Bras indep texto 11_ 2007

1,238 views

Published on

Published in: Education
0 Comments
2 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total views
1,238
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
1
Actions
Shares
0
Downloads
38
Comments
0
Likes
2
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Bras indep texto 11_ 2007

  1. 1. HISTÓRIA GERAL ENSINO CRISE DO ANTIGO REGIME MÉDIO INDEPENDENCIA DA AMÉRICA ESPANHOLA 2º ANO ALUNO: ..............................................................Nº:...... DATA:.../.../121. Período Joanino (1808-1821) acordo com os anseios e aspirações das elites1.1. Política externa: rurais, detentoras das terras e do monopólio do Abertura dos Portos as Nações Amigas (1808) exercício do poder. Invasão da Guiana Francesa Ocupação do Uruguai (Província Cisplatina) 2. Primeiro Reinado (1822-31) Eleva o Brasil a Reino Unido (1815) Regime político: Monarquia Constitucional (D. Participa do Congresso de Viena (1815) Pedro I afirmava que “juraria a liberal constituição se Assina acordos comerciais com a Inglaterra (1810) ela fosse digna do Brasil e do seu imortal imperador”)  Tratado de Aliança e Amizade: Proíbe a 2.1. Assembléia constituinte de 1823: instalação do tribunal de Inquisição no Brasil; A Constituição da Mandioca. D. Pedro I dissolveu- Abolição gradativa do tráfico negreiro; Isenção a (noite da agonia) depois do impasse entre grupos jurídica aos cidadãos ingleses no Brasil; português e brasileiro a respeito da soberania. Liberdade de culto aos ingleses.  Tratado de Comércio e Navegação: Redução 2.2. A Constituição de 1824 (25.03): das tarifas alfandegárias para 15% sobre os Outorgada, monárquica, hereditária, executivo produtos ingleses; forte e centralizador, existência de quarto poderes –1.2. Política interna: montagem de uma estrutura executivo, legislativo, judiciário e moderador, voto administrativa que garanta a governabilidade. indireto e censitário, eleição em dois níveis (Paroquial Cria: Banco do Brasil, a Biblioteca Nacional, o e Provincial). Jardim Botânico, a Imprensa Régia (Gazeta Fluminense), a Academia de Belas Artes e Militar, Faculdades de Medicina (Bahia e Rio de Janeiro), Observatório Astronômico, Teatro São José. Transfere órgãos de Lisboa Revoga o Alvará de 1785: concede liberdade industrial no Brasil; Revolução Pernambucana de 1817.  Movimento republicano, separatista e lusofobista;  Conhecido por Revolta dos Padres;  Adesão da Paraíba, RG do Norte e Ceará;  Líderes: Pe. Ribeiro e Pe. Rolim.  Reprimido;1.3. Fim do Período Joanino Revolução do Porto (1820): exige o retorna da família real, expulsão dos estrangeiros (ingleses), a elaboração de uma constituição e a recolonização do Brasil. 2.3. Reação à constituição: Confederação do Equador. Regência de D. Pedro (1821-1822): conflito entre as “cortes” portuguesas e a elite brasileira  Movimento republicano e separatista; Passos da independência:  Data: 1824 (Pernambuco)  Dia do Fico (09.01.1822)  Líder: Frei Caneca, Cipriano Barata e Pais  Fundado o Clube da Resistência; Andrade;  D. Pedro recebe o título de “Defensor e Protetor  Motivações: dissolução da constituinte, outorga da Perpétuo do Brasil” constituição, crise econômica, troca de presidente  Junho de 1822 D. Pedro Convoca a Constituinte da província;  Sete de setembro: a independência.  Adesão do RG do Norte, Paraíba e o Ceará.  Reprimida;LEMBRETES IMPORTANTES1. O processo de emancipação política do Brasil não se fez acompanhar de intensas lutas populares e de uma efetiva participação das massas.2. A independência, a organização do Estado brasileiro e o quadro político estruturaram-se de Professor JORGE MARCOS - TEXTOS DE HISTÓRIA – BRASSIL INDEPENDENTE
