Metodologia do trabalho_escrito
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×
 

Metodologia do trabalho_escrito

on

  • 1,783 views

Apostila com material de Metodologia de Projetos.

Apostila com material de Metodologia de Projetos.

Statistics

Views

Total Views
1,783
Views on SlideShare
1,783
Embed Views
0

Actions

Likes
1
Downloads
15
Comments
0

0 Embeds 0

No embeds

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Adobe PDF

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

Metodologia do trabalho_escrito Metodologia do trabalho_escrito Document Transcript

  • SUMÁRIOSUMÁRIO......................................................................................................................101. METODOLOGIA DO TRABALHO ESCRITO..........................................................202. LEITURA................................................................................................................. 403. ANÁLISE DE TEXTOS............................................................................................504. CONSTRUÇÃO LÓGICA DO TRABALHO ESCRITO............................................ 605. APRESENTAÇÃO GRÁFICA GERAL DO TRABALHO DE CONCLUSÃOCURSO......................................................................................................................... 806. ELABORAÇÃO DE REFERÊNCIA ........................................................................ 907. CONFIGURAÇÃO DO TRABALHO USANDO MICROCOMPUTADORES...........1108. APRESENTAÇÃO DE UM PRÉ-PROJETO...........................................................2109. GESTÃO DOS PROJETOS...................................................................................2310. REFERÊNCIAS.....................................................................................................24ANEXOSSENAIServiço Nacional de Aprendizagem Industrial
  • 01. METODOLOGIA DO TRABALHO ESCRITO “O verdadeiro sábio não é aquele que sabe tudo, mas aquele que está em constante busca de novos conhecimentos”.O trabalho intelectual exige disciplina, rigor e técnica. Entretanto, pode se transformarnuma atividade prazerosa, ao despertar a curiosidade, instigar e estimular a mente arefletir a ciência em busca de respostas para as questões que surgem a partir danossa relação com o mundo que nos cerca. Produzindo o conhecimento... ...é necessário que seja registrado e divulgado.O mundo moderno exige do ser humano conhecimento, competência, capacidade deassimilação e reflexão. Exige também que esteja em constante busca deaperfeiçoamento. Quem não quer ficar ultrapassado, necessita, a cada pouco, estar devolta aos bancos escolares. Em cada nova etapa, as experiências acumuladaspoderão ser incorporadas a tantas outras. Para quem concluiu o Ensino Médio, oscursos de aprendizagem industrial oferecerão boa oportunidade para aprimoramentode conhecimentos e ajudarão no êxito das atividades profissionais.O ingresso no curso de qualificação pressupõe, por parte do aluno, uma nova posturafrente à maneira de conduzir os estudos. É preciso ter consciência de que, naqualificação, o ritmo e os padrões de educação são ajustados ao Mundo do Trabalho.Por não se darem conta dessa realidade, muitos alunos ao se depararem com asprimeiras dificuldades, resolvem desistir do curso no qual se matricularam.O bom estudante, no entanto, sabe que não existem barreiras que não possam servencidas, mas que o estudo, como qualquer outra atividade, é trabalho árduo, queprecisa ser levado a sério, pois o mesmo requer investimento de tempo e disposiçãode meios habilidosos e eficientes no estudo. 2SENAI – CEPAFCentro de Educação Profissional Albano Franco.
