O POVO NO ENEM 2012 FASCÍCULO 1

3,913 views
3,827 views

Published on

Published in: Education
1 Comment
4 Likes
Statistics
Notes
No Downloads
Views
Total views
3,913
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
22
Actions
Shares
0
Downloads
202
Comments
1
Likes
4
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

O POVO NO ENEM 2012 FASCÍCULO 1

  1. 1. Universidade Aberta do Nordeste e Ensino à Distância são marcas registradas da Fundação Demócrito Rocha. É proibida a duplicação ou reprodução desse fascículo. Cópia não autorizada é crime. Linguagens, Códigos e suas Tecnologias Redação, Interpretação, Literatura e Língua Estrangeira Diego Pereira, Fonteles e Idália Parente 01 U TO ATblicIaçãro GR u p e Esta pode s da. o nã rcializa e site: com l no o níve com.br/ Disp w.fdr. 12 ww nem20 e
  2. 2. 2
  3. 3. Prezado(a) Leitor(a), 2, disponibiliza, em parcer ia com a seu sucesso no Enem 201 hado em contribuir para : Linguagens, Códigos O Colégio Christus, empen ersas áreas do conhecimento doze fas cículos contemplando as div ncias Humanas e suas Fundação Demócrito Rocha, eza e suas Tecnologias; Ciê ática e suas Tec nologias; Ciências da Natur e suas Tecnologias; Matem ortante Tecnologias. irão ajudá-lo bastante no imp ortância a leitura atenta desses fascículos, os quais Assim, é de fundamental imp os conteúdos descritos na orientações específicas sobre a universid ade. Neles, você encontrará ilidades necessárias objetivo de ingressar em um m as competências e as hab m 2012, além de vários exercícios que explora matriz de referência do Ene do Enem. para responder às questões ades a serem demonstradas as competências e as habilid icado par a desenvolver ou aprimorar io Christus possibilita Há também um espaço ded ecíficas nessa área, o Colég o, além de disponibilizar informações esp jeto, você terá na redação. Com esse objetiv line. Participando desse pro meio do projeto Christus - Redação 1000 on ente o Pré- a você treinar a escrita por es do Colégio Christus. Som sua redação à correç ão da equipe de professor sa oportunidade de submeter mo Enem. Compartilhe des nota 1000 na redação do últi obteve nove alunos com a para participar. Universitário do Colégio Ch ristus e encontre mais informações .com.br, leia o regulamento iniciativa. Para isso , acesse o site www.christus ente as dúvidas e objetivo, não encerra totalm este trabalho, com o todos que se propõem a ess informações Convém ressaltar ainda que nitivo, mas de um elenco de peito do assunto. Não se trata, portanto, de algo defi e os questionamentos a res imento adquirido durante o as quais, aliadas ao conhec ncia dos professores do Christus, e orientações fruto da experiê ano, facilitarão o alc ance do objetivo. Bom êxito! RedaçãoO Enem solicita uma redação estruturada na forma de dos, informações, argumentos e opiniões em defesatexto em prosa do tipo dissertativo-argumentativo, a de um ponto de vista; precisa também demonstrarpartir da proposta de um tema de ordem social, cien- conhecimento da estrutura tipológica de texto dis-tífica, cultural ou política. Nesse texto, serão avaliadas sertativo-argumentativo e estabelecer um projeto deas cinco competências da Matriz do Enem, referentes à texto para desenvolver o tema configurando autoria.produção de um texto: III. Selecionar, relacionar, organizar e interpretar informa-I. Demonstrar domínio da norma-padrão da língua es- ções, fatos, opiniões e argumentos em defesa de um crita. O estudante deve utilizar o registro adequado ponto de vista. Em dada situação formal de interlo- a uma situação formal de produção de texto escrito: cução, o estudante deve demonstrar desempenho no a norma-padrão. Para isso, deve ter atenção aos as- tocante à seleção, à organização, à relação e à inter- pectos gramaticais, como sintaxe de concordância, pretação de fatos, dados, informações, argumentos e de regência e de colocação, pontuação, flexão no- opiniões em defesa do enfoque dado ao tema propos- minal e verbal e crase; às convenções ortográficas e to, estabelecendo relações lógicas e coerentes. ao registro adequado ao texto solicitado conforme a IV. Demonstrar conhecimento dos mecanismos linguís- situação formal de produção textual exigida. ticos necessários para a construção da argumenta-II. Compreender a proposta de redação e aplicar con- ção. Nessa competência, o estudante deve demons- ceitos das várias áreas de conhecimento para desen- trar conhecimento dos mecanismos linguísticos volver o tema, dentro dos limites estruturais do tex- necessários para a construção e a articulação dos to dissertativo-argumentativo. O estudante deve ler argumentos, dos fatos e das opiniões selecionados atenciosamente a proposta para compreender a te- para a defesa de um ponto de vista, especialmente mática e, assim, instaurar uma problemática em que com relação ao emprego de recursos coesivos, como se analisam, interpretam-se e se relacionam fatos, da- conectivos, tempos verbais, sequência temporal, re- Universidade Aberta do Nordeste 3
  4. 4. lações anafóricas, conexões entre os vocábulos, as É importante também destacar que o texto solicita- sentenças e os parágrafos, objetivando o estabe- do pelo Enem é em prosa porque deve ser redigido em lecimento da coesão lexical (repetição, reiteração, parágrafos e é dissertativo-argumentativo porque se emprego de sinônimos, hiperônimos, conexos), da estrutura sob a seguinte forma: proposição (ou tese), ar- coesão gramatical e da coesão referencial. gumentação e conclusão e tem o objetivo de defender,V. Elaborar proposta de intervenção para o problema por meio de argumentos convincentes, uma ideia ou abordado, respeitando os direitos humanos. O autor uma opinião. do texto precisa apresentar propostas de intervenção Observe o quadro abaixo e veja uma das possibilida- relacionada com o tema proposto e com o projeto de des de desenvolver o texto dissertativo-argumentati- texto desenvolvido sobre o tema, bem como a indi- vo para o Enem. Lembre-se: não se trata de um modelo cação de possíveis variáveis para solucionar a proble- ou uma receita infalível para a construção de texto, mas mática desenvolvida, respeitando os direitos humanos. sim de uma possibilidade de construção. Deve atentar também para a viabilidade das propostas. Parte em que se estabelece a tese, que é a ideia que se defende, é uma afirmativa sufi- Introdução cientemente definida e limitada e constitui o eixo central do texto para o qual vão con- correr todas as outras ideias que reforçam a posição apresentada. Parte em que se usam diversas estratégias argumentativas para envolver o leitor, para impressioná-lo, para convencê-lo, para gerar credibilidade da tese que se está defenden- Desenvolvimento do. Esses argumentos podem ser configurados como exemplos, dados estatísticos, fatos comprováveis, evidências, testemunhos, fatos históricos e outros. A conclusão solicitada é a de solução ou proposta. Para chegar a essa conclusão, toda a construção argumentativa deve ter como objetivo a apresentação de possíveis soluções Conclusão para a questão levantada. A solução ou as soluções, porém, devem resultar de uma relação lógica e coerente com os argumentos, as opiniões, as informações e os dados apresentados no desenvolvimento.Manual de Capacitação para Correção da Redação do ENEM 2011Para produzir esse tipo de texto, você deverá desenvolver bem a habilidade de argumentar. Para isso, vamosrevisar o que é argumentar. Você já refletiu sobre esse termo? Argumentar é a habilidade de persuadir e convencer. A persuasão se estabelece no plano das emoções, quando o interlocutor é levado a fazer o que deseja o enunciador. Já o convencimento se dá no plano das ideias, quando o locutor gerencia uma informação, com demonstrações e provas, para mudar a opinião do outro. Pode-se convencer por meio de argumentos e razões, visando a levar o leitor a seguir uma linha de raciocínio que o possibilite a concordar com os argumentos expostos. Essa linha de raciocínio pode ser bem estabelecida quando se faz um bom projeto de texto. O texto argumentativo, portanto, é mais complexo que os outros, pois é um recurso que leva em consideração a experiência humana e está em contato com o saber. Por isso, é necessário que se tenha conhecimento do tema sobre o qual se vai argumentar, e, para isso, é importantíssimo que se esteja em constante contato com a leitura. ABREU, Antônio Suárez. A arte de argumentar: Gerenciando razão e emoção. 