• Share
  • Email
  • Embed
  • Like
  • Save
  • Private Content

Loading…

Flash Player 9 (or above) is needed to view presentations.
We have detected that you do not have it on your computer. To install it, go here.

Like this document? Why not share!

Teorias da aprendizagem

on

  • 3,327 views

 

Statistics

Views

Total Views
3,327
Views on SlideShare
3,327
Embed Views
0

Actions

Likes
2
Downloads
65
Comments
0

0 Embeds 0

No embeds

Accessibility

Upload Details

Uploaded via as Microsoft Word

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

    Teorias da aprendizagem Teorias da aprendizagem Document Transcript

    • TEORIAS DA APRENDIZAGEM archivo del portal de recursos para estudianteswww.robertexto.com<br />Organização de Celso Oliveira<br />cmo@esoterica.pt <br />BEHAVIORISMO (" Teóricos do Comportamento" )<br />Definição<br />Teoria da aprendizagem (humana e animal) que se centra apenas nos " comportamentos objectivamente observáveis" negligenciando as actividades mentais... A aprendizagem é simplesmente definida como a aquisição de um novo comportamento.<br />Princípios do Behaviorismo<br />A forma mais simples de aprendizagem é a habituação, isto é, a diminuição da tendência para responder aos estímulos que, após uma exposição repetida, se tornaram familiares. O organismo aprende que já encontrou um dado estímulo numa situação anterior. <br />O " condicionamento" é um processo universal de aprendizagem: <br />1) Condicionamento clássico : engloba o reflexo natural de resposta a um estímulo. O organismo aprende a associar dois estímulos :<br />- o EI (estímulo incondicionado) - que surge antes do condicionamento e evoca uma RI (resposta incondicionada); <br />- o EC (estímulo condicionado) - estímulo que se emparelha sucessivamente ao EI e que acaba por evocar uma RC (resposta condicionada) em geral semelhante à RI.<br />2) Condicionamento instrumental (operante) : que envolve o reforço da resposta ao estímulo. Trata-se de um simples sistema de retroacção (feedback) que obedece à lei do efeito de Thorndike segundo a qual a tendência para realizar a resposta é fortalecida se esta for seguida de recompensa (reforço) e enfraquecida se não o for. Ao contrário do que acontece no " condicionamento clássico" - em que a RC é evocada pelo EC - no " condicionamento operante" a " RC é emitida do interior do organismo" (Skinner).<br />Críticas:<br />a) Não leva em conta algumas capacidades intelectuais das espécies superiores;<br />b) Não explica alguns tipos de aprendizagem , como por exemplo o reconhecimento de padrões de fala diferentes detectados em bebés que não tinham sido antes reforçados para tal;<br />c) Não explicam alguns dados conhecidos de adaptação, por parte de alguns animais, dos seus comportamentos (previamente reforçados ) em novos contextos... <br /> <br />O CONSTRUTIVISMO<br />Definição:<br />Teoria da Aprendizagem que parte do pressuposto de que todos nós construimos a nossa própria concepção do mundo em que vivemos a partir da reflexão sobre as nossas próprias experiências.<br />Cada um de nós utiliza " regras" e " modelos mentais" próprios (que geramos no processo de reflexão sobre a nossa experiência pessoal), consistindo a aprendizagem no ajustamento desses " modelos" a fim de poderem " acomodar" as novas experiências...<br />Princípios do Construtivismo<br />1) A Aprendizagem é uma constante procura do significado das coisas. A Aprendizagem deve pois começar pelos acontecimentos em que os alunos estão envolvidos e cujo significado procuram construir...<br />2) A construção do significado requer não só a compreensão da " globalidade" como das " partes" que a constituem. As " partes" devem ser compreendidas como integradas no " contexto" das " globalidades" . O processo de aprendizagem deve portanto centrar-se nos " conceitos primários" e não nos " factos isolados" .