CaracteríSticas Do Texto Impresso
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×
 

Like this? Share it with your network

Share

CaracteríSticas Do Texto Impresso

on

  • 56,884 views

Características do texto do jornalismo impresso.

Características do texto do jornalismo impresso.

Statistics

Views

Total Views
56,884
Views on SlideShare
56,597
Embed Views
287

Actions

Likes
4
Downloads
590
Comments
2

3 Embeds 287

http://www.slideshare.net 285
http://webcache.googleusercontent.com 1
http://mail.sapo.pt 1

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Microsoft PowerPoint

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

CaracteríSticas Do Texto Impresso Presentation Transcript

  • 1. Texto impresso
  • 2. Os princípios do estilo jornalístico
    • Princípio da correção - Um texto jornalístico deve respeitar as regras gramaticais. E deve, igualmente, obedecer às normas de estilo em vigor no jornal. Mas, acima de tudo, deve ajustar-se à realidade, contando bem o que há para contar , com intenção de verdade.
    • Princípio da clareza - Um texto jornalístico tem de ser construído e organizado de maneira a ser facilmente acedido e compreendido, sem dúvidas ou ambigüidades.
  • 3. Os princípios do estilo jornalístico
    • Princípio da simplicidade - A linguagem do texto jornalístico deve ser simples. Isto significa, por exemplo, que entre sinônimos deve preferir-se o mais comum e que as frases devem respeitar a ordem sujeito - predicado - complemento, desde que esta opção não represente uma sobrecarga estilística.
    • Princípio da funcionalidade - Um texto jornalístico necessita de se adaptar às necessidades do jornal ou revista. Se apenas pode ter dois mil caracteres, o jornalista deve respeitar este espaço. Se for necessário, um texto jornalístico deve estar escrito de maneira a poder ser amputado de algumas partes, nomeadamente do final, sem que se perca nem a informação principal nem a lógica enunciativa.
  • 4. Os princípios do estilo jornalístico
    • Princípio da concisão - Um texto jornalístico não pode ser prolixo. Pelo contrário, deve ser econômico. "Escrever é cortar palavras"é uma máxima a respeitar. Para dizermos que o Presidente da República recebeu o primeiro-ministro em audiência não é preciso referir que o chefe do Governo usava um fato cinzento.
    • Princípio da precisão - Cada palavra deve ser escolhida de acordo com o seu valor semântico. As fontes devem ser claramente identificadas, exceto se necessitarem de anonimato, e desde que se respeitem as regras deontológicas e as normas em vigor no jornal. Os acontecimentos e as idéias devem ser descritos com pormenor, mas sem chegar ao irrelevante.
  • 5. Os princípios do estilo jornalístico
    • Princípio da sedução - Um texto jornalístico deve ser cativante e agradável. Deve ter vivacidade e ritmo. A sua leitura deve proporcionar prazer e gratificação.
    • Princípio do rigor - Um texto jornalístico tem de ser preciso e rigoroso. As palavras devem escolher-se de acordo com o seu valor semântico. Os acontecimentos e as relações que estes estabelecem entre si devem ser descritos com exatidão. As interpretações devem ser feitas partindo dos fatos conhecidos para os desconhecidos, das partículas elementares para as complexas, sendo obrigatório mencionar as etapas intermédias do raciocínio.
  • 6. Os princípios do estilo jornalístico
    • Princípio da eficácia - Um texto jornalístico deve construir-se de maneira a que o essencial seja imediatamente apreendido.
    • Princípio da coordenação - Um texto jornalístico deve ser encadeado, lógico, conduzido, ordenado. A informação deve ser exposta por etapas, em blocos articulados e bem definidos. Os elementos intermédios de uma linha de raciocínio devem ser expostos. Não se pode passar da descrição dos fatos à conclusão eliminando as referências aos elementos que permitiram atingir essa conclusão.
  • 7. Os princípios do estilo jornalístico
    • Princípio da seletividade - A informação de um texto jornalístico deve ser selecionada. Devem evitar-se as evidências e as irrelevâncias informativas. A capacidade de selecionar a informação é, no reino da sobre-informação, uma das marcas distintivas do bom jornalismo.
