Mdc joao grilo_ua2
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×
 

Mdc joao grilo_ua2

on

  • 454 views

Descrição de uma oficina de B-Learning

Descrição de uma oficina de B-Learning

Statistics

Views

Total Views
454
Views on SlideShare
449
Embed Views
5

Actions

Likes
0
Downloads
0
Comments
0

1 Embed 5

http://joe-e-portfolio.blogspot.com 5

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Adobe PDF

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

Mdc joao grilo_ua2 Mdc joao grilo_ua2 Document Transcript

  • Universidade Nova de LisboaFaculdade de Ciências Sociais e HumanasMestrado de Gestão de Sistemas de E-learning Metodologias de Desenvolvimento Curricular Análise crítica de uma Oficina de Formação online Professor: Carlos Reis Marques Mestrando: João Carlos Inácio Grilo Sintra, 26 de Março de 2011
  • Esta actividade vem fazer uma reflexão sobre a criação de um curso de B-learningtornado necessário pela observação das avaliações de formandos e solicitado por umaentidade, e que desta forma pretendo partilhar com o Docente da cadeira deMetodologias do desenvolvimento curricular, Doutor Carlos Reis marques.Como formador no domínio C12 (área de tecnologias e computadores) na formação dedocentes, desenvolvo oficinas de formação por B-learning, maioritariamente nodomínio da plataforma Moodle e utilização de quadros interactivos. Encontro-me adesenvolver este pipo de oficinas a par com a minha actividade lectiva.Foi-me solicitado pela associação de Educativa para o Desenvolvimento da Criatividadeo desenvolvimento de um curso que vem dar resposta a necessidades criadas por umasituação provocada pela colocação de quadros interactivos nas salas de aulas dasescolas. A acção é denominada "Utilização de quadros interactivos multimédia noprocesso de Ensino aprendizagem das línguas”.As acções de formação a pessoal docente estão enquadradas numa lógica de aprender aolongo da vida, como no Processo de Bolonha, e vêm responder a situações denecessidade muito específicas sentidas pelos docentes. Neste caso verifica-se que anecessidade de desenvolvimento do currículo responde a um estímulo anterior à criaçãodo próprio curso, e não a uma imposição superior ou mesmo ao desenvolvimento de umcurso baseado nos conhecimentos de um docente. Neste caso, e ainda seguindo asorientações da Unidade de Aprendizagem2, o formando realiza as suas aprendizagensbaseando-se em dois pressupostos: a sua necessidade de desenvolvimentos decompetências baseada numa vivência anteriormente sentida, e a aplicação futura dessasmesmas competências.Os formandos estão informados que devem possuir um computador portátil com ligaçãoà internet para o bom funcionamento das sessões da oficina, bem como para permitir ainstalação do programa em que irão desenvolver as competências.Nas escolas do ensino básico e secundário foram instalados quadros interactivos masnão foram dadas aos docentes indicações acerca do seu funcionamento, pelo que estaoficina de formação vem abordar, em 50 horas de trabalho (25 em sessões presenciais eonline, mais 25 horas de trabalho autónomo), algumas competências essenciais para autilização dos quadros interactivos em contexto de sala de aula, sendo o meu domíniorelacionado com a especificidade do ensino da língua portuguesa e línguas estrangeiras.O contexto da formação é simples: após uma sessão inicial presencial, onde se aborda ofuncionamento do programa que se irá utilizar, (Activinspire, desenvolvido pelacompanhia americana Promethean e que é oferecido como shareware e dada a licença