  2. 2. 2.4. Política externa  Reconhecimento da independência  Estados Unidos foi o primeiro país a reconhecer (Doutrina Monroe);  Portugal (1825): exige uma indenização de 2 milhões de libras;  Inglaterra (1826): exige a renovação dos acordos de 1810  Guerra da Cisplatina (1826-1828): luta do Uruguai pela sua independência. Intermediação da Inglaterra. 3. A abdicação de D. Pedro I (1831) 3.1. Problemas enfrentados por D. Pedro I a partir de 1825 que levaram-no a abdicação:  Envolvimento do imperador em problemas Reconhecimento interno da independência. dinásticos em Portugal gerando críticas; Resistência a autoridade de D. Pedro em  Derrota na Guerra da Cisplatina (1828)diversas províncias: Piauí, Bahia, Cisplatina,  Quebra do Banco do BrasilMaranhão, Grão-Pará. Para enfrentar a resistência  Endividamento com a Inglaterra para compra daforam contratados, mercenários ingleses, franceses e independêncianorte-americanos.  Renovação do Tratado de Comércio com a Inglaterra (1827)  Imposição do Ministério dos Marqueses composto só por portugueses em 1831. EXERCÍCIO1) As três afirmações abaixo referem-se ao contexto 33) Todas são corretas. histórico do reconhecimento da Independência 44) Toda são incorretas. Brasileira, conquistada em 1822. 2) O rompimento com Portugal em 1822 estabeleceuI. O reconhecimento por parte dos EUA, em 1824, a necessidade de um novo ordenamento jurídico obedeceu aos princípios da Doutrina Monroe, para o país recém-independente, razão pela qual segundo os quais os norte-americanos deviam Pedro I convocou a primeira Assembléia apoiar os movimentos de emancipação no Constituinte. De seus trabalhos, podemos afirmar continente e combater toda pretensão européia de que: intervenção ou recolonização na América.II. Para o reconhecimento, formalizado em 1825, a) Dividida entre representantes dos partidos Portugal exigiu do Brasil uma compensação de 2 português e brasileiro, o texto constitucional milhões de libras e o compromisso de não se unir a promulgado omitia-se quanto aos grandes temas nenhuma colônia portuguesa. debatidos.III. Uma importante condição imposta pela Inglaterra b) Por ser dominada pelos liberais e buscava limitar a nas negociações com o Brasil foi a promessa de autoridade do Imperador, exigindo dele o extinção imediata do tráfico de escravos africanos, acatamento prévio da constituição em elaboração, condição que, embora gerasse discordâncias, acabou foi dissolvida no mesmo ano de sua instalação. por ser plena e imediatamente aceita. c) Controlada pelos conservadores e constantemente submetida à pressão do monarca, a AssembléiaAssinale: Constituinte reforçou a autoridade do rei ao instituir o poder moderador.00) I é correta. d) Aprovou e promulgou o primeiro texto11) II é correta. constitucional brasileiro, sendo conhecida como22) III é correta. “Constituição da Mandioca”. Professor JORGE MARCOS - TEXTOS DE HISTÓRIA – BRASSIL INDEPENDENTE
  3. 3. 3) Sobre o processo de independência do Brasil que 4) A Confederação do Equador foi um movimento de se prolonga além do 7 de setembro, pode-se contestação do poder central, revelando afirmar: insatisfações políticas importantes. Os rebeldes procuraram evitar os erros cometidos no00) A Constituição liberal de 1824 garantiu o direito de movimento de 1817, mas propriedade, incluindo a permanência da escravidão. 00- foram derrotados e duramente reprimidos pelo11) A Revolução do Porto, de 1820, propunha o fim dos governo, sendo Frei Caneca fuzilado. privilégios portugueses e a defesa da autonomia 11- não contaram com a participação das elites liberais. político-administrativa dos brasileiros. 