Évora Solidária  A Revista do Projecto
O projecto...       Escola Secundária Gabriel Pereira                                                                     ...
“Évora Solidária – Porquê?”    ao folhear este exemplar, o leitor pode estar a in-terrogar-se sobre a razão pela qual esco...
a ideia é que autarquias, empresas e instituições de solidariedade                                                        ...
2011                                         É muito importante consciencializar os jovens paravai SEr o aNo EuroPEu do vo...
OBRIGADO                                       São por isso necessárias campanhas de sensibilização                       ...
Análise da Situação Social em Évora    Nos gráficcos apresentados na página aolado, podemos observar osproblemas sociaisvi...
Duarte Godinho            João Passinhas             Nuno FalcãoEscola Secundária Gabriel Pereira 2010/2011
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Evora solidária

710

Published on

revista do Projecto Évora Solidária

Published in: Education
0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total Views
710
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
2
Actions
Shares
0
Downloads
2
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Evora solidária

  1. 1. Évora Solidária A Revista do Projecto
  2. 2. O projecto... Escola Secundária Gabriel Pereira Évora Solidária... Ajude Hoje para um Melhor Amanhã! Queremos agradecer a... Paróquia Da Nossa Senhora Da Saúde Junta De Freguesia Do Bacêlo Cáritas Banco Alimentar Ine - Instituto Nacional De Estatistica Fundação Eugénio De Almeida ...Os alunos Duarte Godinho, João Passinhas e Nuno Falcão têm o prazer de apresentar.... Pela sua contribuição na construção deste projecto!1 2
  3. 3. “Évora Solidária – Porquê?” ao folhear este exemplar, o leitor pode estar a in-terrogar-se sobre a razão pela qual escolhemos umtema tão delicado como o que temos em mão. Afinal,Solidariedade e ajuda social não são temas fáceis, comos quais se possa brincar. Mas também, quem disse que Situação profissional da população residente no Centro Históricoum trabalho simples traz a felicidade aos seus execu-tores? Sentimos que a cidade de Évora necessitava dealguma iniciativa deste género que chamasse a atençãoda população para todos os problemas que embora nãopareçam influenciar a nossa vida, influenciam a nossavivência em sociedade. o Banco alimentar de Évora angariou 100 toneladas Como tal, arregaçámos as mangas e procedemos de produtos na campanha de recolha de 27 e 28 dea investigações e entrevistas a diversas instituições, Novembro de 2010.como forma de compilarmos as experiências daquelesque todos os dias se preocupam em trazer um pouco Na zona de actuação do Banco alimentar Contramais de qualidade de vida àqueles que têm tão pouco. a Fome de Évora foram angariadas 100 toneladas de Também procurámos um pouco de saber empírico, produtos alimentares na última campanha de recolha.ao entrarmos em contacto com a campanha de dia 27e 28 de Novembro do Banco alimentar para recolha de os bens alimentares serão distribuídos local-alimentos, fazendo de voluntários por 2 dias. mente, já a partir da próxima semana, a 8.480 pes- queremos com este manuscrito, não só divulgar os soas com carências alimentares comprovadas, atravésresultados dos nossos estudos, mas também procurar de 91 instituições de Solidariedade Social previa-criar um banco de voluntariado com alunos da ESGP, mente seleccionadas para o efeito e supervisionadascomo forma de ajudarmos a suprimir as faltas de pes- pelo Banco.soal nas iPSS, Paróquias e outras instituições que tra- a campanha mobilizou cerca de 830 voluntários,balhem na área social. que recolheram as contribuições efectuadas nos 77 supermercados onde foi organizada a recolha. um bem-haja a todos 3 4