  • O tempo sempre foi e continuará sendo o grande colaborador da aprendizagem, poissomente ele permite que as pessoas se aperfeiçoem e coloquem em prática o queaprenderam. Ninguém, por exemplo, nasceu sabendo dar um laço no cadarço dosapato. Foi necessário que alguém, com paciência e persistência, ensinasse a fazê-lo.As primeiras tentativas pessoais nessa empreitada, com certeza, foram coroadas comdificuldades.As múltiplas exigências do mundo moderno tomam necessário o estabelecimento deprioridades. O estudante que se propõe a realizar um curso aprendizagem industrialterá que estabelecer como meta uma melhor organização do seu precioso tempo.Será necessário encontrar tempo para assistir às aulas, rever os apontamentos,preparar-se para as aulas seguintes e para as avaliações.Quem ingressa na aprendizagem industrial, o faz para estudar e aprender. Todos osseus esforços devem ser investidos nesse sentido e cada minuto deve ser aproveitadocom sabedoria. 3SENAI – CEPAFCentro de Educação Profissional Albano Franco. View slide
  • 02. LEITURAA leitura assume, no âmbito da comunicação social, uma dimensão bem ampla queultrapassa a decifração da escrita. Só estaremos lendo de verdade quando estivermosalém de decifrar, no interpretar e conhecer. A maior parte dos conhecimentos por nósadquiridos é obtida através da leitura, que possibilita a ampliação e o aprofundamentodo saber.A leitura científica é uma atividade metódica que engloba percepção, decodificação ecompreensão intelectual, exercitada sobre um texto escrito que transmite novosconhecimentos. Apresentando-se assim como o elemento central do processo globalde aprendizagem, onde o sujeito cognoscente, de certo modo se apropria do objetoconhecido.Portanto, a leitura constitui um dos fatores decisivos do estudo, pois é através delaque ampliamos e aprofundamos nosso campo cultural, já que se constitui em fonteinesgotável de idéias e conhecimentos. Todos nós precisamos ler constantementepara a ampliação do nosso saber, propiciando assim a obtenção de informações járegistradas por estudiosos que realizaram pesquisas sobre determinado assunto. 4SENAI – CEPAFCentro de Educação Profissional Albano Franco. View slide
  • 03. ANÁLISE DE TEXTOSUm texto pode ser analisado de várias formas, dependendo dos objetivos propostospor parte de quem vai desenvolver o estudo.A análise, portanto, é fundamental para se elaborar reflexões que mostrem aorganização dos elementos identificados no texto e seu aproveitamento reflexivo eargumentativo.Analisar um texto é buscar, nas entrelinhas, o conhecimento sistemático de seuselementos. É, portanto, dissecá-lo de maneira tal que se consiga encontrar a primeiraidéia que o originou.Podemos entender essencialmente por análise, o processo onde decompomos o todoem partes para que se possa efetuar um estudo mais completo, levando o leitor arelacionar as idéias expostas.Análise Textual – prioriza o levantamento de todos os elementos imprescindíveis dotexto (autor, metodologia, estilo, vocabulário, fatos, referências bibliográficas);Análise Temática – busca a compreensão do conteúdo, isto é, problemas, idéiasexpostas, qualidade de argumentação, processos de raciocínio, comparações eesquema de pensamento do autor.Análise Interpretativa – busca explicar a posição do autor detecta influências etambém faz exposição crítica e avalia o conteúdo da obra. 5SENAI – CEPAFCentro de Educação Profissional Albano Franco.
  • 04. CONSTRUÇÃO LÓGICA DE UM TRABALHO ESCRITODo ponto de vista estrutural o trabalho escrito tem três partes fundamentais: aintrodução, o desenvolvimento e a conclusão.04.01 INTRODUÇÃO04.01.01 IntroduçãoA Introdução manifesta as intenções do autor, justificativas e os objetivos do trabalho,enunciando seu tema, seu problema, sua tese e os procedimentos. Lendo a introduçãoo leitor deve sentir-se esclarecido a respeito do teor da problematização do tema dotrabalho, assim como a respeito da natureza do raciocínio a ser desenvolvido.A Introdução situa o trabalho no contexto do tema escolhido, deve permitir umnivelamento dos conhecimentos, possibilitando a compreensão do que vai serapresentado ao longo do trabalho. Pode conter um breve histórico sobre o tema a serabordado, assim como as motivações que levaram os autores a proporem o presentetrabalho. A Introdução pode terminar com uma