<br />3) Para se poder ensinar bem é necessário conhecer os modelos mentais que os alunos utilizam na compreensão do mundo que os rodeia e os pressupostos que suportam esses modelos.<br />4) Aprender é construir o seu próprio significado e não o encontrar as " respostas certas" dadas por alguém.<br />(Jackeline e Martin BROOKS : " The Case for Constructivist Classrooms) <br /> <br />A PERSPECTIVA DESENVOLVIMENTALISTA DE PIAGET<br />Definição<br />Modelo que se baseia na ideia de que a criança, no seu desenvolvimento, constrói estruturas cognitivas sofisticadas - que vão dos poucos e primitivos reflexos do recém-nascido até às mais complexas actividades mentais do jovem adulto. De acordo com Piaget, a estrutura cognitiva é um " mapa" mental interno, um " esquema" ou uma " rede" de conceitos construidos pelo indivíduo para compreender e responder às experiências que decorrem dentro do seu meio envolvente.<br />Princípios<br />A teoria de Piaget identifica quatro estádios de desenvolvimento e um conjunto de processos através dos quais acriança progride de um estádio a outro:<br />1) Estádio Sensório-Motor ( do nascimento aos 2 anos) - a criança, através de uma interacção física com o seu meio, constrói um conjunto de " esquemas de ac¡ão" que lhe permitem compreender a realidade e a forma como esta funciona.Acriança desenvolve o conceito de permanência do objecto, constrói alguns esquemas sensório-motores coordenados e é capaz de fazer imitações genuínas (adquirindo representações mentais cada vez mais complexas);<br />2) Estádio Pré-Operatório (2 - 6 anos) - a criança é competente ao nível do pensamento representativo mas carece de operações mentais que ordenem e organizem esse pensamento. Sendo egocêntrica e com um pensamento não reversvel, a´criança não é ainda capaz, por exemplo de conservar o número e a quantidade.<br />3) Operações Concretas (7 - 11 anos) - conforma a experiência física e concreta se vai acumulando, a criança começa a conceptualizar, criando " estruturas lógicas" para a explicação das suas experiências mas ainda sem abstracção.<br />4) Operações Formais (11- 15 anos) - Como resultado da estruturação progressiva do estádio anterior a criança atinge o raciocínio abstracto, conceptual, conseguindo ter em conta as hipóteses possíveis e sendo capaz de pensar cientificamente. <br /> <br />A perspectiva das NEUROCIÊNCIAS<br />Definição<br />As neurociências dedicam-se ao estudo do sistema nervoso humano, ao estudo do cérebro e das bases biológicas da consciência, da percepção, da memória e da aprendizagem.<br />Princípios<br />* O sistema nervoso e o cérebro são as bases físicas/biológicas do nosso processo de aprendizagem,o suporte material do funcionamento intelectual<br />* O suporte material do funcionamento intelectual, surge como um órgão composto por três cérebros: o arqueocortex (cérebro " réptil" , que data de há 250 milhões de anos), que controla as funções básicas sensório-motoras, assegurando as relações com o meio e a adaptação; o paleocortex (cérebro " límbico" , que data dos " mamíferos" , há 150 milhões de anos), que controla as emoções elementares (medo, fome, ...), o instinto genésico (relativo à procriação), a memória, o olfacto e outros instintos básicos; o " neocortex" (que data dos novos mamíferos de há algumas centenas de milhares de anos), que representa cerca de 85% da massa cerebral e que controla a cognição, o raciocínio a linguagem e a inteligência.<br />* O cérebro não é um computador - A estrutura das conexões neuronais no cérebro é livre, flexível, " como que uma teia" , sobreposta e redundante. Para um sistema como este é impossível funcionar como qualquer computador de processamento linear ou paralelo. A melhor descrição do cérebro será vê-lo como " um sistema auto-regulável" .