    • Princípio da utilidade - Um texto jornalístico deve ser comunicação útil, ou seja, deve ter um conteúdo útil e deve apresentar-se de forma a poder ser utilizado. O consumo e uso da informação devem ser gratificantes.
  • 8. Os princípios do estilo jornalístico
    • Princípio do interesse - Não se pode dar apenas informação importante. Há que dar também informação interessante. E há também que tornar interessante a informação importante, mesmo aquela que seja árida pela sua própria natureza.
    • Princípio da hierarquização - Geralmente, a informação jornalística deve ser hierarquizada. A hierarquização das informações que se pretendem dar ao longo da peça ajuda a estruturar o texto. As informações hierarquicamente mais importantes podem abrir a matéria, serem remetidas para o final ou ainda serem posicionadas estrategicamente ao longo da matéria.
  • 9. Tipos de enunciação jornalística
    • O texto jornalístico baseia-se, essencialmente, na descrição , nas citações , na análise e na opinião .
    • Com freqüência, os jornalistas, movidos pela sua ideologia da objetividade, procuram separar a informação factual dos comentários (analíticos ou opinativos). Esta é uma "regra"ainda significativamente viva na imprensa ocidental.
  • 10. Tipos de enunciação jornalística
    • Texto descritivo
    • O texto descritivo jornalístico1 descreve alguma coisa. No jornalismo, geralmente usa-se o texto descritivo para descrever um fato, um acontecimento ou uma idéia, bem como as suas evoluções. A descrição jornalística serve, essencialmente, para trazer informação ao domínio público.
  • 11. Tipos de enunciação jornalística
    • Texto analítico
    • No jornalismo, a enunciação analítica fica a meio caminho entre a descrição e a opinião. Aliás, nem sempre é fácil destrinçar a análise da opinião, porque, com freqüência, ao analisar o jornalista também opina.
    • Analisar corresponde a uma dissecação da realidade, ao exame de um acontecimento ou de uma idéia, parte por parte. A análise serve-se dos fatos conhecidos e descritos para interpretar acontecimentos e idéias, para fazer correlações entre os acontecimentos, para traçar as suas implicações, para explicar ocorrências, conjunturas e situações.
  • 12. Tipos de enunciação jornalística
    • Se descrever serve para trazer informação ao domínio público, analisar serve para gerar conhecimento. Fazer análise representa, portanto, fazer um jornalismo mais profundo e ambicioso do que o jornalismo descritivo, baseado nas declarações das fontes ou na descrição de fatos. Mas o jornalismo analítico requer jornalistas especializados, com um sólido domínio das matérias que aborda e um amplo leque de fontes contatáveis.
  • 13. Tipos de enunciação jornalística
    • Texto opinativo
    • Se, na sua essência, a descrição visa tornar pública a informação e se a análise visa gerar conhecimento, a opinião visa influenciar o público e contribuir para o debate de idéias, acontecimentos e problemáticas, enriquecendo o fórum público (por vezes transformado em arena pública). Para se dar uma opinião pertinente é preciso sabedoria. Se a descrição gera informação pura e se a análise produz conhecimento, a opinião é uma manifestação de saber.
    • O texto opinativo é um enunciado jornalístico menos comum do que o texto descritivo e o texto analítico. Os jornalistas, geralmente, tentam separar a informação (descrição e análise) da opinião. A opinião fica reservada a especialistas, colunistas e opinantes.
  • 14. Tipos de enunciação jornalística
    • Enunciação mista
    • A enunciação mista é uma das marcas do jornalismo atual. A descrição e as citações conjugadas com a análise constituem, provavelmente, o tipo mais comum de enunciação mista no campo jornalístico. Mas também se encontram exemplos de enunciação mista em que descrição, citações e opinião se conjugam e até em que estão presentes os vários tipos de enunciação.
  • 15. Tipos de enunciação jornalística
    • Citações