  4. 4. a ideia é que autarquias, empresas e instituições de solidariedade social possam encontrar nas escolas um sítio, um pólo, onde possam fazer a divulgação das suas actividades para que todos os actores da comunidade possam dar o seu contributo, encontrando aí os seus pon- tos de interesse, explicou o deputado. o voluntariado deve ser visto pela sociedade civil como um factor de humanização, aliás um preceito pelo qual o nosso projecto – Évora Solidária – luta. Numa altura de grave crise económica e social, considero que é o voluntariado – as premente fortalecer este sector. dar mais condições e melhorar a sua soluções e as respostas eficácia – tanto aos voluntários em si como às organizações e institu- ições - reconhecendo a sua livre iniciativa e, principalmente, a forma como este sector muitas vezes se adianta e realiza funções de apoio e O voluntariado interessa ao nosso projecto, porque afinal com a rede comunitária. Na verdade, esta rede, especialmente na área social,análise das carências sociais da cidade, procuramos dar resposta aos é muitas vezes a mais importante ajuda a quem precisa.problemas identificados. o apoio e a segurança que devem ser dados aos voluntários nãoTentaremos fazer a ligação entre as iPSS onde o voluntariado é podem, no entanto, servir para o Estado asfixiar ou pretender dirigirnecessário e os interessados. Esta ligação será feita através do nosso estas pessoas ou instituições. Pelo contrário, deve ser reconhecida aFórum - Banco de voluntariado. sua independência e o seu trabalho deve ser visto como um exercício infelizmente, a questão do voluntariado não é muito relevado de responsabilidade cívica e social, um instrumento para o desenvolvi-pelos partidos de actual espectro político-partidário português. a única mento da sociedade civil e para a coesão social.força política que propôs um caderno de encargos na área do voluntar- quanto aos voluntários, devemos apostar especialmente em duasiado e da solidariedade social foi o CdS-PP. Não se trata de fazer prop- áreas: o voluntariado sénior, que depois da aposentação dispõe deaganda a qualquer força política concreta, todavia há que dar o mérito tempo e de conhecimentos que não podem ser desperdiçados; e, pora quem o tem. outro lado, aproveitar o potencial de generosidade do voluntariado jo-Neste caso, debruçar-me-ei sobre o CdS-PP, um partido de inspiração vem.Cristã, ou não fosse o seu baluarte ideológico a democracia-cristã. a esta aposta, junte-se a necessária modernização e actualização o CdS-PP propôs a criação de um pólo onde autarquias, empre- perante a realidade actual do voluntariado. Por exemplo, existem, cadasas e instituições possam colocar actividades que mobilizem alunos, vez mais pessoas dispostas a ajudar, com o seu tempo e trabalho, vol-pais, professores e funcionários na ajuda à comunidade. untariamente, a um nível de proximidade dos problemas, mas que poro CdS-PP defende esta medida para o secundário por ser «onde os várias razões, não se enquadram no trabalho mais institucional. umalunos têm mais autonomia» para participar em actividades sociais e novo paradigma de voluntariado deve nascer em Portugal. E está nascívicas. mãos de nós jovens lutar para que isso aconteça!!! a iniciativa do CdS-PP destina-se a assinalar o ano Europeu do Por outro lado, como os donativos de empresas são dedutíveis emvoluntariado e da Cidadania activa. sede fiscal, também a prestação voluntária de serviços de profissionais«o voluntariado reúne muitos jovens em todo o país e pretendemos liberais (como o apoio médico, jurídico, de gestão e organização, entreque, assim, também as escolas possam ajudar a divulgar», referiu muitos outros) deve ter um tratamento fiscal favorável.Paulo Portas. 5 6
  5. 5. 2011 É muito importante consciencializar os jovens paravai SEr o aNo EuroPEu do voluNTariado E da a importância do voluntariado. E nos dias de hoje a ju- CidadaNia aCTiva ventude tem muita facilidade em ingressar nas filei- ras de programas de voluntariado. Basta, por exemplo, dirigiram-se ao pólo sócio-caritativo da sua paróquia e inscreverem-se como voluntários para qualquer pro- jecto. assim, de uma forma simples poderão ajudar o 2011 será o ano europeu próximo, o que ao mesmo tempo lhes dá um currículo no voluntariado. ora não po- mais vasto, que é cada vez mais relevado na sociedade deria ser duma maior pertinên- meritocrática do emprego com responsabilidade social. cia o nosso projecto, precisa- uma iniciativa de louvar sem dúvida das Co- mente no ano do voluntariado! munidades Europeias, a criação do ano do volun- a sociedade civil tem de es- tariado. Mais do que voluntariado, é preconizada tar desperta para a problemáti- uma cidadania activa, já explanada anteriormente. ca social, na medida em que não Enquanto elemento