questão de pesquisa ou com aformulação de hipóteses.04.01.02 JustificativaA justificativa é o momento de se mostrar qual a contribuição de seu trabalho, a suarelevância. Para tanto, além dos argumentos afirmativos, deve-se referir ainda aosestudos anteriores já feitos sobre o tema para assinalar suas eventuais limitações edestacar assim a necessidade de se continuar a pesquisá-lo e as contribuições que oseu trabalho dará, justificando-o desta maneira. Esta é a chamada revisão deliteratura, ou seja, todos aqueles textos/documentos que você precisa estudar antesde formular seu projeto, equacionando o conhecimento acumulado sobre o seu tema.Privilegie os textos mais importantes sobre seu tema; esta é uma varreduraexploratória, mas que não pode ser precária. 6SENAI – CEPAFCentro de Educação Profissional Albano Franco.
  • 04.01.03 ObjetivosOs Objetivos caracterizam, de forma resumida, a finalidade do projeto.O Objetivo Geral define explicitamente o propósito do estudo, é a ação mais distante,a mais longe, o ponto de partida para todas as ações do projeto.Os Objetivos Específicos caracterizam etapas ou fases do projeto, isto é, são umdetalhamento do objetivo geral, e não a estratégia de análise dos dados. Desta forma,o conjunto dos objetivos específicos nunca deve ultrapassar a abrangência propostano objetivo geral. Caso isto ocorra, todos os objetivos, gerais e específicos, devem serrevistos e adequados uns aos outros. Nem todo projeto necessita o detalhamento deObjetivos Específicos. Muitas vezes basta apenas a caracterização de apenas umúnico Objetivo. Os Objetivos devem ser redigidos utilizando verbos operacionais noinfinitivo, como forma de caracterizar diretamente as ações que são propostas peloprojeto. Não confundir objetivos específicos com resultados.04.02 DESENVOLVIMENTOO Desenvolvimento corresponde ao corpo do trabalho e será estruturado conforme asnecessidades do plano definitivo da obra. As subdivisões dos tópicos do plano lógico,os itens, seções, capítulos, etc... surgem da exigência da logicidade e da necessidadede clareza.04.03 CONCLUSÃOA Conclusão é a síntese para qual caminha o trabalho. Será breve e visará recapitularsinteticamente os resultados da pesquisa elaborada até então. O autor manifestaráseu ponto de vista sobre os resultados obtidos, sobre o alcance dos mesmos. 7SENAI – CEPAFCentro de Educação Profissional Albano Franco.
  • 05. APRESENTAÇÃO GRÁFICA GERAL DO TRABALHO DECONCLUSÃO DO CURSODo ponto de vista de apresentação geral, um trabalho científico contém as seguintespartes: Capa Folha de Rosto Folha de Aprovação Dedicatória Agradecimentos Epígrafe Sumário Lista de Tabelas e Figuras Introdução Fig. Modelo de estrutura de um trabalho científico completo Desenvolvimento Conclusão Referências Glossário Anexos ou ApêndicesO SENAI cobrará como apresentação do seu Trabalho de Conclusão de Curso asseguintes partes formatadas: Capa; Sumário; Lista de Tabelas e Figuras;Introdução; Desenvolvimento; Conclusão; Anexos; Referências. 8SENAI – CEPAFCentro de Educação Profissional Albano Franco.
  • 06. ELABORAÇÃO REFERÊNCIASA adequada citação do material bibliográfico utilizado é um dos pressupostos éticos deprodução dos projetos. As Referências permitem ao leitor do projeto verificar as fontesde informações usadas na elaboração do projeto, permitindo recuperar e confrontardados. Independentemente do padrão de referência utilizado, o importante é que elassejam apresentadas de forma completas e uniforme. As Referências devem ser lidascriticamente, devem ter confiabilidade e devem ser adequadamente documentadas.Um cuidado especial deve ser tomado com relação as fontes eletrônicas,especialmente as provenientes da Internet. Todas elas devem ser referidas com a datada consulta e impressas para documentação, pois são feitas muitas modificaçõesneste tipo de meio.As Referências são apresentada segundo a ordem alfabética dos autores, podendoainda os títulos serem enumerados.MonografiaSOBRENOME DO AUTOR, Nome. Título. Edição. Local: Editora, Ano e Paginação.Exemplo:PEREIRA, A.J. A invasão Cultural Norte-Americana. 