender a questão e ajuda-lo a resolver para fechar o negócio; Tenha “jogo de cintura”: conheça muito bem os diferenciais do produto/serviço, porque o cliente pode fazer uma cancelamento, ou pode estar fazendo uma pesquisa e comparando. Seja sempre cordial, não perca a calma, seja objetivo. Em caso de reclamação o cliente quer “SOLUÇÃO”, ouça e resolva o problema.
  26. 26. MARKETING ELETRÔNICO Prof. Jorge Cavalcante
  27. 27. COMPUTADORES INTERNET
  28. 28. 1600 - 1850 Escócia Blaise Pascal Charles Babbage 1890 Maquina de Tabular Herman Hollerith 1936 – 1940 - 1947 Konrad Zuse Z1 1º ELETRO-MECÂNICO Exército dos EUA para a 2º Guerra ENIAC MARK 1 Marinha Americana COMPUTADOR
  29. 29. 1947 - 1953 LEO 1 1º Computador comercial Inglaterra CIRCUITOS IMPRESSOS 1954 Começa a produção em escala comercial do IBM-701 1963 VENDIDO o 1º computador da história humana PDP - 5 Primeiro MiniComputador
  30. 30. 1964 INTEL 4004 MICROPROCESSADOR IBM 360 1968 - 1971 30.000 computadores vendidos 1976 MOUSE DISQUETE Apple 1 INTERNET Guerra Fria Criada com objetivos militares
  31. 31. 1977 Apple II 1981 - 1982 1983 MS-DOS / Windows Osborne 1 1º Computador portátil Apple lisa Nos anos 80 a internet vai para as Universidades americanas Arpanet TPC/IP 1989 Envio de documentos Comerciais entre grande empresas
  32. 32. 1994 20001995 - 19971990 Internet chega ao brasil RPN – Rede Nacional de Pesquisa Popularização no Brasil 1992
  33. 33. 2005 2010 - 20122007 2013 E-BIT – confirmava no início dos anos 2000 86,7% R$ 24,12 bilhões
  34. 34. 2013 ---------------------------------------------------------------2014 - 2015 Vendas pela internet crescem + 24% Varejo tradicional + 3% Previsões 2013 + 25% R$ + 28 bilhões Até 2014 45 mil lojas virtuais no Brasil 30% ativas Até 2015 Brasil será o 4º mercado mundial Em vendas pela internet Fonte: E-BIT / IBGE 2013
  35. 35. MERCADO DIGITAL 83 milhões de brasileiros 49,2 % da População Fonte: IBGE
  36. 36. País População 2011 Usuários de Internet em 2000 Usuários de Internet em 2011 Penetração % No mundo % 1 China 1,336,718,015 22,500,000 485,000,000 36.3 % 23.0 % 2 Estados Unidos 313,232,044 95,354,000 245,000,000 78.2 % 11.6 % 3 India 1,189,172,906 5,000,000 100,000,000 8.4 % 4.7 % 4 Japan 126,475,664 47,080,000 99,182,000 78.4 % 4.7 % 5 Brasil 203,429,773 5,000,000 75,982,000 37.4 % 3.6 % 6 Alemanha 81,471,834 24,000,000 65,125,000 79.9 % 3.1 % 7 Russia 138,739,892 3,100,000 59,700,000 43.0 % 2.8 % 8 Inglaterra 62,698,362 15,400,000 51,442,100 82.0 % 2.4 % 9 France 65,102,719 8,500,000 45,262,000 69.5 % 2.1 % 10 Nigéria 155,215,573 200,000 43,982,200 28.3 % 2.1 % Fonte: www.e-commerce.org.br / www.internetworldstats.com e institutos diversos
  37. 37. DIGITAL COMMERCE - BRASIL E-commerce R$ 22,526 45,3 % Market Place R$ 6.582 13,2 % Passagens aéreas, Turismo e ingressos R$ 18.942 38,2 % Compras Coletivas R$ 1.655 3,3 % MERCADO FATURAMENTO (milhões) SHARE B2C R$ 49.705 100 % VAREJO SERVIÇOS DIGITAIS TURIMOS E CULTURA PROMOÇÃO - VAREJO/SERVIÇOS Fonte: E-BIT
  38. 38. CONCEITO A profusão de inovações tecnológicas e práticas em comércio eletrônico permitiu diversos entendimentos para o marketing eletrônico. Denominações: Marketing Digital; Marketing Eletrônico; Marketing na Internet. Para Frost e Strauss (2000), o e-marketing (marketing eletrônico) é o marketing impregnado com tecnologia. Isto leva a aumentos de eficiência e criação de novos modelos de negócios que adicionam valor para os clientes com maiores lucros. Esta nova modalidade afeta o marketing aumentando a eficiência das funções tradicionais e transformando as estratégias.
