Your SlideShare is downloading. ×
Balbúrdiainformativo1
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×
Saving this for later? Get the SlideShare app to save on your phone or tablet. Read anywhere, anytime – even offline.
Text the download link to your phone
Standard text messaging rates apply

Balbúrdiainformativo1

4,930
views

Published on


0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total Views
4,930
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
8
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. BALBÚRDIA No Português Informativo 1 UNIPAMPA— Curso de Letras O que é o Balbúrdia no Português? É um projeto de ensino que coloca a “mão na mas- O que é o Balbúrdia? sa” e sugere maneiras de tratar as temáticas e algumas atividades do Balbúrdia nas aulas de língua portugue- É um projeto de extensão com atividades teórico- sa.culturais que oportuniza aos participantes contato com O Balbúrdia no Português é um informativo quesaberes advindos de diversas áreas do conhecimento. une duas temáticas do Balbúrdia. Quer ser um “jornalTambém sensibiliza o público para o discurso artístico, de ideias” para que seus produtores e leitores descu-via referência à música, à literatura, ao teatro, à imageme ao cinema. bram estratégias de ensino. Cada Balbúrdia tem uma dinâmica e um tema dife- Neste primeiro informativo, trataremos dorentes, mas são comuns aos vários Balbúrdias os se- “humor”, tema de nosso quarto Balbúrdia, e doguintes recursos: vídeos curtos, leitura de fragmentos de “Politicamente Correto”, tema do sexto Balbúrdia.textos teóricos ou literários, músicas, dinâmicas de inte- Este informativo resulta do empenho de uma equi-gração, encenações, experiências sensoriais. pe formada por sete acadêmicos de Letras, sob orien- Os encontros ocorrem quinzenalmente, às sextas- tação da Profa. Dra. Renata Silva.feiras, às 18h ou às 19h, na Unipampa ou na Casa deCultura. O Balbúrdia, sob coordenação dos professores Boa leitura!Renata Silva e Sandro Mendes, do Curso de Letras daUnipampa, é um dos projetos de extensão do Núcleo de Para conhecer mais:Estudos Linguísticos e Pedagógicos do Português, oNELPP. Visite nosso blog: nelpp-unipampa.blogspot.com Visite nosso perfil no Facebook: Nelpp Unipampa Retirando ideias do Balbúrdia Humor Música: Sugerimos começar a aula de língua portuguesa sobre humor com “Ievan Polka” de Loituma, um jovem quarteto que combina uma série de sons de Katele (harpa) com a tradi- ção finlandesa. No vídeo, aparece apenas o quarteto cantando, mas é um grupo engraçado pelos sons que faz, estranhos à nossa cultura. Link: http://www.youtube.com/watch?v=mcrcx1abm2M Encenações: Que tal entrar no site do “Jornal Sensacionalista: um jornal isento de verdade” e copiar algumas notícias bizarras que podem ser encenadas pelos alunos, sendo âncoras de um telejornal? Outra op- ção é encontrar vídeos do Programa Sensacionalista, transmitido pela Multishow e às vezes dispo- nibilizado no youtube. Link:http://www.sensacionalista.com.br/about/ Depois dessa atividade, podemos pedir que os alunos observem os jornais jaguarenses e tentem produzir notícias cômicas. É uma forma de perceberem quais elementos transformam um texto em humorístico.
