<ul><li>  INTRODUÇÃO</li></ul>A cadeira de Inttrodução às ciências sociais constitui uma unidade curricular que desempenha...
Quanto  se refere comuninidade isolada pretende-se referir contactos pouco frequentes com outras comunidades, isto por um ...
TIPOS DE ISOLAMENTO
De acordo com Park e Burgess Apoud LAKATOS E MARCONI (1999:82) indicam quatro tipos de isolamento: espacial, estrutural, f...
Espacial  ou físico – ocasionada por factores geofísico, como por exemplo, montanhas, vales, florestas, desertos, pântanos...
Isolamento estrutural – é dado pelas diferenças biológicas, exemplos de sexo, raça, idade.  A sociedade atribui funções e ...
Isolamento funcional – tem origem nos defeitos físicos ( cegueira, surdez, mudez, e outras limitações físicas). Actualment...
Isolamento psiquico – baseado na própria personalidade, casos de gostos, interesses diferentes, temperamentos, pontos de v...
Outros Tipos de Isolamento  não conforme Park e Burgess.
Isolamento habitual – separação ocasionada pela de hábitos, costumes, usos, linguagem, religião e outros factores.
O etnocentrismo – concorre para o isolamento, pois, é uma atitude de supervalorização das características de “ nosso grupo...
Contacto -  Ao se referir às relações sociais, deve-se compreender em seus aspectos dinâmicos. Os indivíduos, por meio de ...
No processo social, pode-se verificar um aspecto primário, fundamental, que é o contacto social.
Pode-se dizer que o contacto  é a fase inicial da interestimulação, e que as modificações resultantes são denominadas de i...
O  aspecto social do contacto está baseado na comunicação de significados.
Tipos de  Contactos </li></ul>Existem muitos tipos de contactos, entretanto, nós  vamos falar apenas de                   ...
Contactos Voluntários – fruto de vontade própria dos participantes, de maneira espontânea, sem coação.Opõem-se aos contact...
Contactos primários – são pessoais, íntimos, e espontâneos, permite fusão de individualidade que dãoorigem ao “nós”.
( ex.: família grupo de amigos, vizinhança) contrário aos contactos secundários, pois esses são formais, impessoais, geral...
Contactos categóricos – resulta da classificação que fizemos de uma pessoa desconhecida, baseada em sua aparência física, ...
Meios não vocais, como expressões, traços fisionómicos e outros.
Expressões  de alegria, tristeza, desagrado ou raiva, movimentos de olhos, movimentos da boca e suspiros, o empalidecer-se...
Sons inarticulados, baseados em emoções e inflexões de voz. Muitas vezes  o homem reage  não às palavras, mas à maneira co...
Palavras e Simbolos. Linguagem condicionada pela cultura</li></ul>Cooperação – é o tipo particular de processo social em q...
Directa e/ou indirecta ( trabalhos associados – na sala de operação cirrurgica e /ou a multidisciplinaridade)- engenheiro ...
Porque os indivíduos ou grupos se interessam em realizar a  cooperação?  :
Obtenção de algum bem material;
Lealdade ao grupo e seus ideais;
Temor às pressões ou ataques de outros grupos;
Necessidade estrutural
Interesses pessoais ou grupais.
Portanto, cooperação é a solidariedade social em acção.
Competição -  A competião é a forma mais elementar e universal de interacção social, consistindo em luta incessante por co...
Debate, controvérsia a respeito de pontos de vistas, ideias ou crenças diferentes, entre indivíduos ou grupos;
Discussão, debate mais acalorada, com troca de palavras áperas;
Litígio, demanda judicialentre partes contrárias;
Contenda, confronto entre indivíduos ou grupos sociais;
Guerras, luta com armas entre nações ou partidos, a forma superior de conflito.
Adaptação – é a forma de socialização de um indivíduo  ou grupo social que tende adequar a determinado ambiente sociocultu...
Arbitragem – aparecimento de um terceiro que funciona como árbitro e/ou mediador
Compromisso – as partem em conflitos possuem igual poder e chegam à acomodação por meio de concessões mútuas;
Tolerância – quandos as divrgências  e interesses vitais estão em jogo e são inconciliáveis e não fazem concessões somente...
Conciliação – forma cosciente de acomodação, envolve mudança de sentimento com a dimuniução da hostilidade, há harmonizaçã...
Linguagem – uma linguagem comum ou bastante semelhante colabora na rapidez da assimilação, pois, facilita contactos primár...
Ausência de características  físicas divergentes – ( fácil de notar que pertence grupo alheio);
Número e concentração – grande número de imigrantes, facilita convívio, comunicação, tradições e padrões culturais;
Prestígio da cultura – à medida que imigrantes se estabelecem em determinado país, cuja cultura tem prestígio, isto é, em ...
Riqueza
Utilidade funcional
Educação
Religião
Faixa etária e sexo</li></ul>Na sociedade os homens podem ascender as posições ( status)  por duas vias: atribuido e/ou ad...
Papel assumido:  quando se  assume voluntariamente, por decisão pessoal, ( casamento, seguir uma profissão, estudar numa f...
A essência da Cultura
O que distingue a sociedade humana das outras é a cultura, isto é, a capacidade de criar ou de recriar a partir dos elemen...
A cultura é património de cada sociedade, constituída por todos os objectos materiais ou simbólicos que servem de elemento...
A cultura é um sistema organizados do comportamento, não resultando pura e simplesmente de uma acumulação de hábitos ou de...
Cada padrão de cultura contém certos traços, que constituem as menores unidades identificáveis dessa mesma cultura.
 Os traços de cultura incluem tanto os aspectos materiais quanto os não materiais.
Os aspectos materiais, exemplo:  chapéu solar, enxada, escultura,  batuque etc.
Os aspectos não materiais;  incluem acções simbólicas como: aperto de mão para cumprimentar uma pessoa, beijos o tirar cha...
Relativismo Cultural
As culturas, de modo geral, diferem umas das outras em relação aos postulados básicos, embora tenham características comuns.
Toda a cultura é considerada como configuração saudável para os indivíduos que a praticam. Todos os povos formulam juízos ...
Os padrões ou valores de certo ou errado, dos usos e costumes, das sociedades em geral, estão relacionados com a cultura d...
Etnocentrismo – o etnocentrismo relaciona-se directamente com o relativismo cultural. A posição relativa liberta o indivíd...
Toda a referência a povos primitivos e civilizados deve ser feita em termos de culturas diferntes e não na relação superio...
O etnocentrismo pode promover um comportamento agressivo ou em atitudes de superioridade e até de hostilidade, discriminaç...
Porém, o etnocentrismo apresenta um quadro positivo, ao ser agente de valorização do próprio grupo. Seus membros passam a ...
Mudança de Cultura – é qualquer alteração na cultura, sejam traços, complexos, padrões ou toda  uma  cultura, o que é muit...
A mudança cultural pode surgir em consequência de factores internos – Endógenos  ( descobertas e invenções) ou externos – ...
Factores que influenciam na mudança cultural</li></ul>1 . Factores Geográficos<br />Fenómenos como cataclismo, secas, inun...
Conteúdo relativamente permanente – padrões, papéis e relações entre indivíduos da mesma cultura;
Serem estruturadas – há coesão entre os componentes, em virtude de combinações estruturais de padrões de comportamento;
Estrutura Unificada – cada instituição, apesar de não poder ser completamente separada das demais, funciona como uma unida...
Possuem valores – código de conduta.
Todas as instituições devem ter  função e estrutura.
Função -  é a meta ou o prop’osito do grupo, cujo objectivo seria regular suas necessidades.
Estrutura – é composta de pessoal (elementos humanos); equipamentos (aparelhamento material  ou  imaterial); organização (...
Exemplo: um hospital possui função, o de tratar os pacientes;
Estrutura , pessoal – direcção, funcionários (médicos, enfermeiros e outros especialistas e técnicos); equipamentos – imóv...
As instituições  podem ser espontâneas (família) e criadas (igreja)</li></ul>Principais Instituições Sociais<br /><ul><li>...
A família constitue  portanto, a base da estrutura social, onde se originam as relações primárias de parentesco.</li></ul>...
Matriarcal – em a figura central é a mãe, havendo, por isso, predominância da autoridade feminina.</li></ul>Nas sociedades...
Consanguinidade (Biológico) – relação entre pais e filhos;
Fictícios ou pseudoparentes (Adoptivos) – muitas sociedades aceitam uma terceira categoria de relações denominadas fictíci...
Matrilinear:  Sistema  que liga Ego a  grupos de parentes relacionados através da linha feminina. Os filhos de ambos os se...
Descendência dupla:  (Matripatrilinear)  - quando os grupos de parentesco patrilinear e matrilinear existem lado a lado de...
Clã – Formado por várias linhagens, com um passado remoto que chega a ser  mitológico.
Fratria – Um conjunto de clãs (dicionário = conjunto de irmãos)
Tribo – um conjunto de fratrias</li></ul>Religião -  um sistema unificado de crenças e práticas relativas a coisas sagrada...
O conceito Estado implica a inclusão do elemento governo, que mantém  a ordem e estabelece as normas relativas às relações...
Nem todo governo é sinónimo de Estado, porque existem governos sem Estado, caso dos bosquímanos da África.
Upcoming SlideShare
Loading in …5
×

Guia i cs.

6,679 views

Published on

0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total views
6,679
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
4
Actions
Shares
0
Downloads
30
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Guia i cs.