  • aos professores que estão numa escolaque tenha adquirido o quadro), e que criaficheiros baseados num quadro flipchartinteractivo, grosso modo, uma mistura dePowerpoint com Paint e Dreaweaver,mas que sendo bastante simples é muitoeficaz em sala de aula.O formando irá passar a desenvolver a sua própria aprendizagem com a ferramenta dada(o programa). Numa analogia simples, é dado ao formando a ferramenta e o apoionecessário para que ele possa criar uma Objecto de Aprendizagem que sirva os seuspropósitos, mas todo o material que irá trabalhar (multimédia, imagens, sons, contextopedagógico) é da responsabilidade do formando. No meu caso, como formador, o quefaço é, através do fórum, indicar orientações e respostas a dúvidas relacionadas com osoftware ou sobre a aplicabilidade de algumas situações em contexto pedagógico, ouseja, baseado na minha experiência pessoal como professor de línguas, se determinadoexercício será aplicável num determinado contexto.A oficina desenvolvida através de b-leaning, assenta num sistema POOPOOP (sendo oP para presencial e o O para sessão online), num esquema que segue o seguinte padrão:Sessão1 Sessão 2 Sessão 3 sessão 4 Sessão 5 Sessão 6 Sessão 7(presencial) (online) (online) (Presencial) (Online) (online) (presencial)Abordagem aoprogramaActivinspire • Desenvolvimento • Desenvolvimento de actividades de • Desenvolvi • Apresentação de actividades de • Desenvolvimento • Envio do LO mento da da unidade • Desenvolvimento integração de interactividade da planificação de o para elementos num unidade curricular as de actividades de entre professor e uma abordagem a apreciação curricular colegas e experimentação flipchart aluno uma unidade (opcional) auto- das curricular através avaliação potencialidades do activinspire do programa.Sendo o meio de comunicação e partilha de informação uma disciplina na plataformaMoodle que está preparada para uma turma com o número de formandos que será entreos 15 e os 20, como a indicada abaixo.
  • O trabalho dos formandos é apoiado por um tutorial desenvolvido pelos formadoresdeste centro onde estão colocados dezenas de vídeos com situações explicativas devárias actividades que os formandos querem desenvolver, e que assim têm acesso aestas (por exemplo: Como colocar um vídeo, como desenvolver uma actividadeinteractiva, como editar texto, etc…). Desta forma estão sempre apoiados, nãoprecisando de ajuda suplementar na vertente tecnológica da formação.Para o apoio individualizado existem três fóruns de apoio e partilha entre formandos eformador, num grupo alargado de entreajuda: o Fórum de acompanhamento dos seusprojectos, o Fórum sala (para conversa informais) e o Fórum de sessão, apenas acessíveldurante a sessão online.Ao formando é solicitado que desenvolva três trabalhos de experimentação dasfuncionalidades do programa (experimentação, integração de elementos einteractividade) um trabalho de planificação de um objecto de aprendizagem, baseadoem numa bibliografia e outros dados, e o desenvolvimento do próprio objecto deaprendizagem que constitui a avaliação final da Oficina. Todos estes trabalhos sãocomentados pelo formador, que dá indicações e orientações para o futuro, numaperspectiva de incentivo e estímulo positivo muito apreciado pelos docentes.A aplicação deste tipo de oficina alerta para alguns factores que se deverá ter em contapara a aplicação e desenvolvimento de futuros currículos ou pequenos cursos online:1º A maioria dos formandos não tem formação em Moodle, o que implica que estejam afazer simultaneamente dois cursos: o de Moodle e o do objecto da acção propriamentedito. Num futuro, esta situação começará a dissipar-se, mas no presente é um graveproblema, especialmente no contexto de formandos com menos competências ao níveldos sistemas interactivos de comunicação.2º Não existe propriamente uma cultura de auto-formação, especialmente junto dosindivíduos com mais idade, que preferem que lhes seja dado o trabalho pronto adesenvolver. É difícil lidar com as situações em que o formando não procura o seupróprio conhecimento.3º Há dificuldades na apropriação conhecimentos na criação de material multimédia,que poderia ser resolvida com uma cultura de auto-desenvolvimento pessoal que não seencontra facilmente.Provavelmente as novas gerações não venham a sofrer destes problemas, criados pelafrequência de um sistema de ensino baseado nos conhecimentos do docente. João Carlos Inácio Grilo Março 2011