  • 2. Videoclipes: Uma boa é assistir “O contador de piadas”, gravação da presença de Bruno Mazeo no Programa do Jô Soares. Link: http://www.youtube.com/watch?v=3cTI8pC4Ktw&feature=results_main&playnext=1&list=PLC9B0DC01111B2858 Outra fonte de humor é o programa 220 volts, da Multishow. Link: multishow.globo.com/_220-Volts Dinâmicas Envelope surpresa de piadas: A cada pausa, o participante que ficou com o envelope na mão deverá ler uma pia- da. Técnicas do riso: todos simulam que estão lavando o próprio rosto enquanto dizem “sou lindo”; todos se olham e fazem caretas; todos se olham e tentam não rir. E a relação com a língua portuguesa? Humor nos sons Humor no jornalismo Conforme a reportagem A atual safra de jornais po- Trava-línguas são frases de difícil pronúncia que pulares imprime mais humor e menos sensacionalismo devem ser repetidas várias vezes, o mais rápido pos- à sua linguagem, publicada na revista Língua Portu- sível. Viraram quadro de humor da Rádio MIX FM, guesa (2009), a prática de transmitir informação usan- em São Paulo, quando artistas são convidados a brin- do o humor é antiga e atualmente ganha do sensacio- carem com as difíceis pronúncias (REVISTA LÍN- nalismo. Isso ocorre porque o leitor se interessa cada GUA PORTUGUESA, 2007). vez menos por fatos inventados, recursos grotescos, Os trava-línguas se caracterizam por rimas, troca- notícias com exagero, apelo emocional e repetição. dilhos, aliterações (repetição do mesmo fonema, em A tendência é usar o humor para criar familiarida- geral, consoante). de com o leitor e atenuar tragédias. É a língua que pos- Na sala de aula, podem ajudar na dificuldade de sibilita informações engraçadinhas e é o humor que expressão ou timidez, além de serem passatempo e chama a atenção para os recursos da língua. Um se diversão. O trocadilho também melhora a dicção e vale do outro. atenta ao sentido de novas palavras. Exemplo de humor na mídia: trocadilho Quando a saltadora Maureen Maggi ganhou o Disseram que na minha rua Olímpico em Pequim, uma das manchetes do Jornal tem paralelepípedo feito de pa- Meia hora foi: “Maggi não dá sopa para as rivais e voa ralelogramos. Seis paralelogra- para o ouro”. mos têm um paralelepípedo. Mil paralelepípedos têm uma paralelepípedovia. Uma parale- lepípedovia tem mil paralelo- O site do Jornal Sensacionalista gramos. Então uma paralelepí- oferece um rico material para análise pedovia é uma paralelogramo- de recursos que imprimem humor no jornalismo. Trava-língua infantil: PEREIRA JUNIOR, Luiz Costa. O humor na informação: a atual safra de jor- A aranha arranha a jarra, a jarra nais populares imprime mais humor e menos sensacionalismo à sua linguagem. arranha a aranha; nem a aranha ar- Revista Língua Portuguesa. São Paulo: Segmento, n. 40, fev. 2009. ranha a jarra nem a jarra arranha a aranha. Link: http://revistalingua.uol.com.br/textos/40/artigo248523-1.asp2
  • 3. Trava-línguas com aliterações: Escuta, Godói! Não é melhor a gente tomar um táxi? - Não, obrigado. Hoje eu não quero misturar mais Humor nas referências É crocogrilo? É crocodrilo? É co- crodilo? É cocodilho? É corcodi- lho? É crocrodilo? É crocodilho? É corcrodilo? É cocordilo? É jaca- Quando falamos, estabelecemos um objeto de ré? Será que ninguém acerta o no- discurso e nos referimos a ele várias vezes no texto. Devemos ter cuidado ao fazer as referências, porque me do crocodilo maré? a referência a “x” pode ser compreendida pelo inter- locutor como referência a “y”, o que provocaria falhas na interação. Mas essas falhas é que podem ser exploradas para fazer rir: Duas "cobras" olhando o céu, numa noite estrelada: - Como nós somos insignificantes. - Você e quem? (L.F.Veríssimo) Trava-línguas: que tal trabalhar a oralidade? nós = eu + você/vocês; ou nós = eu + ele/eles. Os alunos poderiam pedir que professores e Na piada, a primeira cobra usa o “nós= eu + você, funcionários da escola repetissem os trava- mas a segunda cobra não se insere nesse “nós”. línguas. As gravações virariam um programa de rádio. Seria uma oportunidade para os estu- Humor na interação dantes terem mais intimidade com gêneros ra- diofônicos. Na piada a seguir, há uma falta de ajuste entre oBRYAN, Guilherme. Trava-língua pop: diversão de crianças vira tema conhecimento de mundo do falante e o do ouvinte,de quadro de humor radiofônico em São Paulo. Revista Língua Portugue- gerando enganos e distrações:sa. São Paulo: Segmento, n. 25, nov. 2007. A garotinha visita a tia. Ouve o priminho choran- do e pergunta: Link: http://revistalingua.uol.com.br/textos/25/artigo248279-1.asp - O que é que ele tem? - Seus primeiros dentes estão nascendo. Humor nas predicações - E ele não quer eles? Concluindo com as palavras de Neves: “Com as O texto Na base da piada. Como uma simples anedota piadas se vai com facilidade ao léxico e à gramáti- pode ajudar a reflexão sobre a linguagem, publicado na ca, aos participantes da interação, à situação de Revista Língua Portuguesa (2006), traz reflexões da comunicação, ou seja, a tudo que compõe a signifi- linguista Maria Helena de Moura Neves. A estudiosa cação. Com ela se reflete sobre linguagem e com afirma que as piadas requerem reflexão, por isso são um bom humor. E tais ingredientes são mais do que bem-vindos na escola.” bom recurso para o ensino da língua nas escolas. Com a piada vem o riso, do riso, a alegria e da alegria, o inte- NEVES, Maria Helena de Moura. Na base da piada: como uma resse pelo modo como foi construído o efeito de humor. simples anedota pode ajudar a reflexão sobre a linguagem. Moura Neves cita o processo de predicação, necessá- Revista Língua Portuguesa. São Paulo: Segmento, n. 12, out. rio para a formação de orações. Ao falarmos, usamos 2006. verbos e ao redor colocamos participantes do evento. Link: http://revistalingua.uol.com.br/textos/12/artigo248052- Em torno do centro da predicação, o verbo, falamos so- 1.asp Ambiguidade semântica bre algo ou alguém. Na frase “João foi receber sua mãe lá na porta”, temos uma ação, o João é o agente, em ter- mos semânticos, e é o sujeito, em termos sintáticos. E o verbo, neste caso, significa acolher. Se o verbo receber não for usado para indicar ação, não haverá alguém que acolhe, nem alguém que seja acolhido. Em “João recebe seu salário”, não há sujeito, nem agente, apenas benefi- ciário. A brincadeira com essas duas possibilidades de utilização do verbo aparece nesta piada: - Sua mãe tá aí. Você não vai receber? - Receber por quê? Por acaso ela me deve alguma coisa? 3 BA LBÚ RDIA
  • 4. Piada: “O ponto mata” Três velhinhos trabalhavam há muito tempo juntos. Um deles morre. A polícia chegou para saber o que tinhaacontecido. E Nelito, o mais falante, explica:- Ele pegou aquele livro azul e começou a ler. Empalideceu. Suou. Ficou avermelhado, depois roxo e morreu. Dois dias depois outro do trio deu adeus à vida. A polícia voltou a local. E Nelito contou:- Aconteceu a mesma coisa que da outra vez. Ele pegou aquele livro azul e abriu, começou a ler. Empalideceu. Su-ou. Ficou avermelhado, depois roxo e morreu. O delegado, impaciente, ordenou a Nelito:- Apanhe o livro e leia. Ele seguiu a ordem. Empalideceu. Suou frio. Ficou avermelhado. Quando o roxo se anunciou, tiraram a obrada mão do coitado, fizeram-lhe massagem no coração e perguntaram:- O que tem esse livro?- Ah, doutor, o problema não é ter. É não ter.- Como assim?