2ª ed.-São Paulo: Ateliê Editorial, 2000. Além de dominar a estrutura do texto dissertativo- que possam contribuir para a construção de seus argu--argumentativo em prosa, o estudante deve ter conheci- mentos. As leituras diversas, com propósito definido,mentos diversificados uma vez que os temas solicitados ativam seu conhecimento prévio e, consequentemente,no Enem são de ordem social, científica, cultural ou po- contribuem para solidificar seu conhecimento de mun-lítica, por isso é necessário que você esteja atento aos do. Relembre os temas já solicitados:acontecimentos, leia bastantes jornais, revistas e sites4
  5. 5. 1999 – “Cidadania e participação social”2000 – “Direito da criança e do adolescente: Como en- Linguagens, códigos e suas tecnologiasfrentar esse desafio nacional”2001 – “Desenvolvimento e preservação ambiental:como conciliar os interesses em conflito” Semana de Arte Moderna2002 – “O direito de votar: como fazer dessa conquistaum meio para promover as transformações sociais que oBrasil necessita?”2003 – “A violência na sociedade brasileira: como mu-dar as regras do jogo?”2004 – “Como garantir a liberdade de informação e evi-tar abusos nos meios de comunicação?”2005 – “O trabalho infantil na sociedade brasileira”2006 – “O poder de transformação da leitura”2007 – “O desafio de se conviver com as diferenças”2008 – “Meio ambiente”2009 – “A valorização do idoso” (prova anulada) Este ano, a Semana de Arte Moderna está comple-2009 – “O indivíduo frente à ética nacional” tando 90 anos, e por ter sido um dos movimentos mais2010 – “O trabalho na construção da dignidade humana” representativos no cenário artístico e cultural brasileiro,2011 – “Viver em rede no século XXI: os limites entre o foi o tema escolhido para iniciarmos o nosso estudo dapúblico e o privado” literatura brasileira e sua relação com as artes. http://educacao.uol.com.br/album/redacao_enem_album.jhtm Ainda não se sabe ao certo quem teria dado a ideia de realizar uma mostra de artes em São Paulo. De acor-Leia mais! do com o jornal O Estado de São Paulo, de 18 de fe- vereiro de 1922, a sugestão teria sido dada por MarinetePara redigir um bom texto dissertativo-argumentativo, é Prado, esposa de Paulo Prado, filho do mais importanteimportante que você evite fazendeiro de café do século XX. Contudo, já em 1920,•• obscuridade: diz respeito ao uso de palavras ou Oswald de Andrade prometera para 1922, ano do cente- expressões que dificultam o sentido da mensagem nário da Independência, uma ação dos artistas, adeptos para o leitor. das novas ideias, que marcasse, de forma contundente,•• ambiguidade: emprego de palavras ou expressões os festejos do centenário. cujos sentidos não estejam bem delimitados e preci- A Semana de Arte Moderna foi possível graças à ar- sos. Há dois tipos de ambiguidade: recadação de fundos junto aos fazendeiros e aos expor-A. A ambiguidade resultante do emprego inadequado tadores de café. O primeiro a contribuir foi Paulo Prado. de uma palavra ou uma expressão que possibilita É importante mencionar um fato ocorrido em 1917, que duas ou mais interpretações; concorreu, de forma decisiva, para a realização da Se-B. A ambiguidade de referência, ou seja, quando o ter- mana de Arte Moderna. Esse fato foi a crítica feita por mo pode referir-se a mais de um elemento, mas a Monteiro Lobato à exposição de Anita Malfatti. Anita situação contextual não especifica. chega ao Brasil depois de quatro anos de estudos na•• prolixidade: consiste na utilização exagerada e des- Alemanha e nos Estados Unidos e faz uma exposição necessária de palavras para exprimir uma ideia. “Se de pinturas de influências expressionistas e cubistas no se pode expressar a ideia com quatro ou cinco pala- salão de chá da loja Mappin, na rua Líbero Badaró, em vras, por que se devem usar dez ou mais?” São Paulo. No primeiro dia, a exposição obteve relativo sucesso, recebendo, inclusive, reservas de quadros. No Atenção! segundo dia, porém, Monteiro Lobato, na época crítico Para treinar seus conhecimentos e suas habilidades de arte do jornal O Estado de São Paulo, que visitara no processo de produção escrita do Enem, participe a exposição na véspera, publica o artigo “Paranoia ou do Christus - Redação 1000 online! Para isso, aces- Mistificação?”, em que, apesar de admitir que a artis- se o site www.christus.com.br e informe-se mais. ta tinha talento, denigre seu trabalho, e as reservas dos Universidade Aberta do Nordeste 5
  6. 6. quadros são canceladas. A violenta crítica feita por Lo- os escritores de maior destaque dessa fase defendiam abato à Anita Malfatti fez que aqueles artistas e escritores reconstrução da cultura brasileira sobre bases nacionais,que defendiam o moderno nas artes saíssem em defesa a promoção de uma revisão crítica de nosso passado his-da pintora, gerando um sentimento de grupo em torno tórico e de nossas tradições culturais. Eram, portanto,da defesa das ideias modernistas. defensores de uma visão nacionalista, porém crítica, da A Semana de Arte Moderna concentrou-se em três realidade brasileira. Durante essa primeira fase, váriossessões, nos dias 13, 15 e 17 de fevereiro de 1922. Em manifestos ganharam o cenário intelectual nacional,cada um desses dias, houve a predominância de uma te- numa investigação profunda, e por vezes radical, de no-mática. Durante toda a semana, o saguão do Teatro Mu- vos conteúdos e de novas formas de expressão. Os re-nicipal de São Paulo ficou aberto ao público. Nele havia sultados deixados por esse período de pesquisas foramuma exposição de artes plásticas. Na primeira noite (13- a implantação definitiva do movimento modernista e a2-1922), houve uma conferência proferida por Graça maturidade e a autonomia da literatura brasileira. Fale-Aranha abrindo o evento. Essa conferência intitulada “A mos um pouco sobre os manifestos pós-semana de 22.emoção estética na arte moderna” mostrava o apoio PAU-BRASIL (1924) - Tem início quando Oswald de An-do escritor ao movimento modernista. Logo após a con- drade lança o “Manifesto da Poesia Pau-Brasil”, na edi-ferência, houve declamação de poemas, por Guilherme ção de 18 de março do Correio da Manhã. Essa correntede Almeida e Ronald de Carvalho, e apresentação de propunha uma arte brasileira de “exportação”, de raiz,músicas de Ernani Braga e Villa-Lobos. Na segunda noite telúrica e primitiva.