22- não conseguiram empolgar a população, ficando22) A Confederação do Equador, levante urbano e totalmente isolados. popular ocorrido em Pernambuco em 1824, 33- suas divergências com D. Pedro I foram protestava contra a centralização do poder nas contornadas através de negociações políticas. mãos do Imperador. 44- contaram com a participação de lideranças liberais33) Os Estados Unidos foram o primeiro país a expressivas, entre elas Manuel de Carvalho e reconhecer, em 1824, a independência com base Cipriano Barata. na Doutrina Monroe. O PERÍODO REGENCIAL (1831-1840) - “EXPERIÊNCIA REPUBLICANA BRASILEIRA”1- Características  Disputa pelo poder Agitação política Violência; 2 - Significado da abdicação: vitória de um Instabilidade política; liberalismo calcado na escravidão e no latifúndio3 - Principais grupos políticosPARTIDO O QUE ERA FIGURA DE O QUE JORNAIS E DESTAQUE DEFENDIA SOCIEDADES IMPORTANTES Facção mais radical do partido Cipriano A efetiva Jornais: O Republico,FARROUPILHAEXALTADO OU brasileiro. Identificava-se Barata, Borges independência Trombeta dos LIBERAL - 1831-1840 ideologicamente com a classe da Fonseca, brasileira. Farroupilhas, A PARTIDO média (profissionais liberais, Augusto May, Nacionalização. Malagueta, Sentinela da pequenos comerciantes, Miguel Frias, República e Liberdade, O Bem-te-vi. funcionários públicos, militares Rangel de federalismo. Sociedade: Sociedade de baixa patente, padres) e Vasconcelos. Federalista. constituía minoria na assembléia. Partido da classe dominante – Diogo Feijó, A independência Jornal: AuroraCHIMANGOMODERAD LIBERAL - 1831-1840 aristocracia rural. Possuía a Evaristo da do Brasil, com o Fluminense. Sociedade PARTIDO O OU maioria na assembléia. Defendia Veiga, mínimo de Defensora da Liberdade e a preservação da unidade Bernardo de alteração no Independência Nacional. territorial e o respeito a Vasconcelos. processo constituição. político. Associação política que reunia os José Bonifácio A volta de D. Jornais: O Caramuru, ORESTAURPARTIDOCARAMURU 1831- portugueses do grande comércio. de Andrada e Pedro I. um Tamoio. Sociedade ADOR 1834 Apoiava D. Pedro I e representava Silva regime Conservadora (depois, OU a direita conservadora brasileira. absolutista e Militar). centralizador_______________________________________________________________________________4 - Com a morte de D. Pedro I acontece uma rearticulação partidária: parte dos moderados se une com os exaltados formando os Liberais ou Luzias (Feijó) e outra parte se une com os restauradores formando os Conservadores ou Saquaremas (Araújo Lima). Professor JORGE MARCOS - TEXTOS DE HISTÓRIA – BRASSIL INDEPENDENTE
  4. 4. proclamação de uma república provisória (República Baiense) 6.3. Cabanagem  Local: Pará;  Período: 1836 a 1837;  Líderes: Clemente Malcher, Irmãos Vinagre (Pedro e Manuel), Eduardo Angelim e Pe. Batista de Campos  Movimento popular contra o autoritarismo do governo central;  Toma o poder (Belém)  Final: repressão violenta. Morte de 40% da população do Pará. Pe. Feijó Araújo Lima 6.4. Revolta dos Malês  Local: Bahia;5 - Tendências políticas no período regencial:  Período: 1835; 1831-1837 – Fase Liberal (Regências Trinas e Una  Líderes: Manuel Calafete, Aprígio e Pai Inácio; de Feijó) - medidas descentralizadoras:  Revolta de escravos muçulmanos aproveitando-  Guarda nacional (origem do coronelismo), se de divergências nas elites  Código do Processo Criminal (judiciário 6.5. Balaiada municipal com juiz de paz eleito na paróquia),  Local: Maranhão;  Ato Adicional de 1834: eleição direta para  Período: 1838 a 1841; regentes, suspende o Conselho de Estado, reduz  Líderes: Manuel Francisco dos Anjos Ferreira a maioridade, cria o município neutro e cria as (O Balaio), Raimundo Gomes (vaqueiro), Assembléias Legislativas Provinciais. Cosme (Cara Preta, escravo); 1838-1840 – Fase Conservadora (Regência Una de  Motivos: disputas políticas entre Liberais Araújo Lima) - medidas centralizadoras: (Bem-te-vis) e Conservadores.  