Your SlideShare is downloading. ×
Portal Prof. Jorge - Realismo brasileiro
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×

Saving this for later?

Get the SlideShare app to save on your phone or tablet. Read anywhere, anytime - even offline.

Text the download link to your phone

Standard text messaging rates apply

Portal Prof. Jorge - Realismo brasileiro

631
views

Published on


0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total Views
631
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
1
Actions
Shares
0
Downloads
6
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1.   REALISMO  BRASILEIRO   Professor  Jorge  Jr.  (JJ)   www.pro/orge.com.br  
  • 2. www.pro/orge.com.br  BAIXE  AULAS  E  EXERCÍCIOS  GRATUITAMENTE   PROFESSOR  JORGE  JR.  
  • 3. REALISMO  MACHADIANO   Machado  de  Assis   ROMÂNTICO                          REALISTA    IDEALIZAÇÃO                        ANÁLISE  Joaquim   Maria   Machado   de   Assis,   cronista,   conKsta,   dramaturgo,   jornalista,   poeta,  novelista,   romancista,   críKco   e   ensaísta,   nasceu   na   cidade   do   Rio   de   Janeiro   em   21   de  junho   de   1839.   Filho   de   um   operário   mesKço   de   negro   e   português,   Francisco   José   de  Assis,  e  de  D.  Maria  Leopoldina  Machado  de  Assis,  aquele  que  viria  a  tornar-­‐se  o  maior  escritor   do   país   e   um   mestre   da   língua,   perde   a   mãe   muito   cedo   e   é   criado   pela  madrasta,  Maria  Inês,  também  mulata,  que  se  dedica  ao  menino  e  o  matricula  na  escola  pública,   única   que   frequentará   o   autodidata   Machado   de   Assis.   Apesar   de   ter   iniciado  seus  escritos  com  caracterísKcas  românKcas,  sua  suas  maiores  obras  foram  realistas.  
  • 4. CARCTERÍSTICAS    CAPÍTULOS  CURTOS    DIGRESSÕES    METALINGUAGEM    PSICOLOGISMO    PESSIMISMO  COM  A  HUMANIDADE    CRÍTICA  À  BURGUESIA    IRONIA    TEMAS:  ADULTÉRIO  E  LOUCURA    SUTILEZA  E  METÁFORA    O  LEITOR  PARTICIPA  DA  NARRATIVA  
  • 5. CONTOS      MISSA  DO  GALO    ALIENISTA    NOITE  DE  ALMIRANTE    A  CARTOMANTE    UNS  BRAÇOS    ENFERMEIRO    A  IGREJA  DO  DIABO  Extensão  -­‐  O  Conto  é,  antes  de  mais  nada,  curto.  Não  há  tempo  para  se  espalhar  em  grandes  detalhes,  em  suKlezas  que  destoam  de  seus  tempos,  de  seu  necessário  ritmo  de  leitura.    Um  conto  deve  estar  conKdo  entre  algumas  palavras  (no  caso  de  micro  contos)  até  um  máximo  de  cinco  a  seis  mil  palavras.    Linhas  DramáPcas  -­‐  Enquanto  que  num  romance  podem  haver  várias  linhas  de  desenvolvimento,  como  por  exemplo,  estórias  secundárias  acontecendo  em  volta  da  trama  do  protagonista,  no  caso  do  conto  a  trama  é  única.    Tempo  -­‐  O  conto  não  tem  muito  espaço  para  idas  e  vindas  no  tempo.    A  uKlização  de  recursos  como  o  flash-­‐back   é   rara,     permanecendo   a   narraKva   quase   sempre   em   uma   única   linha   de   encaminhamento  temporal.    Espaço  G-­‐  Dada  a  curta  extensão  do  conto,  os  seus  cenários  –  e  sua  descrição,  portanto!  –    são  restritos.  Final  enigmáPco      O  mais  comum  é  o  conto  com  uma  estrutura  tradicional,  com  início,  meio  e  fim.  O  final  deve   sempre   ser   uma   surpresa,   a   resolução   de   um   enigma,   ou   a   inversão   de   uma   situação   que   deveria  seguir  em  direção  oposta,  ou  que  pareceria  sem  solução.    