  1. 1. <ul><li> INTRODUÇÃO</li></ul>A cadeira de Inttrodução às ciências sociais constitui uma unidade curricular que desempenha um papel particularmente importante no processo de Ensino-Aprendizagem de qualquer curso, especialidades e graus académicos, pois, ela versa vários aspectos da vida do homem em sociedade.<br />Sem um profundo conhecimento da pessoa humana como ser social, dificilmente poder-se-á comprender as diferentes etapas metamórficas por onde este passa. Isto é, a cadeira de introdução às ciências sociais versa principalmente sobre o homem em sociedade. Neste guia de estudo, contempla os referentes conteúdo, iniciando mesmo de conceito das às ciências sociais, os processos sociais, status e papel social , cultura e sociedade, Instituições sociais, Control social, mudança social, Movimentos sociais e algumas palestras relaciondas à Género e a sociedade e a Educação tradicional em Moçambique .<br /> É um GUIA de apoio aos estudantes de qualquer nível de escolalidade, por isso que, quem tiver um desejo epistemológicamente insaciável sobre a introdução às ciências sociais, o conselho é: aproveite, e, boa sorte. É um GUIA um pouco mais abrangente em relação ao elaborado em 2007.<br />Elaborado por José Greia, docente de Introdução às Ciências Sociais e Metodologia de Investigação Ciêntífica na Academia Militar “ Marechal Samora Machel”.<br />Nampula, 15 de Janeiro de 2010<br />Objecto de Estudo das ciências Sociais: O ponto de vista de CHAUI (2003:345) é que embora seja evidente que toda e qualquer ciência é humana, porque resulta da actividade humana de conhecimento, a expressão “ciências humanas” refere-se àquelas ciências que têm o próprio ser humano em sociedade como objecto de estudo<br />Os campos de estudo das ciências humanas<br />Se tomarmos as ciências humanas de acordo com seus campos de investigação,<br />podemos distribuí-las da seguinte maneira:<br />Psicologia<br /> estudo das estruturas, do desenvolvimento das operações da mente humana<br />(consciência, vontade, percepção, linguagem, memória, imaginação, emoções);<br />estudo das estruturas e do desenvolvimento dos comportamentos humanos e<br />animais;<br /> estudo das relações intersubjetivas dos indivíduos em grupo e em sociedade;<br /> estudo das perturbações (patologias) da mente humana e dos comportamentos<br />humanos e animais.<br />Sociologia<br /> estudo das estruturas sociais: origem e forma das sociedades, tipos de<br />organizações sociais, econômicas e políticas;<br /> estudo das relações sociais e de suas transformações;<br /> estudo das instituições sociais (origem, forma, sentido).<br />Economia<br /> estudo das condições materiais (naturais e sociais) de produção e reprodução<br />da riqueza, de suas formas de distribuição, circulação e consumo;<br />Convite à Filosofia<br />_______________________________<br />– 352 –<br /> estudo das estruturas produtivas – relações de produção e forças produtivas –<br />segundo o critério da divisão social do trabalho, da forma da propriedade, das<br />regras do mercado e dos ciclos econômicos;<br />estudo da origem, do desenvolvimento, das crises, das transformações e da<br />reprodução das formas econômicas ou modos de produção.<br />Antropologia<br />estudo das estruturas ou formas culturais em sua singularidade ou<br />particularidade, isto é, como diferentes entre si por seus princípios internos de<br />funcionamento e transformação. A cultura é entendida como modo de vida global<br />de uma sociedade, incluindo: religião, formas de poder, formas de parentesco,<br />formas de comunicação, organização da vida econômica, artes, técnicas,<br />costumes, crenças, formas de pensamento e de comportamento, etc.;<br />estudo das comunidades ditas “primitivas”, isto é, tanto das que desconhecem a<br />divisão social em classes e recusam organizar-se sob a forma do mercado e do<br />poder estatal, quanto daquelas que já iniciaram o processo de divisão social e<br />política.<br />História<br />estudo da gênese e do desenvolvimento das formações sociais em seus aspectos<br />econômicos, sociais, políticos e culturais;<br /> estudo das transformações das sociedades e comunidades como resultado e<br />expressão de conflitos, lutas, contradições internas às formações sociais;<br />estudo das transformações das sociedades e comunidades sob o impacto de<br />acontecimentos políticos (revoluções, guerras civis, conquistas territoriais),<br />econômicos (crises, inovações técnicas, descobertas de novas formas de<br />exploração da riqueza ou procedimentos de produção, mudanças na divisão<br />social do trabalho), sociais (movimentos sociais, movimentos populares,<br />mudanças na estrutura e organização da família, da educação, da moralidade<br />social, etc.) e culturais (mudanças científicas, tecnológicas, artísticas, filosóficas,<br />éticas, religiosas, etc.);<br />estudo dos acontecimentos que, em cada caso, determinaram ou determinam a<br />preservação ou a mudança de uma formação social em seus aspectos econômicos,<br />políticos, sociais e culturais;<br /> estudo dos diferentes suportes da memória coletiva (documentos, monumentos,<br />pinturas, fotografias, filmes, moedas, lápides funerárias, testemunhos e relatos<br />orais e escritos, etc.).<br />Lingüística<br /> estudo das estruturas da linguagem como sistema dotado de princípios internos<br />de funcionamento e transformação;<br />Marilena Chauí<br />_______________________________<br />– 353 –<br /> estudo das relações entre língua (a estrutura) e fala ou palavra (o uso da língua<br />pelos falantes);<br />estudo das relações entre a linguagem e os outros sistemas de signos e<br />símbolos ou outros sistemas de comunicação.<br />Psicanálise<br /> estudo da estrutura e do funcionamento do inconsciente e de suas relações com<br />o consciente;<br /> estudo das patologias ou perturbações inconscientes e suas expressões<br />conscientes (neuroses e psicoses).<br />Se tomarmos as ciências humanas de acordo com seus campos de investigação, podemos distribuí-las conforme se segue:<br />Psicologia - que se relaciona com o estudo do desenvolvimento da mente humana. Isto é, consciência, vontade, linguagem, memória, percepção, emoções, imaginação, comportamentos, patologias da mente e outros.<br />Sociologia – que se dedica no seu estudo em estruturas sociais, relações sociais, e instituições sociais.<br />Economia – estudo das estruturas produtivas, origem e desenvolvimento das crises, condições socio-naturais, e materiais de produção.<br />Antropologia – relacionas-se com formas socioculturais das comunidades.<br />História – géneses e desenvolvimento das formações sociais em seus aspectos económicos, sociais, políticos e culturais, as transformações das sociedades e comunidades, lutas e contradições internas e outros aspectos.<br />Psicanálise – estudo da estrutura e do funcionamento do inconsciente e sua expressões conscientes (neurose e psicoses).<br />Linguística – estudo das estruturas da língua como sistema dotado de princípios internos de funcionamento e transformação, assim como as relações entre língua e fala, linguagem e os outros sistemas de signos e símbolos, etc. <br />Portanto, a sociedade está em constante transformação e, como é assim, o homem de forma individual ou em sociedade sempre procurou corresponder essas constantes metamorfoses para não se tornar vítima da sua própria sociedade.<br />Bibliografia<br />ANTHONY Giddens. Sociologia. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 1997<br />I.Brym, Robert. II.Lie, John et all. Sociologia: sua bússola para um novo Mundo.SP.: Thomsom Learning, 2006.<br />LAKATOS, Eva Maria; MARCONIMarina de Andrade. Sociologia Geral. 7,ed. SP.:Atlas, 1999<br /><ul><li>Isolamento - pode ser entendido como falta de contacto ou de comunicação entre grupos ou idivíduos. No mundo em que vivemos, é impraticável um isolamento absoluto, pois os homens vivem em grupos dentro da comunidade. Mesmo que sejam contactos de forma esporâdica entre grupos ou indivíduos.
  2. 2. Quanto se refere comuninidade isolada pretende-se referir contactos pouco frequentes com outras comunidades, isto por um lado, e por outro, o isolamento pode ser individual, quer dizer, do indivíduo dentro do seu grupo ou sociedade.
  3. 3. TIPOS DE ISOLAMENTO
  4. 4. De acordo com Park e Burgess Apoud LAKATOS E MARCONI (1999:82) indicam quatro tipos de isolamento: espacial, estrutural, funcional e psiquico.
  5. 5. Espacial ou físico – ocasionada por factores geofísico, como por exemplo, montanhas, vales, florestas, desertos, pântanos, rios, oceanos. Em Moçambique esses factores verificam-se regularmente nas zonas rurais.
  6. 6. Isolamento estrutural – é dado pelas diferenças biológicas, exemplos de sexo, raça, idade. A sociedade atribui funções e actividades diversas a homens e mulheres e, em consequência, cria diferença de interesses. A diferenciação por sexo é praticamento é situação geral, em todas as sociedades. Mas a cultura do grupo tem sido a condição particular. Exemplos: nas religiões; em Moçambique, nas idades ( jovens e velhos)
  7. 7. Isolamento funcional – tem origem nos defeitos físicos ( cegueira, surdez, mudez, e outras limitações físicas). Actualmente os Governos têm desempenhado um papel muito importante na abertura para imperdir as difentes maneiras de discriminação, e, muitos dos portadores de deficiências diversas têm vencido a barreira da comunicação entretanto, em muitas ocasiões sofrem limitações na participação das actividades grupais.
  8. 8. Isolamento psiquico – baseado na própria personalidade, casos de gostos, interesses diferentes, temperamentos, pontos de vistas, atitudes e sentimentos até por indivíduos pertencente a mesma cultura. ( ex. Entre o cientista e o analfabeto, entre o homem do campo e o da cidade, clubes, partidos políticos, seitas religiosas, e outros).
  9. 9. Outros Tipos de Isolamento não conforme Park e Burgess.
  10. 10. Isolamento habitual – separação ocasionada pela de hábitos, costumes, usos, linguagem, religião e outros factores.
  11. 11. O etnocentrismo – concorre para o isolamento, pois, é uma atitude de supervalorização das características de “ nosso grupo” e de menosprezo por tudo o que é do “ grupo alheio”.
  12. 12. Contacto - Ao se referir às relações sociais, deve-se compreender em seus aspectos dinâmicos. Os indivíduos, por meio de relações sociais, podem aproximarem-se ou afastarem-se, dando assim as formas de associação ou dissociação.
  13. 13. No processo social, pode-se verificar um aspecto primário, fundamental, que é o contacto social.
  14. 14. Pode-se dizer que o contacto é a fase inicial da interestimulação, e que as modificações resultantes são denominadas de interacção
  15. 15. O aspecto social do contacto está baseado na comunicação de significados.
  16. 16. Tipos de Contactos </li></ul>Existem muitos tipos de contactos, entretanto, nós vamos falar apenas de quatro:<br /><ul><li>Contactos directos – ocorrem por meio da percepção física; isto é, realizam-se face a face ( ex. O médico atendendo pessoalmente o seu paciente, o professor ministrando pessoalmente aula a seu alunos e outros). Contactos indirectos – realizam-se através de intermediários ou por meios técnicos de comunicação, cel, telefone, rádio carta, email e mais.
  17. 17. Contactos Voluntários – fruto de vontade própria dos participantes, de maneira espontânea, sem coação.Opõem-se aos contactos involuntários, que derivam da imposição de uma das partes sobre a outra.
  18. 18. Contactos primários – são pessoais, íntimos, e espontâneos, permite fusão de individualidade que dãoorigem ao “nós”.
  19. 19. ( ex.: família grupo de amigos, vizinhança) contrário aos contactos secundários, pois esses são formais, impessoais, geralmente superficiais, em termos gerais envolvendo apenas uma faceta da personalidade. Ex.: comprador e vendedor, enfermeiro e o paciente, passageiro de um avião.
  20. 20. Contactos categóricos – resulta da classificação que fizemos de uma pessoa desconhecida, baseada em sua aparência física, cor da pele, feições, profiss~ao etc. De acordo com as características atribuidas a ela pelo “ nosso grupo”. Essa espécie de classificação facilita nossos contactos com estranhos. Ex Este senhor é jurista e é familiar do ministro da saúde, a nossa atitude será diferente se fossemos apresentado um maltrapilho.</li></ul>Atenção; todos os contactos primários são simpatéticos, mas nem todos os contactos simpatéticos são primários.<br />Bibliografia<br />ANTHONY Giddens. Sociologia. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 1997<br />I.Brym, Robert. II.Lie, John et all. Sociologia: sua bússola para um novo Mundo.SP.: Thomsom Learning, 2006.<br />LAKATOS, Eva Maria; MARCONI, Marina de Andrade. Sociologia Geral. 7,ed. SP.:Atlas, 1999 ( a Principal)<br />Interacção Social – é a acção social, mutuamente orientada, de dois ou mais indivíduos em contacto. Distingue-se da mera interestimulação em virtude de envolver significados e expectativas em relação às acções de outras pessoas. Portanto, a interacção é a reciprocidade de acções sociais.<br /><ul><li>Uma das importantes formas de interacção é a comunicação. A comunicação é fundamental para o homem, enquanto ser social, e para a cultura. Pode-se comunicar através de:
  21. 21. Meios não vocais, como expressões, traços fisionómicos e outros.
  22. 22. Expressões de alegria, tristeza, desagrado ou raiva, movimentos de olhos, movimentos da boca e suspiros, o empalidecer-se, chorar ou rir, movimentos de mãos e ombros etc. Condicionam respostas que são baseadas em seus significados, interpretados através de expariências anteriores..
  23. 23. Sons inarticulados, baseados em emoções e inflexões de voz. Muitas vezes o homem reage não às palavras, mas à maneira como são ditas.
  24. 24. Palavras e Simbolos. Linguagem condicionada pela cultura</li></ul>Cooperação – é o tipo particular de processo social em que dois ou mais indivíduos ou grupos actuam em conjunto para a consecução de um objectivo comum. É requisito especial e indispensável para a manutenção e continuidade dos grupos e sociedades.<br />Tipos de cooperação<br /><ul><li>Temporária e/ou contínua ( trabalho em grupo e /ou control de poluição)
  25. 25. Directa e/ou indirecta ( trabalhos associados – na sala de operação cirrurgica e /ou a multidisciplinaridade)- engenheiro necessita do médico, este do agricultor e vice-versa.
  26. 26. Porque os indivíduos ou grupos se interessam em realizar a cooperação? :
  27. 27. Obtenção de algum bem material;
  28. 28. Lealdade ao grupo e seus ideais;
  29. 29. Temor às pressões ou ataques de outros grupos;
  30. 30. Necessidade estrutural
  31. 31. Interesses pessoais ou grupais.
  32. 32. Portanto, cooperação é a solidariedade social em acção.
  33. 33. Competição - A competião é a forma mais elementar e universal de interacção social, consistindo em luta incessante por coisas concretas de forma incosciente e impessoal (LAKATOS e MARCONI, 19990).</li></ul>Segundo Hamilton, Apoud LAKATOS e MARCONI (1999:89) <br />“ existe competição quando os recursos de uma sociedade ( alimentação, bens materiais, posições sociais, poder etc.) são inflexívais e inadequados perante uma popula,cão portadora de desejos insasiáveis”.<br />Há muitos exemplos acerca de competição como o esforço de de adquirir êxito nos estudos, na vida económica, em relação à posição social, na capacidade profissional, artística, intelectual, desportiva e outras. Todos estes desejos e /ou necessidades podem-se obter sem necessidade de suplantar esta ou aquela pessoa. A Preocupação principal não visa tirar algo de alguém ou de impedir que alguém atinja determinadas metas.<br />Está claro que competição consiste em esforços de indivíduos ou grupos para obter melhores condiçeões de vida. Entretanto, quando uma pessoa se interpõe no caminho da satisfação ou dos desejos da outra, surgem os choques, no sentido de uma das partes eliminar os obstâculos levantados pela outra. Nesse sentido, a luta torna-se pessoal. A esse tipo de luta, consciente e pessoal, dá-se o nome de conflito. A conceituação mais adequada de conflito é, portanto, uma contenda entre indivíduos ou grupos sociais, em que cada qual dos contendores deseja uma solução que exclui a almejada pelo adversário.<br />O Conflito pode-se apresentar de diversas formas:<br /><ul><li>Rivalidade, ciúmee antagonismo;
  34. 34. Debate, controvérsia a respeito de pontos de vistas, ideias ou crenças diferentes, entre indivíduos ou grupos;
  35. 35. Discussão, debate mais acalorada, com troca de palavras áperas;
  36. 36. Litígio, demanda judicialentre partes contrárias;
  37. 37. Contenda, confronto entre indivíduos ou grupos sociais;
  38. 38. Guerras, luta com armas entre nações ou partidos, a forma superior de conflito.