-O livro não tem nem uma vírgula, nem um ponto, nem um travessão, nem um parêntese. Conclusão: a ausência depontos, vírgulas & Cia. mata mais que pneumonia. Fala Professor! Entrevista feita pela Acadêmica Millaine Carvalho Como trabalhas humor nas aulas de língua portuguesa? - A partir de textos presentes no material utilizado na escola. Utilizas técnicas específicas para trabalhar humor em sala de aula? - Não utilizo. Quais materiais são utilizados ao trabalhar esse tema? - Charges e Cartuns. Profª. Josiane Cabaldi Graduada em Letras pela Que atividades são feitas com base nesse tema? Unipampa. Leciona portu- guês e espanhol no Colé- - Leitura, interpretação e produção textual. gio Nelson Wortmann. Faz pós-graduação na Quais dificuldades são encontradas ao trabalhar essa temática? Unipampa. Na área de Letras, prefere dar aulas - Nem sempre o que para um é considerado humor, também é para outro. Tam- de português e espanhol com ênfase em textos. bém há mais dificuldades em interpretar charges e cartuns do que os demais tex- tos, pelos implícitos neles encontrados.4
  • 5. Retirando ideias do Balbúrdia Politicamente (in) correto Videoclipes: O filósofo e professor Luiz Felipe Pondé trata da origem do politica- mente correto e suas tendências ideológicas. Link: http://www.youtube.com/watch?v=p7TYiWNF6Wc Um dos episódios do Programa 220 volts tratou de preconceito de forma engraçada. Link: http://www.youtube.com/watch?v=aW-6HMHL1e0 Dinâmica para sentir a censura na linguagem:Duplas: um pergunta e o outro responde fazendo pergunta e assim sucessivamente até que alguém res-ponda de forma afirmativa ou fique em silêncio.Duplas: um pergunta e o outro não pode dizer “sim” ou “não”, depois, os papeis se invertem. E a relação do politicamente (in)correto com a língua portuguesa? Dicas para tratar do humor e do politicamente Sabemos que a língua portuguesa não está (in)correto na aula de português entre as disciplinas favoritas dos alunos, pelo Por Virgínia Caetano (Acadêmica de Letras) contrário, é classificada pela maioria como uma das disciplinas mais chatas da formação básica. Mas o que o professor pode fazer paratornar as aulas mais interessantes e atrair a atenção dos alunos para os estudos de língua portuguesa? Uma boaalternativa é trabalhar textos humorísticos em sala de aula. Além de tornar a aula divertida, os textos humorísti-cos provocam ótimas reflexões sobre o mundo e sobre a língua, conforme podemos verificar nas palavras deNeves, apresentadas na página 3. O texto abaixo foi retirado do site “Sensacionalista”, um jornal Web que publica sátiras de notícias que estãoem voga na Grande Mídia. Após, segue uma proposta de como explorar este texto em sala de aula. Gordos pedem o fim do politicamente correto: “hoje em dia só podem fazer piadas com a gente” Otileno Junior Um grupo de gordos está lançando um movimento nacional contra o politicamente correto. A Organização Benefi- cente Emancipada Social Anti-bullying (Obesa) afirma que, com a onda politicamente correta que tomou conta do país, só os gordos podem ser vítimas de gozação. O presidente da Obesa, Walter Jorge, conhecido como Waltinho Baleia, diz que a situação para eles está cada vez mais difícil. “Determinados grupos conseguiram o direito de não serem mais o alvo. Não vou dizer nem quais são porque posso ser processado. O fato é que hoje os humoristas só podem sacanear os gordos. É preciso acabar com isso”, disse Baleia. Baleia afirma que as redes sociais, em vez de libertarem as pessoas, as tornaram mais caretas. “Ninguém passa para frente coisas politicamente incorretas. Quem faz piada assim corre o risco de ser linchado em praça pública. As pessoas ficaram mais caretas e têm medo de serem vistas como párias por causa de uma simples piada”, diz ele. Walter afirma que apelidos como rolha de poço ficaram para trás. “Eles estão mais criati- vos. Outro dia me chamaram de bambolê de baleia. Outra vez fui dar meu endereço e a pessoa perguntou se eu tinha um CEP só para mim”. Ele diz que está em entendimentos com o sindicato das louras, outra categoria que ainda é vítima, mas que a união é complicada. “Louras não gostam de gordos. Só se forem ricos. Ah, por favor, não escreve isso, senão as louras vão me processar. Link: http://www.sensacionalista.com.br/2011/10/11/gordos-pedem-o-fim-do-politicamente-correto-hoje-em-dia-so-podem-fazer- piadas-com-a-gente/ 5