  • 6. MEMÓRIAS  PÓSTUMAS  DE   BRÁS  CUBAS   Publicado   em   1881,   o   livro   aborda   as   experiências   de   um   filho   abastado   da   elite  brasileira   do   século   XIX,   Brás   Cubas.   Começa   pela   sua   morte,   descreve   a   cena   do  enterro,  dos  delírios  antes  de  morrer,  até  retornar  a  sua  infância,  quando  a  narraKva  segue   de   forma   mais   ou   menos   linear   –   interrompida   apenas   por   comentários  digressivos  do  narrador.    NARRADOR   -­‐   A   narração   é   feita   em   primeira   pessoa   e   postumamente,   ou   seja,   o  narrador   se   autoinKtula   um   defunto-­‐autor   –   um   morto   que   resolveu   escrever   suas  memórias.  Assim,  temos  toda  uma  vida  contada  por  alguém  que  não  pertence  mais  ao   mundo   terrestre.   Com   esse   procedimento,   o   narrador   consegue   ficar   além   de  nosso  julgamento  terreno  e,  desse  modo,  pode  contar  as  memórias  da  forma  como  melhor  lhe  convém.    FOCO   NARRATIVO   -­‐   Com   a   narração   em   primeira   pessoa,   a   história   é   contada  parKndo   de   um   relato   do   narrador-­‐observador   e   protagonista,   que   conduz   o   leitor  tendo  em  vista  sua  visão  de  mundo,  seus  senKmentos  e  o  que  pensa  da  vida.  Dessa  maneira,   as   memórias   de   Brás   Cubas   nos   permiKrão   ter   acesso   aos   basKdores   da  sociedade  carioca  do  século  XIX.    TEMPO   -­‐   A   obra   é   apoiada   em   dois   tempos.   Um   é   o   tempo   psicológico,   do   autor  além-­‐túmulo,   que,   desse   modo,   pode   contar   sua   vida   de   maneira   arbitrária,   com  digressões   e   manipulando   os   fatos   à   revelia,   sem   seguir   uma   ordem   temporal   linear.  A  morte,  por  exemplo,  é  contada  antes  do  nascimento  e  dos  fatos  da  vida.     No  tempo  cronológico,  os  acontecimentos  obedecem  a  uma  ordem  lógica:  infância,  adolescência,   ida   para   Coimbra,   volta   ao   Brasil   e   morte.   A   estranheza   da   obra  começa   pelo   ktulo,   que   sugere   as   memórias   narradas   por   um   defunto.   O   próprio  narrador,   no   início   do   livro,   ressalta   sua   condição:   trata-­‐se   de   um   defunto-­‐autor,   e  não  de  um  autor  defunto.  Isso  consiste  em  afirmar  seus  méritos  não  como  os  de  um  grande  escritor  que  morreu,  mas  de  um  morto  que  é  capaz  de  escrever.     O   pacto   de   verossimilhança   sofre   um   choque   aqui,   pois   os   leitores   da   época,  acostumados  com  a  linearidade  das  obras  (início,  meio  e  fim),  veem-­‐se  obrigados  a  situar-­‐se  nessa  incomum  situação.  hlp://www.youtube.com/watch?v=badOiExoMKk  
  • 7. QUINCAS  BORBA  A   história   gira   em   torno   da   vida   de   Pedro   Rubião   de   Alvarenga,   ex-­‐professor  primário,  que  torna-­‐se  enfermeiro  e  discípulo  do  filósofo  Quincas  Borba,  que  falece  no  Rio,  na  casa  de  Brás  Cubas.  Com  isso,  Rubião  é  nomeado  herdeiro  universal  do  filósofo,  sob  a  condição  de  cuidar  de  seu  cachorro,  de  nome  Quincas  Borba  também.  Rubião,   então,   parte   para   o   Rio   de   Janeiro   e,   na   viagem,   conhece   o   capitalista  CrisPano   de   Almeida   e   Palha   e   também   Sofia   que   lhe   dispensava   olhares   e  delicadezas.  Sofia  era  mulher  de  CrPsPano,  mas  Rubião  se  apaixonou  por  ela,  tendo  em  vista  o  modo  em  que  os  dois  entraram  em  sua  vida.    O   amor   era   tão   grande   que   Rubião   foi   obrigado   a   assumi-­‐lo   perante   Sofia.   Para   o  espanto,  Sofia  recusa  seu  amor,  mesmo  tendo  lhe  dado  esperanças  tempos  atrás,  e  conta  o  fato  para  CrisPano.  