Anulou o Ato Adicional (Lei da Interpretação);  Movimento popular contra as arbitrariedades  Reforma do Código do Processo (o Juiz de Paz das elites. Aproveitam-se dos atritos entre passa a ser nomeado pelo regente); conservadores e liberais.  Passou a nomear os chefes das guardas  Tomam o poder (Caxias, segunda cidade do nacionais. Maranhão).6 - Revoltas regenciais: expressam os diferentes interesses locais que lutavam por maior participação do poder. A ruptura de elites permite manifestações de setores marginalizados.6.1. Guerra dos Farrapos ou Revolução Farroupilha  Local: Rio Grande do Sul  Período: 1835 a 1845;  O movimento: luta dos produtores de charque do sul por maior autonomia e a política tarifária sobre o charque gaúcho. Proclamaram a República Piratini (RS, 1835) e República Juliana (SC, 1839);  Líderes: Bento Gonçalves, Davi Canabarro e Giugeppe Garibaldi.6.2. Sabinada  Local: Bahia.  Período: 1837;  Líder: Francisco Sabino Álvares da Rocha;  Movimento autonomista de classe média, contra o centralismo regencial. Previa a EXERCÍCIO5) Entre os eventos do período regencial (1831- (c) A Reforma Constitucional de 1834, que criou as 1840), podemos citar: Assembléias Provinciais com autonomia política. (d) A ameaça à centralização do poder e à unidade(a) A criação da Guarda Nacional, que garantiu a territorial do Brasil. unidade do território brasileiro. (e) A eclosão de movimentos sociais, como a Guerra(b) A extinção do poder moderador, que garantiu a dos Farrapos e a Sabinada, favoráveis à volta de D. democratização no cenário político nacional. Pedro I. Professor JORGE MARCOS - TEXTOS DE HISTÓRIA – BRASSIL INDEPENDENTE
  5. 5. 11- Constituíram-se, em meio à luta, duas efêmeras6) Um dos momentos mais dramáticos da vida Repúblicas: a Juliana, em Santa Catarina, e a política brasileira foi o Período Regencial, que Piratini, no Rio Grande do Sul. vigorou entre 1831 e 1840. Nele atuaram diversas 22- Entre os participantes desse movimento estava a facções políticas que mais tarde formariam as "heroína de dois mundos", a republicana bases do partido liberal e do partido conservador. revolucionária Ana Maria de Jesus Ribeiro - Anita Dentre essas facções, destacavam-se: Garibaldi. 33- Trata-se de uma revolução de caráter popular em(a) Caramurus, Balaios e Garanhuns. que as elites foram postas à margem durante todo(b) Chimangos, Caramurus e Jurujubas. o processo.(c) Farroupilhas, Marianos e Exaltados. 44- desfecho da revolução foi sangrento. Não houve(d) Moderados e Exaltados e Socialistas concessões nem anistia aos Farrapos. Todos foram(e) Restauradores, Caramurus e Jurubebas. executados.7) Uma medida administrativa importante ocorrida 9) A descentralização política do Brasil, no período na época do segundo reinado brasileiro, foi a regencial, resultou em. restauração de um importante órgão que havia sido suprimido pelo Ato Adicional de 1834 e que (a) Deslocamento das atividades econômicas para a tinha como objetivos, desde a boa execução das região centro-sul, através de medidas de leis até propostas do monarca à Assembléia Geral. favorecimento tributário. Trata-se: (b) Ampla autonomia das províncias, de acordo com um modelo que veio a ser adotado, mais tarde,(a) Do Conselho de Estado. pela Constituição de 1891.(b) Da Assembléia Constituinte. (c) Revoluções e movimentos sediciosos que exigiam(c) Da Regência Provisória. um modelo centralizador, em benefício das várias(d) Do Parlamento. regiões do país.