  39. 39. Adaptação – é a forma de socialização de um indivíduo ou grupo social que tende adequar a determinado ambiente sociocultural a nível bio- psicomotor, afetivo e nível de pensamento.</li></ul>A adaptação social de um indivíduo ao grupo não sgnifica necessariamente conformidade social, mas supõe a utilização de certa margem de liberdade ou de autonomia que o meio concede. Essa liberdade ou autonomia varia de sociedade para sociedade, exigindo algumas delas uma conformidade mais completa e estrita dos outras. Mas é evidente que, para a sobrevivência da colectividade, deve existir um denominador comum entre os componentes e certo grau de adesão e conformidade às normas estabelecidas.<br />B.1. Acomodação - é um processo social com o objectivo de diminuir o conflito entre indivíduos ou grupos sociais, reduzindo-o e encontrando um novo modus vivendi. É um ajustamento formal e externo, aparecendo apenas nos aspectos externos do comportamento, sendo pequena ou nula a mudança interna, relativa a valores, atitudes e significados. O modus vivendi é uma espécie de arranjo temporário, que possibilita a convivência entre elementos e grupos antagônicos e a restauração do equilíbrio afetado pelo conflito.<br />Formas de Acomodação<br /><ul><li>Coerção – por meio de ameaças ou uso de forças quando partes envolvidas têm poderes desiguais;
  40. 40. Arbitragem – aparecimento de um terceiro que funciona como árbitro e/ou mediador
  41. 41. Compromisso – as partem em conflitos possuem igual poder e chegam à acomodação por meio de concessões mútuas;
  42. 42. Tolerância – quandos as divrgências e interesses vitais estão em jogo e são inconciliáveis e não fazem concessões somente a uma cooperação e a uma convivência;
  43. 43. Conciliação – forma cosciente de acomodação, envolve mudança de sentimento com a dimuniução da hostilidade, há harmonização entre os antagonostas. ( respeito mútuo e a amizade ).</li></ul>B.2. Assimilação – é o processo social em que os indivíduos e grupos sociais diferentes aceitam e adiquirem padrões comportamentais, tradição, sentimentos e atitudes da outra parte. É um indício da integração sociocultural e ocorre principalmente nas populações que reúne grupos diferentes. Os indivíduos assimilam-se entre sí, partilham sua expariência e sua história, e participam de uma vida cultural comum.<br />Factores que influenciam o processo de assimilação<br /><ul><li>Contactos primário – nos grupos de amizades, face a face. Quando são indirectos e superficiais, isto é, secundário é mais provável a acomodação do que propriamente a assimilação;
  44. 44. Linguagem – uma linguagem comum ou bastante semelhante colabora na rapidez da assimilação, pois, facilita contactos primários;
  45. 45. Ausência de características físicas divergentes – ( fácil de notar que pertence grupo alheio);
  46. 46. Número e concentração – grande número de imigrantes, facilita convívio, comunicação, tradições e padrões culturais;
  47. 47. Prestígio da cultura – à medida que imigrantes se estabelecem em determinado país, cuja cultura tem prestígio, isto é, em que desejam ser considerados como membros efetivos do novo grupo ou da nova sociedade, sua assimilação é mais rápida.</li></ul>Status conceito -– é o lugar ou posição que a pessoa ocupa na estrutura social, de acordo com o julgamento colectivo ou consenso de opinião do grupo. Isto é, o status é a posição em função dos valores sociais correntes na sociedade.<br />A origem do Status remonta aos primeiros agrupamentos humanos, em que determinadas funções eram caracterizadas por prestígios e direitos diferentes dos demais.( ex: sociedade moçambicana, status da mulher e do homem).<br /><ul><li>STATUS LEGAL E SOCIAL</li></ul>Existem posições (status) que não são definidas por lei. Logo, é preciso diferenciar status legal e social. Status legal é uma posição que envolve direitos e deveres apoiados por normas. <br />Os direitos e obrigações do status legal consistem no comportamento legalmente sancionado. Quando as reivindicações de uma pessoa são apoiadas pelas normas, constituem seus direitos; quando as obrigações são prescritas pelas normas, temos deveres. Exemplos de status legais: status de professor, de enfermeiro e/ou médico de juiz. As pessoas externas queiram como não, este é o status do indivíduo legalmente constituido e, deve-se comportar e respeitar como tal.<br />O status Social abrange caracteísticas da posição que não são determinadaspor meios legais. É o comportamento socialmente esperado e/ou aprovado, de quem ocupa aquela posição. Os amigos e colegas apoiam o status ( posição) da pessoa e/ou do grupo. Já não implica direitos e deveres juridicamente determinados. Os que se espera de um pai perante os filhos senão amor, carinho e proporcionar o sustento do filhos em todas as áreas da vida humana; da mesma forma espera dos filhos amor, respeito e obediência.<br />CRITÉRIOS para DETERMINAR STATUS dos INDIVÍDUOS<br /><ul><li>Parentesco
  48. 48. Riqueza
  49. 49. Utilidade funcional
  50. 50. Educação
  51. 51. Religião
  52. 52. Faixa etária e sexo</li></ul>Na sociedade os homens podem ascender as posições ( status) por duas vias: atribuido e/ou adquirido<br />Status Atribuido<br />O status atribuido independe da capacidade do indvíduo é lhe atribuido mesmo contra a sua vontade. Dependendo de cada sociedade a Idade, sexo e etnia têm desempenhado maior ou menor importância.<br />Status Adquirido<br />O indivíduo tem possibilidade de alterar seu status através de habilidade, conhecimento e capacidade pessoal. Esta conquista do status deriva, portanto, da competição entre pessoas e grupos, e constitui vitória sobre os demais.<br />Não é concentâneo afirma que o indivíduo é receptor passivo de status atribuido, pelo contrário, através de suas realizações ele pode elevar ou rebaixar sua posição na sociedade.<br />Quando se trata de status atribuido, a pessoa desde seu nascimento é educada e preparada para ocupar a posição que lhe é determinada na sociedade. Já não ocorre o mesmo em relação ao status adquirido, que depende do esforço e aprimoramento pessoal.<br />Exemplos: status políticos, económicos e profissionais, obtidos através do esforço individual. Em algumas sociedades, os status políticos e económicos são totalmente herdados.<br />Papel Social – LAKATOS e MARCONI (1999:102) citando Newcomb relaciona o papel com a posição social, indica as maneiras de se comportar que se esperam de qualquer indivíduo que ocupa certa posição constituem o papel associado com aquela posição.<br />Papel Social ( Rol ) - é uma espécie de comportamento típico que se espera de determinada pessoa em função do "status" em que se encontra.<br />Relações entre Status e Papel<br />Sob ponto de vista estritamente sociológico, podíamos dizer que a personalidade seria a combinação dos diversos papéis que um indivíduo tem de desempenhar em função das diferentes posições sociais que ocupe nos vários grupos a que pertence.<br />Os papéis que cada indivíduo tem de representar são múltiplos, já que ele ( o indivíduo ) acumula várias posições. Um homem pode ser, simultaneamente, masculino, pertencer ao estrato etário dos 50 anos, ser filho, casado, pai, pastor de igreja, motorista, oficial militar, dirigente desportivo, animador político, etc. <br />Status é a posição socialmente identificada; papel é o padrão de comportamento esperado e exigido de pessoas que ocupam determinados status. Portanto, cada posição social estabelece-se certas expectativas.<br />Níveis de Comportamento<br />Comportamento exigido – fundamental para o desempenho do papel. Há norma e regulamento rígidos e devem ser cumpridos<br />Comportamento Permitido – comportamentos para os quais o grupo ou a sociedade não estabelecem normas fixas e rígidas.<br />Comportamento Proibido - a sociedade e /ou o grupo reage através de sanções negativas.<br />Tipos de Papéis<br />O indivíduo deve se ajustar aos papéis que deve desempenhar, o que se dá de dois modos: papel atribuido e assumido<br /><ul><li>Papel atribuido: quando conferido externamente ao indiv’iduo de acordo com o tipo de papel social, cuja atribuição pode efectuar-se de duas maneiras: automaticamente ( exemplo – filho, irmão, primo tio, avô e outros) e intencionalmente: na adop,cão de um filho;
  53. 53. Papel assumido: quando se assume voluntariamente, por decisão pessoal, ( casamento, seguir uma profissão, estudar numa faculdade). </li></ul>Cultura- Os antropólogos vêm elaborando inúmeros conceitos sobre a cultura, entretanto, ainda não se chegou a um consenso do significado exacto do termo cultura. Segundo LAKATOS, e MARCONI (1999: 131) a cifra de definições já ultrapassa 160 mas que, ainda n~ao chegaram a um significado exacto. Segundo o autor que está-se citar para alguns cultura é comportamento aprendido; para outros, não é comportamento, mas abstracção do comportamento; para o terceiro grupo, a cultura consiste em idéias. Há os que consideram que a cultura é apenas os objectos imateriais, o contrário dos outrosque consideram aquilo que se refere ao material.Outros estudiosos consideram o imaterial e o material<br /><ul><li>Cultura : conjunto de elementos que inclui conhecimentos, crenças arte, moral, leis, usos e quaisquer outras capacidades, e costumes adquiridos pelo homem enquanto membro de uma sociedade. Portanto, tudo o que constitui a vida de um povo.
  54. 54. A essência da Cultura
  55. 55. O que distingue a sociedade humana das outras é a cultura, isto é, a capacidade de criar ou de recriar a partir dos elementos recebidos das gerações anteriores ou seja tudo aquilo que o homem acrescenta à natureza.
  56. 56. A cultura é património de cada sociedade, constituída por todos os objectos materiais ou simbólicos que servem de elementos aglutinadores dos indivíduos em relação ao grupo e dos grupos entre si.
  57. 57. A cultura é um sistema organizados do comportamento, não resultando pura e simplesmente de uma acumulação de hábitos ou de normas.
  58. 58. Cada padrão de cultura contém certos traços, que constituem as menores unidades identificáveis dessa mesma cultura.
  59. 59. Os traços de cultura incluem tanto os aspectos materiais quanto os não materiais.
  60. 60. Os aspectos materiais, exemplo: chapéu solar, enxada, escultura, batuque etc.
  61. 61. Os aspectos não materiais; incluem acções simbólicas como: aperto de mão para cumprimentar uma pessoa, beijos o tirar chapéu, encurvar-se etc.
  62. 62. Relativismo Cultural
  63. 63. As culturas, de modo geral, diferem umas das outras em relação aos postulados básicos, embora tenham características comuns.
  64. 64. Toda a cultura é considerada como configuração saudável para os indivíduos que a praticam. Todos os povos formulam juízos em relação aos modos de vida diferentes dos seus. Por isso, o relativismo cultural não concorda com a idéia de normas e valores absolutos e defende o pressuposto de que as avaliações devem ser sempre relativas à próppria cultura onde surgem.
  65. 65. Os padrões ou valores de certo ou errado, dos usos e costumes, das sociedades em geral, estão relacionados com a cultura da qual fazem parte. Portanto, um costume pode ser válido há um certo hambiente cultural e não a um outro, e, até ser repudiado.
  66. 66. Etnocentrismo – o etnocentrismo relaciona-se directamente com o relativismo cultural. A posição relativa liberta o indivíduo de preconceitos deturpadoras do etnocentrismo, que significa a supervalorização da própria cultura em detrimento das demais. Todos os indivíduos são afetados por esse tipo de sentimento e a tendência na avaliação é julgar as culturas alheias segundo o seu modu vivendi cultural.
  67. 67. Toda a referência a povos primitivos e civilizados deve ser feita em termos de culturas diferntes e não na relação superioe / inferior.
  68. 68. O etnocentrismo pode promover um comportamento agressivo ou em atitudes de superioridade e até de hostilidade, discriminação, à violência e outras atitudes e comportamentos.
  69. 69. Porém, o etnocentrismo apresenta um quadro positivo, ao ser agente de valorização do próprio grupo. Seus membros passam a considerar e aceitar o seu modo de vida como melhor, o mais aceitável, o que favorece o bem estar individual e a integração social.