<br />* O cérebro altera-se com o uso através de toda a vida. A concentração mental e o esfor¡o alteram a estrutura física do cérebro.<br />* Os neurónios (células nervosas), conectados entre si através das " dendrites" , são cerca de 100 biliões e podem ter entre 1 e 10 000 sinapses cada um. A complexidade das conexões possíveis é incalculável e o próprio padrão das conexões sinápticas pode alterar-se com o uso do cérebro, isto é, após uma conexão sináptica estabelece-se um padrão que faz com que essa mesma conexão seja mais fácil numa próxima vez (resultando mesmo numa alteração física da sinapse), como acontece por exemplo no campo da memória. <br /> <br />AS MÚLTIPLAS INTELIGÊNCIAS (Howard Gardner)<br />Definição<br />Teoria desenvolvida por Gardner que sugere a existência de pelo menos 7 inteligências distintas, isto é, de 7 distintas maneiras de perceber e " conhecer" o mundo e de as pessoas resolverem os problemas que lhes surgem, correspondendo de alguma forma a 7 estilos de aprendizagem.<br />Princípios<br />Gardner define " Inteligência" como um conjunto de competências que:<br />é autónomo das outras capacidades humanas; <br />tem um núcleo base de operações de " processamento de informação" ; <br />tem uma história diferenciada de desenvolvimento (estádios de desenvolvimento por que todas as pessoas passam); <br />tem raízes prováveis na evolução filogenética; e <br />pode ser codificada num sistema de símbolos . <br />As sete inteligências identificadas por Gardner são:<br />Verbal / Linguística - A habilidade para " brincar com as palavras" , contar histórias, ler e escrever. A pessoa com este estilo de aprendizagem tem facilidade em recordar nomes, lugares, datas e coisas semelhantes; <br />Lógica / Matemática - A capacidade para " brincar com as questões" , para o raciocínio e pensamento indutivo e dedutivo, para o uso de números e resolução de problemas matemáticos e lógicos; <br />Visual / Espacial - Habilidade para visualizar objectos e dimensões espaciais, para criar " imagens" internas. Este tipo de pessoas adoram desenhar, pintar, visitar exposições, visualisar slides, videos e filmes... <br />Somato-Quinestésica - Conhecimento do corpo e habilidade para controlar os movimentos corporais. As pessoas com este " tipo de inteligência" movem-se enquanto falam, usam o corpo para expressar as suas ideias, gostam de dançar, de praticar desportos e outras actividades motoras. <br />Musical - Rítmica - Habilidade para reconhecer sons e ritmos; trata-se de pessoas que gostam de ouvir música, de cantar e até de tocar algum instrumento musical. <br />Interpessoal - Capacidade de relacionamento interpessoal. São pessoas que estão sempre rodeadas de amigos e gostam de conviver. <br />Intrapessoal - Auto-reflexão, metacognição e consciência das realidades espirituais. São pessoas que preferem " estar sós" e pouco dadas a convívios. <br />(Gardner - Frames of Mind: The Theory of Multiple Intelligences) <br /> <br />OS ESTILOS DE APRENDIZAGEM<br />Definição<br />Teoria da Aprendizagem que parte da ideia de que os indivíduos têm diferentes maneiras de " perceber" e de " processar a informação" o que implica diferenças nos seus processos de aprendizagem.<br />Princípios<br />O conceito de " estilos de aprendizagem" tem a sua raíz na Psicologia, especialmente na classificação dos " tipos psicológicos" (C. Jung).