  • 6. Utilizando o texto da p. 5, propomos as seguintes atividades didáticas:1. Após um esclarecimento em sala de aula sobre o que é o movimento “politicamente correto” e qual sua reper-cussão no Brasil, seria interessante o seguinte trabalho de interpretação:a. O texto reforça os ideais do movimento “politicamente correto” ou pode ser considerado uma forma de críticaao movimento? Justificar com fragmentos texto:b. Identificar no texto alguns recursos linguísticos utilizados para causar o efeito de humor:c. No texto, há algumas expressões não adequadas de acordo com o movimento “politicamente correto”. Rees-crever a notícia, buscando substituir essas expressões por formas mais adequadas:d. Tendo como base o texto que tu escreveste, responder: A troca de expressões consideradas pejorativas poreufemismos suaviza ou apenas reforça o preconceito? Por quê?2. Outra possível atividade aproveitando a temática seria dividir a turma em dois grupos, de um lado os que sãoa favor do “politicamente correto” e, de outro lado, os que são contra, e promover um debate entre os grupos. Éuma ótima oportunidade para trabalhar a capacidade de argumentação dos alunos. Dicas de leitura sobre humor: BERGSON, H. O Riso. Ensaio sobre a significação do cômico. Rio de Janeiro: Zahar, 1983. LARAIA, R B. Cultura: um conceito antropológico. Rio de Janeiro: Zahar, 2001. LE BRETON, D. As Paixões Ordinárias: Antropologia das Emoções. Petrópolis: Vozes, 2009. MINOIS, G. História do riso e do escárnio. São Paulo: Editora UNESP, 2003. ORLANDI, E. Destruição e construção do sentido: um estudo da ironia. Campinas: UNICAMP, 1983. Trabalho apresentado no colóquio do Dep. de Linguística do IEL. Politicamente correto: o que é? será que resolve? Acadêmicos do Curso de Letras: Jonas dos Santos, Leonardo Messias, Francine Araújo e Santiago Bretanha A acadêmica Francine Araújo resgata do artigo É correto ser politicamente correto?, de Aldo Bizzocchi, publicado na Revista Língua Portuguesa (2008), uma explicação: O politicamente correto foi criado para minimizar ou acabar com preconceitos existentes na maneira de nos comunicar, agir perante os outros, ou seja, para enunciarmos “sob um manto de boas intenções”. O linguista exalta que a língua não é somente um meio utilizado para nos comunicar. Através da interação, procuramosindireta ou diretamente manipular nosso interlocutor, pois, quando falamos temos sempre nossa ideologia. Em 2005, a Secretaria Especial de Direitos Humanos criou uma cartilha (Cartilha do Politicamente Cor- reto & Direitos Humanos), que pretendia induzir o falante a usar expressões menos discriminatórias. Ilustra essa orientação a troca de “faxineiro” por “profissional de limpeza”. Leonardo Messias e Jonas dos Santos opinam sobre o assunto, lembrando que a língua continuadamente se ressignifica. Então, o sentido de para cada palavra depende de uma convenção social e do fato de todos os sujeitos terem suas ideologias, logo, não há como uma Cartilha esque- cer desses aspectos da linguagem e indicar as nomeações “corretas”. O fato é que todos os falantes aumentam os significados das palavras. “Dizer se está certo ou errado é algo queas cartilhas não conseguirão fazer! Enfim, nós (professores) devemos nos contrapor e pensar como ensinar os diferentes contextos sociais e o poder que carregamos com uma simples palavra”, comentam 6 os futuros educadores.