  70. 70. Mudança de Cultura – é qualquer alteração na cultura, sejam traços, complexos, padrões ou toda uma cultura, o que é muito raro. A mudança de cultura pode ocorrer com maior ou menor facilidade, dependendo do grau de resistência ou de aceitação. O aumento ou diminuição das populações, as migrações, os contactos com outros povos de culturas diferentes, as inovações científicas e tecnológica, as catástrifes ( epidemias, guerras, calamidades naturais), as depressões económicas, as descobertas, mudança violente de governo etc. Podem constitur como factores de mudança cultural de uma determinada sociedade.
  71. 71. A mudança cultural pode surgir em consequência de factores internos – Endógenos ( descobertas e invenções) ou externos – exógenos ( difusão cultural)
  72. 72. Factores que influenciam na mudança cultural</li></ul>1 . Factores Geográficos<br />Fenómenos como cataclismo, secas, inundações, pragas, ciclones, erupção vulcânica terramotos, maremotos, furacões e outros podem altera de forma transitória ou permanente, a organização ou a estrutura de uma comunidade.<br />Podem ocasionar migração, extinção de comunidade, reconstrução ou fundação de novas cidades.<br />2 . Factores Demográficos ou Biológicos<br />As variações nas taxas de crescimento populacional, associado a êxodos populacionais, epidemias, elevadas taxas de mortalidade, dão origem a diversas transformações sociais. Podem ocasionar desajustamento e desequilíbrios nos mais diversos sectores da sociedade, alterando a estrutura económica, a organização do trabalho, a distribuição do poder e modo de vida das populações.<br />Ex.; os emigrantes ingleses a continente americano e asiático, europeus a África, trouxe grandes alterações ao modo de vida das populações autóctones. <br />3 . Factores Socio-Políticos<br />guerras, invasões e conquistas, luta de classes e revolução, a acção das elites sociais , o aparecimento de movimentos sociais portadores de valores e modelos culturais diferentes, constituem exemplos de forças capazes de espoletar situações de mudanças. Alteram as estruturas sociais , modificam o status de nações, escravizam povos, transformam a vida e destoem culturas. <br />4 . Factores Culturais<br />A evolução das ideias, o contacto entre culturas, descobertas científicas, o desenvolvimento filosófico, a difusão de religião e ideologias constituem aspectos importantes para a mudança social.<br />5 . Factores Tecnológicos<br />As descobertas científicas, quando postas em prática podem provocar mudanças sociais de vulto. Isto é, a introdução de novas técnicas de produção numa fábrica pode trazer várias modificações:<br />modificações dos métodos de trabalho<br />da organização das equipas de trabalho<br />modificações nos níveis de autoridade.<br />A instalação num meio rural de uma nova indústria vai implicar transformação do mercado de trabalho o que promove a mobilidade da população. Traz mudanças de costumes, de culturas, de organização social da comunidade.<br />6 . Factores Psicossociológicos<br />A receptividade que as diferentes populações manifestam em relação ao "novo". A vida tem demonstrado que o grau de instrução, a cultura geral e informação, são factores que contribuem para uma maior abertura á mudança, enquanto que a ignorância favorece o conservadorismo. Da mesma forma, as sociedades individualistas ( onde a competição é a orgânica de vida ) impele os indivíduos ao risco, á descoberta, ao empreendimento, favorecendo assim os processos de mudança. Estas sociedades mostram-se mais dispostas á evolução e progresso do que ás sociedades mais integradas, onde o indivíduo se subordina ao grupo. <br />7 . A Mundialização<br />A aproximação entre indivíduos, nações ou Estados, a interdependência económica, a expansão de tecnologias, de informação, globalização das comunicações, globalização dos padrões de comportamento internacionalização dos conflitos a visão ecológica global, são todos esses aspectos que entram no rol das mudanças sociais.<br />Resumindo; aos factores de mudança social no domínio dos fenómenos sociais não é possível encontrar uma só causa que se possa considerar exclusivamente responsável ou determinante pelos acontecimentos sociais. Quer dizer, no domínio social existe sempre uma multiplicidade de causas que integrando e interagindo-se produzem situações complexas, implicando, por sua vez, repercussões em diferentes domínios sociais. É nessa convergência de factores que se deverá procurar não a causa, mas o conjunto das causas que permitiriam o desencadear o processo de mudança.<br />Difusão Cultural – Conforme Hoebel & Frost (1981:445) Apoud LAKATOS e MARCONI (1999:146) “ é um processo, na dinâmica cultural, em que os elementos ou complexos culturais se difundem de uma sociedade a outra”. As culturas, quando vigorosas, tendem a se estender a outras regiões, sob a forma de empréstimo mais ou menos consistente. A difusão de um elemento da cultura pode realizar-se por imitação ou por estímulo., dependendo das condições sociais, favoráveis ou n~ao, à difusão. O tipo mais significativo de difusão é o das relações pacíficas entre os povos, numa troca contínua de pensamentos e inveções.<br />A Aculturação - Quando duas culturas são postas em contacto constata-se a esmose de valores culturais entre ambas. Isto é, verificam-se trocas de experiências tanto materiais como não materiais. A estas trocas de aspectos culturais sejam simples ou complexos dá-se a designação de fenómenos de aculturação.<br />Ex. Quando uma sociedade domina outra, como é o caso de colonização portuguesa em Moçambique<br />Com o passar do tempo, essas culturas fundem-se para formar uma sociedade e uma cultura nova<br />Assimilação, uma fase de aculturação, que seria o processo mediante o qual os grupos que vivem em um determinado território comum, embora procedentes de lugares diferentes, alcançam uma “ solidariedade cultura”.<br />Nesses últimos tempos o termo aculturação vem sendo empregado para significar fusão de subculturas ou cultura rural Versus cultura urbana.<br />A aculturação consiste, pois, em uma forma especial de mudança. A sociedade que sofre o processo de aculturação modifica sua cultura, ajustando ou conformando seus padrões culturais aos daquela que a domina.Porém, embora sofra grandes alterações no seu modo de vida, conserva sempre algo de sua própria identidade.<br />O processo de aculturação, a mudança pode-se processar com entusiasmo, desprezo, desaprovado totalmente, sancionado levemente ou lentamente e ou totalmente rejeitado.<br />Exemplos: língua, modo de vestir, de dançar, organização social, construções etc.<br />Relação cultura e Sociedade<br /><ul><li>Ambas estão intimamente relacionadas: não há sociedade sem cultura, assim como não há cultura sem sociedade ( homens).</li></ul>As Instituições Sociais fazem parte de diversos tipos de organizações sociais, assim como as suas associações.<br />As associações são organizações sociais mais especializadas e menos universais do que as Instituições.( exemplos: clubes recreativos, sindicatos, associações comerciais, sociedades científicas, artísticas e literárias e outras.<br />As Características das Instituições Sociais<br /><ul><li>Finalidade – satisfação das necessidades sociais;
  73. 73. Conteúdo relativamente permanente – padrões, papéis e relações entre indivíduos da mesma cultura;
  74. 74. Serem estruturadas – há coesão entre os componentes, em virtude de combinações estruturais de padrões de comportamento;
  75. 75. Estrutura Unificada – cada instituição, apesar de não poder ser completamente separada das demais, funciona como uma unidade ;
  76. 76. Possuem valores – código de conduta.
  77. 77. Todas as instituições devem ter função e estrutura.
  78. 78. Função - é a meta ou o prop’osito do grupo, cujo objectivo seria regular suas necessidades.
  79. 79. Estrutura – é composta de pessoal (elementos humanos); equipamentos (aparelhamento material ou imaterial); organização (disposição do pessoal e do equipamento, observando-se uma hiererquia-autoridade e subordinação); comportamento( normas que regulam a conduta e a atitude dos indivíduos).
  80. 80. Exemplo: um hospital possui função, o de tratar os pacientes;
  81. 81. Estrutura , pessoal – direcção, funcionários (médicos, enfermeiros e outros especialistas e técnicos); equipamentos – imóvel, máquinas, reputação (imateriais), organização – democracia ou autocracia, centralizada ou descentralizada, comportamento – normas para a constituição e funcionamento, direitos e deveres regulados por leis vigentes e estatutos.
  82. 82. As instituições podem ser espontâneas (família) e criadas (igreja)</li></ul>Principais Instituições Sociais<br /><ul><li>Família – em geral é considerada o fundamento básico e universal das sociedades, por se encontrar em todos oa agrupamentos humanos, apesar da sua variação nas estruturas e o funcionamento.
  83. 83. A família constitue portanto, a base da estrutura social, onde se originam as relações primárias de parentesco.</li></ul>A família elementar (nuclear, natal-conjugal, simples, imediata, primária) é uma unidade formada por um homem, sua esposa e seus filhos que vivem juntos em uma união reconhecida pelos outros membros de sua sociedade.<br />Quanto a autiridade, a família pode ser: ( exemplo de Moçambique)<br /><ul><li>Patriarcal – se a figura central é o pai, que possui autoridade de chefe sobre a mulher e os filhos;
  84. 84. Matriarcal – em a figura central é a mãe, havendo, por isso, predominância da autoridade feminina.</li></ul>Nas sociedades, em geral, há duas formas de relações entre os sexos: união e casamento<br />A União - consiste no ajuntamento de indivíduos de sexos opostos sob a influência do impulso sexual. Os cônjuges são chamados de “amigos”, amantes, maritais etc. A união pode ser temporária ( com divórcio fácil) ou indissolúvel ( sem divórcio, com ou sem desquite).<br />O Concubinato – é um tipo de união. Consiste na união livremente consentida, estável e de facto, entre um homem e uma mulher, mas não sancionada pelo casamento. Pode ser legal ou não. A concubina converte-se na companheira sexual de um homem, socialmente reconhecida por costume ou lei e comumente, é levada ao lar dele, em lugar ou juntamente com a mulher leg’itima. O status da concubina varia muito nas diferentes culturas; geralmente, ela tem o direito de ser mantida e seus filhos considerados legítimos , mas não têm direito a herança, e nem sempre os filhos recebem o nome do pai.<br />O Matrimónio ou Casamento - é omodo pelo qual a sociedade humana estabelece as normas para a relação entre sexos. O matrimónio também pode ser visto como “uma união entre um homem e uma mulher de modo que as crianças nascidas desta união sejam reconhecidas como frutos legítimos de ambos os pais.<br />O casamento torna o casal membro de uma família elementar diferente daquela em que nasceu. Assim, em cada sociedade, um adulto / adulta normal pertence a duas famílias nucleares: a de orientação (onde nasceu) e a de prociação (que constituiu). Na primeira família, ele /ela é filho(a) e irmão (ã); na segunda, marido/ esposa e pai/ mãe.<br />Na maioria das sociedades, o casamento não é uma simples união entre cônjuges, mas, basicamente, a aliança entre grupos.<br />As sociedades, de forma geral estabelecem certas regras para o casamento, permitindo deste modo alguns, proibindo ou restringindo outros, caso de Endogamia e Exogamia.<br />Endogamia (endo, dentro; gamos casamento) o que significa a regra de casamento que obriga o indivíduo a escolher seu cônjuge dentro do mesmo grupo (local, de parentesco, de status, étnico etc.) ou outro grupo a que pertence.<br />Exogamia (exo, fora; gamos, casamento) isto é, regra social que exige o casamento de uma pessoa com outra fora do grupo (local, de parentesco, de status ou qualquer outro gênero) a que ela pertença<br />Modalidades de Casamentos<br /> Monogamia – um homem e uma mulher<br /> Poligamia – homem ou mulher com dois ou mais <br /> Cônjuges<br /> <br /> poliandria – mulher com dois ou+ homs <br /> Poligamia Poliginia – homem com dois ou+ mulhes <br /> <br />O sistema de parentesco é segundo Murdock citado por LAKATOS E MARCONI (1999:178) “um sistema estrutural de relações, no qual os indivíduos encontram-se unidos entre si por um complexo interligado de laços ramificados”. <br />A família nuclear (pais e filhos) é o ponto de partida para a análise de relações de parentesco, assim temos:<br /><ul><li>Afinidade (Marital ou Legal) – laço criado pelo casamento. Por meio dele o homem contrai laços de afinidade com a esposa e seus familiares: pais, irmãos irmãs e outros;
  85. 85. Consanguinidade (Biológico) – relação entre pais e filhos;
  86. 86. Fictícios ou pseudoparentes (Adoptivos) – muitas sociedades aceitam uma terceira categoria de relações denominadas fictícias, incluindo-se crianças adoptadas, compadrio e parentesco ritual (irmãos de sangue).</li></ul>Descendência é uma regra que filia o indivíduo, ao nascer, a um grupo de parentes. A família elementar ou natal está ligada a uma série mais ampla de grupos de parentesco. A descendência baseia-se na distinção entre princípios bilaterais e unilatrais ( patrilinear, matrilinear, dupla).<br />Na descendência Bilateral – o parentesco é estabelecido por vínculos de descendência dos dois progenitores (sexo masculino e feminino). Limita o número de parentes próximos, excluindo ajguns membros da parentela do pai e da mãe.<br />Na descendência Unilateral – os membros recebem sua identidade através do vínculo de descendência apenas de um dos progenitores: sexo masculino (patrilinear) ou masculino ( matrilinear).<br /><ul><li>Patrilinear: sistema que associa Ego a pessoas cujos laços de parentesco são traçados através do sexo masculino: pai a filhos, a filhos dos filhos;
  87. 87. Matrilinear: Sistema que liga Ego a grupos de parentes relacionados através da linha feminina. Os filhos de ambos os sexos pertencem ao grupo de sua mãe, que, por sua vez, ‘e o grupo da mãe de sua mãe, e assim por diante.
