4. slide pensadores introdução

9,423 views
9,168 views

Published on

introdução aos pensadores..
didática e tecnologia
professora Juliane Suzuki

Published in: Education
1 Comment
3 Likes
Statistics
Notes
No Downloads
Views
Total views
9,423
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
927
Actions
Shares
0
Downloads
258
Comments
1
Likes
3
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

4. slide pensadores introdução

  1. 1. <ul><li>Prof. Juliana Telles Faria Suzuki </li></ul><ul><li>[email_address] </li></ul>Evolução histórica da Didática através dos GRANDES PENSADORES
  2. 2. CONTEXTO HISTÓRICO <ul><li>Idade Média </li></ul><ul><li>Renascimento </li></ul>
  3. 3. COMENIUS
  4. 4. O PENSADOR <ul><li>Jan Amos Komensky apresenta uma proposta pedagógica confessional cristã sob a influência do pensamento humanista protestante. </li></ul>
  5. 5. <ul><li>Naceu na República Checa em 1592 e morreu em 1670. </li></ul>
  6. 6. <ul><li>Perdeu seus pais e irmãs aos 12 anos, sendo cuidado sem muito carinho por uma família de seguidores da seita dos Morávios e sua educação básica não fugiu aos padrões da época: saber ler, escrever e contar, ensinamentos aprendidos num ambiente escolar rígido, sombrio, onde a figura do professor imperava e as crianças tratadas como pequenos adultos e os conteúdos escolares infalíveis e inquestionáveis. A rispidez no trato e a prática da palmatória eram elementos básicos da &quot;didática&quot; escolar vigente. </li></ul>
  7. 7. <ul><li>Estudou Teologia e tornou-se professor e pastor religioso aos 26 anos. </li></ul><ul><li>Historicamente viveu em um período marcado por conflitos políticos e religiosos, envolvendo-se ativamente na defesa do povo e da liberdade religiosa. </li></ul><ul><li>Suas obras estão ligadas à filosofia, o estudo das línguas e à educação. </li></ul>
  8. 8. <ul><li>No campo educacional empenhou-se em um projeto que visava reformar o conhecimento humano e os métodos de ensino. </li></ul><ul><li>Em 1638 ele escreveu Didática Magna. Nessa obra Comenius proclama a possibilidade e a necessidade de “ensinar tudo a todos” mediante a adoção de um método único e universal que abreviaria o trabalho do professor e tornaria mais acessíveis os conhecimentos para os alunos. </li></ul>
  9. 9. <ul><li>Comenius defendia a educação universal, inclusive para as mulheres </li></ul>
  10. 10. <ul><li>“ A proa e a popa da nossa Didática será investigar e descobrir o método segundo o qual os professores ensinem menos e os estudantes aprendam mais; nas escolas, haja menos barulho, menos enfado, menos trabalho inútil ,e, ao contrário, haja mais recolhimento, mais atrativo e mais sólido progresso; na Cristandade, haja menos trevas, menos confusão, menos dissídios, e mais luz, mais ordem, mais paz e tranquilidade” </li></ul><ul><li>Didática Magna </li></ul>
  11. 11. ROUSSEAU
  12. 12. Jean-Jacques Rousseau foi um dos mais considerados pensadores europeus no século XVIII. Sua obra inspirou reformas políticas e educacionais, e tornou-se, mais tarde, a base do chamado Romantismo. Formou, com Montesquieu e os liberais ingleses, o grupo de brilhantes pensadores pais da ciência política moderna.
  13. 13. Em filosofia da educação, enalteceu a &quot;educação natural&quot; conforme um acordo livre entre o mestre e o aluno, levando assim o pensamento de Montaigne a uma reformulação que se tornou a diretriz das correntes pedagógicas nos séculos seguintes. 
  14. 14. Emílio, ou Da Educação   Obra filosófica sobre a natureza do homem, escrita em 1762.
  15. 15. PESTALOZZI
  16. 16. O PENSADOR <ul><li>Johann Heinrich Pestalozzi foi considerado o pedagogo da humanidade. Ele acreditava que a escola deveria inspirar-se nos princípios de um lar. </li></ul>
  17. 17. <ul><li>Johann Heinrich Pestalozzi nasceu em Zurique, Suíça, em 1746 e faleceu em 1827. F icou órfão de pai quando ainda era criança sendo criado com muitas dificuldades apenas pela mãe. </li></ul><ul><li>Para ele a escola deveria aproximar-se de uma casa bem organizada, pois o lar era a melhor instituição de educação, base para a formação moral, política e religiosa. </li></ul>