(15-2-1922), a mais tumultuada e a mais importante das VERDE-AMARELO (1926) - As primeiras manifestaçõestrês, houve uma conferência de Menotti del Picchia com do movimento Verde-Amarelo aconteceram em 1926,o objetivo de negar a ligação do modernismo brasileiro criticando a estética Pau-Brasil, por julgá-la “afrancesa-com o futurismo de Marrinetti e defender a integração da”, e pregando uma arte genuinamente nacional, deda poesia com os tempos modernos, como também tom ufanista, com a valorização do elemento indígenaa criação de uma arte genuinamente brasileira com li- e sem fazer nenhuma concessão aos estrangeirismos. Oberdade criadora. Na última noite (17-2-1922), a mais Verde-Amarelo evoluiu para o Movimento da Anta, detranquila das três, houve um longo recital de Villa-Lobos, franco caráter direitista, com enunciações fascistas.Alfredo Gomes, Paulina d’Ambrósio, Lima Viana, Maria ANTROPOFAGIA (1928) - Revidando com sarcasmoEmma, Lúcia Villa-Lobos, Pedro Vieira e Antão Soares. o primitivismo xenófobo da Anta, Oswald de Andrade, A imprensa, de um modo geral, desdenhou a Sema- Tarsila do Amaral e Raul Bopp lançaram, em 1928, ona de Arte Moderna; porém, O Estado de São Paulo, mais radical de todos os movimentos do período: a An-maior jornal paulista da época e um dos maiores do país, tropofagia. O movimento foi inspirado no quadro Aba-conservou uma sobriedade até certo ponto simpática poru (antropófago, em tupi), que Tarsila do Amaral tinhapara com o evento. A Semana de Arte Moderna tinha os dado de presente a Oswald de Andrade. O movimentoseguintes objetivos fundamentais: propõe a “devoração” da cultura e das técnicas impor-1. Reivindicar o direito permanente à pesquisa estética, tadas e sua reformulação com autonomia, transforman- à atualização da arte brasileira e à criação de uma do o produto importado em exportável. consciência criadora nacional.2. Reagir contra o academicismo de uma maneira geral. Questão comentada3. Defender o uso da linguagem coloquial e da livre expressão.4. Valorizar a realidade nacional.5. Exaltar as ideias modernistas.Manifestos Pós-Semana de 22A primeira fase do Modernismo brasileiro, conhecidacomo Geração de 22, caracterizou-se pelas tentativas desolidificação do movimento renovador e pela divulgaçãode obras e ideias modernistas. Apesar da diversidade decorrentes e ideias, pode-se dizer que, de modo geral, Amaral,Tarsila do. O Mamoeiro. 1925, óleo sobre tela, 65x70, IEB/USP.6
  7. 7. (Enem) O modernismo brasileiro teve forte influência das van- brasileira que se tornou o maior nome da Semanaguardas europeias. A partir da Semana de Arte Moderna, es- de Arte Moderna.ses conceitos passaram a fazer parte da arte brasileira defini- B. revitalizar a arte romântica brasileira, pois observoutivamente. Tomando como referência o quadro O Mamoeiro, que o gosto brasileiro não comportava tanta inova-identifica-se que, nas artes plásticas, a ção no uso da cor.A. imagem passa a valer mais que as formas vanguardistas. C. ao ser criticada, chamou a atenção para as inova-B. forma estética ganha linhas retas e valoriza o cotidiano. ções na arte e revelou que sua pintura apontava no-C. natureza passa a ser admirada como um espaço utópico.D. imagem privilegia uma ação moderna e industrializada. vos caminhos, principalmente no uso da cor.E. forma apresenta contornos e detalhes humanos. D. ao ser criticada por Lobato, preferiu dar à sua pintu- ra um novo viés. Torna-se a grande representante doSolução comentada Surrealismo no Brasil. E. iniciar uma inovação revolucionária na pintura mun-A opção “A” está errada, pois afirma que a imagem passa avaler mais que as formas vanguardistas, quando, na realidade, dial, pois mesclou o Impressionismo ao Expressionis-o que se observa é a predominância do Cubismo na tela de mo dando início à Semana de Arte Moderna.Tarsila do Amaral. Como se sabe o Cubismo foi das vanguar-das europeias. A opção “B” está correta, pois em função da 2. Que importa a paisagem, a Glória, a baia, a linhainfluência do Cubismo, percebe-se a utilização de linhas retas do horizonte?na confecção da obra, também se observa que a realidade O que eu vejo é o becocotidiana brasileira é destacada na obra. Isso é uma influência (Manuel Bandeira, Poema do beco.)direta da Semana de Arte Moderna, pois um dos postuladosdo modernismo brasileiro foi a valorização da realidade na-cional. A opção “C” está errada, pois afirma que a nature- Manuel Bandeira compõe, juntamente com Oswald eza é admirada como um espaço utópico, e, como sabemos, Mário de Andrade, a tríade maior da primeira fase mo-Tarsila fez parte do Manifesto Pau-Brasil que tinha uma visão dernista, responsável pela divulgação e pela solidificaçãonacionalista crítica e não utópica. A opção “D” está errada do movimento modernista em nosso país. Entre as inú-porque afirma que a imagem privilegia uma ação moderna meras contribuições deixadas pela poesia de Bandeira,e industrializada, enquanto a tela de Tarsila nos mostra uma uma está exemplificada no poema posto acima e podecena de uma cidadezinha, possivelmente do interior, sem ne- ser identificada comonhuma marca de industrialização. A opção “E” também estáerrada porque a imagem mostra uma cidadezinha com casas, A. o rigor métrico.plantas, água, uma ponte e algumas pessoas e não contornos B. a forte musicalidade simbolista.e detalhes humanos. Portanto, a resposta é letra “B”. C. a violenta crítica social. D. a perfeita escolha lexical.Para aprender mais! E. o verso livre.1. A exposição de Lasar Segall, em 1913, não causou polêmica. Afinal, tratava-se do trabalho de um es- 3. trangeiro, que teria, portanto, o “direito” de apre- Texto 1 sentar uma arte estranha ao gosto brasileiro. Mas, Pronominais com a exposição da pintora brasileira Anita Malfat- ti, a reação foi diferente. Sua exposição, em 1917, Dê-me um cigarro provocou a publicação de um artigo com severas Diz a gramática críticas por parte do escritor Monteiro Lobato. Em Do professor e do aluno função das críticas desfavoráveis a Anita Malfatti, E do mulato sabido muitos artistas se uniram a ela em busca de uma arte brasileira livre das regras impostas pelo aca- Mas o bom negro e o bom branco demicismo. Eis a grande importância histórica de Da Nação Brasileira Anita Malfatti: Dizem todos os diasA. trazer de volta os valores clássicos para a arte brasi- Deixa disso camarada leira, pois as críticas feitas por Lobato promoveram Me dá um cigarro. uma profunda reflexão na visão da grande pintora ANDRADE, Oswald de. Seleção de textos. São Paulo: Nova Cultura, 1988) Universidade Aberta do Nordeste 7
  8. 8. Texto 2 E. o rigor formal, personificado pelo uso do soneto e “Iniciar a frase com pronome átono só é lícito na con- pelas formas de composição com métrica regular. versação familiar, despreocupada, ou na língua escrita quando se deseja reproduzir a fala dos personagens Leia mais! (...)” Centenário de nascimento de Nelson Rodrigues (CEGALLA, Domingos Paschoal. São Paulo: (23-8-1912/21-12-1980) Nacional, 1980) Nelson Rodrigues foi importante dramaturgo, jornalistaO uso do pronome átono no início das frases é destaca- e escritor brasileiro, tido como o mais influente drama-do por um poeta e por um gramático nos textos postos turgo do Brasil. Nascido no Recife, Pernambuco, mudou-acima. Comparando a explicação dada pelos autores so- -se, em 1916, para a cidade do Rio de Janeiro. Quandobre essa regra, pode-se afirmar que ambos maior, trabalhou no jornal A Manhã, de propriedade de seu pai. Foi repórter policial durante longos anos,A. condenam essa regra gramatical. de onde acumulou uma vasta experiência para escreverB. acreditam que apenas os esclarecidos sabem essa regra. suas peças a respeito da sociedade. Sua primeira peça foiC. criticam a presença de regras na gramática. A Mulher sem Pecado, que lhe deu os primeiros sinaisD. afirmam que não há regras para o uso de pronomes. de prestígio dentro do cenário teatral. O sucesso mesmoE. relativizam essa regra gramatical. veio com Vestido de Noiva, que trazia, em matéria de teatro, uma renovação