  39. 39. CONCEITO Reedy, Schullo e Zimmerman (2001, p. 26) colocam "marketing eletrônico como todas as atividades on-line ou eletrônicas que facilitam a produção e a comercialização de produtos ou serviços para satisfazer os desejos e as necessidades do consumidor. O marketing eletrônico depende muito da tecnologia de redes para coordenar pesquisa de mercado e desenvolvimento de produtos, desenvolver estratégias e táticas para persuadir os consumidores, proporcionar distribuição on-line, manter registros dos consumidores, realizar serviços distribuição on-line, atendimento aos consumidores e coletar feedback dos clientes. O marketing eletrônico aprimora o programa geral de marketing que, por sua vez, viabiliza os objetivos da empresa no comércio eletrônico.” • Consiste em aliar os recursos de marketing tradicional com ferramentas eletrônicas; • Processo que estabelece uma combinação dos recursos de marketing tradicional com ferramentas eletrônicas.
  40. 40. VANTAGENS DO E-COMMERCE Vantagens Empresariais • Possibilidade de se comunicar com outras empresas, clientes e fornecedores; • Maior controle do estoque; • Reduzir gastos com ligações interurbanas; • Registros mais precisos de encomendas; • Possibilidade de acompanhar as necessidades do cliente em tempo real; • Maior qualidade no processo, através de registro automatizados das operações; • Reduz consideravelmente erros na entrada ou processamento dos dados obtidos, gerando um sistema que controla a integridade dos dados, dando maior confiabilidade às informações comerciais e gerenciais; • Conhecer o cliente através de seu histórico de compras, sabendo assim seus desejos e suas necessidades. Vantagens para o Consumidor • Poder visitar uma empresa 24h por dia e em qualquer dia da semana, na comodidade de sua casa, sem enfrentar filas, engarrafamentos etc.; • Informação sobre produtos, ficha técnica, assistência técnica, ou seja, informações mais detalhadas sobre o produto; • Não estar exposto a vendedores e a fatores emocionais, podendo pesquisar livremente.
  41. 41. DESVANTAGENS DO E-COMMERCE Falta de contato por parte do cliente com o produto real, uma vez que quando o cliente adquire um produto através de uma página da internet, ele não tem a posse imediata do produto; O atendimento dos pedidos e a logística não acontecem na mesma velocidade da Internet; Insegurança na compra pela Internet do ponto de vista dos clientes.
  42. 42. RISCOS DO E-COMMERCE Um dos desafios essenciais do comércio eletrônico é o gerenciamento de riscos a) Gerenciamento da privacidade de informações: Os sistemas eletrônicos de pagamento precisam assegurar e manter a privacidade; b) Bisbilhotice: Os ataques de bisbilhotice (Hacker) na rede podem resultar no roubo de informações de contas, tais como: números de cartões de crédito, números de contas de clientes ou informações sobre saldos; c) Espionagem de senhas: Os ataques de espionagem de senhas podem ser utilizados para obter-se acesso a sistema s nos quais informações do proprietário são armazenadas.
  43. 43. FUTURO E-COMMERCE M-Commerce - Mobile Commerce T-Commerce - Television Commerce SNO (Social Network Optimization) Lojas Virtuais Privadas Produtos Virtuais Tecnologias Alternativas de Pagamento
  44. 44. M-COMMERCE MOBILE-COMMERCE
  45. 45. T-COMMERCE TELEVISION COMMERCE
  46. 46. T-COMMERCE TELEVISION COMMERCE
  47. 47. SNO (SOCIAL NETWORK OPTIMIZATION)
  48. 48. PRODUTOS VIRTUAIS - STREAMING
  49. 49. PRODUTOS VIRTUAIS – E-BOOKS
  50. 50. FORMAS TECNOLÓGICAS DE PAGAMENTO
  51. 51. FORMAS TECNOLÓGICAS DE PAGAMENTO
  52. 52. BIBLIOGRAFIA • 1. http://www.sebrae.com.br/customizado/acesso-a- mercados/distribua-seus-produtos/gestao-de-canais às 13:00 de 13 de março de 2014 • 2. http://www.endeavor.org.br/artigos/operacoes/gestao-da-cadeia- de-suprimentos/canais-de-distribuicao-como-escolher às 13:45 de 13 de março de 2014 • 3. http://www.sebrae.com.br/customizado/acesso-a- mercados/distribua-seus-produtos/gestao-de-canais/843-7-os-canais- de-distribuicao/BIA_8437 às 14:00 de 13 de março de 2014 • 4. http://www.ecommercebrasil.com.br/eblog/2013/09/11/papel- marketing-digital-comercio-eletronico/ às 15:40 de 13 de março de 2014 • 5. NEWTON, Derek. Alimente suas Águias: Inspirando e Treinando sua Equipe de Vendas a Chegar no Topo. São Paulo: Pioneiro, 1997. • 6. MAURO, Paulo César. Guia do Franqueador: como crescer através do franchising. São Paulo: Nobel, 1994. • 7. SHAPIRO, Benson P. Os vendedores na era das commodities. HSM Management. São Paulo: Ano 2. N.11.p 18-21.nov/dez 1998. • 8. http://professor.ucg.br/login.asp às 16:31 de 13 de março de 2014 • 9 http://www.intercom.org.br/papers/regionais/sudeste2012/resumos /R33-1473-1.pdf às 16:40 de março de 2014

×