  18. 18. <ul><li>Sua primeira atividade educacional foi em 1798 quando por causa da invasão francesa muitas crianças ficaram abandonadas sem pais, casa, comida ou abrigo. Pestalozzi reuniu muitos deles num convento abandonado, e gastou suas energias educando-os. </li></ul>
  19. 19. <ul><li>O principal objetivo de Pestalozzi era de integrar as crianças pobres, com poucos recursos à vida social. Para isso o método criado por ele consistia no ensino de um ofício. </li></ul><ul><li>Um dos principais valores desse pensador foi o seu interesse por uma educação equalitária, ou seja, uma educação para promover as pessoas marginalizadas pela sociedade. </li></ul><ul><li>Ciente da função social da escola, acreditava na difusão do saber universal a todas as classes sociais como condição para se alcançar a dignidade humana. </li></ul>
  20. 20. <ul><li>“ O aluno, seja qual for a classe social a que pertença e a profissão a que esteja destinado, participa de certos elementos da natureza humana que são comuns a todos e constituem o fundamento das forças humanas. Nós não temos direito algum de limitar a qualquer homem a possibilidade de desenvolver todas as suas faculdades (...); não temos o direito de negar à criança a possibilidade de desenvolver nem que seja uma só faculdade, nem mesmo aquela que, no momento, julgamos não essencial para a sua futura profissão ou para o lugar que ele terá na vida.” </li></ul><ul><li>Pestalozi (1946) in Manacorda 1989, pg. 266 </li></ul>
  21. 21. <ul><li>A educação prática refere-se ao aprender trabalhando, fazendo. </li></ul><ul><li>Nesse sentido, Pestalozzi preocupou-se em relacionar conhecimentos e atividades práticas. </li></ul><ul><li>Da mesma forma que a atividade intelectual necessitava de exercício especial da mente, era indispensável para o desenvolvimento de habilidades exteriores exercitar os sentidos e os membros. </li></ul>
  22. 22. <ul><li>Chamou a atenção do mundo por sua ação como mestre, diretor e fundador de escolas, particularmente da famosa escola de Yverdon, um verdadeiro laboratório de experimentos pedagógicos. </li></ul><ul><li>Em 1801 Pestalozzi concentrou suas idéias sobre educação num livro intitulado “Como Gertrudes ensina suas crianças”, onde ele expõe seu método pedagógico. </li></ul><ul><li>Para ele a educação deveria partir do mais fácil e simples, para o mais difícil e complexo. </li></ul>
  23. 23. <ul><li>Com base nas idéias postuladas por esse pedagogo, as escolas da Prússia foram reorganizadas, os métodos pestalozzianos adotados e as escolas normais fundadas para formar novos professores. </li></ul>
  24. 24. MÉTODO DE ENSINO <ul><li>Pestalozzi estabeleceu alguns princípios para o seu método de ensino, como: </li></ul><ul><li>partir do conhecido ao desconhecido; </li></ul><ul><li>do concreto ao abstrato, ou do particular ao geral; </li></ul><ul><li>da visão intuitiva à compreensão geral, por meio de uma associação natural com outros elementos e, finalmente, reunir no todo orgânico de cada consciência humana os pontos de vista alcançados. </li></ul>
  25. 25. <ul><li>Vejamos abaixo como era o método de ensino de Pestalozzi através do relato de um de seus discípulos </li></ul><ul><li>Era no terreno que nós aprendíamos as primeiras noções de geografia. Um estreito vale nos arredores de Yverdon, no fundo do qual corre o Buron, era o ponto para onde de começo nos dirigíamos. Tínhamos, então, de contemplá- lo no seu conjunto e nas suas particularidades até que tivéssemos a intuição justa e completa do todo. (...) </li></ul>
  26. 26. <ul><li>Agora cada um de nós ia tirar punhados de um barro que ali existia, e com elle enchíamos as cestas que havíamos levado para esse fim. De volta ao castello, tomávamos os lugares que se nos haviam indicado diante de longas mesas, para modelar em argila o valle que havíamos observado. </li></ul>