Apesar   de   sua   indignação,   o   capitalista   conKnua   suas   relações   com   Rubião   pois  queria  obter  os  restos  da  fortuna  que  ainda  exisKa.  O  amor  de  Sofia,  não  correspondido,  aos  poucos  começa  a  despertar  a  loucura  em  Rubião.   Essa   loucura   o   levou   à   morte   e   foi   comparada   à   mesma   que   causou   o  falecimento   de   Quincas   Borba.   Louco   e   explorado   por   várias   pessoas,  principalmente   Palha   e   Sofia,   Rubião   morre   na   miséria   e   assim   se   exemplifica   a   tese  do  humaniKsmo    A   FILOSOFIA   HUMANISTAS   -­‐   -­‐“Supões-­‐se   em   um   capo   de   duas   tribos   famintas.   As  batatas   apenas   chegavam   para   alimentar   uma   das   tribos,   que   assim   adquire   forças  para   transpor   a   montanha   e   ir   à   outra   vertente,   onde   há   batatas   em   abundância;  mas  se  as  duas  tribos  dividirem  em  paz  as  batatas  do  campo,  não  chegam  a  nutrir-­‐se  suficientemente   e   morrerão   de   inanição.   A   paz,   neste   caso,   é   a   destruição;   a   guerra,  é  a  esperança.     Uma  das  tribos  extermina  a  outra  e  recolhe  os  despojos.  Daí,  a  alegria  da  vitória,  os   hinos,   as   aclamações.   Se   a   guerra   não   fosse   isso,   tais   demonstrações   não  chegariam  a  dar-­‐se.  Ao  vencido,  o  ódio  ou  compaixão.....Ao  vencedor,  as  batatas  !”    
  • 8. IAIÁ  GARCIA  Iaiá  Garcia  foi  escrito  em  1878  e  a  trama  se  desenrola  entre  os  anos  de  1866  e  1871.  Casamentos  arranjados,  amores  proibidos  e  jogos  de   interesse   compõem   este   painel   que   retrata   a   sociedade  contemporânea  ao  autor.  Uma  história  singela,  ao  gosto  românKco  e  um  tanto  convencional,  em   Iaiá   Garcia,   Machado   de   Assis   começa   a   revelar   as   qualidades  que   mais   tarde   farão   dele   um   grande   romancista:   a   finura   de   esKlo,  o   senso   de   humor   que   já   reponta   aqui   e   ali,   a   recriação   de  ambientes,   a   exata   caracterização   de   personagens,   principais   ou  secundários,   como   Raimundo,   o   preto   africano,   escravo   liberto   e  inteiramente   dedicado   a   Luís   Garcia.   Mas   está   longe   ainda   dos   seus  grandes   momentos   de   criação   literária,   que   se   iniciam   a   parKr   do  romance  Memórias  Póstumas  de  Brás  Cubas.  Iaiá  Garcia  antecipa  a  experimentacao  das  Memórias  Póstumas  de  Brás   Cubas,   e   portanto,   este   romance   não   se   encaixa   na   primeira  fase   de   Machado   propriamente   dita,   mas   deve   ser   considerado  como  uma  obra  de  transição.  O  úlKmo  dos  romances  da  primeira  fase  de  Machado  de  Assis,  Iaiá  Garcia   apresenta   uma   clara   influência   de   José   de   Alencar;   os  personagens   e   a   trama   são   Kpicamente   românKcos,   mas   já   pode   se  ver   que   algo   não   está   totalmente   românKco:   personagens  secundários   mais   realistas   e   nada   de   vilões;   os   amores   de   Jorge   por  Estela   e   de   Procópio   por   Iaiá   são   honestos,   mas   efêmeros;   Estela  recusa   o   casamento   não   por   não   amá-­‐lo,   mas   por   diferenças   de  classe   social   (ela   é   mais   pobre);   e   Estela   e   Luís   não   se   casam   por  amor  e  sim  por  um  misto  de  esKma  e  conveniência.  
  • 9. Prof.  Jorge  Jr.  (JJ)   www.pro/orge.com.br   Baixe  aulas  e  questões  comentadas  gratuitamente