Temporada de caça aos dicionários

  • 1,868 views
Published

 

  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Be the first to comment
    Be the first to like this
No Downloads

Views

Total Views
1,868
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
1

Actions

Shares
Downloads
2
Comments
0
Likes
0

Embeds 0

No embeds

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
    No notes for slide

Transcript

  • 1. LéxicoTemporada de caça ao dicionárioMinistério Público Federal processa o Houaiss por preconceitocontra os ciganos e abre a discussão sobre até que ponto umdicionário deveria ser polticamente corretoLuiz Costa Pereira JuniorO cigano é um povo intrigante. Habita o imaginário como o tipo desgarrado e sensual, fora dalógica gregária do Ocidente e à margem de compromissos que não os de seu círculo. Segundo oHouaiss, seus hábitos itinerantes remontam a antepassados que foram do norte da Índia para ooeste, primeiro até a Pérsia, ao atual Egito, de onde se espalharam pelo mundo.
  • 2. Cultura desconhecida e mal-falada, foi muito caçada - fazia, por exemplo, companhia a socialistas,gays e judeus nos campos de concentração nazistas. No Brasil, forma minoria populosa, de 800 milpessoas. É cena corriqueira a de ciganos caracterizados, lendo a sorte ou vivendo de expedientes nascalçadas e orlas do país. Talvez por isso, sua imagem continua tão errante quanto suspeita - e éimprovável que alguém seja indiferente à reputação ambígua dos ciganos, de um lado digna eaventureira, de outro rebelde e matreira.Dicionários registram muitos sinônimos para "cigano". Dois deles estão sendo, literalmente,caçados pela Justiça.InquéritoO Ministério Público Federal em Uberlândia (MG) ajuizou ação contra o Instituto Antônio Houaisse a editora Objetiva, para que os dicionários da linha Houaiss sejam tirados de circulação até quecorrijam suas edições. O verbete "cigano" conteria preconceito e a editora teria se recusado asuprimi-lo.Duas definições foram criticadas: "aquele que trapaceia; velhaco, burlador" e "que faz barganha,que é apegado ao dinheiro; agiota, sovina". Além da retirada da obra das prateleiras e da correção, oMPF exigiu indenização, por dano moral coletivo, de R$ 200 mil.- Apesar de o dicionário mencionar que as definições são pejorativas, o mero fato de registrá-lascontribui para que continue o preconceito. Essas expressões são de uns 200 anos e só continuamporque estão no dicionário - explica Cleber Eustáquio Neves, de 50 anos, o procurador daRepública, em Uberlândia (MG), responsável pela ação.Neves atribui a dicionários o poder de influenciar o uso lexical.- As pessoas aprendem o sentido das palavras no dicionário. A definição de "trapaceiro" ou"enganador" não é mais corrente, pois a pessoa pode ser presa se disser isso dos ciganos. Umaacepção dessas não retrata mais a realidade. Todo cigano é enganador? Qualquer brasileiro pode ser- alega o procurador.RespostasA investigação começou em 2009, quando o MPF acolheu representação de um uberlandense deorigem cigana, apontando a discriminação contra seu povo.- O MPF quer que essas expressões desapareçam e o fato de um dicionário registrá-las éresponsável por colocar tais ideias em circulação - diz Neves.Incidente parecido já envolvera o verbete em 2009, também em Uberlândia. Ação ordinária ajuizadapor Cleber Fernandes Machado pedia indenização por danos morais contra dicionários da editoraGlobo. Mas a juíza Raquel Agreli Melo julgou improcedente o pedido.Para Mauro de Sales Villar, diretor do Instituto Houaiss, casos do gênero resultam de um mal-entendido sobre o papel das obras lexicais de referência.- Dicionários não criam termos na língua; só refletem, como espelhos, as ocorrências com que sedeparam, não os usando com intenção de atacar ou menosprezar pessoas ou grupos - afirma ele.Num primeiro movimento do inquérito civil, o MPF enviou representação para que as editorasprestassem esclarecimento. Em seguida, recomendou a cada uma que retirasse a sinonímia