  27. 27. <ul><li>Nos dias seguintes, novas excursões e novas explorações, cada vez mais extensas que tinham como conseqüência a ampliação do nosso trabalho. Assim íamos indo até que ficasse terminado o estudo da bacia do Yverdon e nós pudéssemos, do alto do Montéla, abarcar-lhe o conjunto. Dávamos, então, por acabado o nosso mappa em relevo, e era tempo de passarmos à carta geographica, para cuja compreensão nos havíamos preparado. </li></ul>
  28. 28. MONTESSORI
  29. 29. <ul><li>Maria Montessori nasceu em 1870 na Itália e morreu em 1952. </li></ul><ul><li>O método montessoriano valoriza a educação pelos sentidos e pelo movimento para estimular a concentração e as percepções sensório-motoras da criança.  </li></ul><ul><li>O foco está no aluno. A teoria montessoriana crê que as crianças trazem dentro de si o potencial criador que permite que elas mesmas conduzam o aprendizado e encontrem um lugar no mundo. </li></ul><ul><li>A aprendizagem no método de Montessori parte do concreto rumo ao abstrato. </li></ul>
  30. 30. <ul><li>Na sala de aula as crianças de idades diferentes são agrupadas numa mesma turma. Nessas classes multiidades, alunos de 5 e 6 anos estudam na mesma sala e seguem um programa único. Posteriormente eles passam para as turmas de 7 e 8, em seguida para as de 9 e 10, e, finalmente, alcançam o último estágio, que agrega jovens de 11, 12, 13 e 14 anos. Até os 10 anos, os alunos têm aulas com um único professor polivalente, enquanto nas salas de 11 a 14, esse professor ganha a companhia de docentes específicos para cada uma das disciplinas. </li></ul>
  31. 31. <ul><li>Quanto aos materiais didáticos ela produziu uma série de cinco grupos de materiais didáticos: </li></ul><ul><li>Exercícios Para a Vida Cotidiana </li></ul><ul><li>Material Sensorial </li></ul><ul><li>Material de Linguagem </li></ul><ul><li>Material de Matemática </li></ul><ul><li>Material de Ciências </li></ul>
  32. 32. <ul><li>Estes materiais se constituem de peças sólidas de diversos tamanhos e formas: caixas para abrir, fechar e encaixar; botões para abotoar; série de cores, de tamanhos, de formas e espessuras diferentes. Coleções de superfícies de diferentes texturas e campainhas com diferentes sons. </li></ul>
  33. 33. DECROLY
  34. 34. <ul><li>Ovide Decroly nasceu em 1871,em Renaix, na Bélgica. </li></ul><ul><li>Como estudante, não teve dificuldade de aprendizado, mas, por causa de indisciplina, foi expulso de várias escolas. Recusava-se a freqüentar as aulas de catecismo. Mais tarde preconizaria um modelo de ensino não-autoritário e não-religioso. Formou-se em medicina e estudou neurologia na Bélgica e na Alemanha. </li></ul>
  35. 35. <ul><li>Por ter sido, na infância, um estudante indisciplinado, que não se adaptava ao autoritarismo da sala de aula nem do próprio pai, Decroly dedicou-se apaixonadamente a experimentar uma escola centrada no aluno, e não no professor, e que preparasse as crianças para viver em sociedade, em vez de simplesmente fornecer a elas conhecimentos destinados a sua formação profissional. </li></ul>
  36. 36. <ul><li>As crianças para Decroly não eram um depósito de conteúdo. Ao observar que as crianças sempre ficavam e gostavam de estarem em grupos, ele criou um método conhecido pelos centros de interesse. </li></ul>
  37. 37. <ul><li>Nos centros de interesse, a criança passava por três momentos: o da observação, o da associação e o da expressão. A série de elementos não era obrigatória. </li></ul>
  38. 38. <ul><li>Era algo simples para a criança, como comer, daí surgia o estudo da alimentação, a origem e a classificação dos alimentos, os preços, quem os produz e onde, como são preparados. E, de acordo com a curiosidade das crianças e o desenvolvimento, surgirão noções de geografia, ciências, história, higiene, cálculo, redação e esenho. </li></ul>
  39. 39. <ul><li>Diante dessa riqueza de possibilidades exploratórias, a duração do centro de interesse é muito flexível, podendo estender-se durante meses. Para Decroly, a sala de aula está por toda parte, na cozinha, no jardim, no museu, no campo, na oficina, na fazenda, na loja, na excursão, nas viagens etc. </li></ul>
  40. 40. FIM

×