<br />Das interacções entre os dados genéticos do indivíduo e as exigências do meio resultam diferentes formas de recolher e processar a informação, podendo apontar-se os seguintes tipos:<br />Relativamente à Recolha da Informação :<br />Os Concretos - recolhem a informação através da experiência directa, fazendo e agindo, percebendo e sentindo; <br />Os Abstractos - Recolhem a informação através da análise e observação, pensando... <br />Relativamente ao Processamento da Informação :<br />Os Activos - Fazem imediatamente qualquer coisa com a informação que recolheram da experiência; <br />Os Reflexivos - Após a recolha de novas informações pensam nelas e reflectem sobre o assunto. <br />(McCarthy - Teaching to Learning Styles with Right/Left Mode Techniques) <br /> <br />CÉREBRO DIREITO / CÉREBRO ESQUERDO<br />Definição<br />Uma teoria acerca da estrutura e funções do cérebro que sugere que:<br />a) os diferentes hemisférios cerebrais controlam diferentes " modos" de pensar;<br />b) todos nós temos uma preferência por um ou outro desses modos.<br />Princípios<br />A investiga¡ão tem demonstrado que os dois lados (hemisférios) do cérebro são responsáveis por diferentes modos de pensamento admitindo-se que, em geral, essa divisão implica:<br />  <br />Hemisfério Esquerdo Hemisfério Direito LógicoAleatórioSequencialHolístico (simultâneo)RacionalIntuitivoAnalíticoSintéticoObjectivoSubjectivoPercebe o pormenorPercebe a forma<br />A maioria dos indivíduos tem uma preferência por um destes estilos de pensamento; no entanto, algumas pessoas são adeptas dos dois estilos (ambidextras). Em geral a Escola tende a valorizar o modo de pensar do hemisfério esquerdo (que enfatiza o pensamento lógico e a análise) em detrimento do modo característico do hemisfério direito (que é mais adequado para as artes, os sentimentos e a criatividade).<br />(Bernie McCarthy - Teaching to Learning Styles with Right/Left Mode Techniques) <br /> <br />A APRENDIZAGEM CONSCIENTE<br />" De acordo com os resultados dos estudos experimentais em pedagogia podemos definir sete estádios de aprendizagem humana ao longo de toda a vida ...<br />Primeiro Estádio: Aprendizagem de sinais em função de estímulos-respostas, quer vegetativos, quer involuntários;<br />Segundo Estádio: Aprendizagem das relações estímulos-respostas musculares ou voluntárias;<br />Terceiro Estádio: Aprendizagem de cadeias mentais ou verbais;<br />Quarto Estádio: Aprendizazgem de uma discriminação múltipla, isto é, escolha voluntária entre várias respostas em função de um estímulo dado;<br />Quinto Estádio: Aprendizagem de um conceito, isto é, escolha entre várias respostas em função de vários estímulos;<br />Sexto Estádio: Aprendizagem de um princípio, isto é, combinação de conceitos que conduzem ao conhecimento, no quadro de um contexto.<br />Sétimo Estádio: Aprendizagem da resolução de um problema, isto é, reflexão tendo em conta o meio.<br />" É preciso insistir no facto de os processos de aprendizagem serem baseados no sistema de comunica¡ão entre o cérebro e o meio, por intermédio do corpo." <br />(Daniel Dubois (1994): " O Labirinto da Inteligência. Da Inteligência Natural à Inteligência Fractal" ; Lisboa: Instituto Piaget; pg 38) <br /> <br />Aprendizagem e Inteligência Artificial - Alguns Conceitos ...<br />Daniel Dubois ( engenheiro civil / cibernética)<br />" A inteligência é como um prisma de numerosas faces. Não se trata de uma qualidade própria das condutas humanas, mas sim de uma função auto-organizadora de comportamentos que se desenvolvem e evoluem. O cérebro humano não é o único suporte da inteligência: qualquer outro sistema, quer seja natural ou artificial, pode engendrar comportamentos inteligentes... O objectivo de um sistema inteligente é reconstruir a (ou as) melhor(es) representação (ões) do seu meio e de si próprio, a fim de adquirir o máximo de autonomia e de ser o menos possível sensível às flutuações do meio. Para atingir este objectivo, ele desenvolve a actividade de aprender e de auto-aprender. <br />A APRENDIZAGEM é, precisamente, o processo