Microsoft Power Point   Cosmogonias E Filosofia, Do Mito Para O Logos
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Like this? Share it with your network

Share
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Be the first to comment
    Be the first to like this
No Downloads

Views

Total Views
7,099
On Slideshare
7,090
From Embeds
9
Number of Embeds
2

Actions

Shares
Downloads
100
Comments
0
Likes
0

Embeds 9

http://www.slideee.com 7
http://algarvehistoriacultura.blogspot.com 2

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
    No notes for slide

Transcript

  • 1. COSMOGONIAS E FILOSOFIA: Do Mito para o Logos As cosmogonias são os mitos que narram a origem do universo. • Hesíodo, na Teogonia: • Antes de todas as coisas, surgiu o Caos; depois Géia (terra), de vasto seio, assento sempre firme de todos os Imortais que habitam os cumes do Olimpo, e o Tártaro tenebroso nos recessos da terra espaçosa, e Eros, o mais belo dos Deuses Imortais... Do Caos nasceram Erebo e a negra Noite; da Noite foram gerados o Eter e o Dia. A Terra gerou, semelhante a si própria em grandeza, o Céu (Urano)... e gerou depois os grandes montes, morada dos deuses e das Ninfas, que habitam nos seus vales." 1
  • 2. • Aristóteles diz, na Metafísica: • "O amante do mito é, de certo modo, também um filósofo, uma vez que o mito se compõe de coisas admiráveis. Costuma-se dizer que os deuses têm forma humana ou se transformam em semelhantes a outros seres viventes...” • carácter antropomórfico das personagens mitológicas. • os problemas cósmicos foram concebidos inicialmente sob a forma de problemas humanos, • traduzidos na personificação dos fenómenos naturais em deuses, semideuses e heróis. • as mesmas forças que governavam a natureza, agiam no mundo humano • ao procurar compreender a natureza, o pensamento mítico já possuía conceitos relativos ao mundo humano. 2
  • 3. • Não é tarefa fácil traçar a fronteira entre o período em que prevaleceu o pensamento mítico e o aparecimento do pensamento racional. • A epopeia de Homero, demonstra tão estreita interpenetração do pensamento mítico com os elementos racionais, que se torna impossível separá-los. • não houve uma ruptura drástica entre ambos, mas sim uma passagem lenta e gradual. • Os primeiros filósofos da natureza sucedem às teogonias, sem solução de continuidade, • e no entanto, realizam um extraordinário avanço em relação a estas. • devemos considerar a origem da filosofia e da ciência (pensamento lógico, racional) • como um processo de progressiva racionalização da visão religiosa do mundo implícita nos mitos. 3
  • 4. No dizer de W. Jaegger: “esta íntima conexão (entre o mito e o pensamento racional) dá unidade arquitectónica à história do espírito grego... Não é fácil decidir se a ideia dos poemas homéricos, segundo a qual o Oceano é a origem de todas as coisas, difere da concepção de Tales, que considera a água o principio originário do mundo. O início da filosofia cientifica não coincide, nem com o principio do pensamento racional nem com o fim do pensamento mítico”. • A característica predominante dos primeiros filósofos, • chamados físicos • é a de se preocuparem em dar uma resposta à pergunta: • “O que existe?”. • Para a qual a resposta é: • “as coisas existem”. 4
  • 5. • Outra pergunta a que procuraram responder foi: “de que são feitas as coisas?”. • Para a qual cada um dos filósofos encontrou uma resposta diferente, • na busca do elemento fundamental constitutivo de todas as coisas. 5