    • As citações podem ser diretas ou parafraseadas. Consideram-se citações diretas aquelas em que se reproduz o discurso de uma fonte entre aspas. Consideram-se paráfrases as citações em que o jornalista usa palavras suas para descrever aquilo que a fonte disse. Em ambos os casos deve remeter-se claramente a informação para a fonte citada.
    • Nas citações diretas pode modificar-se ligeiramente a forma original do discurso, desde que não se modifique o sentido do mesmo. Faz-se isto para adequar a citação à forma da notícia e para corrigir problemas gramaticais, nomeadamente problemas sintáticos decorrentes da enunciação oral.
  • 16. Gêneros jornalísticos
    • Notícia
    • Enquanto gênero jornalístico, a notícia é, essencialmente, um pequeno enunciado reportativo, um discurso sobre um acontecimento A menos que consideremos também a realidade dos órgãos jornalísticos, obviamente, mas raciocinar desta maneira seria incorrer num preciosismo desnecessário para o caso recente (ou, pelo menos, de que só no presente se tenha conhecimento), vários acontecimentos ou desenvolvimentos de acontecimentos.
    • Representa também informação nova, atual e de interesse geral. É o gênero básico do jornalismo.
  • 17. Gêneros jornalísticos
    • Entrevista
    • Só se considera a entrevista como um gênero jornalístico autônomo quando é apresentada isoladamente ou como parte importante de uma peça jornalística. Esta asserção justifica-se pela presença constante de elementos de entrevista em notícias e reportagens.
    • A pergunta é a principal técnica jornalística de recolha de dados junto de fontes humanas.
  • 18. Gêneros jornalísticos
    • As entrevistas podem classificar-se de várias maneiras. Com base em Erbolato (1985: 140-145), poderiam distinguir-se as seguintes:
    • Quanto à origem
      • Entrevistas de rotina - Entrevistas do dia a dia.
      • Entrevistas caracterizadas - Entrevistas de grande importância e destaque num jornal.
  • 19. Gêneros jornalísticos
    • Quanto ao estilo
      • Entrevistas pergunta-resposta - Entrevistas em que a uma pergunta do jornalista sucede a resposta do entrevistado, e assim sucessivamente. Este é, provavelmente, o estilo de entrevista mais comum na atualidade.
      • Entrevistas em “discurso indireto” - Entrevistas em que as respostas do entrevistado são integradas num texto que integra outras informações, funcionando, portanto, como citações. Este estilo facilita ao jornalista a interpretação das características pessoais do entrevistado, a valorização das declarações do mesmo e o relacionamento de fatos com as declarações do entrevistado no seio da entrevista.
  • 20. Gêneros jornalísticos
    • Quanto aos entrevistados
      • Entrevistas individuais - Entrevista a um único entrevistado.
      • Entrevista de grupo - Entrevista a vários entrevistados.
    • Quanto aos entrevistadores
      • Entrevista coletiva - Entrevista de um ou vários entrevistados a um ou vários entrevistadores. As conferências de imprensa são entrevistas coletivas.
      • Entrevista pessoal ou exclusiva - Entrevista de um ou vários entrevistados a um único entrevistador.
  • 21. Gêneros jornalísticos
    • Quanto ao tipo
      • Entrevista de personalidade - Entrevista em que se procura revelar o modo de ser, o pensamento e a vida de uma pessoa, geralmente de uma figura-pública.
      • Entrevista de declarações - Entrevista em que se procuram obter declarações de um entrevistado sobre um ou vários temas. É o tipo mais comum de entrevista. As entrevistas de atualidade são um subtipo das entrevistas de declarações que se caracteriza pela busca de informações junto de fontes autorizadas sobre temas de interesse público no momento.
  • 22. Gêneros jornalísticos
      • Entrevista mista - Entrevista que mistura aspectos da entrevista de personalidade e da entrevista de declarações.
      • Inquérito - Entrevista em que uma mesma pergunta ou um mesmo conjunto de perguntas é colocado a vários entrevistados.
      • Mesa-Redonda - Entrevista que corresponde à transposição das declarações de vários participantes num debate moderado pelo jornalista.
    • Quanto ao tamanho
      • Entrevista curta - Entrevista de pequena dimensão.
