Análise e observação da equipa do vitória de setúbal no jogo contra sporting clube de portugal

3,951 views

Published on

2 Comments
11 Likes
Statistics
Notes
No Downloads
Views
Total views
3,951
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
2
Actions
Shares
0
Downloads
0
Comments
2
Likes
11
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Análise e observação da equipa do vitória de setúbal no jogo contra sporting clube de portugal

  1. 1. Análise e observação da equipa do Vitória de Setúbal no jogo contra Sporting Clube de PortugalDe: João Eduardo Louro Baptista Crugeira CorreiaPara: José Mota e restante equipa técnicaLocal: Estádio do BonfimData: 04/11/2012Hora: 20:15
  2. 2. Dados do jogoResultado:V.Setúbal 2 – 1 Sporting Clube de Portugal(Pedro Santos 27´; Meyong 68´) (Jeffren 42´)Onze inicialSubstituições: Disciplina:Cristiano por Miguel Pedro aos 74´ Amarelo para: Ricardo SilvaPedro Santos por Amoreirinha aos 79´ Nélson PedrosoMeyong por Jorginho aos 94´ Paulo Tavares Jorginho Vermelho para: Miguel Lourenço
  3. 3. Organização Ofensiva Equipa organizada em 4x3x3 (4x1x2x2x1) apresentando-se muito coesacom enorme espírito e motivação. Procuram construir jogo de forma rápidae explosiva, sabendo distinguir os momentos em que jogam curto e osmomentos em que jogam directo para Meyong. A construção de jogo curto tem sempre passe para um dos centrais,quando estes não jogam directo passam sempre num dos laterais, dandoenorme preferência ao corredor esquerdo, Pedro Queiróz recebeu poucasbolas vindasdo corredor central. Os centrais apenas colocavam no corredordireito quando o Ney estava no sector defensivo neste corredor. Quando oslaterais tiveram a bola procuravam jogar directamente a bola no sectorintermédio avançado do seu corredor ou directamente na zona central doataque. Quando o lateral entra no sector intermédio tem sempre duas linhasde passe frontais, o extremos do lado da bola e no corredor central um dosmédio centros mais ofensivos (Paulo Tavares ou Bruno Amaro). Se for nolado direito é mais usual ser Paulo Tavares se for no lado esquerdo é BrunoAmaro, apesar de haver bastantes excepções à regra, muitas vezestrocavam de lado. Quando a organização do Vitória se encontrava na 2ª fase, a equipa jáconseguia movimentar-se muito melhor e trocar muito melhor a bola. Nomomento em que o jogo se encontra num dos extremos no sectorintermédio/corredor lateral o lateral do lado da bola dá bastanteprofundidade sendo mais uma solução na frente. A mobilidade que severificava no sector avançado era perfeita, com muitas trocas de posiçõesque desorientaram a defesa do Sporting. Um movimento que se repetiuinúmeras vezes foi a troca de posições entre o ponta-de-lança e osextremos. Esta troca foi mais acentuada e registável entre Meyong e PedroSantos. Bruno Amaro também aproveita muito bem esta dinâmica,aproveitanto muitas vezes penetrando a defesa contrária. Na 3ª fase, os jogadores no corredor lateral procuram rupturas fazendodiagonais e procurando espaços entre centrais e entre centrais e laterais. Porisso houve poucas situações de cruzamentos.Importante referir que os princípios da organização ofensiva foramcumpridos. Um outro aspecto foi a grande importância de Ney na coberturaofensiva, não dando margem de manobra ao Sporting quando o Vitóriaperdia a posse de bola. É o tipo de jogador que pensa o jogo de uma formainteligente e coerente.
  4. 4. Organização Defensiva Em organização defensiva o sistema táctico sofre algumas alterações, namedida em que Paulo Tavares recua, tornando-se um médio defensivo(Paulo Tavares teve um papel de box-to-box) e o mesmo acontece com osextremos. Quando a equipa não tinha a bola verificava-se um grande crer,vontade e obrigação em a recuperar. Quando o Sporting se encontra na 1ª fase de construção e um dos centraistem a bola ninguém vai pressionar, mas se este progredir no terreno,Meyong ou Bruno Amaro vão à contenção. Mal a bola vai para um lateral oextremo do lado referente cai em cima. Quando a bola se encontra nestafase do Sporting, a nossa linha de 4 defesas está posicionada em “escada”. Bruno Amaro tem um papel muito activo defensivamente quando a bolase encontra no meio-campo do Sporting, pressionando bastante Rinaudo edescaíndo sempre no lado da bola. No momento