nunca vista nos palcos brasileiros.4. A imprensa, de um modo geral, desdenhou a Se- A consagração se seguiria com vários outros sucessos, mana de Arte Moderna; houve até publicações que transformando-o no grande representante da literatura antecipadamente se declararam contra o evento teatral do seu tempo, apesar de suas peças serem ta- sem saber sequer do que se tratava. O Estado de chadas muitas vezes de obscenas e imorais. Em 1962, São Paulo, maior jornal paulista da época e um começou a escrever crônicas esportivas, deixando trans- dos maiores do país, manteve uma postura sóbria parecer toda a sua paixão por futebol. Veio a falecer em sobre o evento. Apesar da resistência dos grupos 1980 no Rio de Janeiro. mais conservadores, após a Semana de Arte Mo- derna de 1922, ocorreu uma revolução nas artes brasileiras, revelando novas linguagens, formas e Funções da linguagem abordagens, que chocavam pelo ineditismo e ou- sadia. O período vivido pela Geração de 22, tam- É importante, ao estudarmos as funções da linguagem, bém chamado de fase heroica, em decorrência da que conheçamos os elementos constitutivos de todo implantação do Modernismo no Brasil em um mo- processo linguístico, de todo ato de comunicação. Esses mento ainda fortemente marcado por tendências elementos são: conservadoras, é caracterizado por intenso expe- rimentalismo, tanto na forma como na temática. 1. Emissor, Destinador ou Remetente - é aquele Nesse primeiro momento do Modernismo, desen- que emite a mensagem; pode ser uma firma, uma volveram-se a poesia, mais intensamente, a prosa pessoa, um jornal, etc. e ainda a prosa-poética. Em todas essas formas, 2. Receptor ou Interlocutor - é aquele que recebe a observam-se inovações como mensagem; pode ser uma pessoa ou um grupo de pessoas (os leitores de um jornal, os alunos de umaA. o rompimento com o passado e a conservação do sala de aula, etc.). academicismo literário. 3. Mensagem - é o conjunto de informações transmitidas.B. a incorporação e a valorização do prosaico, do vul- 4. Código - é o conjunto de signos e regras de com- gar, do cotidiano, inclusive da linguagem coloquial, binação desses signos, utilizados na transmissão de na poesia e na prosa. uma mensagem. A comunicação só será efetiva se oC. a prevalência do nacionalismo ufanista e a rejeição receptor souber decodificar a mensagem. do nacionalismo crítico. 5. Canal de comunicação - é o meio concreto peloD. a rejeição do prosaico, do vulgar, do cotidiano e da qual a mensagem é transmitida (voz, livro, revista, linguagem coloquial no texto literário. emissora de TV, jornal, computador, etc.).8
  9. 9. 6. Contexto ou Referente - é a situação ou o assunto ligada à ideia de manipulação de grandes massas por parte a que a mensagem se refere. de pequenos grupos. Alguns princípios da propaganda são: o princípio da simplificação, da saturação, da deformação e da Segundo Roman Jakobson, cada um dos seis fa- parcialidade. (Adaptado de Norberto Bobbio, et al. Dicionário de política)tores anteriormente determinados define uma dife-rente função da linguagem. Normalmente não se en- (Enem) Segundo o texto, muitas vezes a propagandacontram mensagens verbais que se relacionem a uma A. não permite que minorias imponham ideias à maioria.única função. A estrutura verbal de uma mensagem B. depende diretamente da qualidade do produto que édepende basicamente da função predominante. Veja- vendido.mos quais são elas: C. favorece o controle das massas difundindo as contradi- ções do produto.1. Função referencial - é a que se volta para a infor- D. está voltada especialmente para os interesses de quem mação, para o próprio contexto. A intenção é trans- vende o produto. mitir ao interlocutor dados da realidade de uma for- E. convida o comprador à reflexão sobre a natureza do que se propõe vender. ma direta e objetiva, com palavras empregadas em seu sentido denotativo.2. Função emotiva ou expressiva - nessa função a Solução comentada intenção do emissor é posicionar-se em relação ao O texto apresenta informações sobre a propaganda, sabe-se tema de que está tratando, é expressar seus senti- que, no texto publicitário, predomina a função apelativa ou mentos e emoções, produzindo um texto subjetivo, conativa da linguagem, pois como o objetivo de toda propa- escrito em primeira pessoa, que se transforma num ganda é influenciar o receptor da mensagem a tomar uma determinada decisão, todos os argumentos textuais utilizados espelho de seu ânimo, de suas emoções, de seu es- concorrem para esse fim. Evidentemente, se o alvo é o recep- tado, enfim. tor para tentar convencê-lo a fazer algo, o texto publicitário3. Função conativa ou apelativa - ocorre essa fun- está voltado especialmente para os interesses de quem ven- ção quando a intenção do emissor é influenciar o de o produto. Daí a predominância da função apelativa, pois, receptor, pois a mensagem está centrada nele (re- para vender o produto, é necessário convencer o comprador, ceptor) em forma de ordem, apelo ou súplica. Os ou seja, o receptor da mensagem. Portanto, a opção correta é verbos no imperativo, o uso de vocativos e da se- a letra “D” que afirma que a propaganda está especialmente gunda pessoa são marcas gramaticais dessa função. voltada para os interesses de quem vende o produto.4. Função fática - ocorre essa função quando a pre- ocupação do emissor é manter contato com o re- Para aprender mais! ceptor, prolongando uma comunicação ou então 5. testando o canal de comunicação. “Olá, como vai?5. Função metalinguística - essa função acontece Eu vou indo, e você, tudo bem? quando a preocupação do emissor está voltada para Tudo bem, eu vou indo, correndo, o próprio código utilizado, ou seja, o código é o Pegar meu lugar no futuro, e você? tema da mensagem ou é utilizado para explicar o Tudo bem, eu vou indo em busca próprio código. De um sono tranquilo, quem sabe?6. Função poética - essa função está centrada na Quanto tempo... mensagem e se caracteriza pela criatividade da lin- Pois é... Quanto tempo... guagem. Ocorre quando a linguagem é considerada (Viola, Paulinho da. Sinal fechado.) em seu significante, no seu valor rítmico, sonoro ou visual. Observando o trecho da canção posta acima, que repro-Questão comentada duz uma conversa entre duas pessoas que não se encon-A propaganda pode ser definida como divulgação intencio- tram há muito tempo e não têm muito sobre o que falar,nal e constante de mensagens destinadas a um determinado percebe-se que nesse texto predomina a funçãoauditório visando criar uma imagem positiva ou negativa de A. metalinguística.determinados fenômenos. A propaganda está muitas vezes B. conativa. Universidade Aberta do Nordeste 9
