• Share
  • Email
  • Embed
  • Like
  • Save
  • Private Content
Estudos de sujeito único
 

Estudos de sujeito único

on

  • 2,925 views

 

Statistics

Views

Total Views
2,925
Views on SlideShare
2,925
Embed Views
0

Actions

Likes
0
Downloads
32
Comments
0

0 Embeds 0

No embeds

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Microsoft PowerPoint

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment
  • Verificar se há melhores apresentações!!!
  • Melhorar discussão dos delineamentos!!!
  • Inserir os três artigos de exemplos e se possível seu experimento.
  • Encontrar artigos relacionados à aplicação em psicologia – ver unisantos.

Estudos de sujeito único Estudos de sujeito único Presentation Transcript

  • Estudos de sujeito único Aplicações na fisiologia do exercício
  • Aspectos históricos
    • Meados 1800 -> comportamento humano
    • 1928 Pavlov -> trabalho com organismos únicos
    • Aprimoramento -> Skinner -> comportamento e alterações
    • Análise para grupos -> Adolphe Quetelet
    • Desenvolvimento de métodos de inferências -> R. A. Fisher
  • O que é estudo de sujeito único? Prove uma maneira quasi-experimental de avaliar a eficácia de um tratamento em um único sujeito ou pequeno grupo de sujeitos, onde cada indivíduo serve como seu próprio controle. (Backman, Harris, 1999). Refere-se ao estudo de um único cliente ou sistema de clientes e envolve a coleta repetida de informações sob um período de tempo de maneira planejada. (Zhan, Ottenbacher, 2001). Estudo onde se observam os resultados de um ou poucos sujeitos como variável dependente em diversos pontos de tempo. (Kinugasa, Cerin, Hooper, 2004). Experimento planejado no qual uma entidade é observada repetidamente durante um certo período de tempo sob diferente níveis (tratamentos) de pelo menos uma variável independente. (Onghena, Edgington, 2005).
  • Por que aplicar?
    • Foco no indivíduo
    • Intervenção específica
    • Eficácia da intervenção
    • Dificuldade em obter amostras representativas
    • Auxílio na tomada de decisão
    • Falta de estudos apropriados
    • Variabilidade
    • Compreensão de padrões temporais
    • Atleta
    • Paciente
    • Aluno
    • Grupo
    • Placebo vs. Intervenção
    • Novo vs. Tradicional
    • Entre sistemas biológicos
      • Diferentes soluções mesma tarefa
    • Dentro sistemas biológicos
  • O que mensurar?
    • Rendimento
    • Prontidão para o rendimento
    • Grande variabilidade inter-individual
    • Fadiga,
    • Alteração de humor
    • Variabilidade da FC
    • Lesão
    • Regra e não a exceção
    • Medida valida e confiável
    • Sensibilidade a alterações
    • Robusto a fatores de confundimento
    • Generalização -> ferramentas ou protocolos padronizados
  • Delineamentos
    • Alternação
    • Fase
    • Replicação simultânea
    • Replicação seqüencial
  • Delineamentos
    • AB
    • Inversão ou retirada
    • Múltiplas bases
    • Tratamentos alternados
    • Mais simples
    • Suposição efeitos por intervenção
    • Validade interna?!?!
    • Validade interna
    • Efeito de continuidade?!?!
    • Ética?!?!
    • Validade interna
    • Independência?!?!
    • Validade interna
    • Efeito de continuidade?!?!
    • Randomização
    A = base, cego, controle B – Z = tratamento, intervenção
  • Análise dos dados AB = delineamento AB, ABA = delineamento de inversão, DTA = delineamento de tratamentos alternados, MB = delineamento de bases múltiplas. Adaptado de Kinugasa, Cerin, Hooper (2004) . Modelo Não Grande (>100) Modelos estruturais Modelo Sim Grande (>100) Análise fatorial dinâmica Modelo Não Grande (>100) Análise fatorial técnica P MB Sim Pequena (>30) Teste de ranks de Revusky AB, ABA, MB Não Pequena (>30) Split-middle AB, ABA, DTA, MB Sim Pequena (>30) Teste de randomização AB Sim Pequena (>20) Séries temp. interrompidas AB, modelo Sim Grande (>50) Séries temporais AB, ABA Não Pequena (>16) Estatística C AB, ABA, DTA Não Pequena (>30) ANOVA Aplicação Auto-correlação Amostra Método
  • Séries temporais interrompidas
    • Metodologia
    • Aplicação
    • Limitação
  • Teste de randomização
    • Metodologia
    • Aplicação
    • Limitação
  • Split-middle
    • Metodologia
    • Aplicação
    • Limitação
  • Quando aplicar? (1) Adaptado de Backman, Harris (1999). Indicação Eficácia do tratamento é realmente duvidosa? Se eficiente, o tratamento será continuado a longo prazo? O indivíduo está motivado em colaborar no delineamento e continuidade do tratamento?
  • Quando aplicar? (2) Adaptado de Backman, Harris (1999). Possível para o paciente O tratamento tem início de ação rápida? Tratamento tem efeito cessado assim que descontinuado? Duração adequada do tratamento é possível? Medidas clinicamente relevantes podem ser determinadas? Critérios sensíveis para interrupção do ensaio podem ser estabelecidos? Um período cego deve ser realizado?
  • Quando aplicar? (3) Adaptado de Backman, Harris (1999). Possível para o pesquisador Há uma equipe para auxílio? Há estratégias para interpretação dos dados? O estudo é ético?
  • Exemplos de aplicações (1)
  • Exemplos de aplicações (2)
  • Exemplos de aplicações (3)
  • Exemplos de aplicações (4)
  • Sujeito único X Grupo
    • Generalização (replicação?!?!)
    • Limitações dos desenhos
    • Voluntário/pesquisador
    • Mensuração X intervenção
    • Análise dos dados
    • Avaliação das suposições para inferência
    • Conhecimento das suposições
    • Análises prognóstico : intervenção
    • Foco no indivíduo
    • Populações pequenas
    • Ambiente prático ou clínico
    • Comparação entre intervenções
    • Alteração em indicadores específicos (também realizada com grupos)
    • Método sistemático de documentar resultados
    • Sem influência da variabilidade inter-sujeitos
    Desvantagens Vantagens
  • Referências
    • Chest , 115(1)38-48, 1999.
    • JAMA , 281(24):2321-8, 1999.
    • Clin. J. Pain , 18(4):251-61, 2002.
    • J. Strength Cond. Res. , 16(3):466-71, 2002.
    • Med. Sci. Sports Exerc. , 28(5):631-8, 1996.
    • Med. Sci. Sports Exerc. , 28(5):639-44, 1996.
    • Am. J. Phys. Med. Rehabil. , 78(2):170-6, 1999.
    • Disabil. Rehabil. , 23(1):1-8, 2001.
    • Sports Med. , 34(15):1035-50, 2004.
    • Clin. J. Pain , 21(1):56-68, 2005.
    Aplicação Teórico
  • MUITO OBRIGADO!!!