Diferenças entre o trabalho clínico e preventivo ...

12,583 views
12,438 views

Published on

Psicopedagogia Clínica Institucional. Professora Doutoranda Luana Marafiga. Diferenças entre o trabalho clínico e preventivo ...

3 Comments
5 Likes
Statistics
Notes
No Downloads
Views
Total views
12,583
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
132
Actions
Shares
0
Downloads
533
Comments
3
Likes
5
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Diferenças entre o trabalho clínico e preventivo ...

  1. 1. Psicopedagogia Clínica Institucional Professora Doutoranda Luana Marafiga
  2. 2. Diferenças entre o trabalho clínico e preventivo • A distinção entre o trabalho clínico e o preventivo é fundamental. • Clínico: Visa buscar os obstáculos e as causas para o problema de aprendizagem já instalado. • Preventivo: Estuda as condições evolutivas da aprendizagem apontando caminhos para um aprender mais eficiente. • Já os objetivos específicos de um bom curso de psico segundo a ABPp são: • No enfoque clínico: Desenvolver competências e habilidades no aluno, preparando-o para trabalhar na identificação, análise, e na elaboração de uma metodologia de diagnóstico e de intervenção/orientação (individual, grupal,familiar e dos profissionais envolvidos) nas questões que envolvem a aprendizagem humana. • No enfoque Institucional: Considerando-se que o objeto de estudo é a pessoa em desenvolvimento e as alterações de tais processos, buscar-se-á desenvolver competências e habilidades no aluno para que este seja capaz de focalizar as possibilidades do aprender, num sentido amplo, não se restringindo a uma só agência, isto é, a educação formal, mas possibilitando a atuação preventiva do psicopedagogo na comunidade (Ongs, hospitais,empresas,creches, família).
  3. 3. Na clínica... • O psicopedagogo usará instrumentos tais como testes operacionais (Piaget), provas projetivas (desenhos, ex: HTP), brincadeiras, jogos, anamnese, etc...(da escolha do profissional) a fim de detectar geralmente entre 8 a 10 sessões o problema e dar o diagnóstico.
  4. 4. Acertos • Nunca podemos esquecer que uma entrevista ou período com os pais ou responsáveis pelo paciente é muito valioso a fim de definir sessões, horários, honorários pois este momento deve ser reservado a discutir o trabalho do profissional, neste primeiro momento não devemos começar a explorar o histórico do sujeito através da observação dos pais e /ou responsáveis pelo paciente.
  5. 5. Diagnóstico- detector de problemas- Faro • Indica tratamento psicopedagógico, identifica problemas que exigem outras intervenções que podem necessitar encaminhamento do indivíduo a psicólogos, fonoaudiólogos, neurologistas, etc.
  6. 6. Tratamento Psicopedagógico • O tratamento poderá ser feito com o próprio psicopedagogo que fez o diagnóstico ou por outro a escolha dos responsáveis pela criança ou adolescente; Durante o tratamento são realizadas diversas atividades com o objetivo de encontrar a melhor forma de se aprender e o que poderá estar causando o bloqueio ou problema encontrado; O psicopedagogo utilizará recursos como jogos , desenhos, brincadeiras, contação de histórias, computador e tudo que for preciso pois muitas vezes a criança não consegue falar sobre seus problemas e é através destes desenhos, brincadeiras etc, que ela revela suas dificuldades, nível de desenvolvimento e consegue adquirir atenção.
  7. 7. • O psicopedagogo solicitará, se necessário,as tarefas escolares,observando cadernos,olhando a organização e os possíveis erros, ajudando o paciente com esses erros, isso ajudará nosso paciente a encontrar a melhor forma de estudar para que se dê uma aprendizagem significativa; Ó profissional poderá ir até a escola para conversar com o professor ou professores deste ou com as pessoas com quem nosso paciente tem contato diário para obter informações que podem nos ajudar a montar o “quebra- cabeça” que é detectar e procurar sanar os problemas ou problema encontrado; • Nunca podemos esquecer que a ajuda de outros profissionais é muito valiosa para trocar idéias, pedir opiniões, etc além da classe ter de estudar muito pois a retro-alimentação é básica nesta área de atuação.
  8. 8. O trabalho na Instituição • O psicopedagogo na Instituição escolar poderá: • Ajudar os professores, auxiliando-os na melhor forma de elaborar seus planos, objetivos de trabalho para que sua clientela possa entender melhor as suas aulas; • Ajudar na elaboração do PPP; • Orientar os professores na melhor forma de ajudar em sala de aula os alunos com dificuldades de aprendizagem,; • Realizar diagnóstico institucional para averiguar possíveis problemas pedagógicos que possam estar prejudicando o processo de ensino- aprendizagem; • Encaminhar o aluno para um profissional (psicólogo, fonoaudiólogo, neurologista etc) a partir de avaliações psicopedagógicas; • Conversar com os pais/responsáveis para fornecer orientações; • Auxiliar a direção da escola para que os profissionais da instituição possam ter um bom relacionamento entre si; • Conversar com a criança ou adolescente quando estes precisarem de orientação de qualquer nível, daí a responsabilidade de dominar muitas áreas de conhecimento e se abastecer de leituras.
  9. 9. Fundamental na atuação • Escuta • Fortaleza para lidar com as resistências conscientes e inconscientes do nosso paciente, seus bloqueios,sentimentos e emoções • Não parar de buscar, compreender, conhecer, reestruturar saberes
  10. 10. Inter-relações • Aspecto pedagógico- aspecto cognitivo- aspecto emocional
  11. 11. Bom saber... • De acordo com Visca a Psicopedagogia foi inicialmente uma ação ligada à medicina e à psicologia, perfilando-se como conhecimento independente com o passar do tempo, constitui um objeto de estudo, um processo de constante aprendizagem, de recursos diagnósticos corretores e preventivos; • Influências no Brasil: Visca, Sara Paín , Ana Muniz; • Podemos dizer que Visca foi pioneiro na difusão psicopedagógica no Brasil criando a Epistemologia Convergente, linha teórica que propõe um trabalho com a aprendizagem utilizando-se da integração de três linhas da Psicologia:Escola de Genebra- Psicogenética ( já que ninguém pode aprender além do que sua estrutura cognitiva permite), da Psicanálise de Freud com quem vamos trabalhar muito neste módulo ( já que precisamos saber que dois sujeitos com igual nível cognitivo e distintos investimentos afetivos em relação a um objeto aprenderão de forma diferente) e da Escola de Psicologia Social de Enrique Pichon Rivière (pois se ocorresse pariedade do cognitivo e afetivo em dois sujeitos de distinta cultura, também as aprendizagens em relação a um mesmo objeto seriam diferentes devido a influências que sofreram por seus meios sócio-culturais). Para Visca o principal objeto de estudo são os níveis de inteligência, as teorizações da psicanálise sobre as manifestações emocionais, as proposições da psicologia social... porque a aprendizagem escolar além de lidar com problemas sociais e emocionais lida também com as relações, as experiências vivenciadas em grupos sociais específicos.

×