(e) Do Padroado. (d) Revoluções e movimentos sediciosos, exigindo que o futuro D. Pedro II assumisse o trono para reduzir8) Leia atentamente as afirmações abaixo sobre a a influência do chamado “partido português”. Guerra dos Farrapos e assinale a alternativa (e) Autonomia relativa das províncias, favorecendo o correta. poder das elites regionais mais significativas.00- Foi a mais longa Guerra Civil do Brasil. BRASIL IMPÉRIO - SEGUNDO REINADO (1840-1889)1. POLITICA INTERNA A Inglaterra usa o Brasil para controlar a Bacia1.1. O Golpe da Maioridade (1840): Golpe liberal Platina. para afastar o regente Araújo Lima. Ascensão dos  Uruguai (1851 - Oribe); liberais e palacianos (Clube da Joanaultra  Argentina (1852 - Rosas); conservador).  Uruguai (1864/65 - Aguirre);1.2. Eleições do Cacete (1841). Eleições marcadas pela violência, fraude, vencida pelos liberais. D. Pedro II anula as eleições, demite o Ministério Liberal (Ministério dos Irmãos), nomeando os Conservadores.1.3. Revoltas Liberais (SP e MG): contra a anulação das eleições, a demissão do Ministério Liberal. Reprimidas por Luis Alves de Lima e Silva (Duque de Caxias)2. POLÍTICA EXTERNA:2.1.Questão Christie (1861-1865) Razões: desaparecimento da carga do navio Príncipe de Gales e a prisão de militares ingleses; Solução: arbitramento internacionala Inglaterra pederia desculpas. Não acatou e o Brasil rompe relações diplomáticas: Império busca maior independência em relação à Inglaterra.2.2. Guerras Platinas: O país busca exercer um controle sobre a Bacia Platina (imperialismo). Para 2.3. Guerra do Paraguai (1864/70) tanto, impõe sua hegemonia na região. Quanto ao  Paraguaipaís rico, desenvolvido, Paraguai, seu modelo econômico é uma ameaça ao industrializado, sem analfabetismo e sem modelo brasileiro. latifúndio. A “Suíça das Américas”.  A guerra: Professor JORGE MARCOS - TEXTOS DE HISTÓRIA – BRASSIL INDEPENDENTE
  6. 6.  Planos paraguaios: fazer o “Grande Paraguai” busca de uma saída para o mar.  Apoio a Aguirre (Uruguai)  Restrições a navegação nos rios platinos  1864aprisionamento do navio “Marques de Olinda”.  1865ocupação do Mato Grosso e parte do RG do Sul;  1865: formação da Tríplice Aliança (BAU – Brasil + Argentina + Uruguai);  Batalhas: Riachuelo, Tuiuti, Lomas Valentinas, Angostura, Humaitá, Curupaiti;  Campanha dos Andes (1870 Batalha de Cerro Cora): derrota do Paraguai. Conseqüências:  Paraguai: destruição econômica e demográfica, endividamento externo, dependência  Rodízio no poder já que quem reinava, governava e econômica; administrava era o rei. A política era tratada agora  Brasil: endividamento externo, aumento do nos gabinetes, não nas ruas. poder do Exército (republicano e abolicionista) e queda da monarquia.3. A restauração da ordem e a pacificação do Brasil (1840-48): pacificados os dois últimos movimentos liberais (descentralizadores): as revoltas de MG e SP em 1842 (movimento de elite) e a Praieira de 1848 em PE (movimento que atinge as camadas populares).4. 1853-1858: Era da Conciliação Liderança de Honório Hermeto Carneiro Leão (marques do Paraná) Liberais e conservadores forma um mesmo gabinete. Os recursos originados pelo café possibilitam a "pacificação do país".5. Paieira 9. Economia Pernambuco, Olinda e interior (1848); 9.1. Características Líderes: Chinchorro da Gama, Pedro Ivo;  Dependência econômico-financeira em relação à Características: republicanismo, separatismo, Inglaterra; participação popular, fim da escravidão, voto livre  Déficit da balança comercial; e liberdade de imprensa;  Elevada dívida externa Final: repressão  Crise da lavoura tradicional (algodão e cana);  Novos produtos: cacau, borracha e o café. 9.2. O café  Origem: África francesa  Roteiro: Guiana (França) ParáMaranhãoBahiaMinas GeraisRio de JaneiroSão PauloParaná (século XX).  