  • 3. condenável. Segundo Neves, todas (como Globo e Melhoramentos) acataram o pedido, comexceção da Objetiva, "alegando que a decisão seria da alçada do Instituto Houaiss". Villar conta queem 2010 o instituto enviou carta ao MPF, explicando que a edição problemática não seriareimpressa e as edições digitais e demais versões alterariam o verbete conforme o recomendado. A2ª edição do Houaiss, já concluída, ainda não foi publicada.Neves diz que não recebeu a carta. Por isso, considera a ação civil uma chance de acordo. Se umacarta com esse teor chegar às suas mãos, estuda arquivar o caso e até dispensar a indenização, pois oobjetivo do processo teria sido atingido.Especialistas dizem, no entanto, que o problema não se resolve com recuos do gênero. Pois está emjogo não um mero verbete, mas a razão de ser dos grandes dicionários.- Com o tempo, as palavras ganham conotações, nem sempre positivas. Quanto mais acepçõesmostrar, mais completo um dicionário será. É inconcebível retirar acepções - diz a lexicóloga Elisde Almeida Cardoso, professora da USP.Dúvida é saber se significados correntes refletem os ciganosPolêmicaPara Francisco da Silva Borba, do Dicionário Unesp do Português Contemporâneo, a ação civilpromove um patrulhamento desmedido.- É absurdo esse policiamento do uso linguístico. O Houaiss, sendo um dicionário filológico, nãotem abonações, mas é um erro tratar o sentido condenado como se ele não existisse - diz o professorda Unesp de Araraquara (SP).Borba prevê até julho o lançamento de seu Grande Dicionário do Português Escrito no Brasil, pelaeditora Unesp. "Cigano" estará nele, com as acepções de "pessoa de vida incerta e errante","ambulante negociante de cavalos" e um uso indicado como pejorativo, mas abonado por DomCasmurro (com "olhos de cigana oblíqua e dissimulada", Machado de Assis caracterizou Capitu).
  • 4. A professora Elis considera problemática a certeza de que sentidos pejorativos de "cigano" sejamhoje inexistentes, como alega o MPF.- Para ser tão categórico ao dizer isso, seria preciso mostrar a frequência de uso. A prova emcontrário é o próprio dicionário, que registrou um uso antigo e ainda corriqueiro. Um sentido nãodeixa de existir só pela vontade de que não exista - diz ela.Assim, embora o nomadismo não seja mais característica universal dos ciganos (muitos sesedentarizaram), o uso não "corrigiu" a acepção "nomade" da palavra, que os dicionáriosreproduzem. Assim também expressões como "remédio para dor de barriga" e "risco de vida" nãocorrespondem a "fatos" (ninguém toma remédio para provocar dor nem corre risco de viver), masao uso linguístico corrente.Borba diz que toda definição de dicionário deve ser fundada no uso. Palavras são neutras (fóricas),só o uso define se terão valor positivo (eufórico) ou negativo (disfórico), diz o lexicógrafo. "Graçasa você, bati o carro", exemplifica. "Graças", de teor positivo, é usado como negativo. O sentidocondenável depende, assim, de conjugação de fatores mais decisiva que o mero verbete, comocontexto, alcance, intenção, posição social do falante e, como diria Contardo Calligaris (Folha deS.Paulo, 30/6/2005, E12), o lugar que a pessoa, ao falar, reserva a quem o escuta. A incorreção nãoseria bem o escárnio, mas fazer quem escuta não ter opção a não ser aderir ou calar-se. O abusoverbal é imposto por quem faz pouco ou despreza o ouvinte - imagina-se dizer o que quiser,indiferente à situação. Foi a insensibilidade