  88. 88. Descendência dupla: (Matripatrilinear) - quando os grupos de parentesco patrilinear e matrilinear existem lado a lado dentro de uma sociedade.</li></ul>Grupos de parentesco:<br /><ul><li> Linhagem – é um grupo sanguíneo de parentesco que inclui somente os indivíduos que descendem de um ancestral comum conhecido como fundador e que tenha vivido pelo menos há cinco ou seis gerações, não importanto o sexo.
  89. 89. Clã – Formado por várias linhagens, com um passado remoto que chega a ser mitológico.
  90. 90. Fratria – Um conjunto de clãs (dicionário = conjunto de irmãos)
  91. 91. Tribo – um conjunto de fratrias</li></ul>Religião - um sistema unificado de crenças e práticas relativas a coisas sagradas, isto é, crenças e práticas que unem uma comunidade moral conforme as doutrinas promulgadas e eceites por todos aqueles que as adotam. <br />O crer o sobrenatural como qualquer coisa em cuja existência se acredita, baseando-se em provas não fundamentadas pela ciência. As entidades sobrenaturais não são empíricas e a ciência não pode demonstrar que realmente existem ou que realmente não existem . As ideias religiosas não podem obedecer as ciências seculares. O sobrenatural divide-se em seres como (Deus, deuses, Anjos, demônios), lugares como (Céu, inferno, limbo, purgatório, éden), forças (Espirito Santo) e entidades (almas).<br />A gênese das crenças religiosas seria o medo do sobrenatural.<br />O sagrado e o profano<br />Conforme Durkeheim Apoud LAKATOS E MARCONI o contraste entre o sagrado e o profano é o traço que distingue o pensamento religioso. Existem Seres, objectos, lugares e forças sobrenaturais, consideradas, más e ímpias. Entretanto, Há Seres, lugares, forças, objectos sagrados, e a violação das regras é considerada profanação. Todo lugar, ser coisa ou acto que não é sagrado ou ímpio é profano, e secular. Profano é tudo aquilo considerado útil, prático ou familiar, que pertence ao mundo cotidiano, sem possuir o significado emocional característico do sagrado. <br />Crença religiosa – é o aspecto da religião que procura explicar a natureza e a origem das coisas sagradas. A crença basiea-se em atitudes habituais, na fé, e as noções delas derivadas, mesmo quando coincidem com a ciência, não se fundamentam nas observações e no tipo de evidência científica.A religião ensina como se vai ao Céu, enquanto que a ciência ensina como vai o céu<br />Ritual – o ritual é o lado activo da religião. Apresenta as seguintes formas: uso de roupas especiais, cantos, danças, lamentações, orações, jejuns, peregrinações e outros. O ritual tem por finalidade despertar uma disposição de espírito favorável em relação ao sagrado, e reforçar a f’e dos participantes. É particularmente eficiente quando coletivo, pois aumenta a emotividade, tornando mais intensa a impressão subjectiva.<br />Muitas vezes o ritual comemora ocasiões importantes relacionadas com a vida do indivíduo ou do grupo; nascimento, puberdade, casamento, morte, a semeadura e a colheita, a chegada das chuvas, o início de uma campanha militar ou a vitória alcançada etc.<br />Mito – do grago mutheo é uma tentativa de explicação de acontecimentos naturais ou sobrenaturais que fogem ao entendimento humano em seus diferentes estágios. <br />Não se deve confundir mito com dogme de fé, que para alguns, significa uma verdade revelada, nem sempre ao alcancem do entendimento humano. O mito sobrevive hoje nas crendices e superstições criados pela televisão, cinemas etc.<br /><ul><li>O Estado - é uma organização que exerce autoridade sobre o seu povo, por meio de um governo supremo, dentro de um território delimitado, com direito exclusivo para a regulamentação da força.
  92. 92. O conceito Estado implica a inclusão do elemento governo, que mantém a ordem e estabelece as normas relativas às relações entre os cidadãos.
  93. 93. Nem todo governo é sinónimo de Estado, porque existem governos sem Estado, caso dos bosquímanos da África.
  94. 94. O Estado constitui uma parte essencial, mas não a totalidade da estrutura social, comfunções externas e importantes, embora limitadas, porque só pode supervisionar os aspectos exteriores da vida social.
  95. 95. A diferença entre Estado e Governo pode-se observar na monarquia constitucional, caso da Inglaterra, onde a rainha é chefe de Estado, e o primeiro-ministro chefe do Governo. Nos EEUU, Brasil e em Moçambique o presidente exerce as duas funções.
  96. 96. A caracteristica de soberania do Estado é o monopólio da regulamentação da força dentro de suas fronteiras.Só o Estado possui autoridade - poder legítimo – para regulamentar o uso da força: manipulação física, aprisionamento ou execução dos indivíduos.
  97. 97. Povo – um agrupamento humano com cultura semelhante ( língua, religião, tradições) e antepassados comuns; supõe certa homogeneidade e desenvolvimento de laços espirituais entre si.
  98. 98. Nação – É um povo fixado em determinada área geográfica. Alguns autores afirmam que Nação é um povo com certa organização. Para que haja nação é necessário haver povo, um território e a consciência comum.
  99. 99. Funções do Estado
  100. 100. Garantir a soberania – manter orden interna e a segurança externa;
  101. 101. Manter a ordem – Estado diferencia-se das demais instituições por ser o único que se encontra investido de poder coercivo, proibindo uma série de atos ou obrigando os cidadãos a agir de uma ou de outra maneira, por meios de leis ou da força física.
  102. 102. Promover o bem estar social – proporcionar à população a ordem interna e extarna, a paz, o respeito às leis, promover a justiça, satisfação das necessidades físicas, morais, espirituais e psico-culturais.</li></ul>Control Social<br />Control social é uma das formas de pressão social, podendo exercer-se de dois modos diferentes:<br />Por persuasão, levando as pessoas aos mesmos comportamentos do grupo, fazendo apelo à liberdade através da propaganda, da concessão de recompensas, do prestígio, do louvor, das honrarias e aos valores morais.<br />Por constrangimento, obrigando as pessoas a adoptar os modelos de comportamento do grupo, servindo-se de sanções e punições, recorrendo a sociedade as forças organizadas, como os tribunais ou as forças da ordem e as prisões. <br />Nas sociedades tradicionais operam-se:<br />Os mitos<br />Os tabus todos estes aspectos e outros têm como função o controlo social<br />As proibições <br />Nas sociedades modernas , para além das normas de direito, tal missão compete também e muito especialmente aos mass média<br />O controlo social, pese embora os limites que impõe ao indivíduo em sí, constitui factor fundamental na coesão e vida dos grupos e das sociedades, sendo certo que sem ele, não mais seria possível viver socialmente de forma organizada e estruturada.<br />O comportamento em Conformidade – a acção orientada para uma norma especial, compreendida dentro dos limites de comportamento por ela permitido ou delimitado. Dessa maneira, dois factores são importantes na conceituação de conformidade: os limites de comportamento permitido e determinadas normas que, consciente ou incoscientemente, são parte da motivação da pessoa. O conhecimento das normas não precisa ser explicito, o que seria difícil: por exemplo, em relação aos modernos sistemas legais, cujo conhecimento aprofundado é da alçada de especialistas; pode ser a aceitação implícitadas mesmas, em seus aspectos gerais.<br />O comportamento em Desvio – é conceituado não apenas como um comportamento que infringe uma norma por acaso, mas também como um comportamento que infringe determinada norma para a qual a pessoa está orientada naquele momento; o comportamento em desvio consiste, pois, em infracção motivada.<br />Quando o padrão é rompido, através do comportamento desviado, a ruptura provoca sentimentos negativos, dando origem a um processo de sanções cuja função é punir a infracção, impedir futuros desvios e/ou alterar as condições que originaram o comportamento desviado. Este processo constitui, portanto o controle social.<br />É importante notar que nem todo o desvio é nocivo para a sociedade e/ou grupo social. Quando numa quadrilha de criminoso um dos seus membros abandona o crime comete um desvio em relação as normas do grupo; se um intelectual combate o etnocentrismo é um desvio em relação ao seu grupo de pertença.<br />Causas da Conformidade<br />Conforme Johnson Apoud LAKATOS E MARCONI (1999:227) as principais causas de conformidade podem ser as seguintes:<br /><ul><li>Socialização – processo que proporciona a interiorização das normas sociais, que se integram na estrutura da personalidade;
  103. 103. Isolamento – processo do qual o indivíduo se adapta as normas e ou permace rentringida a elas.
  104. 104. Hierarquia – além do factor tempo e lugar, as normas e valores integrantes de um sistema sociocultural encontram-se classificados por ordem de precedência. Esta hierarquia permite uma escolha mais adequada, em ocasiões em que mais de uma pode ser aplicada no mesmo momento e no mesmo lugar;
  105. 105. Controle social – quando conhecido, o controle social pode funcionar através da antecipação, pois a pessoa socializada pode prever as consequências que advirão de seu comportamento desviado se ferir expectativas dos demais;
  106. 106. Ideologias – quando as ideologias contestam a validez de certas normas pode-se dar origem a desvios, no sentido revolucionário;</li></ul>Causas dos Desvios<br />O mesmo autor, indica seguintes factores que influenciam o desvio:<br /><ul><li>Lacunas na socialização ou carente - é uma avaliação subjectiva dos que aceitam as normas vigentes;
  107. 107. Sanções Fracas – quando as sanções aplicadas são fracas perdem muito de seu poder de orientação ou de determinação do comportamento;
  108. 108. Alcance indefinido da norma – muitas vezes, o alcance ou os limites de uma norma não são claramente definidos;
  109. 109. Execução injusta ou corrupta da lei – não aplicação equitativa da lei.
  110. 110. Outro sim, a família a vizinhança e a igreja são órgãos de controle social com menos poder actualmente do que no passado, aos passo que as empresas e o Estado tendem a adquirir mais força. No passado, quando a família era uma unidade econômica, poucos negócios se realizavam fora do âmbito familiar ; o Estado não tinha muita força nas comunidades locais. Desta maneira, a família, o grupo local e a igreja, cujas actuações apareciam em todas as etapas da actividadesocial, exerciam a maior parte do controle social. Com a transferência da produção econômica da família para as empresas ( de maior ou menor vulto), com o crescimento das comunidades, com o fortalecimento do Estado e a tendência para a secularização das sociedades, modou-se o panorama da distribuição das funções de controle social entre as instituições, fortalecendo-se deste modo a empresa e o Estado.</li></ul>Côdigo - são normas de conduta, cujo poder de persuasão ou de dissuasão repousa, em parte, nas sanções, positivas ou negativas, de aprovação ou de desaprovação, que as acompanham. Esses côdigos variam de sociedade para sociedade e, dentro da mesma sociedade, de grupo para grupo, de acordo com sua constituição ou finalidade.<br />Existem muitas espécies de côdigos dependendo como já foi dito, de sociedade para sociedade e, dentro da mesma sociedade, de grupo para grupo, e de acordo com sua constituição ou finalidade. Exemplo: Côdigo penal, civil, religioso profissional, familiar, do clube, dos marginais, da comunidade, moral e outros.<br />O quadro que se segue ajuda a ilustrar melhor o fenómeno.<br />Quadro, Ilustra códico em que se baseiam e sanções específicas<br />GRUPOSCÓDIGOSSANÇÕESO ESTADOCódigo Penal/ civilPrisão, multa, morte/ indemimização ou restituiçãoA FAMÍLIACódigo familiarExclusão da herança, perda de preferênciaO CLUBENormas e regulamentosPerda de condição de membro, privilêgiosO BANDO/ QUADRILHACódigo dos marginaisMorte e outras formas de violênciaA COMUNIDADEO costume, a moda, as convenções, a etiquetaPerda da reputação, o ridículoAS RELAÇÕES SOCIAIS EM GERALO código moralO sentimento de culpabilidade ou degradaçãoA IGREJACódigo religiosoExcomunhão, perda de prerrogativas ...AS ORGANIZAÇÕES PROFISSIONAISCódigos ProfissionaisExpulsão, perda do direito de exercer a profissão.<br />Tipos de Sanções<br /><ul><li>Constrangimento físico. Compete o Estado exercer este poder. Consiste em: prisão, residência vigiada, trabalhos forçados, extradição e outros;
  111. 111. Sanção económica. Multas, indeminização de prejuízos causados a outrem, perda de profissão, como de advogado, médico etc.