2 ed. São Paulo: Moderna,1988, 144p.Artigo de Jornal e RevistasAUTOR DO ARTIGO. Título do artigo. Título do jornal, local de publicação, data dapublicação, seção, caderno, paginação.Exemplo:BARRETO, P. Lagos Andinos dão banho de beleza. Folha de São Paulo. São Paulo,28 de jun. 1999. Folha de Turismo, caderno 8, p. 13.Artigo de publicações periódicasAUTOR DO ARTIGO. Título do artigo. Título da revista. Local de publicação, volume,número, página inicial e final do artigo, mês e ano de publicação.Exemplo: 9SENAI – CEPAFCentro de Educação Profissional Albano Franco.
  • CARDOSO, J. M. Os parasitas da carne. Revista nacional da carne. São Paulo, v.1,n.1, p. 18-23, fev. 1997.Artigos de publicações eletrônicasAUTOR DO ARTIGO. Título do Artigo. Título da publicação. Local. Data.Disponibilidade e acesso.Exemplo:MEDEIROS, C. B. Uma proposta para banir a dívida pública. Gazeta Mercantil. SãoPaulo. Set. 1998. Disponível em: <http://gazetamercantil.com.br>. Acesso em: 28 nov.1998.A BíbliaBÍBLIA. Língua. Título. Tradução ou Versão. Edição. Local: Editora, ano.Exemplo:BÍBLIA. Português. A Bíblia Sagrada. Tradução João Ferreira de Almeida. 2 ed. rev.São Paulo: Sociedade Bíblica do Brasil, 1993.BÍBLIA. AT. I Reis. Português. A Bíblia Sagrada. Tradução João Ferreira de Almeida.São Paulo: Sociedade Bíblica do Brasil, 1993. p.346-380.LivrosSOBRENOME DO AUTOR, Prenome. Título: subtítulo (se houver). Edição. Local:editora, ano.Exemplo:FREITAS, Luís Carlos de. A dialética da eliminação no processo seletivo.Educação e Sociedade. 39 ed. Campinas, Papirus, 1991.CARDINET, Jean. Avaliar é medir? Rio tinto, Edição Asa/Clube do Professor, 1993.SILVA, Algenir Ferraz Suano da; LINS, Maria Sidney G. V. Guia para normalizaçãode trabalhos acadêmicos e científicos. 2 ed. Manaus: EDVA, 1996. 10SENAI – CEPAFCentro de Educação Profissional Albano Franco.
  • 07. CONFIGURAÇÃO DO TRABALHO ESCRITO USANDOMICROCOMPUTADORESOs microcomputadores já se tornaram ferramentas comuns para a realização detarefas acadêmicas, de modo especial para a elaboração de textos, tarefa pela qualsubstitui com enorme rapidez e maior eficácia a datilografia convencional. Ocomputador desempenha suas funções por um programa, um software, para aelaboração da apresentação do trabalho científico, utiliza-se um software editor detextos.07.01 PADRÃO DO EDITOR DE TEXTOConfiguração da página: Margens.Superior: 4,0 cm Esquerda: 3,0 cmInferior: 3,0 cm Direita: 3,0 cmConfiguração do tamanho do papel – usar o tamanho A4, que atende muito bem àscaracterísticas de um texto discursivo, suas medidas são: 21 X 29,7 cm.Configuração da fonte e os parágrafos – para formatar textos científicos recomenda-sea fonte Times New Roman, porem, o SENAI adota a fonte Arial para todos os seustextos e documentos, tamanho 12. E os parágrafos com alinhamento justificado e oespaçamento entre linhas 1,5.Configuração da Numeração de Páginas – Localizar no Cabeçalho, parte superior dapágina, com alinhamento à direita, e sem exibição de número na página de entrada detítulos. 11SENAI – CEPAFCentro de Educação Profissional Albano Franco.
  • 07.02 MODELO DE CAPA PARA TRABALHO ESCRITO no alto da página, o nome da instituição e o nome do curso, com letras maiúsculas e centralizadas, fonte 14 em negrito, espaçamento 1,5; no centro, o título do trabalho, letras maiúsculas e centralizadas, fonte 18 Negrito ; no centro com deslocamento abaixo, nome dos autores do trabalho em ordem alfabética, letras maiúsculas e centralizadas, fonte 12 em negrito; na parte de baixo da página, local e data. 4 cm SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM INDUSTRIAL DR-ES Instituição CENTRO DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL “ALBANO FRANCO” CNPJ 03.810.810/0005-25. Rodovia Gether Lopes de Farias S/N, Bairro São Silvando, Colatina ES CEP 29705-200. Tele-fax 37212127 e 37214017. ELETRICISTA DE MANUTENÇÃO EM GERAL Curso/ Área Tecnológica Instituição e Curso Fonte 14 – Negrito Endereço da instituição e Maiúscula - Centralizada CNPJ, Tel Espaçamento 1,5 Fonte 10 – Norma Cursivo - Centralizada Espaçamento 1,5 Título do Trabalho Fonte 18 – Negrito - Maiúscula – Centralizada – Espaçamento 1,5 QUALIDADES PESSOAIS Título do Trabalho 3 cm Autor (es) do Trabalho (em ordem 3 cm alfabética) Fonte 12 – Maiúscula – Centralizada – Espaçamento 1,5 Autor (es) JOSE SILVA Local e Data Fonte 12 - Normal Centralizada Colatina – ES, agosto de 2007 Local e Data 3 cm 12SENAI – CEPAFCentro de Educação Profissional Albano Franco.