ao contexto que desempregou o pseudo-humoristaRafinha Bastos na TV Bandeirantes, embora a emissora só tenha se incomodado (com ele ter dito"eu como ela e o bebê" sobre uma grávida) quando o chiste atingiu personalidades com pesocomercial.BrasileiroPalavras com sinônimos ofensivos a etnias e povos soçobram na lexicografia. Nem "brasileiro"escapa. A nona acepção no Houaiss recupera Portugal: brasileiro é o "novo-rico de mau-gosto, semeducação ou cultura". Podemos não nos reconhecer na acepção, mas há outras oito que permitemplena identificação.Nem sempre o rastro de uma palavra é transparente. Muitas derivadas quase só apresentam sentidospejorativos. "Denegrir" (infamar) deriva de "negro"; "ciganear" (falsear), de "cigano" e "judiar"(maltratar), de "judeu". O contexto discursivo de intolerância, no entanto, não é a premissa de basepara o uso dessas palavras e é incerto que, ao usá-las, o falante faça necessariamente o vínculo cometnias e segregações.- Com termos assim, a pessoa só recupera o sentido primeiro se refizer o trajeto da palavra de casopensado. Se alguém fala "Ele está muito judiado" não é categórico que esteja pensando em judeus -diz Elis Cardoso.
  • 5. "Judiar" se dissociou de episódios do Novo Testamento que definiram seu sentido pejorativoMédia de usoQuem usa "capadócio" (trapaceiro), "vândalo" (arruaceiro), "boê-mio" (beberrão) e "beócio"(ignorante) não necessariamente reproduz agressões a povos da Capadócia, da Alemanha, daBoêmia e da Beócia.- A fala é espontânea, comparada à escrita. Se há entrelinha, não é o analista que vai julgar. Quandousa um verbete, é como se o dicionarista dissesse: "Não sou eu que estou dizendo, apenas cito" - dizBorba.Para ele, registrar os sentidos lexicais correntes ganhou complexidade no país. A escrita, lembra, émais "fixa" do que a fala. Como o Brasil vive histórica invasão oral da escrita, o uso escrito temcada vez mais proximidade com o que se vê no registro falado. "Pra" (para) e "cê" (você), porexemplo, são formas da oralidade cada vez mais aceitas em textos brasileiros.- O dicionarista do passado, sem formação acadêmica, sempre se baseou na autoridade da línguaescrita. Hoje em dia não é mais essa autoridade que dita as acepções, mas a média de uso - dizBorba.Saber o que circunscreve uma "média de uso", no entanto, é um dos nós do caso Houaiss. É nessabrecha de verificação que trabalha o procurador Cleber Neves.- Dicionários não são neutros. Cada um retrata a visão de um autor, por isso a obra leva seu nome.O que lemos neles não necessariamente é acepção geral, mas parcial - diz.DesconfiançaÉ antiga a desconfiança de que os dicionários propagariam uma visão isolada como se comum a
  • 6. toda gente. O sociólogo Pierre Bourdieu (1930-2002), em Questões de Sociologia (Lisboa, Fim deSéculo, 2004: 30), chegou a escrever que "o dicionário está cheio de uma certa mitologia política".Ocorre que a mitologia sobre ciganos parece ter sido emulada pelos próprios. A ênfase das acepçõesde "cigano" no "Grande" Houaiss não é pejorativa - de oito, só duas se enquadram, como exceção.O problema estaria em outra obra: o Dicionário Houaiss de Sinônimos e Antônimos tem cincoacepções, negativas ("desregrado"; "espertalhão"; "trapaceiro"; "boêmio" e, exceção duvidosa,"nômade").- Claro que há seleção. Todo dicionário poderia escrever um verbete de outro modo. A redação éautoral, mas as informações ali não são resultado da opinião de um autor, mas da pesquisa emdiversos corpora - pondera Elis Cardoso.Representação de ciganos no século 19: nomadismo, uma das acepções de "cigano", já não é regra definidora da etnia, mas continua presente nalinguagem brasileiraEliminaçãoNeves discorda.- O Houaiss propagou um juízo antecipado, que não mais se justifica. Ninguém duvida daveracidade do que ali encontra. Sequer questiona. O sentido pejorativo será internalizado, levando àconduta preconcebida em relação a um povo que deveria ser respeitado - diz.Villar defende as acepções, embora aceite as mudanças previstas.- Os dicionários de sinônimos e antônimos obviamente não contêm definições. Registram asacepções que captam nos textos literários, basicamente. Os verbetes citados trazem os tais sentidosdespectivos, mas sempre com a marca de pej. (pejorativo) - escreve Villar.