que permite a criação de novas representações. Pode ser " inculcada" , no sentido em que estas novas representações são propostas aos sistemas inteligentes, que as assimilam. A auto-aprendizagem é o processo pelo qual o sistema inteligente cria, por si próprio, novas representações... O cérebro humano parece ser o único sistema inteligente dotado daquilo a que chamamos a meta-aprendizagem [aprendizagem da aprendizagem - que pode ser " inculcada sob a forma de regras/instruções] e a meta-auto-aprendizagem [reflexão do sistema sobre os seus próprios métodos de auto-aprendizagem - que se assemelha ao fenómeno da consciência]" (O labirinto da Inteligência, pp. 15-17) <br />Georges Vignaux ( neuropsicologia)<br />" ... qualquer aprendizagem num sistema ou num ser vivo manifestar-se-á pela aquisição de uma ou mais propriedades que não são inatas neste sistema ou neste ser ..." ( As ciências cognitivas ; pp.135) <br /> <br />O MODELO DE APRENDIZAGEM BASEADO EM REGRAS<br />( Segundo Daniel Dubois)<br />Ideias principais:<br />" Os patrimónios genéticos dos seres vivos são mais ricos em regras de aprendizagem do que em informações" [... os ratos (como demonstrou Tolman) constroem mapas mentais do seu espaço familiar; as abelhas dispõem de mapas mentais estabelecidos no decurso de uma fase instintiva de reconhecimento do território; experiências com pombos sugerem que eles têm uma capacidade inata de generalização de certos conceitos ...] <br />Muitos animais, como parecem provar as investigações feitas no domínio das neurociências, estão mais particularmente aptos em certos domínios favorecidos pela selecção natural e são particularmente " estúpidos" ou inaptos no que toca às aprendizagens que não têm que ver com o seu estilo de vida. <br />No entanto, " O cérebro humano, para além da sua capacidade de memorizar e de tratar conhecimentos, teria a possibilidade de memorizar e tratar regras de aprendizagem por meta-aprendizagem, que é, ela própria, constituida pela memorização de meta-regras adquiridas e/ou inatas." <br />" Através da auto-aprendizagem, o cérebro humano teria, além da sua capacidade de memorizar e de tratar os conhecimentos descobertos em si próprio ou adquiridos automaticamente no exterior, a possibilidade de memorizar e de tratar auto-regras de aprendizagem, através de meta-auto-regras adquiridas e/ou inatas" . <br />" Este último tipo de aprendizagem implica decisões " conscientes" no momento ... tendo como consequência o enfraquecimento da acção do instinto sobre o homam" . <br />" Esta aprendizagem reflectida ...é uma componente essencial da inteligência humana" <br />Embora a estrutura e a função dos neurónios sejam idênticas em todos os seres vivos (animais e humanos), a organização dos fluxos de informação neuronais é própria de cada espécie ... O próprio processo de aprendizagem tem, portanto, uma parte de inato e uma parte de adquirido ... <br /> <br />OS MOMENTOS DA APRENDIZAGEM<br />(Segundo Daniel Dubois)<br />A aprendizagem envolve quatro tipos de conceitos:<br />A aprendizagem propriamente dita - processo através do qual se criam novas representações - que pode ser inculcada, no sentido em que representações já prontas podem ser propostas aos sistemas inteligentes, que as assimilam; <br />A auto-aprendizagem - processo através do qual os próprios sistemas inteligentes criam novas representações; <br />A meta-aprendizagem - processo que se refere à aprendizagem da própria aprendizagem - que pode ser inculcada sob a forma de regras que orientam, guiam ou canalizam o processo de aprendizagem; <br />A meta-auto-aprendizagem - processo referente à reflexão do sistema inteligente sobre os seus métodos de auto-aprendizagem. Neste aspecto, a meta-auto-aprendizagem assemelha-se à Consciência.   <br />