  10. 10. C. poética. C. apelativa.D. fática. D. fática.E. emotiva. E. emotiva.6. 8. “benesse/é/ s.2g. 1 ECLES emolumento a que têm direito os curas, vigários e outros eclesiásticos; pé-“ Lá fora há uma treva dos diabos, um grande silêncio. -de-altura; direito de estola 2p.ext. aquilo que seEntretanto o luar entra por uma janela e o nordeste fu- doa; presente, dádiva (a solidariedade brasileirarioso espalha folhas secas no chão.É horrível! Se aparecesse alguém...Estão todos dormindo. cumulou de b. os flagelados) 3p.ext. vantagem ou lucro que não deriva de esforço ou trabalho; sinecu-Se ao menos a criança chorasse...Nem sequer tenho ra 4 fig. Condição favorável; vantagem, ajuda (as b.amizade a meu filho. Que miséria!Casimiro Lopes está dormindo. Marciano está dormindo. da mocidade) [...]”Patifes! (Antônio Houaiss e Mauro de Salles Villar. Dicionário Houaiss da língua portuguesa. Rio de janeiro: Objetiva, 2001)E eu vou ficar aqui, às escuras, até não sei que horas,até que, morto de fadiga, encoste a cabeça à mesa e Observa-se que o fragmento posto acima, retirado dedescanse uns minutos.” um dicionário da língua portuguesa, tem como fator es- (Ramos, Graciliano. São Bernardo.35ª. Ed.Rio de Janeiro: Record, 1980. p. 191.) sencial o código. O objetivo da mensagem é referir-se à própria linguagem. Portanto, esse fragmento exemplifi-Analisando esse fragmento, retirado da obra São Ber- ca a funçãonardo, de Graciliano Ramos, observa-se a presença de A. metalinguística.interjeições, de alguns sinais de pontuação (reticências, B. apelativa.ponto de exclamação ) e o emprego da primeira pessoa C. poética;do singular. Esses elementos textuais apontam para a D. conativa.predominância da função E. referencial.A. emotiva.B. fática.C. referencial. O textoD. poética. A palavra texto é proveniente do latim textum que signi-E. conativa. fica tecido. Há, pois, uma razão etimológica para que ele seja entendido como se fosse uma textura, ou seja, um7. entrecruzamento de frases, como os fios de um tecido. E tal como os fios de um tecido, essas frases são estanques, independentes, embora unidas entre si, produzindo signi- ficados diferentes, de acordo com o contexto em que es- tão inseridas. Daí a necessidade de se fazer um confronto entre todas as partes que compõem um texto, a fim de apreender o que está contido nas entrelinhas. Tendo em vista que um texto não é uma simples reunião de frases isoladas, conclui-se que, para entender qualquer uma de suas passagens, é necessário confrontá-la com as demais partes que compõem, pois, do contrário, pode-se chegar a um significado oposto ao que realmente ele tem. PorObserva-se que o texto posto acima busca persuadir o isso, deve-se levar sempre em conta o contexto em quereceptor, no caso o consumidor, tentando convencê-lo está inserida a passagem lida.a consumir o produto anunciado. Nesse tipo de texto,predomina a função 1. O contexto É a unidade linguística maior (conhecimento ) na qualA. metalinguística. se encaixa uma unidade linguística menor (texto). DesseB. poética.10
  11. 11. modo, uma frase se insere no contexto de uma oração, exige o conhecimento da pertinência dos conteúdosque se insere no contexto de um período, que se inse- do texto, com base no ponto de vista do autor, e nãore no contexto do parágrafo, que se insere no contexto do leitor, e a relação contida entre esse ponto de vistado capítulo, que se insere no contexto de toda a obra. e os tópicos frasais. Com isso, observa-se a subordi-O contexto deve vir sempre explicitado linguisticamente nação entre a ideia principal e as que a subsidiam.ou então deve estar implícito, o que ocorre quando os 2.2 Leitura interpretativaelementos do enredo em que se produz o texto não ne- Esse tipo de leitura exige, em primeiro lugar, que se te-cessitam de maiores esclarecimentos e dão como pressu- nha o domínio da leitura informativa e, a seguir, que oposto o contexto em que ele está encaixado. leitor domine as seguintes capacidades: Uma boa leitura nunca pode basear-se em trechosisolados de um texto, porquanto o significado das partes I. Compreensão global do texto - O leitor deve en-é sempre determinado pelo contexto dentro do qual se tender a mensagem literal contida no texto, isto é, asituam. Assim, a leitura ideal deve apreender sempre o ideia central, o objetivo, a tese defendida, o pontopronunciamento contido nas entrelinhas do texto e per- de vista e a postura ideológica do autor.ceber a posição tomada pelo autor frente a uma questão II. Análise do texto - Refere-se à capacidade de saberqualquer. decompor um texto em suas diferentes partes, par-2. Como ler e entender o texto tindo do tópico frasal de cada parágrafo e verifican-Diante de um texto, deve-se proceder a dois tipos de lei- do a sua relação com o contexto.tura: a informativa e a interpretativa. Na informativa, III. Síntese do texto - É a reconstituição do texto já de-há que se identificar, em primeiro lugar, a palavra-chave composto pela análise, eliminando-se o supérfluo,de cada parágrafo e as palavras que estruturam as frases com fixação no essencial.básicas da informação. Já a leitura interpretativa exige 3. Erros Clássicosque se tenha a capacidade de compreensão, análise e I. Contradição - Um ou outro item conclui contraria-síntese das informações que se encontram nos diversos mente ao texto. Para o leitor, parece estar correto,parágrafos do texto. mas, se verificar com mais cuidado, verá que a afir-2.1 Leitura informativa mação diz o contrário do texto ou omite passagensSua finalidade é dar respostas específicas e, para tanto, importantes para fugir do original. Deve-se tomarexige que a leitura seja seletiva e crítica. cuidado com algumas palavras: pode, deve, não, ex- ceto, inclusive e outras.I. Leitura seletiva - Para uma leitura seletiva, deve-se II. Extrapolação - Ocorre esse erro quando o exami- procurar identificar, em cada parágrafo, a ideia-nú- nador faz a questão fora do texto, ou diz mais do cleo, pois é em torno dela que o autor desenvolve que o texto, ou generaliza o que é particular. Mui- as ideias secundárias. A ideia-núcleo quase sempre tas vezes são fatos reais, mas não estão expressos se encontra no primeiro período do parágrafo e ra- no texto. O leitor deve ater-se somente ao que está ramente, no último. A ideia núcleo (uma generali- relatado. zação) constitui a base de tudo o que o autor relata III. Redução - Ocorre quando se particulariza o que é no parágrafo. É conhecida como tópico frasal e, a geral ou então se despreza o contexto e entende-se partir dela, seguem-se as demais ideias, as secundá- apenas uma parte do texto, com outro significado rias (especificações). Quando o tópico frasal está no que não foi dado pelo autor. primeiro período, diz-se que o parágrafo é desen- volvido com raciocínio dedutivo. Quando no último, Questão comentada diz-se que é com raciocínio indutivo. Nesse tipo de O “politicamente correto” tem seus exageros, como chamar leitura, ou seja, a seletiva, também deve-se selecio- baixinho de “verticalmente prejudicado”, mas, no fundo, nar, na continuidade do texto, os tópicos frasais de vem de uma louvável preocupação em não ofender os dife- cada um dos parágrafos. Ao fazer essa seleção, ob- rentes. É muito mais gentil chamar estrabismo de “idiossin- tém-se a síntese ou resumo do texto. crasia ótica” do que de vesguice. O linguajar brasileiro estáII. Leitura crítica - Para fazer esse tipo de leitura, é ne- cheio de expressões racistas e preconceituosas que precisam cessário que o leitor tenha uma visão que abarque de uma correção, e até as várias denominações para bêbado todo o assunto que está em pauta. A leitura crítica (pinguço, bebo, pé-de-cana) poderiam ser substituídas por Universidade Aberta do Nordeste 11