  • 7. Para ele, palavras não existem porque as pessoas leem dicionários.- Ninguém supõe eliminar dos dicionários palavras como "guerra", "tortura", "violência","pedofilia" com fim de conter ou impedir que tais tormentos continuem a existir. Fazê-lo seriavarrer para debaixo do tapete o que nos envergonha. Que fazer nos dicionários em tais casos, então?Registrar a palavra ou a acepção e dizer claramente, quando é o caso, que ela é pejorativa epreconceituosa. É como fazem os dicionários modernos em todo o mundo - diz Villar.Borba considera um precedente perigoso o aberto pelo caso.- Essa história do politicamente correto está se espalhando tanto que quem mexe com a línguaescrita se sente atrapalhado. Não sabe mais se, ao escrever, será condenado ou não - afirma.Política culturalNa lógica de linguistas como Borba, o precedente pode estimular caprichos futuros, e não é difícilimaginar sanções judiciais contra o sentido negativo de outros termos por motivos os mais diversos.A correção política depende do tipo de conversação que uma sociedade acredita caber em seu meio.O politicamente correto é filhote da vida urbana impessoal. Nela as relações tendem a ser pautadasnão tanto pelos contatos familiares e estreitos, em que a rede de recriminações é tão densa quantomediada pelos afetos das relações diretas. A vida urbana tende a ser, digamos, "mais jurídica queética". É marcada por graus de separação, em que o sujeito ao lado é um desconhecido a que somosindiferentes, ante o qual nos sentimos constrangidos, quando não ameaçados, e contra o qualreagimos de forma cirúrgica e preventiva. Ante o outro, o rigor da lei, não o desafio do contato.Sendo obrigação ditada de fora, há quem duvide que a correção seja incorporada como condutaética sincera.Formas sutis ou rasteiras de discriminação, no entanto, independem da assepsia das palavras.Retirar um sinônimo, aleijar um verbete, não tira a palavra de circulação, nem apaga o sentido quese buscou corrigir. O máximo que fará é colocar em dúvida a nossa capacidade social para o debate.Dito & EscritoO rancor dos dicionáriosPor Josué MachadoHouve tempo em que o preconceito por razões raciais, religiosas ou sexuais era menosácido. Na primeira metade do século 20, podiam-se compor sem problema marchinhascomo Nega maluca, O Teu Cabelo não Nega, Cabeleira do Zezé, Alá, Meu Bom Alá sem acarga de azeda intolerância comum hoje. Época em que dicionários registravam coisascomo:Cigano - "indivíduo que faz compra e venda de animais, mas sempre de má-fé;chicaneiro, trapaceiro, burlador; (...); o que pede preço alto por mercadoria e acaba porentregá-la por preço muito inferior; ladino, esperto; bajulador, lisonjeiro, impostor; noBrasil, sovina, agiota". (Grande Dicionário da Língua Portuguesa, Antonio de MoraisSilva, 10ª edição, Confluência, Portugal, 1951).Note-se que essa edição suaviza os termos da edição original, de 1813:"Ciganos, s.m.pl. Raça de gente vagabunda, que diz vem do Egito, e pretende conhecer