  • 7. Complementa esta discussão o artigo A selva do politicamente correto, de Sírio Possenti, publicado na Revista Lín-gua Portuguesa (2008). No texto, o linguista Possenti reporta-se a um dos ensaios de Jean-Jacques Courtine no livroMetamorfoses do Discurso Político: Derivas da Fala Pública (2006). Possenti evidencia através das reflexões de Courtine que o discurso é perpassado pela ideologia do locutor. O que setorna evidente é que jamais o discurso será neutro e inexiste a possibilidade de uma língua livre de preconceitos. Dessaluta contra a manifestação ideológica e preconceituosa na língua(gem) surge o “politicamente Correto” (PC), que pro-cura isentar o discurso de expressões ou palavras que possuam valor social, histórico e/ou etimológico pejorativos. Uma das teses defendidas por Courtine é a de que esta posição politicamente correta teria surgido em certos cuidados relativos à edição de livros escolares. O acadêmico Santiago Bretanha destacou do artigo em pauta que esta ação “politicamente correta” saiu do ambiente escolar e fez parte de movimentos e grupos sociais com “boas intenções políticas”. O movimento politicamente correto se dispersou por toda a sociedade e está presente em todos os núcleos sociais. Courtine comenta que esse movimento não é institucionalizado e não há como asso- ciá-lo a um agente específico, responsável por sua disseminação. Francine Araújo, embasada na leitura do texto de Bizzocchi, comenta: existem orientações criadas a fim de serempoliticamente corretas, mas que se contradizem a todo o momento cometendo um equívoco maior ainda. Então seráque o politicamente correto ao tentar ser correto não está exagerando e sendo mais incorreto ainda? O que é realmenteser politicamente BIZZOCCHI, Aldo. É correto ser politicamente correto? Revista Língua Portuguesa. São Paulo: Segmento, n. 30, abr.correto? 2008. Link: http://revistalingua.uol.com.br/textos/30/artigo248342-1.aspResta a polêmi- POSSENTI, Sírio. A selva do politicamente correto. Revista Língua Portuguesa. São Paulo: Segmento, n. 36, out. 2008.ca! Link: http://revistalingua.uol.com.br/textos/36/artigo248458-1.asp COURTINE, J.-J. Metamorfoses do discurso político: derivas da fala pública. São Carlos: Claraluz, 2006. Politicamente correto e o sexismo Por: Virgínia Lucena Caetano A acadêmica Virgínia Lucena Caetano encontrou no artigo Mitos da militância politicamente correta, de Baronas (2011), nossa temática associada às questões de gênero. No texto consulta- do, Baronas comenta que alguns especialistas percebem a língua como espelho das estruturas sociais e culturais, assim, se a sociedade é preconceituosa, esse preconceito se reflete na língua. Partindo deste princípio, surgiu o movimento “politicamente correto”, que embora tenha méritos políticos relevantes, comete equívocos banais em relação à linguagem. Um deles, ressalta o estu-dioso, é confundir gênero gramatical com aspectos ou opções sexuais dos indivíduos. Em 2000, foi elaborada a Carta da Terra de Mato Grosso, redigida em uma linguagem “não sexista”. No docu-mento, todos os termos que remeteriam a uma pessoa do sexo masculino foram trocados pelo símbolo “@”(pel@s, profess@res, d@s mesm@s) tentando evitar, assim, a linguagem sexista. Roberto Baronas destaca que todos os nomes da língua portuguesa possuem gênero gramatical, porém, apenasalguns significam seres que possuem gênero sexual. Portanto, é equivocada a interpretação de que no sistema lin-guístico, por haver uma preponderância maior do sexo masculino, haja indícios