Áreas: Vale do Paraíba do Sul (RJ) relevo acidentadoestrutura monocultoramentalidade escravistaauge: 1840-1870;  Oeste Paulistaplanícieterra roxa (vermelha) mão-de-obra livre e assalariada (imigrante) principal área cafeeiranovos grupos sociaisbarões do café e burguesia cafeeira;6. Transação e conciliação política 9.3. As mudanças 1847: implantação do parlamentarismo (às avessas). Ao contrário do sistema inglês, no  O café foi o principal responsável pelas Brasil cabia ao imperador nomear o ministério. transformações econômicas, sociais e políticas ocorridas no Brasil na segunda metade do século XIX: fim do escravismo, urbanização, fim da escravidão, queda da monarquia. Professor JORGE MARCOS - TEXTOS DE HISTÓRIA – BRASSIL INDEPENDENTE
  7. 7.  O café reintegrou a economia brasileira nos mercados internacionais, contribuiu definitivamente para o incremento das relações assalariadas de produção e possibilitou a acumulação de capital que, disponível, foi aplicado em sua própria expansão e em alguns setores urbanos como a indústria. O café foi responsável pela inversão na balança comercial brasileira que, depois de uma história de constantes déficits (defasagens, perdas), passou a superavitária (grandes ganhos) entre os anos de 1861 e 1885. Barão de Mauá 10. Movimento abolicionista:  Pressão inglesa: Acordo de 1810 e Bill Aberdeen (1845)  Movimento abolicionistabranqueamento da raçanovas idéiaspositivismo e evolucionismo;  Leis abolicionistas;  Lei Regencial (1831);  Lei Eusébio de Queirós (1850): fim do tráfico intercontinental de escravos. Provoca o aumento do preço do escravo e a intensificação do tráfico interprovincial;9.4. Surto Industrial – Era Mauá (1850- 1860) Fatores favoráveis:  Protecionismo alfandegário: Tarifa Alves Branco (1844)  Fim do tráfico negreiro: libera capitais. Os negócios de Mauá  Fundição de ferro e bronze;  Caldeiraria;  Lei do Ventre Livre (1871): liberta as crianças  Serralheria; escravas nascidas na data em diante. Podendo  Estaleiros; o senhor entregar ao Estado ao completar 10  Companhia de Navegação a Vapor no anos ou permanecer com o escravo até Amazonas e no Rio Grande do Sul; completar 21 anos;  Companhia de Iluminação à Gás no Rio de  Lei Saraiva-Cotegibe (1885): liberta os escravos Janeiro; maiores de sessenta anos;  Companhias de bondes e estradas (Rio -  Lei Áurea (1888): fim compulsório da Petrópolis, a atual Central do Brasil e a atual escravidão sem indenização. Santos-Jundiaí, em São Paulo); 11. Imigração  Introduziu do Telégrafo Submarino  Início: D. João VIfunda a colônia do (BrasilEuropa); CantagaloNova Friburgo (RJ);  Montou o Banco Mauá & Cia., com filiais na  Década de 1840: Nicolau de Campos Inglaterra, Argentina, Uruguai, França e VergueirosIbicaba (Limeira, SP). Revolta de Estados Unidos. imigrantes (1857) Fracasso de Mauá - razões  1850: Aprovada a Lei de terrasdificulta o acesso  Arcaica estrutura socioeconômica assentada na a terra pública; agro-exportação escravista;  Modalidades:  Incipiente mercado consumidor interno;  Sistema de Parceria: iniciativa privada;  Revogação da Tarifa Alves Branco (Tarifa Silva  Sistema de colônias: iniciativa oficial; Ferraz1860)  Assalariamento da mão-de-obra;  Concorrência desleal externasabotagem;  Origem: Alemanha e Itália.  Falta de apoio oficial; 12. Aspectos culturais 12.1. Aspectos gerais Professor JORGE MARCOS - TEXTOS DE HISTÓRIA – BRASSIL INDEPENDENTE
