<ul><li>“ trata-se de uma autobiografia ficcionalizada, em que o autor recria tipos que povoaram sua infância, numa Luanda...
 
 
 
 
 
 
 
<ul><li>11 </li></ul><ul><li>de novembro </li></ul><ul><li>de 1975 </li></ul>
 
 
<ul><li>“ – Já viste o que é, vir para um país que não é o deles, vir dar aulas ainda vá que não vá, mas aqueles que vão p...
<ul><li>“ - Mas porquê essa praia é dos soviéticos? – agora sim ela estava mesmo espantada. – Não sei, não sei mesmo. Se c...
<ul><li>“ Também se aprendia muita coisa, porque a propósitodisso, por exemplo, do ANC2, é que o meu pai nos explicou quem...
<ul><li>“ Foi também assim que percebi porquê que os sul-africanos eram nossos inimigos, e que o facto de nós lutarmos con...
 
<ul><li>“ um brinde a partida de tantos cubanos, um brinde ao fim do contacto com os camaradas cubanos...um brinde a Cuba,...
<ul><li>“ Na mesa estava muito silêncio, mas lá fora havia gritaria, até houve tiros de comemoração. Quando ligamos o rádi...
 
 
<ul><li>“  –  Parece é paz que vai chegar, menino...Ontem tavam a falar lá no bairro. </li></ul><ul><li>- Tavam a falar de...
<ul><li>“ Guerra também aparecia sempre nas redacções, experimenta só mandar um aluno fazer uma redacção livre para ver se...
 
 
 
Upcoming SlideShare
Loading in …5
×

Seminário Bom Dia Camaradas de Ondjaki

1,699 views

Published on

Published in: Education
0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total views
1,699
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
10
Actions
Shares
0
Downloads
0
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Seminário Bom Dia Camaradas de Ondjaki

  1. 3. <ul><li>“ trata-se de uma autobiografia ficcionalizada, em que o autor recria tipos que povoaram sua infância, numa Luanda que ainda está lá com seus bairros degradados em meio a uma urbe que já se mostra moderna e que pode soar familiar não só ao leitor brasileiro, mas também ao português(...) ” </li></ul><ul><li>Adelto Gonçalves, doutor em literatura portuguesa pela USP </li></ul>
  2. 11. <ul><li>11 </li></ul><ul><li>de novembro </li></ul><ul><li>de 1975 </li></ul>
  3. 14. <ul><li>“ – Já viste o que é, vir para um país que não é o deles, vir dar aulas ainda vá que não vá, mas aqueles que vão para frente de combate... Quantos angolanos é que tu conhece que iam para Cuba lutar numa guerra cubana? ” </li></ul><ul><li>(Bom dia Camaradas, ONDJAKI, página 77) </li></ul>
  4. 15. <ul><li>“ - Mas porquê essa praia é dos soviéticos? – agora sim ela estava mesmo espantada. – Não sei, não sei mesmo. Se calhar nós também devíamos ter uma praia só de angolanos lá na União Soviética... ” </li></ul><ul><li>(Bom dia Camaradas, ONDJAKI, página 57) </li></ul>
  5. 16. <ul><li>“ Também se aprendia muita coisa, porque a propósitodisso, por exemplo, do ANC2, é que o meu pai nos explicou quem era o camarada Nelson Mandela, e eu fiquei a saber que existe um país chamado África do Sul, onde as pessoas negras tinham que ir para casa quando tocavam a campainha, às seis da tarde, que elas não podiam andar no machimbombo com outras pessoas que não fossem negras também... ” </li></ul><ul><li>(Bom dia Camaradas, ONDJAKI, página 57) </li></ul>
  6. 17. <ul><li>“ Foi também assim que percebi porquê que os sul-africanos eram nossos inimigos, e que o facto de nós lutarmos contra os sul-africanos significava que nós estávamos a lutar contra “alguns” sul-africanos, porque de certeza que essas pessoas negras que tinham um machimbombo especial para elas não eram nossas inimigas. Então também percebi que, num país, uma coisa é o governo, outra coisa é o povo. ” </li></ul><ul><li>(Bom dia Camaradas, ONDJAKI, página 57) </li></ul>
  7. 19. <ul><li>“ um brinde a partida de tantos cubanos, um brinde ao fim do contacto com os camaradas cubanos...um brinde a Cuba, por favor, um brinde a Cuba ” </li></ul><ul><li>(Bom dia Camaradas, ONDJAKI, página 108) </li></ul>
  8. 20. <ul><li>“ Na mesa estava muito silêncio, mas lá fora havia gritaria, até houve tiros de comemoração. Quando ligamos o rádio é que percebi: afinal estavam a dizer que a guerra tinha acabado, que o camarada presidente ia se encontrar com o Savimbi, que já não íamos ter o monopartidarismo e até estavam a falar de eleições. ” </li></ul><ul><li>(Bom dia Camaradas, ONDJAKI, página 136) </li></ul>
  9. 23. <ul><li>“ – Parece é paz que vai chegar, menino...Ontem tavam a falar lá no bairro. </li></ul><ul><li>- Tavam a falar de que? Da paz? </li></ul><ul><li>- Hum...Parece vamos ter paz... </li></ul><ul><li>- Ó António, e tu acreditas nisso? Há quantos anos é que ouves essa conversa? </li></ul><ul><li>- Pode ser, menino, pode ser... ” </li></ul><ul><li>(Bom dia Camaradas, ONDJAKI, página 120) </li></ul>
  10. 24. <ul><li>“ Guerra também aparecia sempre nas redacções, experimenta só mandar um aluno fazer uma redacção livre para ver se ele num vai falar da guerra, até vai já...Guerra vinha nos desenhos (as akás4, os canhões monacaxito5), vinha nas conversas..., vinha nas pinturas na parede (os desenhos no hospital militar), vinha nas estigas6 (“teu tio foi na UNITA combater, depois voltou, tava a reclamar lá tinha bué de piolho...”), vinha nos anúncios da tv (“ó Reagan7, tira a mão de Angola...!), e até vinha nos sonhos (“dispara Murtala, dispara porra!). ” </li></ul><ul><li>(Bom dia Camaradas, ONDJAKI, página 131) </li></ul>

×