  112. 112. Sanção religiosa. Penitências, excomunhão, perda de méritos, ameaça a condenação eterna etc.
  113. 113. Sanções especificamente sociais. São as mais diversas e numerosas. Afastamento e expulsão do indivíduo ou do grupo, rejeição, a reprovação e outros tipos de sanções.</li></ul>Mudança Social - Rocher (1971:IV 92e 95) Apoud LAKATOS e MARCONI (199:298) define mudança social como <br /><ul><li>“toda transformação observável no tempo que afeta, de maneira que não seja provisória ou efêmera, a estrurura ou funcionamento da organização social de dada colectividade e modifica o curso de sua história. É a mudança de estrutura resultante da acção histórica de certos factores ou de certos grupos no seio de dada colectividade”.</li></ul>Como se pode depreender, mudança social abarca um processo e evolução social.<br /> Processo Social – sucessão de acontecimentos, fenómeno, acções, em que o conjunto constitui o curso de mudança. Portanto, denomina-se processo social, uma transformação onde prevalece ideia de continuidade, englobando a sucessão de mudanças contínuas e definidas, resultante da influência de forças presentes desde o início do mesmo fenómeno. Modo paulatino e definido pelo qual se passa de uma fase a outra.O processo pode ser progressivo, ou regressivo benéfico ou prejudicial, planificado ou não, com tendências à integração ou à desintegração.<br />Evolução Social - conjunto das transformações ocorridas numa sociedade durante um longo período. Envolve aspectos qualitativos e quantitativos.<br />Caracterísricas das mudanças sociais<br /><ul><li>Fenómeno colectivo: abarca um sector significativo de uma colectividade, afectando as condições ou as formas de vida de seus componentes, nos aspectos material, espiritual e/ou psicológico;
  114. 114. Mudança de estrutura: altera certos componentes da organização social ou sua totalidade. É necessário identificar os elementos estruturais ou culturais da organização social que sofreram alterações;
  115. 115. Deve-se ter um ponto de partida a partir do qual o conjunto de metamorfoses possa ser localizado no tempo;
  116. 116. Permanência: as transformações, observadas e analisadas, devem ter certo carácter de durabilidade, ou melhor, não devem ser passageiras (efêmeras) nem superficiais;
  117. 117. Acção histórica: tanto a organização social como a mudança são produtos das actividades dos componentes de uma sociedade, que operam no sentido de originar, acentuar, diminuir ou impedir as modificações de partes ou da totalidade da organização social.</li></ul>Factores determinantes de mudança Social<br />1 . Factores Geográficos<br />Fenómenos como cataclismo, secas, inundações, pragas, ciclones, erupção vulcânica terramotos, maremotos, furacões e outros podem altera de forma transitória ou permanente, a organização ou a estrutura de uma comunidade.<br />Podem ocasionar migração, extinção de comunidade, reconstrução ou fundação de novas cidades.<br />2 . Factores Demográficos ou Biológicos<br />As variações nas taxas de crescimento populacional, associado a êxodos populacionais, epidemias, elevadas taxas de mortalidade, dão origem a diversas transformações sociais. Podem ocasionar desajustamento e desequilíbrios nos mais diversos sectores da sociedade, alterando a estrutura económica, a organização do trabalho, a distribuição do poder e modo de vida das populações.<br />Ex: os emigrantes ingleses a continente americano e asiático, europeus a África, trouxe grandes alterações ao modo de vida das populações autóctones. <br />3 . Factores Socio-Políticos<br />guerras, invasões e conquistas, luta de classes e revolução, a acção das elites sociais , o aparecimento de movimentos sociais portadores de valores e modelos culturais diferentes, constituem exemplos de forças capazes de espoletar situações de mudanças. Alteram as estruturas sociais , modificam o status de nações, escravizam povos, transformam a vida e destoem culturas. <br />4 . Factores Culturais<br />A evolução das ideias, o contacto entre culturas, descobertas científicas, o desenvolvimento filosófico, a difusão de religião e ideologias constituem aspectos importantes para a mudança social.<br />5 . Factores Tecnológicos<br />As descobertas científicas, quando postas em prática podem provocar mudanças sociais de vulto. Isto é, a introdução de novas técnicas de produção numa fábrica pode trazer várias modificações:<br />modificações dos métodos de trabalho<br />da organização das equipas de trabalho<br />modificações nos níveis de autoridade.<br />A instalação num meio rural de uma nova indústria vai implicar transformação do mercado de trabalho o que promove a mobilidade da população. Traz mudanças de costumes, de culturas, de organização social da comunidade.<br />7 . A Mundialização<br />A aproximação entre indivíduos, nações ou Estados, a interdependência económica, a expansão de tecnologias, de informação, globalização das comunicações, globalização dos padrões de comportamento internacionalização dos conflitos a visão ecológica global, são todos esses aspectos que entram no rol das mudanças sociais.<br />Resumindo; aos factores de mudança social no domínio dos fenómenos sociais não é possível encontrar uma só causa que se possa considerar exclusivamente responsável ou determinante pelos acontecimentos sociais. Quer dizer, no domínio social existe sempre uma multiplicidade de causas que integrando e interagindo-se produzem situações complexas, implicando, por sua vez, repercussões em diferentes domínios sociais. É nessa convergência de factores que se deverá procurar não a causa, mas o conjunto das causas que permitiriam o desencadear o processo de mudança.<br />Movimentos Sociais: vários Sociólogos cogitam diversos conceitos acerca dos movimentos sociais. De entre eles pode-se tomar o de Lee(1962:245) Apoud LAKATOS E MARCONI (1999:309)<br /> “ os movimentos sociais poder ser considerados como empreendimentos colectivos para estabelecer nova ordem de vida. Têm eles início numa condição de inquietação e derivam seu poder de motivação na insatisfação diante da forma corrente de vida, de um lado, e dos desejos e esperanças de um novo esquema ou sistema de viver do outrolado” <br /><ul><li>Condensando as muitas acepções do diferentes autores pode-se dizer que movimentos sociais tem em uma parcela da sociedade global, com característica de maior ou menor organização, existentes na ordem estabelecida, de carácter predominantemente urbano, vinculados a determinado contexto histórico e sendo ou de transformação ou de manutenção do status quo.
  118. 118. Tipologia dos Movimentos Sociais
  119. 119. Os movimentos sociais apresentam-se sob várias formas, sendo que o conteúdo específico do que se pretende permite diferenciá-l-s. De entre esses vários abordaremos os movimentos migratórios, Conservacionistas ou de resistências, reformistas e revolucionários.
  120. 120. Movimentos Migratórios: Independentemente do facto de esse movimento ser composto por grupos organizados, por famílias ou por indivíduos, sua característica principal é o acentuado descontentamento com a situação na sociedade de origem, o que determina a tomada de decisão de se transferir para outro local.
  121. 121. Movimentos Progressistas - Actuam em um segmento da sociedade, tentendo exercer influência nas instituições e organizações da mesma; também chamados de libarais, pois desejam a introdução de mudanças positivas.
  122. 122. Exemplo: movimentos sindicais, que passaram por várias fases: sindicalismo de ofício; sindicalismo de indústria e outros.
  123. 123. Conservacionistas ou de Resistência
  124. 124. Tentativa de preservação da sociedade de mudanças. Opõem-se tanto a transformações propostas quanto a já realizadas, quando então propugnam a volta à situação anterior.
  125. 125. Exemplo: Manifestações contra a legalização do aborto, contra o divórcio, vários tipos de movimentos ecologistas.</li></ul>Movimentos Reformistas: Agem como uma tentetiva de introduzir melhoramentos em alguns aspectos da sociedade, sem transformar sua estrutura básica. Esses movimentos encontram dificuldades para se firmarem em sociedades autoritárias, porque os poderes autoritários reprimem violentamente as críticas; mas tem maior campo de acção nas sociedades democráticas, o que em parte limita suas reivindicaçãos, pois as democracias relacionam-se com poder do povo.Exemplos: movimento feminista, que procura elevar o status da mulher e dar-lhe condições de igualdade na sociedade actual; os diferentes movimentos homossexuais que lutam pela igualdade e protecção legal de seus membros.<br />Movimentos Revolucionários - Procuram alterar a totalidade do sistema social existente, substituindo-o por outro completamente diferente. Propondo assim, dentro da sociedade mudanças mais rápidas e radicais. Isto ocorre muitas das vezes nos governos autoritários, que bloqueiam os movimentos de reforma, concentrando deste modo o descontentamento social.<br />Reflexão Crítica, sobre porquê as diferenças entre homem e mulher mesmo as óbvias favorecem em grande medida o sexo masculino<br />Introdução<br />O desenvolvimento humano reconhece que as escolhas dos indivíduos são em princípio múltiplas e infinitas e evoluem ao longo do tempo. Estas escolhas elementares incluem o anseio de viver vidas longas material e espiritualmente ricas, ter um padrão de vida adequado, ter acesso ao saber para fazer escolhas informadas e em igualdade de circunstâncias sobre as suas vidas e participar livremente e sem discriminação ou impedimentos nos processos de decisão sobre os destinos da sociedade e do mundo em que se inserem.<br />As escolhas de querer viver vidas longas, o acesso ao saber para fazer escolhas informadas, o processo de decisão para os destinos da sociedade e do mundo e outros aspectos, estão reservados para todos os membros da sociedade em igual proporção e doses, quer homem, quer mulher. Todos nós estamos na mesma causa e queremos atingir os mesmos objectivos, logo, não deve existir o sexo mais favorito para isso.<br />Pretendo neste trabalho, reflectir de maneira crítica porque as diferenças entre homem e mulher mesmo as óbvias favorecem em grande medida o sexo masculino. <br />Para melhor comprensão do tema será objecto da abordagem um resumo estatístico da PNUD- 2001 que reflecte a discriminação da mulher, a socialização vigente nas familias e o papel da educação formal na reversão do favoritismo do sexo masculino e as estrtégias para conseguir esse fim.<br />Situação da mulher em diferentes quadrantes da sociedade<br />A situação da mulher constitui um dos exemplos mais eloquentes das desigualdades que os paises escamoteiam . É usual constatarmos que, uma vez desagregados por sexo, os indivíduos sociais nos revelem uma clara tendência para o favoretismo do sexo masculino em contra partida a marginalização ou discriminação por vezes até institucionalizada da mulher. <br />Esta realidade é aplicável a qualquer país, independentemente do nível de desenvolvimento . De acordo com UNDP ( 1995:2 ) citado por PNUD ( 2001: 12 ) "…as questões das diferenças de desenvolvimento entre os sexos , levaram á constatação de que em nenhuma sociedade a mulher tem o mesmo estatuto que o homem. A mulher sofre a privação duplo: da desigualdade do género, e um nível relativamente baixo de progressão na vida". <br />Conforme o documento em questão, no limiar do século XX1 as disparidades entre o desenvolvimento das mulheres e dos homens continuam a ser uma realidade embaraçosa para a humanidade, não obstante os progressos assinaláveis em todas as esferas de vida e as inúmeras iniciativas globais para a eliminaçao de todas as formas de discriminação da mulher nas últimas décadas.<br /> O RDH de Moçambique ( 2001:12 ) revelou que " 854 milhões de adultos que, em 1999, não sabiam ler nem escrever no mundo, 583 milhões ou seja 78% são mulheres. Por outro lado, dos 325 milhões de crianças que se encontravam fora do sistema educacional no mesmo ano 183 milhões, ou seja 56% eram raparigas". <br />Reflectindo sobre a definição do desenvolvimento humano, como processo de alargamento de escolhas de todas as pessoas e não só de uma parte da sociedade, então o facto das mulheres não usufruirem do mesmo nível de desenvolvimento que as suas contrapartes do sexo masculino é o sinal mais elucidativo do favoretismo do sexo masculino e marginalização do sexo feminino.<br />É importante e relevante ter a consciência de que a fraca realização individual das mulheres resulta não de debilidade imputáveis a aspectos fisiológicos, mas ao processo de socialização vigente nas sociedades. Por exemplo, em algumas sociedades a habilidade da rapariga de contribuir no trabalho doméstico, muitas vezes em prejuizo da sua própria formação escolar, é interpretado como símbolo da boa educação. Na vida adulta, a mulher tem de velar pelo bem estar da família, uma responsabilidade que nem sempre encontra uma valorização comensurável com a sua importância na escala de valores da sociedade. <br />Quer dizer, o favoretismo do sexo masculino e a discriminação da mulher não-se conjuga na diferença do sexo mas do género. Pois, quanto aos aspectos fisiológicos é sabido que há coisas que as mulheres podem fazer que os homens não podem; exemplo: a mulher tem potencial de gerar filho por possuir útero, o homem não pode por não-o possuir, a mulher amamenta e o homem não pode, e outros mais aspectos fisiológicos. Portanto, está claro que o sexo identifica as diferenças biológicas entre mulheres e os homens, e isto não constitui nenhum problema. O problema do favoretismo do sexo masculino reside no gémero. O que virá a ser género nesse caso ?