  12. 12. algo como “contumaz etílico”, para lhe poupar os sentimen- Para aprender mais!tos. O tratamento verbal dado aos negros é o melhor exem-plo da condescendência que passa por tolerância racial noBrasil. Termos como “crioulo”, “negão” etc. são até conside-rados carinhosos, do tipo de carinho que se dá a inferiores, e,felizmente, cada vez menos ouvidos. “Negro” também nãoé mais correto. Foi substituído por afrodescendente, por in-fluência dos afro-americans, num caso de colonialismo cul-tural positivo. Está certo. Enquanto o racismo que não querdizer seu nome continua no Brasil, uma integração real podecomeçar pela linguagem. (VERÍSSIMO, L, F. Peixe na cama. Diário de Pernambuco. 10 jun.2006 – adaptado)(Enem) Ao comparar a linguagem cotidiana utilizada no Brasile as exigências do comportamento “politicamente correto”, oautor tem a intenção deA. criticar o racismo declarado do brasileiro, que convive com a discriminação camuflada em certas expressões lin- guísticas.B. defender o uso de termos que revelam a despreocupação (http://www.google.com.br. Acesso 14 jul. 2012) do brasileiro quanto ao preconceito racial, que inexiste no Brasil. 9. Observando-se o conteúdo da tira posta acima,C. mostrar que os problemas de intolerância racial, no Brasil, principalmente o questionamento feito por Mafalda já estão superados, o que se evidencia na linguagem co- no último quadrinho, é lícito inferir-se que Mafalda tidiana. A. se mostra otimista com relação ao futuro por issoD. questionar a condenação de certas expressões considera- critica a postura do animal. das “politicamente incorretas”, o que impede os falantes B. tem certeza de que o futuro será catastrófico, por de usarem a linguagem espontânea. isso afirma que o animal não tem futuro.E. sugerir que o país adote, além de uma postura linguística “politicamente correta”, uma política de convivência sem C. tem dúvida com relação à existência de um futuro bom. preconceito racial. D. critica toda e qualquer visão ufanista sobre o futuro. E. não consegue ter uma visão sobre o futuro porque não entende o presente.Solução comentadaPela leitura do texto, percebe-se que a argumentação feitapelo autor ao estabelecer uma comparação entre a linguagem 10. cotidiana do brasileiro e o comportamento “politicamente Orfandadecorreto” tem como objetivo sugerir que o país não somen- Meu Deus,te adote uma linguagem politicamente correta com os vários me dá cinco anossegmentos sociais vítimas de preconceito, mas também adote me dá um pé de fedegoso com formiga preta,uma política de convivência social livre de preconceito racial. me dá um Natal e sua véspera,Portanto, a opção correta é a letra “E”. o ressonar das pessoas no quartinho. Me dá a negrinha Fia pra eu brincar, me dá uma noite pra eu dormir com minha mãe. Me dá minha mãe, alegria sã e medo remediável, me dá a mão, me cura de ser grande, ó meu Deus, meu pai, meu pai. (PRADO, Adélia. Poesia reunida. São Paulo: Scipione, 2001) Pela leitura do poema posta acima, percebe-se que o eu lírico se sente completamente órfão12
  13. 13. A. por ter perdido os saudosos momentos de sua in- qual se está lendo. De acordo com Palinscar e Brown, a fância. Por isso suplica a Deus que lhe dê novamen- compreensão do que se lê é produto de três condições. te a sua vida de criança e o faça esquecer que já é adulto, e que tudo de bom se foi. 1. “Da clareza e coerência do conteúdo dos tex-B. por ter perdido sua mãe. Por isso lamenta a ausência tos, da familiaridade ou conhecimento da sua dela e lembra os momentos tristes de solidão junto estrutura e do nível aceitável do seu léxico, sin- a um pai ausente e insensível que só pensava no taxe e coesão interna.” trabalho. 2. “Do grau em que o conhecimento prévio doC. por ter perdido a boa condição financeira que teve leitor seja relevante para o conteúdo do texto. na infância. Por isso não aceita a carência material Em outras palavras, da possibilidade de o lei- vivida no presente e busca desesperadamente recu- tor possuir os conhecimentos necessários que perar a antiga condição social. lhe vão permitir a atribuição de significado aosD. por ter perdido sua fé em Deus. Por isso tenta resgatar conteúdos do texto.” essa fé perdida e voltar a ser alguém crente e cheio de 3. “Das estratégias que o leitor utiliza para in- esperanças para poder seguir a caminhada da vida. tensificar a compreensão e a lembrança doE. por ter perdido totalmente a crença no ser humano. que lê, assim como para detectar e compen- Por isso busca resgatar a vida bucólica cercada de sar os possíveis erros ou falhas de compreen- animais que teve na infância quando viveu na fazen- são. Estas estratégias são as responsáveis pela da de um tio. construção de uma interpretação para o texto e, pelo fato de o leitor ser consciente do que11. não entende, para poder resolver o problema com o qual se depara.” De tal sorte, é importante que o leitor conheça e aplique as estratégias de leitura durante a realização da prova de espanhol do Enem, como também de ou- tras provas que avaliem a leitura e a interpretação em língua espanhola. Portanto, vamos apresentar as cincoA declaração de Hagar revela uma visão de mundo estratégias de leitura, que, de acordo com Isabel Solé,A. democrática e inovadora. devem ser utilizadas na leitura e na interpretação emB. polarizada e restrita. língua espanhola levando em conta as peculiaridadesC. conciliadora e altruísta. desse idioma.D. capitalista e comunista ao mesmo tempo.E. reacionária e humanitária. 1. “Compreender os propósitos implícitos e explí- citos da leitura.” Equivaleria a responder às per- guntas: O que tenho que ler? Por que tenho que ler este texto? Língua Espanhola 2. “Ativar e aportar à leitura os conhecimentos pré- vios relevantes para o conteúdo em questão.” OPara a realização de uma boa prova de língua estran- que sei sobre o conteúdo do texto? O que sei sobregeira, é necessário que o aluno tenha um bom conheci- conteúdos afins que possam ser úteis para mim? Quemento das estratégias de leitura e seja um leitor compe- outras coisas sei que possam me ajudar: sobre o au-tente, pois, o Enem, nas provas de espanhol realizadas tor, o gênero, o tipo de texto...? Vale lembrar que oaté hoje, tem mostrado interesse basicamente pela inter- conhecimento prévio do leitor deve ser utilizado parapretação textual. Por isso, daremos ênfase à abordagem ajudar na compreensão da leitura do texto e na per-da leitura e da interpretação em língua estrangeira, no cepção da melhor solução para a situação-problemacaso, língua espanhola. apresentada pela questão, mas nunca para responder É bom lembrar que ler não é apenas decodificar, à questão em si, pois isso poderá levar o aluno a co-mas, para ler, é preciso saber decodificar, ou seja, ter um meter o erro da extrapolação textual.conhecimento, ainda que mínimo, do léxico da língua na Universidade Aberta do Nordeste 13
  14. 14. 3. “Dirigir a atenção ao fundamental, em detri- D. manifestar seu valor primitivo nas diferentes camadas sociais. mento do que pode parecer mais trivial.” Qual E. ignorar a influência de países europeus, como Inglaterra é a informação essencial proporcionada pelo texto e e França. necessária para conseguir o meu objetivo de leitura? Que informações posso considerar sem relevância, Solução comentada por sua redundância, por seu detalhe, por não se- A opção “A” está errada porque informa que o tango, ao rem pertinentes aos propósitos que persigo? longo de sua história, permaneceu sem alterações, enquan-4. “Comprovar continuamente se a compreensão to o texto nos diz que o tango, ao longo do tempo, foi se ocorre mediante a revisão, a recapitulação pe- adaptando a novas situações e realidades sociais. A opção “B” riódica e o questionamento.” O que se pretende também está errada, pois afirma que o tango não chegou a explicar neste parágrafo? Qual a ideia fundamental outros lugares além do subúrbio. Porém, observa-se que o tex- que extraio daqui? Posso reconstruir o fio dos argu- to afirma que o tango conquistou outros espaços, inclusive, no exterior. A opção “C” está correta, pois afirma que o tango mentos expostos? Posso reconstruir as ideias conti- sobreviveu e se difundiu chegando, inclusive, ao exterior po- das nos principais pontos? Tenho uma compreensão demos comprovar essa informação no terceiro parágrafo do adequada dos mesmos? texto. A opção “D” está errada porque diz que o tango ma-5. “Elaborar e provar inferências de diversos ti- nifestou seu valor primitivo em diferentes camadas. Porém, o pos, como interpretações, hipóteses, previsões texto, no segundo parágrafo, diz: “...sustituyendo el carácter e conclusões.” malevo del tango primitivo por una nueva poesía más acorde con las concepciones estéticas provenientes de Londres y Pa-Questão comentada rís”. A opção “E” também está errada, pois afirma que o tan- go ignorou a influência de países europeus. Essa informação El Tango está em desacordo com o conteúdo do segundo parágrafo.Ya sea como danza, música, poesía o cabal expresión de una Portanto, a opção correta é a C.filosofía de vida, el tango posee una larga y valiosa trayectoria,jalonada de encuentros y desencuentros, amores y odios, naci- Para aprender mais!da desde lo más hondo de la historia argentina. 