      • Grande entrevista - Entrevista de grande dimensão, geralmente feita a uma figura pública.
  • 23. Gêneros jornalísticos
    • Reportagem
      • Se a notícia é o gênero básico do jornalismo, a reportagem é o seu gênero nobre, o gênero jornalístico por excelência.
      • O principal objetivo de uma reportagem é informar com profundidade e exaustividade, contando uma história. No meio jornalístico ouve-se frequentemente a expressão “uma reportagem é uma notícia vista à lupa”.
  • 24. Gêneros jornalísticos
    • Mas, neste gênero, procura-se ainda que o leitor “viva” o acontecimento. Para o conseguir, a reportagem pode abrigar elementos da entrevista, da notícia, da crônica, dos artigos de opinião e de análise, etc.
    • Desta perspectiva, pode considerar-se a reportagem um gênero jornalístico híbrido, que vai buscar elementos à observação direta, ao contacto com as fontes e à respectiva citação, à análise de dados quantitativos, a inquéritos, em suma, a tudo o que possa contribuir para elucidar o leitor.
  • 25. Gêneros jornalísticos
    • Muniz Sodré e Maria Helena Ferrari (1986: 15) definem como principais características da reportagem as seguintes:
      • Predominância da narração;
      • Humanização do relato;
      • Texto impressivo;
      • Factualidade da narrativa.
  • 26. Gêneros jornalísticos
    • Editorial
      • O editorial é um gênero jornalístico argumentativo. Em princípio, é no editorial que se dá conta do posicionamento coletivo de um jornal sobre um determinado assunto problemático da atualidade.
      • Por isso, um editorial é sempre da responsabilidade da direção do órgão jornalístico ou de alguém da sua inteira confiança.
      • Geralmente, o editorial é motivado por assuntos tratados no jornal e é elaborado em conformidade com a linha de orientação do órgão jornalístico, consubstanciada no respectivo estatuto editorial.
  • 27. Gêneros jornalísticos
    • Crônica
      • O termo crônica provém da palavra grega cronos , que significa tempo. Em conformidade com o sentido etimológico da palavra, o cronista é alguém que escreve periodicamente para um jornal.
      • Assim sendo, o termo crônica serve primeiramente para designar as peças assinadas por um cronista regular de um jornal ou de uma revista. O cronista tem um espaço consagrado num periódico. Num determinado dia, numa determinada página, o leitor encontra sempre a crônica do mesmo cronista.
  • 28. Gêneros jornalísticos
    • As fotolegendas ou fotonotícias e as legendas de fotografias
      • A fotolegenda, que também pode designar-se fotonotícia, é um gênero jornalístico que tem conhecido crescente aceitação nos jornais e revistas. Como o seu próprio nome indica, consiste na união entre uma fotografia e um texto. Este funciona como uma espécie de legenda para a fotografia, mas foto e o texto beneficiam de uma relação de complementaridade e interdependência que a tornam uma unidade autônoma.
  • 29. Gêneros jornalísticos
      • Frequentemente, na fotolegenda o texto conota a fotografia, dando-lhe significados que ela não possuiria por si só. De fato, o texto pode assumir várias funções numa fotolegenda:
        • Função de ancoragem , já que contribui para dar à fotografia um determinado significado;
        • Função de complemento , já que completa informativamente a foto, superando os condicionalismos informativos da imagem;
        • Função de atenção , já que pode chamar a atenção para determinados pormenores da fotografia, nomeadamente aqueles que podem passar despercebidos ao leitor.
  • 30. Gêneros jornalísticos
    • Artigos
      • Denominam-se artigos as peça de caráter jornalístico que não se enquadram nos restantes gêneros nem se podem situar na zona nebulosa das fronteiras que estes últimos estabelecem entre si.
      • Normalmente, os artigos possuem uma natureza interpretativa, explicativa e/ou persuasiva. São, portanto, peças assumidamente subjetivas e pessoais. O articulista pretende, no entanto, compartilhar a sua visão do mundo, expressa no artigo, com o leitor.
      • Por esta razão, o texto não pode ser elaborado de qualquer maneira, nem o tema do artigo pode ser escolhido ao acaso.