  • 07.03 MODELO DA FOLHA DE ROSTO PARA TRABALHO ESCRITO 4 cm JOSE SILVA Autor/ es Autor(es) do Trabalho (em ordem alfabética) Fonte 14 - Negrito Maiúscula - Centralizada Título do Trabalho Fonte 18 - Normal Maiúscula - Centralizada Título do Trabalho QUALIDADES PESSOAIS 3 cm3,0 cm Explanação Fonte 12 - Normal Justificada Espaçamento 1,5 Trabalho de pesquisa bibliográfica para a disciplina de Tecnologia de Projetos do curso de Eletricista de Manutenção em Geral do SENAI / CEPAF, de Colatina – ES. Explanação Local e Data Fonte 12 - Normal Centralizada Colatina – ES, agosto de 2007 Local e Data 3 cm 13SENAI – CEPAFCentro de Educação Profissional Albano Franco.
  • 07.04 MODELO DE FOLHA DE APROVAÇÃO PARA TRABALHO ESCRITO 4 cm JOSE SILVA Autor/ es Autor(es) do Trabalho (em ordem alfabética) Fonte 14 - Negrito Maiúscula - Centralizada Título do Trabalho Fonte 18 - Normal Maiúscula - Centralizada QUALIDADES PESSOAIS Título do Trabalho 3 cm 3,0 cm COMISSÃO DE AVALIADORES Docente: Docente: Comissão de Avaliadores Parecer/ Considerações da Comissão Avaliadora (Docentes em ordem alfabética) Centralizado entre o Título e local e data Fonte 12 - Normal Cursiva - Centralizada Colatina – ES, agosto de 2007 Local e Data 3 cm Local e Data Fonte 12 - Normal Centralizada 14SENAI – CEPAFCentro de Educação Profissional Albano Franco.
  • 07.05 MODELO DE SUMÁRIO PARA TRABALHO ESCRITOEsquematiza as principais divisões do trabalho, partes, seções, capítulos, etc...indicando a página em que cada em que cada divisão inicia. Indica também o prefácio,as listas, as tabelas e bibliografia. 4 cm Sumário Fonte 14 - Negrito 4 cm Centralizada SUMÁRIO 4 cm LISTA DE TABELAS.................................................... pg LISTA DE FIGURAS.................................................... pg INTRODUÇÃO............................................................. pg 1 - TÍTULO DO CAPÍTULO......................................... pg 1.1 - Divisão................................................................. pg 1.1.1 - Subdivisão........................................................ pg 2 - TÍTULO DO CAPÍTULO......................................... pg 2.1 - Divisão................................................................. pg 2.1.1 - Subdivisão........................................................ pg3 cm 3 - TÍTULO DO CAPÍTULO......................................... pg 3 cm 3.1 - Divisão................................................................. pg 3.1.1 - Subdivisão........................................................ pg CONCLUSÃO............................................................... pg REFERÊNCIA.............................................................. pg ANEXOS...................................................................... pg Entrada de Texto Fonte 12 - Normal Justificado 3 cm 15SENAI – CEPAFCentro de Educação Profissional Albano Franco.
  • 07.06 MODELO DE LISTA DE FIGURAS PARA TRABALHO ESCRITOCaso constem no trabalho, tabelas, figuras ou ilustrações, são elaboradas asrespectivas listas que se situam com a respectiva paginação, logo após o sumário. 4 cm Lista de Figuras Fonte 14 - Negrito 4 cm Centralizada LISTA DE FIGURAS 4 cm FIGURA 01: descrição da figura................................... pg FIGURA 02: descrição da figura................................... pg FIGURA 03: descrição da figura................................... pg FIGURA 04: descrição da figura................................... pg FIGURA 05: descrição da figura................................... pg FIGURA 06: descrição da figura................................... pg Relação de Figuras Fonte 12 – Normal Justificado Espaçamento 1,53 cm 3 cm 3 cm 16SENAI – CEPAFCentro de Educação Profissional Albano Franco.