<br />Género - " refere-se aos diferentes papéis que as mulheres e os homens desempenham, os quais são determinados de acordo com os usos, costumes e desenvolvimento da sua sociedade"( WALTER,et al. 1997 : 11 ).<br />LICHTENBERG,et al. ( 2000:25 ) abordam o género de forma ampla, de como realmente as familias encaram a mulher e o homem, principalmente nas comunidades rurais, o que correspondem perfeitamente a sociedade moçambicana. Eles focam o género como uma criação social que através de várias formas de aprendizagem dentro da família e na comunidade, muitas vezes sob forma não registadas adquirem comportamento, hábitos e atitudes. Durante o seu crescimento, a criança na família aprende por exemplo que é o homem que deve construir a casa, e nunca a mulher, que é a mulher que deve buscar a água, cozinhar e lavar roupa, e nunca o homem, que a menina e o menino também têm de se vestir diferentemente. É portanto assim em Moçambique e na maioria dos paises no mundo. É durante a própria infância que se aprende como se comportar como mulher, e como se comportar como homem.<br />O que dizem as pessoas<br />Os nossos antepassados ensinaram-nos que o homem é o chefe da família, por isso deve tomar cuidado dos seus filhos e da sua esposa - a mulher é sua auxiliar<br />A moda do homem leva-o a cobrir cada vez mais o seu corpo. A moda da mulher leva-a a descobrir cada vez mais o seu corpo. É porque somos mesmo diferentes. A mulher tem espirito feminino, o homem tem espirito masculino.<br />Consequência dessa assimilação<br />De acordo com WALKER, ( 1997 :12 ) a criança ao entrar na escola já vem marcada pelas disparidades de género na sua comunidade.Deste modo, é frequente as meninas serem retraídas, inibidas na participação na sala de aula em relação ao rapaz.<br />As relações de género são contextualmente específicas, variando de acordo com o universo social-cultural ( exemplo: grupos sociais, etnia, raça ) e frequentemente alteram-se em resposta a circunstâncias económicas diferentes.<br />A questão de género não é nova, mas abrange gerações longícuas que constituiu a base da educação não formal.<br />ANDRADE, et al. ( 1998:137 ) sobre a educação e relação de género focalizam que a educação deve ser entendida como um sistema que actuando ao nível formal e informal organiza, sustenta e orienta a reprodução da ordem social. Esta concepção de educação abrange fundamentalmente dois espaços socials; a família e a escola.<br />Quanto a família e educação - remata ANDRADE ; a família como primeiro agente de socialização é o meio de pertença onde ao longo do seu ciclo de vida as pessoas exercem e cumprem função e papéis reguladores de codutas e construtores de identidade. Os membros da família comunicando e participando entre sí exprimem a adesão a uma ordem de valores e modos de pertença "conformes" simbolicamente ao grupo onde agem socialmente. Se a família como primeiro agente de socialização e que exerce função e papéis reguladora de condutas "é lícito, então perguntar o que explica que a maioria delas continue na "cauda"da vida"? ( OSÓRIO, et al. 2001 :33). As mulheres continuam a ser a maioria da população de pobres, de analfabetos, não estão adequadamente representadas nas estruturas políticas, morrem desproporcionalmente de doenças de fácil prevenção, são sujeitas á violência e descriminação de género, e têm de viver em sociedade que, muitas vezes não tomam em consideração os seu interesses específicos e fazem tábua raza do seu potencial como agente de transformação.<br />Grande parte das privações a que as mulheres estão sujeitas têm como base as relações do género que por sua vez emanam das relações de poder enraizados na cultura e tradição. Isto não quer dizer que todas as práticas tradicionais sejam inerentemente nocivas. Elas são parte integrante da identidade cultural dos povos. Entretanto, o que é inegável é que parte delas ( práticas tradicionais) são declaramente obstâculos á igualdade entre homens e mulheres. Exemplo de Moçambique:<br />Em caso de viuvez as normas culturais que regem a sucessão de herança particularmente no centro e sul de Moçambique estabelecem que a mulher nunca ocupa, uma posição superior ao terceiro lugar na hierarquia familiar depois dos filhos e irmãos. <br />b) O lobolo significa adquirida e pertence inteiramente marido e a sua família, a condição de decisão é terminada.<br />c) A poligamia agrava a vulnerabilidade da mulher.<br />Portanto, pode-se dizer no caso vertente que a discriminação inicia na família e se extende por toda a sociedade.<br />Apesar de tudo isso, Moçambique e os seu instrumentos jurídicos legais têm se esforçado pela igualdade entre mulher e homem, não obstante o baixo nível de escolarização das mulheres e a existência de algumas práticas culturais que ainda promovem a subalternização e ainda dificultam a integração plena da mulher na modernidade. Exemplo; a proporção da educação formal da mulher em Moçambique até ano 2000 era de 71,2% de analfabetos, enquanto que os homens era de 40,2%, a participação da mulher em cargos de decisão na Administração pública é de 9,2%, ainda não há em Moçambique nenhuma mulher governadora de Província, etc.<br />Como se pode ver, a educação ou promoção do género sempre favoreceu ao sexo masculino partindo da célula base da sociedade ( família ). Esta não é uma situação isolada mas é evidente em todo o mundo, apesar que alguns Governos caso de Moçambique e outros estarem a evidar muitos esforços com intenção de reverter a clássica situação que a sociedade criou.<br />Gostaria de dar a minha contribuição pessoal acerca do assunto usando dois grandes vertentes: <br />A primeira vertente é Educação - é que os Governos devem concentrar os esforços na educação da célula base ( família ) promovendo proporcionalmente a mulher junto ao seu parceiro ( homem ) na formação técnica profissional de base. Isto é, as familias devem ver no concreto o potencial feminino partindo dos cursos de profissionalização de pequena dimensão; como cursos básicos agro-pecuário, saúde, administração, assistência social e outros, executados lá no campo pelas raparigas. As famílias devem ver as vantagens da mulher ter uma formação partindo do ensino geral básico. Para dizer, segundo o meu ponto de vista que, o ensino geral deve-se associar a profissionalização da rapariga na proporção justa com os rapazes para que a sociedade observe na prática as capacidades das mulheres. Principalmente lá no campo, primeiro, porque é lá onde habita a maioria da população moçambicana, segundo, porque a educação do género promove mais ao homem que a mulher, terceiro, porque é lá onde se observa o maior número de mulheres analfabetas, quarto, porque é lá onde se observa menos mulheres profissionais e outros aspectos. Portanto, seguindo o meu raciocínio, a intensificação da educação para a igualdade deve ser no campo onde vive a maioria e onde a tradição ainde é muito forte principalmente aquela que discrimina a mulher. É preciso atacar de forma ordeira, sistemática e de forma contínua as zonas rurais com uma formação direccionada e de qualidade. As cidades onde a mulher estudou não é muito difícil observar o grande potencial da mulher, mas isso constitui pequenos exemplos em relação a toda a sociedade moçambicana. É verdade que mesmo nas cidades ainda se observa o favoretismo do sexo masculino mas já não é naquela proporção das zonas rurais. Porque as cidades de quando em vez se observa mulheres a ocuparem diversos cargos, e até cargos de decisão.<br />Portanto, é função do Governo, porque, possue instrumentos para isso com a participação de toda a sociedade civil principalmente, lutar por reverter essa situação. Para isso passa necessariamente pela educação formal partindo das familias onde a educação do género começa. Porque se as familias não forem atacadas pela educação no concernente a valorização da mulher o favoretismo do sexo masculino continuará por muitos e longos anos vindouros. A direcção do meu raciocínio aponta que as localidades, Distritos o sistema de educação formal deve ser mais agressivo . As familias devem ser sistemática e metódicamente persuadidas a enviarem as suas filhas a escola na idade estabelecida pelo governo. A persuação acompanhada pela supervisão, inspecção e control das familias partindo da estrutura de base ( régulado e outras estruturas de base) com o objectivo de verificar a situação das familias que não enviam os seus filhos á escola e principalmente ás raparigas e não só, mas acompanhar a progressão das meninas no ensino formal. É necessário criar uma "implicação positiva"com as familias que deixam os seus filhos fora do sistema educativo em particular as meninas e mesmo na situação de desistência. Criar nas familias a consciência de que a responsabilidade de formação dos filhos depende em grande medida da família e responde por isso perante a sociedade e o Governo. Se a sociedade civil cultivar esta conciência muitas situações de discriminação que temos assistido poderão reduzir seriamente.<br />As regras culturais e a educação formal devem-se completar, constituindo assim bases fortes para a promoção de todo o cidadão moçambicano tanto homem como mulher na participação da produção social.<br />Em jeito de síntese, dizer que a educação formal deve ser agressiva para toda a sociedade civil pois, ela ( escola ) constitui o instrumento importante nas mãos do Governo para a promoção de igualdade entre homem e mulher. O objecto principal da agressividade deve ser a família com a base do vector o campo em direcção á cidade. <br />Associado a educação deve-se promover a profissionalização a nível básico da mulher em proporção ao homem. <br />A segunda vertente é Política - é preciso preparar a mulher e exercer as funções nas regiões da sua influência como na agricultura, pecuária, saúde, educação, postos Administrativos, localidades, Distritos, e outros. A sociedade civil deve ver a sua filha a trabalhar e ocupar cargos visíveis se possível cargos de decisão. Ver e não admirar porque a sua filha está a conduzir carro, porque ela é chefe do posto administrativo, porque ela é directora da escola, Administradora do Distrito, etc. Os esforços que estão sendo feitos a nível de alguns paises e em moçambique devem ser ainda maiores. A mulher deve igualmente se preparar ou melhor, prporcionar condições para que ela se prepare e exerça funções sem nenhum pré-conceito de sexo mais fraco, pelo contrário ocupar posições de decisão de acordo com a sua capacidade e preparação, assim estar-se-ia pararelamente a brandar o pré-conceito de que só o homem é que pode fazer grandes obras e não a mulher.<br />O quadro apresenta o ideal de igualdade entre sexos <br />Área da VidaAspectos a ObservarAutonomia do corpoproteção jurídica contra violência com base no sexo,controlo da sexualidade,controlo da reproduçãoAutonomia dentro da família e do agregado familiarliberdade para se casar e divorciar,direito á custódia dos filhos em caso de divórcio e / ou viúvez,poder de tomar decisões e acesso a bens dentro do agregado familiar.Poder políticotomada de decisão a nível acima do agregado familiar ( municípios, sindicatos, Governo, parlamento…),percentagens de mulheres com altos cargos executivos.Recursos sociaisAcesso a educação,Acesso á águaRecursos materiaisAcesso a terras,Acesso a casaAcesso a créditoTempoacesso relativo ao lazer e ao descanso.<br />Fonte: OSÓRIO,Conceição et al.: Relatório nacional do desenvolvimento humano-PNUD, 2001: 49.<br />Conclusão<br />O favoretismo do sexo masculino é uma questão que dura a partir dos tempos dos nossos antepassados e que tem-se alastrado até os nossos dias. Com o desenvolvimento sócio-económico e tecnológico dos paises não faz sentido continuar a conservar essa cultura nociva. Porque as diferenças realmente existentes entre homem e mulher são meramente bio-físicas, de resto o homem é igual a mulher em direitos e deveres. Quer dizer, ela possue igualmente um imenso potencial para construção activa da sociedade, sem constrangimento bio-física. Ela não precisa ser dada a oportunidade como fosse um objecto do destino mas deve ser um sujeito activo das oportunidades existentes para o desenvolvimento de toda a sociedade sendo o seu maior e inato parceiro o homem. Portanto, nada de favoretismo do sexo masculino. Este comportamento pertence aos nossos ancestrais. Agora é tempo de deixar atrás as coisas que ficam e erguer a cabeça para a frente de igualdade, progressão e globalização consciente.<br />Bibliografia<br />ANDRADE, Ximena; LOFORTE, Ana Maria , et al : familias em contexto de mudanças em Moçambique. Maputo, 1998.<br />LICHTENBERG,Elise; MAMBUQUE,Alberto Jaime; LICHTENBERG, Jonas: Géneros - juntos melhoramos a nossa vida. ADPP- Moçambique,2000.<br />WALKER, Bridget; MARTINS, Aldovanda, et al.: Género, desenvolvimento e educação. Manual do formador,-R. de Moçambique,1997.