de discriminação do sexo femini-no. O autor acredita ser ingenuidade do movimento politicamente correto pensar que a simples substituição de pa-lavras marcadas ideologicamente por outras acabará com o preconceito. Substituir o termo “prostituta” por“profissional do sexo” não mudará em nada a forma como a sociedade condena esse tipo de atividade. Provavel-mente, em pouco tempo, a nova expressão vinculará os mesmos valores negativos que as formas condenadas vin-culam hoje. Isso ocorre porque é a existência do preconceito que atribui valores pejorativos às palavras e não ocontrário.BARONAS, Roberto Leiser. Mitos da militância politicamente correta. Revista Língua Portuguesa. São Paulo: Segmento, n. 64, fev. 2011. Link: http://revistalingua.uol.com.br/textos/64/artigo249036-1.asp 7
  • 8. Eufemismos na mídia Nathalia Madeira Araujo O texto Tempos de eufemismo: manipulação da linguagem que diminui o impacto da realidade virou mania social em épocas de crise, de Luiz Costa Pereira Junior, publicado na Revista Lín- gua Portuguesa (2009), fala sobre a utilização de eufemismos como instrumento de suavização da linguagem, de forma a não chocar o ouvinte ou o leitor ao transmitir uma notícia. Logo no início, o autor cita alguns exemplos, como: a declaração que os EUA fizeram para a imprensa afirmando terem salvo mais uma instituição da crise, ao invés de se referir diretamente à estatização, assim como o fato de o presidente Lula ter se manifestado afirmando que a crise nos EUA é como um tsunami e aqui no Brasil uma marola. Segundo o linguista Dino Preti, da PUC-SP, a declaração do presidente a respeito da crise mostra que a fala política é, em sua maioria, eufêmica. Ele ainda afirma que esse pro- cesso de eufemismo da linguagem surge como salvador da imagem do governo e tranquili- zador da voz pública. Dentre outras ideias, o texto ainda enfatiza o uso de eufemismos para amenizar falas, em vez de dizer “aleijado”, “negro”, fala-se “portadores de necessidades especiais”, “afrodescendente”. Enfatiza também o eufemismo para disfarçar, esconder o horror da Guerra. Como exemplo o autor cita expressões militares lançadas pela mídia no advento da guerra no Iraque, expressões essas reproduzi- das aqui no Brasil. São elas: "fogo amigo" (ser atingido pelo próprio exército), "dano colateral" (vítimas civis quando o alvo é militar), "ataque cirúrgico" (com precisão), "baixas" (mortes). PEREIRA JUNIOR, Luiz Costa. Tempos de eufemismo. Revista Língua Portuguesa. São Paulo: Segmento, n. 39, dez. 2009. Link: <http:// revistalingua.uol.com.br/textos/39/artigo248505-1.asp> Politicamente correto e infância Millaine Carvalho Em entrevista à Revista Língua Portuguesa, Peter Hunt, professor de inglês na British Uni-versity e autor de Step off the Path (1985), critica o discurso politicamente correto na literatura infan-til. Hunt diz ser contra o discurso politicamente correto, nesse tipo de literatura, pois grande parte daprodução de livros infantis atualmente visa influenciar o pensamento das crianças, sem permitir quepensem por si mesmas, mas sim do modo que os adultos querem, sendo que, em sua opinião, o corre-to seria dá-las a chance de se tornarem adultos que pensam de forma livre. MURANO, Edgard. A infância sem clichês. Revista Língua Portuguesa. São Paulo: Segmento, n. 62, dez. 2010. Link: <http:// revistalingua.uol.com.br/textos/62/artigo248984-1.asp> Ler trechos da canção “A Barata” (CD Galinha Pintadinha) e pensar se é politicamente correta:A barata diz que tem A barata diz que tem A