em que a bola entra nomeio-campo setúbalense Bruno Amaro deixa de ter acções defensivas e umdos médios mais defensivos (Ney ou Paulo Tavares) pressionam o portadorda bola. Ney e Paulo Tavares não têm um lado do campo fixo, vãoalternando e estão sempre bem sincronizados. Bruno Amaro nestemomento procura já estar do lado contrário em que Paulo Tavares está adefender, posicionando-se perto da linha do meio-campo no nosso ladodefensivo a preparar a transição. Algo que se verificou menos bom registou-se nos momentos em que oSporting em organização ofensiva tinha a bola no sectorintermédio/avançado num dos corredores laterais, na medida em quesegundo a minha análise os laterais não cumprem bem a marcação zonal,saíndo para pressionar cedo da mais e de forma inconsciente... Maior partedas vezes eram ultrapassado, desfavorecendo o equilíbrio defensivo. Quando um dos laterais é ultrapassado o central do lado da bola sai bemna contenção e o lateral passa a dar cobertura. Se o lateral não chega atempo Ney socorre muito bem a situação. Se por outro lado, o centraltambém é ultrapassado é de novo Ney a “salvar” pressionando com durezae dificultando a acção do jogador adversário. (como é possível verificar-senas imagens da página seguinte)
  5. 5. Mais uma vez é necessário elogiar o trabalho defensivo que o Neyrealizou, permitindo todo o equilíbrio
  6. 6. Transições ofensivas Assiste-se uma mudança de atitude rápida e agressiva, procurando aprogressão no terreno com velocidade. Ney ou Paulo Tavares sobemrápidamente. Se a bola é recuperada numa zona lateral do terreno, osjogadores procuram colocar no corredor contrário entre o sector intermédioe o sector avançado. Se por outro lado, a bola é recuperada no corredorcentral, os jogadores decidem bem, procurando o corredor maisdesfavorecido do Sporting, no momento em que perdem a bola,normalmente era o corredor direito... Onde se encontrava Cédric. Quando não existem possibilidades de contra-ataque rápido perdem-sealgumas bolas... Poderiam temporizar mais, mas a razão para esteacontecimento é a boa mudança de atitude que faz com que os jogadoresqueiram resolver e fazer golo nos momentos de transição.Transições do Guarda-Redes: Passe longo para as costas da defesaSportinguista, ou para as alas ou para o corredor central.Transições defensivas Mudança de atitude razoável, ficando a equipa um pouco partida e Ney oresponsável por fazer a cobertura ao lado que fica mais exposto. PedroSantos desce muito mais rápido e tem maiores preocupações defensivas doque Cristiano, que não dá tudo no momento em que se perde a posse. Outra das razões para ficar um pouco exposta neste momento do jogoserá devido aos laterais subirem bastante... O que acaba por dar maiorimportância à ajuda defensiva por parte dos extremos.
  7. 7. Bolas paradas ofensivas:
  8. 8. Bolas paradas defensivas
  9. 9. Ponto crítico do encontroVFC passa a jogar com 10 após expulsão de Miguel Lourenço: Passou a defender num bloco defensivo mais baixo, colocando muitosjogadores atrás da linha da bola. A substituição de Pedro Santos porAmoreirinha permitiu maior coesão defensiva. Os jogadores nesta fase doencontro foram uns guerreiros que queriam sempre recuperar a bola e fazerde tudo para não haver desiquilíbrios que acontecem quando se joga commenos um. Em organização ofensiva a equipa passou a jogar em 4x4x1, colocandosó um jogador na frente.Pontos a melhorar 1- Na organização ofensiva quando começam a atacar por um corredor lateral e já não conseguem progredir no terreno (devido a inferioridade numérica no corredor), os jogadores tendem a recuar a bola para o corredor central (e bem), o jogador que recebe a bola passa muitas vezes para o mesmo corredor... Deve haver maior procura nas mudanças de corredor. 2- Transições defensivas o que já foi referido. 3- Na organização defensiva o desposicionamento que os laterais dão quando a bola se encontra no nosso sector intermédio/recuado.Homem-do-jogoNey- Em todos os momentos do jogo é um jogador indispensável, sabedefender, sabe atacar e sabe quando se tem que preocupar com acçõesofensivas ou acções defensivas. Depois da semana de treinos em queverifiquei que era “a alegria” do balneário não tenho dúvidas que é umjogador fundamental.Contactos: 914101092 joao_lbcc@hotmail.com

×