<br />OSÓRIO, Conceição ; GOMES, Sandra ; MAGAWA, Elisa Mónica Ana et al. : Relatório Nacional do desenvolvimento humano- PNUD, 2001.<br />A ciência e a busca da verdade<br />Algumas fontes da verdade<br />Verdade é a manifestação daquilo que é realmente ou do que existe realmente tal como se manifesta ou se mostra. O verdadeiro se opõe ao falso. O verdadeiro é o plenamente visível para a razão ou o evidente ( pois a palavra "evidente" significa "visão completa e total de alguma coisa" ).<br />Assim, a verdade é uma auto manifestação da realidade au a manifestação dos seres à visão intelectual dos humanos.<br />"O desejo da verdade aparece muito cedo nos seres humanos e se manifesta como desejo de confiar as coisas e as pessoas, isto é, de acreditar que as coisas são exactamente tais como as percebemos e o que as pessoas nos dizem é digno de confiança e crédito" (CHAUI, 2003: 8 8)<br />1.2 A Génese das fontes<br />A intuição visão interior cuja origem o receptor ou o sujeito não consegue identificar ou explicar totalmente. <br />A intuição pode conduzir a soluções correctas pela apresentação de muitas hipóteses brilhantes que posteriormente, podem ser verificadas por outros métodos.<br />A autoridade a humanidade não pode passar sem autoridade num ou noutro campo. A acumulação de conhecimento obriga a que tenhamos de confiar em especialistas que, tendo adquirido saber nesta ou naquela área, se tornaram autênticas autoridades.<br />As autoridades podem ser:<br />A autoridade sagrada repousa na fé que se tem de que certa tradição au documento assenta em origem sobrenatural. É o caso Bíblia ou do Alcorão. Mas pode também essa fé recair sobre um grupo au instituição, como pastores, feiticeiros ou a igreja, acreditando-se que recebem orientação do alto. <br />A autoridade secular surge não de revelação divina, mas da percepção humana produto da convivência e experiência social, técnica e científica.<br />A busca da verdade é muitas vezes baseada pela consulta de livros de grande reputação científica.<br />A tradição esta é outra fonte da verdade que se baseia na acumulação de experiências, e a sabedoria das idades. Esta autoridade tem como pressuposto de que, se determinado modelo funcionou bem no passado não há razão para que não se continue a acreditar nele.<br />Ora se intuição, autoridade, tradição buscando embora a verdade, nos podem encaminhar para situações enganosas, colocando-nos mesmo em posição oposta àquela que procuramos, não é possível confiar apenas e só em tais fontes, quando queremos, de facto, buscar a verdade. Para isso, há que recorrer ao conhecimento científico.<br />O conhecimento científico<br />O conhecimento científico lida com ocorrências ou factos reais. Tem por base a evidência verificável.<br />Constitui um conhecimento contigente, pois suas proposições ou hipóteses têm a sua veracidade ou falsidade conhecida através da experimentação e não apenas pela razão.<br /> É sistemático, já que se trata de um saber ordenado logicamente, formando um sistema de ideias (teoria) e não conhecimentos dispersos e desconexos.<br />Falível, em virtude de não ser definitivo, absoluto ou final e por este motivo, é aproximadamente exacto: novas proporções e o desenvolvimento de técnicas podem reformular as teorias existentes.<br />O quadro abaixo mostra os quatro tipos de conhecimentos e suas características<br />ConhecimentopopularConhecimento científicoConhecimentofilosóficoConhecimentoReligioso ( teológico)ValorativoReflexivoAssistemáticoVerificávelFalívelInexactoreal (factual)contigentesistemáticoverificávelfalível, exactoValorativoRacionalSistemáticoNão verificávelInfalível, exactoValorativoInspiracionalSistemáticoNão verificávelInfalível, exacto<br />Bibliografia<br />CORREIA, José Faia P. Introdução às Ciências Sociais: Guia. AM.,1994<br />CHAUI, Marilena. Convite à filosofia. SP.:Àtica,2000<br />MARCONI, Marina de Andrade; LAKATOS, Eva Maria. Técnicas de Pesquisa. 5.ed. SP.: Atlas,2000<br />LAKATOS, Eva Maria. Sociologia Geral. 7.ed. .SP. : Atlas, 1999<br />Evolução do conceito de ciência<br />No pensamento antigo, a palavra "ciência" designava o saber em geral, fosse qual fosse a sua origem ou natureza. Ciência e filosofia eram considerados sinónimos. <br />No pensamento moderno, ciência passou a ser o saber baseado na observação e na experimentação que conduzem ao conhecimento racional. <br />Alguns autores entendem por ciência como:<br />conhecimento racional, sistemático, exacto, verificável e, por conseguinte falível.<br />Conjunto de enunciados lógica e dedutivamente justificados por outros enunciados.<br />Estudo de problemas solúveis, mediante método científico.<br />Forma sistematicamente organizada de pensamento objectivo.<br />CHAUI (2003:19) citando Ander-Egg "ciência um conjunto de conhecimentos racionais, certos au prováveis, obtidos metodicamente, sistematizados e verificáveis, que fazem referência a objectos de uma mesma natureza". Portanto, pode-se dizer que este conceito é o mais abrangente por conter quase todas as partes da ciência ora veja-se:<br />conhecimento racional - que tem exigências de métodos e hipóteses;<br />certo ou provável - não se pode atribuir à ciência a certeza indiscutível de todo o saber que a compõe. Ao lado dos conhecimentos certos, é grande a quantidade dos prováveis;<br />obtidos metodicamente - pois não se adquire ao acaso ou na vida quotidiana, mas mediante regras lógicas e procedimentos;<br />Sistematizados - não se trata de conhecimentos dispersos e desconexos, mas de um saber ordenado logicamente, constituindo um sistema de ideias ( teoria);<br />Verificável - que necessita para incorporá-las de afirmações comprovadas pela observação;<br />Relativos a objectos de uma mesma natureza - ou seja, objectos pertencentes a determinada realidade, que guarda em si certos caracteres de homogeneidade.<br />A palavra ciência pode ser entendida em duas acepções: <br />Lato Sensu - tem simplesmente o significado de "conhecimento".<br />Strictu Sensu - não se refere a um conhecimento qualquer, mas àquele que, além de apreender ou registrar factos, os demonstra pelas suas causas constituintes ou determinantes. <br />Portanto, como ciência evolui, o seu conceito igualmente evolui com todas às suas técnicas e metodologias. Por isso, o conceito de ciência não foi o mesmo em todos os tempos sempre sofreu certa evolução como se pode ler no pensamento antigo e moderno. <br />Limites éticos da ciência<br />A ciência tem possibilidade de responder a questões de facto, não é capaz de provar que um valor é melhor que o outro. <br />Ciência é eticamente neutra, procurando tão só conhecimento, enquanto que a determinação de forma como aquele conhecimento deve ser utilizado vai ser limitado pelo campo de valores que cada sociedade estabelece para si própria.<br />Sendo eticamente neutra, a ciência por si só, pode invadir sem limitações todo e qualquer campo, por mais íntimo ou intocável que pareça ser de acordo com as normas ou tradições em uso. Muitas descobertas científicas destruíram reverenciados sensos comuns, mitos ou contestam valores ancestrais tidos como tabus sagrados e invioláveis. Galileu Galilea destruiu através das sistemáticas observações o mito de que a terra era centro do universo.<br />Mas se a ciência é eticamente neutra, e se para ela qualquer hipótese que possa ser verificável pela evidência é de todo válida, já o mesmo não se passa com o homem da ciência. Cada cientista tem o seu próprio referencial de valores, construído com base na sociedade em que está inserido. Nesta ordem de ideia, é consentâneo perguntar até onde podem ir os cientistas, ou quais os limites normais que lhe podem ser impostos.<br />A observação como base do conhecimento científico<br />" O método científico fundamenta-se na observação do mundo que nos rodeia. Observação em termos amplos não está restrita apenas ao que vemos, inclui todos os nossos sentidos. Portanto, devemos aprender a observar da maneira mais aberta possível para que possamos questionar-nos sobre o que, porque e como são os fenómenos"( RICHARDSON, 1999:26).<br />A observação constitui elemento básico de investigação científica. Ajuda o pesquisador a identificar e a obter provas a respeito de objectivos sobre os quais os indivíduos não têm consciência, mas que orientam seu comportamento. Do ponto de vista científico, a observação oferece uma série de vantagens e limitações, como as outras técnicas de pesquisa, havendo, por isso, necessidade de se aplicar mais de uma técnica ao mesmo tempo. <br /> Vantagens<br />Possibilita meios directos e satisfatórios para estudar uma ampla variedade de fenómenos;<br />Exige menos do observador do que outras técnicas;<br />Permite a colecta de dados sobre um conjunto de atitudes comportamentais típicos ;<br />Depende menos da, introspecção ou da reflexão.<br /> Limitações<br />O observado tende a criar impressões favoráveis ou desfavoráveis no observador;<br />A ocorrência espontânea não pode ser prevista, o que impede muitas vezes, o observador de prevenir o facto;<br />Factores imprevistos podem interferir na tarefa do pesquisador<br />A duração dos acontecimentos é variável: pode ser rápida ou demorada e os factos podem ocorrer simultaneamente; nos dois casos, torna-se difícil a colecta dos dados;<br />Vários aspectos da vida quotidiana, particular, podem não ser acessíveis ao pesquisador.<br />Modalidades de Observação<br />segundo os meios utilizados<br />observação não estruturada (assistematica)<br />observação estruturada (sistemática)<br />segundo a participação do observador<br />observação não participante<br />observação participante<br />segundo o número de observadores<br />observação individual<br />observação em equipe<br />segundo o lugar onde se realiza<br />observação efectuada na vida real ( trabalho da campo)<br />observação efectuada em laboratório<br />Objecto de Estudo das ciências Sociais: O ponto de vista de CHAUI (2003:345) é que embora seja evidente que toda e qualquer ciência é humana, porque resulta da actividade humana de conhecimento, a expressão “ciências humanas” refere-se àquelas ciências que têm o próprio ser humano em sociedade como objecto de estudo<br />Factos Sociais: é qualquer situação, acontecimento ou realidade que, de uma forma ou de outra, exprime acontecimentos da vida do homem em grupo ou em sociedade.<br />Para Durkheim Apoud CORREIA (1994:17), o fenómeno social resulta da existência de uma autonomia exterior às pessoas e que as condiciona socialmente segundo um processo que se designa de socialização. Portanto, Naturalmente, o facto social será aquele que decorre na nossa vida, mas em sociedade.<br />Há muitos exemplos na nossa vida que se podem nomear como ocorrências de factos sociais como por exemplo: casamento – divórcio, trabalho – desemprego, homossexualismo, movimentos migratórios, droga, guerras, êxodo rural, emancipação da mulher, casamentos prematuros e outros.<br />Factores que influenciam os factos sociais<br />1 . Factores Geográficos<br />Fenómenos como cataclismo, secas, inundações, pragas, ciclones, erupção vulcânica terramotos, maremotos, furacões e outros podem altera de forma transitória ou permanente, a organização ou a estrutura de uma comunidade.<br />Podem ocasionar migração, extinção de comunidade, reconstrução ou fundação de novas cidades.<br />2 . Factores Demográficos ou Biológicos<br />As variações nas taxas de crescimento populacional, associado a êxodos populacionais, epidemias, elevadas taxas de mortalidade, dão origem a diversas transformações sociais. Podem ocasionar desajustamento e desequilíbrios nos mais diversos sectores da sociedade, alterando a estrutura económica, a organização do trabalho, a distribuição do poder e modo de vida das populações.<br />Ex.; os emigrantes ingleses a continente americano e asiático, europeus a África, trouxe grandes alterações ao modo de vida das populações autóctones. <br />3 . Factores Socio-Políticos<br />guerras, invasões e conquistas, luta de classes e revolução, a acção das elites sociais , o aparecimento de movimentos sociais portadores de valores e modelos culturais diferentes, constituem exemplos de forças capazes de espoletar situações de mudanças. Alteram as estruturas sociais , modificam o status de nações, escravizam povos, transformam a vida e destoem culturas. <br />4 . Factores Culturais<br />A evolução das ideias, o contacto entre culturas, descobertas científicas, o desenvolvimento filosófico, a difusão de religião e ideologias constituem aspectos importantes para a mudança social.<br />5 . Factores Tecnológicos<br />As descobertas científicas, quando postas em prática podem provocar mudanças sociais de vulto. Isto é, a introdução de novas técnicas de produção numa fábrica pode trazer várias modificações:<br />modificações dos métodos de trabalho<br />da organização das equipas de trabalho<br />modificações nos níveis de autoridade.<br />A instalação num meio rural de uma nova indústria vai implicar transformação do mercado de trabalho o que promove a mobilidade da população. Traz mudanças de costumes, de culturas, de organização social da comunidade.<br />6 . Factores Psicossociológicos<br />A receptividade que as diferentes populações manifestam em relação ao "novo". A vida tem demonstrado que o grau de instrução, a cultur

×