barata diz que tem A barata diz que tem A barata diz que temSete saias de filó Um anel de formatura Um sapato de fivela Uma saia de cetim Um sapato de veludoÉ mentira da barata É mentira da barata É mentira da barata É mentira da barata É mentira da barataEla tem é uma só Ela tem a casca dura O sapato é da mãe dela Ela tem é de capim Ela tem o pé peludoHá, há, há, hó, hó, hóEla tem é uma só Há, há, há, hó, hó, hó Há, há, há, hó, hó, hó Há, há, há, hó, hó, hó Há, há, há, hó, hó, hóHá, há, há, hó, hó, hó Ela tem é a casca dura O sapato é da mãe dela Ela tem é de capim Ela tem o pé peludoEla tem é uma só Há, há, há, hó, hó, hó Há, há, há, hó, hó, hó Há, há, há, hó, hó, hó Há, há, há, hó, hó, hó Ela tem é a casca dura O sapato é da mãe dela Ela tem é de capim Ela tem o pé peludo8
  • 9. Da literatura à música infantil Versão antiga: Versão nova: Atirei o pau no gato tô tô Não atire o pau no gato (to-to) Mas o gato tô tô Porque isso (sso-sso) Caro leitor, imagine se as músicas fossem Não morreu reu reu Não se faz (faz-faz) Dona Chica cá Ô gatinho (nho-nho) “ajustadas” ao movimento politicamente Admirou-se se É nosso amigo (go) correto? Algumas canções clássicas seriam Não devemos maltratar Do berro, do berro que o gato proibidas: deu Os Animais Miau !!!!!! Miau!!! O CRAVO E A ROSA O Cravo brigou com a rosa Debaixo de uma sacada. O Cravo ficou ferido Atirei o pau no gato ganhou uma versão menos violenta. E a Rosa despedaçada. O Cravo ficou doente (A Rosa foi visitar). O Cravo teve um desmaio, (A Rosa pôs-se a chorar). Será que essa cantiga poderia ser acusada de incentivar a violência doméstica? “Modo de falar” politicamente correto http://www.google.com.br/imgres?imgurl=http%3A%2F%2Fwww.sul21.com.br%2Fblogs%2Fmiltonribeiro%2Ffiles%2F2 Fonte: http://talktohimselfshow.zip.net/arch2011-05-01_2011-05-31.html 011%2F10%2Fquinho.jpg&imgrefurl=http%3A%2F%2Fwww.sul21.com.br%2Fblogs%2Fmiltonribeiro%2Ftag%2Fpolitica mente corre- to%2F&h=310&w=400&sz=50&tbnid=uqHAtd5Mnfg4oM%3A&tbnh=90&tbnw=116&zoom=1&usg=__s4yEFVWQQ http://www.google.com.br/imgres?imgurl=http://www.rodrigovianna.com.br/wp- content/uploads/2011/09/laerte1.jpg&imgrefurl=http://www.rodrigovianna.com.br/foto-de- capa/9625.html&usg=__Ee9C4kEDpxCyzQoZ4PFrXyp-6FU=&h=330&w=358&sz=34&hl=pt-Fonte:http://adalbertopiotto.wordpress.com/2008/12/20/crise-de-eufemismo/ BR&start=2&zoom=1&tbnid=nhPFNfVRkmA9FM:&tbnh=112&tbnw=121&ei=OqwtUO75KObg0QGNu4HgAg&um= 9
  • 10. Alguns eufemismos politicamente corretos: Pichador - Artista plástico do mercado de trabalho perito em mensagens abstratas Perna-de-pau - Futebolista dominical inimigo da bola Ladrão - Ilusionista expert em desaparecimento de Fofoqueira - Divulgadora objetos valiosos instantânea de boatos Cachaceiro - Degustador de Morte - Cessação das bebidas populares atividades vitais Vagabundo - Auto excluído Favela - Comunidade O último show de Stand up - Maurício Ricardo. Charge animada http://charges.uol.com.br/2012/0 1/09/cotidiano-o-ultimo-show- de-stand-up/ Redação: Revisão Renata Silva Renata Silveira da Silva Leonardo Messias Francine Araújo Farias Adriana Lopes Jonas dos Santos Leonardo Terra Messias Millaine de Souza Carvalho Diagramação: Nathalia Madeira Araújo Renata Silveira da Silva Santiago Bretanha Feijó Jonas dos Santos Virginia Lucena Caetano Leonardo Terra Messias Colaboração: Coordenação: Profa. Josiane Profa. Dra. Renata Silva Cabaldi Contato:Blog: http://nelpp-unipampa.blogspot.com/Face: https://www.facebook.com/nelpp.unipampaE-mail: nelpp.unipampa@gmail.com 10

×