  8. 8.  Forte influência européia, principalmente da  Fundação do Partido Republicano (RJ); França: 1816Missão Artística  1873: Convenção de Itufundação do PRP Francesafundação da Academia de Belas Artes;  Tendências: Gosto pela imitação da arte européia;  RevolucionárioSilva Jardim12.2. Manifestações  Evolucionista ou evolucionáriosQuintino Pintura: exaltação de feitos históricos e Bocaiúva; representação de figuras humanas.  PositivistasmilitaresBenjamim  Exemplos: Pedro Américo (Grito do Ipiranga) Constant. e Rodolfo Amoedo (O último tamoio)  Conflito Igreja e Império: bula Sylabbus (Pio IX)  proibiu a ligação entre católicos e maçons (D. Pedro II era maçom). A crise ficou conhecida por "Questão Religiosa".  O Descontentamento Militar: vários incidentes envolvendo a oficialidade, entre 1884 e 1889, conhecidos como a "questão militar" (caso Cunha Matos e Caso Sena Madureira). Literatura  Romantismo: valorize o nacionalismo, acentua valores individualistas, a efervescência social e política, esperança e a paixão. Correntes: indianismo (José Alencar), byronismo e condoreirismo.  Realismo: objetivismo, universalismo. Exemplo: Machado de Assis;  Naturalismo: determinismo. Álvares de Azevedo (O Cortiço); Crise monárquica  Parnasianismo: racionalismo, universalismo. 14. Tentativa de reforma Olavo Bilac (Via Láctea);  Simbolismo: misticismo, religiosidade. Cruz e O governo imperial, percebendo, embora Souza (Missal e Broqueis); tardiamente, a difícil situação em que se encontrava Música erudita: opera (cantada por italianos), com o isolamento da monarquia, apresentou à Câmara valsa, quadrilha, xote, maxixe, polca; dos Deputados um programa de reformas políticas, do Música popular: modinha e lundu. Destaque qual constavam itens como: para Ernesto Nazareth e Chiquinha Gonzaga (Abre Alas).  Liberdade de fé religiosa; Festas populares: carnaval  Liberdade de ensino e seu aperfeiçoamento;  Autonomia para as províncias;13. Crise do império brasileiro (1870-1889):  Mandato temporário para os senadores. Origem da crise: Guerra do Paraguai (1865-1870) As reformas chegaram tarde demais. No dia 15 A Influência das Idéias Européiasideologia de novembro de 1889, o Marechal Deodoro da Fonseca positivistaidéias de "Progresso”, "civilização", assumiu o comando das tropas revoltadas, ocupando o "ciência", “ordem”. quartel-general do Rio de Janeiro. Na noite do dia 15 Campanha abolicionista (José do Patrocínio e constituiu-se o Governo Provisório da República dos Joaquim Nabuco) o que força o governo imperial Estados Unidos do Brasil. optar por uma abolição lenta e gradual O Movimento Republicano  "O Povo Assistiu Bestializado a  Antecedentes: proclamação da república"não houve a  Conjuração Mineira e Inconfidência Baiana participação popular; não passou de uma "parada (séc. XVIII); militar".  Insurreição Pernambucana de 1817;  Confederação do Equador (1824); DICA  Revoltas Regenciais (Farroupilha e Sabinada)  Revolução Praieira (1848). A república foi fruto de uma aliança entrecivis  Década de 1870: (cafeicultores e classe média) + militares (exército)  Manifesto Republicano; EXERCÍCIO Professor JORGE MARCOS - TEXTOS DE HISTÓRIA – BRASSIL INDEPENDENTE
  9. 9. 10) O Segundo Reinado (1840-1889) marcou o auge da MÃO-DE-OBRA ESCRAVA NO BRASIL DO SÉCULO XIX forma de governo monárquica no Brasil. A respeito da política externa dessa época, julgue as PARÁ alternativas a seguir:00) O Império, aproveitando-se da rebelião dos MARANHÃO CEARÁ seringueiros e revelando traços imperialistas, RIO GRANDE obteve da Bolívia a região do Acre, formalizando a PIAUÍ DO NORTE conquista com o Tratado de Petrópolis. MATO GROSSO PARAÍBA11) A Questão Christie culminou com o rompimento de PERNAMBUCO BAHIA ALAGOAS relações diplomáticas com a Inglaterra. GOIÁS SERGIPE22) O Império interveio militarmente no Uruguai