dum projecto que se distingue dos pode (nem deve) caber ao Es- demais, nomeadamente na responsabilidade social, posso tado as preocupações concre- concluir que todas as aprendizagens que tenho feitos nas tas com os problemas sociais. deslocações às fundações, iPSS’s e paróquias me darão Eu defendo uma sociedade um flanco humanitário e social importante na prossecução proactiva, em que o cidadão de um futuro enquanto actor social, nomeadamente esteja no centro de todas as at- enquanto actor político (se for esta a minha vocação). enções, por conseguinte esse cidadão deverá ser consciente João Passinhas do seu papel no todo social, e actuar de forma a diminuir as assimetrias sociais e a dirimir os problemas que possam surgir da má distribuição da riqueza. Fontes de rendimento dos agregados familiares residenrtes no Centro Histórico de Évora 7 8
  6. 6. OBRIGADO São por isso necessárias campanhas de sensibilização dos jovens nas escolas, e pontos de encontro regular, e, como forma de incentivar à ajuda, que esta conte para a formação da sua carreira profissional, pois verdade seja Com o nosso “honesto estudo”, com “experiência mis- dita, o voluntariado fomenta um espírito empreendedor, eturado”, chegámos a respostas sobre a estrutura solidária de de luta, que será importante em estágios mais longínquosÉvora, que demonstram como, apesar de pouco difundida, a da nossa vida.ajuda e o combate às assimetrias sociais tem sido feita, umas queremos pois, com este manuscrito, agradecer a to-vezes melhor outras pior, mas tem garantido uma melhoria de das as iPSS em Évora, que trabalham arduamente, e diaria-vida (apesar de apenas parcial), à população eborense. mente para ajudar quem necessita, para tentar criar mais de facto, as iPSS em Évora, estão estruturadas de forma igualdade entre todos, e também agradecer todo o apoiohierárquica, tendo no topo a Fundação Eugénio de almeida, que nos têm oferecido, ao disponibilizar informação, recur-que financia, e formula orçamentos a distribuir a outros pólos sos humanos, e mesmo experimentar ser voluntário, ex-de ajuda (como paróquias, Banco alimentar, Caritas, etc.), ou periência que não esqueceremos, e tentar sensibilizar o cor-seja, financia as instituições que trabalham em áreas difer- po estudantil da ESGP para estes problemas, que apesar deentes, mas de forma integrada no esbatimento das carências. escondidos, estão sempre presentes. apesar deste esforço, cálculo, e procura em ajudar damelhor forma, a origem dos fundos, do Estado português,nem sempre é suficiente, dando menos possibilidades demovimentação e melhores campanhas de protecção dos quepouco ou nada têm. Tivemos oportunidade de estar presentes na campanhade recolha de alimentos do B.a., e observarmos “in loco” asfunções de um voluntário. diga-se de passagem, que as sen-sações experienciadas, dão ânimo, e fazem-nos sentir úteis. Afinal, hoje não preciso, mas amanhã quem sabe? Estaexperiência também nos mostrou que apesar dos voluntáriosque já existem, ainda é necessária muita participação doscidadãos para esta causa, que cada vez necessita de maisajudantes, especialmente jovens, uma vez que os voluntáriossão normalmente idosos, que também têm dificuldades, nor-malmente de transporte, ou de saúde. 9 10
  7. 7. Análise da Situação Social em Évora Nos gráficcos apresentados na página aolado, podemos observar osproblemas sociaisvividos pela população de Évora, assim como afatia da população que usufrui de apoios sciais, equal o apoio que dispôem, no decorrer do ano de2007. Entre os problemas com maior ocorrência nafreguesia de St.º antão, temos a pobreza, isola-mento e abandono, doença, degradação hab-itacional e desemprego. Só estes, representam85% do total dos problemas (e as pessoas quesofrem destas carências, representam 17,1% dapopulação residente nesta freguesia).. No gráfico de baixo, podemos observar que amaior parte da população não usufrui de apoios,e que da pequena percentagem que usufrui, re-correm maioritariamente à Cáritas e à St.ª Casada Misericórdia de Évora. a conclusão a que chegamos é simples, apopulação de Évor apresenta assimetrias a nívelsocial, tomando o exemplo desta freguesia donosso concelho, como observámos. 11 12
  8. 8. Duarte Godinho João Passinhas Nuno FalcãoEscola Secundária Gabriel Pereira 2010/2011

×