Base de dados morfológicos de terminologias do português do Brasil. Descrição e análise morfológica com vistas à disponibi...
Joel Sossai Coleti (PPGL-UFSCar/ Bolsista FAPESP) Orientadora: Profa. Dra. Gladis Maria de Barcellos Almeida (UFSCar) Co-o...
Motivação Cenário brasileiro: são  pouco expressivas  as pesquisas linguísticas envolvendo  questões morfológicas em Termi...
Objetivo 1: <ul><li>analisar e descrever  os processos morfológicos possíveis no âmbito de terminologias   (Nanociência & ...
Objetivo 2: <ul><li>organizar uma  base de dados  de maneira que seja possível a  implementação computacional  e a  dispon...
Forma de análise: Modelo SILEX SILEX:  criado por Danielle Corbin (1987, 1991, 1997, 2004), desenvolvido pela sua equipe d...
Forma de análise: Modelo SILEX Este modelo parte da hipótese fundamental de que, além das  irregularidades de variados tip...
Forma de análise: Modelo SILEX O modelo SILEX assume-se como um modelo  associativo e estratificado : Por ‘modelo associat...
A originalidade do modelo SILEX O modelo SILEX em vez de propor análises baseadas na evidência do léxico observável, propõ...
O modelo se propõe a responder: Para denominar um conceito, entre as várias possibilidades que a língua oferece, a escolha...
Outra vantagem do modelo SILEX Em suma, este modelo oferece a aparelhagem teórica necessária para dar conta não apenas da ...
Plano de trabalho e cronograma Etapas : 1.  Seleção das unidades a serem analisadas 2.  Análise e descrição morfológica da...
Plano de trabalho e cronograma
CORBIN, D. Morphologie dérivationnelle et structuration du lexique. 2 vols. Tubinga: Max Niemeyer Verlag, 1987. __________...
MUITO OBRIGADO!! Joel Sossai Coleti ( [email_address] ) Gladis Maria de Barcellos Almeida ( [email_address] )  www.geterm....
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Base de dados morfológicos de terminologias do português do Brasil: descrição e análise morfológica com vistas à disponibilização online

1,495

Published on

Slides apresentados no IX Encontro de Linguística de Corpus - 2010 (Modalidade: Work in Progress)

Published in: Education
0 Comments
1 Like
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total Views
1,495
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
0
Comments
0
Likes
1
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Base de dados morfológicos de terminologias do português do Brasil: descrição e análise morfológica com vistas à disponibilização online

  1. 1. Base de dados morfológicos de terminologias do português do Brasil. Descrição e análise morfológica com vistas à disponibilização on-line.
  2. 2. Joel Sossai Coleti (PPGL-UFSCar/ Bolsista FAPESP) Orientadora: Profa. Dra. Gladis Maria de Barcellos Almeida (UFSCar) Co-orientadora: Profa. Dra. Margarita Correia (Universidade de Lisboa, Portugal)
  3. 3. Motivação Cenário brasileiro: são pouco expressivas as pesquisas linguísticas envolvendo questões morfológicas em Terminologia , sobretudo quando se considera o aspecto de disponibilização on-line dos resultados obtidos
  4. 4. Objetivo 1: <ul><li>analisar e descrever os processos morfológicos possíveis no âmbito de terminologias (Nanociência & Nanotecnologia e Biocombustíveis) em português (variante brasileira), verificando-se os principais processos de construção dos termos </li></ul>
  5. 5. Objetivo 2: <ul><li>organizar uma base de dados de maneira que seja possível a implementação computacional e a disponibilização on-line dos dados obtidos. </li></ul>
  6. 6. Forma de análise: Modelo SILEX SILEX: criado por Danielle Corbin (1987, 1991, 1997, 2004), desenvolvido pela sua equipe de trabalho e que já conhece aplicações profícuas para análise do português. O objetivo do modelo SILEX é construir uma teoria sincrônica do léxico capaz de atribuir uma estrutura e uma interpretação adequadas às palavras construídas, atestadas ou não nos dicionários , de modo a caracterizar a natureza da “gramaticalidade lexical” e de determinar as restrições das regras de formação de palavras (cf. CORBIN, 1987, p. 1).
  7. 7. Forma de análise: Modelo SILEX Este modelo parte da hipótese fundamental de que, além das irregularidades de variados tipos observáveis na parte atestada do léxico das palavras construídas, este subconjunto lexical obedece a um conjunto hierarquizado de regras e princípios , com natureza, conteúdo e campo de aplicação que devem ser determinados pelo lingüista (cf. CORBIN, 1987, p. 1).
  8. 8. Forma de análise: Modelo SILEX O modelo SILEX assume-se como um modelo associativo e estratificado : Por ‘modelo associativo’ entende-se aquele cujas Regras de Construção de Palavras (RCPs) permitem construir conjuntamente a estrutura morfológica e a interpretação semântica das palavras construídas É um ‘modelo estratificado’ porque apresenta um componente lexical da gramática composto por vários níveis , ao longo dos quais se vai construindo o significado das palavras construídas.
  9. 9. A originalidade do modelo SILEX O modelo SILEX em vez de propor análises baseadas na evidência do léxico observável, propõe uma análise baseada na estratificação e na reconstrução do léxico descritível ; em vez de dar prioridade à análise morfológica sobre a análise semântica, propõe uma análise que associa forma e significado (cf. CORBIN, 1989).
  10. 10. O modelo se propõe a responder: Para denominar um conceito, entre as várias possibilidades que a língua oferece, a escolha de uma ou outra estrutura morfológica não é indiferente – por que, então, se escolhe uma determinada estrutura em detrimento de outra?
  11. 11. Outra vantagem do modelo SILEX Em suma, este modelo oferece a aparelhagem teórica necessária para dar conta não apenas da estrutura morfológica dos termos, mas também da polissemia e da polirreferência das unidades que integram os vocabulários em estudo.
  12. 12. Plano de trabalho e cronograma Etapas : 1. Seleção das unidades a serem analisadas 2. Análise e descrição morfológica das unidades selecionadas – nesta fase serão realizadas as análises morfológicas dos termos com base no modelo SILEX. 3. Organização da base de dados que permitirá a sua posterior implementação computacional e disponibilização on-line.
  13. 13. Plano de trabalho e cronograma
  14. 14. CORBIN, D. Morphologie dérivationnelle et structuration du lexique. 2 vols. Tubinga: Max Niemeyer Verlag, 1987. __________. Form, structure and meaning of constructed words in an associative and stratified lexical component. In: Yearbook of Morphology 2. Dordrecht: Foris Publications, 1989, p. 31-54. Referências
  15. 15. MUITO OBRIGADO!! Joel Sossai Coleti ( [email_address] ) Gladis Maria de Barcellos Almeida ( [email_address] ) www.geterm.ufscar.br

×