  • 07.07 MODELO DE LISTA DE TABELAS PARA TRABALHO ESCRITO 4 cm Lista de Tabelas Fonte 14 - Negrito 4 cm Centralizada LISTA DE TABELAS 4 cm TABELA 01: descrição da tabela.................................. pg TABELA 02: descrição da tabela.................................. pg TABELA 03: descrição da tabela.................................. pg TABELA 04: descrição da tabela.................................. pg TABELA 05: descrição da tabela.................................. pg TABELA 06: descrição da tabela.................................. pg Relação de Tabelas Fonte 12 – Normal Justificado Espaçamento 1,53 cm 3 cm 3 cm 17SENAI – CEPAFCentro de Educação Profissional Albano Franco.
  • 07.08 MODELO DE ENTRADA DE TEXTO PARA TRABALHO ESCRITO 4 cm Título Fonte 14 - Negrito 4 cm Centralizada 1 - TÍTULO 4 cm Texto... Texto... Texto... Texto... Texto... Texto... Texto Texto... Texto... Texto... Texto... Texto... Texto... Texto Texto... Texto... Texto... Texto... Texto... Texto... Texto 1 “ENTER” 1.1 - Divisão Texto... Texto... Texto... Texto... Texto... Texto... Texto Texto... Texto... Texto... Texto... Texto... Texto... Texto Texto... Texto... Texto... Texto... Texto... Texto... Texto 1 “ENTER”3 cm 1.1.1 – Subdivisão 3 cm Texto... Texto... Texto... Texto... Texto... Texto... Texto Texto... Texto... Texto... Texto... Texto... Texto... Texto Texto... Texto... Texto... Texto... Texto... Tex Entrada de Texto Fonte 12 – Normal Justificado Espaçamento 1,5 3 cm 18SENAI – CEPAFCentro de Educação Profissional Albano Franco.
  • 07.09 MODELO DE CONCLUSÃO PARA TRABALHO ESCRITO 4 cm Conclusão Fonte 14 - Negrito 4 cm Centralizada CONCLUSÃO 4 cm Texto... Texto... Texto... Texto... Texto... Texto... Texto Texto... Texto... Texto... Texto... Texto... Texto... Texto Texto... Texto... Texto... Texto... Texto... Texto... Texto Texto... Texto... Texto... Texto... Texto... Texto... Texto Entrada de texto Fonte 12 – Normal Justificado Espaçamento 1,53 cm 3 cm 3 cm 19SENAI – CEPAFCentro de Educação Profissional Albano Franco.
  • 07.10 MODELO DE REFERÊNCIAS PARA TRABALHO ESCRITO 4 cm Referências Fonte 14 - Negrito 4 cm Centralizada REFERÊNCIAS 4 “ENTER” 1. Barreto, P. Lagos Andinos dão banho de beleza. Folha de São Paulo. São Paulo, 28 de jun. 1999. Folha de Turismo, caderno 8, p. 13. 2. CARDOSO, J. M. Os parasitas da carne. Revista nacional da carne.São Paulo, v.1, n.1, p. 18-23, fev. 1997. 3. MEDEIROS, C. B. Uma proposta para banir a dívida pública. Gazeta Mercantil. São Paulo. Set. 1998. Disponível em: <http://gazetamercantil.com.br>. Acesso em: 28 nov. 1998. 3 cm Entrada de texto 3 cm Fonte 12 – Normal Justificado Espaçamento 1,5 3 cm 20SENAI – CEPAFCentro de Educação Profissional Albano Franco.
  • 08. APRESENTAÇÃO DE UM PRÉ-PROJETOUm projeto é uma previsão, nele deve conter uma identificação (Capa), umaintrodução, justificativa, objetivo geral, objetivos específicos, desenvolvimento(atividades, plano de implementação, monitoramento, avaliação e resultadosesperados), anexos (planilha com orçamento, tabela de um cronograma, diagramas,planta, desenho, esboço, lista de materiais, solicitação de compra, fotos... etc). Asatividades estarão relacionadas aos objetivos específicos, que por sua vez deveatender o objetivo geral do projeto.08.01 CronogramaTodo projeto tem um prazo para ser realizado. O cronograma expressa acompatibilização das atividades propostas com o tempo previsto para a realização doprojeto como um todo. Este pode ser subdividido em grandes etapas, tais como:planejamento, execução e divulgação. O cronograma permite aos autores avaliaremcontinuamente o andamento do projeto e a disponibilidade de tempo ainda