12. El nuevo ambiente es el cabaret, su nuevo cultor la clase madiaporteña, que ameniza sus momentos de diversión con nuevas “Hablando sobre el último partido del Boca el arquerocomposiciones, sustituyendo el carácter malevo del tango pri- Cárceres dijo a un periodista tras el juego que no com-mitivo por una nueva poesía más acorde con las concepciones prendió lo que pasó hoy en la cancha en la final del tor-estéticas provenientes de Londres y París. neo clasura. En su opinión el equipo no ha jugado bien,Ya en la década del 20 el tango se anima incluso a traspasar pero ha perdido.las fronteras del país, recalando en lujosos salones parisinos (El Clarín, cuaderno de deportes.)donde es aclamado por públicos selectos que adhieren en-tusiastas a la sensualidad del nuevo baile. Ya no es privativo Após a leitura do fragmento posto acima, é possívelde los bajos fondos porteños; ahora se escucha y se baila en observar quesalones elegantes, clubs y casas particulares. A. o goleiro Cárceres mostra grande conhecimento so-El tango revive con juveniles fuerzas en ajironadas versiones de bre o futebol e soube expressar seu ponto de vistagrupos rockeros, presentaciones en elegantes reductos de San com muita coerência.Telmo, Barracas y La Boca y películas foráneas que lo divulgan B. a postura do atleta revela uma total falta de visãopor el mundo entero. crítica, pois, apesar de fornecer explicações lógicas (disponível em: http://www.elpolvorin.over-blog.es. para a derrota do time, não a aceita. Acesso em: 22 jun. 2011. Adaptado) C. a declaração de Cárceres é incoerente, pois não há(Enem) Sabendo-se que a produção cultural de um país pode relação de adversidade entre o fato de o time nãoinfluenciar, retratar ou, inclusive, ser reflexo de acontecimen- ter jogado bem e ter perdido; pelo contrário, seriatos de sua história, o tango, dentro do contexto histórico ar- possível estabelecer uma relação de adição ou degentino, é reconhecido por conclusão.A. manter-se inalterado ao longo de sua história no país. D. o jogador revelou que tem conhecimento de fatosB. influenciar os subúrbios, sem chegar a outras regiões. internos do clube que levaram a uma derrota ines-C. sobreviver e se difundir, ultrapassando as fronteiras do país. perada e inexplicável.14
  15. 15. E. há uma tentativa do repórter em conduzir a resposta 14. do jogador, pois, sendo ele o repórter ligado ao clube adversário, deseja gerar uma crise interna no Boca.13. De acordo com a tira, pode-se afirmar que A. há uma referência à flacidez corporal que vem com a idade. B. há uma crítica ao comportamento excessivamente calmo dos adultos. C. há uma comparação entre a infância e a fase adultaPelo conteúdo da charge, percebe-se que a mulher no que diz respeito à postura diante da vida.A. tem saudade da época em que o homem tinha bons D. a personagem se mostra triste diante da calma de modos na presença dela. alguns adultos.B. não se sente à vontade na presença do marido. E. a fase adulta é vista como sendo melhor que a ju-C. gostaria de ser estranha como o marido. ventude.D. pensa que ela e o marido são pessoas de fino tra- to social. 15. E. continua perdidamente apaixonada pelo marido. La cumbia es una danza y ritmo con contenidos de tres vertientes culturales distintas: indígena, negra y blanca(española), siendo fruto del largo e intenso mes- tizaje entre estas culturas durante la conquista y colonia de tierras americanas. La presencia de estos elementos culturales se puede apreciar así: - En la instrumentación están los tambores de claro ori- gen africano, las maracas, el guache y los pitos (millo y gaitas) de origen indígena, mientras que los cantos y coplas son aporte de la poética española, aunque - Las vestiduras tienen claros rasgos españoles: adapta- das desde luego. Universidade Aberta do Nordeste 15
  16. 16. - Presencia de movimientos sensuales, marcadamente cal e elipse)galantes, seductores, características de los bailes de ori- 2. Associação – A associação se dá pelo processo dagen africano. seleção lexical (seleção de palavras semanticamente próximas).largas polleras, encajes, lentejuelas, candongas, etc. Y 3. Conexão – A conexão se dá pelo estabelecimento delos mismos tocados de flores y el maquillaje intenso en relações sintático-semânticas entre termos, orações e pa-las mujeres; camisa y pantalón blancos, un pañolón rojo rágrafos. Essas relações se estabelecem por meio de pre-anudado al cuello y sombrero en los hombres. posições, conjunções, advérbios e respectivas locuções. (El País, España)A cultura e as tradições de um povo podem ser obser- Questão comentadavadas, muitas vezes, por meio de sua música e de suas Es posible reducir la basuradanças. Um dos ritmos mais populares da Colômbia é En México se producen más de 10 millones de metros cúbicosa cumbia. Sobre essa manifestação folclórica e popular, de basura mensualmente, depositados en más de 50 mil tira-pode-se afirmar que deros de basura legales y clandestinos, que afectan de manera directa nuestra calidade de vida, pues nuestros recursos na-A. a influência espanhola na formação da cumbia se turales son utilizados desproporcionalmente, como materias evidencia nos instrumentos musicais. primas que luego desechamos y tiramos convirtiéndolos enB. a presença de movimentos sensuais, marcadamen- materiales inútiles y focos de infección. te, galantes e sedutores, mostra a influência africa- na nessa dança colombiana. Todo aquello que compramos y consumimos tiene una relaci- ón directa con lo que tiramos. Consumiendo racionalmente,C. a vestimenta usada na cumbia evidencia a influência evitando el derroche y usando sólo lo indispensable, directa- indígena nessa dança. mente colaboramos con el cuidado del ambiente.D. na formação da cumbia observamos apenas a influ- ência das culturas espanhola e africana. Si la basura se compone de varios desperdicios y si como desper-E. a cumbia é uma dança essencialmente americana, dicios no fueron basura, si los separamos adecuadamente, podre- mos controlarlos y evitar posteriores problemas. Reciclar se traduce pois não mostra nenhuma influência europeia. en importantes ahorros de energía, ahorro de agua potable, ahor- ro de materias primas, menor impacto en los ecosistemas y sus A coesão textual recursos naturales y ahorro de tiempo, dinero y esfuerzo. Es necesario saber para empezar a actuar...A função da coesão é a de promover a continuidade do (Disponível em: http://www.tododecarton.com.texto, a sequência interligada de suas partes, para que Acesso em: 27 abr. 2010. Adaptado.)não se perca o fio de unidade que garante a sua inter- (Enem) A partir do que se afirma no último parágrafo:pretabilidade. “Es necesario saber para empezar a actuar...”, pode-se O que se diz precisa ter sentido. Para que tenha sen- constatar que o texto foi escrito com a intenção detido o que a gente diz, as palavras devem estar interli-gadas; os períodos, os parágrafos devem estar encadea- A. informar o leitor a respeito da importância da reci-dos. A compreensão que se consegue ter do que o outro clagem para a conservação do meio ambiente.diz resulta dessa relação múltipla que se estabelece em B. indicar os cuidados que se deve ter para não consu-cada segmento, em todos os seus níveis. mir alimentos que podem ser focos de infecção. É importante, pois, ressaltar que a continuidade que C. denunciar o quanto o consumismo é nocivo, pois ése instaura pela coesão é, fundamentalmente, uma conti- o gerador dos dejetos produzidos no México.nuidade de sentido, uma continuidade semântica, que se D. ensinar como economizar tempo, dinheiro e esforçoexpressa, no geral, pelas relações de reiteração, associa- a partir dos 50 mil depósitos de lixo legalizados.