e provocou a queda de Aguirre, do Partido Blanco, apesar da solidariedade que este tinha de Solano MINAS GERAIS Lopes. Províncias com maior concentração de33) O Império interveio militarmente na Argentina, PARANÁ ESPÍRITO SANTO escravos em 1823 juntamente com algumas províncias deste país, em SÃO PAULO RIO DE JANEIRO Províncias com maior concentração de rebelião contra seu presidente, João Manuel escravos em 1887 Rosas. A análise do mapa e os conhecimentos sobre a mão-44) Nenhum atrito digno de registro ocorreu entre o de-obra escrava no Brasil do século XIX permitem Brasil e o Império Alemão, do qual recebemos afirmar: numerosos colonos ou imigrantes. 00 O elevado contingente de escravos registrado na11) Sobre a economia brasileira durante o Segundo província de Pernambuco, no início do século XIX, Reinado (1840-1889), são feitas as seguintes decorreu da implantação da produção do fumo e da afirmações: expansão de indústrias de beneficiamento da borracha.I. A abolição do tráfico de escravos e os investimentos 11 A província do Rio de Janeiro apresentou um ingleses no Brasil deram à nossa economia uma relativo equilíbrio no contingente de escravos, feição eminentemente industrial, observável no entre o início e o fim do século XIX, em razão da predomínio demográfico do meio urbano sobre o implantação da agricultura cafeeira, que substituiu rural. as atividades anteriormente dominantes naquelaII. A ampliação do mercado consumidor externo de província. café (destacadamente, o norte-americano), na 22 A província de Minas Gerais manteve um número segunda metade do século XIX, representou um aproximado de escravos ao longo do século XIX, grande estímulo à expansão do cultivo do produto visto que ali ocorreram as primeiras experiências no centro-sul do país. industriais promovidas pela política do ViscondeIII. A instalação e o desenvolvimento do transporte de Mauá. ferroviário foram, em grande parte, determinados 33 A queda no contingente de mão-de-obra escrava pela crescente necessidade de escoamento da registrada nas províncias de Pernambuco e da produção agrícola, como a de café, das áreas de Bahia, no fim do século XIX, explica-se pela cultivo para os portos. incidência do tráfico interprovincial e pelo empobrecimento dos proprietários de terrasAssinale: vinculados à produção agrícola tradicional.00) I é correta. 44 A província de São Paulo iniciou sua agricultura11) II são corretas. cafeeira ainda nos moldes de economia escravista,22) III é correta. fator que explica a presença ali de um número33) Todas são corretas. razoável de escravos, como registra o mapa.44) Todas são incorretas. 13) (UFAL) O Senador Nicolau de Campos Vergueiro,12) (UFBA) entre 1847 e 1857, foi o pioneiro na utilização de mão-de-obra de imigrantes europeus, cuja experiência teve por características: 00. A escravização de colonos alemães e suíços nas suas fazendas nas regiões de Jundiaí e Limeira. 11. A instalação de núcleos coloniais suíços, alemães e açorianos no Vale do Paraíba. 22. A contratação de assalariados imigrantes portugueses para trabalharem nos municípios de Itu e Avaré. 33. A instalação do regime de “meiação” com imigrantes alemães e suíços na região do Oeste Paulista, que compreendia a antiga área canavieira de Campinas a Ribeirão Preto. Professor JORGE MARCOS - TEXTOS DE HISTÓRIA – BRASSIL INDEPENDENTE
  10. 10. 44. O assentamento de colonos alemães, suíços, B A VVVFF E FVVVF portugueses e belgas, no sistema de parceria, em sua fazenda de café, em Ibicaba, no interior de São Paulo. 11. 12. 13. VVVF FVFVF FFFVV GABARITO 1. 2. 3. 4. 5. VVFFF B VFVV VFFFV D 6. 7. 8. 9. 10. Professor JORGE MARCOS - TEXTOS DE HISTÓRIA – BRASSIL INDEPENDENTE

×