existente.08.02 OrçamentoO orçamento relaciona os recursos financeiros a serem utilizados ao longo de todo oprojeto. Os itens básicos, habitualmente descritos, são: material permanente, materialde consumo, serviços de terceiros e recursos humanos, incluindo-se neste último asbolsas e eventual remuneração. A caracterização das fontes de financiamento -internas, externas: patrocínio privado, agencias de fomento, doações - da participaçãode diferentes parceiros, do eventual ressarcimento de despesas aos indivíduospesquisados, desde que não caracterize uma indução à participação, e a remuneraçãopara os próprios pesquisadores deve ser apresentada. Estas informações permitemesclarecer possíveis conflitos de interesses. 21SENAI – CEPAFCentro de Educação Profissional Albano Franco.
  • 08.04 MODELO DE CAPA PARA PROJETO 4 cm SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM INDUSTRIAL DR-ES Instituição CENTRO DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL “ALBANO FRANCO” CNPJ 03.810.810/0005-25. Rodovia Gether Lopes de Farias S/N, Bairro São Silvando, Colatina ES CEP 29705-200. Tele-fax 37212127 e 37214017. ELETRICISTA DE MANUTENÇÃO EM GERAL Curso/ Área Tecnológica Instituição e Curso Fonte 14 – Negrito Endereço da instituição e Maiúscula - Centralizada CNPJ, Tel Espaçamento 1,5 Fonte 10 – Norma Cursivo - Centralizada Espaçamento 1,5 Título do Trabalho Fonte 18 – Negrito - Maiúscula – Centralizada – Espaçamento 1,5 PROJETO_SUBSTITUIÇÃO DA Título do Trabalho/ Projeto ILUMINAÇÃO DA MARCENARIA 3 cm Responsável (es) do Trabalho (em 3 cm ordem alfabética) Fonte 12 – Maiúscula – Centralizada – Espaçamento 1,5 JOSE SILVA Responsável (es) Local e Data Fonte 12 - Normal Centralizada Colatina – ES, agosto de 2007 Local e Data 3 cm 22SENAI – CEPAFCentro de Educação Profissional Albano Franco.
  • 09. GESTÂO DOS PROJETOSPlano de implementaçãoAções para se alcançar determinado objetivo específico, identifica o tempo deexecução de cada atividade.Monitoramento e avaliaçãoSão os indicadores, medidas operacionais para realização de uma atividade ou de umobjetivo específico. Permitem medir o grau de alcance do resultado. Passosnecessários para a realização de uma atividade que se sustenta com base em dadosquantificáveis.Resultados esperadosAcontecem a partir dos processos estabelecidos para a realização de uma atividade. • Quantificam o resultado da atividade. • Instrumento que atesta a execução da atividade e que definam formas de comprovar o efeito conseguido.Processo de Gestão de Projetos 1. Planejamento 2. Programação 3. Execução 4. Monitoramento 5. Conclusão/ AvaliaçãoObs 1. Organizar ações humanas para alcançar objetivos, depois monitorarObs 2. Todo projeto tem um coordenador, que é o responsável pelo projeto, responde pelo projeto, é ovisado, é o checado quanto ao andamento das atividades e no momento de avaliação. 23SENAI – CEPAFCentro de Educação Profissional Albano Franco.
  • 10. REFERÊNCIASNETO, Euripedes M. de Oliveira. Fazendo um Projeto. Voluntários Candangos,assessoria da coordenação de projetos e captação de recursos. Disponívelwww.protagonismojuvenil.org.br/portal/cfp.asp de 29/08/07.MEGER, Robert F. Objetivos Para o Ensino Efetivo. 4º ed. Belmont Califórnia:Publicações Didáticas SENAI, 1962.RAMLOW, Leonardo; FIGUEIREDO, Lucia Maria Gava; LEITE, Paulo de Tarso deAraújo. Metodologia Científica: O trabalho e a pesquisa na construção doconhecimento. 2ª ed. Colatina: Gráfica Aymorés, 2003.www.ufrgs.br/bioetica/projeto.htm de 29/08/07 24SENAI – CEPAFCentro de Educação Profissional Albano Franco.
  • ANEXO 01FORMATAÇÃO DE PRÉ-PROJETOCAPA COM O TÍTULO DO PROJETOSUMÁRIOINTRODUÇÃO, OBJETIVO GERAL, OBJETIVOS ESPECÍFICOS.DESENVOLVIMENTO: atividades, plano de implementação, monitoramento, avaliaçãoe resultados esperados.CONCLUSÃOANEXOS: Planilha com Orçamento, Tabela de um Cronograma, Diagramas, Planta,Desenho, Esboço, Lista de materiais, Solicitação de Compra, Fotos... Etc 25SENAI – CEPAFCentro de Educação Profissional Albano Franco.