  • 8. de futuros pelas rayas, ou linhas da mão; deste embuste vive, e de trocas, e baldrocas;ou de dançar, e cantar: vivem em bairro juntos, tem alguns costumes particulares, euma espécie de germania com que se entendem" ("Baldroca" é trapaça, logro; e"germania", gíria, calão).Nada mudou muito nos dicionários desde então. É da década de 50 a acepção dorespeitável Aulete (editora Delta, 1958): "indivíduo que transaciona em animais, massempre de má-fé". Como adjetivo: "astuto, velhaco, trapaceiro".Pois o Houaiss, o Aurélio e o Aulete Digital registram noções parecidas, já quedicionários não são manuais de bom comportamento nem de defesa de noçõespoliticamente corretas. Relacionam palavras em uso, dão-lhes as definições e anotamusos, convenientes ou não, dependentes dos costumes.O Aurélio suaviza o que se avizinha do preconceito: "Cigano: (figurado) Indivíduoboêmio, erradio, de vida incerta. Negociante esperto, vivo. Vendedor ambulante". NoAulete Digital, o mesmo cuidado: "Fig. Indivíduo boêmio, de vida incerta. [Por vezes,com uso pejorativoj.] Pejorativo - Negociante esperto, vivo".Já o Houaiss é vítima de sua precisão ao registrar, como pejorativa, a acepção fixada noséculo 19. O Grande e Novíssimo Dicionário da Língua Portuguesa, de Laudelino Freire(José Olympio, 3ª edição, 1957), define: "Indivíduo que faz negócios de compra e vendade animais, mas sempre de má-fé".MudançasMas há coisas mais graves. É só ver "judeu" e "negrada". "Judeu", no Aurélio: "indivíduoavaro, usurário"; Houaiss: "pessoa usurária, avarenta". O Aulete Digital não trazacepção negativa. De "negrada", Houaiss: "reunião de desordeiros; malta". AuleteDigital: "grupo de desordeiros". O Aurélio não registra tais conceitos. O fato é queacepções de vários verbetes poderiam embasar ações judiciais ciganas. Alguém poderiaatiçar o Ministério Público até contra a Santa Sé e a bancada evangélica. Pediriaindenização e retirada da Bíblia de circulação, pois ela descreve terríveis casos deviolência, inclusive sexual, fratricídio, adultério, enganações, discriminações contraminorias e outros pecados variados.Vá lá que alguém resolva ganhar algum dinheiro extra com uma açãozinha judicialdistraída...Desinfetando as palavras
  • 9. 1955O jornalista Fernando Levisky lança a "Campanha dos dicionários", para banir sinônimosofensivos contidos em obras escolares, como "judeu" (avarento), "negro" (maldito),"brasileira" (cachaça), "favela" (morada de negros e malandros), etc. Com amobilização, muitas acepções pejorativas saem do Dicionário Contemporâneo (1958), deCaldas Aulete.1961Em julho, o presidente da República Jânio Quadros decreta que o Dicionário Prático daLíngua Portuguesa, de Francisco da Silveira Bueno, retire "conceitos que não podem serlevados em país cristão e democrático à mocidade", como "judeu", "judiação", "negro","jesuíta" e "favela". A medida foi deixada de lado após a renúncia de Jânio.1999O movimento contra o preconceito relacionado à aids reverte a tendência da imprensade usar o termo "aidético". A política cultural seguiu a precisão científica: nem todosoropositivo desenvolve doenças.2005A Secretaria Especial de Direitos Humanos edita cartilha com 96 termos a seremevitados por funcionários públicos. "Barbeiro" (motorista inabilidoso), "conservador" e "Acoisa tá preta" estavam na lista. A grita foi tal que a ideia foi engavetada.2008O deputado federal Frank Aguiar (PTB) pede ao Ministério do Trabalho que troque otermo "faxineiro" por "profissional de limpeza" na Classificação Brasileira de Ocupações,aquela que define a identificação de atividades na carteira de trabalho.2011Money for Nothing (1985), do Dire Straits, é execrada pelo Canadian BroadcastStandards Council por ofender homossexuais. A expressão "little faggot" (viadinho)criticava o estrelismo de quem requebrava nos clipes só para enriquecer.Fonte http://revistalingua.uol.com.br/textos/78/artigo255310-1.asp