ção e conexão. Falemos um pouco sobre essas relações. E. alertar a população mexicana para os perigos causa- dos pelos consumidores de matéria-prima reciclável.1. Reiteração – A reiteração se estabelece por meio dos seguintes processos: repetição (paráfrase, pa- Solução comentada ralelismo e repetição propriamente dita) e substi- O comando da questão localiza a situação-problema no últi- tuição (substituição gramatical, substituição lexi- mo parágrafo do texto. Esse fato facilita a resolução da ques-16
  17. 17. tão por parte do aluno, pois direciona a atenção do leitor luego del encuentro realizado en México quedó bien cla-apenas para um determinado ponto do texto, porém não se ro que uno de los retos es detener lo más pronto posibledeve esquecer que todo texto é um conjunto. Isso significa esta pandemia que nos afecta a millones de personasque, mesmo direcionando a atenção para o último parágrafo confirmadas, sin que se tengan en realidad datos de losna resolução da situação-problema, não se pode desprezar as millones quizás de portadores que aún no asumen la res-outras informações presentes no texto. A citação colocada no ponsabilidad de hacerse la prueba y cuyo temor es com-comando da questão “Es necesario saber para empezar a ac- prensible. Doctor, sé que su información se convertirátuar...” evidencia que a intenção do autor do texto é informaro leitor a respeito da importância da reciclagem para a conser- en una voz de esperanza para muchos de nosotros quevação do meio ambiente. esperamos ansiosos ese día que espero no sea lejano. Es- toy seguro que los desafíos a la ciencia no pueden ser enPara aprender mais! vano y más cuando existen seres con mucha capacidad e inteligencia para lograrlo. Un abrazo y muchas gracias16. de nuevo por su dedicación a acompañarnos. Je Respuesta del dr. Natterstad Querido Je Tu pregunta es de lo más oportuna. Creo que el año 2010 señaló un momento decisivo para la búsqueda de la erradicación(una cura) del VIH. Fue un año en el que la discusión de una cura realmente previsible desempeña un papel más importante que nunca en muchas confe- rencias y publicaciones científicas. De hecho apareció en una revista médica en diciembre un informe de segui- miento que trata de un hombre (“el paciente de Berlín”) que llevaría más de tres años curado. Hay más buenas noticias: ! un grupo internacional de investigadores se ha fijado una meta de encontrar una cura en la próxima década!? Qué te parece esa voz de esperanza? Un abrazo fuerte, Dr. Steve Natterstad.A charge, posta acima, remete o leitor a um problemaque sempre afligiu o ser humano. Esse problema, nos 17. O título de um texto procura antecipar para o leitordias atuais, tem se mostrado uma constante na vida de o tema que será tratado pelo autor. Com base namuitas pessoas que moram nas grandes cidades e têm leitura do texto posto acima, o título mais adequadouma vida muito agitada. Estamos falando de um proble- para ele éma relacionado A. Últimos avances para la cura del VIH.A. à saúde física do homem. B. Aumenta el número de casos de Sida en todo el mundo.B. à situação financeira do homem. C. Se ha encontrado la cura para el VIH Sida.C. a um estado de espírito do ser humano. D. Casos del VIH Sida en niños recién nacidos.D. a uma questão política e social. E. Disminuyen las muertes por el VIH Sida.E. a uma questão religiosa. 18. Após uma leitura do texto, deduz-se queTexto para as questões 17 e 18. A. “...portadores que aún no asumen la responsa-Reciba un fraternal saludo y bendiciones por su magnífi- bilidad de hacerse la prueba...” faz referência àsca labor. Quisiera saber que información a la fecha tiene pessoas que possivelmente têm Aids, porém semsobre una posible cura del VIH. Tengo entendido que confirmação. Universidade Aberta do Nordeste 17
  18. 18. B. o dr. Natterstad, em sua resposta a Je, considerando A leitura do fragmento posto acima, evidencia propos- fatos como a cura do paciente de Berlim, argumenta tas do Movimento Modernista de 22. Com base nisso, o que em 2010 se encontrou uma solução definitiva fragmento a seguir que evidencia as propostas do Movi- para a Aids. mento Modernista de 22 éC. na frase “lo más pronto posible”, a palavra “pron- A. “Torce, aprimora, alteia, lima/ A frase; e, enfim/ No to” apresenta uma ideia de distância. verso de ouro engasta a rima,/ Como um rubim.”D. a palavra “lejano” pode ser substituída por “cerca- B. “Descrever o objeto é matar três quartos dele” no” sem alterar a informação fornecida pelo texto. C. “Buscamos e defendemos a Arte pela Arte”E. as informações apresentadas no texto mataram to- D. “Não rimarei a palavra sono/ com a incorresponden- das as esperanças dos portadores do HIV. te palavra outono./ Rimarei com a palavra carne/ ou qualquer outra, que todas me convêm.”19. E. “Eu quero compor um soneto duro/ como poeta al- gum ousara escrever./ Eu quero pintar um soneto escuro,/ seco, abafado, difícil de ler” 2. A origem do nome de um dos quadros mais importantesObservando-se a tira, percebe-se que Gaturro do Modernismo brasileiroA. tem uma visão negativa sobre o aleitamento materno. O Abaporu é o mais importante quadro já produzido noB. considera o leite materno um alimento de alta Brasil. Tarsila do Amaral pintou-o como presente de ani- qualidade. versário a Oswald de Andrade, seu marido na época. OC. pensa em fazer uma campanha para divulgar o leite nome significa aba (homem) e poru ( antropófago). materno.D. ao comparar o leite materno à gasolina, transmite O quadro inspirou Oswald de Andrade a escrever seu uma visão negativa sobre o aleitamento materno. Manifesto Antropofágico, berço de um movimentoE. tem saudades de quando era um recém-nascido. que propunha a “deglutição” da cultura europeia, trans- formando-a em algo brasileiro.Ampliando conhecimentos para o Enem Mas qual o significado do quadro? Difícil dizer, mas, na1. opinião de certos críticos, o homem avantajado com a“Queremos libertar a poesia do presídio canoro das cabeça pequena seria o brasileiro desmiolado. Quantofórmulas acadêmicas, dar elasticidade e amplitude aos aos pés e as mãos, enormes, era como Tarsila via nossoprocessos técnicos, para que a ideia se transubstancie, povo (sofridos trabalhadores). O sol simboliza a penosasintética e livre (...). Nada de postiço, meloso, artificial, rotina do homem do campo, dando duro debaixo de solarrevesado, preciso: queremos escrever com sangue, inclemente. Ainda hoje, a polêmica obra tem avivadoque é humanidade com eletricidade, que é movimento, acaloradas discussões.expressão dinâmica do século; violência, que é energia (Contrim, Márcio. Revista Língua Portuguesa.bandeirante.” Ano, 5, nº 59, set. de 2010. Adaptado.)18

×